Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2021 | 03h00

Pandemia

Vitória paulista x caos

Editorial de ontem (A3) força com legitimidade o reconhecimento de duas realidades nacionais: a ciência desenvolvida pelo Estado de São Paulo, governado por João Doria, e a inépcia do governo federal, comparativamente. Como uma criança na fase do “também quero”, Jair Bolsonaro corre a mandar anunciar sua vacina, canhestramente. Claro que há uma corrida política no combate à pandemia, o que é legítima desde que não prejudique o ideal de imunização de todo o nosso povo, no prazo mais curto possível. E não se pode negar que São Paulo caminha na vanguarda da Federação. A propósito, não peca por nenhum excesso, infelizmente, o artigo de Marco Aurélio Nogueira O caos que nos rouba a vida (27/3, A2). Não temos uma instituição em crise, estão todas em coma, sem falar no drama pandêmico: culturais, educacionais, de Justiça, políticas, etc. O governo não estrutura bases sólidas para funcionamento do Estado brasileiro, recompondo seus fundamentos. Este, sob o governo Bolsonaro, é a versão do “Estado inimigo”, além disso, inepto, arranhado diariamente, confuso, sem um centro democrático firme, fragmentado, portanto, esquizofrênico. Efetivamente, não será nada fácil sairmos do lodo que atola o povo até os cabelos, consequência do vírus político.

AMADEU ROBERTO GARRIDO DE PAULA AMADEUGARRIDOADV@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Bla-blá-blá

A criação do comitê de coordenação contra a covid-19 não passa de mais uma cínica medida do presidente para transferir responsabilidades. Não houve presença de vereadores no evento e, pior, o governador de São Paulo não foi convidado. Por motivos puramente político-eleiçoeiros, o Estado líder do País em termos econômicos e científicos no combate à covid-19 foi excluído. Hoje vemos que o Instituto Butantan se prepara para a produção da Butanvac, com insumos totalmente nacionais, ainda neste ano. E estamos excluídos da participação nesse comitê...

NELSON PENTEADO DE CASTRO PENTECAS@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Desgoverno Bolsonaro

Combo

O editorial O ‘sinal amarelo’ (26/3, A3) revela o desconforto, para não dizer outra coisa, do Congresso com a manutenção dessa figura desastrada chamada Ernesto Araújo, e indica que seu afastamento seria bem recebido. Disso ninguém tem dúvida. Seria interessante que o Congresso fizesse um combo, incluindo, pelo menos, Ricardo Salles, Damares Alves e Milton Ribeiro, três auxiliares incompetentes do presidente que não oferecem nenhuma boa ideia ao governo, só criam problemas e dificuldades. Aí as coisas poderiam melhorar. Mas tenho minhas dúvidas de que o presidente nos livre dessas pragas, não parece que ele esteja preocupado com as consequências negativas da atuação desses ministros. A tendência é que vá empurrando com a barriga.

ANTÔNIO DILSON PEREIRA ADVDILSON.PEREIRA@GMAIL.COM

CURITIBA

*

Suez tupiniquim

Observando a imagem do encalhe no Canal de Suez (Estado, 26/3), veio-me a analogia: seria o Ever Given (nome bem apropriado) os anseios do Brasil e aquela inócua e quase sucateada escavadeira (isso mesmo!), o atual (des)governo?

MARCO DULGHEROFF NOVAIS MARCODNOVAIS@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Corrupção

O bom combate

A respeito das decisões do STF anulando processo contra Lula da Silva e considerando parcial o ex-juiz Sergio Moro, gostaria de lhe transmitir que, diante do trabalho jamais visto neste país, executado por ele e pelos jovens procuradores, essas atitudes eram de esperar. Moro incomodou muita gente graúda acostumada com a impunidade obtida por infindáveis recursos na Justiça, levando em muitos casos à prescrição, e outras mazelas jurídicas patrocinadas por advogados coniventes com a corrupção. Não foi diferente na Itália. Que o dr. Moro não se sinta frustrado, pois o trabalho por ele executado levou muitos corruptos de altas posições à cadeia e muitos bilhões de reais desviados retornaram aos cofres públicos. Se não conseguiu tudo o que a população sempre quis, saiba o dr. Moro que continua sendo muito admirado, salvo por aqueles que fazem parte dessas práticas criminosas ou com elas são coniventes.

