Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2021 | 03h00

Governo Biden

Cidadãos do mundo

O presidente dos EUA, Joe Biden, está mostrando a que veio. Sua política de legalização dos imigrantes, o ousado plano denominado Ato de Cidadania dos EUA de 2021, outorgará a milhares de imigrantes que chegaram aos EUA ainda crianças o direito de viver plenamente em sociedade, incluídos muitos brasileiros. Atitude que supera, no que diz respeito ao humanismo, até as ações de Barack Obama, de quem Biden foi vice-presidente. Poderá ser o político do século se abrir caminho para a utopia da integração mundial. Sem sonhos os políticos permanecem presos na mediocridade.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA AMADEUGARRIDOADV@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

Desgoverno Bolsonaro

Já passou da hora

A cada dia que passa fica mais evidente o despreparo e a inépcia do nosso mitômano. Trabalha contra a vida ao pregar contra o uso de máscara e o distanciamento social, enquanto declara sandices como deixar de dar auxílio emergencial aos Estados que adotarem lockdown, em claro desconhecimento do que seja um pacto federativo e dos princípios da isonomia e da legalidade. Néscio no assunto, vai contra as leis e a Constituição – que após quase 30 anos como parlamentar ainda não a conhece como deveria – e esquece que quem decide sobre esse tema é o Congresso Nacional. Já passou da hora de trocarmos esse causador de problemas por um verdadeiro chefe de governo, à altura do Brasil.

GUILLERMO ANTONIO ROMERA GUILLERMO.ROMERA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

Ociosidade

Na minha concepção de trabalho, esse presidente, que tenta mostrar serviço, afinal, o que faz? Nada pela educação, nada pela saúde, nada contra a covid-19, nada pela economia, nada de nada! Então sobra o quê? Blá-blá-blá para seu eleitorado. Ah, mexe pauzinhos pelos filhos. Aí, sim, está desculpado...

MARIA INÊS MENDONÇA MIGMENDONCA1@GMAIL.COM

SÃO PAULO

Sem chance

Enquanto tivermos um Bolsonaro como presidente, o Brasil não terá nenhuma chance de sair do buraco.

ROBERT HALLER ROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

A caminho da Venezuela

Os atos de Bolsonaro, desde que assumiu a Presidência da República, foram tomando uma direção cada vez mais suspeita, para um futuro em que este país se tornaria uma ditadura. Mas vamo-nos ater às suas atitudes difíceis de engolir, como as tomadas com relação a esta pandemia, que já matou mais de 250 mil pessoas no Brasil e, obviamente, não chegaria a tanto se providências tivessem sido tomadas por ele no início. Porém, embora alertado por muitos, Bolsonaro preferiu não tomá-las e partiu para o escárnio, chamando a covid-19 de “gripezinha”, e hoje o País patina em sua incompetência na busca de vacinas. Caminhamos rapidamente para os 300 mil óbitos. Em países verdadeiramente sérios ele já estaria sendo julgado, porque, queira ou não, tem muita culpa pelos milhares de mortes já computadas. Todo o comportamento de Bolsonaro traz a suspeita de agir com pretensões a ser um futuro Hugo Chávez, trabalhando num roteiro com o objetivo de que o País chegue a uma situação em que ele acabe como ditador. Basta ver sua insistência em facilitar o armamento da população, que certamente pode terminar em grupos de milícias, compostos por seus adeptos. Sei não, mas a continuar assim o Brasil corre, sim, o risco de virar outra Venezuela.

LAÉRCIO ZANNINI SPETTRO@UOL.COM.BR

GARÇA

Uma pedra no caminho

Uma continha simples para ajudar Bolsonaro no seu projeto de reeleição. Este ano 10,5 milhões vão pagar mais Imposto de Renda pela não correção da tabela. Isso significa que tanto os contribuintes taxados como seus dependentes não votarão nele em 2022. Na minha família são 13 votos perdidos. Entendo que somente os votos de caminhoneiros, defensores de armas e evangélicos não o reelegerão.

