Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 03h00

Congresso Nacional

O Centrão no poder

Neste dia 1.º de fevereiro temos eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, em que o favorito é Arthur Lira, candidato declarado de Jair Bolsonaro, que responde a dois processos no Supremo Tribunal Federal. Um deles é o do chamado “quadrilhão do PP”. Lira e outros membros do partido são acusados de pertencerem a organização criminosa voltada para cometer crimes contra órgãos da administração pública, como a Petrobrás, a Caixa Econômica Federal e o Ministério das Cidades. Arthur Lira também é réu num processo sob a acusação de organização criminosa e de receber propina de R$ 106 mil do então presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos, Francisco Colombo, para mantê-lo no cargo, em 2012. O Brasil caminha para entrar no século 19 a passos largos, com um deputado acusado de corrupção no poder. Imaginem o que será do erário nos próximos dois anos. E pensar que muitos votaram em 2018 acreditando no fim da corrupção e na praticamente extinta Operação Lava Jato...

RAFAEL MOIA FILHO

RMOIAF@UOL.COM.BR

BAURU

*

Subordinação

Quem diria, o capitão cloroquina batendo continência para os recrutas do Centrão!

MARCELO GOMES JORGE FERES

MARCELO.GOMES.JORGE.FERES@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Verbas extras

São tantas as verbas distribuídas por Bolsonaro para proteger sua família e eleger seus candidatos à presidência das duas Casas do Congresso, hoje, que fico com a certeza de que o povo, em sua busca por emprego, saúde, segurança e educação, foi relegado ao último plano. Mera fake news de campanha.

M. DO CARMO ZAFFALON LEME CARDOSO

ZAFFALON@UOL.COM.BR

BAURU

*

Angelo ‘fake’ Coronel

O senador Angelo Coronel recebeu verba extra ou o famigerado cala-boca? Se uma independência do Planalto vale R$ 40 milhões, resta saber quanto custa uma bic cheia de tinta. Já cantava Cazuza: “... tuas ideias não correspondem aos fatos...”.

MARCO DULGHEROFF NOVAIS

MARCODNOVAIS@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

O ‘toma lá dá cá’

O presidente Jair Bolsonaro diz que se Deus quiser elegerá o presidente da Câmara. Fará isso, segundo ele, em busca de um relacionamento pacífico e produtivo para nosso Brasil. É a tal governabilidade. Ninguém está pensando na Nação, há outros interesses por trás disso. É decepcionante para o eleitor que votou na esperança de que o “toma lá dá cá” não faria parte deste governo ver que está tudo como dantes no quartel de Abrantes. O Poder Legislativo não pode perder a sua independência. Legislar e fiscalizar os atos do Executivo é o que estabelece a Constituição como sua missão. É muito perigoso um Poder exercer domínio sobre o outro. As coisas só podem ir bem se cada um cumprir o seu dever. Até quando vamos esperar por dias melhores? O meu avô morreu esperando.

JEOVAH FERREIRA

JEOVAHBF@YAHOO.COM.BR

TAQUARI (DF)

*

Caxias

E pensar que um general do Exército Brasileiro fez parte das espúrias negociações para eleger Arthur Lira, na Câmara, e Rodrigo Pacheco, no Senado. Inacreditável. E ainda temos o fracassado general Eduardo Pazuello na Saúde, cujas ações são uma ode à incompetência. O duque de Caxias deve estar se revirando na tumba.

JOSÉ CARLOS DE CARVALHO CARNEIRO

CARNEIRO.JCC@UOL.COM.BR

RIO CLARO

*

Voto escondido

Por definição, deputados federais são representantes do povo e senadores, delegados dos Estados. Todos são eleitos pelo povo e, por isso, quando votam, eles o fazem em nome de quem os elegeu. Mas, estranhamente, na eleição dos novos presidentes da Câmara e do Senado – terceiro e quarto na linha de sucessão presidencial e que, ditatorialmente, decidem quais matérias são postas na pauta de discussão e votação – o voto é secreto! O povo é privado de saber como votaram seus ditos representantes. Mais motivo para desconfiança. “Como pode alguém que vota em nome do povo fazê-lo secretamente? Aí tem coisa errada”, pensa o cidadão. Não há razão para continuar mantendo o voto secreto dos parlamentares. A sociedade quer transparência.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES

