Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2020 | 03h00

Corrupção

‘Democracia desmoralizada’

Democracias são desmoralizadas por péssimos políticos, eleitos por eleitores ineptos. O editorial do Estado de ontem com o título acima (A3) expõe a triste deterioração política que está desmoralizando o sistema democrático no Brasil, com a eleição de picaretas sem a mínima qualificação para altos cargos públicos. O cultivo dessa delicada orquídea que é a democracia, em países onde impera o Estado de Direito, governados por políticos escolhidos pela maioria dos seus eleitores, foi atacado pelo mortal vírus de falsos líderes populistas, que destroem por dentro as instituições democráticas. Parasitas perversos atacam a saúde, a educação, a natureza, a cultura e tudo o que constitui uma nação livre e moderna, impondo sua mentalidade totalitária, odiosa e destrutiva. Eleitores ignorantes e ressentidos elegeram Donald Trump, nos EUA, indicado pelo oportunismo do Partido Republicano, agora refém do demagogo. O mesmo se deu no Brasil, pela irresponsabilidade de elites reacionárias e eleitores ignorantes. São duas nações na UTI das democracias enfermas, necessitando de tratamento intensivo para recuperar sua saúde política e se vacinar contra falsos líderes.

PAULO SERGIO ARISI

PAULO.ARISI@GMAIL.COM

PORTO ALEGRE

*

Dominado pelo crime

De várias décadas para cá não há mais diferença para fluminenses e cariocas entre serem assaltados à mão armada na rua por bandidos ou pelos governadores e prefeitos eleitos. O Rio de Janeiro foi transformado em reduto de marginais, desde o bandido pé de chinelo da esquina até os mais altos governantes. De sede do Império e, depois, capital federal, passou a ser terra de ninguém, ao deus-dará. Se não aprenderem a votar, os fluminenses vão continuar a eleger bandidos para assaltar o Estado. Que o Cristo Redentor abençoe e proteja o Estado e a Cidade Maravilhosa.

VICKY VOGEL

VOGELVICK7@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Dedo podre

A declaração do pastor Marcelo Crivella de que estava sendo vítima de “perseguição política” e esperava por justiça é novidade na praça... Nunca antes neste país um inocente havia dito isso... Será que ele já era horrivelmente evangélico quando os ciosos cidadãos eleitores do Rio o elegeram para prefeitar a Cidade Marav... Deixa pra lá. Realmente, Estado e cidade do Rio de Janeiro já de longa data sofrem da “síndrome do dedo podre” para escolher prefeitos e governadores (salvo raras exceções). Na esfera estadual, começaram acolhendo Brizola para governador (quando os gaú-chos não o queriam mais), depois houve Garotinho, Rosinha, Cabral, Pezão, Witzel – nenhum propriamente um primor de governante. Crivella segue o script na ex-capital federal. E o Cristo Redentor, só olhando...

NELSON SAMPAIO JR.

N.SAMPAIO@HOTMAIL.COM

CURITIBA

*

Já foi tarde

Bem irônico o título da capa do Estado de ontem: Acusado de corrupção, Crivella é preso a 9 dias do fim do mandato. Gostaria de ter lido, quatro anos atrás: Crivella é preso 9 dias antes de tomar posse.

GUILHERME PENA

GPMPENA@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Irônica antevisão

O brasão do Estado do Rio de Janeiro, criado em 1963, mostra um poder de predição quase paranormal ou uma fina e triste ironia futurista. Seu criador incluiu no escudo que era usado até então o lema Recte rempublicam gerere (gerir a coisa pública com retidão)...

BRENO LERNER

BLERNER@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Em prisão domiciliar

Marcelo Crivella é um bom exemplo de como funciona a Justiça brasileira. Justa, célere e eficaz para políticos e ricos. Injusta, lenta e ineficiente para os pobres. Cega, surda e muda para os amigos.

CARLOS GASPAR

CARLOS-GASPAR@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Os diferenciados

No Brasil só fica preso quem não tem passaporte para ser recolhido.

