Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2020 | 03h00

SERVIÇO PÚBLICO

Improvisação na Receita

Ao ler o editorial Administração de improviso (15/1, A3), referente à improvisação de atendimento aos segurados do INSS, lembrei-me da semelhança no atendimento da Receita Federal. Todos os anos transmitimos nossas declarações de renda de acordo com a legislação em vigor. E quando temos algum valor a ser restituído (se é restituição, quer dizer que já pagamos acima do devido), aguardamos impacientemente a liberação. Mas a Receita Federal alega haver divergências. Então, analisamos todas as informações transmitidas e constatamos que a declaração está perfeitamente correta. Aí a Receita Federal diz que somente a partir de janeiro do ano seguinte o contribuinte poderá agendar a apresentação da documentação que comprova que ele está correto. Chega janeiro do ano seguinte, o contribuinte entra no site da Receita e começa uma longa tortura. Qualquer horário que tenta agendar, o sistema informa que as vagas estão esgotadas. O problema não termina aí, lá por março ou abril enfim se consegue agendar e apresentar toda a documentação comprovante de que o valor a ser restituído está correto. O atendente confere, confirma verbalmente que está tudo certo e o contribuinte fica esperando a liberação do seu dinheiro. E, então, surpresa! Fica o resto do ano com a seguinte informação no site: documentação em análise para liberação. Lamentável.

EDSON MEDEIROS

elmer.corretor@gmail.com

São Paulo

*

Quadro desfalcado

O editorial alude à improvisação do atual governo na administração do INSS, todavia seus problemas vêm de longa data. E mais: conforme o próprio editorial informa, 6 mil funcionários do órgão se aposentaram em 2019, além dos servidores que estão afastados por licenças e dos deslocados para outros órgãos do governo. Olhado o assunto com essas informações se entende que nenhum planejamento poderia suportar o incremento no número de pedidos de aposentadoria apresentados ao longo do ano passado. Quanto à utilização de militares da reserva para pôr o serviço previdenciário em ordem, parece-me que os 30% adicionais a seus benefícios vigentes representam valor muito menor do que seria a contratação de novos funcionários, ou a terceirização temporária dos serviços. Além de que essa medida evita processos de contratação que se estenderiam por meses, o que só agravaria o problema. Diante de tudo isso, a questão não se me afigura como apenas de mero improviso.

ABEL CABRAL

abelcabral@uol.com.br

Campinas

*

Licença médica no INSS

Só mesmo num órgão público 20% dos funcionários ficam em licença médica. Na iniciativa privada, com certeza muitos seriam demitidos por justa causa.

RENATO MAIA

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

Atraso

A reforma da Previdência foi aprovada e sancionada, mas os anunciados avanços ainda não venceram as amarras do atraso. É ultrajante o sofrimento de idosos em busca de seus direitos.

VICENTE LIMONGI NETTO

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

LIVROS DIDÁTICOS

Logística digital

O problema do descarte dos livros didáticos não está propriamente no conteúdo “vencido”, mas na necessidade de desocupação do depósito em questão para novas remessas serem armazenadas. Só para lembrar, não se imprimem livros nem revistas num só lugar. O material pronto, no formato digital, pode ser impresso em qualquer cidade que disponha de oficinas gráficas informatizadas, via internet, e distribuído de forma descentralizada. Ao que tudo indica, o problema é que a logística do Ministério da Educação ainda não entrou na era digital.

PEDRO LUIZ BICUDO

plbicudo@gmail.com

Piracicaba

*

SAÚDE PÚBLICA

Cerveja contaminada

A respeito da presença de dietilenoglicol e monoetilenoglicol na cervejaria Backer, pelas notícias e informações até agora divulgadas e pelo nosso conhecimento, posso dizer que essas substâncias não têm contato direto com o produto. Entram apenas na refrigeração indireta do produto, pela parede de tanques ou em tubulações específicas em trocadores de calor, misturados com água, formando misturas eutéticas, que nada mais são que agentes refrigerantes indiretos, usados para resfriamento de água perto de zero grau. E esta (apenas a água) vai para os trocadores ou paredes dos tanques. Em resumo, a contaminação pode ter sido causada por vazamento dessa mistura em tanques ou resfriadores e aí, sim, “entrado” no produto. Ou, o que é ruim, sabotagem nos tanques e linhas!