ROBERTO CROITOR ROBERTO.CROITOR@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

O Brasil de sempre

Nos anos 90, na Itália, houve a Operação Mãos Limpas, que investigou seis ex-premiês, 500 parlamentares e milhares de outros agentes. Poucos foram condenados e novos acusados de corrupção mais sofisticados surgiram, como Silvio Berlusconi. A Lava Jato, inspirada na operação italiana, pôs na cadeia políticos e empresários corruptos e desbaratou esquemas que desviaram bilhões dos cofres públicos, algo que ninguém acreditava que poderia ser feito no Brasil. Com a anuência de juízes apegados a filigranas jurídicas, alguns até mudando voto, o Brasil mais uma vez faz jus à fama de país da impunidade.

PAULO BOIN BOINPAULO@GMAIL.COM

SÃO PALO

*

Suspeição dirigida

Por que a suspeição atribuída ao ex-juiz Sergio Moro não se estende aos desembargadores do TRF-4 e aos ministros STJ? Eles analisaram o mesmo processo, a mesma peça, as mesmas provas e, com base nelas, consideraram a sentença perfeita e adequada. Portanto, pode-se aduzir, então, que são, no mínimo, coniventes e corresponsáveis. Por que uma avaliação específica e dirigida?

ULYSSES FERNANDES NUNES JUNIOR ULYSSESFN@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Bem-aventurado

Um lembrete para o dr. Sergio Moro e todos os que se encontram na mesma situação: “Felizes os que são perseguidos por causa da justiça porque deles é o Reino dos Céus” (Jesus Cristo).

LOURDES MIGLIAVACCA LOURDESMIGLIAVACCA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TRAGÉDIA DOS 307 MIL ÓBITOS

Se essa pandemia se transformou para nós brasileiros numa grande tragédia, até aqui já acumulamos mais de 307 mil óbitos em razão da covid-19, o que falar, então, de um presidente da República como Jair Bolsonaro, que não respeita a ciência e faz pouco-caso dessas mortes?! E, diferentemente de outros países, cujos governantes (até o Trump), já em 2020, fizeram o possível e impossível para adquirir vacinas de vários laboratórios, mesmo ainda na fase dos testes, esse inconsequente Bolsonaro recusou várias propostas de laboratórios, por exemplo, da Pfizer! Até com a chinesa Sinovac, parceira do Instituto Butantan, o presidente, se negou a negociar em agosto de 2020, dizendo que a vacina não prestava.  Porém, pela avalanche das mortes e com a faca no seu pescoço, somente comprou do Butantan, em janeiro último.  Hoje, 90% dos brasileiros já vacinados receberam a vacina Coronavac, do Butantan! E a vacina da Oxford/AstraZeneca, que Bolsonaro comprou no ano passado, infelizmente, representa somente 10% das doses aplicadas. Invejo o povo americano. Já que o recém-empossado presidente dos EUA, Joe Biden, como primeira ação de seu governo, fez a promessa de que iria vacinar em 100 dias 100 milhões de americanos. Não somente atingiu essa meta em 58 dias, como promete para os outros 42 dias vacinar mais 100 milhões, do seu povo!  Será que um dia teremos um presidente com esta envergadura institucional?!   

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ORÇAMENTO PARA 2021          

O Orçamento do Brasil para 2021 foi desidratado e tem cortes no Censo Demográfico e na Previdência Social. Já a primeira-dama, Michelle Bolsonaro – aquela que desconhece os cheques depositados em sua conta corrente –, recebeu como presente de aniversário do maridão Jair singelos R$ 5 bilhões para atender à causa da visão monocular – cegueira de um dos olhos –, como deficiência para todos os efeitos legais. Afinal, quem é que manda em casa?     

