Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2021 | 03h30

Desgoverno Bolsonaro

Ficção?

“Se dependesse de mim, não seria esse o regime que estaríamos vivendo”, disse Jair Bolsonaro em evento em Campinas. Mas qual regime seria, se dependesse dele? Um regime militar ditatorial? É o que parece, porque abusa de suas prerrogativas presidenciais, conquistadas democraticamente, para atacar a própria democracia, veladamente ou, algumas vezes, explicitamente, ao afrontar ministros do Supremo Tribunal Federal, nomear cada vez mais militares para postos-chave do governo, como agora na Petrobrás, além de dar guarida e suporte a uma gentalha arrogante, violenta e despreparada, eleita em diversos partidos de direita a reboque do bolsonarismo nas eleições de 2018. É a mesma receita da ditadura bolivariana, quando militariza tudo e libera mais armas via decreto para seguidores e milicianos. Mas o grande final estará reservado para 2022, caso as urnas eletrônicas não o sufraguem e ele não saia vencedor. Poderá alegar fraude, como Donald Trump, seu ídolo e, com o governo já saturado de militares, consumar seu autogolpe com o apoio deles. Que tal enredo não passe de ficção.

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS ZAMBONELIAS@HOTMAIL.COM

MARÍLIA

*

Caos anunciado

Analisando o “currículo” de Daniel Silveira e suas ligações político-fraterno-partidárias com a família Bolsonaro, é fácil concluir que o episódio criminoso protagonizado por ele era de pleno conhecimento e aprovação presidencial. Escapamos de uma gravíssima ruptura entre Judiciário e Legislativo, ou seja, um passo em direção à total dilaceração de nossas instituições democráticas. Tudo caminhando para o caos anunciado pelo capitão para 2022.

NELSON PENTEADO DE CASTRO PENTECAS@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Intervenção na Petrobrás

Bolsonaro usa uma régua particular para medir as consequências de seus atos, calculando-as com base no número de votos que pensa que disso advirá. Para ele, as reações do mercado, o reflexo nas contas públicas, a cotação do dólar, a opinião do ministro Paulo Guedes e dos demais assessores é despicienda ante seu projeto de reeleição. Essa é a razão por que a reação dos caminhoneiros vale mais que a dos investidores, principalmente os estrangeiros, que não votam no Brasil... Essa conclusão é referendada pelos especialistas no estudo de mentes populistas, como a dele e de sua antecessora Dilma Rousseff, que nesse aspecto em nada se diferenciam.

LAIRTON COSTA LAIRTON.COSTA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Ministério da Fazenda

Joaquim Levy, ministro da Fazenda de Dilma, assumiu a pasta para arrumar as contas públicas. Veio como salvador da Pátria, tal como o ministro Paulo Guedes. De tanto ser contrariado por Dilma, Levy acabou deixando o governo de maneira pouco elogiosa. Algo me diz que o ministro Guedes terá em breve o mesmo destino. Humilhação tem limites!

KÁROLY J. GOMBERTKJGOMBERT@GMAIL.COM

VINHEDO

*

O dobro de zero

Numa entrevista ainda como candidato, Bolsonaro disse que, se fizesse uma competição com Dilma e Lula sobre quem sabe mais, tiraria, no mínimo, o dobro da nota dos dois juntos. Na minha avaliação, professora que sou, a nota de Dilma e Lula juntos é igual a zero. Então, o dobro de zero é a nota de Bolsonaro. E ele faz por e merecer. Lamentável para os brasileiros.

IRIA DE SÁ DODDE IRIADODDE@HOTMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Curto-circuito

Bolsonaro: “Vamos meter o dedo na energia elétrica”. Cuidado, o choque pode ter sequelas.

ROBERT HALLERROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Pandemia e vacinação

Enquanto nosso Sargento Garcia da Saúde promete vacinar todos os brasileiros até o fim do ano, vemos a morte de mais de mil pessoas todos os dias. Até quando teremos que conviver com tantas mentiras?