ASPOMILPM@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Greve dos caminhoneiros

Liminar

O Tribunal de Justiça de São Paulo deu liminar proibindo o bloqueio da Via Dutra, que é federal. Mas nada impede que os caminhoneiros façam bloqueio na divisa, do lado do Estado do Rio de Janeiro. Assim cumprem a liminar da Justiça estadual e não podem ser multados, pois dessa forma garantem o direito de ir e vir das pessoas no Estado de São Paulo.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

LRCOSTAJR@UOL.COM.BR

CAMPINAS

*

Sem alternativa

Se as ferrovias estivessem ativas, não haveria greve de caminhoneiros. Esse é Brasil!

ARGEMIRO JOÃO RAZERA

AJ.RAZERA@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Educação

Volta às aulas

A respeito do editorial A polêmica sobre o retorno às aulas (30/1, A3), o Escolas Abertas esclarece que repudia qualquer iniciativa que desconsidere decisões da Justiça. Não praticamos nem incentivamos nenhum ato de desobediência civil. Quando julgamos que determinada decisão é desfavorável à causa que defendemos, usamos todos os meios legais para revertê-la, sem jamais deixar de acatá-la. Foi isso, aliás, o que aconteceu na semana passada, quando, em sintonia com a pauta do Escolas Abertas, foi cassada a liminar que desautorizava o reinício das aulas presenciais em São Paulo.

LANA ROMANI, diretora, mais duas assinaturas

GUILHERME.BARROS@GBR.COM.BR

SÃO PAULO


___________________________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


VOLTA ÀS ESCOLAS

O Brasil é o país que está há mais tempo com suas escolas fechadas. O prejuízo causado deverá atingir toda uma geração.  Um retrocesso. As crianças podem ir à praia, aos shoppings, às festas de amigos, mas não podem ir ao lugar mais importante para elas, depois do convívio com a família: as escolas. É verdade que o professor é mal remunerado, que nenhum governo se preocupa com a educação com seriedade, mas daí a prejudicar milhões de alunos passa do tolerável. Como as pessoas que trabalham fazem quando saem de casa para trabalhar? Aprenderam a se proteger com máscaras, álcool gel e distanciamento social, nem sempre possível nos transportes públicos. E por que elas não se rebelam e ficam em casa, e não ameaçam fazer greve? Porque serão demitidas, diferentemente do funcionalismo público, que tem estabilidade e vem ganhando sem trabalhar, pois as aulas online não passam de uma fraude. Os cuidados que todos devem tomar para a vida seguir adiante são conhecidos por todos. Como sabido, não teremos vacinas para todos, mas não podemos sacrificar nossas crianças. O isolamento social afeta a saúde física e mental das crianças, comprometendo o nível de aprendizagem, gerando problemas psicológicos e cognitivos. Hora de repensar o compromisso de ambas as partes.   

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O MEDO DE VOLTAR

Lamentável a atitude do sr. Geraldo Francisco Pinheiro, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), e também do governo do Estado, ao cassar a liminar da suspensão das aulas presenciais nas escolas estaduais, municipais e particulares. Se ele e o secretário da Educação, o sr. Rossieli Soares, visitassem as escolas nas periferias de São Paulo e nas cidades do interior para ver se todas as escolas estão capazes de dar proteção aos alunos e aos funcionários, com certeza não permitiriam a volta às aulas presenciais. Há escolas estaduais aqui, na minha cidade, que não tem número de funcionários para a limpeza suficiente para fazer a limpeza das escolas na troca de alunos, os professores terão de ajudar. Falo isso porque tenho professor na minha família, e ele está com muito medo de voltar a dar aula presencialmente – não vou citar o nome, porque pode sofrer represália de algum diretor da escola onde trabalha. E o sr. Celso Napolitano, da Fepesp, tem toda razão quando fala que o governo não chamou os funcionários, os professores e diretores das escolas, que são os principais envolvidos, para serem ouvidos. E às mães que querem a volta às aulas porque acham que os professores não querem trabalhar quero dizer que, com as aulas online, os professores trabalharam muito mais do que dando aulas na escola, sem ganhar um centavo a mais do governo. A carga horária chegou a 10 horas de trabalho por dia. Que Deus proteja todos os profissionais da educação e os alunos.

