Um show de solidariedade e competência

Num grande espetáculo multimídia de solidariedade e competência tecnológica, foram salvos os 33 mineiros que passaram 70 dias soterrados na Mina San José, no deserto chileno de Atacama. A solidariedade mobilizou recursos humanos e materiais, além da atenção de centenas de milhões de pessoas de todo o mundo que acompanharam pela televisão a cobertura ao vivo da operação de resgate. A tecnologia, com um grau de sofisticação inédito em eventos dessa natureza, ofereceu as ferramentas necessárias ao completo êxito de um bem planejado empreendimento.

, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2010 | 01h00

A dramática aventura dos 33 mineiros, que prendeu a atenção universal por seu pungente roteiro de desespero, esperança e redenção, deixa muitas lições que, é de esperar, hão de ser aprendidas. Talvez a mais importante: a vida, valor supremo, exige que não se poupem esforços para sua preservação. Parece óbvio, mas exatamente por isso, especialmente no momento em que se comemora com justificável euforia o êxito do resgate, é importante lembrar que os mineiros passaram mais de duas semanas soterrados sem contato algum com o mundo exterior, alimentando-se com frugais duas colheres de atum e meio copo de leite em pó diários, numa situação desesperadora diante da qual o governo chileno já ensaiava entregar os pontos. Não é difícil imaginar o estado de ânimo desses 33 homens que durante 17 dias não tiveram nenhuma razão objetiva para acreditar que sobreviveriam ao desastre, restando-lhes nada mais do que fé e esperança. E o mesmo se pode dizer dos pais, mães, esposas, filhos, amigos que, impotentes, viveram por tantos e intermináveis dias a terrível angústia da espera.

Mas a fase do desespero foi finalmente substituída pela da esperança quando uma das muitas sondas que tentavam contato com o refúgio onde os trabalhadores se encontravam, a uma profundidade de quase 700 metros, recolheu de volta a mensagem manuscrita com tinta vermelha: "Estamos bien en el refugio los 33." Era domingo, 22 de agosto, e o próprio presidente Sebastián Piñera, aliviado, transmitiu ao mundo a alvissareira notícia.

De acordo com a opinião unânime de especialistas, a operação de resgate resultou num grande sucesso, principalmente, por seu cuidadoso planejamento. Ao governo chileno coube a exibição de um show de impecável competência. Desde o início, resistindo à compreensível pressão vinda de todos os lados para definir um prazo tão curto quanto possível para o salvamento dos mineiros, as autoridades chilenas, sob o comando do ministro da Mineração, Laurence Golborne, tiveram a cautela de não criar falsas expectativas. Chegaram a anunciar que o resgate só poderia ser feito depois de quatro meses, por volta do Natal. Isso explica a agradável surpresa que significou a consumação do salvamento dos 33 "apenas" 70 dias depois do acidente. Além disso, não se pouparam recursos materiais e financeiros para que os mineiros fossem cercados de todos os cuidados médicos e psicológicos - um especialista em confinamento da Nasa participou da ação. E foram recrutados os melhores técnicos e as melhores tecnologias disponíveis no mundo para operações do gênero, a começar pelo projeto e construção da cápsula usada para o transporte dos mineiros até o ar livre, apropriadamente batizada de Fênix.

Vivendo agora a fase da redenção, os 33 heróis do Atacama contemplam a perspectiva de um futuro tranquilo, do ponto de vista material. Depois que mais de mil jornalistas do mundo inteiro acorreram à Mina San José para acompanhar a operação de resgate exibida ao vivo para dezenas de países e estimado quase 1 bilhão de telespectadores, os mineiros organizam-se agora para enfrentar o enorme assédio de veículos de comunicação e editores ansiosos por exclusividade em entrevistas e livros. Faz parte do espetáculo. Por sua vez, o presidente Piñera, cuja popularidade andava em baixa, comemora uma substancial melhora dos índices de aprovação de seu governo. Fez por merecer, ao acompanhar pessoalmente toda a operação de resgate e recepcionar cada um dos novos heróis com calor humano e manifestações de júbilo perfeitamente compatíveis com o comportamento que sua investidura como presidente da República recomenda. Um belo exemplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.