Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2021 | 03h00

 Desgoverno Bolsonaro

Sempre os pobres...

O governo quer reduzir o seguro-desemprego. A meu ver, no meio de uma pandemia e diante de mais de 13 milhões de desempregados, isso é uma provocação ao povo brasileiro. Pois, com todas as dificuldades que o Brasil atravessa, o Executivo, o Judiciário e o Legislativo não abrem mão de seus privilégios e abusos. É hora de sacrifícios de todos os brasileiros!

ESMÊNIA DAS GRAÇAS SILVA ESMENIA.SILVA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Providências fundamentais

O momento presente de pandemia, de debate aberto sobre as próximas eleições presidenciais e de discussão sobre a conveniência da abertura de uma CPI da Saúde, enseja a sugestão de duas soluções voltadas para os reais interesses dos brasileiros. 1) A indicação de um nome forte e não radical para ser o candidato do campo central, unindo todas as forças do centro político em seu favor, seria, no meu entender, o ideal. 2) A abertura de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre o comportamento de Jair Bolsonaro, especialmente suas atitudes na condução dos problemas decorrentes da covid-19, faria o governo da República centrar sua atuação nos problemas do País, deixando de lado questiúnculas sem interesse para os brasileiros. Certamente as situações se ajustariam para prestigiar os interesses nacionais. Ou não?

JOSÉ CARLOS DE CARVALHO CARNEIRO CARNEIRO.JCC@UOL.COM.BR

RIO CLARO

*

Corrupção e eleição

O Brasil merece melhor sorte

Bolsonaro é o presidente do presente. Mas no passado tivemos um presidente que interveio numa empresa privada pressionando a troca do CEO da Vale (Roger Agnelli), protegeu um terrorista italiano (Cesare Battisti) e um francês incentivador da invasão de terras e depredação de patrimônio privado (José Bové), criticava a imprensa, incitou a luta de classes (“nós contra eles”), jogou dois jovens boxeadores cubanos aos leões de Cuba, orgulhava-se de nunca ter lido um livro, fez negócios obscuros com seus familiares e amigos, exportou a corrupção para a América do Sul e a África, encheu os órgãos governamentais de ideólogos e sindicalistas. Ou seja, os lados opostos são extremamente parecidos, mudam apenas os personagens. Cabe à sociedade, aos formadores de opinião, aos representantes de classe, às instituições e à classe política digna achar um nome que seja sensato, centrado, equilibrado, tenha visão de Estado e seja desprovido de vaidades pessoais. Essa polarização prometida para 2022 não será boa para nós.

MÁRCIO ROBERTO LOPES DA SILVA MARCIOPED.ITU@GMAIL.COM

ITU

*

Boa memória

É, todos nós sabemos o que Lula fez nos verões passados...

WALTER TRANCHESI RORIZ WTRORIZ@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Empate técnico

Nessa polarização já posta entre Jair Bolsonaro e Lula da Silva fica difícil abordar a questão da corrupção focando apenas no petista pelos crimes a ele atribuídos e que o levaram à prisão. Se formos por aí, teremos necessariamente de falar das rachadinhas da família Bolsonaro, tendo como administrador o miliciano Fabrício Queiroz. Não é nada bonito o que a Justiça já encontrou, como as aquisições subfaturadas de dezenas de imóveis, a maioria deles paga com dinheiro em espécie. E, convenhamos, um jovem senador, antes deputado estadual no Rio de Janeiro, como o filho “zero um”, conseguir comprar uma mansão de luxo por R$ 6 milhões, em condições pra lá de privilegiadas... Isso não é para qualquer um, salvo para o garoto fenômeno. Além disso, pai e irmãos são suspeitíssimos da mesma prática. Resta, então, competir em termos de quem é mais corrupto, Lula ou Jair. E se estamos a exigir ética na política, não é o quanto que importa, mas o quê e o porquê. Não adianta apontar só os crimes de Lula da Silva como símbolo da corrupção em penca no País. Olhemos igualmente as barbaridades que têm sido cometidas para esconder os escândalos da família Bolsonaro. Resultado: nesse quesito, desgraçadamente, há um nefasto empate técnico.