LUIZ ANTONIO AMARO DA SILVA ZULLOAMARO@HOTMAIL.COM

GUARULHOS

Corrupção

Soco no estômago

A notícia de reunião do presidente da Câmara com o Grupo Prerrogativas para tratar da PEC da impunidade, que Arthur Lira quer aprovar em regime de urgência, faz lembrar reunião de advogados com clientes antes do julgamento. Afinal, boa parte dos deputados, entre eles o presidente, tem contas a acertar com a Justiça. O mais triste é lembrarmos o esforço e a luta para aprovação da Constituição de 1988 e, hoje, vermos que a atitude irresponsável de um deputado inexpressivo é suficiente para, com urgência, se tentar modificar a nossa Carta Magna. Somos pródigos em fazer loucuras. Quem se lembra da chamada Lei Fleury e do código Buzaid e do que os motivou? Eram leis ordinárias. Mesmo vivendo um momento difícil da vida política brasileira, a aprovação dessas leis repercutiu negativamente. A Câmara precisa ter responsabilidade, juízo e noção da extensão da prisão do deputado. Mudar a Constituição por esse fato é de uma pequenez absurda e um soco no estômago da sociedade brasileira. O presidente da Câmara, por mais enrolado que esteja, precisa ter consciência da importância de seu cargo.

ANTÔNIO DILSON PEREIRA ADVDILSON.PEREIRA@GMAIL.COM

CURITIBA

Sujeira

O excelente editorial A imunidade, a impunidade e a bandidagem (27/2, A3) foi direto ao ponto sobre o que se tornou a Câmara dos Deputados. Ouso, todavia, propor uma alteração no título para A imunidade, a impunidade, a imundície e a bandidagem.

ANTONIO, MANOEL GONZALES SOTELLO TOMSOTELLO@GMAIL.COM     

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

Tenho dito

Para mim, votou a favor da PEC da impunidade é corrupto.

OSCAR THOMPSON OSCARTHOMPSON@HOTMAIL.COM

SANTANA DE PARNAÍBA



Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SERIEDADE

Presidente Bolsonaro: “Exijo da Petrobrás transparência e previsibilidade". Tudo o que ele próprio não pratica. Não dá para levá-lo a sério!


Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo


*

VOTO NULO

Com a liderança de Lyra os deputados, que já gozam de múltiplos privilégios, agora não poderão ser presos também!

Lanço então a campanha do voto nenhum!

Deputados, vereadores, senadores, governadores prefeitos e presidente da República só existem se votarmos neles, então, se anularmos maciçamente nossos votos, eles não existirão!

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

NUVENS NEGRAS

Desde o início da queda de prestígio do presidente Bolsonaro, nuvens negras começaram a rondar o céu de Brasília, sinalizando que a cúpula do governo iniciou a trama de reverter a situação de qualquer maneira, caso contrário a reeleição em 2022 seria comprometida. O primeiro sinal de imediata reversão foi a conquista dos candidatos às presidências da Câmara e Senado. Para tanto, dinheiro para dominar as duas Casas não faltou: o Centrão foi conquistado para poder manejar as votações. O objetivo número dois foi a busca da fonte e dinheiro para outras necessidades. Nesse caso, imitou o governo Lula: conquistar a cúpula da Petrobrás, uma vez que a maioria do conselho já estava nas mãos do governo. Para mostrar "força", abriu o caminho destituindo o atual presidente da estatal de petróleo, e nomeou um general de reserva para a vaga de conselho aberta. A eleição do próximo presidente da Petrobrás estava definida, mais um general na equipe de Bolsonaro. O próximo a cair para dar um lugar a gente afinada com a cúpula governamental será quem? Deve ser alguém da área financeira, gente que sabe onde tem dinheiro para "futuras necessidades"... O problema que Bolsonaro não imagina  é que a nuvem negra pode cobrir a sua cabeça e fazê-lo perder o rumo. Alguém muito mais forte pode tirá-lo do Poder. Esse alguém chama-se povo, verdadeiros brasileiros. 

