Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2021 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Esticando a corda

Perfeito o editorial Entre golpistas e velhacos (31/3, A3). O frenético troca-troca de ministros e assessores desse (des)governo mostra o quanto esse natimorto ditadorzinho é desprovido de inteligência. Num momento inoportuno, faz seus movimentos de atropelo apenas para satisfazer o seu ego e agradar à sua trupe. Todos os dias ele cria fato novo para desviar a atenção da sociedade, que está farta de tantas mentiras e tanto populismo. Nunca me arrependi tanto do meu voto.

LUIZ ANTONIO AMARO DA SILVA ZULLOAMARO@HOTMAIL.COM

GUARULHOS

*

Piratas e alcoviteiros

O chanceler foi substituído pelo antigo chefe do cerimonial e os comandantes militares não se prestaram a tolerar que as Forças Armadas fizessem coro à horda miliciana no poder. Da mesma forma, no ano passado o então ministro da Justiça não assentiu que a Polícia Federal fosse transformada em guarda revolucionária do clã Bolsonaro. Pouco antes o ministro da Saúde havia sido execrado por não concordar que a pandemia fosse tratada como mera “gripezinha”. Nada de novo no front! Todavia jamais se viu tamanho obscurantismo, inépcia e exploração diante da desgraça que assola a nossa vida. Nós nos transformamos numa frágil nau à deriva e tomada por piratas que partilham desavergonhadamente o butim. Em todos os Poderes republicanos a “boiada” passa de forma célere, enquanto perdemos milhares de concidadãos para a “gripezinha” todos os dias. O Brasil transfigurou-se numa espelunca caótica e que literalmente serve aos interesses de alcoviteiros instalados nos porões da ordem republicana. Não há ordem, muito menos progresso. Há, sim, a mais completa e desavergonhada negociata em que se busca blindar corruptos de seus processos, forjar o Orçamento público e propor uma ordem ilegítima e anárquica em que reinará a ilicitude.

OSWALDO COLOMBO FILHO COLOMBOCONSULT@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Por um fio

Excelente a manchete Ministro da Defesa cai por recusar uso político das Forças Armadas (30/3, A1), por destacar o motivo principal da saída de Fernando Azevedo e Silva da pasta da Defesa, que culminou em seguida com a saída dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Destaco também a excelência da coluna de Eliane Cantanhêde. No meu entender, o presidente Jair Bolsonaro está por um fio no Planalto.

PEDRO DO COUTTO COPELLI@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Aventuras autoritárias

O presidente voltou a criar confusão envolvendo as Forças Armadas e a política. Sempre estranhei o fato de generais, almirantes e brigadeiros obedecerem a um capitão e, em se tratando de Bolsonaro, até escutá-lo. Mas ele acabou cercado de militares graduados, iludidos não sei por que motivações. Parece que agora acordaram e a hierarquia natural falou mais alto do que essas motivações.

ANTONIO CARLOS MESQUITA EMAILDOMESQUITA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

‘Meu Exército’

Só em março, o presidente Bolsonaro usou por três vezes a expressão “meu Exército”. Muito estranho, para não falar em absurdo. Afinal, o que é conhecido como Exército aqui, no Brasil, se trata do nosso Exército, do Brasil, permanente, do Estado brasileiro, e não particular ou de governo de plantão. Salvo se o capitão presidente fala de outro exército que está tentando criar, minando as forças policiais estaduais, rodoviárias estaduais e federais, além, é claro, dos militares aquartelados e de baixa patente. Ou, quem sabe, queira formar tropas paramilitares, como Hugo Chávez e Nicolás Maduro fizeram na Venezuela. Armas estão chegando, embora muitas delas estejam indo parar nas mãos de bandidos ou milicianos. Além disso, é preciso lembrar que faz muito tempo que o capitão saiu do Exército, mais de 30 anos (e não por sua vontade, relembrando o general Leônidas).