ELIANA FRANÇA LEME EFLEME@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

O palanqueiro

Lula livre até quando? O momento é apenas de mudança de tribunal para novo julgamento dos crimes de que ele é acusado. Continua devendo à Justiça. Como a esquerda é oportunista e sagaz, a estratégia agora é transformar Lula da Silva, de novo, em palanqueiro de comícios inflamados e assim, com sua verborreia, cair nos braços do povo como herói nacional a ponto de comprometer – ou intimidar – o julgamento que o espera em Brasília.

MARCELO DE LIMA ARAÚJO MARCELODELIMAARAUJO@YAHOO.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Salvação

Lula é duplamente culpado pelo atual estado de coisas no País. Roubou e quebrou o Brasil e me fez votar no Bolsonaro, que está acabando com a economia e com nossos valores morais. Espero que um tertius em 2022 recupere nossa autoestima e tenha um plano para salvar nossa dignidade e nos tirar dessa tragédia anunciada.

LUIZ FRID FRIDLUIZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Resgate da dignidade

Querer desmerecer o trabalho do juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato é um desserviço à Nação. Nunca tão poucos fizeram tanto para resgatar a nossa dignidade.

NIVALDO RIBEIRO SANTOS NIVASAN1928@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Nem Bolsonaro nem Lula

A melhor solução para nos livrarmos de Bolsonaro não é o impeachment, mas uma camisa de força. Em 2022, nem Bolsonaro nem Lula! O Brasil precisa de alguém educado, competente, culto, íntegro na Presidência da República. Alguém do tipo Sergio Moro. Acorda, gigante!

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES CARMEN_TUNES@YAHOO.COM.BR

AMERICANA

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PASSANDO A BOIADA

Com a anulação das condenações do demiurgo de Garanhuns, o ministro Edson Fachin escancarou, literalmente, a tão famigerada ideia de “passando a boiada”. Ora, a defesa de Fabrício Queiróz – rachadinha – já requereu sua liberdade e, assim, uma imensa fila – sem distanciamento social – já se formou. Com essa “canetada”, o povo de bem pergunta a Fachin: “Até tu que tanto combatia a corrupção”? Pobre Brasil!

Julio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

STF ORÁCULO


O STF se transformou no “oráculo político” da nação brasileira, onde a Constituição é um mero disfarce escrito da democracia. Já vai longe a época em que o STF praticava o direito constitucional, atualmente apenas exerce a judicialização de interesses políticos!" 

Francisco José Sidoti fransidoti@gamil.com

São Paulo


*

ELE ABUSOU


Parafraseando Vinicius de Moraes, Fachin abusou, tirou partido de nós, abusou. E agora está sob proteção!

Aliás, o STF vem abusando, vem ousando contra a paciência e a inteligência do povo faz tempo, soltando bandidos de colarinho branco e/ou encardidos e até traficantes e assassinos. Depois os ministros se dizem ameaçados porque o povo fez um buzinaço em frente ao condomínio do Fachin! Alguém jogou uma bomba, um rojãozinho? Não! Foi clamor de buzinaço, que é o que as restrições da pandemia nos permitem. Estão com medinho? Isso é ótimo, porque nós também estamos com muito medo do rumo que os 11 senhores estão fazendo o País tomar! Tomem tento e tenho dito!


Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo


*

BOLSONARO NÃO VENCE EM 2022

Como resultado da péssima gestão e desprezo total à ciência e salvar vidas, Jair Bolsonaro, numa pesquisa da Atlas, realizada depois da absurda decisão de Edson Fachin, de anular as condenações de Lula, se a eleição fosse hoje, perderia no 2º turno para 4 possíveis candidatos. Lula venceria Bolsonaro por 44,9% ante 38%. Ciro Gomes (PDT-CE) derrotaria o atual presidente por 44,7% a 37,5%. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) daria um nó em Bolsonaro por 46,6% ante 36,9%. E Fernando Haddad (PT-SP) venceria por 43% a 39,4%. Esta pesquisa, também aponta que a avaliação negativa desta gestão Bolsonaro é altíssima, de 57%. Ou seja, Bolsonaro, paga, hoje, o preço de seus graves erros. Como do abandono das nossas prioridades, de zombar desta pandemia, da não compra de vacinas, seringas, agulhas, etc. E por tratar o povo brasileiro como se fosse idiota. E, se é que, vai terminar seu mandato, para sua pretensa reeleição em 2022, o quadro é de total frustração. Ele faz por merecer.     