GILBERTO DE LIMA GARÓFALO GILGAROFALO@UOL.COM.BR

VINHEDO

*

Despropósitos

A falta de vacinas é mais um despropósito neste país. Inadmissível! Não há planejamento para nada, salvo para o povo adquirir armas e munições. Aí há planos, decretos, etc. Até quando vamos esperar que Bolsonaro acorde e comece a olhar para o que realmente o povo precisa? O povo não precisa de armas, e sim de auxílio emergencial. E R$ 250 não é ajuda, é esmola. Não ter dinheiro para o auxílio, mas ter para deputados e senadores é simplesmente absurdo demais. Brasil, acorda!

JOSÉ CLAUDIO CANATOJCCANATO@YAHOO.COM.BR

PORTO FERREIRA

*

Comoção social

Uma insana e inaceitável máquina pública dominante, sugando nossos limitados recursos orçamentários para mantê-la em verdadeira orgia de privilégios e regalias, hoje e sempre inaceitáveis, sem que a população tenha meios democráticos de efetivamente intervir, coibindo, associada ao agravamento histórico e permanente de negativos acontecimentos de gestão pública, lucidez legislativa, insegurança jurídica e acesso ao mínimo de segurança alimentar e direito à vida digna e saudável, tudo isso consolida o caminho de uma comoção social de graves consequências. Se não houver uma mudança profunda nas regras e regalias dos integrantes das instituições brasileiras, não haverá Executivo, Legislativo, Judiciário, promotorias públicas, poder econômico, Forças Armadas, Polícias Militar e Civil, sociedade civil organizada, direita, centro ou esquerda que detenham o derretimento institucional da Nação. É estarrecedor que nossos ditos líderes políticos não percebam essa dramática e permanente construção de uma tragédia. Estamos a caminho de uma iminente comoção social inimaginável.

HONYLDO ROBERTO PEREIRA PINTO HONYLDO@GMAIL.COM

RIBEIRÃO PRETO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PIADA DO DIA...

É o título da notícia publicada no Estado de domingo (21/02, B3): “Para Pacheco (Rodrigo, presidente do Senado), não se pode dizer que há uma ‘militarização’ (do governo). Vê-se que mudo ele não é, mas deve ter sérios problemas de visão, audição e, principalmente, de cognição.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

MUDA BRASIL!

A propósito da troca de gestão na Petrobrás, de um civil por um general (mais um no governo verde-oliva-amarelo!), o presidente Bolsonaro disse com todas as letras que vai mudar o comando de todas as áreas, ministérios e estatais que não estão funcionando bem, sem se dar conta do óbvio ululante: o que deve ser trocado de pronto é o errático, polêmico e inepto desgoverno do País. Muda, Brasil!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

MILITARES NO COMANDO

Com efeito, pelo jeito, só falta o presidente Bolsonaro nomear um general para comandar o País. Pobre Brasil...

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A HORA E A VEZ DO PODER

Depois de interferir na presidência da Petrobrás, sem consultar seu "posto Ipiranga', o presidente tem de interferir urgentemente nos aumentos dos preços de alimentos e serviços, que afetam aqueles que lhe darão mais votos em 2022. Deve rever a necessidade de ter tantos ministros tão caros e ineficientes e a importância da saúde dos brasileiros.

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

 VISÃO AMPLIADA

Na realidade, o administrador público precisa ter uma visão ampla da situação da empresa dirigida e do ambiente em que suas ações têm reflexos. No caso da Petrobrás, não se pode admitir que o dirigente maior desconheça ou passe por cima dos reclamos que afetam importantes segmentos sociais, porque as consequências serão graves e não atendem ao interesse nacional. Os caminhoneiros, como todos sabem, não podem arcar com aumentos imediatos de 15%, 17 % ou mais sobre o óleo diesel. Então, outras providências precisam ser tomadas, como, por exemplo, o seguro ou a formação de um fundo compensatório, este sempre usado para amortecer os aumentos e impedir graves danos. A partir dos acontecimentos que determinaram a investida de Bolsonaro na Petrobrás, certamente, teremos novos pensamentos e novas ações para evitar o desgaste e danos à empresa que recentemente saiu da falência.