PAULO CELSO BIASIOLI, engenheiro de alimentos

pcbiasioli@yahoo.com.br

Limeira

*

OSCAR

Chanchada política

Tenho lido e ouvido muito sobre o filme Democracia em Vertigem. Assisti quando foi lançado na Netflix e confesso que não conhecia sua diretora, Petra Costa. Curioso, fui informar-me sobre ela, sua carreira, sua família e seus filmes. Nunca imaginei que esse trabalho seria indicado a nada, mas é evidente que, como filme, tem suas qualidades. Claro que foi feito para servir a um propósito muito claro, o de inocentar o PT e seus líderes e distorcer a nossa imagem internacional. Agora começamos a entender o porquê do pedido de mais e melhores câmeras quando dos depoimentos de Lula ao juiz Sergio Moro, da sua demora em sair do sindicato para se entregar ao cumprimento da pena e de todas as manobras executadas, que pareciam até sem sentido. Não eram. Fica uma lição para todos de planejamento e ação política bem feita, gostem ou não. Eu discordo diametralmente das interpretações dela e sinto que tenhamos feito pornochanchadas por tanto tempo sem termos ganho nada e talvez agora ganhemos o cobiçado Oscar com nossa primeira politicochanchada. Imagino se isso iniciará uma nova corrente cinematográfica no Brasil, um novo gênero. É aguardar para ver.

JOÃO RIBEIRO

jrbfoto9@gmail.com

São Paulo

*

Corrupção

A cineasta Petra Costa, diretora do documentário Democracia em Vertigem, é herdeira de uma das maiores empreiteiras do Brasil, envolvida em escândalos de corrupção e flagrada pela Operação Lava Jato. A empresa em questão teve de devolver bilhões de reais aos cofres públicos por causa de sua postura aética. Creio que isso explica claramente por que o documentário tem lado.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

*

“Sem dúvida alguma, a democracia esteve em vertigem no Brasil durante os governos lulopetistas! E como perguntar não ofende, a Andrade Gutierrez ou a Ancine financiaram o filme?”

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI / SÃO PAULO, SOBRE O DITO ‘DOCUMENTÁRIO’ DE PETRA COSTA CONCORRENTE AO OSCAR

fransidoti@gmail.com

*

“O tal ‘documentário’ queima o filme de muita gente...”

A. FERNANDES / SÃO PAULO, IDEM

standyball@hotmail.com

ATO DE CORAGEM


Rufem os tambores, soem os clarins, pois o presidente Jair Bolsonaro, empunhando a sua espada Bic, num ato de pura comiseração com o trabalhador brasileiro, heroicamente resolveu aumentar pela segunda vez, em R$ 6, o salário mínimo este ano. O valor, agora, será de R$ 1.045. Tantas e prolongadas reuniões entre o ministro da Economia e assessores, Bolsonaro e equipe, que o aumento do salário mínimo servirá de chacota e, por certo, será tema se piada em programas humorísticos. No rosário de anedotas do presidente, ele próprio acrescentou mais uma à conta.


Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)


*

GRANDEZAS & ENORMIDADES


O Brasil é grande. A vigarice é muita. A roubalheira é enorme. Mas nada se compara ao gigantesco aumento do salário mínimo...


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

O CUSTO DO MÍNIMO


Novo reajuste do salário mínimo vai custar até R$ 3,3 bilhões, diz órgão do Senado. Como perguntar não é ofensa, quanto vai custar aos cofres públicos o salário de juízes e parlamentares aposentados?


Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)


*

LEMBRETE


Subiu o salário mínimo na Venezuela! Foi ao patamar correspondente a R$ 15. Assim, os discursos e as ações governamentais socialistas que enobrecem, mais das vezes em ambientes acadêmicos e de idolatrias, esse sistema político-econômico reafirmam sua face mais prosaica, realista, histórica e cotidiana – aquela que diz ser contraproducente desestimular as atividades e as iniciativas produtivas liberais e democráticas em favor da estatização da economia, economia que sempre se sai e responde melhor quando opera segundo leis de mercado, sem afastar as eventuais e racionais correções de rumo. E, com uma das maiores reservas mundiais de petróleo, a Venezuela vem nos lembrar do recente insucesso da nossa Petrobrás, que, fugindo às regras de mercado, pretendeu abrigar as determinações e desejos de um grupo político mais aferrado a doutrinas ideológicas e interesses próprios que no bem maior da Nação.


Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*

PIB RUIM EXIGE MUDANÇAS


O levantamento do Produto Interno Bruto (PIB) executado pelo professor Roberto Macedo revela que a última década – de 2010 a 2019 – foi a pior vivida pelo Brasil desde o ano de 1900 (Estadão, 13/1, B3). Os solavancos que sofremos não nos deixaram passar dos 1,39%. Eis uma das causas do desemprego que hoje maltrata 11 milhões de brasileiros. Somos o pior PIB, desde os anos 80, entre os 155 países emergentes. E perdemos para nós mesmos, se compararmos o desempenho atual e o de todo o período democrático pós-85 (máximo de 3,39% nos anos 2000), com os mais de 6% dos anos 20, 50 e 60 e os 8,78% dos anos 70, vividos sob o criticado regime militar. É preciso descobrir onde erramos e corrigir. O povo necessitado ignora direita e esquerda e abomina a corrupção e outros males que degeneram nosso país, especialmente a corrupção e os cabides de empregos estatais. O ministro Paulo Guedes e sua equipe têm propostas modernizantes, mas encontram a oposição daqueles que quebraram o País e não admitem. O presidente da República, ministros e o Congresso Nacional têm de, urgentemente, buscar pelas reformas e criar condições para o aproveitamento sustentável dos recursos naturais e das potencialidades nacionais. Não podemos continuar como o eterno país do futuro, com grandes possibilidades, mas a população passando necessidade porque os governos não sabem como ou não se interessam por aproveitá-las.


Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo                                                                                                     

        

*

INFLAÇÃO


Ainda que tenha sido circunstancial, um ponto fora da curva, cabe registrar com preocupação que apenas no mês de dezembro passado a inflação atingiu 1,15%, nada menos que um terço (!) da acumulada nos 12 meses anteriores, levando o número final de 2019 para 4,31%, bem superior aos 3,8% anteriormente previstos. Como se vê, o dragão inflacionário está vivo e sempre pronto a cuspir fogo pelas ventas. Cuidado, Brasil!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

O PREÇO DA CARNE


Inflação oficial de 2019 fechou em 4,31%. E pensar que há quem diga que a carne é fraca... Já pensou se fosse forte?


Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@uol.com.br

São Paulo


*

COISAS DO BRASIL


Não é honesto que planos de saúde subam o triplo da inflação em três anos. Pois bem, então por que acontece?


Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)


*

O PERIGO DAS FUSÕES


Há tempos a Saúde vem mostrando sua ineficiência e despreza aqueles que dela necessitam. As fusões e aquisições de bancos deixaram claro que é o monopólio que impera. Assim estão fazendo com a saúde. Laboratórios compram outros, hospitais se fundem num só dono ou organização e o mesmo fazem as operadoras de planos de saúde: têm seus próprios hospitais e oferecem serviços de quinta, visando sempre ao lucro. Os aumentos abusivos e escorchantes penalizam aqueles que mais necessitam desses serviços. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) continua no seu papel secundário, apoia as empresas e deixa os pagadores de plano a ver navios. Era esperado que o presidente da República acabasse com esse vício nas agências reguladoras. Que seu ministro da Saúde mostrasse ousadia e enfrentasse este lobby, mas não, o que vemos é um governo de costas para seu povo e interessado em seus benefícios. Será que, se a classe de parlamentares pagasse convênio, os aumentos seriam quatro vezes maiores que a inflação? São perguntas sempre sem respostas.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