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O PIOR BURRO É O QUE NÃO QUER APRENDER


Depois de dois anos na Presidência da República, Jair Bolsonaro segue governando usando apenas suas convicções pessoas, não ouve ninguém, demite quem tem opiniões diferentes das suas. Bolsonaro poderia usar sua passagem pela Presidência da República para crescer, aprender, tornar-se uma pessoa melhor. Bolsonaro poderia se fazer assessorar pelos maiores especialistas de cada assunto, do mundo inteiro, todos teriam prazer em compartilhar informações com o presidente do Brasil. Ambientalistas renomados poderiam explicar a importância da Amazônia, médicos laureados com o prêmio Nobel poderiam explicar a melhor maneira de lidar com a pandemia. Nada disso interessa a Jair Bolsonaro, ele já tem a sua velha opinião formada sobre todos os assuntos, via de regra, ele está errado. É uma pena que um país com um potencial fantástico como o Brasil seja governado por um homem das cavernas, no pior sentido da expressão. Bolsonaro é um guardião do atraso, um paladino da ignorância, seu discurso é tão fraco, tão péssimo, que faz com que Lula da Silva pareça um gênio. Pobre Brasil.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

O ROTO  FALANDO DO ESFARRAPADO        

Após o “discurso” do condenado Lula da Silva – o esfarrapado –, o presidente Jair Bolsonaro – o roto – disse que “Lula está em plena campanha política; para elle tudo é fácil; elle não sabe o que fala; elle não tem argumento”, entre outras coisas no mesmo sentido. Na verdade, trata-se do clássico O roto falando do esfarrapado, pois ambos estão em plena campanha para 2022 e nenhum deles tem qualquer argumento sólido e sustentável e, assim, não sabem o que falam. Afinal, as semelhanças dos dois são evidentes e todas saem do mesmo saco. Pobre povo brasileiro!           

 

 Julio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

AÉCIO


Refletindo sobre os meandros da mente humana, chama-nos a atenção a obsessão de certos "paladinos da moralidade", vociferando pela condenação do Lula. Nunca foram, porém, capazes de um mínimo de autocrítica com sua hipocrisia e desonestidade intelectual, já que não estão nem aí para a impunidade do Aecinho, no qual sempre votaram. Apesar das malas de dinheiro e outras cositas, pouco se lixam se o “nobre” político está – como sempre esteve – livre, leve e solto...

Pode, Freud?


Nuno Lima Melo Filho nunomeloadv@yahoo.com.br

Serra (MG)


*


PROVA DE HONESTIDADE

 

O ex-presidiário, o mais honesto dos brasileiros, elogiou o ministro Fachin por tê-lo livrado das falsas acusações. Seria justo devolver integralmente toda a grana afanada da Petrobrás para mostrar que, de fato, foi um erro jurídico e confirmar ser elle o homem mais honesto do Brasil. Será a forma irrefutável da sua honestidade embora, mesmo assim, nem todos acreditem.


Humberto Schuwartz Soares h-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 


QUEM É QUEM

Há dias, no Supremo Tribunal Federal,  um didático slogan foi reapresentado: “Não se combate crime com outro crime”. Entendido, mas onde devemos encaixar os hackers, seus clientes e as gravações criminosas?

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

GILMAR X MORO

Gilmar está usando dois pesos e duas medidas ao se utilizar de provas ilícitas para, de um lado, inocentar Lula e, de outro, incriminar Moro. Pode? Já não basta ele ter destruído a Lava Jato?


