Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

08 de janeiro de 2021 | 03h00

Sedição nos EUA

Invasão do Congresso

Liderados por uma subversão caricata do Village People, uma multidão de supremacistas, neonazistas e saudosistas confederados respondeu de prontidão ao alarido pirotécnico do trumpismo, de alegação fantasiosa de fraude eleitoral. A polícia ficou de joelhos para os vândalos, abriu espaço e até tirou selfie. Republicanos que, infelizmente, insuflaram a retórica de Donald Trump ficaram indignados. Piada. As cenas no Capitólio nos recordaram os idos de junho de 2013, quando Brasília pegou fogo, com o diferencial de que por aqui o intuito não era subverter a ordem democrática. “Hoje o Partido Comunista Chinês ri da nossa cara”, lamentou um analista político americano. E eu acrescento: brindando no Kremlin.

JORGE NETO

JORGEALVNETO@OUTLOOK.COM

AREIA (PB)

*

Direita raivosa

Xi Jinping agradece. Nada como o radicalismo acéfalo para fermentar esquerdistas.

HELENA RODARTE COSTA VALENTE

HELENACV@UOL.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Vigor constitucional

Em vigor desde 1789, a primeira e até hoje única Constituição dos EUA iluminou o bom senso e abortou o desvio insuflado pelo disfuncional Donald Trump. Respeito à vontade do povo está na essência dos movimentos da democracia desde que os cidadãos decidiam pelo voto direto na ágora de Atenas. Democratas, a oposição republicana, a mídia e a sociedade norte-americana, todos se mantiveram unidos, pedindo respeito à decisão das urnas, sem que nenhum senador, deputado ou advogado de bermuda fosse à Suprema Corte para tentar melar o jogo ou pedir que ela dissesse ao Congresso o que está dito há 232 anos.

JOSÉ MARIA LEAL PAES

TUNANTAMINA@GMAIL.COM

BELÉM

*

Verdade sem máscara

Trump, enfim, revelou quem realmente ele é. Sua atitude ao não aceitar que perdeu a eleição mostra claramente o porquê da sua derrota.

LAERT PINTO BARBOSA

LAERT_BARBOSA@GLOBO.COM

SÃO PAULO

*

Como Al Capone

O mafioso Al Capone foi preso e morreu na cadeia por sonegação do Imposto de Renda. Espero que as autoridades americanas, assim que esse meliante do Trump perder suas imunidades de presidente dos EUA, seja alvo de uma investigação isenta e abrangente sobre a sua assumida e tão decantada “isenção” do pagamento do tributo.

LUIZ ANTÔNIO ALVES DE SOUZA

ZAM@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Terrorista na Casa Branca

O inimigo público número 1 dos EUA é o seu presidente. Antidemocrata, Donald Trump liderou uma tentativa de golpe de Estado. Deveria ser julgado por alta traição e condenado à pena capital, de acordo com as leis do seu país.

PAULO SERGIO ARISI

PAULO.ARISI@GMAIL.COM

PORTO ALEGRE

*

Terceiro-mundismo

É impressionante como Trump vem tentando, com toda a veemência, transformar os EUA numa república de Terceiro Mundo. Se isso acontece na maior e mais importante democracia do planeta, o que não poderá acontecer por aqui nas próximas eleições, com um presidente que emula todas as ações de seu ídolo?

SAUL DE MORAES BONILHA FILHO

SAMOFF@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Um cabo e dois soldados

Será que, diante dos acontecimentos no Congresso americano, os bolsonaristas vão começar o treinamento de um cabo e dois soldados por eventual derrota nas eleições de 2022?

JORGE SPUNBERG

JSPUNBERG@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Preparando o golpe

Já faz tempo que Bolsonaro está preparando o golpe. Aumentou salários de policiais militares, apoiou movimentos terroristas de alguns grupos de policiais, nomeou para o Executivo milhares de membros das Forças Armadas e agora faz o papel de coitadinho que quer fazer as coisas, mas o Legislativo e o Judiciário não deixam... Sua próxima declaração será: “O País precisa de mim, tenho de assumir o comando”. Nossas instituições não podem ficar inertes, temos de nos preparar para reagir a esse perigo, cada vez mais próximo.