ÉLLIS A. OLIVEIRA ELLISCNH@HOTMAIL.COM

CUNHA

*

Tiro no pé

Se o presidente Bolsonaro continuar a irritar os militares, como vem fazendo, talvez consiga finalmente a intervenção deles no governo, mas não exatamente da forma que ele gostaria. Só para lembrar, seu vice é general e ele não passou de capitão...

JOÃO MANUEL MAIO CLINICAMAIO@TERRA.COM.BR

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

*

Hierarquia militar

Numa hierarquia saudável e eficiente, general faz papel de general e coronel faz papel de coronel. Numa hierarquia centralizadora, general faz papel de coronel e coronel faz papel de major. E como classificar uma situação em que capitão faz papel de general?

ELY WEINSTEIN ELYW@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Na Bahia

Armas não letais

Sobre a morte do soldado na Bahia, sem entrar no mérito da atuação policial, é incrível nossos órgãos de segurança não serem equipados com armamento não letal, que só faz o alvo ser momentaneamente “apagado”, sem matar. Qualquer zoológico hoje age assim.

ROSANGELA DELPHINO  TOULIGADA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Pandemia

Novo remédio

Temos notícia de que remédio aprovado pelo órgão sanitário dos EUA, a FDA, reduz, e muito, as mortes por covid-19. Por que a necessidade de a Anvisa ter de analisar e autorizar o uso desse remédio no Brasil, atrasando em 30 dias o seu uso? Nesse período muitas vidas poderiam ser poupadas se houvesse autorização com base no estudo da FDA. Urge uma lei que permita uso automático de medicamentos aprovados por países como EUA, Alemanha, Inglaterra, França, Japão, que têm órgãos reguladores respeitados cientificamente no mundo.

MARCO ANTONIO MARTIGNONI MMARTIGNONI@IG.COM.BR

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MOVIMENTO DE 31 DE MARÇO

Num país sério alguns eventos são lamentados e jamais comemorados.

Maria Ísis M. M. De Barros misismb@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro SP

*

VIVA A FEB!

Sob o pretexto de combater uma ditadura de esquerda, que implantaria o terror, o golpe militar de 1964, por meio de uma ditadura de direita, implantou o terror.

Que o dia 31 de março, data do golpe, seja esmaecido pelo Dia Nacional do Expedicionário, em 5 de maio, que homenageia os membros da Força Expedicionária Brasileira (FEB) que combateram fascistas e nazistas na 2ª Guerra Mundial.

Que os atuais democratas das Forças Armadas honrem a valorosa FEB combatendo o totalitarismo bolsonarista.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

GOLPE

No aniversário do golpe de 64, não podemos esquecer que o ministro do STF Dias Tofolli chamou-o de movimento, num claro desrespeito à democracia e aos milhares que forma torturados, mortos, etc. 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

 

DITADURA NUNCA MAIS!

Há exatos 57 anos, o nosso país mergulhou em um dos períodos mais sombrios de sua história recente. Em 31 de março de 1964, há quem diga que foi 1º de abril (dia da mentira), era derrubado o governo constitucional de João Belchior Marques Goulart, conhecido popularmente por Jango. 

A partir daí, tivemos uma sucessão de presidentes militares que passaram a governar por meio dos famigerados atos institucionais, com autoritarismo, violência e repressão. Entre os 17 grandes atos institucionais, o de número 5, o AI-5, revogou inúmeros direitos e garantias individuais:


• O Presidente da República recebeu autoridade para fechar o Congresso Nacional e as Assembleias Legislativas dos Estados.

• Permitiu a censura prévia de música, cinema, teatro, literatura e televisão e a censura da imprensa (jornais impressos, falados e televisionados) e de outros meios de comunicação.

• Tornou ilegais as reuniões políticas não autorizadas pela polícia e impôs toques de recolher em todo o País.

• Suspendeu o habeas corpus. 

