Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2020 | 03h00

Serviço público

Mais 50 mil em 2021


Leio no Estado que o governo federal prevê a contratação de mais de 50 mil servidores em 2021. E que, segundo o economista do Senado Leonardo Ribeiro, “o número está elevado” e “não tem transparência no cumprimento da legislação”. De novo o governo Bolsonaro cede a pressões e vai aumentar ainda mais o setor público gigantesco, caro, perdulário e ineficaz que tanto nos martiriza.


HERMAN MENDES

HERMANMENDES@BOL.COM.BR

BLUMENAU (SC)


*

No Congresso


Além do vexame que passamos com a manchete Polícia encontra dinheiro escondido nas nádegas de aliado de Bolsonaro, do jornal britânico The Guardian, veio a notícia de que um colega do senador da cueca, Elmano Férrer (PP-CE), emprega a mulher do novo ministro do Supremo Tribunal (STF), mas ele não sabe que função essa senhora desempenha em seu gabinete. Tem “mais de 30 pessoas trabalhando lá”, alegou. Um cálculo rápido nos dá 30 assistentes empregados por cada um dos 81 senadores (2.430 pessoas), ganhando bem e ainda recebendo auxílio disto e daquilo. Somados outros 25 assessores permitidos para cada deputado federal, isso dá uma multidão muito bem remunerada – pelo povo brasileiro – para fazer não se sabe o quê. Como o nosso presidente admira tanto os EUA, deveria empenhar-se em chamar a atenção para a diferença abissal que existe entre um parlamentar americano e um brasileiro. Mas nós somos um país rico... A única conclusão a que se pode chegar é a mesma de L. F. Verissimo, ontem, em sua crônica: chegamos aos fundilhos – e agora também em âmbito internacional.


MARTA LAWSON

LAWSONMV@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO


*

Novo ministro STF


Como no STF se trata de leis, não custa lembrar uma das de Murphy: “Nada é tão ruim que não se possa piorar”. E haja tubaína para comemorar!


GUTO PACHECO

JAM.PACHECO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO


*

Trump e Bolsonaro

Discurso de Obama


“Eu nunca pensei que Donald Trump fosse abraçar minha visão de mundo ou continuasse minhas políticas. Mas eu esperava, pelo bem do país, que ele pudesse mostrar interesse e levar o trabalho a sério. Mas nada disso aconteceu. Até agora ele não mostrou interesse em ajudar ninguém além de si mesmo e de seus amigos.” Essas palavras servem como uma luva ao presidente Jair Bolsonaro, que tem o mesmo comportamento egocêntrico de Trump.


LAURA CELIA DALTRINO

LAURACDALTRINO@YAHOO.COM.BR

BRAGANÇA PAULISTA


*

Saúde pública

Única chance


Quando se discute se deve ser ou não obrigatória a vacina contra a covid-19, lembro que o coronavírus da gripe espanhola, há cem anos, matou 35 mil brasileiros, quando a nossa população era de 29 milhões de pessoas. Matematicamente, dizimou 0,12% do total. Se a pandemia atual repetir a performance da antiga, teremos 254 mil mortes, ou seja, 100 mil a mais que atualmente. Considerando 500 mortes por dia como média, levará sete meses para chegar a esse número. Sem dúvida, a vacina é a única chance real de evitar essas mortes em volume tão significativo. Toda população deve se prevenir tomando a vacina o quanto antes.


MÁRCIO DA CRUZ LEITE

MARCIO.LEITE@TERRA.COM.BR

ITU


*

Imunização compulsória


Estou interpretando mal ou foi o próprio Bolsonaro que decretou a possibilidade da obrigatoriedade da vacina contra o novo coronavírus? Transcrevo trecho do Diário Oficial da União. publicado em 7/2/2020, sobre a Lei n.º 13.979: “Art. 3.º – Para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus, poderão ser adotadas, entre outras, as seguintes medidas: (...) III – determinação de realização compulsória de: (...) d) vacinação”. Assina Jair Messias Bolsonaro.