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*

ORÇAMENTO APROVADO DESMENTE DISCURSO DO SENADO E DA CÂMARA

O Brasil é mesmo do balacobaco – ou não é para principiantes. Como entender que num dia os presidentes da Câmara e do Senado – falando pelos parlamentares – discursaram sobre o desgoverno do presidente Jair Bolsonaro, tanto  no tratamento da crise na área da saúde – mais de 300 mil mortes pela  pandemia –  e péssima condução no plano de vacinação como no aspecto externo criticaram as estripulias do ministro Ernesto Araujo.  Enfim, um pedia a mudança no Itamaraty e o outro ameaçava o presidente com a deflagração do processo de impeachment, caso fracassasse, mais uma vez, com a troca no Ministério da Saúde. No dia seguinte, o plenário do Congresso Nacional se encarrega de desmascarar os presidentes das duas Casas Legislativas – as advertências e ameaças veladas não eram para valer –, fazendo do Orçamento uma colcha de retalhos. Parte para atender ao desejo do presidente da República em continuar privilegiando as Forças Armadas e os militares.  A única carreira, imaginem, favorecida com reajuste de vencimento no curso de 2021, enquanto os demais segmentos do funcionalismo público – em todas  as áreas da administração pública: federal, estadual e municipal – permanecerão por dois anos seguidos com seus salários congelados. Por certo, o Judiciário e Ministério Público não hesitarão em seguir na toada dos militares. Também a infraestrutura e desenvolvimento regional, outras áreas   favorecidas no Orçamento, em detrimento dos demais Ministérios, como saúde (inimaginável, num momento de crise), educação (desprestigiada em meio ao obscurantismo) e previdência social. Ambas dirigidas por ministros que se tornaram próximos do presidente. Esse descaramento dos parlamentares tem nome e sobrenome: as obscuras emendas parlamentares – que tendem a desaguar em suas ricas campanhas eleitorais. Até o IBGE, instituto com estrutura de uma autarquia, responsável pela realização do Censo Demográfico e outras pesquisas voltadas a induzir as boas gestões de políticas públicas, viu seu orçamento minguar estupidamente em 90% – previsão  que inviabiliza seu funcionamento. Não à toa que sua presidente pediu exoneração – tal seu desconforto e desapontamento com o descrédito dos parlamentares. É ou não é  um país no caminho – em marcha batida – para o ocaso. Mais um acinte com seus eleitores!

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho - PR.

*


CENSO

ESSE PAÍS CONTINUA DIFÍCIL

Como pretender no século 21 planejar qualquer política pública sem conhecer a realidade. Mas suas excelências no Congresso, por terem a cabeça no século 19, não têm a dimensão do que significa a ruptura da série histórica do Censo Demográfico. Preferem gastar R$ 3 bilhões com partidos fajutos ou com obras incompletas mais vistosas para um eleitorado despreparado. É um futuro quase impossível.

Alberto Mac Dowell de Figueiredo amdfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*


VETO INCONSEQUENTE


Em 24 de março, o Estadão publicou uma notícia no editorial Veto inconsequente que passou despercebida pela imprensa. Dava conta de projeto de lei assinado desde dezembro de 2020 por 23 deputados, com base em parecer da deputada Tabata Amaral. O veto foi do presidente, e endossado pelo ministro da Educação. É tão grande a importância desse projeto para a educação, que nada justifica a ausência dos analistas da imprensa, a não ser a defasagem dessa questão no imaginário coletivo. É certo que a pandemia e o meio ambiente, além da economia, assumem todo o trabalho da crítica social. Mas é inimaginável uma solução de quaisquer problemas sem a atenção fértil a respeito do que está acontecendo com a educação no Brasil. Até parece que a tese de Ivan Illich – Uma sociedade sem escolas – ganha adeptos entre nós. Mas não pelo conhecimento, e sim pela omissão. Uma omissão escandalosa e fatal ao presente e ao futuro do nosso país. Tristeza profunda, após 50 anos de magistério. Registro esse apelo aos formadores de opinião.


Lillian Anna Bendhack lillian.bendhack@gmail.com

Curitiba


*


INSENSATEZ 

 Vivemos um momento ingrato em que a sensatez é bem pouco exercida. O deputado Artur Lira diz que “o limite do Parlamento, a casa do povo, é quando o mínimo de sensatez em relação ao povo não está sendo obedecido”.   Lembrar que o Parlamento é a casa do povo não deve acontecer só em momentos trágicos. Deveria nortear a vida de nossos congressistas. A percepção popular é a de que muito poucos percebem este aspecto fundamental na condução de seus trabalhos. Insensatez, portanto. Decisões monocráticas de juízes do Supremo, revogando entendimento anterior de colegiados não cairiam bem nesta categoria? Julgar quem o indicou para o cargo não significa parcialidade? O juiz não deveria se sentir impedido, num caso desses? Ao não fazê-lo não comete insensatez, entre outros adjetivos mais a que estará fadado a ser julgado pelo povo?  Um Poder Executivo totalmente voltado para a reeleição, sem demonstrar um mínimo de empatia, solidariedade crível, num momento de tantas mortes, não teria já passado todos os limites da sensatez? 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*        

 

VACINAS: CADA UM COM A SUA

Depois do anúncio no mesmíssimo dia do lançamento da Butanvac, a vacina “do Doria”,  e da Versamune,”o imunizante do Bolsonaro”, só falta agora ser anunciada a Lulavac, a vacina “do Lula”.

E o Brasil vai vacinar o mundo inteiro.