SAÚDE NO BRASIL


O grande problema dos serviços médicos no Brasil é que temos três tabelas de preços. Quando falo serviços médicos, quero dizer honorário dos médicos (preço da consulta), preços de exames e custo de internação em hospitais. A primeira tabela é a do SUS, aquela coisa ridícula que todos os profissionais de Medicina conhecem e evitam. A segunda tabela é a dos planos de saúde, maior do que a do SUS, mas que também não agrada aos profissionais de saúde. Os planos de saúde demoram para efetuar os pagamentos (60 dias) e alguns planos estabelecem limites. A terceira tabela é a dos clientes particulares – e aí é que está o problema: esta é só para rico. Quando aparece um cliente particular, os profissionais da Medicina querem tirar o atraso e não têm dó do doente. Médicos cobram R$ 300, R$ 400 ou até mais por uma consulta particular que dura 15, 20 minutos. Hospitais cobram diárias de R$ 800, R$ 900 ou até mais, o que é muitas vezes mais caro do que um hotel 5 estrelas. Como acham que ganham pouco do SUS e dos convênios, e os clientes particulares andam escassos, os médicos procuram outras fontes de renda: vem daí a solicitação de exames desnecessários, pois as clínicas de diagnóstico pagam comissões para os médicos. Os médicos indicam a clínica, só aceitam exames daquelas clínicas com que eles têm convênio, para receber a comissão. Raras vezes em que se vai a um consultório particular não se encontra lá um representante de laboratório. Não sei dizer se os laboratórios fabricantes de remédios remuneram os médicos. Me engana, que eu gosto! Como a tabela de valores do SUS é ridícula, todos – médicos, clínicas de diagnóstico, hospitais, etc. – costumam colocar na conta que será enviada ao SUS procedimentos que não foram realizados no paciente. A população, que tem medo de doenças, fica num beco sem saída! Procurar atendimento pelo SUS é um martírio. Na emergência, filas enormes, falta de médicos, de material, etc. Uma consulta com especialista pode demorar seis meses. Por incoerência, o SUS vive gastando dinheiro com propaganda na TV dizendo que “o diagnóstico precoce facilita a cura”, mas na hora em que se vai marcar uma consulta, ela demora seis meses! É necessário que o SUS explique como conseguir um diagnóstico precoce com a consulta demorando seis meses. Cair no atendimento particular pode curar a doença, mas esvaziar a conta bancária. A saída é associar-se a um plano de saúde. Pode parecer a solução, mas o custo é alto. Todos os anos os planos de saúde reajustam a mensalidade com índices que superam em três, quatro vezes o índice de inflação do País. E ainda existe aquele reajuste por faixa etária. Conclusão: depois de quatro ou cinco anos de adesão, o preço da mensalidade está um absurdo, muitas vezes impagável. E hoje há plano de saúde que está parecendo o SUS: demora na marcação de consultas e a rede de médicos e clínicas também é insuficiente. Na minha opinião, o problema só será resolvido no dia em que: 1) os médicos se conscientizarem e cobrarem um valor razoável por uma consulta particular. R$ 100,00 por uma consulta particular é bem razoável. Isso lhe permitirá um ganho mensal em torno de R$ 40 mil. Três consultas por hora, 20 por dia trabalhado, 20 dias por mês. E o valor será recebido na hora; 2) os médicos esquecerem as comissões das clínicas de diagnóstico e pararem de pedir exames desnecessários; 3) os laboratórios e clínicas de diagnóstico pararem de pagar comissão aos médicos. E, já que não vão pagar comissão, poderiam reduzir o valor do serviço; e 4) os hospitais reconhecerem que não são hotéis 5 estrelas e serem mais honestos com o doente e com o SUS. Tenho certeza de que se uma consulta com médico particular custar R$ 100, seu consultório terá cliente o dia inteiro. Com consulta a R$ 400, o consultório fica vazio. Tenho certeza de que, se uma consulta com médico particular custar R$ 100, nenhum brasileiro irá enfrentar a fila do SUS. Tenho certeza de que, se uma consulta com médico particular custar R$ 100, nenhum brasileiro sentirá necessidade de se filiar a um plano de saúde.