SANDRA MARIA GONÇALVES

SANDGON46@GMAIL.COM

SÃO PAULO


*

Revolta da vacina


Professora de História, sempre achei difícil explicar aos meus alunos a Revolta da Vacina. Ao tomar conhecimento do fato, eles indagavam, atônitos: “Como assim, professora, eles não queriam se proteger?”. Hoje, além de compreenderem como isso pôde acontecer, percebem quanto este país retrocedeu.


MARIA ÍSIS M. M. DE BARROS

MISISMB@HOTMAIL.COM

SANTA RITA DO PASSA QUATRO


*

Antipólio


Minha irmã Therezinha nasceu em fevereiro de 1932, em perfeita condições de saúde. Em meados de 1933, teve poliomelite, seguida por uma série de complicações. Ela não falava, não interagia, ficou completamente dependente para exercer qualquer atividade: tomar banho, vestir-se, alimentar-se, movimentar-se, etc. Além do constante cuidado familiar, ela também tinha assistência médica rotineira. Cada pessoa tem sua maneira de pensar e eu respeito, porém está sendo muito difícil entender essa polêmica sobre se as crianças devem ou não tomar a vacina contra a poliomielite. Se a vacina tivesse sido descoberta nos anos 1930, Therezinha poderia ter sido imunizada e viver a vida em sua plenitude. Não teria passado os 45 anos de sua existência em estado praticamente vegetativo.


WANDA IVETTE ANDREONI

WANDIVTE@GMAIL.COM

SÃO P AULO


*

Dia do Aviador

Homenagem a Santos-Dumont


Hoje se comemora o Dia do Aviador. A Lei n.º 218, de 4/7/1936, criou-o em homenagem ao primeiro voo feito na História, em 23 de outubro de 1906, graças a um brasileiro. Alberto Santos-Dumont, o “pai da aviação”, foi o primeiro ser humano a voar. A bordo do 14-Bis, no Campo de Bagatelle, na França. Parabéns a todos os profissionais que pilotam aviões.


BRUNO KARAOGLAN OLIVA

BRUNO@KOSA.COM.BR

SÃO PAULO


______________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br



O NOVO MINISTRO DO STF


Kassio Nunes Marques tornou-se o novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Atuou como advogado entre 1996 e 2011, nas áreas cível, trabalhista e tributária. De 2001 a 2011, foi sócio de importante escritório de advocacia em Teresina (PI). Seu currículo é indicativo de julgar-se impedido de julgar os planos econômicos, assim como fizeram os dois nomeados anteriores (Edson Fachin e Alexandre de Moraes). Sob estrondoso silencioso da mídia, o lobby dos bancos conseguiu emplacar os últimos três ministros do STF. Há três décadas, milhares de pessoas aguardam receber o dinheiro da caderneta de poupança de volta e com correção. Agora, é aguardar a próxima nomeação, em julho do próximo ano. Provavelmente, vai ser uma nova indicação contra os interesses das pessoas comuns que tiveram seu dia a dia prejudicado e ainda aguardam a justiça.


Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas


*

TOGA & TUBAÍNA


A sabatina-tubaína do indicado presidencial confirmou tudo a respeito do postulante ao STF. Do notório saber jurídico à irrepreensível conduta ilibada, não faltou nada. Já nos senadores-homologadores, a ausência do principal. Vergonha na cara.


A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*

REGISTRO NOS ANAIS


Cumprimentos ao mitômano. Agora, além de amigo e companheiro de tubainadas, Kassio Marques passa a ser um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que o presidente da República pode chamar de seu. E daí (lembram-se?) se ele não tem a reputação ilibada ou notório saber jurídico, porque tais requisitos jamais poderiam ser descobertos ou devidamente testados pelos energúmenos que o sabatinaram? Se Beira-Mar e Marcola tivessem sabido antes desses pequenos e insignificantes detalhes, teriam bebido muita tubaína com os Bolsonaros, pois saber jurídico ambos o têm e ilibada reputação, bem, essa é só uma questão de interpretação de quem os indicaria. O importante, na verdade, é ser amigo e tomador de tubaína. Que tais requisitos fiquem devidamente registrados nos anais (ops!) do STF.


Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo


*

SABATINA


Como faço todos os dias ao me levantar, vou ler o Estadão. Neste 22/10/2020, na manchete de primeira página, li: Senado reprova o indicado por Bolsonaro para ocupar vaga no STF. No texto, sou informado de que, após cerca de dez horas de arguição ao candidato, realizada por senadores de reputação ilibada e notório saber, este não foi claro nas explicações quanto ao seu curriculum vitae, bem como em outras questões exigidas para a ocupação desta vacância existente. E aí? Bem, aí eu acordo e vejo que está chovendo... e deve fazer frio.


Claudio Baptista clabap45@gmail.com

São Paulo


*

GARANTISMO DELETÉRIO


Ao ser perguntado na sabatina para o STF sobre o garantismo, o agora ministro Kassio Marques respondeu que “o garantismo judicial nada mais é do que aquele perfil de julgador que garante as prerrogativas e direitos estabelecidos na Constituição”, e que o mesmo “deve ser exaltado, porque todos os brasileiros merecem o direito de defesa”. Bem, foi em nome deste conceito estreito e fundamentalista que o condenado por tráfico André do Rap foi libertado pelo ministro Marco Aurélio Mello e desapareceu. Seguramente não para viver uma vida honesta, mas para continuar praticando seus crimes. Ou seja, o garantismo, quando levado ao extremo, pode ser deletério para a sociedade. Kassio Marques é jovem e tem todo o tempo pela frente para refletir sobre os erros dos outros e não repeti-los.


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

TUDO EM FAMÍLIA


Lamentável e infelizmente, não existe nenhuma maneira civilizada, habitual ou culta na nossa rica Língua Portuguesa para que possamos nos expressar educadamente ao classificar, determinar ou definir a corrupta e suja atitude do ex-líder do governo no Senado, Chico Rodrigues (DEM-RR), que foi flagrado com dinheiro na cueca pela Polícia Federal (aliás, atitude por nós já conhecida, ele não teve sequer inteligência suficiente para inovar). Imediatamente, o senador foi amparado por um exército de advogados que, de comum acordo com o presidente Jair Bolsonaro, o orientaram a se afastar do cargo por 90 dias. Seu lugar será ocupado pelo seu primeiro suplente, que, coincidentemente, é ninguém mais nem menos que seu próprio filho, Pedro Arthur Ferreira Rodrigues. Ou seja, fica tudo em família. Mas, para tal cartada insolente, era necessário seu afastamento por quatro meses, ou seja, 120 dias, e foi o que fez de imediato, enviando uma nova e vergonhosa carta de afastamento com novo prazo. E, para se garantir, pediu logo 121 dias. Vergonhoso!


Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo


*

O SENADOR E A CUECA


“Diga-me com quem tu andas e te direi quem és”, ou “não se deixem enganar: as más companhias corrompem os bons costumes” (1 Coríntios 15:20). Que o digam o Pastor Everaldo, Fabrício Queiroz, Wilson Witzel, Capitão Adriano, Dr. Wassef, Sara Giromini, Donald Trump e, agora, o senador de Roraima flagrado com a cueca cheia de dinheiro. Como castigo, foi afastado com salário integral e seu pimpolho assumirá o seu cargo no Senado. Tudo em família! Com a palavra, o capitão Bolsonaro!


Etelvino José Henriques Bechara ejhbechara@gmail.com

São Paulo


*

TROCA DE CUECAS NO SENADO


Sai cueca samba-canção e entra cueca Zorba, mas a dinastia de cuecas familiares corruptas continua. Suplente do senador da cueca cofre de maracutaia é seu filho, no país das oligarquias patrimonialistas.


Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre


*

CAPITANIAS HEREDITÁRIAS


Quando estas “capitanias hereditárias” terão um fim? É legal assumir a vaga? Mas será ético? Por quantos séculos ainda teremos de suportar uma política que patina na esteira rolante do atraso? Neste caso nem se pode falar em nepotismo, é filhotismo, mesmo.


Vera Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo


*

QUADRILHA


A forma como os senadores da República Federativa do Brasil orquestraram o afastamento do senador Chico Rodrigues, flagrado com dinheiro na cueca pela Polícia Federal, sinaliza que ali está instalada uma verdadeira quadrilha, pois foram os líderes dos partidos – inclusive, pasmem, o próprio presidente do Senado, Davi Alcolumbre – que orquestraram toda a operação para que o criminoso se afastasse do seu cargo, o que foi feito com um pedido de 90 dias, mas a quadrilha, não satisfeita com o que poderia acontecer neste ínterim, por meio dos seus chefes, fizeram nova orientação a Chico, e assim ele solicitou que o afastamento fosse estendido para 121 dias, e com isso assumirá o seu lugar o seu suplente, que simplesmente é o seu filho Pedro Arthur. Isso é uma afronta à inteligência de todos os brasileiros honestos, uma verdadeira busca de proteção do Senado com orquestrações engenhosas e nefastas. E ainda continuam sem trabalhar utilizando o motivo da epidemia, enquanto todo o restante do País se mobiliza para voltar à normalidade. Verdadeiro antro de marginais institucionalmente instalado num dos poderes da República.   


Darci Trabachin de Barros darci.trabachin@gmail.com

Limeira


*

PICARETAGEM NO SENADO


Se fosse um cidadão comum, o senador Chico Cueca Rodrigues estaria preso até explicar melhor o motivo de tanta pressa em esconder dinheiro supostamente lícito. Para evitar possíveis problemas de saúde, o Conselho da Ética do Senado só “retornará junto com as demais comissões” para examinar o caso da cueca, declarou o senador Davi Panos Quentes Alcolumbre. Não dava para fazer reunião não presencial de tal comissão, ou será que o vírus da covid-19 é transmitido também pela internet? Além dos “300 picaretas que defendem apenas seus próprios interesses”, segundo Lula, parece que temos uns 50 no Senado Federal!


Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo


*

NAS CUECAS


Todos os senadores, em especial o presidente do Senado Federal, que participaram deste absurdo, vergonhoso, imoral e indecente arranjo para o licenciamento do senador chico rodrigues (com  minúsculas, mesmo), também eles enfiaram sua honra, sua decência, sua moral e sua honestidade nas respectivas cuecas.


Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundíai


*

INSULTO REPETIDO


Pela segunda vez fui insultado digitalmente, da mesma forma e com os mesmos adjetivos delicados, tais como canalha, rato, petita safado... tudo isso por críticas ao desgoverno do capitão, neste mesmo Fórum dos Leitores. Repito: sou engenheiro, nunca fui político, mas desde os tempos de faculdade sigo com grande interesse o desenvolvimento de políticas que levem ao que, a meu ver, sintetizam o ideal democrático. Em 2018, votei no capitão para evitar o PT, apesar de prever problemas decorrentes do despreparo do capitão. E, como todos os que assim votaram, vimos Jair Bolsonaro, eleito para combater a corrupção e eliminar a velha política de comercialização de apoios (além de acabar com a reeleição), descumprir suas juras e, aos poucos, passar a chefiar exatamente tudo aquilo que jurara combater. Mas os erros não são só de Bolsonaro. Uma boa parte do Poder Legislativo também não consegue desprender os olhos de seus umbigos, acariciados pelo presidente. Um bom exemplo estava no Estado de 21/10, em suas Notas & Informações, denunciando o desleixo do Senado com as escolhas de Bolsonaro. Este agrega apoiadores, todos alegremente usando o poder público em benefício próprio. Na realidade, a culpa é nossa, precisamos aprender a separar o joio do trigo, o certo do errado. Mas nosso sistema político, com dezenas de partidos amorfos, atrapalha muito. E só um líder forte e confiável poderá mudar o jogo.