Marcio da Cruz Leite marcio.leite@terra.com.br

Itu


*

O ‘Ó DO BOROGODÓ’


Até ontem, o juiz Sérgio Moro era considerado um herói popular porque conseguiu meter na cadeia políticos e empresários corruptos, que nunca eram importunados e junto também foi o ex-presidente Lula, em cujo período de governo foi montado o maior sistema de corrupção que o País já conheceu. Hoje, Sérgio Moro é considerado um criminoso porque é acusado de usar métodos considerados ilegais para conseguir pôr na cadeia um bando de infratores que nunca imaginavam passar por este dissabor, afinal, eram membros de um  empresariado bilionário corruptor,  associados desde sempre com uma politicalha corruptível. Condenam Sérgio Moro e,  então, como fica toda essa podridão ? Varrem para o lixo as provas? O dinheiro recuperado será devolvido aos criminosos? Pois é, depois do resultado dessa sessão onde Moro foi chutado como um cão sarnento, Lula, com a maior cara de pau, já faz discurso de candidato  à Presidência. Curioso foi aparecerem agora tantos criticando Moro  e defendendo que seja processado, como ex-ministros de Justiça, políticos e conhecidas figurinhas petistas carimbadas,  por que quando na ativa não trabalharam firme  na busca de  provas legais para uma condenação de toda essa quadrilha responsável por desvios de bilhões de reais, porque também não buscaram apoio para modernizar nossas leis feitas mais para dificultar a justiça,  porque hoje não prestam atenção na Câmara federal onde a politicalha quer alterar a Lei da Ficha Limpa? Na sessão onde Moro foi julgado, louvou-se o trabalho apuradíssimo do acusador que foi buscar fatos sobre Moro de mais de 10 anos para apoiar sua acusação e encerrou com algo cômico, quando falou sobre gente querendo ser o “ Ó do borogodó”! Quem mesmo?


Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo


*

ESPERANÇA


Depois de a Procuradoria-Geral da República apresentar recurso contra a decisão de Edson Fachin de favorecer Lula da Silva, resta dizer que ainda há um fio de esperança de ver o “mais honesto” sepultado politicamente.


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*

EDUARDO BOLSONARO

Eu e um de meus netos assistíamos a um telejornal quando foi feita referência sobre a atitude do deputado federal Eduardo Bolsonaro quando questionado pela imprensa sobre o uso da máscara durante a viagem para Israel.  Na reportagem foi mostrado só o movimento labial do parlamentar e o adolescente, interessado em saber o que o deputado grosseiro quis dizer,  pediu-me   que lhe esclarecesse.  Fiquei sem saber o que falar.  Estava com vergonha de repetir a frase do deputado. Meditei um pouco e optei por dizê-la.  Meu neto ficou estarrecido e disse:  o que leva o eleitor a votar num “cabra” desse.  Um deputado que   só envergonha a Câmara. Nas próximas eleições  votarei e farei de tudo para fazer uma boa escolha.  Tomara que todos os adolescentes do Brasil  que votarão em 2022 pensem da mesma forma que o meu neto.

Jeovah Ferreira jeovahbj@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*


LADO A LADO


Este comentário é feito com base em dois artigos publicados na página A2 do Estadão (12/3). Um, Imparcialidade ou caos judiciário, de autoria de um advogado “de porta de mansão”, e o outro, A legitimidade das instituições, escrito por um sociólogo. Ambos longos e, como não poderia deixar de ser, muito bem redigidos. Por isso, vamos nos ater à comparação do resumo sucinto contido na parte central de cada um. O artigo do advogado é resumido com “Podemos estar nos encaminhando para o Estado punitivo, em lugar do Estado juiz”. Ora, sem contar os facínoras das ruas que matam de forma atroz milhares de vítimas inocentes semanalmente, o que pretende esse advogado para seus clientes ricos poderosos e corruptos? Que em vez da prisão eles recebam uma advertência, contida no cartão de um buquê de flores, recomendando que não voltem a roubar o Estado, que somos todos nós? Ora, ora, ora, doutor! A resposta a essa posição é dada ao lado no artigo no sociólogo resumido com “Os conluios pela impunidade de políticos têm predominado nas Cortes superiores”. Por ser um resumo faltou complementar “políticos” com outros ricos e poderosos empresários corruptos e “Cortes superiores” em conluio (estes “legais”) com as grandes bancas advocatícias que, em troca recebem régios honorários de seus clientes, sem que se possa saber a origem dos recursos utilizados nos pagamentos. Aí estão, lado a lado, as considerações necessárias a esses temas.