ALDO BERTOLUCCI

ALDOBERTOLUCCI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Alerta

Os acontecimentos em Washington devem é servir de alerta ao Trump tupiniquim, em seus devaneios, de que as instituições democráticas não são servis e não aceitarão nenhum movimento fascista.

PEDRO LUIZ LEOPARDI

LEOPARDI73@GMAIL.COM

JUNDIAÍ

*

Pandemia

Em São Paulo

Quero cumprimentar o governador João Doria, o presidente do Instituto Butantan, dr. Dimas Covas, e toda equipe científica de lá, por apresentarem uma vacina que vai salvar milhões de brasileiros. Como idoso, certamente estarei na fila no primeiro dia do calendário para ser vacinado. Aos governadores que estão incomodados com o sucesso do colega paulista sugiro que criem um Butantan para chamar de seu.

MAURÍCIO LIMA

MAPELI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Seringas e agulhas

Será que ninguém no governo federal se preocupou em adquirir seringas e agulhas porque algum guru, do naipe de Olavo de Carvalho, pontificou que seria impossível desenvolver vacinas contra a covid-19? Nesse provável quadro, em que gurus mentecaptos se contrapõem à ciência, seringas e agulhas são desnecessárias... Acredito, entretanto, que o governo paulista tenha adquirido os insumos necessários à vacinação de todos no Estado de São Paulo. Ou não?

SUELY MANDELBAUM

SUELY.M@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO


_____________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


TRISTE DIA HISTÓRICO

Dia 6 de janeiro de 2021 entrou para a história dos EUA como o dia em que baderneiros orquestrados pela sandice de Donald Trump, presidente do país que prega a liberdade e a democracia, invadiram o Capitólio, como uma tentativa de golpe de Estado, que resultou, inclusive, em mortes. Foi o dia em que Washington virou Sucupira, a fictícia cidade do folhetim O Bem amado, do maravilhoso dramaturgo Dias Gomes. Com Odorico Paraguaçu, prefeito de Sucupira, era hilário; com o tresloucado, mau perdedor e irresponsável Donald Trump, é trágico, triste e preocupante. Este sujeito foi inconsequente até os momentos finais de seu mandato.

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br

São Luis

*

INVASÃO DO CONGRESSO AMERICANO

Na quarta-feira vimos os EUA descerem ao nível mais baixo na política, com a invasão do Congresso americano. Vladimir Putin só corre um risco de morrer: de rir. Influiu nas eleições americanas por intermédio de seus hackers nas redes sociais, favorecendo Trump, que segue cumprindo, conscientemente ou não, os objetivos de Putin, fustigando a democracia e a influência americana no mundo. Como boneco sentado no colo do ventríloquo Putin, Trump concedeu perdão a pessoas envolvidas na ilegal influência russa na sua eleição. Os inocentes americanos, crendo eleger Trump, elegeram o amálgama TrumPutin, que, agora grudento, derretendo, não quer passar o cargo a quem de direito, legitimamente eleito.

Ventura Allan Morenilla ventura.morenilla@gmail.com

São Paulo

*

BOLSONARO TOMANDO NOTA

Nosso Messias já deu ideia de voltar às cédulas de papel e, agora, deve ter gostado da invasão do Congresso norte-americano. As duas opções lhe servem quando ele fraudar 2022 e quiser tomar o poder à força. O movimento de Rodrigo Maia com Baleia Rossi pode ser nossa salvação. Vamos torcer por eles.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

ESTEJAM PREPARADOS

Preparem-se para assistir à reprise da tentativa de golpe ocorrida na quarta-feira (6/1) em Washington aqui, em Brasília, daqui a dois anos. Se este arremedo de presidente que temos já questiona a lisura da eleição em que ele foi eleito, imaginem quando for derrotado. Seria cômico, se não fosse trágico: tragicômico. Será patético e também dramático: patetático.