MARCELO GOMES JORGE FERES

MARCELO.GOMES.JORGE.FERES@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Pandemia

Carteirada

Os tribunais superiores tentaram dar uma carteirada à moda antiga em cima da Fiocruz, para receberem vacinas antes da plebe rude que os sustenta. Nada mais é inacreditável neste país.

ANTONIO MANOEL VASQUES GOMES

AMAVAGO@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Privilégio

É de embrulhar o estômago a ideia do STF e do STJ de pedirem reserva de vacinas para seus integrantes. Essas castas não têm a mínima noção de cidadania, os argumentos para requerer tal privilégio são simplesmente inconsequentes. Até quando o brasileiro suportará esse estado de coisas?

CARLOS AYRTON BIASETTO

CARLOS.BIASETTO@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Em São Paulo

Precatórios

Prefeito Bruno Covas, mostre que é um político diferente e justo, não aumente só o seu salário, pague os precatórios também. Esperamos há mais

de uma década. Feliz Natal!

LOURDES MIGLIAVACCA

LOURDESMIGLIAVACCA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Boas-festas

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano novo de Adriano, Mércia e Clarinha Luchiari, Artur Topgian, Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração, Associação dos Condomínios Residenciais e Comerciais de São Paulo (Acresce), Builders Educação Bilíngue, Celso Neves Dacca, César R. Matavelli - GCRM Consultoria em Processos, Cláudio Moschella, Equipe Brasil 61, Equipe São Paulo Chamber of Commerce, Equipe ZDL, Equipe da Comunicação Vertical, Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, Fabiano de Abreu – MF Press Global, Universidade do Livro, Uriel Villas Boas e Zeca Bloise.


____________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


A PRISÃO DE MARCELO CRIVELLA

Mais uma autoridade foi presa no Rio de Janeiro. Praticamente ninguém se salva na política carioca. Desnecessário repetir a lista. Apenas o atraso da Justiça é que permite que estes envolvidos em corrupção cheguem a ocupar altos cargos, e, na maioria, através das urnas. O Rio continua lindo, mas seus políticos são uma vergonha. Pobre Rio de Janeiro!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VERGONHA

Lamentável que entre vários governadores condenados e presos suspeitos por corrupção, agora o Rio de Janeiro teve também o prefeito Marcelo Crivella, preso na terça-feira. O que nos causa surpresa é que na eleição municipal deste ano o carro-chefe da propaganda de Crivella era acabar com a corrupção. Uma vergonha!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CRIMINALIDADE NOS PARTIDOS POLÍTICOS

O partido político Republicanos divulgou nota sobre a prisão do prefeito Marcelo Crivella condenando a judicialização da política. No entanto, deveria estar mais preocupado com a criminalidade nos partidos políticos, o que salta aos olhos de qualquer um. Já a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, que rechaçou dois pedidos de impeachment contra Marcelo Crivella, deveria modificar seus ritos processuais, retirando os poderes de seus membros, considerados suspeitos, repassando-os à sociedade civil.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

POBRE RIO

O Rio de Janeiro está mais uma vez em destaque, com a prisão do prefeito Crivella, à qual se soma o afastamento do governador do Estado. É uma situação inadmissível. Que a Justiça acelere o julgamento para a punição que eles merecem.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

DINHEIRO DESVIADO

Qual será o valor recolhido em impostos pela população do Rio de Janeiro para suportar tantos anos de ladroagem?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

PRISÃO QUE ECOA NO PLANALTO

Jair Bolsonaro, o mesmo que prometeu nova política (que não existe), mas vive abraçado ao Centrão e que se angustia ao ver seus filhos investigados por corrupção, agora carrega outro fardo político quando viu seu dileto amigo Marcelo Crivella sendo preso por desvios de recursos públicos que podem chegar a R$ 50 milhões. Mais uma lição para Bolsonaro, que gosta de cantar de galo, mas, assim como na economia, seu governo também na ética não passa de um voo de galinha.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

APOIO COM MUITA VISÃO

Jair Bolsonaro apoiou vários candidatos nas eleições e foi um fiasco. Um desses apoiados foi o prefeito do Rio de Janeiro, que não só foi derrotado fragorosamente, como foi parar na prisão de Benfica acusado de corrupção e fraudes no valor de R$ 50 milhões. É este o homem muito bem informado e com grande visão estratégica que está liderando nosso país? Não vou usar palavras de baixo calão no Estadão, mas estamos bem mal...