Luiz Antonio Ribeiro Pinto brasilct@uol.com.br

Ribeirão Preto


*

REJEIÇÃO


O presidente Bolsonaro afirmou que não comprará a vacina chinesa CoronaVac, a ser produzida pelo Instituto Butantan, embora continue receitando o uso da cloroquina para o combate à pandemia de covid-19. Espantoso como as vicissitudes políticas do senhor presidente orientam e comandam a vida de todo o País e de toda a população. Sintomático que tal revisão da compra, antes decidida que se daria, após o anunciado acordo comercial Brasil-Estados Unidos, com clara influência dos ídolos norte-americanos de Bolsonaro, caracterizando-se o nosso presidente como sendo o vassalo obediente do seu suserano do norte. Porém, se Bolsonaro se mantiver irredutível nessa decisão, descartando a priori a vacina chinesa, mesmo se comprovada a sua eficiência e segurança, então que o Brasil, em peso, rejeite este presidente que traiu as suas promessas de campanha e trai, constantemente, os verdadeiros interesses do povo brasileiro.


Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*

EM PLENA CAMPANHA


A nossa população se preocupa, e com razão, com a covid-19, com o desemprego e com os desmatamentos e os incêndios em nossas florestas. Também já assimilou a realidade do aquecimento global e as suas consequências. Enquanto isso, o presidente navega placidamente na sua campanha pela reeleição em 2022. Estão sendo colocados cartazes imensos nas estradas do País inteiro, com loas ao presidente mais inepto da nossa República. Em evento na Aman, disse aos cadetes que ele “reza a Deus para ser reeleito”. Para justificar a sua pretensão, discorreu sobre “problemas” em países vizinhos ao nosso, como se fossem motivo de perigo para o Brasil. O presidente, graças à sua desastrada atuação no enfrentamento da pandemia, nos colocou entre os países não só com mais doentes contaminados, como também entre aqueles com o maior número de mortos. Não é por acaso que os Estados Unidos e o Brasil e estão liderando tanto em número de contaminados como em número de mortos atingidos pelo coronavírus. Impossível desassociar a insistência do presidente Bolsonaro em não usar a máscara com o elevado número de contaminados no País. Seu cuidado com a sua reeleição chega a extremos, que merecia alguma atitude dos demais Poderes da República, para frear tanta volúpia. Foi só o Instituto Butantan revelar que os testes da vacina chinesa estão adiantados e exitosos, com a correta decisão do ministro da Saúde de afirmar que o Ministério também adquiriria a vacina chinesa, para o presidente ter uma reação irracional a respeito. Primeiro, reclamou nas redes sociais, o que deveria ser proibido. Depois, obrigou o secretário da Saúde a fazer uma ridícula declaração pública de que o Brasil não iria adquirir a vacina chinesa. O presidente ainda veio a público comunicar que a Anvisa não autorizaria nenhuma vacina não aprovada pelos cientistas. Claro que não, ninguém disse isso, mas logo ele, que posou de propagandista da cloroquina, descartada pelos cientistas no caso da covid-19?


Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo


*

DESEQUILÍBRIO


Pelas atitudes do presidente Bolsonaro, tripudiando em cima da saúde dos brasileiros em relação às vacinas contra a covid-19, parece necessário que algum Poder faça alguma coisa. A eleição de 2022 o está deixando totalmente desequilibrado.


