Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2021 | 03h30

Extremismo bolsonarista

Imunidade x impunidade

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que foi preso na noite de terça-feira após atacar ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e defender o Ato Institucional n.º 5 (AI-5) em vídeo, ontem ainda estava preso. Para mim, foi uma grande surpresa. E uma esperança de que a nossa democracia esteja protegida. Bom saber que os congressistas sabem a diferença entre imunidade e impunidade. E que estão atentos ao clamor do povo brasileiro.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES CARMEN_TUNES@YAHOO.COM.BR

AMERICANA

*

Dinheiro na cueca

O Congresso Nacional tem comportamentos diferentes para cada situação. No caso de Daniel Silveira, é falta de decoro e no de Flordelis, falta de vergonha. Já no caso do senador Chico Rodrigues, o do dinheiro na cueca, é falta de vontade política. E em relação ao povo brasileiro é completa falta de interesse.

ELY WEINSTEIN ELYW@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Voto mais ponderado

Os eleitores do Estado do Rio de Janeiro ofertaram ao Brasil políticos como Daniel Silveira, Carlos Jordy, Sérgio Cabral, o clã Bolsonaro e assemelhados. E estamos vendo as consequências: o Estado em situação falimentar, milícias, corrupção, etc. Seria muito pedir ao eleitorado fluminense que pensasse melhor nas próximas eleições?

JOSÉ ROBERTO PALMA PALMAJOSEROBERTO@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Tal qual

O caso do deputado Daniel Silveira faz lembrar o surgimento do fascismo na Itália e do nazismo na Alemanha. Como o bolsonarismo, esses movimentos atraíram a ralé de seus países, uma camada considerável de pessoas que não sabiam ou não queriam viver numa democracia, com respeito às leis e às pessoas. Como o sr. Bolsonaro, com palavreado violento e ameaçador esse deputado instiga a população contra o STF, que, apesar de algumas sentenças polêmicas, continua a ser uma das esperanças contra o totalitarismo bolsonarista.

PAULO BOIN BOINPAULO@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Corrupção

Pior do que está...

A pandemia causou transtornos na nossa vida e, além de nos preocuparmos com o vírus, temos de suportar as sandices bolsonaristas. E, agora, não é que Lula da Silva reaparece dando entrevista e se pondo à disposição para retomar a Presidência do País?! Era só o que faltava para piorar o que já está insuportável...

J. A. MULLER JOSEALCIDESMULLER@HOTMAIL.COM

AVARÉ

*

Polarização

Não é possível que o PT esteja cogitando de impor novamente aos eleitores deste país a malfadada opção, num eventual segundo turno das próximas eleições, caso o STF rasgue a Constituição e devolva os direitos políticos do demiurgo de Garanhuns, entre o populista corrupto já condenado em três instâncias, que agora tenta se lançar como “salvador da pátria”, e esse que está aí e dispensa “qualificações”... Esse partido deveria usar o bom senso e sair de cena. Não queremos nem um nem outro! Será tão difícil de entender que essa insistência no moribundo político vai continuar a arrastar o País nessa polarização perversa, atrasada, e nos obrigar, mais uma vez, a escolher entre o ruim e o péssimo? O Brasil não resiste a mais quatro anos de populismo retrógrado e ideológico, seja de direita ou de esquerda.

IVERALDO ANTÔNIO DUARTE NANUKULOA@HOTMAIL.COM

AVARÉ

*

Chapa da esperança

Sergio Moro para presidente e Luciano Huck como vice. Seria a chapa da esperança em 2022, com chance de vitória no primeiro turno.

EDUARDO ALBERTO SICKERT P. DE MELO

VOVONUMERO1@HOTMAIL.COM

MARÍLIA

*

Sistema político

Presidencialismo de cooptação

No Brasil até o mais óbvio papel dos parlamentares, que é a defesa dos interesses do povo, é claramente desrespeitado. E parece coisa normal, como bem discorre o economista Roberto Macedo no artigo Sistema político passou ao incentivado presidencialismo de cooptação (18/2, A2). Os parlamentares desejam mesmo é dispor de muito dinheiro público para se perpetuarem no poder em sucessivas reeleições, pois seus eventuais adversários dessa forma entram na disputa em condição bem desigual. Essa fome de dinheiro, como destacado, tem até o efeito colateral de esfacelar os próprios partidos. Está na hora de implantar a representação pelo voto distrital, para expô-los, respondendo aos próprios representados, e também acabar com a farra das reeleições sem fim.