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

ALVOROÇO

A prisão do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, deve estar causando alvoroço na Casa Suprema. Muitos palpites, entre eles o gargalhar e a alegria do ministro Gilmar Mendes, o LGG (Libertador Geral das Galáxias), na expectativa de um inesperado presente de Papai Noel. Materializado sob que forma? De 2020, o supremo juiz nada tem a reclamar, somente a brindar. Feliz Natal!

Julio Armando Echeverria Dulon jecheverria50@yahoo.com

Santa Cruz, Califórnia, EUA

*

CRIVELLA

Se o ministro Mendes não o soltar logo, ele terá bastante tempo para repensar a vida. Finalmente, tomou juízo.

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

APOSTAS

Na nossa bolsa de apostas familiar, a dúvida é se o prefeito do Rio será solto por Gilmar até a hora do almoço ou do jantar.

Harry Rentel harry@florarome.com.br

Vinhedo

*

FICHA-SUJA, COITADINHO!

Estreia mal na Corte Suprema o recém-empossado ministro Kassio Nunes Marques. Atendendo a ação proposta pelo PDT, considerou inconstitucional um trecho da legislação que fazia com que pessoas condenadas por certos crimes ficassem inelegíveis por mais oito anos, após ainda o cumprimento da pena, concordando que é desproporcional deixar inelegível um político ficha-suja por tanto tempo, coitadinho! Para começar, a legislação seria mais justa se punisse esses políticos com a inelegibilidade ad aeternum. Agora, abreviar a pena – pois é disso que trata a questão em última análise – ultrapassa os limites da tecnicalidade e adentra frontalmente o território da (i)moralidade.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DECISÃO DE NUNES MARQUES

Supressão do texto da Lei da Ficha Limpa: por que será que eu não estou nem um pouco surpresa?

Vera Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo

*

MAIS UM LIMPA-FICHAS

Nós, brasileiros, precisávamos mesmo de um Nunes Marques, pois só Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes não davam conta de limpar tantas fichas.

Mirtela Gori Maia ggmaia@gmail.com

Itatiba

*

COVID-19 – SP NA FASE VERMELHA

O governo de São Paulo passou todo o Estado para a fase vermelha no Natal e no ano-novo. Enquanto isso, uma manifestação antivacina com pessoas sem máscaras ocorria na capital, em plena Avenida Paulista, em protesto contra a obrigatoriedade da vacinação contra a covid-19. A guerra das vacinas entre João Doria e Jair Bolsonaro vai se prolongar durante todo o próximo ano. O País se aproxima das 200 mil mortes até o fim de dezembro. Polarização política, fake news e redes sociais vão dominar um ambiente de radicalização ideológica até as eleições de 2022.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

PANDEMIA EM SP

Há semanas o Palácio dos Bandeirantes discute com os especialistas do Centro de Contingência do Coronavírus o endurecimento das medidas restritivas na capital e nos mais de 600 municípios paulistas. Ocorre, entretanto, que a gestão Doria não pode (ou pelo menos não deveria) impor medidas que impedem o funcionamento de determinados segmentos sem dar alguma sinalização no sentido de amenizar o impacto sobre as receitas desses empreendedores e empresários. Enquanto impõe por decreto o fechamento desses estabelecimentos, o governo do Estado eleva, ainda que disfarçadamente, os impostos. Não houve, de fato, elevação de alíquotas. Porém, quando você suspende benefícios fiscais, os tributos são transferidos ao consumidor final, portanto na ponta há aumento de impostos. Digamos que o Executivo de São Paulo tenha feito uma inteligente jogada com as palavras, cujo efeito é único e atende pelo nome de aumento de tributação. Durante a pandemia de covid-19 os governos estaduais não isentaram ou reduziram suas alíquotas de ICMS (tributo exclusivamente estadual). Não houve, de igual forma, desconto em outros tributos com participação estadual. Basta olhar a sua conta de telefone para sentir, na folha e no bolso, o peso do Tesouro estadual sobre o seu orçamento. A pandemia avança e, sem dúvida, é necessária a adoção de medidas. Porém, de igual forma, é imperioso que o governo estadual e as prefeituras ajam no sentido de aliviar o seu peso sobre os setores e sobre a população. Todos, sem distinção, precisamos de equilíbrio orçamentário.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