Renato Maia casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)


*

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO


Longe das costumeiras críticas políticas ácidas, que me fazem passar horas remoendo a política de passado, presente e quiçá futuro do País, quedo-me hoje a um apanhado de fatos que permeiam nosso lindo globo azul. Notícias internacionais da mais alta vultuosidade de tragédias humanas, sociais, administrativas, etc. não param de movimentar esse triste cenário globalizado, onde tudo chega a todos no tempo exato de um click do dedo indicador de praticamente qualquer cidadão terráqueo. Leio com admiração que pais estão sendo obrigados pela Justiça a vacinar seus filhos. Estes não o fizeram por inúmeros motivos, que vão do obscurantismo a desinformação, crendices virtuais e ignorância. Um outro informativo, desta vez científico, chamou-me a atenção para robôs que, criados a partir de células-tronco de sapos, darão o pontapé inicial nas perspectivas futuras de “conservante humano” a partir de 2020. Mais além, deparei-me com ameaças europeias de sanções ao Irã. Questões de cunho ambiental deixaram há tempos de habitar o mundo dos supérfluos e hoje são mais do que necessidades básicas e urgentes... Por ora, deixarei as sandices brasileiras de lado. Os filhos da Terra insistem, apesar das mentes brilhantes de coração fraterno, na continuidade do comportamento gladiador da mais vil ignorância e violência, infestados de crendices e maldade. Enfim, entre fluxos e influxos, questiono-me quanto aos reais avanços evolutivos da raça humana. Este admirável mundo novo, agora globalizado, ou talvez “planalizado”, como inacreditavelmente alguns acreditam, está deixando muito a desejar.


Ana Silvia F. Peixoto Pinheiro Machado  anasilviappm@gmail.com

São Paulo


*

CAUTELA NUNCA É DEMAIS


Antes tarde do que nunca! Mesmo com certo atraso, o Ministério da Agricultura determinou o recolhimento de todas as cervejas e chopes fabricados pela Backer desde outubro do ano passado e a suspensão da comercialização e fabricação dos produtos da marca. A cervejaria vem sendo investigada pelas autoridades de segurança e saúde de Minas Gerais, que apuram a relação entre contaminação de cerveja da marca e a síndrome nefroneural que já provocou a morte de duas pessoas – e tem mais uma morte suspeita sendo investigada – e que levou ao menos outras 16 para hospitais desde o início do ano. É fato que o problema lançou atenção da população sobre a questão da segurança alimentar. De acordo com as primeiras análises feitas em amostras recolhidas no mercado, na casa dos consumidores que apresentaram sintomas de intoxicação e nos tanques da própria empresa, a cerveja apresentou em sua composição substância utilizada no processo de resfriamento da cerveja e que, se ingerida, causa os mesmos sintomas apresentados pelas pessoas que consumiram o produto. A polícia informa que o laudo é conclusivo. Já foi determinado o recolhimento dos lotes que apresentaram problema, mas a ocorrência traz à tona a importância do controle no processo produtivo em todas as operações realizadas dentro das indústrias de alimentos e bebidas diariamente e a cada lote produzido. Isso traz segurança tanto para a indústria quanto para o consumidor. É preciso ficar atento. Vacilou, o bicho te pega de surpresa pela boca.


Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul


*

PLÁSTICO PROIBIDO


Bruno Covas sanciona lei que proíbe plástico descartável em bares e restaurantes de São Paulo a partir de 2021. Só para citar um dos vários exemplos do problema que o plástico descartável representa para o mundo: hoje existem mais de 5 trilhões de pedaços de plástico (duas vezes a área do Estado do Amazonas) flutuando nos oceanos e matando 1 milhão de pássaros e 100 mil baleias, tartarugas, etc. todos os anos. Felizmente, existem várias alternativas ecológicas para substituir o plástico, entre elas a cana-de-açúcar e o bagaço, que são ideais para produzir pratos e talheres. E não só a cana, como o bambu e uma série de resíduos vegetais que se decompõem em até três meses. A Índia é um grande usuário dessas alternativas. Já o Japão faz milagres com papel. Tudo isso sem mencionar copos e canudos plásticos que utilizam Bisfenol A em sua composição e liberam essa substância quando em contato com bebidas quentes. Pergunte ao seu médico se usá-los para isso é uma boa ideia. 