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*

BOLSONARO, UM PARAFUSO SEM ROSCA


Embora possa parecer impossível, receio de que acabemos nos acostumando com este macaquinho desarticulado movido a vácuo que “ganhou de presente” a chefia do Poder Executivo federal, graças ao medo-pânico da maioria dos eleitores traumatizados com os governos petistas (e Messias acha que o “povo brasileiro” o elegeu porque ele é o máximo). Espanta mais ainda ver os militares atuando como vaquinhas de presépio, feito peças de um circo mambembe, desonrando um dos poucos que, no ancien regime ditatorial de 1964, tinha cultura, inteligência e conhecimento estratégico: o general Golbery do Couto e Silva; sim, nem todos os militares de carreira são soldadinhos de chumbo. Mas estes “quietinhos em seus postos”, seja no Ministério da Saúde ou noutros cargos quaisquer, parecem peixes fora d’água e fazem papel de João-sem-braço; seria cômico, se não fosse trágico. Bolsonaro é a essência do mal. Sem preparo humanístico algum, rejeitado por sua insanidade mesquinha como capitão, cujo maior feito no Exército foi brigar por salários em favor do baixo clero militar, jamais fez algo inteligente ou elogiável pela corporação. Jamais passou de um enfant terrible. E agora estamos nesta maçada que envolve o 5.º mais extenso país do planeta com inusitadas crises pandêmica, econômica, política e moral sem precedentes, tudo isso alavancado pela “tecnologia dos dedinhos” e aplicativos com o tenebroso poder de inventar “verdades” e transformar verdades em mentiras. Temos a formação da tempestade perfeita para entupir os canais do desenvolvimento, agravar a miséria dos miseráveis (e aumentar seu número), acelerar a destruição dos seis grandes biomas nacionais (cerrado, caatinga, mata atlântica, pampas, pantanal e a Amazônia), derreter mais ainda a já péssima educação básica nacional, piorar a qualidade dos políticos (que já é muito ruim), enfim. Quem não morrer verá.


Nelson Sampaio Jr. n.sampaio@hotmail.com

Curitiba


*

A MENTIRA REPETIDA MIL VEZES


Paulo Guedes segue impávido na sua estratégia de repetir mil vezes a mesma mentira para torná-la realidade (História de matar índio e queimar floresta é exagero, diz Guedes, mas dados mostram queimada em alta, Estado, 19/10). Não, não há fogo na Amazônia nem no Pantanal, segue mentindo o Posto Ipiranga. A história da mentira repetida mil vezes funcionava bem na época em que não havia televisão nem internet e os jornais e rádios eram censurados. Falar que não há fogo na Amazônia quando o planeta inteiro está vendo os incêndios ao vivo e em cores, na TV, na internet; continuar mentindo escancaradamente quando todo mundo sabe o que está de fato acontecendo, esse comportamento serve apenas para atestar a má-fé do ministro, que sabe muito bem sobre os incêndios e é membro do governo que estimulou o maior holocausto ambiental da história da humanidade.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*

PAPEL CONFORTÁVEL


Paulo Guedes, em 19/10: críticas feitas ao governo federal em relação à má gestão ambiental e ao aumento das queimadas são um exagero e uma narrativa dos “perdedores da eleição”. O governo é sempre o vilão? No papel de vítima se vive confortavelmente bem. Quem se apresenta como vítima não precisa mais fornecer argumentos – ele ou ela está sempre com razão. “Faz parte do delírio moral de superioridade de sempre apresentar ao público um muito mau transgressor para, em comparação, sempre aparecer como um bonzinho.”


Arthur Meili meiliarthur0@gmail.com

São Paulo


*

LIBERDADE DE EXPRESSÃO


Correta a decisão da jogadora de vôlei Carol Solberg, de recorrer da absurda punição que recebeu por expressar livremente sua expressão – direito este preconizado na Constituição federal (a liberdade de expressão é garantida pela Constituição de 1988, principalmente nos incisos IV e IX do artigo 5.º; enquanto o inciso IV é mais amplo e trata da livre manifestação do pensamento, o inciso IX foca na liberdade de expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação). Mas quem irá apreciar o recurso espero que tenha lido e interpretado de maneira correta a Constituição federal.


Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.