O RETORNO ÀS ESCOLAS

Os professores da rede estadual farão greve, se for determinado seu retorno em fevereiro? A palavra “educadores” não está fora de contexto?

Maria Lucia R. Jorge mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

*

O GOVERNO DE SP E A CIÊNCIA

O governo do Estado de São Paulo insiste em fazer mau uso da ciência para justificar suas decisões. Quando o secretário da Educação (Rossieli Soares) se pronuncia para defender a volta às aulas, diz “(...) hoje a ciência mostra que o espaço escolar é seguro”. Neste raciocínio, o secretário Rossieli emprega o que se conhece como pseudociência, ou seja, algo que parece ciência, mas não é. Para mostrar a fraqueza do argumento, pode-se perguntar: de onde ele tirou essa informação, que aproveita como se fosse verdade absoluta? De quais espaços escolares o secretário está falando? Esse argumento não parece ser contraditório ao aumento significativo de crianças internadas com covid-19 nas UTIs dos hospitais de São Paulo, que ocorreu após o retorno parcial das aulas no final de 2020?

Mauricio S. Baptista baptista@iq.usp.br

São Paulo

*

VALORIZAÇÃO DA CIÊNCIA

No excelente artigo do professor dr. Charles Mady (Lições da pandemia, 18/12, A2), no qual enaltece o grande valor dos profissionais da saúde durante esta pandemia, bem como a qualidade dos projetos científicos elaborados pelos pesquisadores, ele indaga: “Estão eles sendo valorizados?”. Tentando contribuir para essa resposta, eu afirmo que definitivamente não! Esclareço: existem 19 institutos de pesquisa no Estado de São Paulo. Esses institutos atuam em diferentes áreas de conhecimentos, ou seja agropecuária, meio ambiente, biológicas, saúde, tecnologia de alimentos, etc. Podemos destacar alguns, como o Instituto Agronômico de Campinas, o Instituto de Zootecnia, o Instituto Biológico, o Instituto de Tecnologia de Alimentos, etc. Na área da saúde, destacam-se o Instituto Adolfo Lutz, o Emílio Ribas, o Dante Pazzanese, o Instituto Butantan, etc. Várias dessas instituições são centenárias como o Butantan. Maiores informações são encontradas em www.apqc.org.br. Grande parte dos profissionais de nível superior que atuam nessas instituições está enquadrada na carreira de pesquisador científico, criada em 1975 por Lei Complementar (n.º 125/1975). Por essa lei, que classifica os pesquisadores em 6 níveis, haveria uma equiparação salarial à carreira de docência das universidades públicas, por serem congêneres em sua função de docência e pesquisa. Pois bem, essa equiparação sempre foi desrespeitada pelos governos estaduais. Hoje pesquisadores científicos recebem salários 60% inferiores aos dos profissionais das universidades ou até mais. Em função dessa situação, vários pesquisadores entraram na Justiça e conseguiram a equiparação salarial aos docentes. Outros não tiveram a mesma sorte. Dessa forma, criou-se uma situação esdrúxula na qual pesquisadores menos qualificados na carreira ganham mais que aqueles que não conseguiram sucesso em sua ação na Justiça, exercendo a mesma função. A Associação dos Pesquisadores Científicos, já citada, tenta contato e diálogo com o atual governo do Estado, porém sem sucesso. Esclareço que existe também a carreira de apoio à pesquisa científica para profissionais de nível médio, cuja remuneração está vinculada à de pesquisadores. Dr. Charles comenta ao final de seu artigo: “Esperamos que os setores políticos tenham aprendido algo com essa pandemia e que sejam no futuro representados por pessoas com esses valores”. A classe de pesquisadores científicos do Estado de São Paulo espera que haja um momento de lucidez dos atuais governantes do Estado para, de fato, valorizar a Ciência paulista e a deste país.