José Carlos de Carvalho Carneiro         carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

CASO DANIEL SILVEIRA

DECISÃO ACERTADA

Aplausos ao presidente da Câmara, Arthur Lira, pela condução firme e serena no episódio envolvendo o irresponsável e destrambelhado deputado, Daniel Silveira. A maioria esmagadora dos deputados compreendeu a gravidade da situação e não poupou o limbo de Silveira. O episódio ainda vai render drásticas e penosas emoções ao parlamentar medíocre e brutamonte. Fez e faz por merecer. Lira deu o recado com a necessária clareza. A democracia em primeiro lugar. O legítimo e indispensável espírito público não pode ser ameaçado nem ultrajado  por espíritos aventureiros.   Que sirva de exemplo para deputados que exageram no palavreado. Confundindo liberdade de expressão com estupidez e desatinos. A boa convivência política exige respeito. Valentões de meia pataca e exibicionistas com poucos neurônios, sem um pingo de educação, que saiam da política. Quem não respeita os outros, não merece ser respeitado. 

Vicente Limongi Neto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

NADA MUDOU!

Deu a lógica e  a prisão de deputado Daniel Silveira ( PSL-RJ) foi ratificada pela câmara. A celeridade desse caso foi espantosa, excepcional e fugiu  à regra. O senador Chico Rodrigues, famoso pelo dinheiro nas partes íntimas, retomou seu posto como se nada tivesse ocorrido e a deputada Flordelis, suspeita de participação em assassinato, continua  livre. O ministro Alexandre de Moraes, que dispõe do seu próprio A-I5,saiu fortalecido do episódio e se sentirá muito mais confortável para intervir no Executivo e Legislativo, apesar da fala de abuso de autoridade do presidente da câmara Arthur Lira (PP-AL). Esse é o Brasil que não queremos.

José Alcides Muller joséalcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

DÚVIDA

A propósito da prisão do deputado Daniel Silveira, parece que a questão mais importante não está sendo discutida, ou seja: como o cidadão Daniel Silveira foi admitido em seu partido (PSL)? Ninguém verificou seus antecedentes, seu histórico, antes de sua filiação ? Ou será que somente são admitidos os que possuem perfil semelhante ao do deputado ?

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

INSPIRAÇÕES

As manifestações pedindo a volta do AI-5, em Brasília, com a presença do presidente Bolsonaro; as declarações do filho Eduardo, o número 03, afirmando que bastaria um soldado e um cabo para fechar o STF;  e a famosa reunião do dia 22 de abril, quando o ex-ministro Abraham Weintraub disse que botaria todos esses vagabundos na cadeia, começando no ST, foram verdadeiras inspirações para que o valentão deputado federal Daniel Silveira, agora arrependido, gravasse o vídeo que vai detonar sua carreira parlamentar, sem qualquer proteção de seus inspiradores. Fica assim bem claro, que o deprimente episódio não foi um ponto fora da curva, como candidamente tentou demonstrar o quase messiânico presidente da Câmara, Arthur Lira. 

Abel Pires​ Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

SÓ PRA SABER

Como perguntar não é ofensa, será que o nobre deputado Daniel Silveira, mesmo preso, continuará recebendo salário de deputado? A conferir...!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

VIOLÊNCIA E AUTORITARISMO, NÃO!

Não sou a favor de agressões e violência de qualquer tipo e, por isso mesmo, não aprovo a postura do deputado Daniel Silveira. E menos ainda do Supremo Tribunal Federal (STF), ao  agir  autoritariamente, com a Ordem de Prisão ao deputado, o que contraria a nossa Constituição e indica o que poderemos esperar amanhã desse poder que deveria obedecer e preservar as leis, com  ponderação e sem atitudes intempestivas, raivosas mesmo, como se pôde  presenciar com espanto na fala do ministro Alexandre de Moraes.