• Decretou a cassação e a suspensão dos direitos políticos dos cidadãos considerados subversivos, privando-os por até dez anos do direito de votar e de ser votado.

• Legitimou, de forma instantânea, certos tipos de decretos emitidos pelo presidente, que não ficaram sujeitos à revisão judicial. Por exemplo: os atos institucionais ou qualquer ação baseada nestes atos não estavam sujeitos à revisão judicial.

Com a desculpa de combate ao terrorismo, foram cometidas diversas atrocidades contra o povo brasileiro, perseguições, desaparecimentos, torturas e mortes. E terroristas, para os ditadores e seus apoiadores, eram os operários e sindicalistas que lutavam contra a exploração, os intelectuais, os estudantes, os empresários, os políticos e os militares que discordavam do regime golpista, autoritário, corrupto e criminoso.

Estamos acompanhando atentamente todas as mudanças ocorridas na terça-feira, 30 de março de 2021, no âmbito do governo federal, principalmente as que afastaram os militares legalistas que entendem o papel das Forças Armadas, cumprem e exigem o cumprimento da Constituição da República. 

Por isto, conclamamos todos os brasileiros e brasileiras a cerrar fileiras em defesa do Estado Democrático de Direito e do povo brasileiro. Lutamos muito pela redemocratização do País e não podemos aceitar retrocessos. Ditadura nunca mais!

Francisco Pereira de Sousa Filho suzanabuzelijornalismo@gmail.com

São Paulo

*

FORÇAS ARMADAS

Como se viu no episódio da troca do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, que disse sem meias-palavras ter preservado as Forças Armadas como instituição de Estado e não de Governo, o único “exército” que bate obediente e cega continência ao capitão presidente Bolsonaro é o dos famigerados milicianos do Rio de Janeiro. O bravo Exército Brasileiro, leal à pátria, não.

J. S. Decol  decoljs@gmail.com

São Paulo

*

ASSÉDIO AO EXÉRCITO

Obcecado em se manter no poder com apoio explícito das Forças Armadas           desde que subiu a rampa do Palácio do Planalto, o capitão presidente optou por convidar generais, almirantes e brigadeiros para ocupar altos cargos, numa tentativa de envolver politicamente as Forças Armadas com seu governo. Corre o risco de ficar com generais da reserva em seu entorno e se indispor com os chefes militares da ativa. Seu atrito com o general Fernando Azevedo, ministro da Defesa, é consequência direta desta imposição de politizar o Exército em seu pior momento político, em relação aos outros Poderes e às lideranças da sociedade, inconformados com o desastre de sua administração em todos os setores.A sorte está lançada e um profundo mal-estar domina as Forças Armadas, preocupadas, como afirmou o general  Fernando Azevedo, em permanecer defensoras do Estado nacional e não de eventuais governos, capazes de todos os expedientes antidemocráticos para no governo se perpetuar.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre    

*

NÃO ESTÃO À VENDA

O falecido ditador da Venezuela Hugo Chavéz conseguiu apoio das Forças Armadas locais, entre outras coisas, pela oferta a vários militares de alta patente de participação nos lucros da PDVSA – empresa estatal responsável desde a exploração até o transporte de petróleo. Esse esquema, perpetuado por Nicolás Maduro, perdura até hoje e sustenta a ditadura venezuelana. Jair Bolsonaro, desde que assumiu a Presidência, vem tentando  fazer o mesmo com os militares por meio da bajulação, distribuição de cargos, regalias, etc., e, ao perceber que não há contrapartida, dá murros na mesa. Ao se recusarem a se submeter aos interesses pessoais de Bolsonaro, o recado dos militares ao presidente é claro: aqui o que vale é a Constituição, as Forças Armadas não estão à venda. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

NO AGUARDO. SEM PERDER O FOCO!