Edmir de Machado Moura negrinho10@hotmail.com

Caçapava

*

DEPOIS DO CAPITÓLIO

Se manifestantes invadirem o Congresso Nacional aqui, a nação brasileira aplaudirá.

Percival Caropreso caropresopercival@gmail.com

Cotia

*

FREIO

A reação desequilibrada, mais uma vez, com saída à violência, ao golpe, de Bolsonaro, que afirmou que se nas eleições de 2022 no Brasil não tiver voto impresso, aqui poderá ser pior do que nos EUA, apenas fortalece a certeza de que temos na Presidência do Brasil um fã da violência, do desrespeito às instituições e à democracia, e de que é preciso que seja freado exemplarmente o quanto antes.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

ESTRATÉGIA DO PLANALTO

Alguém tem dúvida de que o mico de circo brasileiro segue seu ídolo norte-americano? É preciso ser tremendamente inocente ou abertamente bandalho para não perceber que a “discussão sobre o voto impresso” não era mais uma estultice de um cérebro vazio. Há sempre alguma matéria pensante nos círculos do Planalto. Quem não é absolutamente convivente ou idiota faz bem em pôr as barbas de molho.

Marize Carvalho Vilela marizecarvalhovilela@gmail.com

São Paulo

*

BADERNA

O Brasil há muito tempo é chamado de Banana Republic por norte-americanos. Agora, diante dos vergonhosos acontecimentos da quarta-feira no Capitólio, podemos chamar os EUA de Scrambled Egg Republic.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

BANANA REPUBLIC

O que assistimos na quarta-feira pela televisão, ao vivo e a cores, foi um espetáculo deprimente, jamais imaginável justo nos Estados Unidos da América. Insuflados pelo ainda presidente Donald Trump, uma turba de republicanos invadiu o Capitólio, sede do Congresso norte-americano, com quebra-quebra e tiros, pessoas feridas a bala e tudo o que tem direito uma República das Bananas. O ídolo do nosso presidente, inconformado por ter sido derrotado nas últimas eleições daquele país, incitou seus fanáticos seguidores a tal ato, sob o argumento mentiroso de fraudes nas apurações dos votos. Poderemos passar pelo mesmo vexame em 2022. Graças a uma ridícula campanha contra o uso de máscaras e outras atitudes insanas do presidente Trump, os Estados Unidos da América foram o país que teve o maior número de mortes pelo coronavírus. Não por acaso, com o Brasil em segundo lugar. O radicalismo está aumentando no mundo de maneira insana. Eu já assisti a esse filme antes, embora em tenra idade. O resultado foram a união do nazismo com o fascismo e a Segunda Guerra Mundial. Entretanto, atualmente, as grandes potências possuem armas de destruição capazes de produzir danos irreparáveis, pondo em risco a própria existência desta insana civilização. Como diria o filósofo Tim Maia, está na hora de chamar o síndico.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

ESTADOS UNIDOS

Depois da baderna no Congresso norte-americano, fica a dúvida: “América em primeiro” ou será “Trump em primeiro”? Será isso o Primeiro Mundo?

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

GAME OVER

A confusão armada em Washington, que resultou na morte de uma pessoa na quarta-feira, jogou uma pá de cal em qualquer elemento positivo do legado da presidência de Trump.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

TESTE DA DEMOCRACIA

Incrível, mas Donald Trump é o grande teste da democracia americana. Ele está tentando dar um golpe de Estado, com o discurso de fraude nas eleições, mas, sem provas, enfrentando as instituições. Uma vergonha para os Estados Unidos.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

