Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2020 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Em choque

Fiquei “emocionado” ontem de manhã ao pegar o Estado e tomar ciência – ou seria melhor um choque? – de que 607 procuradores da Advocacia-Geral da União (AGU) serão promovidos de uma vez. Já que vem “reforma” por aí, vamo-nos antecipar, certo? Errado! Aliás, muito errado! Isso é indecoroso, vergonhoso, aviltante. Fosse a Terra Brasilis um ente de cunho privado, estaríamos em outro patamar como nação. Mais um escândalo para favorecer uma pequena minoria privilegiada e “penduricalhada”. Em boa hora essa pornografia foi anulada.

RENATO AMARAL CAMARGO

NATUSCAMARGO@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Pouca-vergonha

Enquanto praticamente todos os brasileiros apertam os cintos, um outro Brasil, o da AGU, não está nem aí e tentou elevar os salários de 606 procuradores. Que pouca-vergonha!

MILTON BULACH

MBULACH@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Imoralidades.org.br

A AGU nos deu grande exemplo de corporativismo. Proteção aos seus próprios umbigos, como é em cada segmento poderoso neste país. Danem-se o Brasil, os desempregados, os famintos. O povo brasileiro que se “exploda”. País do jeitinho, de levar vantagem, da roubalheira. Lamentável. Vergonhoso.

EMERSON LUIZ CURY

EMERSONCURY@GMAIL.COM

ITU

*

Mais imposto?

Pela últimas notícias, o governo Bolsonaro não desistiu de criar sua própria Bolsa Família, a bondade petista sempre atacada pelo atual ocupante do Planalto quando era deputado. Agora, contaminado pela “bolsa voto” petista, resolve ter a sua visando à reeleição em 2022. Mas de onde virá o dinheiro? O País está quebrado. Em vez de defender uma verdadeira reforma administrativa, promessa de campanha, que poderia oferecer fundos para qualquer programa social, diminuindo ou acabando com as mordomias dos altos servidores públicos dos três Poderes e de empresas estatais, resolve atacar, mais uma vez, o bolso dos brasileiros mortais, classes média e pobre. Quer recriar a CPMF, um monstro que prejudicou mais os mais pobres e teve fim há pouco tempo. Cabe aos poucos bons brasileiros no Congresso, capitaneados pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, sepultar para sempre esses sonhos malucos.

ÉLLIS A. OLIVEIRA

ELLISCNH@HOTMAIL.COM

CUNHA

*

Nova CPMF

Na mesma linha de “a taxação de bagagem vai reduzir o preço da passagem”, “a reforma trabalhista vai gerar empregos”, “a reforma da Previdência vai gerar empregos”, “cortar salários vai preservar os empregos”, vem aí o “pagar mais impostos vai gerar empregos”. Infelizmente, a equipe econômica do governo Bolsonaro é péssima e ainda não disse a que veio. Parem de enganar o povo.

REINNER CARLOS DE OLIVEIRA

REINNERCARLOS@UOL.COM.BR

ARAÇATUBA

*

Ministro da Educação?

Se me contassem, eu não acreditaria. No entanto, ao ler no Estado a entrevista do ministro da Educação, Milton Ribeiro, vi-me transportado para o século passado pelas ideias anacrônicas desse senhor. Quer dizer, então, que a opção de um indivíduo pela homossexualidade é devida às famílias desajustadas e à falta de atenção do pai e da mãe? Um forte candidato ao prêmio IgNobel. Hitler acreditava que a homossexualidade era um comportamento degenerativo. Pelo menos a obrigatoriedade de se usar um triângulo rosa ainda não foi implementada.

ARNALDO LUIZ CORRÊA

ARNALDOCORREA@HOTMAIL.COM

SANTOS

*

Nada mudou

A entrevista com o atual ministro da Educação revelou-se, na minha avaliação, uma lástima: desresponsabiliza o MEC de questões que lhe são pertinentes, crítica sem fundamentos o método Paulo Freire e ainda por cima retorna à velha questão da educação sexual x questões de gênero. Ou seja, tudo continua como antes...

