Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2021 | 03h30

Corrupção

Custo Brasil

Ao anular a quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas (24/2, A4), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu mais uma gigantesca contribuição para a insegurança jurídica que impera no Brasil. Afinal, para que servem as jurisprudências? Com frequência cada vez maior, e para desespero da sociedade, os tribunais superiores têm anulado decisões de instâncias inferiores. O mais triste é que justo a insegurança jurídica é sabidamente o maior componente do custo Brasil. Como é possível vislumbrar um futuro promissor para a Nação com essa instabilidade jurídica?

JOSÉ ELIAS LAIER JOSEELIASLAIER@GMAIL.COM

SÃO CARLOS

*

A prole presidencial

Pronto! Conforme esperado, um filho já foi inocentado.

GUTO PACHECO JAM.PACHECO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Segurança jurídica

Nossos juízes têm mostrado entendimento difuso de nossa Constituição. A interpretação difere conforme as cabeças, as turmas e os locais. Assim, graças a uma cabeça alagoana salvadora, o presidente da Câmara dos Deputados foi salvo pelo gongo e pôde assumir seu mandato. Logo após ser guindado ao posto máximo de seus pares, não aguentou encontrar jornalistas questionando-o a todo momento por decisões tomadas e despachou-os para bem longe dele. Hackers invadiram celulares da força-tarefa da Lava Jato e vazaram para a mídia. Não foi feita perícia, conversas repercutiram como verdadeiras e magistrados nem titubearam em fazê-las valer para os defensores de punidos. E agora um filho do presidente da República recebe de presente a invalidação da quebra de seu sigilo bancário e fiscal. E a isso se dá o nome de “segurança jurídica” neste país...

SERGIO HOLL LARA JRMHOLL.IDT@TERRA.COM.BR

INDAIATUBA

*

Uma coisa é uma coisa...

... e outra coisa é outra coisa. Usar material colhido ilegalmente pela Operação Spoofing (ataque hacker a mensagens de celular) para “crucificar” os procuradores e o juiz da Lava Jato de Curitiba, isso pode. Mas usar as informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) obtidas com a quebra de sigilo bancário e fiscal do filho “zero um” do presidente e mais 94 comparsas para acusá-los no caso das rachadinhas, aí não pode. Deu para entender?

JOSÉ CLAUDIO MARMO RIZZO JCMRIZZO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Rachadinha legal

A anulação pelo STJ da quebra do sigilo bancário e fiscal do senador Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro abre caminho para oficializar o esquema. O gerente-geral do esquema na família Bolsonaro, Fabrício Queiroz, deverá ser solto e reconduzido ao cargo pelo ex-demitido advogado Frederick Wassef. E passará a ser permitido aos políticos com cargo eletivo contratar quem bem entenderem até o limite da verba disponível para tal. Esses funcionários poderão ser fantasmas e continuar a exercer sua ocupação original, até mesmo em outros Estados. Nem será necessário sequer assinar a folha de ponto. Mas todos terão de devolver parte do salário ao gabinete do patrão, de acordo com os porcentuais acordados.

ABEL PIRES RODRIGUES ABLROD@TERRA.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Atalho

O cimento que tapa a rachadinha é o mesmo que pavimenta o caminho para o STF...

A. FERNANDES STANDYBALL@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Desalento

Este país realmente não tem jeito. Dá um desânimo...

ALROGER LUIZ GOMES ALROGER-GOMES@UOL.COM.BR

COTIA

*

Impunidade parlamentar

Congressistas são inimputáveis? Um deputado terrorista que atenta contra a democracia e a favor do fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF) foi preso e uma deputada acusada de mandar matar o marido está com tornozeleira eletrônica em sua residência. Por esses terríveis “abusos de poder” do STF e da Polícia Federal, naturalmente os excelentíssimos senadores e deputados federais se sentiram acuados e desprotegidos. Daí a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) isentando os nossos frágeis representantes do povo dos crimes que praticarem... Seremos o país onde po-

líticos poderão praticar todo tipo de crimes? Uma banana republic de ópera-bufa?

