Ruína moral

É difícil de saber o que mais falta para que se considere completo o quadro de ruína moral do lulopetismo e, especialmente, do governo da presidente Dilma Rousseff, pois todos os dias surgem novas e terríveis evidências de que a corrupção e a desfaçatez, sob a égide de Lula e de seus comparsas, atingiram seu estado da arte. Mas a delação premiada do senador petista Delcídio Amaral, em que ele acusou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, de lhe ter prometido dinheiro e ajuda para que não colaborasse com as investigações da Lava Jato, leva o escândalo para um novo e desconhecido patamar.

O Estado de S.Paulo

16 Março 2016 | 03h00

Será preciso grande boa vontade para acreditar que Dilma Rousseff nada sabia a respeito das reinações de Mercadante. Em primeiro lugar, trata-se do ministro mais próximo da presidente, e também certamente o mais leal. É improvável que ele tenha tomado a decisão de tentar comprar o silêncio de Delcídio sem o conhecimento e, principalmente, sem a anuência de Dilma.

A se considerar a hipótese benevolente, a de que a presidente de nada sabia, então deve-se concluir que o governo de Dilma Rousseff é realmente uma bagunça, em que todos fazem o que bem entendem, sem o conhecimento e muitas vezes à revelia da chefe. Dilma, vendida ao País como a gerentona que conduz a administração com pulso firme e atenta aos menores detalhes, seria apenas uma alma cândida, ignorante acerca das traquinagens de seus principais assessores.

Seria então um gabinete coalhado de “aloprados”, para usar a feliz expressão de Lula, então presidente da República, quando teve de explicar, às vésperas da eleição de 2006, o que faziam integrantes do PT flagrados ao tentar comprar um dossiê contra o então candidato tucano ao governo paulista, José Serra. Curiosamente, naquela época, um dos tais “aloprados” acusou Mercadante, adversário de Serra na disputa, de ser o mentor do esquema.

Dez anos depois, o nome de Mercadante aparece outra vez vinculado a uma operação criminosa. O senador Delcídio Amaral disse que, quando estava preso, em dezembro passado, Mercadante lhe propôs que não procurasse o Ministério Público Federal para contar o que sabia sobre o petrolão. A conversa se deu entre Mercadante e um assessor de Delcídio – que gravou o diálogo com a proposta indecente. “Eu só tô aqui pra ajudar”, diz Mercadante na gravação.

Segundo a delação do senador, Mercadante garantiu que os problemas de falta de dinheiro do parlamentar seriam solucionados, “provavelmente por meio de empresa ligada ao PT”, e que “em pouco tempo” o caso todo “seria esquecido”. Delcídio declarou ainda que Mercadante prometeu que falaria com o presidente do Senado, Renan Calheiros, e com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, para que eles intercedessem a seu favor. Na gravação, o ministro de Dilma afirma que tentaria “construir com o Supremo uma saída” para o caso de Delcídio e declarou: “Eu posso tentar ajudar nisso aí no Senado”.

Delcídio entendeu que Mercadante “agiu como emissário da presidente da República”, pois o ministro chegou a ameaçá-lo, dizendo que, se seguisse adiante com a delação, seria um “agente de desestabilização” do governo. Mercadante, como era previsível, negou tudo.

A delação premiada de Delcídio Amaral veio a público porque foi homologada pelo Supremo, o que significa que seu depoimento cumpre os requisitos legais. Para ter o benefício da redução de pena, o depoente não pode mentir e precisa apontar aos investigadores caminhos para a obtenção de provas do que diz – e o que ele diz envolve não apenas Dilma, mas também Lula, apontado por Delcídio como o homem que sabia de tudo a respeito do petrolão e que interferiu para obstruir as investigações.

Como ex-líder do governo no Senado e homem de confiança de Dilma na articulação política, com excelente trânsito dentro do Palácio do Planalto, Delcídio sabe de muitas coisas. Sabe o suficiente para acabar de vez com as manobras desesperadas que tentam salvar esse governo corrupto e imoral na sua vigésima quinta hora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.