Sergio Pelarin sppelarin@hotmail.com

Limeira

*

‘DIREITO À VIDA’

Impressionante a qualidade ética e de competência do articulista J. R. Guzzo, homem brilhante e que no breve texto no Estado de domingo (31/1) expôs com clareza meridiana as verdades aos que infelizmente comandam as escolas paulistas, que são o sindicato dos professores e seus cúmplices.

Luiz Fernando Pinheiro Franco, titular da Academia de Medicina de São Paulo lfpfranco@gmail.com

São Paulo

*

ESCOLAS E TRABALHO NA PANDEMIA

Parabéns, parabéns, parabéns ao colunista J. R. Guzzo (Estado, 31/1). Finalmente alguém para falar sem mais delongas a pura verdade. Absurdo o mal que o sindicato dos professores está fazendo aos alunos e ao futuro do Brasil. Ninguém aguenta mais este país que protege escandalosamente os funcionários públicos de todas as áreas, em detrimento da população em geral, que não tem privilégio nenhum e vive do jeito que dá e sem esperança de que alguém de “governo” algum lhes dê apoio ou proteção. Que a voz de Guzzo ecoe mais e mais. Sou uma pequena empresária, que em nenhum momento ficou #emcasa, tentando dar dignidade aos seus funcionários, que sim, aglomeram todos os dias no transporte público, se viram nos 30 para cuidar dos filhos que estão em casa, sem aulas, e que, mesmo com todas as dificuldades, estão sempre dispostos e sorridentes. Povo maravilhoso, devo a eles não deixar a peteca cair, apesar de ver dezenas de restaurantes fecharem as portas todos os dias, gente que depois de 10, 15, 20 anos de trabalho acumulados de dívidas desiste, e ainda precisa carregar a culpa de ser a causadora de aglomeração. São Paulo permaneceu com os restaurantes, shoppings e parques fechados no fim de semana, e o povo fez o quê? Foi aos montes para as praias – porque aí não tem aglomeração, né? Perdoem o desabafo.

Sabrina Miklautz  sabrina.miklautz@gmail.com

São Paulo

*

MÁSCARAS N95

Na reportagem de 31/1 As máscaras N95 oferecem mais proteção contra as novas variantes do coronavírus?, o consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia Alexandre Naime Barbosa esqueceu que não só em ambiente hospitalar onde há aerossol decorrente de intubação há necessidade da máscara N95. Todos os cirurgiões dentistas do planeta Terra têm necessidade de usar a máscara N95, porque procedimento bucal leva a formação de aerossol, ou já se esqueceram de que a saliva é altamente contaminada pelo Sars-Cov 2?

Marta Pinto Pereira marpinper27@gmail.com

São Paulo

*

PAGAMENTO À VISTA

Os 250 deputados e 35 senadores do Centrão deverão estar travando um grande debate de ideais e ideologias para resolver um problema de maior relevância nacional: como dividir os R$ 3 bilhões liberados pelo governo para ajudá-los a votar “corretamente” nas eleições das presidências das duas Casas do Congresso Nacional nesta segunda-feira? Outro assunto não menos importante: a soma das verbas dos três novos ministérios que se pretende recriar (Cultura, Esportes, Pesca) é pequena. Não dá para trocar o Ministério da Pesca pelo da Educação, já que as duas não têm a menor relevância, mas a verba deste último é infinitamente maior? É de estranhar que o Brasil ficou na posição 94.ª na classificação do índice de percepção da corrupção (IPC) de 2020, atrás do Chile (25), Argentina (78) e Columbia (92)?

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

BOAS-VINDAS

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falou em R$ 20 bilhões, estimando o total de recursos prometidos pelo governo na negociação com deputados para angariar apoio à eleição, para as presidências da Câmara e do Senado, dos candidatos apadrinhados pelo presidente Bolsonaro. Comparando tal situação com as promessas de campanha eleitoral do então candidato Bolsonaro, vemos que a sua palavra nada vale, o que inexoravelmente compromete a sua honra e a sua dignidade, compromete a sua credibilidade e fingida vontade política de combater as corrupções e os corruptos de sempre. Bem-vindo, presidente Bolsonaro, os que vão se corromper te saúdam!

