Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2020 | 03h00

Estado da Nação

Estouro da boiada

Dados do IBGE (18/9, A20): fome aumentou 43,7% em cinco anos no Brasil, mais de um terço da população apresentou algum grau de insegurança alimentar no biênio 2017-2018; a pior situação está no Norte e no Nordeste, onde menos da metade das casas tinha garantia de alimento; 84,9 milhões de brasileiros moravam em domicílios com algum grau de insegurança alimentar e, desses, 10,3 milhões não tinham acesso suficiente a alimentos e passavam fome, incluindo crianças. Depois, quando houver um “estouro da boiada” e os “carniceiros dos frigoríficos do Planalto Central” forem pisoteados, não restando pedra sobre pedra dos “abatedouros” locais, não poderão alegar que não os avisaram.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

JCMRIZZO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Combate à fome

Diante da volta da fome grave entre nós, conforme dados do IBGE, na faixa de 10 milhões de brasileiros, urge que nos mobilizemos para sanar a volta vergonhosa dessa vulnerabilidade alimentar num país que é um dos líderes mundiais na produção de alimentos. E que teve um dos maiores cientistas e ativista no combate a essa fragilidade, que foi Josué de Castro, com destaque para sua obra monumental Geografia da Fome.

JOSÉ DE ANCHIETA NOBRE DE ALMEIDA

JOSEDALMEIDA@GLOBO.COM

RIO DE JANEIRO

*

Mentiras

Vivemos no país das mentiras. Os políticos mentem com promessas que sabem que jamais serão cumpridas. Também mentem quando afirmam que trabalham pelo povo, pelos mais pobres, no combate à desigualdade social e pela justiça social. Os corruptos mentem sempre quando são apanhados, alegando tratar-se de perseguição política, mas que confiam na Justiça e provarão sua inocência. Integrantes do Judiciário mentem ao afirmar que todos são iguais perante a lei, que ninguém está acima da lei, mas frequentemente atuam descaradamente a favor dos poderosos e algumas vezes até rasgam a Constituição. Bispos e pastores mentem para seus fiéis seguidores, prometendo-lhes riqueza, fartura e até o céu. Mentem as autoridades negando as queimadas e o desmatamento na Amazônia, numa afronta às imagens e aos registros de monitoramento de satélites que o mundo inteiro acompanha. Mentem até sobre a epidemia que massacra toda a humanidade, classificando-a como uma “gripezinha”, em desrespeito às vítimas e a seus familiares. Ah, mais duas grandes mentiras: Deus é brasileiro e o Brasil é o país do futuro.

MARIO MIGUEL

MMLIMPEZA@TERRA.COM.BR

JUNDIAÍ

*

Devastação ambiental

Patacoada bolsonarista

O governo brasileiro vem de receber carta firmada pelos oito integrantes da chamada parceria das Declarações de Amsterdã – Alemanha, Dinamarca, França, Itália, Noruega, Holanda, Reino Unido e Bélgica – alertando que, a continuar o desmatamento na Região Amazônica, se tornará impossível manter a importação de produtos brasileiros. Ao tomar conhecimento dessa correspondência, o presidente Jair Bolsonaro declarou que “o Brasil é o país que mais preserva suas florestas das queimadas” – o que, convenhamos, não condiz com a realidade. O Pantanal vive o maior incêndio de que se tem notícia. O fogo já transformou em cinzas 33% da sua área, devastada por 5.600 focos de grandes queimadas, sendo, portanto, imprevisível o tempo para recuperação desse bioma. E o Rio Paraguai, um dos maiores do País, nunca esteve tão seco, o que explica a não inundação da região do chamado Pantanal Mato-grossense. Como corumbaense, conheço in loco o problema.