AMEAÇA À DEMOCRACIA

Uma aula. Um curso de quatro anos. Um exemplo alertador para o mundo a vergonhosa invasão do Capitólio americano, merece uma análise e tomada de responsabilidade, por toda a sociedade mundial. Uma parcela significativa dos parlamentares, congressistas americanos, é responsável por essa reação equivocada, do que é respeito às leis, posto que  podem levar a crimes anunciados e não devidamente, no tempo correto, violar essas mesmas leis. Atitudes absurdas são tomadas por líderes que, ao se sentarem na cadeira maior de presidente, se consideram superiores simplesmente em razão do número de votos que recebeu, mas que deveriam sofrer recriminação, além da trupe dos apoiadores que o cerca e tampa a capacidade de raciocínio, e, não sendo imediatamente condenadas, estamos vivendo neste nosso querido e infeliz Brasil atitudes e palavras para as quais deveria ser exigida a devida correção instantaneamente. Cabe aos parlamentares, congressistas, além de legislar, evitar danos e violências contra o País e contra o povo brasileiro que repercutem imediatamente reduzindo a organização, o respeito, etc. E, posteriormente, um rebaixamento muito difícil de ser recuperado. Em torno de um presidente sempre se formará um grupo “apaixonado”, cego, que poderá, como no nosso presente momento, agir alucinado, obediente aos maiores crimes. Cabe obrigatoriamente que medidas muito enérgicas corrijam isso, proíbam a desgraça que se processará. Presidente que interfere na Medicina com relação à saúde pública deve instantaneamente ser condenado pela ignorância. Esperar que essa pessoa torporizada pelo poder renuncie é o mesmo que esperar uma atitude correta de um desvairado. É fundamental que o processo de impedimento, que é um processo legislativo muito complexo e demorado, seja imediatamente iniciado e, eventualmente, reforçado a cada nova atitude, palavra descabida. É fundamental que a política seja usada para o bem do País e do seu povo sempre, e não para desgraçá-lo, para a vantagem pessoal dos que têm obrigação de cumprir com os princípios legais.

Rafael Kertzman rafaelkertzman@yahoo.com.br

São Paulo

*

APESAR DE VOCÊ

Com a divulgação dos resultados da CoronaVac no Brasil, é hora de agradecer ao professor Dimas Covas e toda a equipe do centenário Instituto Butantan, profissionais da saúde, cientistas e demais envolvidos pelo feito. O trabalho desenvolvido contou com a excelência do ecossistema de ciência, tecnologia e ensino superior do Estado de São Paulo, construído lentamente ao longo de anos e por muitas mãos. Diante da celebração dos resultados da fase 3 da CoronaVac, ressalta a falta de sensibilidade do governador João Doria e suas várias tentativas de desmontar a pujante ciência paulista, com ataques reiterados à Fapesp e às universidades estaduais paulistas. Tivesse governado São Paulo há alguns anos, é bem possível que não estivéssemos comemorando hoje este resultado. O governador João Doria não tem passado na política. Oxalá também não tenha futuro, para o bem da ciência brasileira.

Hamilton Varela, professor titular da Universidade de São Paulo hamiltonvarela@gmail.com

São Carlos

*

CALENDÁRIO

Lendo o programa de vacinação do governador João Doria, publicado na página A8 de ontem, 7 de janeiro de 2021, no Estado, fiquei preocupado, pois ele não inclui os idosos entre 70 e 74 anos. O programa prevê: a partir de 8 de fevereiro, idosos de 75 anos ou mais; a partir de 22 de fevereiro, idosos entre 65 e 69 anos. Não prevê a vacinação dos idosos que, como eu, têm 72 anos. Peço que o sr. Doria esclareça.

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com

Pirassununga

*

VACINAS

Pronunciamento do ministro da Saúde em rede nacional quarta à noite afirmou que temos vacinas contra a covid-19 garantidas para metade da população brasileira. Então está resolvido. A outra metade que é Bolsonaro não precisa, mesmo, se vacinar. Tudo certo. Pazuello veio falar à Nação por medo do pedido de impeachment que a Associação Brasileira de Imprensa moveu esta semana contra ele? Pareceu.