Jorge A. Nurkin  jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*

DECLARAÇÃO DE FALÊNCIA


A proibição do uso de produtos plásticos por bares e restaurantes é uma declaração de falência do sistema de coleta de lixo seletiva e reciclagem na cidade de São Paulo. Bora gastar mais água e descartar prato e vidro quebrado. Parabéns, prefeito Covas! Mais um golaço! Contra!


Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba


*

UNIFORME COMPLICADO


Não há dúvida de que a Prefeitura de São Paulo age com a melhor das intenções para resolver o problema dos uniformes dos alunos da rede pública de ensino. Mas o tal cartão-uniforme pode dar muita confusão. Quem garante, por exemplo, que as roupas e sapatos seguirão o mesmo padrão estabelecido, já que serão milhares as lojas cadastradas para o fornecimento? E a qualidade das vestimentas – argumento fortemente defendido pela atual gestão – será realmente confiável em todas essas lojas? Além disso, é seguro que este cartão não poderá ser utilizado, de forma mal intencionada, para outros fins? Os uniformes são um problema muito antigo que já deveria ter sido resolvido. Esperemos que não piore ainda mais.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

PROMESSA É DÍVIDA, SIM


É certo que tudo continua como antes no quartel de Abrantes. Entra ano, sai ano e a conversa fiada e as promessas que nunca são cumpridas são sempre as mesmas. Todos sabem que entre dezembro e fevereiro chove forte na capital paulista e região metropolitana. Apesar dessa realidade climática, foi revelado que a Prefeitura vai entregar até o fim do ano menos piscinões do que havia prometido. O prefeito da mais importante e rica cidade do País está mais preocupado com o uso de canudinhos de plástico e outros utensílios irrelevantes do que com o problema que mais transtornos traz à cidade e aos cidadãos. No início da gestão João Doria e Bruno Covas (PSDB), foi prometida a construção de 19 reservatórios na capital, mas, como foi divulgado, só 13 devem ficar prontos até o fim do ano. Não só na capital paulista, mas também nas cidades do ABC, as consequências desses piscinões a menos – considerados a obra mais importante para atenuar cheias – são as águas tomarem mais ruas, casas e comércio a cada temporal na maior cidade da América Latina e do País, causando perdas materiais, congestionamentos estratosféricos e, em casos dramáticos, desabamentos e mortes de pessoas e animais. Não é algo a ser negligenciado depois de quase 30 anos de PSDB comandando o Palácio dos Bandeirantes. Não atenuar as consequências das chuvas não é papel de quem pretende continuar administrando a cidade nem de quem tem pretensões de presidir o Brasil. O fato é que a cidade é castigada a cada chuva por ter sido construída sobre rios, riachos e córregos. Porém isso não deveria servir de pretexto para descumprir as promessas feitas, de construir mais piscinões e fazer a limpeza de bueiros, rios e córregos. Além dos piscinões, é fundamental que haja consciência da população em não jogar lixo pelas ruas e o aumento de áreas verdes e permeáveis pela metrópole. São Paulo é gigante por natureza, mas precisa se tornar mais segura pelas ações de seus governantes. Chega de prometer e não cumprir, o povo não é otário.


Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul


*

ÁGUA CONTAMINADA NO RIO


No Rio, companhia de saneamento muda tratamento de água após contaminação (Estadão, 13/1). Na cidade do Rio de Janeiro todo mundo calado: imprensa, Cedae, Instituto Osvaldo Cruz, governador, prefeito, Ministério Público, políticos e outras entidades e autoridades sobre a qualidade da água das torneiras. Água suja para beber, como são os governantes desta cidade, além de omissos e criminosos.


