Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 03h00

Brasil, país sério?

Dia de muitas mentiras

Diretamente do Sindicato dos Metalúrgicos, e sem o menor escrúpulo, Lula da Silva transformou o entendimento da segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a mudança do foro competente para julgá-lo – por chefiar o maior esquema de corrupção no País – em falso, incoerente e espetaculoso reconhecimento de sua “inocência”. Já no Palácio do Planalto, talvez por influência e medo da oratória do ator petista, o presidente Jair Bolsonaro, de máscara e mantendo distanciamento, chegou a defender o lockdown e quase jurou que sempre quis comprar vacinas, discurso cínico e totalmente contrastante com sua conduta durante toda a pandemia, que já mata quase cem pessoas por hora. Se já não existisse um dia consagrado, 10 de março teria tudo para ser lembrado como o da mentira, pela performance dos comandantes dos extremos de nossa patética política.

ABEL PIRES RODRIGUES ABEL@KNN.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Santo de pau oco

Ao ouvir a primeira entrevista coletiva de Lula, fiquei com a impressão de que ele iniciou campanha para sua canonização, e não para a Presidência.

LUIZ ROCHA  DRLUIZROCHA@UOL.COM.BR

GUARULHOS

*

Vira-casaca

O presidente do Brasil sempre foi contra o uso de máscaras e contra o uso de vacinas, em especial se fossem chinesas. Sempre defendeu o uso de medicamentos não aprovados pela comunidade científica. Lembram-se das emas? Mas o presidente do Brasil tomou um tranco do molusco e agora se apresenta completamente diferente. Para quem não é puxa-saco, isso tem nome: coisa de moleque.

SÉRGIO BARBOSA SERGIOBARBOSA19@GMAIL.COM

BATATAIS

*

Mascarado

Só pode ser de vergonha pelas mortes diárias.

ADALBERTO AMARAL ALLEGRINI ADALBERTO.ALLEGRINI@GMAIL.COM

BRAGANÇA PAULISTA

*

Carapuça

Bolsonaro vestiu máscara ou carapuça? Patético e teatral, vindo de um ser verborrágico.

MARCO DULGHEROFF NOVAIS MARCODNOVAIS@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

 *

Miragem

A situação do País está muito difícil. Os vírus se alastram em velocidade incrível e as vacinas, quando chegam, estão muito atrás deles. Vacinação em massa seria, no mínimo, 1 milhão por dia. Não temos porque não há vacinas suficientes – sabemos bem o porquê e quem responsabilizar. Não bastasse, temos agora a história mal contada do foro certo (só agora?) das ações contra Lula da Silva e da anulação das penas dele. Fazendo-se de vítima, faz discurso de injustiçado. Pergunto: isso é verdade? Porque ficamos sem saber se toda a roubalheira apresentada ao País, todo o dinheiro dos apanhados pela Operação Lava Jato e devolvido aos cofres públicos eram apenas miragem, ilusão de ótica. Seria aquele sítio em Atibaia onde todos os objetos eram de Lula e de seus familiares um truque de mágica da força-tarefa que pegou tantos corruptos? E a Petrobrás, a empresa não perdeu nenhum centavo, os esquemas denunciados foram fabricados? A Petrobrás foi processada nos EUA de mentirinha? Tudo muito difuso para os brasileiros. Minha impressão é de ninguém estar nem aí para quem sustenta tudo isso: o povo brasileiro.

MARIA TEREZA CENTOLA MURRAY TEREZAMURRAY@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Bolsolula

Podem-se enganar alguns o tempo todo e todos por algum tempo, mas não todos o tempo todo, já ensinou Abraham Lincoln. Dito isto, podemos afirmar que Bolsonaro e Lula, juntos, vêm enganando uns 70% da população há muito tempo. O Lula, há mais de 30 anos.

OSWALDO BAPTISTA PEREIRA FILHO OSWALDOCPS@TERRA.COM.BR

CAMPINAS

*

Corrupção

Delivery

Mais aviltante do que a desairosa decisão do ministro Edson Fachin foi ouvir o ex-presidiário, corrupto condenado, nocivo e incorrigível, dizer, em bom português, que o ministro Fachin fez o que eles pediram. A Nação está vigilante e haverá reação. O crime não pode prosperar jamais. Viva a Lava Jato!

MOACYR RODRIGUES NOGUEIRA MOACA14@HOTMAIL.COM

SALVADOR

*

No reino da fantasia

Em meio ao festim regado a vinhos premiados, lagostas e caviar, onde imperam a morosidade, a impunidade, a vaidade e egos inflados, quem lá tem afilhados não morre pagão.

CELSO NEVES DACCA CELSODACCA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Ficha moral suja

Embora fartos de saber, é sempre bom lembrar, como fez editorial do Estado, que o sr. Lula tem ficha moral suja. Mas fica a dúvida: não seria essa a razão de seu prestígio neste país, onde rabo abana cachorro?