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

BUTANVAC X VERSAMUNE

Butanvac X Versamune na Olimpíada Brasileira das Vacinas Partidárias, disputando quem vencerá as Eleições Presidenciais Vacinais 2022. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

JARDIM DE INFÂNCIA


Primeiro, veio o anúncio que o Instituto Butantan está desenvolvendo sua vacina contra a covid-19, a Butanvac, e que está solicitando à Anvisa a permissão para iniciar as fases clínicas (são três). Por mera coincidência, o ministro de pouca Ciência e Tecnologia revelou, poucas horas depois, que o desgoverno de Jair Cloroquina Bolsonaro está desenvolvendo sua própria vacina, motivo de fazer a mesma solicitação à Anvisa. Não era a hora de, nesta situação dramática, perante a falta de recursos para pesquisa e desenvolvimento, juntar os esforços para elaborar uma vacina a ser produzida nos institutos Butantan e Oswaldo Cruz, que possuem o know-how e a infraestrutura para produzir vacinas em larga escala? O subdesenvolvimento começa na cabeça, certo?

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

MARCOS PONTES E A VACINA


Mais uma do nosso governo federal. Após a notícia de que o Butantan vai fabricar a vacina brasileira para a covid, divulgada logo cedo na sexta-feira passada, vem o nosso astronauta divulgar que protocolou na Anvisa a vacina por ele direcionada. Seria mais salutar para nós brasileiros se ele tivesse divulgado a programação de voos para a Lua, sem passagem de volta, para muitos que estão lá em Brasília. 

 

Gilberto de Lima Garófalo gilgarofalo@uol.com.br

Vinhedo


QUE O SANTO BUTANTAN NOS SALVE

Um agradecimento ao Santo Butantan, pelos 32 milhões de doses entregues ao Ministério da Saúde, e mais de 28 milhões já chegaram ao sofrido povo brasileiro, tanto nas grandes cidades como nos rincões e municípios pobres e carentes.

O governo brasileiro não consegue decolar em busca de vacinas com os EUA, afinal tem uma dívida moral com o presidente Joe Biden, pois sua vitória sobre Donald Trump foi reconhecida somente após 90 dias. O chanceler Ernesto Araújo disse que é difícil conseguir alguma coisa lá.

Por outro lado, a Índia também cancelou suas exportações das vacinas, alegando que primeiramente vai vacinar seu povo, 1,2 bilhão de indianos. Se sobrar alguma coisa, vai vender aos mais necessitados.

O presidente da Fiocruz alegou que não poderão cumprir os contratos com o governo Brasileiro, a não ser a  minguada entrega dos 3,1 milhões de vacinas vindas da Índia no mês passado, que só agora estão chegando aos brasileiros. Justamente a Fiocruz, onde o governo federal colocou R$ 1,9 bilhão e agora não sai do lugar.

Então o mérito do milagre fica pra o Santo Butantan, que não recebeu nenhuma verba do governo federal e vem fazendo milagres para salvar vidas. Nossa gratidão ao Santo  Butantan, o  padroeiro das vacinas no Brasil.

José Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com

Curitiba

*

INVENCIONICE DO DIA

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, anunciou que a vacina contra covid, desenvolvida na Faculdade de Medicina da USP, em Ribeirão Preto, será testada em seres humanos. Em outubro do ano passado, Pontes defendeu a capacidade do medicamento nitazoxanida contra o coronavírus. O ministro da Saúde, que deveria ter anunciado a vacina Versamune, está tão perdido quanto o seu chefe. Bolsonaro, que num passado recente receitou annita, hydroxicloroquina, ivermectina e nebulizador, passou a usar máscara e a abraçar os presidentes do Senado Federal e da Câmara dos Deputados, numa tentativa de se desvincular do caos instalado no Brasil. A lorota parece ser infinita nesse governo.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

CONCORRÊNCIA SADIA

Já está instalada no País uma concorrência sadia para a vacinação dos brasileiros. De um lado a União (Bolsonaro) e do outro São Paulo (João Doria). Ora, a matéria de fundo já está trazendo muitos dividendos e aliviando a vida da população. Para não permanecer atrás, Bolsonaro disse que vai vacinar um milhão de pessoas por dia, com a vacina de São Paulo. Por sua vez, Doria, além de fornecer 90% das vacinas Coronavac ao Brasil, está criando um novo imunizante, o Butanvac. Então, Bolsonaro aumentou sua intenção, dizendo que vai vacinar dois milhões de brasileiros, diariamente. Esta é a concorrência sadia – excluindo o negacionismo de Bolsonaro –, que os brasileiros de bem aguardavam. Que continuem!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo    