GARY BON-ALI

GARYBONALI@GLOBO.COM

RIO DE JANEIRO

*

Piromania

Bolsonaro ignora queimadas e desmatamento e diz que o Brasil está de ‘parabéns’ na questão ambiental (17/9). Esses parabéns devem ser vistos como o reconhecimento da capacidade do seu governo de deixar queimar, até aqui, um terço do Pantanal, dádiva divina que nos foi concedida tendo como única contrapartida a sua preservação. A multa a natureza se encarregará de aplicar.

ABEL PIRES RODRIGUES

ABEL@KNN.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Decoada

Para quem não conhece, uma rápida explicação: enchia-se um cesto de bambu com as cinzas de fornalha e colocava-se em baixo um recipiente. Aí adicionava-se água nas cinzas, que filtrava e caía no recipiente. Essa água de cinzas substituía a soda para fazer sabão. Agora, depois das queimadas virão as chuvas sobre uma imensa quantidade de cinzas, que correrão pelas terras devastadas e desembocarão nos rios, córregos, lagoas, corixos, baías, represas, igarapés, etc. Uma água preta, extremamente ácida (capaz de derreter gordura para fazer sabão), matará muitos animais, tanto pela ação direta como pela posterior falta de alimentos. Quem nunca viu talvez não entenda a gravidade do que isso causa – como fica muito claro no caso das maiores autoridades do nosso país. Lamentável.

SÉRGIO BARBOSA

SERGIOBARBOSA19@GMAIL.COM

BATATAIS

*

Cumplicidade na omissão

Nada mais emblemático que a destruição do Pantanal e da Amazônia por incêndios neste setembro amarelo. O ciclo da vida depende da natureza, destruí-la é um ato de suicídio coletivo. Omissos e coniventes, estamos todos permitindo que esta tragédia, executada por criminosas, crie fatos consumados com a destruição de biomas importantes para a sustentabilidade. Terras públicas arrasadas e griladas viram dinheiro na mão de criminosos. Somos cúmplices.

JOSÉ TADEU GOBBI

TADGOBBI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Conselho da Amazônia

E quando o vice-presidente vai deixar de ser figura decorativa e começar a trabalhar para valer?

ROBERT HALLER

ROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

TOLICES PRESIDENCIAIS

Jair Bolsonaro afirmou a uma plateia formada por ruralistas: “Vocês não pararam durante a pandemia. Vocês não entraram naquela conversinha mole de ‘fique em casa, que a economia a gente vê depois’. Isso é para os fracos” (Estado, 18/9). Mais uma asneira dita pelo nosso presidente. Agora falo em meu próprio nome, como cidadão brasileiro: não sou fraco, estou em casa por recomendação de profissionais da saúde. Portanto, senhor presidente, eu meu nome e em nome de minha família, peço não dizer mais tolices como essa, por favor.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

HAJA OUVIDOS!

Em discurso na semana passada no Mato Grosso, o presidente Bolsonaro, ao parabenizar os produtores agrícolas, declarou em tom ufanista que “vocês não pararam durante a pandemia de covid-19 e não entraram na conversinha mole de ‘fica em casa’. Isso é para os fracos”. Como se ouviu em alto e bom som, do alto de sua folclórica incontinência verborrágica, JB perdeu mais uma oportunidade de ficar calado. Haja ouvidos para tantas barbaridades a abobrinhas!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CINISMO?

Quero saber a que país o presidente se refere sobre preservação ambiental!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

SÓ PENSA NA REELEIÇÃO

A relatoria da Organização das Nações Unidas (ONU) propôs a abertura de inquérito internacional contra o Brasil. As acusações são gravíssimas e se referem às políticas ambientais e de direitos humanos. O agravante é, também, a resistência do governo em combater as queimadas não só da Amazônia legal, mas também as do Pantanal mato-grossense. Na verdade, quando perguntados, Jair Bolsonaro, Hamilton Mourão e Ricardo Salles dizem uníssonos que só se trata de pessoas com interesses internacionais. Ou seja, são muitas palavras e nenhuma ação. É uma vergonha, pois essa é a primeira vez, na democracia brasileira, que o País passa por um vexame desse naipe. E tem gente que só pensa na reeleição.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ARDEM AS FLORESTAS