HOMERO VIANNA JR. HOMEROVIANNAJR@HOTMAIL.COM

NITERÓI (RJ)

*

Vendeta

Editorial preciso, mas é necessário dizer também que temporalmente foi adequado para a defesa que só agora fosse lavada a ficha do Lula, já que favorece a prescrição do processo e das provas, mesmo que o juiz natural venha a querer aproveitá-las e também se não forem invalidadas pela suspeição de Sergio Moro. No mais, é briga das bancas de advogados com Moro, que evitou que cláusulas de remuneração por sucesso virassem honorários para os filiados da OAB. Por falar nisso, por que ministro do STF deveria ter PJ ou cônjuge pertencente a banca? E se Moro está na berlinda por não ter sido o juiz natural do processo ou ter-se comunicado com procuradores, por que quem já foi advogado do PT não segue o exemplo e se declara impedido de julgar causas petistas? Lula quer o poder, os advogados querem mais honorários. Justo. Só não seria caso houvesse a contaminação do devido processo legal.

JOSÉ EDUARDO ZAMBON ELIAS ZAMBONELIAS@HOTMAIL.COM

MARÍLIA

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

LULA X BOLSONARO

A impressionante entrevista do ex-presidente Lula, que se apresentou como o maior adversário de Bolsonaro no pleito de 2022, teve uma mistura do “sapo barbudo”, imagem que tinha até o pleito de 2002, com “Lulinha paz e amor”, que o elegeu. Qual o personagem que vai predominar, se efetivamente for candidato ano que vem, somente saberemos quando a campanha estiver em seu pleno andamento. O estado da crise que estaremos vivendo, com as posturas do atual presidente, decidirá o perfil desse candidato, que agora apenas se apresentou .Quem viver verá.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

BOLSONARO, LULA OU MORO?


Será que em 2022 vamos repetir 2018: votar no Bolsonaro para derrotar o PT, votar no PT para derrotar o Bolsonaro ou anular o voto? Ou temos uma nova opção para derrotar tanto o Lula como o Bolsonaro? Em minha opinião, Moro pode ser a solução para nos livrarmos dos dois demagogos.  Mas qual partido lançaria Moro como candidato à Presidência da República? Qual partido que não tem rabo preso com a Justiça? Estou torcendo por um encontro entre Amoêdo e Moro. 


Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana


*

LULA


A anulação das condenações do ex-presidente Lula abre um espaço para que ele possa se colocar como um candidato nas próximas eleições. E por certo vai  estimular o debate sobre a situação que vivenciamos, e não apenas com os problemas da pandemia.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

A JUSTIÇA, SEMPRE ELA!


Quando o presidente Temer estava preste a conseguir aprovar reformas importantes para muito melhorar nossa economia, apareceu um senhor da justiça que provocou uma interrupção no andamento das ditas reformas. Agora, depois de conseguirmos prender e recuperar bilhões  de larápios, um ou outro ainda preso, mas a maioria lutando para “melar” a Lava Jato e se livrar das acusações, eis que surge outro membro do Judiciário que, querendo salvar parte da Lava Jato e o juiz de Curitiba , fez o pior, sempre com a ajuda de seus pares, jogou a água do banho com a criança.

Infelizmente é o que ocorre no Brasil, o poder responsável por mediar conflitos mais atrapalha do que colabora.        

 

Itamar C. Trevisani itamartrevisani@gmail.com

Jaboticabal


*

NUNCA ANTES NESTE PAÍS...


Lula, após canetada de Fachin, faz o primeiro comício dizendo ter sido vítima  da maior mentira jurídica deste país,  e nós fomos  roubados durante 16 anos pelo maior estelionatário eleitoral já conhecido da história. Vai  recomeçar aquela velha ladainha do pobre no avião, na universidade, na política sul-sul, no sindicalismo e nas palestras fajutas. Caso retome o poder, tendo em vista a inoperância e irresponsabilidade do capitão cloroquina, resta saber quem serão os novos Zé Dirceus , Delúbios, Palolcis, Mantegas, Dilmas.....


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*


MOCINHO E BANDIDO


Num piscar de olhos, o ficha-suja condenado Lula de bandido vira mocinho, e o mocinho paladino da Justiça, ex-juiz Sérgio Moro, de xerife vira bandido.

Só mesmo no Brasil, onde o impossível acontece e o rabo abana o cachorro.


