Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2021 | 03h00

A hora do Congresso

‘J’accuse’

Amparado na Lei 1.079/1950 venho acusar, como um cidadão qualquer, o exmo. sr. presidente da República de cometer vários crimes de responsabilidade no enfrentamento da pandemia de covid-19. A saber: 1) Desde que a doença se instalou no País, no primeiro trimestre de 2020, S. Exa. faz questão de menosprezá-la e se manifestar contra as recomendações das autoridades sanitárias mundiais, mormente da OMS, confundindo a população brasileira sobre que medidas tomar para controlar o vírus mortal, participando de aglomerações sem o uso de máscara e outros cuidados, o que contribuiu para o agravamento da crise. 2) Recomenda, sem ser médico, o uso de medicamentos comprovadamente sem efeito no tratamento da moléstia, além de apresentarem danos colaterais, iludindo o povo. 3) Toma posição contra a aplicação das vacinas, que representam o único caminho para debelar a pandemia, alegando que não tomará o imunizante, o que de novo confunde seus governados e agrava a pandemia. 4) Enfim, a negligência, a omissão e a incompetência conjunta com seu ministro da Saúde na crise causada pela falta de oxigênio na rede hospitalar do norte do País, em especial no Amazonas, já provocou a morte por sufocamento de quase uma centena de doentes. Diante do exposto solicito as providências cabíveis a quem cabe tomá-las, no caso, o Congresso Nacional.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO

JCMRIZZO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

O Brasil pede socorro

Revoltante tomar conhecimento de que deputados correm para o barco de Arthur Lira em troca de fartos favores do governo Bolsonaro. É o velho “toma lá da cá”, tão criticado pelo então candidato a presidente Jair Messias. E o que dizer do procurador-geral da República, Augusto Aras, que para proteger o presidente já determinou que cabe ao Congresso, não a ele, qualquer ação relativa à pandemia? Lava as mãos e ainda deixa a cargo do Legislativo qualquer tentativa de impeachment, que, ele sabe, não prospera por causa das generosas benesses de Bolsonaro a parlamentares. Em reconhecimento, Aras deve ser indicado para a próxima vaga no Supremo Tribunal. E o Brasil que se dane! A indiferença desses senhores pelo destino do País é espantosa, só valem seus interesses pessoais. Francamente, não dá mais para suportar os desvarios desse desgoverno, com apoio de tantos irresponsáveis e insensíveis. Restam-nos os panelaços para que ouçam a voz do povo, que pede socorro. O País precisa de homens e mulheres de bem e em momentos de crise aguda e profunda é que sabemos quem é quem. Que os parlamentares de bem se levantem em defesa do povo, que, pela incúria desse presidente, sofre de forma torturante. O Brasil não consegue mais respirar. Fora, Bolsonaro!

ELIANA FRANÇA LEME

EFLEME@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

As próximas vítimas

Parabéns a Elena Landau por sua excelente coluna Bolsonaro falou, Bolsonaro avisou (22/1). Disse tudo o que nós, cidadãos que sofremos as consequências dos atos (ou falta deles) dos nossos governantes, sentimos. A lista das mentiras é enorme, e verdadeira, assim como a atribuição de responsabilidades a todos os níveis de governo. O alerta final nos faz pensar que o mal de que a Venezuela padece hoje pode não estar tão longe de nós. Que nossos representantes abram os olhos e criem coragem, pois eles poderão ser as próximas vítimas.

CARLOS AYRTON BIASETTO

CARLOS.BIASETTO@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Omissão olímpica

Que Bolsonaro sofre de déficit cognitivo não se discute. O que nos causa estranheza é o presidente da Câmara dos Deputados ter nas mãos dezenas de pedidos de impeachment e não fazer absolutamente nada, enquanto o País pega fogo.

PEDRO LUIZ LEOPARDI

LEOPARDI73@GMAIL.COM

JUNDIAÍ

*

Querer é poder

O que falta para o impeachment? Simples, falta vontade!

ROBERT HALLER

ROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Deus e Constituição

“Se Deus quiser, vou continuar meu mandato” (sic Jair Messias Bolsonaro). Tudo errado. O mandato é a delegação de poderes que lhe foi conferida pelo povo e que por ele ou seus representantes (Congresso Nacional) poderá ser retirada. Deus, no caso, é a Constituição que ele ofende e não o protegerá.