JOSÉ ELIAS LAIER JOSEELIASLAIER@GMAIL.COM

SÃO CARLOS

*

Auxílio emergencial

Eureka

As reservas cambiais do Brasil (Fundo Soberano) montam a US$ 374 bilhões (R$ 1,87 trilhão). Nesta hora de absoluta necessidade, usando apenas 16% dessas reservas (R$ 300 bilhões) seria possível repetir o auxílio emergencial pela pandemia dado em 2020. Afinal, para que serve essa dinheirama toda parada? Eureka!, repetiria Arquimedes.

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO JCMRIZZO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Consciência social

Brasileiro com B maiúsculo

Parabéns a Wallace Graciano pela reportagem (17/2, A17) que me permitiu conhecer um brasileiro, o jogador de futebol Richarlison, com consciência social e que não tem medo de se manifestar. O Brasil precisa de educação e comida, pondera ele. E eu acrescento: precisa também de mais vacinas e menos armas.

TÂNIA TAVARES TANIATMA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

______________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

INCOMPETÊNCIA

A imprensa, os artistas, os jogadores de futebol, as empresas e laboratório privados são as únicas entidades que se preocupam com a vacinação em rebanho dos brasileiros. Por outro lado, o governo federal e o Ministério da Saúde permanecem “brincando" de vacinar. Eduardo Pazuello apresentou várias fake news sobre as pretensas vacinações no País. Ora, sem estoque de vacina, sem capacidade de distribuição, sem assinar contratos para a compra dos insumos farmacêuticos inativos (IFA), a “dupla” mostra que não possui o mínimo cacoete, mas sobra incompetência para realizar a imunização. Afinal, até mesmo as estatísticas da evolução da doença e os óbitos são realizados pelo Consórcio de Imprensa. Bolsonaro, entregue o comando do País aos verdadeiros brasileiros que se preocupam com o Brasil, mas, nunca ao Centrão. Fica a dica! 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

INTERVENÇÃO IMEDIATA

É preciso uma intervenção imediata no Ministério da Saúde. Eduardo Pazuello deve ser substituído por alguém competente; o atual presidente da Anvisa seria uma ótima opção. O Brasil caminha para o caos, o País segue sem rumo na pandemia, sem vacinas, sem um plano nacional de imunização, os números da pandemia só pioram, várias cidades estão a beira do colapso, a pífia vacinação parou de vez por falta de vacinas. Nada indica que a atual gestão da saúde irá tirar o País dessa crise catastrófica. As promessas de Eduardo Pazuello não se sustentam; o Brasil segue sem comprar as vacinas da Pfizer, da Moderna, da Janssen, as vacinas vindas da Índia estão atrasando. Não é possível que o Brasil continue tendo a pior gestão da pandemia no mundo .

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

À BEIRA DO COLAPSO

O país está à beira do colapso com a presença da variante de Manaus que agrava a pandemia do covid-19. A limitação física para o aumento de leitos de UTI, em hospitais públicos e privados, pode provocar a reativação de hospitais de campanha. A imunização depende do ritmo de envasamento das duas vacinas disponíveis no Brasil. Há necessidade de estudos sobre eficácia de ambas contra a variante de Manaus, pois a perda de eficácia pode comprometer o combate contra o Sars-CoV-2, em decorrência desta mutação. As vacinas com o vírus inativado, o adenovírus como vetor e o RNA mensageiro deveriam incluir a nova cepa de maneira urgente. A vacinação deveria ser agilizada, pois há risco de fase vermelha (em março) em vários estados por causa das aglomerações do carnaval.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajunior@uol.com.br

Campinas

*

FALTA DE VACINAS E DESORGANIZAÇÃO EM SP

A impressão que dá é de que em São Paulo a organização da vacinação e a falta de doses em número suficiente não estão muito diferentes do restante do Brasil. A cada dia novos grupos de lobby conseguem incluir mais milhares de pessoas que cortam a fila do planejamento feito há meses e anunciado com espalhafato. A prioridade eram os idosos, mas agora passaram a ser até nutricionistas, médicos aposentados, testadores de PCR e muitos outros. A política da o tom à vacinação em São Paulo.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

ELIMINAÇÃO DE VÍRUS

Em pleno momento do aumento da pandemia de covid-19 entre nós, convivemos ainda com essa outra crise, fomentada por radicalóides sem sentido, usuários das redes da internet, que fomentam agressões às instituições que possuímos, como esse deputado, preso por determinação do STF, por ameaças sem sentido a nossas instituições. Temos de ter capacidade para eliminar de nossa sociedade tais vírus antidemocráticos, para que, quando eliminado o similar pandêmico, possamos voltar ao processo de crescimento de nosso país, que tanto estamos a necessitar.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ESSES POLÍTICOS MARAVILHOSOS...