Mais uma esplêndida crônica sobre a triste realidade do atual governo, escrita pelo jornalista, escritor, e acadêmico Ignácio de Loyola de Brandão, publicada no Estadão de 18/9 com o título Ardem florestas, corações e mentes. O texto bem lembra: “Enquanto Roma ardia em pavoroso incêndio, Nero tocava Lira, ou outro instrumento”. E Jair Bolsonaro, toca o que enquanto ardem o Pantanal e a Amazônia? Autoritário, sem capacidade de governar, menos ainda de apresentar projeto para o País, abraçado ao Centrão e a familiares investigados por supostos atos ilícitos, Bolsonaro toca, exclusivamente, sua campanha eleitoral com vistas à sua reeleição em 2022. Cruz credo! E tal qual Lula, o atual presidente parece governar só para amigos. Loyola, enojado com o tamanho das mamatas oferecidas pelo Planalto, diz: “Quero abrir uma seita, igreja, quero dízimos, não quero pagar nada, imposto, boleto!”. Como escreveu Cazuza: “Brasil, mostre a tua cara / quero ver quem paga pra gente ficar assim”. Acorda, Brasil.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O CRIME NO PANTANAL

Na República Federativa do Brasil, são três os Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, como consta da nossa Constituição. Ora, como leigo em Direito, fico me perguntando por qual o motivo os demais Poderes não interviram até agora no Executivo. É evidente o desmonte da fiscalização do Ibama, permitindo que quadrilhas de criminosos organizadas venham devastando as nossas florestas, sob as bênçãos do ministro do Meio Ambiente. A situação já é dramática na Amazônia, a ponto de já estarmos sofrendo represálias de outras nações por tal crime. Agora, no Pantanal, o crime fica escancarado, pois, como bem afirmou o jornalista André Trigueiro, com pós-graduação em Gestão Ambiental, dadas as particularidades daquele bioma, o incêndio que grassa incontrolável no momento só atingiu tal estágio por ter sido arquitetado. De fato, com tantos rios, ribeirões e alagados, não teria como um incêndio provocado ao acaso se estender da maneira como está acontecendo. Tanto que jamais houve outro antes. Portanto, o que vem ocorrendo desde a posse de Bolsonaro nada é ao acaso, e sim premeditado, a começar pela escolha de um réu já condenado em primeira instância por crime ambiental como ministro do Meio Ambiente. Já passou da hora de os demais Poderes da União, o Legislativo e o Judiciário, intervirem para impedir que o presidente Bolsonaro e seus seguidores devastem de vez as maiores riquezas que o País tem, que são as suas florestas. Tudo o que foi destruído nestes 20 meses deste governo levará mais de cem anos para ser recuperado. Também, sem dúvida nenhuma, já causou prejuízos astronômicos ao País, principalmente na atualidade, quando as demais nações contavam com o Brasil para frear o aquecimento global e estavam dispostas a investir muito aqui. Até parece que somos um país sem lei, governado por um ditador cruel e ignorante, e não uma nação em pleno regime democrático.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

BOLSONARO NO TPI

Ao arquivar as denúncias de entidades de cunho nitidamente ideológico de que o presidente Jair Bolsonaro teria cometido genocídio ao tratar de questões indígenas e pronunciar-se contra o isolamento durante a pandemia da covid-19, o Tribunal Penal Internacional (TPI) dá mostras de sua independência e equilíbrio. Não aceita ser usado como instrumento para adversários combaterem um governo legítima e democraticamente eleito. Serve de exemplo para outros organismos internacionais, nacionais e até para chefes de Estado que, em vez da temperança e do distanciamento das questões internas das nações, encarnam um esquerdismo endêmico e empedernido e fazem tudo o que seus amiguinhos perdedores das eleições pedem. É preciso acabar com essa pantomima. Garantir o espaço para os governos – tanto o de Bolsonaro quanto o de governadores e prefeitos – executarem sua tarefa. No momento em que criam embaraço para a atividade dos órgãos públicos, os temerários e irresponsáveis ativistas não trazem nada de vantagem ao País. Só prejudicam tanto os governos quanto o povo, que depende dos serviços por eles prestados. 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