FILIPPO PARDINI

FILIPPO@PARDINI.NET

SÃO SEBASTIÃO

*

Apenas outro poste

Não é preciso analisar muito para concluir que o presidente Bolsonaro é só mais um poste em nossa vida. Sua eleição resultou do desespero do eleitorado. Era preciso tirar do governo o pessoal tratado pela Lava Jato, corruptos em geral, políticos de carreira e oligarquias que lucram com o “toma lá da cá”. Juntou religiosos, armamentistas, terraplanistas, crentes em teorias da conspiração, militares e outros grupos, que viram no capitão um poste possivelmente manipulável. Passados dois anos de governo, o item honestidade ficou comprometido com enriquecimentos, no mínimo, estranhos, rachadinhas, depósitos em espécie sem clara explicação, investigações de fraudes em apoiadores... Vai ser difícil para o capitão administrar tantos problemas, principalmente pela má escolha de seus auxiliares diretos.

CARLOS GONÇALVES DE FARIA

MARSHALFARIA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Fatídica aliança

A aliança do lulismo com o bolsonarismo, como se constata no Congresso, é o casamento do analfabetismo com a ignorância, que resultará em larga medida no nosso obsoletismo cultural, econômico e social, além da instituição do negacionismo como cátedra a reger a educação e a ciência num país com mais de 210 milhões largados à própria sorte.

OSWALDO COLOMBO FILHO

COLOMBOCONSULT@GMAIL.COM

SÃO PAULO


___________________________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


FUSO HORÁRIO

Sem a midiática chegada num avião da Azul, adesivado pelo governo federal com a logomarca Brasil imunizado, exigência incondicional do governo indiano, chegam ao Brasil as 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford vindas da Índia. Logicamente que o atraso não pode ser atribuído a problemas simplesmente burocráticos e muito menos ao fuso horário, como preconizado pelo patético ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que pelos conhecimentos já demonstrados nessa área deve achar que a Terra demora quase uma semana para dar uma volta em torno do próprio eixo.

Abel Pires​ Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

TEMPESTADE PERFEITA

Na sua primeira página, o Estado de ontem (22/1/2021) publicou uma fotografia mostrando cinco funcionários trabalhando nas obras da nova fábrica de vacinas do Instituto Butantan. Mais adiante, na mesma edição, lemos que os Empresários cobram vacina e criticam o governo (páginas B1 e B5). Pergunto: não seria mais produtivo se esses empresários colaborassem com aquele instituto, enviando alguns de seus operários, cimento, concreto e demais insumos para agilizar tão importante obra? Mais adiante, lemos que o Ministério Público vai investigar os “fura-filas” da vacina em seis Estados da União; entretanto, segundo publicado, há alguns dias, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF) solicitaram ao governo federal a “reserva” de vacinas para seus membros e demais servidores da Justiça. Para culminar a série de barbaridades, na página B4 da mesma edição de ontem, o sindicato do Metrô publica um Aviso à População comunicando que, “a partir da zero hora do dia 27/1/2021, deflagrará uma paralisação por tempo indeterminado”. 

Luiz Antônio Alves de Souza zam@uol.com.br

São Paulo

*

PROATIVIDADE

Com todo respeito aos empresários que cobram do governo federal rapidez na imunização, a impressão que se tem nos discursos dos representantes do setor empresarial é de que estão muito mais preocupados com a retomada econômica do que propriamente com salvar vidas. Além disso, depositam, não sem razão, no governo federal as ações necessárias para acelerar a vacinação e mitigar as consequências econômicas da pandemia, sem, no entanto, oferecer da parte deles ações proativas mais robustas (disponibilizar espaços para vacinação é o que menos importa, o território nacional está cheio deles, públicos e privados). Por que, por exemplo, não participam de alguma forma da compra das vacinas do exterior? Por que não discutem alternativas pragmáticas ao auxílio emergencial que, sabem muito bem, se for prolongado por muito tempo, vai piorar ainda mais o já desequilibrado equilíbrio fiscal? Cobrar o governo procede, sim, não há dúvida, mas a proatividade é igualmente ou até mais que bem-vinda.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

VACINAÇÃO DOS CAMINHONEIROS

Oi? Quem mantém o Brasil vivo? Os caminhoneiros? Os lixeiros? Os professores? Os empresários? Os investidores? Ou todos nós? Acho que está na hora de dar um xeque-mate nos caminhoneiros. Que os empresários não entreguem suas cargas para caminhoneiros que queiram furar a fila da vacina ou que queiram aproveitar a pandemia para buscar vantagens.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