O senador Chico Rodrigues, aliado de Bolsonaro pego com dinheiro na cueca, pode retomar seu mandato por autorização do ministro Barroso. O mesmo pode acontecer com o deputado Daniel Silveira, também bolsonarista, preso por determinação do STF, o por acordos políticos e agrados às lideranças. Cada vez mais, sabemos de políticos que só aparecem por ações negativas sem benefícios ao País. Considerando os efeitos da pandemia, alguns políticos deveriam usar, obrigatoriamente, em vez de máscara, uma cueca na cara.

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

CASO DANIEL SILVEIRA

A respeito da prisão do falastrão e boquirroto deputado federal bolsonarista radical, o fascistoide Daniel Silveira (PSL-RJ), ex-cobrador de ônibus e ex-PM, por propagação de ideias contrárias à ordem constitucional, discurso de ódio contra ministros do STF e apologia ao famigerado AI-5,cabe dizer que liberdade de expressão não pode ser confundida com liberdade de agressão, assim como imunidade parlamentar não deve ser confundida com impunidade de parlamentar. Cassação já!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

LEGALIDADE, ESTADO DE DIREITO E PRISÃO DE DEPUTADO

Sou, por formação e por convicção, legalista. Defendo irrestritamente as bases democráticas, a Carta da República, o Estado de Direito, as instituições e a imprensa livre. Sou apoiador de toda forma legal de punição àqueles que carregam e instigam a derrocada da Constituição e da democracia, contudo, não posso aceitar, por minha formação jurídica, a superação dos intransponíveis princípios da legalidade e do devido processo legal. É o custo de viver em um estado de leis. Assim, creio que a prisão do deputado Daniel Silveira (embora elogiável e necessária) transporta em evidente descumprimento dos preceitos legais e processuais básicos. Os fins não justificam os meios. O improvisado inquerido da fake news carece de amparo legal e traz enormes vícios de legalidade e usurpa competências constitucionalmente definidas a outras instituições. O Estado de Direito não tolera excessos, nem defensivos, tampouco persecutórios. Tornemos a convergi pelo cumprimento da lei em seus estritos termos, sem improvisos ou avanços arriscados, que trazem mais insegurança jurídica e risco efetivo de (devido às ilegalidades) deixarem conspiradores do fascismo impunes no futuro.

Renato Mendes do Nascimento renatonascimento@uol.com.br

Santo André

*

CASSAR O DEPUTADO JÁ!

Nunca houve nova política, mas sim a politicagem tradicional representada por Bolsonaro e seus asseclas. O desafio do deputado bolsonarista (editorial 19/2, A3) será apenas o de ser boi de piranha, tanto para os que querem um país melhor sem a necropolítica oficial como para os ainda seguidores deste desgoverno que já estão denunciando censura e outros quejandos. Liberdade de expressão não se coaduna com a prática da destruição da democracia, representada pelo nefasto personagem Tunéscio. O Congresso terá a oportunidade de resgatar um pouco da sua imagem, espinafrando o criminoso de seu mandato.

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

O DEPUTADO NO PAREDÃO

O deputado Daniel Siqueira conseguiu unir os maus, desunir os bons e isolar os companheiros. Fala mais, deputado, o povo precisa entender o “big brother Brasília”.

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

PIORES POLÍTICOS

O inexpressivo deputado preso recentemente a mando do STF é apenas mais um dos intermináveis exemplos de piores políticos que existem nesta nossa Federação. Pare o leitor por uns instantes para pensar na quantidade de políticos corruptos e de má qualidade originados do Rio de Janeiro (o presidente é apenas mais um). Políticos que, por exemplo, anos atrás permitiram que o submundo das drogas e do crime ganhasse espaço e dominasse extensas áreas da capital fluminense. Se o político eleito é o reflexo do povo que o elegeu, tirem-se as conclusões óbvias. Não se trata de discriminação ou preconceito, mas de crítica construtiva, mesmo porque, sou nascido na antiga Guanabara. Outro exemplo desta falta de educação são as aglomerações em praias e festas, verificadas nas últimas semanas, principalmente na capital. O Rio está precisando de um choque de educação!