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INDIGNAÇÃO

Bolsonaro está comprando políticos, no Congresso, que atendam a seus interesses pessoais, não do Brasil. Com dinheiro público. Não estou ouvindo ruídos de indignação de muitos. Para onde vamos?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O BRASIL É MAIOR

Não há dúvidas de que o Brasil é maior do que o governo, especialmente o que está aí. O País não pode se tornar refém de Jair Bolsonaro & famiglia. Afinal, entregar o poder ao Centrão, distribuir recursos de mais de R$ 3 bilhões – que podem chegar a R$ 20 bilhões –, lotear e recriar ministérios para “adoçar” a politicalha para que não deem andamento aos pedidos de impeachment e torcer para o triunfo da pandemia deixam evidente que Jair Bolsonaro não tem o mínimo cacoete para continuar no cargo. Que as pessoas de bem coloquem um basta nessa situação. Afinal, Deus é brasileiro!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

RODRIGO MAIA

O presidente da Câmara no último minuto de seu mandato agora diz que há ameaça de rompimento institucional. É desses casos em que não se pode dizer “antes tarde do que nunca”. O cara é fraco, covarde, desonesto com os brasileiros. Espera-se que nunca mais fale nada. O ostracismo dele nos fará bem.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

PRERROGATIVAS

Um denominado Grupo Prerrogativas quer que seja anulada a condenação de Lula decidida pela juíza Gabriele Hardt, alegando que o processo foi preparado pelo juiz Sergio Moro e que ele foi parcial. Mas não é isso exatamente o que os defensores de Lula queriam até ontem: um juiz de garantia, para conduzir o processo, e outro juiz para julgar? Pois bem, considerem, então, que Moro atuou como “juiz de garantia”, preparando o processo para a decisão da juíza Hardt. Querem mais o quê? Um terceiro juiz? Um quarto?

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

A VOLTA DE LULA

Quem achou que Lula faz parte de um sombrio passado e está descansando e gastando seus milhões com sua nova namorada se enganou. Ganha corpo no meio jurídico tese alternativa capaz de cravar a suspeição de Sergio Moro, com a expectativa favorável na Segunda Turma, onde se encontram o caso e o juiz Kassio Nunes Marques, indicado por Bolsonaro, que quer concorrer com o ex-presidente na eleição de 2022. É o Brasil, país de todos com dinheiro que reescrevem sua história para seus benefício e interesses. Moro que se cuide. O ódio de Lula será sua herança.

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

O PRIMADO DA URNA ELETRÔNICA

Irretorquível a verdade histórica sobre a evolução do voto eletrônico trazida na sólida narrativa de Carlos Velloso, ministro aposentado do STF (Estado, 27/1, A2). As urnas de metal (anos 1930) e de madeira (anos 1940) portavam questionamentos sobre sua forma de lacração. Já as urnas de lona (anos 1950) representaram um grande avanço na segurança eleitoral a partir do modelo desenvolvido pelo paulista Ibsen da Costa Manso, a quem, a propósito, também se deve o pioneirismo da adoção da chamada cédula única de votação, fornecida pela Justiça Eleitoral, rompendo-se, assim, o discutível monopólio, até então existente, dos partidos e candidatos nesse fornecimento. A máquina de votar recebeu a primeira previsão legal no Código Eleitoral de 1932. Em 1965, o então deputado federal Antonio Sylvio Cunha Bueno (PSD-SP), trouxe, dos Estados Unidos, uma máquina de votação para demonstrações em Brasília e São Paulo. Em 1996, ocorreu a estreia oficial da urna eletrônica brasileira, que deveria ser motivo de júbilo de nossa cidadania e não objeto de infundadas desconfianças.

José D’Amico Bauab josedb02@gmail.com

São Paulo

*

PALMEIRAS, BICAMPEÃO DA LIBERTADORES

Parabéns ao Palmeiras pela grande conquista do bicampeonato da Copa Libertadores da América – 2020, no Maracanã, o maior templo do futebol brasileiro e mundial! Santos foi digno e valorizou o título alviverde. 20.º título do futebol brasileiro na Libertadores. Palmeiras é orgulho do futebol paulista e brasileiro. Agora vamos trazer o bi mundial, o tetra da Copa do Brasil e a inédita Recopa sul-americana. A América é verde outra vez!