José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo


*

PARAFERNÁLIA JURÍDICA


No editorial do Estadão (12/3)  O equilíbrio do sistema de justiça penal, diz-se que: “É necessário respeitar a separação das funções investigativa, acusatória e judicante”. Plenamente de acordo, mas, quando isso não acontece, vira essa parafernália a que estamos assistindo. E quem vai brecar essa sandice? Aqueles que investigam, acusam e julgam? Assim, fica difícil entender a lei neste país. Se podem complicar para que facilitar? E o Congresso, que é quem deveria resolver, está de joelhos, deixando que suas funções sejam exercidas por quem quiser.

Izabel Avallone izabelavallone@gamil.com

São Paulo

*


BRASIL NA UTI


O que está faltando para o governo brasileiro decretar um lockdown nacional e pedir ajuda internacional? Mais de 270 mil mortes?      

Sylvio Ferreira sylvioferreira@hotmail.com

São Paulo


*


O VACINADOR BIDEN


 Liderar um país com sabedoria é agir para o bem da maioria da nação. O presidente americano, Joe Biden, prometeu aplicar 100 milhões de vacinas em 100 dias. Já cumpriu a promessa em 52 dias. Setenta milhões de americanos já receberam uma dose e 35 milhões, duas doses. Biden tratou de comprar vacinas para imunizar todos os 332 milhões de americanos e muito mais. O que sobrar, e vai sobrar muito, ele doará aos menos afortunados, por falta de vontade de seus governos, como no caso do Brasil, ou por não terem dinheiro para comprá-las, como dezenas de países pobres e sem poder político. Biden dá uma lição aos americanos idiotas e negacionistas que votaram em Donald Trump e aos governos e povos de outra nações liderados por maus políticos, ignorantes e incompetentes.

Em 4 de Julho, dia da Independência americana, Joe Biden quer ver todos vacinados. E nós babando de inveja e vergonha.


Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre



*

BRASIL NO RANKING


E o Brasil, que é o segundo país no macabro ranking mundial de número de óbitos pela covid-19, com mais de 275 mil pessoas, acaba de ultrapassar a Índia em número de infectados, com nada menos que 11 milhões (!) de casos positivados. Enquanto a contaminação se propaga na velocidade da luz, a vacinação do desgoverno negacionista Bolsonaro segue a conta-gotas. Haja UTIs e covas nos cemitérios! Pobre Brasil...


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*




PANDEMIA – AGRAVAMENTO EM SÃO PAULO


Nossos governantes deveriam preferencialmente cuidar de conter as festas clandestinas e escalonar o fluxo no transporte de massa, assim certamente resolveriam o agravamento de contaminações, em vez de quebrar a economia com o fechamento de tudo. Santa burrice em nome da ciência. Tiveram um ano para equipar hospitais com UTIs e não o fizeram, ficam esperando o governo federal e seu general “Pesadelo”. E já que o governo da Bahia está comprando vacinas, fora do Ministério federal, é hora do João Doria trazer da China insumos só para o nosso Estado, o mais prejudicado pelo vírus.


Ronaldo Rossi Ronaldo.rossi1@terra.com.br

São Paulo


*


ENTREVISTA DE CARLA ZAMBELLI


Na entrevista dada ao Estadão (13/3, A10), a deputada extrema-bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP),recém-eleita presidente da Comissão do Meio Ambiente, que aparece na foto exibindo sua pistola Taurus 380 branca, personalizada com seu nome (!),disse com todas as letras, e sem corar, que a imagem de que o governo não liga para o meio ambiente é fruto de uma narrativa construída pela esquerda e que a responsabilidade pela alta do desmatamento ou das queimadas no Brasil é das mudanças climáticas, e não do desgoverno Bolsonaro. Só faltou à polêmica parlamentar negacionista de carteirinha do aquecimento global declarar que a culpa é das serras e dos fósforos...Imagine só o que virá pela frente! Pobre Brasil...


J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.