PAULO SERGIO ARISI PAULO.ARISI@GMAIL.COM

PORTO ALEGRE

*

MST x milícias

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, diz a sabedoria popular. Está registrado em vídeo Lula ameaçando convocar o que ele chamou de “exército” de João Pedro Stédile, líder do MST, para defender suas ideias. Bolsonaro apoia, prestigia, reforça e arma as milícias, para consecução de seus planos de poder. O que podemos esperar em 2022, ou antes, se Lula obtiver revisão de suas penas, em especial a recuperação dos direitos políticos?

JORGE CARRANO CARRANO@CARRANO.ADV.BR

NITERÓI (RJ)

*

Em São Paulo

Trem da alegria

Um juiz mandou a Assembleia Legislativa paulista (Alesp) equiparar efetivos e comissionados. Atualmente, a Alesp tem “apenas” 2.479 cargos comissionados, ante 606 concursados. Por que tantos comissionados? São contratados para fazer o quê, exatamente? Por isso não sobra dinheiro para educação, saúde, segurança... Concordo com o leitor sr. Honyldo Roberto Pereira Pinto (22/2) quando ele diz que estamos a caminho de uma comoção social inimaginável. É realmente inaceitável a verdadeira orgia de privilégios e regalias da máquina pública, sem que nós tenhamos meios democráticos de intervir!

CLEO AIDAR CLEOAIDAR@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO



Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


QUANDOS OS VEREADORES SE JUNTAM

Perigo à vista. A Câmara Municipal de São Paulo tem uma agenda importante a debater nos próximos dias. Dentre os assuntos mais relevantes está a Comissão de Política Urbana, onde o Plano Diretor será discutido e também será palco de disputas políticas. Há interesses mil nessas discussões. Outro assunto que merece destaque será a indicação dos cargos de subprefeitos. Hora do loteamento de cargos e, consequentemente, o pagamento de favores. Portanto, munícipe, fique de olho em como votará o seu vereador. Acha que já viu de tudo? Aguarde! Uma outra lei que será votada é conceder licença ao servidor para cuidar do seu animal de estimação quando este estiver doente. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DITADURA E DEMOCRACIA

Que Jair Bolsonaro é contumaz em declarações polêmicas e incoerentes não é nenhuma novidade. Mas por vezes a incoerência é tamanha que chega a desafiar as leis mais elementares da lógica.  Em solenidade de formatura da Escola Preparatória de Cadetes do Exército, em Campinas, ele disparou: “Alguns acham que eu posso fazer tudo. Se tudo tivesse que depender de mim, não seria este o regime que nós estaríamos vivendo. E apesar de tudo eu represento a democracia do Brasil”. Ora, o que isso significa? Sob qual regime, na opinião dele, deveríamos estar vivendo? Uma democracia ditatorial? Ou seria uma ditadura democrática? Ditadura e democracia são como água e óleo – não se misturam. No entanto, para quem disse que a covid-19 é uma gripezinha e que vacina pode transformar alguém em jacaré, é bem possível que água e óleo se misturem e ditadura e democracia sejam compatíveis. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

E NIGUÉM SABIA!

O Estado (22/02, A5 – Debate de lei para defender democracia já dura 30 anos) trouxe uma notícia que talvez a grande maioria dos brasileiros não soubesse. Ora, desde 1991, portanto há 30 anos, repousam nas gavetas da Câmara dos Deputados projetos de lei para revisar a Lei de Segurança Nacional. Todos tentam, desde então, capitular como crime atos que promovam o desiquilíbrio entre os Poderes; o patrocínio contra a ordem social, à democracia, à Defesa do Estado Democrático de Direito, dentre outras no mesmo sentido. Afinal, se a “politicalha” tivesse “algum” compromisso com o Brasil, toda essa insegurança gerada entre os bolsonaristas e o Supremo Tribunal Federal já estaria resolvida, especialmente nesses tempos muito estranhos. É isso que temos para hoje, e ninguém sabia!