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

VENCE A CORRUPÇÃO


Quando terminar seu mandato, Jair Bolsonaro certamente vai se orgulhar de ter enterrado a Lava Jato e, apesar de ter prometido em campanha, também, de jamais ter combatido a corrupção!   E agora, mexendo os pauzinhos desta maltratada República, com sua caneta de presidente, conseguiu livrar das cabeludas investigações das criminosas rachadinhas seu filho senador Flavio Bolsonaro, Fabricio de Queiroz e outros ligados a sua família, quando a 5ª Turma, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou por 4 votos a 1 a quebra de sigilo bancário e fiscal de seu filho. O juiz que comandou os votos a favor de Flávio, João Otávio Noronha, tem promessa de Bolsonaro para ser o próximo nomeado para o STF.  Entenderam? Se a caneta de Jair Bolsonaro não serve para respeitar e desenvolver esta Nação, pelo menos, como sua prioridade, serve para salvar familiares e amigos dos atos de corrupção...  Esse é o Brasil que Bolsonaro sonhou...

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

*

TROCAM-SE ARMAS DE FOGO POR VACINAS

Enquanto milhares de brasileiros agonizam pela falta de vacina contra a covid-19, nosso presidente Jair Messias Bolsonaro dribla  projeto de lei para isentar a importação de armas de fogo. Como perguntar não é ofensa: seria esse o mandatário que nós brasileiros desejávamos para governar nossa nação ? Na minha opinião, não ...!


Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com


Jandaia do Sul (PR)


*


PRA QUE SERVE O JAIR?

Como agricultor é um desastre, pois só pensa em colher, ignorando que antes tem a época certa de plantar. Como comerciante, menos ainda, quebraria sem mercadoria pra vender, pois acha que cabe ao fornecedor correr atrás dele. Como industrial, faz produtos de má qualidade, pois renega o conhecimento e é capaz de achar que água sobe morro e fumaça desce. Delegado de polícia nem pensar, não distingue bandido de polícia e acha que são todos a mesma coisa. Finalmente, é um condutor incompetente, pois derrubou o Boeing com 200 milhões de passageiros que lhe deram para pilotar. Pra que serve o Jair?

Alberto Mac Dowell de Figueiredo amdfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*

A IDEOLOGIA DE BOLSONARO


   Jair Messias Bolsonaro, presidente da República sofrida, nunca foi liberal, mas é comandante da extrema direita e da direita radical, movimentos diversos, mas que pregam o mesmo: mudança total no modo de pensar, sentir e agir dos brasileiros, encaminhando-os para os interesses da cúpula onde pululam outros do calibre bolsonarista. O Brasil está diante de uma dificuldade ideológica que, para ser vencida, é preciso entender o seu alcance e os seus objetivos reais, inclusive analisando  as filosofias similares nos EUA e na Europa. Ressalte-se que as providências e ações são segmentadas, e a mira da vez é o STF. É só reparar na imprensa e nas redes sociais!


José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro


*


DESPISTAMENTO BOLSONARO


A total falta de interesse do governo federal na pandemia e nas vacinas só tem uma explicação: estamos prestando tanta atenção a esse tema que nem percebemos a venezuelização de nosso país, que está sendo urdida e implantada por nosso presidente e asseclas.


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com




*

PRIVATIZE-SE TUDO. CHEGA DE GOVERNO-EMPRESÁRIO!