Eliton Rosa elitonrosa@gmail.com

Rio de Janeiro


*

CARA DE PAISAGEM


Há nove dias moradores de 46 bairros da cidade do Rio de Janeiro questionam o presidente da Cedae e o governo do Estado pelo problema na água, e estes fazem aquela cara de paisagem, como se nada estivesse acontecendo.


Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro


*

URGÊNCIA


Esta crise da qualidade da água da Cedae no Rio de Janeiro, que assusta toda a população carioca e parte da fluminense de todas as classes sociais, precisa ser contida o mais rapidamente possível.  Essa triste realidade deve servir de alerta às nossas lideranças governamentais, que precisam urgente e igualmente dar solução aos milhões de brasileiros que não têm água potável em suas residências Brasil afora.


José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

ALISTAMENTO MILITAR


Uma possível derrubada da obrigatoriedade do alistamento militar no Brasil tornaria realidade o que há muito conhecemos: só presta serviço militar quem quer. As Forças Armadas não têm a mínima condição de absorver a totalidade do contingente alistado. O que existe é mera burocracia e espaço para espertalhões supostamente ganharem um dinheirinho “livrando” um jovem de prestar serviço militar. Os EUA, maior potência militar do mundo, tornaram o alistamento militar voluntário desde a Guerra do Vietnã.


Sandra Maria Gonçalves sandgon46@gmail.com

São Paulo


*

CONSCIÊNCIA RELIGIOSA


Quem tem consciência religiosa não pode ser contra o alistamento militar obrigatório, pois não é justo esperar que apenas alguns cidadãos se apresentem voluntariamente para servir nas Forças Armadas, que são as únicas garantes da paz, quando a diplomacia não funcionar.


Paulo Marcos Gomes Lustoza pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro


*

‘TEMPOS ESTRANHOS’


Total apoio ao comentário do leitor sr. Sérgio Augusto Torres, no Fórum dos Leitores do dia 14/1 (A2). Não é justo o desrespeito com o nome de Jesus nem de outra pessoa em nome da liberdade de expressão que deveria ser feita com a verdade e o respeito. A liberdade não pode ser usada para violar a vida e a honra de ninguém, nem de religiões. Lamento a injustiça feita.


Ivone da Mota Cunha imcdaparoquia@gmail.com

São Paulo


*

BRASIL E OS DIREITOS HUMANOS


A ONG Human Rights Watch (Observatório dos Direitos Humanos) divulgou relatório sobre violações dos direitos humanos no mundo mostrando a letalidade da polícia brasileira, que, em 2018, vitimou 6.220 pessoas. Sem dúvida, é um número alarmante, mas deveria apontar, também, a quantidade de policiais assassinados. Entidades de direitos humanos costumeiramente mostram apenas um lado dos acontecimentos e, na maioria das vezes, pendem para o lado daqueles apontados como “frutos da sociedade”.


José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

QUEM NÃO DEVE NÃO TEME


O Relatório Mundial da ONG internacional Human Rights Watch (HRW) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “autorizou” a polícia a matar e a destruir, através de desmate, a Amazônia Legal. Apesar das denúncias gravíssimas, o governo resolveu dizer que “não iria se manifestar sobre o assunto”. Mais uma vez, como dizia aquela senhorinha de Taubaté, “quem não deve não teme, meu filho!”.


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

‘DEMOCRACIA EM VERTIGEM’


A ser verdade que a diretora do filme Democracia em vertigem tem o nome Petra Costa Andrade Gutierrez, fica totalmente explicado o motivador principal do filme, que tenta mostrar, com o uso de mentiras e ocultação de fatos, o processo de impedimento – que obedeceu todas as regras institucionais vigentes no Brasil – de Dilma Rousseff. Eis o esperneio de alguém que durante 14 anos “mamou abundantemente nas tetas do governo” e, de repente, se vê impedido de continuar a lesiva prática. Eis mais um caso – se de fato existir o parentesco entre a diretora e um dos fundadores da construtora – em que faltou investigação dos órgãos de imprensa.


Abel Cabral abelcabral@uol.com.br

Campinas 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.