MARIA ÍSIS M. M. DE BARROS

MISISMB@HOTMAIL.COM

SANTA RITA DO PASSA QUATRO

*

Devastação ambiental

Amazônia em chamas

No ano de 64 d.C. o imperador romano Nero, tirano e autoritário, com sua mente perturbada, pôs fogo em Roma, diz-se que tocando sua harpa enquanto a cidade ardia em chamas. No século 21 a história se repete, só que aqui, no Brasil, na maior floresta tropical do mundo. A Floresta Amazônica sofre por causa de um presidente que ascendeu ao poder sem estar preparado, um bufão autoritário com uma política ambiental inconsequente. No discurso na ONU mentiu descaradamente ao falar sobre os compromissos nas áreas do clima e do meio ambiente. Dentre outros despropósitos, insistiu em culpar índios e caboclos pelo fogo na mata. Ora, todo mundo sabe que o fogo na mata é ateado por fazendeiros e grileiros para aumentar as áreas para agropecuária. E isso se dá por falta de fiscalização e pelo desmantelamento dos órgãos ambientais fiscalizadores promovido por esse desgoverno que está aí.

ARNALDO LUIZ DE OLIVEIRA FILHO

ARLUOLF@HOTMAIL.COM

ITAPEVA

*

Correios

Privatização já

Fracassada a longa greve que deixou toda a população refém e reivindicava a manutenção de privilégios únicos no Brasil (e talvez no mundo), os funcionários dos correios voltaram ao trabalho em ritmo de sabotagem com relação à empresa e a seus clientes (remetentes de destinatários). Pacotes que estavam tomando pó havia mais de um mês em centros de distribuição a poucos metros dos destinatários foram inexplicavelmente devolvidos aos remetentes, frustrando os usuários do sistema e aumentando de forma desnecessária os custos da estatal. E ainda há quem não entenda por que esse poço de ineficiência e draga de dinheiro público tem de ser privatizado. Já!

OSCAR THOMPSON

OSCARTHOMPSON@HOTMAIL.COM

SANTANA DE PARNAÍBA

PROMOÇÕES NA AGU


Num um país como o Brasil, onde nossa gente está nadando de braçada e o número de desempregados e desalentados é quase zero, a Advocacia-Geral da União (AGU) promoveu, numa só tacada, 607 procuradores federais (AGU promove em um só dia 606 procuradores ao topo da carreira, com salário de R$ 27,3 milEstado, 24/9). Isso nos dá a certeza de que em nosso país tudo funciona dentro dos conformes.


Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)


*

OLHO VIVO!


Parlamentares abarrotados de privilégios seletivos e injustificados, acompanhados de estipêndios inimagináveis; Judiciário caríssimo e suspeito, com recessos superdimensionados; casta de servidores públicos que fazem de tudo para manter privilégios; educação fundamental de qualidade negada aos que não podem dispor de recursos para bancá-la, por imposição de uma perversa indústria de ensino instalada; nível de saneamento básico longe de atender a maior parte da população, com suas tristes consequências para a saúde pública; assistência médica mal provida pelo Estado, a quem devia caber tal obrigação; corrupção pairando, apesar dos esforços da Lava Jato, que virou alvo a ser abatido, por influência de poderosos denunciados; desemprego acelerando na esteira da pandemia que se transformou em fonte de malfeitos de agentes públicos, numa sinistra exibição de ganância; desigualdade crescente que decorre do que foi mencionado e do muito que não foi lembrado. São sintomas de um tumor maligno cujo tratamento clama por urgência. Olho vivo, elite brasileira!


Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

DESAFIO


Vejo declarações de parlamentares como o sr. Eduardo Braga, líder do MDB, e o sr. Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, sendo favoráveis a desindexar, ou seja, congelar os benefícios do INSS superiores a um salário mínimo por entre  2 e 3 anos, para viabilizar um auxílio aos menos favorecidos do Brasil. Portanto, na qualidade de alguém que trabalhou 53 anos e hoje está aposentado, faço um repto a todas essas autoridades, de todas as instâncias: 1) acabem com todos os penduricalhos, de todos os níveis e em todos níveis governamentais; 2) acabem com as férias de 60 dias para determinadas classes de funcionários; 3) façam esta reforma administrativa, apresentada pela metade, valer para todos os funcionários públicos, desde já; 4) acabem com esta farsa dos “direitos adquiridos”, os quais só são direitos adquiridos  para a casta que vive à nossa custa, como exemplo atual os colaboradores privados tendo seus salários reduzidos, e consequente jornada de trabalho também sendo reduzida, mas para a “casta” este é um item proibido, apesar de muitos nem precisarem ter trabalhado. Depois disso tudo aprovado e implementado, eu até concordaria em ter meus proventos congelados. Terão esses representantes do povo coragem para defender, e aprovar, tais medidas?