Geder Parzianello Gederparzianello@yahoo.com.br

São Borja (RS)

*

MINISTÉRIO DA INFRAESTRUTURA

O editorial Exemplo de administração (3/1, A3), que se refere à gestão do ministro Tarcísio de Freitas no Ministério da Infraestrutura, foi um reconhecimento muito importante do Estado sobre as ações competentes do ministro à frente do ministério. Independentemente das mazelas do presidente da República, com seus rompantes, que não trazem nada de positivo para o País, podemos notar que muitas outras ações de outros ministérios são positivas e muitas vezes não divulgadas pela mídia. Parabéns pelo editorial.

Flávio Norberto Pereira flavionorberto@gmail.com

Belo Horizonte

*

SILÊNCIO!

Ao enaltecer a formação e as notas de um dos atuais ministros, o Estadão desperta o monstro verde de olhos vermelhos que reside no coração peludo do ogro do Palácio da Alvorada! É já que cai, rotulado de “comunistinha”. Fiquem quietos, por favor! (risos.) Se o jornal efetivamente pretende realizar um grande feito para a Nação, elogie Damares Alves ou Ricardo Salles! Agora, se o objetivo for mesmo botar fogo, elogie a “corajosa atitude da bela Michelle”, que ficou no Distrito Federal em quarentena e não foi para a Praia Grande. Daí, é correr para a porta da DDM e esperar o B.O.!

Arone De Nardi Maciejezack maciejezack@yahoo.com.br

Jundiaí

*

BAIXO NÍVEL

O editorial Uma candidatura constrangedora, na edição de 6 de janeiro, escancara a desfaçatez da classe política do País. Mais uma vez somos colocados diante desta triste realidade: a evidência de que o Brasil é governado por bandidos. Este quadro é consequência de nossa desastrosa cultura política. Ao longo dos anos uma parte significativa da sociedade vem dedicando uma crescente e clara rejeição pela política. Tal rejeição tem várias origens, mas a principal se situa no desempenho da maioria dos políticos que, legislando em causa própria, cria mecanismos de proteção a corrupção e aos privilégios absurdos, em total desrespeito aos seus eleitores. É preciso desconstruir este monstro que é o atual establishment que, em se mantendo no poder, tornou aceitável aquilo que é inaceitável. Os meios de comunicação têm um papel extremamente importante nesta desconstrução ao revelar e fazer lembrar todos os dias aos cidadãos em geral que já não é mais tolerável conviver com esta situação que impede o País de avançar. Somente uma grande renovação do Parlamento na eleição de 2022 poderá nos recolocar num caminho democrático de desenvolvimento. O patamar moral do Congresso já é baixo há muitos anos. Será que é possível baixá-lo ainda mais?

Manoel Loyola e Silva magusfe@onda.com.br

Curitiba

*

PRESENTE DE GREGO DO GOVERNADOR

2021 mal começou e já fomos pegos de surpresa com inúmeros aumentos de preço em produtos em virtude da entrada em vigor das novas alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a partir do dia 15 de janeiro, que pode chegar a até 34%. O aumento do imposto, segundo decretos assinados pelo governador tucano João Doria, é um escárnio, levando em consideração os atuais problemas por que vem passando grande parte da população, sem emprego e, agora também, sem auxílio do governo federal em meio a uma segunda onda do novo coronavírus. Doria poderia sugerir ao seu partido a troca do tucano mascote do PSDB por um urubu, já que com seu decreto vai acabar matando de fome pobres e miseráveis, juntamente com a covid-19. Tais decretos atingirão mais de uma centena de itens de consumo de diversos segmentos. A nova regra será válida por dois anos, ou seja, em plena pandemia e numa crise sem precedentes no Brasil e no mundo. Embora o setor mais impactado seja o de veículos usados, que terá reajuste de nada menos que 207% no ICMS, também recolherão mais impostos itens como medicamentos, alimentos em geral, produtos de limpeza e de higiene pessoal como álcool em gel e sabão líquido, por exemplo, mas também aumentar preços de itens essenciais e que pesa no bolso do cidadão já vazio como tijolos e outros 50 produtos usados na construção civil, além de setores como vestuário, caçados e móveis, entre outros. O aumento das alíquotas deverá impactar principalmente a alimentação.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.