 

 Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MEIRELLES

O sr. Meirelles, representante dos banqueiros, esteve em todos os governos, sejam de  direita ou de esquerda. Sabe como esmagar os aposentados do funcionalismo, para aplicar os dividendos nas grandes obras para eleger o seu candidato.

Vicente Cando vicentesararese@gmail.com

São Paulo

*

DO LIXO AO LUXO

Sérgio Moro é um ídolo de barro criado pela Globo, segundo palavras do populista e enganador Lula da Silva. O ex-juiz de Curitiba, defenestrado por petistas e bolsonaristas, é cobiçado por diversos partidos e aplaudido pelo eleitor consciente e esclarecido. Lula da Silva teve tudo ao alcance das mãos para se tornar um grande estadista, mas  não conseguiu resistir  à facilidade de enriquecer ilicitamente e, deu no que deu.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PAULO GUEDES

Não deixa de ser irônico e hilário que Paulo Guedes, o “posto Ipiranga”, o sabichão, que entrou no governo Bolsonaro com uma agenda de privatização e fiador no mercado como condutor da política econômica do governo, na metade do mandato de Jair Bolsonaro se transformou em uma figura decorativa. Bolsonaro, o indomável, é o novo czar da economia, falta muito pouco para ele estatizar Paulo Guedes. Paulo Guedes é a viúva Porcina do governo de Jair Bolsonaro, aquele que foi sem nunca ter sido. No Brasil, de tédio ninguém morre.

Luiz Thadeu – luiz.thadeu@uol.com.br

*

NOMEAÇÃO DE GENERAL

Ao nomear mais um general – o general Joaquim Silva e Luna – para fazer parte do governo Bolsonaro, mais um pouco, vão faltar generais para comandar o Exercito brasileiro. Ou não!!!

Artur Topgian topgian@terra.com.br

São Paulo

*

BOLSO X BOLSA

Economia do Bolso versus Economia da Bolsa derruba ações, por ações do governo antieconomia de mercado.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

INÚTIL

Não satisfeito com os tumultos e prejuízos que criou com a Petrobrás, Bolsonaro diz que agora vai mexer no setor elétrico. Assim sugiro ao presidente inútil que segure um fio de alta tensão desencapado. Nossos problemas mais imediatos ficariam definitivamente resolvidos.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ECONOMIA, QUEM?

Quando um investidor compra ações públicas brasileiras da Petrobrás, Banco do Brasil, etc., aqui ou lá fora, ele esta querendo retorno financeiro. Se há interferência, o investidor cai fora e as ações caem – é a economia. Se o governo quer fazer benevolências,  que use o departamento da empresa destinada só para isto. Por isto que é difícil confiar nas estatais brasileiras, que dependem do humor  e competência de quem nos governa!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

TIRO DE BAZUCA NO PÉ

O presidente Bolsonaro fez sua estreia na gestão da economia de forma catastrófica, causou um prejuízo de dezenas de bilhões de reais apenas com suas tradicionais bravatas. O real motivo do descontentamento de Bolsonaro com a gestão da Petrobras é o fato de o presidente da empresa ter se recusado a gastar R$ 100 milhões em propaganda nos canais dos apoiadores do presidente da República. A única forma de Bolsonaro reverter a queda da bolsa e a disparada do dólar é renunciando à Presidência da República e se declarando inelegível para sempre, o que poderia ser feito em troca de um perdão de todos os crimes dele e de sua família. A renúncia de Bolsonaro e sua família seria um excelente negócio para todos. Pode demorar, mas Bolsonaro certamente será condenado por genocídio na gestão da pandemia, está na hora de ele pensar em seu futuro e no futuro de seus filhos, fora da cadeia.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo                