 

*


VACINA BRASILEIRA BUTANVAC

Acordamos na sexta-feira, 26, com uma ótima notícia!  Com o governo do Estado de São Paulo anunciando uma vacina para o combate à covid-19, genuinamente brasileira, desenvolvida pelo Instituto Butantan, e batizada como nome de Butanvac. E já solicitada foi à Anvisa a autorização para realização dos testes clínicos, podendo ser iniciadas as fases 1 e 2 no mês de abril, e concluído o processo em 45 dias. A direção do Butantan enfatiza que tem condições de produzir 100 milhões de doses por ano, e, ainda em 2021, entregar 40 milhões de doses. Esse projeto idealizado pelo Instituto Butantan conta com a parceria do Vietnã e da Tailândia. E os testes já feitos com animais apresentaram excelente resultado imunológico. Aleluia! É o Brasil mostrando ao mundo a excelência dos seus cientistas!


Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OFERTA DE VACINAS

O presidente e seus ministros, os governadores e seus secretários e os empresários, entre outros, falam tanto das vacinas que chegam abaixo das  necessidade e com desvios criminosos que parece estar na hora de passar toda essa administração às redes de supermercados que compram com planejamento, entendem de negociação, abastecimento, distribuição e entrega aos consumidores. Só não podem praticar preços extorsivos na comercialização e exigir que comprem sacolinhas para levar a vacina para casa.


Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo 


*


CRÔNICA DE UMA CARNIFICINA ANUNCIADA

O pior da pandemia está chegando ao Brasil. O grande aumento de novos caso em poucos dias provocará um brutal aumento no número de mortos, os hospitais estão saturados, vai faltar oxigênio e remédios do kit para entubar, será uma carnificina. Os Estados Unidos em breve terão imunizado sua população e terão vacinas sobrando. É inacreditável que não exista qualquer movimentação do governo Bolsonaro para negociar essas vacinas com o governo de Joe Biden. As instituições brasileiras precisam livrar o Brasil do inoperante governo Jair Bolsonaro imediatamente, o País precisa começar a articular o recebimento de vacinas e ajuda internacional em larga escala, hoje, agora! Se depender do negacionista presidente Bolsonaro o Brasil vai enfrentar uma tragédia de dimensões nunca vistas no planeta.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*


CRIME FANTASMA

Essa turma da Lava Jato é demais mesmo. Recuperou mais de R$ 4 bilhões de um crime que nunca aconteceu!!!

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*


POSTO IPIRANGA DO BOLSONARO 


O atual ministro da economia está mas para um daqueles postos sem bandeira vendendo gasolina adulterada a beira da falência. 

Paulo Guedes quer usar a morte de mais de 300 mil pessoas e milhares de pessoas que vivem na pobreza para barganhar seu fracassado plano de privatização, das empresas que são patrimônio do povo brasileiro. Uma vergonha, entregar nossas riquezas ao interesse do grande empresariado. 


Lucas Cunha lucascunha_@outlook.com 

Curitiba 


*


ENTENDIMENTO


Aos que não sabem ou tem memória curta, a 13ª Vara de Curitiba foi criada especialmente para casos de corrupção e lavagem de dinheiro e o juiz Sérgio Moro foi nomeado por sua formação e conhecimento sobre este tipo de crime. Não é um fórum aleatório, mas com atribuições definidas. Estão colocando como se esta Vara Criminal tivesse sido criada para perseguir o condenado Lula.


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*

TRIPÉ DE EDITORIAIS DO ‘ESTADÃO’


O sólido tripé dos editoriais de sexta-feira (26/3, A3) caminha na mesma direção: estamos perdidos. O 'sinal amarelo' deveria ter passado a vermelho há muito tempo, não fosse a covardia de Rodrigo Maia e de seus asseclas. As ameaças do Centrão agora são pano de fundo para maior pressão sobre Jair Bolsonaro por benesses, como o foi em relação a Michel Temer. Não vejo Esperança no tardio comitê de coordenação contra a covid-19, pois ele não funcionará, uma vez que, na cabeça do chefe, é ele quem manda com base no mesmo negacionismo e teorias da conspiração com que desgoverna o País. Por fim, Ernesto Araújo é um majoritário Sócio no desastre, como foi Abraham Weintraub e continuam a ser Damares Alves, Ricardo Salles e tantos outros incompetentes e adeptos de um nefasto astrólogo. Com esse time perdedor a única solução para virar o jogo é tirar o capitão. 

  


Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com


Campinas


*




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.