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*


VOLTAMOS À CANTILENA


E lá vem o PT com a cantilena de sempre, agora com as bênçãos do STF. O ex-presidiário Lula sabe que seu discurso ainda entra na cabeça das pessoas. Diz ele que sua condenação foi a maior mentira jurídica contada neste país. E agora a decisão do STF é o maior imbróglio jurídico,   caso a decisão seja mantida. A verdade é que Lula sempre contou com chicanas e prescrições para voltar a concorrer à Presidência, como um possível ficha-limpa.  Os leigos jamais entenderão o que houve, assim como muitos advogados não compreendem tal decisão. O fato é que Lula foi premiado com a decisão do ministro Fachin, mas continuará moralmente um ficha-suja, pois o maior assalto praticado na Petrobrás jamais será esquecido e o trabalho do juiz Moro na Lava  Jato ficará para sempre na memória dos brasileiros, como a maior operação que conseguiu levar à cadeia os ladrões do colarinho branco. Restará ao cidadão separar o joio do trigo, já que na justiça dos homens é difícil confiar. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*

INVERSÃO DE VALORES

 

É o fim da picada. Para o STF é um detalhe irrelevante a bandidagem se estruturar criminosamente para alavancar ganhos na prática de corrupção, mas é de suma relevância e considerada ilegal a troca de informações dos justiceiros para desbaratar a corrupção. Não é ficção. Foram 14 longos anos dilapidando a Petrobrás, prejudicando o Brasil e ajudando ditadores externos, enquanto Moro e Dallagnol, heróis brasileiros no combate à corrupção até então arraigada na impunidade de figuras carimbadas, viraram transgressores da lei para a nossa enciumada ilibada Corte. Justo quem deveria apoiar e incrementar o combate à corrupção desmerece os verdadeiros justiceiros, heróis brasileiros. Ainda não caiu a ficha da Justiça que, para prender bandidos vale tudo: “Os fins justificam os meios”.

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Vilha (ES)


*

IGNORAR CRIMES PODE


“Não dá para combater crime cometendo crime”, afirmou o ministro Gilmar Mendes ao se referir aos possíveis excessos cometidos pelo ex-juiz Sérgio Moro na Lava Jato. Colocação corretíssima, profundamente justa e ética. Entretanto, ignorar pura e simplesmente todas as evidências robustas e abundantes de corrupção que pesam contra Lula não configura, por si, um crime? Combater alguns crimes e ignorar outros, isso sim é, nas palavras de Gilmar Mendes, o “ó do borogodó”. 


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

GRANDE OU PEQUENO?


Até que Gilmar Mendes falou algo correto: “Cada um vai ter seu tamanho no final da história”. Será que o dele vai ser grande?


Francisco Geraldo  Salgado Cesar fgscesar@hotmail.com

Guarujá


*



E AGORA, JAIR?


Com a reviravolta do caso “Lula condenado vem aí”, tudo em função do desgoverno de Jair Bolsonaro, que conseguiu a “proeza” de aniquilar a “tigrada” petista e agora, por sua culpa, conseguiu o retorno da quadrilha, a pergunta que não quer calar é: “E agora, José, digo Jair”?           

 


Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo    

 

*

O ROTO E O RASGADO


A recente decisão do ministro Fachin – a despeito de sua provável intenção de preservar a Lava-Jato – nos leva a mais uma situação surreal.

Se somarmos a previsível decisão da 2ª turma do STF, com a anunciada reversão do voto da ministra Carmen Lúcia, o circo, que nunca foi desmontado, está mais montado do que nunca.

 Os lulopetistas que andavam discretos nas redes – parecendo mesmo ter consentido calados com as punições infringidas ao maior esquema de corrupção já visto no País – voltam a soprar suas vuvuzelas com renovada energia.

 Ah... como se não bastasse a algazarra dissonante e irracional dos adoradores do “mito”, agora temos também lulopestistas dançando ao som da decisão do ministro Gilmar Mendes.  

Farinhas de um mesmo saco, nosso desajustado presidente catalisa a volta de Lula ao cenário político, como que retribuindo o favor que o próprio Lula lhe prestou na eleição de 2018. Um círculo vicioso no embate entre o roto e o rasgado.

Para os que, como eu, acreditam em uma democracia liberal e social, fica uma inevitável sensação de abandono e de desalento.


José Roberto Monteiro jm6042645@gmail.com

São Paulo


*

GENOCÍDIOS


Se Lula quiser retornar à Presidência da República terá que angariar votos entre os 57 milhões de eleitores de Bolsonaro. Não ajudará nisso a esquerda atribuir a esses eleitores a responsabilidade moral pelo atual genocídio no Brasil, pois nenhum deles votou em carnificina como programa de governo. Além do mais, mesmo horrendo, o número de mortos, hoje, no Brasil, dista dos estimados 20 milhões na URSS, 65 milhões na China e 1 milhão no Vietnã, resultantes de genocídios da esquerda no passado.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