O governo só deve atuar empresarialmente nas áreas básicas em que não há o particular em condição de fazê-lo. Temos bons exemplos de privatizações que contribuíram para o desenvolvimento, como as das companhias telefônicas e assemelhadas, rodovias, aeroportos, siderúrgicas e outros negócios que davam prejuízos quando públicos e hoje são lucrativos. Privatizar tem sido a promessa dos sucessivos governos, embora alguns só a tenham feito para abocanhar os votos da população. Estiveram certos os governos que investiram na criação da infraestrutura. Mas erraram ao não privatizar depois dos serviços consolidados. Isso favoreceu os cabides de emprego, benesses desmedidas, corrupção e outros maus vícios. Bolsonaro enfrentou o engavetamento dos projetos privatizantes submetidos ao Congresso e não conseguiu colocar o programa no ritmo desejado. Removidos os engavetadores da presidência das Casas legislativas, volta à carga. O País não precisa de empresas estatais. A iniciativa privada faz suas tarefas com mais competência. Eletrobrás, Correios e a própria Petrobrás – que hoje está no olho do furacão – são gravosas à Nação e só beneficiam os seus privilegiados servidores, detentores de benesses jamais encontradas na vida real do mercado. Isso precisa acabar. Em janeiro de 2019, ao assumir, o atual governo encontrou 134 estatais. Fez uma revisão nos números e encontrou mais de 600 negócios nos quais o governo tem participação. Mas os processos de desestatização não andaram e até o secretário encarregado da área, Salim Mattar, deixou o cargo.  Espera-se que, agora, o processo deslanche. O dinheiro público deve ser aplicado em Saúde, Educação, Assistência Social, Segurança e outras finalidades de Estado. Jamais para dar boa vida a privilegiados servidores como os das estatais.   

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br    


São Paulo


*     

BRASIL NO RANKING MUNDIAL  


Sob o incompetente, negacionista e retrógrado desgoverno bolsonarista, o Brasil perdeu seis posições no ranking Índice Global de Soft Power (GSPI), que mede a percepção da marca de países ao levar em consideração fatores como reputação, reconhecimento e governança. De acordo com o recém-divulgado relatório da consultoria britânica Brand Finance, fatores como a gestão da crise da covid-19 e a fuga de investidores estrangeiros fizeram o País cair da 29ª posição geral – alcançada em 2020,primeiro ano da listagem – para o atual 35.º lugar. Como consolo, para as mais de 75 mil pessoas pesquisadas ao redor do mundo, o País ganhou pontos por percepção de influência, ocupando a 8.ª posição na categoria de herança cultural, que mede as referências de arte, entretenimento, culinária e esportes, sobretudo pela boa aceitação da renomada música brasileira dos bons e insuperáveis anos da bossa nova. Os três primeiros lugares do GSPI são ocupados por Alemanha, Japão e Reino Unido. O Brasil só conseguirá subir no ranking mundial quando a sua governança tiver o mesmo talento e quilate de João Gilberto, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Carlos Lyra,...Pobre Brasil.


J.S. Decol  decoljs@gmail.com


São Paulo  


*                                                 

DANIEL SILVEIRA

SERÁ?

  Embora muitos não concordem com as ações tomadas pelo STF, em relação ao deputado Daniel Silveira, vocês acham que por conta própria a Câmara iria fazer uma sessão para avaliar os impropérios ditos por ele? O que o STF fez foi dar um breque de arrumação, pois do contrário caminharemos para um golpe. Agora veremos como os deputados resolvem a situação.

           

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

UM PAÍS ANESTESIADO

O precedente de interpretar a Constituição e a lei de acordo com suas conveniências casuísticas, sem respeitar o significado das palavras, sem lógica e sem nenhuma razão, já aconteceu, lá atrás; e depois, as aberrações vieram se repetindo. Ninguém tomou providências quando devia, a imprensa se calou, o povo não foi para as ruas. Ao que estamos assistindo agora é simplesmente mais do mesmo. Estamos prontos para aceitar tudo o que for determinado pelos homúnculos togados. A Nação está anestesiada, à mercê de qualquer coisa. Desse jeito, nem Deus nos protegerá.