Neiva Pitta Kadota npkadota@terra.com.br

São Paulo

*

‘CUSPIDA E ESCARRADA’

Engana-se quem entendeu a decisão unânime do STF, referendada pela maioria (364 votos contra 130) da Câmara Federal, de manter preso um truculento deputado carioca como medida contra quem ofendeu e desrespeitou instituições nacionais. O agente dessas ofensas não passa de um retrato pronto e acabado do cidadão grosseiro, agressivo e desbocado que nos preside. É “a cara de um, focinho do outro”. E é a este último que as decisões jurídicas e legislativas extremas se dirigiram, apontando também para seus seguidores fanáticos, radicais e agressivos. O deputado é apenas a imagem, usando agora a expressão correta, “esculpida em carrara” do capitão boquirroto. O episódio serve também para lembrar aos ministros de nossa Suprema Corte, que se sentiram violentamente desrespeitados, que quem exige respeito precisa primeiramente se fazer respeitar. Condição que não tem sido observada ultimamente por suas excelências.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzao@uol.com.br

São Paulo

*

RESPOSTA AO PALÁCIO DO PLANALTO

 Os 11 votos do Supremo Tribunal Federal e os 364 votos da Câmara dos Deputados, condenando o deputado brucutu, foram na verdade um voto de advertência aos articuladores golpistas do Palácio do Planalto. O Brasil não deseja virar um país totalitário de ditaduras de direita ou de esquerda. Somos uma democracia do Estado de Direito, com Três  Poderes harmônicos e independentes, sob a égide de uma Constituição. 

PAULO SERGIO ARISI paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

RÁPIDA MUDANÇA

O deputado Daniel Silveira, que se apresentava como um verdadeiro pit bull , quando percebeu que a cobra iria fumar, transformou-se num pinscher miniatura, porém  já era tarde demais. Além de preso correu sério risco de perder seu mandato.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

QUE VENHAM AS PECS

Excessos não justificam outros excessos! No imbróglio da coercitiva prisão do deputado Daniel Silveira, ficou claro que nem sempre o funesto corporativismo impera na Câmara quando estão em jogo interesses escusos. Esquecidos do efeito Orloff –"Eu sou você amanhã" –, pensando pequeno,  exclusivamente nos umbigos de hoje, em razão de tantos rabos presos no Judiciário, a esmagadora maioria de parlamentares foi avalista da perseguidora decisão corporativista do STF, mantendo o deputado privado de liberdade. Fugindo ao tema, os discursos das lideranças de oposição se prenderam a cansativos ataques ideológicos e revanchistas que fizeram o STF de boi de piranha. Que se danem a legalidade e o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Casa, fórum adequado para apreciar os desvios de seus pares. Alguns fizeram claques à harmonia entre os Três Poderes (que deixou de existir há muito tempo), dentre tantas falsidades e traições dignas de Judas Iscariotes. No rastro midiático, mantida a inusitada coerência (?), se querem mostrar serviço e reconquistar o respeito e a credibilidade da sociedade, tragam à pauta a PEC da Segunda Instância e, por isonomia com o Judiciário, a PEC da Bengala, revogando-se as malfadadas negociações e conchavos em contrário, que exalam fétidos odores da República. Acabem com o troca-troca e o comércio de mãos sujas. Promovam a liberdade total dos rabos presos e amordaçados nos porões do STF e do Congresso. Abaixo o compadrio, retome-se a verdadeira Democracia. Viva a Constituição Cidadã!

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MUNDO EM MARTE, BRASIL EM MORTE

O mundo chega a Marte, enquanto o Brasil chega mais perto  da morte da população e da democracia. O Brasil da extrema ignorância e do atraso mental, liderado por mentes doentias, em marcha acelerada para o abismo do totalitarismo, mostra sua máscara mortuária ao mundo. Ordem unida fascista de um lado e progresso em desconstrução do outro. Lema e povo partidos num dilema mortal para uma nação sem noção e sem moral. Resta a derradeira esperança de que os homens e mulheres esclarecidos sacudam a consciência nacional e acordem a nação deste pesadelo infernal de consciências mortas em floresta petrificada. Inteligência e liberdade abram suas asas sobre nós.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

DE ONTE TIRAR?