FOME

A pandemia aumentou a miséria. Milhões de brasileiros não têm nada para comer. Pesquisa do IBGE revela números assustadores e cruéis. A fome e a miséria liquidam ilusões. Afrontam sonhos. Humilham o ser humano. A ausência de higiene, roupas, moradia e escola aumenta a desesperança. Perpetua a dor. Devora famílias. Destrói o futuro. Desespera a alma. Crianças sujas, com fome e maltrapilhas choram ouvindo a avó agoniada dizer que não tem comida em casa. A aflição de pais desempregados esmaga corações. Doações escassas amenizam o sofrimento e a humilhação. Criança alimentada é feliz. Criança com fome é consumida pela infelicidade da miséria. Sem forte e urgente ajuda dos governantes, o quadro desalentador não será alterado. Quem tem fome não sabe o que é dia radiante. Desconhece bonanças. Só pede a Deus que os ventos dos anjos tragam pratos de comida.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

VENEZUELIZAÇÃO OU CHILENIZAÇÃO

As perspectivas para o povo brasileiro são as piores possíveis. O péssimo governo do capitão, cercado de militares por todos os lados, e a proximidade com milícias apontam para um sistema semelhante ao venezuelano atual. Por outro lado, com o mesmo capitão que tenta disfarçar o namoro com o regime ditatorial com apoio do experiente ministro Paulo Guedes bem familiarizado com o regime Pinochet, sugere um regime semelhante ao do Chile antes da redemocratização. Com o petismo enfraquecido e sem deixar saudade, resta o “poderoso centrão” que, com Temer presidente, mostrou como a coisa pode piorar. Pobre Brasil, com brasileiros, mais pobre.

Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com

São Paulo

*

PENDURICALHOS EM PAUTA

Os congressistas estão estudando acabar com os excessos pagos aos nossos juízes, procuradores, etc. Me engana que eu gosto.

Itamar C. Trevisani itamartrevisani@gmail.com

Jaboticabal

*

CORTE

Uma notícia alvissareira, mesmo vindo dos deputados, o corte de benefícios, absurdos, dos juízes, promotores e procuradores na reforma administrativa, pois até hoje nenhum presidente teve coragem de mexer com esta categoria privilegiada, mas é preciso cautela se realmente não se trata tão somente de promessas de políticos.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

RETALIAÇÃO

As propostas parlamentares que indicam interesse em retirar direitos de servidores somente pode ser interpretada como uma retaliação à implementação da Operação Lava Jato e o viés pouco comum da mídia de fazer um trabalho nada transparente. Ao longo de décadas o servidor perde poder aquisitivo, mal consegue pagar seu plano e despesas pessoais e familiares, mas, como sabemos, dá ibope em tempos de pandemia criar aquilo que chamam de elite, mas na realidade não é casta e muito menos privilegiada nem intocáveis, porém dentro do enquadramento legal.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

TROCAR SEIS POR MEIA DÚZIA

A reforma administrativa tem o DNA, as digitais de quem as propõem: Legislativo, Judiciário e Militar (devido ao capitão e presidente). É uma reforma simbólica, que reduzirá levemente a despesa pública, pois as três classes com seus penduricalhos que mais pesam na conta (Legislativa, Judiciária e Militar), não serão atingidas. No futebol se diria que vai trocar seis por meia dúzia.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

INCONSTITUCIONAL, EXCELÊNCIA!

Sua excelência Luiz Fux começa mal seu mandato como presidente do STF, ao empurrar para as Casas Legislativas a possibilidade de reeleição de seus presidentes (Estadão, 19/9). Oras, não é obrigação do STF vetar o que fere a nossa Constituição? Pelo visto, ele acha que a digníssima Corte serve apenas para censurar a mídia e distribuir habeas corpus para livrar da cadeia bandidos corruptos.