*

BIOCOMBUSTÍVEIS

O barril de petróleo de melhor qualidade no final desta semana já subiu 55% a mais do que no encerramento do primeiro semestre do ano passado. A principal razão seria o fortíssimo inverno no Hemisfério Norte. Ademais, a paridade dos preços da gasolina automotiva e do diesel, comparados com os valores internacionais, não está ocorrendo na velocidade esperada. Daí a perda de arrecadação da Petrobrás, incidindo em sensíveis prejuízos no pagamento da dívida da estatal, em moeda estrangeira. Enquanto isso, é examinada a hipótese da redução dos tributos nos preços dos combustíveis fósseis e a possível substituição do diesel pelo biometano do gás natural. O biogás poderá ser fabricado com o aproveitamento dos esgotos e do lixo. Ainda, poderá haver maior incremento da vinhaça ou vinhoto, resíduo da fabricação do etanol, eis que cada litro do derivado da cana produz cerca de 12 litros residuais.

Luiz Gonzaga Bertelli lgbertelli@uol.com.br

São Paulo

*

SE O GOVERNO QUER MESMO MOSTRAR SERVIÇO...

Por um lado: hospitais e UTIs sobrecarregados; gente morrendo às pencas; covas de  cemitério cavadas em fileiras; vida econômica, pessoal, familiar e social congeladas; fome.

Por outro lado: vacinas disponíveis com evidências de eficácia em outros países (Sputnik e Pfizer, pelo menos); gasto com vacina seria ridículo, em comparação com o gasto com a doença.

As compras não estão andando:

1- Por preciosismo técnico ("a fase 3 teria que ser no Brasil")

2- Por questões jurídicas superadas em outros países (Pfizer).

3- Por impedimento de particulares comprarem vacinas (por quê?).

Não há gente no governo com coragem e competência para resolver isso?

Joel Massari Rezende     joelrezende07@gmail.com

São Paulo


*

ENTRE UM MERGULHO E OUTRO...

O País pegando fogo, Judiciário e Executivo se estranhando, quase 247 mil mortes pela pandemia, menos de 3% da população vacinada, falta de vacinas e de plano de vacinação e, também, falta do auxílio emergencial, mesmo assim, “entre um mergulho e outro” e com a maior cara de pau, Jair Bolsonaro diz ter comprado milhões de vacinas da Pfizer, só que já foi desmentido. O laboratório disse que não aceita as imposições do negacionista. Depois reclama que é chamado de genocida pelas carreatas pelo País em prol do seu impeachment. Bolsonaro já deu hein! Essa é a sua "Pátria Amada Brasil"?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrbrisola@uol.com.br

São Paulo

*

TOQUE DE RESTRIÇÃO

O governo de São Paulo decretou toque de restrição e, portanto, passou para os 645 prefeitos do Estado o ônus da adoção de medidas mais extremas como toque de recolher e o lockdown. A próxima reclassificação do Plano São Paulo vai mostrar se a medida é tímida ou adequada, dependendo do número de regiões que retrocederão para a fase vermelha.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

VACINAÇÃO

Por questão de lógica os primeiros a serem vacinados deveriam ser os profissionais que se dedicam a salvar ou preservar milhares de vidas, tais como os de saúde da linha de frente contra a covid-19, independentemente da idade, enfermeiros, maqueiros, nutricionistas, fisioterapeutas, técnicos em enfermagem e tomografia, médicos, psicólogos, assistentes sociais e profissionais de serviços gerais são alguns dos muitos trabalhadores que tiveram o dia a dia alterado, dentro e fora de seus trabalhos, com o único objetivo de salvar vidas. Logo após, os motoristas de coletivos, cobradores, professores, taxistas, policiais civis e militares. O último grupo a ser atendido deveria ser o dos idosos, isto porque, uma vez vacinado salva somente a sua própria vida, grupo do qual faço parte.

Pedro Luiz Leopardi leopardi73@gmail.com

*

VACINAS: CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS

O Manual da Capacitação de Pessoal em Vacinação – Uma proposta de treinamento em Serviço – Programa Nacional de Imunizações – Divisão Nacional de Epidemiologia – Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde- Ministério da Saúde (PNI/DNE/SNABS/MS) – preconiza que, ao aplicar vacinas, o profissional deve “puxar um pouco o êmbolo, para verificar se não atingiu algum vaso sanguíneo; caso isso aconteça, recomenda-se retirar a agulha e preparar outra dose.