O governo batendo cabeça para achar dinheiro para o auxílio emergencial. É sério? Pergunte a qualquer cidadão de onde tirar e todos responderão corte gastos, como fazem as famílias quando o cinto aperta. O que poucas pessoas sabem é que a Coca Cola e a Ambev recebem incentivo do governo. O ministério da Economia e a Receita Federal estimam que o governo perderá  R$ 547 milhões em 2021, R$ 624 milhões em 2022 e R$ 669 milhões em 2023. Se esse dinheiro fosse para baixar o preço dos remédios vá lá, mas sabemos que essas empresas se dão bem e têm lucros bilionários, e pior, dão nó nos impostos,  enquanto isso, na outra ponta,  o povo passa fome.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

INCOMPETÊNCIA MATA

O dia 16/2/21 foi o dia marcado pela prefeitura do Rio de Janeiro para que pessoas de 83 anos recebessem a primeira dose da vacina anti covid-19 num dos vários postos municipais de saúde. Logo após a aplicação naquele dia da injeção de coronovac, recebi a carteira de vacinação onde consta claramente que a segunda dose (indispensável segundo todos os fabricantes) já está marcada para o dia 16/3. No entanto, li nos jornais de 20/2 que o general Pazuello informou ontem, numa reunião com a “Frente nacional de prefeitos”, ter determinado a suspensão da aplicação da segunda dose para que mais pessoas possam receber a primeira. Essa absurda decisão é mais um revoltante retrato da descomunal incompetência e descaso do governo Bolsonaro, que desprezou desde março de 2020 a monumental pandemia de covid-19 (“gripezinha”?), a qual já matou mais de 240 mil brasileiros. Fora Bolsonaro!

Claudio Janowitzer cjanowitzer@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AD REFERENDUM

Diante do tenebroso quadro atual, com uma Anvisa atolada de trabalho e gente em número insuficiente para executá-lo e um Ministério da Saúde incapaz de inspirar a menor credibilidade na negociação da quantidade de vacinas necessárias à imunização da população, urge autorizar às empresas privadas importar e iniciar a vacinação ad referendum da Anvisa.

A única restrição consistirá em divulgar o país de origem do fármaco, que deverá ter sido objeto de aprovação por suas próprias entidades sanitárias, circunstância a ser declarada nos documentos de importação. 

Assinale-se que com a proliferação da pandemia que se alastra por todo o território nacional, não há nenhuma outra alternativa para evitar a perda de tempo e o aumento do número de vítimas fatais.

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

DIAS MELHORES VIRÃO                                                                                   

A pergunta que não quer calar é: como será a vida do brasileiro pós-pandemia do novo coronavírus, que até agora já matou quase 245 mil pessoas e infectou 11 milhões em todo o País? A história tem nos mostrado que os períodos depois de grandes surtos de doenças como a que estamos vivenciando foram de uma recuperação lenta e gradual em muitos sentidos – social, econômico, da própria saúde da população, entre outros. Porém, bastou a notícia de que algumas vacinas já estavam liberadas – mesmo que para uso emergencial e para alguns grupos restritos, como os trabalhadores da linha de frente e idosos com mais de 80 anos, por exemplo – para que milhões de brasileiros saíssem às compras, festas, aglomerações e cometessem os mais desatinados excessos. E, mesmo que o imunizante fosse para todos neste primeiro momento em que a covid-19 continua em média ceifando vidas de mais de mil brasileiros por dia, a nefasta pandemia continua firme trazendo sofrimento dor e mortes. É fato que haverá resquícios dela em alguns lugares, como ocorre com qualquer doença, até que seja erradicada um dia. Foi assim no século 14 com a peste bubônica, que ainda existe, embora em pequena escala, que matou pelo menos 50 milhões de pessoas em todo o mundo. O fato é que, mesmo muitos não acreditando, o fim dos tempos se anuncia cada vez mais próximo. Basta ver as últimas catástrofes e doenças que a humanidade vem vivenciando nos últimos anos. Porém a esperança na cura da covid-19 e o fim das pandemias deve e vai continuar!!!

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.