ANULAR AS PENAS DE LULA, UM PERIGOSO PRECEDENTE

É um petardo a decisão do ministro Edson Fachin que anula as condenações do ex-presidente Lula. Estranha-se, porém, que os processos tramitaram por pelo menos sete anos e precisou chegar à Suprema Corte para alguém de lá encontrar nulidades. Se a decisão tiver fundamento, o próprio réu saiu-se prejudicado porque foi processado, condenado e cumpriu mais de 500 dias de cadeia. Não queremos, a priori, acatar a ideia de que o ministro seria militante das causas petistas ou qualquer outra que negue sua imparcialidade ou  honorabilidade. Mas não se pode ignorar que a anulação das penas do ex-governante dará condições aos demais envolvidos nos escândalos de corrupção – ex-ministros, parlamentares, políticos, empreiteiros e executivos públicos e privados –para pedirem também a revisão de suas punições e, até, o reembolso do dinheiro roubado que restituíram à Justiça e aos cofres públicos. Temos sobre a mesa a segurança jurídica ameaçada. Será necessário desvendar por que, mesmo com as impropriedades alegadas pelo ministro, o ex-governante foi também condenado (e até teve sua pena majorada) no Tribunal Federal de Recursos de Porto Alegre e as sentenças confirmadas no Superior Tribunal de Justiça (STJ), a segunda mais alta Corte judicial brasileira. Teriam aqueles colegiados falhado? Espera-se que o  plenário do STF adote todo cuidado para definir a questão de forma a desfazer as interrogações decorrentes do despacho monocrático de Fachin. Essa definição em relação ao próprio rito e comportamento judicial terá peso maior do que o destino que dará a Lula...            

           

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

LENDO NAS ENTRELINHAS

O general Santos Cruz, em entrevista ao Estadão, referindo-se ao cancelamento, por decisão do ministro Edson Fachin, dos processos em que o réu Lula da Silva havia sido condenado,  declarou: “Até o plenário do Supremo se manifestar, tem um caminho a percorrer juridicamente... tem de esperar, ainda há passos jurídicos. Ninguém tem de se precipitar...” Fico a imaginar, depois do julgamento do plenário, conforme for o resultado, haverá um pronunciamento do Exército? Tirem suas conclusões.

Rubens Guiguet Leal rubensgleal@uol.com.br

Americana

*

LÍDER


O presidente Bolsonaro é mesmo um líder mundial. O mundo inteiro está preocupado com as atitudes dele em relação à pandemia.


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*

SEM TARJA PRETA


Em nome da Lei de Acesso à Informação (LAI),de n° 12.527, de 2011, que assegura o direito fundamental de acesso às informações produzidas ou armazenadas por órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, a sociedade civil exige que o cartório Allan Guerra, de Brazlândia, a 50km do centro de Brasília, de propriedade do presidente da Associação dos Notários e Registradores do Distrito Federal (Anoreg-DF), Allan Guerra Nunes, retire de pronto as tarjas pretas que impedem a visualização completa da escritura pública da nababesca mansão recém-adquirida pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e sua esposa no privilegiado setor Dom Bosco (DF) por exorbitantes R$ 6 milhões, a juros de financiamento de pai para filho do Banco Regional de Brasília. Transparência já!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*


TERRAPLANISTA


Em longo discurso, Lula finamente conseguiu explicar o que eu não conseguia entender. A terra é plana. 


Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba


*

PRÓ E CONTRA


Se Bolsonaro e Lula estão irmanados em seus esforços e confrontos contra o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro, uma coisa é certa: um dos lados é favorável e outro é desfavorável aos verdadeiros interesses do Brasil. Alguém arrisca apontar qual deles é o desfavorável e qual é o favorável?


Marcelo Gomes Jorge Feres Marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*



PERGUNTAR NÃO OFENDE

Diante dos mais recentes pronunciamentos do STF, perguntas que não querem calar e que devem ser respondidas ao povo brasileiro:                        

1- O Sr. Lula avançou, ou não, sobre o dinheiro público, locupletando-se ilicitamente?                   

2- O dinheiro da Petrobrás foi roubado, ou é tudo balela?           

3- Os grandes empreiteiros, réus confessos, praticaram atos de corrupção? Com ou sem a participação de políticos?                          

4- O dinheiro do povo, sob gestão do BNDES, foi ou não foi entregue sem lastro, de mão beijada, a ditadores aliados dos governantes do PT?      

5- Aqueles que roubam dinheiro público são elegíveis?    

6-  As recentes decisões da 2ª Turma do STF ensejarão a absolvição do sr. Lula por força da prescrição?                    

7- Os telefonemas dados por um ministro relator a um réu a ser julgado pela Corte (em torno de 40), também não induz à suspeição do referido juiz?                  

8- As provas obtidas ilicitamente passaram a ter validade no direito brasileiro?             

9- É justo conceder liberdade a bandidos notórios por deficiências processuais?

Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

 

*













 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.