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

AGLOMERAÇÃO

O Palmeiras fez jus ao título da Libertadores de 2020, enfrentando o Santos em pleno Maracanã, estádio onde, em 1951, foi campeão mundial. Graças e esse título da Libertadores, dependendo de seu desempenho, pode tentar seu segundo título mundial no Catar, já a partir desta semana. Porém a nota triste foi constatar que os organizadores desta partida no Maracanã e torcedores presentes não estão preparados para voltar aos estádios, tal foi o descumprimento das regras protocolares contra a covid-19, quando desprezaram o distanciamento e o uso de máscaras. Pior ainda foi a chegada, na madrugada, da equipe campeã a São Paulo, quando milhares de torcedores se aglomeraram em frente ao CT do Palmeiras. Em plena avassaladora segunda onda da pandemia, demonstram não se importar com sua vida e menos ainda com a dos outros, que podem ser os próprios familiares.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O PREFEITO NO MARACANÃ

Não havia ninguém para dizer ao prefeito de São Paulo, Bruno Covas, que ele, administrador de uma cidade em fase vermelha para a pandemia, não deveria ir ao Maracanã para ver a final da Libertadores? Ou houve quem dissesse, mas o prefeito não deu ouvidos? As duas alternativas são bem tristes.

Francisco Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo

*

IPTU 2021

Na campanha eleitoral de 2020, o prefeito Bruno Covas afirmou que o valor do IPTU de 2021 não teria reajuste. Como toda mentira tem perna curta, sr. prefeito, o meu IPTU veio com 10% de aumento em relação ao ano anterior. Como ficamos? O sr. teve aumento de salário e nós, aumento de despesa. Palavra de político não vale nada. A quem recorrer?

Sylvio Ferreira sylvioferreira@hotmail.com

São Paulo

*

PROTESTO

Prefeito Bruno Covas, o senhor disse que não haveria aumento do IPTU 2021. Não é verdade. Aumentou. Fica aqui meu protesto.

Lourdes Migliavacca lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

REAJUSTE ZERO?

Às vésperas do Natal 2020, o excelentíssimo prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas, anunciou na mídia que o IPTU 2021 na cidade de São Paulo teria reajuste zero em relação a 2020. Muito louvável o gesto do sr. Bruno Covas, considerando o ano atípico que foi 2020 e suas consequências no ano de 2021, por causa da pandemia do coronavírus. Qual não foi a minha surpresa ao acessar o site da Prefeitura afim de imprimir o IPTU 2021, e verificar que o tal reajuste zero passou para 6,26%? Obviamente, sr. prefeito, para quem teve um reajuste de 46% em seus vencimentos a partir de janeiro de 2021, proposto e aprovado ainda em 2020 pela Câmara Municipal de Vereadores da cidade de São Paulo, 6,26% de aumento no IPTU 2021 não representa muito. Porém, sr. prefeito, para mim e outros milhares de cidadãos e cidadãs da nossa cidade de São Paulo aposentados pelo INSS, com reajuste de 5,25% em seus vencimentos para o ano de 2021, 6,26% representam muito. Portanto, sr. prefeito Bruno Covas, com todo o respeito que tenho pelo senhor, onde estamos? Que reajuste zero foi este para o IPTU 2021? Repense, seria isso mesmo o planejado? Aguardamos, eu e os milhares de paulistanos e paulistanas, uma resposta plausível para este reajuste zero no IPTU 2021, neste momento tão difícil que passamos no ano de 2020 e continuaremos passando em 2021.

Bernardo Blumen blumen@blumenconsultoria.com.br

São Paulo

*

VALOR VENAL DOS IMÓVEIS

Os vereadores de São Paulo têm agora a oportunidade única de se redimirem do aumento salarial de 46% dado ao prefeito e de mostrarem aos seus eleitores que estão solidários com o sofrimento causado pela pandemia, principalmente àqueles que são aposentados e pensionistas. É só usarem a estratégia inversa do ex-prefeito Fernando Haddad e reduzirem o valor venal dos imóveis de São Paulo em 50%. Como ele disse na época, “não estou aumentando impostos, só reajustando uma defasagem no valor dos imóveis”, e em muitos casos este aumento foi de 100%. Então, considerando que o mercado imobiliário caiu vertiginosamente desde então, nada mais justo e solidário do que aprovar como medida urgente urgentíssima a redução do valor venal. Com a palavra, os senhores vereadores.

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.