José Roberto dos Santos Vieira jrdsvieira@gmail.com

São Paulo

*

CURVA PERIGOSA

É inacreditável que em um país como o Brasil, onde temos milhares de pessoas vivendo abaixo da linha da pobreza e muitos esperam desesperadamente pelo auxílio emergencial, o deputado Daniel Silveira, que deveria estar preocupado com a pandemia que assola nosso país,  utilize seu precioso tempo para espalhar o ódio e dividir Poderes. Presumo que já passou da hora dos homens de bem que governam nosso país começarem a visualizar  o futuro, pois é sabido que há muitos no poder abocanhando gordos salários e têm como único  objetivo  acabar com a nossa  democracia.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

BOLSONARO SONHA COM DITADURA?

 Desde o início de seu mandato, Bolsonaro tem sido pródigo em atitudes contrárias a um político correto, que começaram quase de imediato ao tentar nomear um filho para ser embaixador nos EUA, a mais importante embaixada do Itamaraty. A nomeação não foi ocorreu, mas ficou nisso, sem uma reação mais dura contra esse abuso de cargo dos mais graves.  Daí em diante ele foi aumentando seus abusos em quantidade tal que nem espaço há para aqui colocar, mas algumas não podem passar em branco, como seu comportamento irresponsável perante a pandemia, quando, em vez de promover as recomendações para seu combate, ele fez o contrário, e, como se fosse médico, ficou receitando uma substância sem qualquer prova de eficácia, e para piorar, não usando máscara em seus encontros com admiradores. Na sequência desse comportamento atrasou demais a compra de vacinas e agora o País peca pela dificuldade de adquiri-las. Quando cobrado de tantas mortes acontecidas, suas respostas são em tom de desprezo, como dizer que não é coveiro e outras atitudes desprezíveis num governante face uma pandemia na qual já morreram perto de 250 mil pessoas e pelo andar do fraco combate a essa, brevemente chegaremos rapidamente às 300 mil mortes. Nesses dois anos mostrou total desprezo pela imprensa, que não se furta esconder seus desmandos, e agora chegou ao máximo, quando defendeu o fechamento dos três maiores jornais do País, Estadão, Folha de S.Paulo e  O Globo, porque servem apenas para divulgar mentiras (fakes)  contra ele.  A pergunta que se faz é por que, nesses mais de dois anos,  Bolsonaro cansou de surpreender o País com seu comportamento errático, abusivo e suspeito quando defende o armamento da população editando normas fáceis para a compra de armas, essa forma de governar?  Da classe política estamos cansados de saber que não merece sequer o custo de  papel higiênico que o País  gasta com eles  e da Justiça também não se preocupa,  visto mandar no STF com uma maioria favorável a ele em torno de 7 x 4. Restam os militares, mas também nada a esperar desses, porque deu cargos no governo aos da reserva e manteve benefícios aos da ativa e juntos parecem não levar o Bolsonaro a sério, mas deveriam, antes que seja tarde mais, ele cheira a Chávez. A esperança para evitar essa situação em que o Brasil parece um bêbado que saiu do boteco para ir para casa, cai na sarjeta e, grande demais, não consegue se levantar e fica a esperar ajuda,  pois é  (des)governado por gente pequena, é orar a Deus.

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

O TAL DO BOLSONARISMO

O ex-presidente Lula declarou, em entrevista ao UOL, que estaria à disposição para se candidatar às próximas eleições presidenciais, se for necessário, “para derrotar o tal do bolsonarismo”. Só para esclarecer: o “tal do bolsonarismo” a que ele se refere surgiu em consequência direta do “tal do lulopetismo” que ele próprio criou. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