Carlos Ayrton Biasetto carlos.biasetto@gmail.com

São Paulo


*

VALE ELEITOR


O falecido programa Renda Brasil reencarnou como Renda Cidadã. Pronto, tudo resolvido. Agora só falta saber de onde vai vir o dinheiro. Imaginação não falta...


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*

NAÇÕES DESUNIDAS


Parabéns pelos 75 anos da Organização das Nações Unidas e seu ideário, solitariamente lembrado pelo secretário-geral, António Guterres, no único discurso solidário e honesto da abertura da Assembleia-Geral comemorativa. Os discursos dos líderes mundiais, iniciados pelo presidente do Brasil, seguido pelos dos Estados Unidos, Rússia e China, protagonizaram um desfile de mentiras, ressentimentos, enfrentamentos, retaliações, ódios e provocações nacionalistas, belicistas e protecionistas, neste planeta de nações desunidas. Uma triste festa de desaniversário!


Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

O DISCURSO DO REI


O presidente Jair Bolsonaro abriu a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) na terça-feira, 22/9. Seu discurso foi pautado pela postura defensiva em questões como a preservação do meio ambiente e o combate à pandemia de covid-19 (Estado, 22/9). Não é que nosso presidente, além de ótimo profeta (“Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”); milagroso (“o meu nome é Messias, mas eu não tenho como fazer milagre”); e valentão (“a vontade é de encher tua boca de porrada”); é ambientalista (“nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no entorno leste da floresta, onde caboclo e índio queimam suas roçadas em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas”)? Ponto final.


Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo


*

BOLSONARO NA ONU


Discurso horroroso, falacioso e fantasioso, sem coesão e fluidez, assemelhado a um carro andando aos solavancos, dirigido por um motorista sem habilitação. Aliás, um fusquinha amassado e arranhado com o motor rateando e uma estrela da Mercedes grudada no capô por meio de uma gambiarra, para enganar trouxas.


Túllio M. Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte


*

MENTIRAS


O troféu Pinóquio do ano vai para o sr...!


Tânia Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo


*

QUEIMADAS


Que roçado é este que destrói uma área equivalente ao município de São Paulo? Já chega desta brincadeira de Poliana que está sendo brincada por senhores da terceira idade de quem esperamos mais maturidade e franqueza. Já passou da hora de os índios brasileiros serem tratados como cidadãos com direitos e deveres e, claro, terem sua cultura respeitada e preservada como quaisquer outras. Esta política hipócrita de tratar o índio como ser que precisa de permanente monitoramento, como se fosse incapaz, tem sido muito conveniente para certos grupelhos que incham as repartições públicas transformadas em alguns casos em meros cabides de emprego. Ailton Krenak intelectual do ano. Precisa falar mais alguma coisa?


Vera Vailati veravailati@uol.com.br

São Paulo


*

O CORVO E O MESSIAS


“Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste, / Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais, / E já quase adormecia, ouvi o que parecia / O som de alguém que batia levemente a meus umbrais. / ‘Uma visita’, eu me disse, ‘está batendo a meus umbrais. / É só isto, e nada mais’.” (O Corvo, A. Poe, trad. F. Pessoa). Patético sempre, poético jamais; nem de boca fechada ou com transplante de cérebro esta figura demoníaca transmitiria ¼ de aura humana, pois este “messias” tem aquele olhar sombrio e maligno de inquietação macabra. Mussolini ao menos parecia pândego com seus trejeitos que lembravam um açucareiro com asas, porém seu olhar insano sobrepunha-se ao simplesmente pândego. “Discurso” na ONU aquilo? Senso de ridículo zero. Talvez um concurso de filmes trash de ficção classe Z pudesse até dar o 1.º lugar a este “coiso”. Talvez a ONU apoie a inclusão de JMB no Guinness Book como, por exemplo, o “político mais titica” deste milênio – ou qualquer outra categoria que trate de seres humanos (ou tidos como) em suas formas mais degradantes. A cada dia se torna mais e mais dificultoso falar algo que envolva este garnisé ensandecido sem que o estômago se contorça de gélida agonia; a simples visão de sua catadura de extraterrestre, aqueles olhos febris e delirantes em zigue-zague da esquerda para a direita, e vice-versa ao contrário, é coisa de túnel de horrores em parque de diversão noir. Complementando Tom Jobim, o Brasil não é para principiantes – nem para os fracos, é um país para loucos e zumbis.