Luiz Antonio Amaro da Silva zulloamaro@hotmail.com

Guarulhos

*

‘QUALQUER UM’

Nas primeiras linhas de Qualquer um, Luis Fernando Veríssimo descreveu a nomeação, por Richard Nixon, “de um notório medíocre para a Corte Suprema americana”. Imaginei que ele iniciava um paralelo entre Nixon e Lula, dada a indicação que este fez de alguém menos que medíocre para a Corte Suprema brasileira, mas me decepcionei.

Marcelo Melgaço melgacocosta@gmail.com

Goiânia

*

LULA E RENAN

Redes sociais registraram o encontro de Lula e Renan Calheiros quando o ex-presidente, rompendo o isolamento imposto pela quarentena, sem fazer uso da máscara obrigatória, visitou o senador no Hospital Sírio-Libanês. Surgem comentários de que, em sendo Lula beneficiado pela 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Renan Calheiros poderia vir a formar chapa com Lula em 2022. Depois do sofrimento imposto pela covid-19, nada de pior para nos ameaçar. Senhor, afasta de nós esse cálice!

Jomar Avena Barbosa joavena@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

CASAMENTO ARRANJADO

Uma noiva poderá escolher entre os candidatos do papai e os candidatos da mamãe, não, ela não pode ir a uma festa, conhecer um cara legal e se casar com ele, a noiva tem de escolher e casar entre os indicados pelo papai ou pela mamãe. Assim funciona a pseudodemocracia brasileira, o povo só pode escolher entre o lixo que os partidos políticos vão apresentar. Tudo indica que nas próximas eleições presidenciais o País terá de escolher entre o ex-presidiário e multicriminoso Lula e o não menos criminoso e futuro presidiário Bolsonaro. O Brasil precisa se livrar da ditadura dos partidos políticos, qualquer cidadão em dia com as suas obrigações deveria poder se candidatar e se eleger sem ter de participar das máfias políticas. Os partidos políticos brasileiros são organizações criminosas especializadas em roubar dinheiro público, a estrutura político-partidária é um lixo que está sufocando o País e o Brasil não tem qualquer chance de se tornar uma grande nação se continuar refém das máfias políticas.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

PARTIDOS POLÍTICOS DEMAIS

Melhor esquecer que o Brasil ainda será Primeiro Mundo, porque é impossível que um país funcione onde existam 33 partidos políticos. Nunca dará certo! Melhor fossem licenciados apenas três equivalentes a situaçãooposição e neutro. Parlamentares federais teriam de ser reduzidos em um terço, 347 deputados e 55 senadores, adicionados mais um membro em cada setor para evitar empates. A mesma restrição chegaria até vereanças municipais, e fim de reeleições. Enquanto o País não tomar atitudes sérias para reduzir o número e as vantagens vergonhosas de políticos, será um eterno Terceiro Mundo.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

‘O DILEMA DAS REDES’

Sobre a matéria Comunicação digital no paredão (19/8, H2), creio que o problema não seja a ferramenta, mas sim o ser humano. Prometeu teria roubado o fogo dos céus para dar aos homens. Muitos o usaram para o bem-estar, mas vez ou outra um Nero surge para causar desgraças. As facas, de pedra ou de metal, foram eficientes na caça, no consumo de proteína e em cirurgias, mas Brutus e similares empregaram-nas de maneira vil e covarde. Toda inovação tecnológica surge para o bem, até que mentes malignas deturpem seu uso.

Celso Francisco Álvares Leite celso@celsoleite.com.br

Limeira

*

PROTEÇÃO DE DADOS

Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) vamos aguardar as definições pelo governo a respeito da autoridade que controlará as informações, e com isso teremos menos invasões de privacidade para que a utilização do ferramental digital seja pautada, sobretudo, pela respectiva funcionalidade.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.