Zona do euro cresceu mais do que os EUA

A zona do euro cresceu 2,5% entre 2016 e 2017, porcentual superior ao crescimento dos Estados Unidos (+2,3%) e do Reino Unido (+1,8%) e melhor resultado em 10 anos, segundo a agência oficial de estatísticas da União Europeia Eurostat

O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2018 | 03h09

A zona do euro cresceu 2,5% entre 2016 e 2017, porcentual superior ao crescimento dos Estados Unidos (+2,3%) e do Reino Unido (+1,8%) e melhor resultado em 10 anos, segundo a agência oficial de estatísticas da União Europeia Eurostat. O ritmo de crescimento deve se manter em 2018, com benefícios generalizados para a economia mundial, inclusive para o Brasil.

O Produto Interno Bruto da zona do euro superou os níveis anteriores à crise do final da década passada e o desemprego está em queda. A inflação também foi muito baixa – 1,4% em 2017 – e tende a cair, pois é estimada pela Eurostat em 1,3% nos 12 meses terminados em janeiro de 2018.

A retomada deve ser creditada, em grande parte, à política do Banco Central Europeu (BCE). O afrouxamento monetário permitido pela inflação baixa favoreceu o reequilíbrio dos sistemas bancários nacionais, ameaçados pela insolvência de grandes devedores. Já se prevê que o BCE, que comprou ¤ 2,3 trilhões em bônus, possa intensificar a redução dos programas de apoio às economias da área, que responderam positivamente aos estímulos.

Entre os países analisados, a Espanha se destacou, com avanço do PIB de 3,1%. A Alemanha cresceu 2,2%. A França, com crescimento de 1,9%, também ficou abaixo da média, mas registrou a maior taxa desde 2011.

O desemprego da zona do euro se reduziu de 9,7% em 2016 para 8,7% em 2017. Ou seja, é inferior ao do Brasil, onde foi de 12,7% em média em 2017 e de 11,8% no último trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em contraste com a maioria dos países europeus, o desemprego na Grécia, cujo desequilíbrio fiscal a levou à insolvência em 2010, notadamente devido ao enorme déficit da previdência social, atingiu 20,7%, mais que o dobro da média regional.

O fortalecimento da economia europeia já beneficia o Brasil e poderá beneficiar ainda mais neste ano, seja via atração de investimentos, seja no comércio exterior.

As exportações brasileiras para 21 países da região foram de US$ 34,7 bilhões em 2017, 4,6% superiores ao total exportado em 2016, segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O crescimento foi muito inferior ao das exportações totais (+18,5%) e ao das exportações de manufaturados (+8,6%). Este é um problema que cabe enfrentar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.