RIO DE JANEIRO

No início do ano Legislativo na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes fez seu discurso e traçou um quadro preocupante quanto à situação financeira do município, que o obrigará a cortes, aumento da alíquota do desconto previdenciário (sempre sobra para o servidor) e outras medidas. Prefeito, o sr. deve estar com amnésia. A atual situação das finanças do município é reflexo da sua gestão oba, oba, quando o PT era governo. Dinheiro pra cá, dinheiro pra lá, contratação de funcionários inchando a folha de pagamento e outros atos irresponsáveis. O sr. e a maioria dos prefeitos eleitos em novembro de 2020 não vão fazer nada, a não ser apenas segurar a alça do caixão do defunto, que é o município. Os municípios em sua maioria estão quebrados, os Estados também. Ninguém tem dinheiro para nada. Aí obriga o gestor, prefeito ou governador, a medidas duras, amargas, fruto de gestão irresponsável na era PT, o que é uma bandeira na mão dos esquerdopatas, que vão dizer, "na nossa gestão não tinha esse problema". Deixaram uma bomba de efeito retardado engatilhada. Mas tem gente que não enxerga o que não lhe convém.

Panayotis Poulis  pppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A CIDE E A CARGA TRIBUTÁRIA

A Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) foi o  imposto criado no governo FHC, diga-se de passagem, uma carga tributária que era de 29,46% do PIB e depois de oito anos passou a 35,33%. Essa uma herança deixada por FHC, o aumento da carga tributária. Todos os presidentes se queixaram, mas ninguém faz coisa alguma para diminuir essa carga que tanto afeta a economia e as classes menos afortunadas. Hoje a Cide virou caixa único do governo. Ninguém abre mão dos recursos e a contrapartida é o asfixia dos contribuintes. Como pode a Petrobrás ter o lucro que tem, a mordomia  que desfruta e mandar a conta aos brasileiros? Com certeza, solução tem, mas abrir mão de benesses não é tendência dos nossos governantes. Um ato de coragem seria a privatização, mas eis aí o tamanho da encrenca. Todos juntos no jargão “meu pirão primeiro”. Reforma tributária, nem pensar.  E assim la nave va.

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

¿POR QUÉ NO TE CALLAS?

Lembrei do ex-rei da Espanha quando vi que as declarações do incapaz causaram queda no valor da ações da Petrobrás, principalmente no exterior. Por que não te calas? Infeliz !!!!!

José Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

*

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

Os dois principais motivos para esse exorbitante preço dos combustíveis no Brasil são: o decreto da da ex-presidente Dilma Rousseff que obriga os produtores de combustíveis  a vender para as distribuidoras, que levam 16% do valor, e o extorsivo ICMS cobrado pelos Estados.

A solução sr. presidente, numa canetada só, é acabar com esse decreto da Dilma e permitir que os produtores vendam diretamente aos postos e também unificar em 5% o ICMS em todo o País.

Moyses Cheid Junior jr.cheid@gmail.com

São Paulo

*

“OTORIDADE” AO ESTILO SUCUPIRA

Sob o ímpeto de ser nova “otoridade” na presidência da Câmara, Artur Lira, guindado ao cargo pelo Centrão, o qual se incorpora a ala lulobolsonarista, onde Gleisi Hoffman dividirá palanque com Carla Zambelli com apoio de Flordelis e demais criminosos ali livres de processo, foi ao STF “negociar” a prisão do deputado bolsonarista Daniel de “tal”, como lembra o ministro Fux. Será que o STF negocia? Ou Lira quer fazer um puxadinho daquilo que fez em Alagoas e agora faz na Câmara dos Deputados? Onde estão os que representam a ordem republicana e democrática deste país?  Ou deveremos mudar o nome do País para Sucupira pela completa falência da moral imposta por “coronéis”, incompetentes, negacionistas, e corruptos na gestão da coisa pública.         

Oswaldo Colombo Fho. colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

NOVAS CHARRETES EM PETRÓPOLIS

A falta de regulamentação do passeio turístico no Município de Petrópolis (RJ) começou a implantar a esculhambação tradicional dos projetos feitos sem planejamento. Vários veículos sem padrão estão atuando e confundindo os turistas. Até o trenzinho, que atua pelo centro histórico, destoa da beleza colonial da cidade; sua pintura de gosto duvidoso mais parece um componente de mafuá. Urge a regulamentação do serviço; é necessário considerar que os veículos devem estar em harmonia com a época da monarquia do fundador da cidade imperial: d. Pedro II. Os turistas procuram a aura da história que só Petrópolis pode oferecer.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*













 

 























 

 




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.