Alexander George Razook agrazook@hotmail.com.br

Marília

*

ESTELIONATO ELEITORAL

Se não bastasse o IPTU estar matando empresas, pessoas e roubando casas e sonhos, o governador de São Paulo decide aumentar o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCMD), penalizando os herdeiros, e, agora, para mostrar que estão de costas para o povo, mesmo durante uma pandemia, a Câmara dos Vereadores de São Paulo aumenta seus salários em 45%, agindo de forma vergonhosa! Que políticos são estes, que vencem a eleição com promessas vãs e, na realidade, só desejam o bem para si próprios?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

MADEIRA ILEGAL

Informa a Agência Brasil que a Polícia Federal apreendeu 43.700 toras de madeira nativa, abatidas ilegalmente no Estado do Pará e que se destinavam ao exterior. Se ficar só na apreensão, isso não vai afetar as atividades dos ladrões de madeira que abateram essa verdadeira floresta. A PF tem de informar os nomes dos proprietários das madeireiras. Quem são eles? Foram presos? Não está na hora de a PF começar uma Operação Madeireiros? Queremos saber quem está envolvido e se beneficiando disso.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

PRAIA DO CASSINO

Parabéns à Marina Azeredo pela reportagem sobre sua heroica travessia de bicicleta dos 223 km da “maior praia do mundo”, Cassino-Chuí. É fascinante esta faixa de areia e mar, onde assisti aos lançamentos de foguetes da Nasa, em 1966, para estudar o grande eclipse lunar total daquele ano. Em muitas viagens que fiz de Porto Alegre a Montevideo, pela estrada paralela à Praia do Cassino, sempre imaginei percorre-la, entre o mar e a fantástica Lagoa do Peixe, um dos maiores santuários naturais do mundo. Duas atrações notáveis do Rio Grande do Sul: Canion do Taimbezinho, nos Aparados da Serra, divisa norte do Estado com Santa Catarina, e a Praia do Cassino, no sul do Brasil.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

FELIZ NATAL!

Quem estava habituado a festejar o Natal entre amigos e parentes e atravessar a ponte para o ano seguinte em ambiente de euforia, iluminado e sonorizado pelo espocar de fogos de artifício que apavoram os bichinhos de estimação, deve se preparar para comemorações mais discretas. A família continuará a se reunir, não, porém, aquecida pelos abraços, mas consolada pelas imagens bidimensionais em telas eletrônicas turbinadas por algum algoritmo; os encontros de confraternização dos integrantes da repartição ou da empresa, frequentemente origem de excessos alcoólicos, ao longo dos quais verdades às vezes desagradáveis são ditas, para serem depois lamentadas, terão de aguardar o próximo fim de ano, isso se as caríssimas vacinas ora debutando se mostrarem eficientes, confiáveis e acessíveis a todos o países, ricos e pobres, o que aumentará a fé na solidariedade do ser humano, com ênfase no agradecimento aos pesquisadores que, no entanto, sabem que a ciência nunca atinge a verdade, tão somente a persegue sem trégua. Às tradicionais ceias, não tão pantagruélicas como as dos anos anteriores, se seguirá o evento do “amigo oculto”, revelado desta vez via WhatsApp. Enfim, será um fim de ano não muito diferente de outros também atingidos por pandemias, mas não tão bafejados pela tecnologia. Feliz Natal a todos e um 2021 menos protagonizado por infectologistas e especialistas que nos brindam diariamente com notícias lúgubres nos telejornais e emissoras de rádio.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.