 

Olimpio Alvares olimpioa@uol.com.br


Cotia


*

VIOLÊNCIA NO RIO

A rotineira violência urbana no Rio, onde quase diariamente se repetem tiroteios com vítimas fatais, é assustadora. Quase sempre também se repete o roteiro, com a população acusando os policiais pelos confrontos e as autoridades replicando que foram atacados por marginais.  No dia seguinte, tudo se repete produzindo as mesmas tragédias, que parecem inocular um sentimento de abulia na população e também uma similar postura  nas autoridades, que eternizam ditas tragédias entre os cariocas.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com


Rio de Janeiro


*


A VIDA “DURA” DOS BOLEIROS


O técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, entrevistado recentemente, declarou que não  pode um boleiro jogar 75 partidas por ano, e que é preciso um calendário mais racional. A mídia esportiva em uníssono concorda com ele, como também praticamente todos os envolvidos no futebol brasileiro. O Abel e toda a mídia do futebol melhor fariam se, por um momento, quando passassem por um caminhão coletor de lixo, olhassem os garis correndo. Certamente repensarão a vida “dura“ dos boleiros. 

.


Laércio  Zannini spettro@uol.com.br


São Paulo


*

FOR-FLU


Acaba de terminar o Campeonato Brasileirão, a disputa futebolística entre os clubes “Fortaleza e Fluminense” (FOR-FLU), com a vitória por 2x0 para o clube carioca. Foi um jogo disputado com lances bastante interessantes e técnicos. Não há a menor dúvida: o Brasil honra o esporte Bretão e assim continuará.


Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br


São Paulo


*

 

REFLORESTA BRASIL

Que o louvável, necessário e oportuno lançamento da campanha "Refloresta" ,do Instituto Terra, do casal Sebastião Salgado (fotógrafo) e Lélia Wanick, de recuperação do ecossistema da Mata Atlântica operada na sua fazenda "Bulcão", em Aimorés (MG),seja seguido e sirva de inspiração País afora, neste ano da Década da Restauração, nomeada pela ONU.É preciso recuperar o verde vivo da Bandeira Nacional, desbotada ao longo de anos da criminosa e condenável degradação e devastação da riquíssima biodiversidade nacional. Refloresta, Brasil!


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

SOBERBA

Desembargador que humilhou guarda em Santos alega que sofre de "mal psiquiátrico". Só falta agora atribuir um código CID para a doença “soberba”.


Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

PC SIQUEIRA

Agora que não foi encontrada nenhuma prova de pedofilia e assédio por parte de PC Siqueira, o estrago já foi feito É urgente que não façamos prejulgamentos e acabemos com a vida das pessoas. Investigar com todo o rigor estes casos é preciso, mas com acuidade e cuidado.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

INSTITUTO BUTANTAN 120 ANOS

É um orgulho para nós brasileiros ver o Instituto Butantan completando 120 anos de existência.  Graças a seus cientistas, que produzem 70% das vacinas para imunizar a nossa população anualmente, milhares, ou milhões de vidas foram salvas ao longo destes 120 anos de existência. E hoje, em meio a essa pandemia da covid-19, que já infectou mais de 10 milhões de pessoas e causou mais de 250 mil óbitos no Brasil, o Instituto Butantan, diferentemente do governo federal que não se preocupa com essa pandemia, dá sua valiosa contribuição! Já que, com o suporte do governo de São Paulo, em meados de 2020, de forma visionária se antecipou e fez   uma parceria com a Sinovac chinesa, para produzir a vacina Coronavac. Apesar de insuficiente, já imunizou mais de 6 milhões de brasileiros. E deve produzir neste ano para atender aos pedidos do ministério da Saúde um total de até 130 milhões de doses, exportar também para vários países e, ainda, imunizar todos os 46 milhões de pessoas que vivem no Estado de São Paulo. E, com doações da iniciativa privada, uma nova instalação será inaugurada em 2021, para produzir essas vacinas!  Parabéns, Instituto Butantan!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

COSTUMES

Nunca como nesses tempos de recolhimento, perante a atual pandemia, personalidades do mundo artístico, principalmente usaram as redes sociais, como também a mídia impressa especializada, para divulgar seus comportamentos íntimos de cunho erótico, como, por exemplo, tatuagens em partes inusitadas de seus corpos. Tal realidade comportamental parece ser uma fuga da solidão que tais pessoas vivenciam, necessitando de tais exposições para se sentirem equilibradas nesses momentos complicados que vivemos.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com


Rio de Janeiro


*

 

 

 

 

 

 

 




 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.