Nelson Sampaio Jr. n.sampaio@hotmail.com

Curitiba


*

DISCURSO NA ONU


Eu diria que, se Jair Bolsonaro ficasse calado, seria o pior para o Brasil. Melhor que ele fale, e bastante, para acabar de vez, porque o peixe morre pela boca.


Geder Parzianello gederparzianello@yahoo.com.br

São Paulo


*

LIÇÃO DO MUNDO


Muitos não são do ramo e, por isso, desconhecem os problemas que assolam as florestas do Norte do Brasil. Porém o pessoal ligado às atividades ali exploradas, lícita e ilicitamente, há décadas são capazes de explicar em detalhes os problemas que assolam a região. Inclusive e principalmente as autoridades, tanto civis como militares. É público e notório que a ganância orienta as decisões dos civis e o medo de sermos desapropriados por não se sabe quem deixarem os militares com o cabelo em pé. Essa afirmação é conhecida há décadas, digo e afirmo porque vivi essa história. Começou quando agropecuaristas atrás do sonho de possuir latifúndios na região bancavam a derrubada da mata para, após três fogos, instalar uma atividade razoavelmente lucrativa com pequeno investimento, o que aqui, no Sul, eram incapazes de conseguir, dada a falta de recursos suficientes. A existência de terras baratas enchia os olhos dos pecuaristas e as notícias de sucessos obtidos por colegas incentivavam também oportunistas que não estavam preocupados com a exploração em si, mas com a obtenção do lucro rápido e significativo. A vontade política de resolver o problema era desculpada pela falta de recursos e pela extensão da área. Vieram os satélites que possibilitavam visualizar diariamente a barbaridade que ano após ano dizimava a floresta, mas, mesmo assim, nada foi melhorado no que se refere à fiscalização. Os militares, tão eficientes nos tumultos ocorridos recentemente no Rio de Janeiro e em São Paulo, principalmente, usando equipamentos próprios para manter a ordem, não foram proteger a floresta em pé na Amazônia. Provando a falta de vontade política. Salienta-se, ainda, que muitos dos nossos deputados e senadores estão se beneficiando dessa letargia criminosa. O Brasil e o mundo esperam que os responsáveis por esses crimes parem com desculpas e passem a atuar ativamente, mandando pessoal e equipamentos suficientes para levar a zero o absurdo que hoje presenciamos. Alguém já dizia que, se não aprendemos, o mundo ensina, o que está preste a acontecer. Nossos produtos agropecuários serão estocados nos armazéns de Deus, pois compradores externos não se interessarão por eles. Chegou a hora da verdade, o mundo vai ensinar.


Itamar C. Trevisani itamartrevisani@gmail.com

Jaboticabal


*

OS BOLSONAROS


A família Bolsonaro continua em evidência. E não apenas pelos pronunciamentos inadequados do atual presidente da República. Estão sendo mostrados os comportamentos deles em campanhas eleitorais, com o uso de verbas identificadas como rachadinhas. A conclusão é de que, até prova em contrário, eles precisam comprovar que não são corruptos.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

DINHEIRO VIVO


Até agora e por causa do procurador-geral da República, do Supremo Tribunal Federal (STF) e da demora quando se trata de autoridades, o presidente Jair Bolsonaro não explicou, nem seus filhos, os depósitos feitos em suas contas bancárias, nem na conta da primeira-dama Michelle. E agora aparece uma compra em dinheiro vivo de um apartamento de R$ 150 mil, em 2003 (Aos 20 anos, Carlos Bolsonaro comprou imóvel de R$ 150 mil com dinheiro vivoEstado, 23/9). Não havia bancos, depósito em conta?


Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca


*

DESASTRE ANUNCIADO


O governo de Jair Bolsonaro vai terminar mal, isso já está muito claro. O envolvimento da família toda com recebimento de dinheiro sem origem, o tesoureiro em prisão domiciliar, os filhos que não aparecem para prestar depoimentos, tudo isso vai acabar muito mal. O investidor estrangeiro já se deu conta de que o Brasil caminha para um cenário político caótico, com o provável impeachment do presidente da República e a possível reação de Bolsonaro, o que seria um golpe de Estado, com o fechamento do STF e do Congresso, como já foi fartamente anunciado pelo próprio Bolsonaro. É cada vez mais provável a prisão de um dos filhos de Bolsonaro, e isso poderá ser o gatilho para deflagrar o golpe de Estado. E, quando isso acontecer, o capital estrangeiro já estará bem longe do Brasil.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

VERGONHA NACIONAL


Já não bastava estar passando pela pandemia da covid-19, o pânico e o medo da morte, o trabalhador se vê em meio a um verdadeiro impasse entre a Associação Nacional dos Médicos Peritos Federais (ANMP) e o governo federal, e, em meio ao conflito, quem mais perde é o cidadão que depende de perícia e está sendo prejudicado. Não por acaso, vários benefícios precisam passar pelo crivo médico, a exemplo de aposentadoria por invalidez, auxílio-acidente, aposentadoria especial, complemento de 25% para quem depende dos cuidados de terceiros, isenção do Imposto de Renda, aposentadoria para pessoas com deficiência, benefício de prestação continuada por deficiência e auxílio-doença, etc. São centenas de milhares de pessoas vivendo esta situação há meses e até anos. Porém só benefício de prestação continuada por deficiência e auxílio-doença têm autorização para serem pagos sem perícia (auxílio de R$ 1.045,00, e o BPC de R$ 600,00). O fato é que quase 800 mil pessoas estão na aguardando o retorno dos médicos peritos ao trabalho. O noticiado é que o principal impasse está na lista de exigência de condições sanitárias dos postos depois de meses de paralisações nos atendimentos presenciais. O secretário de Previdência, Bruno Bianco, afirmou que os médicos “vão levar falta”, como se isso fosse amenizar o desespero dos segurados. Dificilmente quantidade de médicos será demitida pela ausência intencional e politizada. Os atores da discussão estão todos com seus polpudos salários pagos por nós, contribuintes, em dia, enquanto os segurados se endividam e passam necessidade em plena pandemia viral e diante do preço de produtos de primeira necessidade nas nuvens. Ficam a revolta e a indignação pelo desrespeito.


Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul


*

IRRESPONSABILIDADE DELIBERADA


Enquanto o premiê britânico, Boris Johnson, adiou a volta do público aos estádios de futebol por causa da nova onda do coronavírus naquele país, no Brasil, o Ministério da Saúde deu parecer favorável à volta dos torcedores às arquibancadas, com no máximo 30% da capacidade dos estádios, apesar do aumento do número de mortes na última semana. Se os técnicos do ministério acreditam que essa limitação será suficiente para que os torcedores mantenham o devido distanciamento tanto fora como dentro dos estádios e que, durante o jogo e na hora do gol, cada um fique rigorosamente dentro do seu “quadrado”, de máscara, falando baixo e batendo palminhas, estão enganados. Trinta por cento representam milhares de pessoas, e aglomerá-las neste momento é irresponsabilidade deliberada.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

CAÇA GRIPEN


O novo caça Gripen veio da Suécia de navio, embarca em caminhão e chega ao seu destino de trem. Será que isso realmente voa?


Eugênio Iwankiw Junior iwankiwjr@hotmail.com

Curitiba


*

JARDINS VERTICAIS


O desmonte dos jardins verticais em São Paulo nada mais é do que mais um atestado de que nós, como sociedade, ainda não entendemos que não podemos depender do Estado para qualquer iniciativa de interesse de longo prazo.


Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba


*

TRÂNSITO E BICICLETAS


Está correta a conclusão de que o congestionamento em ruas da cidade que não tem ciclovias, mas tem bicicletas, o impacto delas pode ser considerado desprezível (Estado, 19/9, B9). Entretanto, em ruas da cidade que tem ciclovias, como a cidade de São Paulo, os obstáculos ao trânsito são evidentes, especialmente considerando que essas ciclofaixas reduzem e afunilam as tão estreitas ruas da urbe. Tenho sido vítima dessas ciclofaixas construídas sem qualquer estudo de impacto ambiental, ou mesmo sem levar em consideração que em determinados trechos não há uso de bicicletas. Portanto, segundo esse indigitado “estudo”, para  que o impacto das bicicletas no trânsito seja desprezível, é necessário que não haja ciclofaixas.


Alvaro Augusto Fonseca de Arruda alvaroarruda46@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.