Tenho observado que, nas administrações de vacinas por via intramuscular a maioria dos profissionais não pratica essa determinação.

José Marta Filho martafilho@uol.com.br

Bauru

*

VACINAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

Sou mantenedora de um colégio, na Vila Mariana, há 40 anos e sei da imensa importância de as escolas terem iniciado as aulas presenciais, mesmo que para apenas 35% dos alunos.  A meu ver, elas deveriam ter reiniciado em 2020, uma vez que estão preparadas, seguindo todos os protocolos sanitários.

Eu também não consigo entender os critérios do Plano Nacional de Imunização, uma vez que os pedagogos, que estão em contato direto com crianças e adolescentes, não fazem parte dos grupos prioritários, inclusive eu, que tenho bem mais de 60 anos e pertenço ao grupo de risco.

É óbvio que os idosos devem ser os primeiros, assim como o pessoal da saúde, que tem contato direto com os doentes. No entanto, tenho conhecimento de que os psicólogos, que não têm contato direto com seus clientes, assim como outras funções que não correm tanto risco, estão sendo vacinados, em detrimento dos profissionais da educação.

Temos conhecimento de que as vacinas estão em falta, no entanto, os critérios também estão deixando a desejar, não acham?

O que fazer com tanta falta de planejamento na área da saúde, num momento tão complexo e delicado?

Maria de Lourdes Alvarenga loualvarenga@gmail.com

São Paulo

*

MANDAR E OBEDECER

Propaganda enganosa é entregar-se gato quando se propagandeou lebre. O presidente Bolsonaro anunciou-se, em campanha eleitoral, como liberal e combatente das corrupções, e entregou-se, finalmente, como interventor autoritário e desastrado na economia e, ainda, como conivente com os malfeitos dos amigos e os de casa. Achávamos, ainda, que, após a presidente Dilma Rousseff, nenhum outro “engarrafador de ventos” surgisse, porém, e com todos os entretanto, eis aí o capitão engarrafador de cloroquinas. Pensávamos que mais nenhum outro maquiador de contas de luz aparecesse, e aís o mesmo capitão prometendo meter o dedo na eletricidade alheia. Populismo, populismo, existe alguém mais parecido com a Dilma do que eu? – perguntou o capitão ao ministro-espelho. Depende, capitão, responderam-lhe todos os ministros, em uníssono, depende da resposta que queiras, pois, por aqui, um manda e os demais apenas obedecem.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gamil.com

Rio de Janeiro

*

ESTILO BOLSONARO

Nosso presidente é muito hábil em destruição.  Começou no início do seu governo pondo na rua um dos generais que havia escolhido. Também o presidente do PSL, que tinha batalhado com ele na eleição de 2018, foi jogado fora quando conveio a Bolsonaro. Infligiu derrotas sucessivas ao ministro Moro, até que este não concordou com seus abusos e irregularidades. Tirou R$ 100 bilhões da Petrobras e milhões também do Banco do Brasil e da Eletrobrás. O mais preocupante é que este senhor tem como seu maior objetivo a destruição de nosso país para se apoderar do poder transformando-nos em uma grande Venezuela. Se nossas instituições não souberem reagir, o abismo é logo aí.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*                                                                                                                  

‘STF NA CONTRAMÃO DA CONSTITUIÇÃO’ CARLOS ALBERTO DI FRANCO

Sou um assíduo leitor dos textos do jornalista Carlos A. Di Franco, mas nesse artigo  me parece que ocorreu uma embaralhada jurídica. Essa defesa sem limite da liberdade de expressão não coaduna com respeito aos preceitos de uma sociedade educada.O ponto fundamental na "bagunça" do Estado Brasileiro está no Congresso, vide o número de congressistas sob a Vara da Justiça e "zanzando por aí".

José Luiz Abraços octopus1@uol.com.br

São Paulo

*

                                              



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.