VÍTIMAS DA CORRUPÇÃO

Todos os dias, desde o início da pandemia, ficamos espantados com a quantidade de mortes causadas pelo coronavírus, em especial no Brasil. São milhares todos os dias. Mas há algo que mata muito mais que a covid-19 e para a qual não há uma contagem. Trata-se da corrupção. Mas todo tipo dela. Não apenas aquela de escândalos milionários. Quando adolescentes são vacinadas pelo simples fato de terem um sobrenome rico, é corrupção. Quando um prefeito é o primeiro a ser vacinado na cidade, sem pertencer a qualquer grupo de risco, é corrupção. Quando o fotógrafo da prefeitura é vacinado, sem ter qualquer comorbidade, é corrupção. Quantos brasileiros que estão nos grupos prioritários de vacinação morrerão pelo fato de as vacinas a eles destinadas terem sido desviadas? Eles serão contabilizados como vítimas da covid-19. Mas não podemos nos enganar. São vítimas da corrupção.

Lucas Dias lucas_sandias@hotmail.com

Rio Verde (GO)

*

SÓ JESUS NA CAUSA!

De estarrecer as denúncias contra políticos, seus parentes e assessores de pelo menos 7 Estados, todos longe do grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização contra a covid-19, que furaram a fila da vacinação, em detrimento dos idosos e deficientes residentes em institutos de longa permanência, indígenas aldeados e dos profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate à covid-19. Pelo jeito, para esses desumanos e bárbaros “fura-filas”, o vergonhoso colapso no sistema de saúde em Manaus (AM) e os óbitos nos hospitais da Região Norte decorrentes da humilhante falta de oxigênio são apenas um detalhe para a farinha pouca, confiscada para preparar o seu exclusivo e insensível pirão primeiro. “Eu quero que o povo se exploda!”, diriam estes sem-vergonha e obtusos elementos, parafraseando o deputado Justo Veríssimo. Triste constatar que as perdas e sofrimentos causados pelo novo coronavírus não despertaram a união e a solidariedade entre os povos, como todos sonhamos. Só Jesus na causa!

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

POUCA FARINHA?

O que se vê nos fura-filas das vacinas é só mais um reflexo da má índole, do oportunismo, do “pouca farinha? Meu pirão primeiro”, de governantes, poderosos e espertalhões que compõem essa corja que suga os mais fracos.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

SEGUNDA DOSE

É simples punir estes que furaram a fila para se vacinar: basta separar sua ficha e não lhe aplicar a segunda dose...

Artur Topgian topgian@terra.com.br

São Paulo

*

SECRETÁRIO FURA-FILA

Depois de criticar por mais de uma vez a vacina Coronavac, o secretário da Saúde de uma cidade do Amapá furou a fila e foi ser vacinado com este mesmo imunizante. Isso gerou uma investigação pelo Ministério Público daquele Estado. Em 22/10/2020 este mesmo fura-fila criticou a vacina e ofendeu o governo João Doria (SP), que foi responsável pela existência da primeira vacina contra covid-19 em solo brasileiro. Algum tempo depois, ainda disse: “Nós não somos cobaia”. Negacionista como seu guru, agora fura a fila das pessoas a serem vacinadas? Que vergonha, secretário!

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

VACILAÇÃO DA SAÚDE

Infelizmente, no Brasil é assim. Estão sendo vacinados os “mais vivos” antes dos que não merecem morrer.

Carlos Gaspar  carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

FILA DA VACINA

Furar a fila da vacina é a novidade deste episódio nefasto da covid-19. Políticos, pessoas com algum poder ou gerência nos postos de vacinação já começaram a mostrar o seu caráter. Gente sem vergonha, sem escrúpulos e sem nada que valha à pena já está arranjando jeito de se antecipar aos profissionais da saúde, aos idosos, indígenas e demais grupos sociais com prioridades para sua imunização. É de desanimar viver entre esta gentalha que se caracteriza pela irresponsabilidade e egoísmo, independentemente do seu poder aquisitivo. Não desejo mal a ninguém, mas às vezes o diabo me atenta e me impinge a desejar que essas pessoas adquiram o vírus da moda.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

VACINAÇÃO

No Brasil onde, teoricamente, todos são iguais perante a lei, justo quem deveria dar exemplo reforça a discriminação. É uma bênção a aplicação da vacina contra o coronavírus, mesmo que inicialmente em quantidade reduzida, mas, ao invés de usar o antídoto contra o vírus, ao mesmo tempo em branco, negro, amarelo, pobre, rico, pardo, moreno, foi clara a prioridade generalizada pelo poder público – e amplamente divulgado pela mídia televisiva – a apenas uma das etnias, em detrimento das demais. É muita coincidência. Até parece ser a preferência nacional. 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

PANDEMIA

Pelo que leio e constato, não temos vacina nem para 5% da população brasileira, mas vejo que massacram o governador de São Paulo por usar a única arma disponível nesta guerra, ou seja, são contra o isolamento social. Entendo serem essas pessoas a favor da condenação de todos à morte sem direito a julgamento. CPF ou CNPJ?

José Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

*

VEXAME

Vexame é o que ocorre no País. No mundo todos se unem para enfrentar a covid-19, enquanto aqui há divisões por política de fundo de quintal. Ciúmes é a palavra exata pelo fato de São Paulo ter iniciado a vacinação. Aliás, primeiro que o governo federal, nosso Estado preocupou-se com fornecedores e, daí saiu na frente. Faltaram vacinas desde que o Ministério da Saúde, campeão em confusão, assumiu o posto de responsável pela distribuição, o que acabou em confusão. Desvios na aplicação já ocorreram e o sumiço de vacinas deve continuar a ocorrer, porque tudo é feito de última hora, como se a pandemia fosse de ontem. As quantidades recebidas pouco representam diante dos 220 milhões de brasileiros, exceto o presidente Bolsonaro e seguidores, que se recusam a tomar a vacina. Assim, sobram mais. O que fazer? Resta-nos orar e esperar que alguém de bom senso assuma essa responsabilidade. Nos países sérios, essa pessoa é o presidente. Aqui, todavia, ele não se importa.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@gmail.com

São Paulo

*

CURIOSIDADE

Pergunta que não quer calar: a turma que habita, atualmente, o Palácio da Alvorada e seus familiares vão tomar a vacina? Vão obedecer a ordem?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

CARTA A JOE BIDEN

Com a ajuda de Dilma Rousseff, Jair Bolsonaro enviou carta a Joe Biden congratulando-o pela vitória na disputa pela presidência dos EUA. O melhor trecho da missiva foi: “Biden, pisei na bola, pisei na jaca e chutei o pau da barraca, taokei? Desculpe pelo apoio ao meu brother Trump. E daí? É nóis e tamu junto!”. Joe Biden ficou aliviado e profundamente emocionado.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AUTOR

Com certeza não foram Bolsonaro nem Ernesto Araújo que escreveram a carta a Joe Biden. Talvez o autor já tenha até sido demitido!

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

MATÉRIA-PRIMA

Bolsonaro cumprimentou Biden pela posse e disse ver “excelente futuro” para a parceria Brasil-EUA. “Segundo o presidente, a relação entre os dois países é ‘longa e sólida’ e se baseia em valores elevados, como a defesa da democracia e das liberdades individuais”. Depois de tudo o que messias disse e babou em cima do seu brother Donald Trump, rosnou contra Biden e as eleições de lá (ecoando Donald), chacoalhou a cabeça vazia recusando reconhecer a vitória porque seu amigão tinha certeza de que havia vencido as eleições, etc. e tal, a única conclusão em que meu desgastado cérebro, depois de muito esforço, conseguiu desembocar foi que Bolsonaro é mesmo totalmente feito de plástico chinês, recheado de parafusos norte-coreanos, pedregulhos da Patagônia, grilos falantes mudos e revólveres de espoleta com balas de estrume de vaca. Desculpem-me os caros leitores, mas foi esta mesma a conclusão definitiva que me ocorreu antes de correr para o banheiro e vomitar.

Nelson Sampaio Jr. n.sampaio@hotmail.com

Curitiba

*

A POSSE DE BIDEN

O novo presidente eleito dos EUA, Joe Biden, tomou posse. Se será ou não um bom governante, saberemos daqui a quatro anos.   Infelizmente, Trump, como previsto, não o foi, muito embora tenha ainda muitos admiradores, como o caso de Lula e Dilma no Brasil. Não fez a menor falta na cerimônia de posse de seu sucessor, mas, se tivesse estado presente, só iria causar constrangimentos – foi o que muitos dos presentes assim comentaram. Sua prepotência e arrogância, já conhecidas mundialmente, prevaleceram até o fim de seu governo. Ou não?

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

PIETRO FITTIPALDI

Fiquei muito feliz em ler a entrevista com o piloto Pietro Fittipaldi. Ressalto o momento em que ele declara: “Eu aprendi a ter perseverança”. Parabéns, Pietro.

Judisney Barros judisneybarros@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.