Em meio ao rebuliço do novo desgoverno Bolcentrão, é preciso não esquecer que a medida mais importante para vencer a luta contra a pandemia é dispormos de vacinas que garantam eficácia também contra as novas cepas, especialmente contra a cepa P-1,  que vem liderando os números de novos infectados, conforme estudo recente. Vacinados e não vacinados, não podemos perder isso de vista.

Luiz Ribeiro Pinto brasilcat@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

O GRANDE TÉCNICO

O interessante, é que tal terminologia, não se aplica somente às atividades esportivas. Ela se aplica a todas as situações em existam grupos de pessoas sob a liderança de alguém. Mas, ampliando isso, estamos assistindo a um “Técnico“, que comanda o Brasil, como Nação!!! Ou optávamos por ele ou pelo continuísmo do PT!

Infelizmente não é a primeira vez, pois passamos por isso quando votamos no Fernando Collor!!’

Hoje, infelizmente, estamos passando por um momento triste, pois, pelas mediocridades do Técnico, o time está sendo acossado por banqueiros, empresários, economistas, investidores, enfermeiros, médicos, cientistas, juristas, do mundo da cultura e do ambiente internacional, pois a sua liderança, está expondo o time ao menor nível possível.

Uma coisa, é óbvia! O Clube não vai afundar com esse Técnico, quando todo o time o está se perguntando: como nosso Técnico pode ser impassível quando já perdemos mais de 300 mil “jogadores”?

O próprio Técnico  é incapaz de entender a gravidade da situação e o quanto ele é responsável pelo que está “rolando” no campo.

Porém, o presidente do “clube”, Arthur Lira, acendeu um “sinal amarelo”, quando disse que “ o remédio legislativo, para corrigir erros e incompetência, pode ser fatal”! Para entender melhor: tem em sua mão a caneta do impeachment, demonstrando que o Técnico, não está agradando nem mesmo aos dirigentes do Clube.

Porém, esse Técnico jamais deixará de ser o que é: um medíocre, mentiroso, que, sem nenhuma cerimônia, se declarou o número “um” das vacinas, mentindo que comprou a Coronavac e que trabalhou dia e noite no combate à.

Entretanto, tantas mentiras não resistem à tonelada de vídeos do Técnico defendendo exatamente o contrário. Foi tão ridículo quanto seus filhos auxiliares de campo, ao anunciarem, sem constrangimento , que “a vacina agora é a nossa arma”!

Sobrou para o Técnico um plano “B”: arranjar bodes expiatórios!!!!!

Quero deixar bem claro que, na minha opinião, a maioria dos “jogadores” do time é de medíocres, com raras exceções,s a exemplo do general Fernando Azevedo e Silva, jogador discreto que nunca aceitou o jogo político do Técnico e por essa razão, foi afastado do time.

Os demais saíram por pressão da torcida, que os vê como medíocres, mas eles veem no Técnico a figura do “ um manda, outro obedece”.

Com isso, os verdadeiros craques do time, nesses dois anos, já mudaram de clube.

Fiz esse paralelo até para descontrair um pouco! Porém, estou muito preocupado!

A demissão do ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, descortina a insatisfação reinante nas três armas, pois a lealdade delas não é com o governo de plantão, muito menos com um errático com a agravante de um viés autoritário! Disse ele: “Preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”.

Isso contrariou o que o presidente queria de Azevedo: induzir as Forças Armadas a aderirem ao viés político que o interessa, ou seja, mais um “obedece e faz”, que é a única forma como enxerga a palavra LIDERANÇA. No fundo trata-se de um objetivo autoritário, pois, segundo José Dirceu, o que faltou ao PT para se perpetuar no poder foi cooptar as Forças Armadas.

Finalizando, já me preocupei muito no passado com governos medíocres, porém  este supera e muito as minhas preocupações da época!!

Confesso! Estou com muito medo do futuro!

Com muito medo de ver irmãos brasileiros matando irmãos brasileiros, pois é o que o atual presidente tem em mente, colocar na rua os milicianos camisas pardas, seus seguidores, com armas em punho! Vide o que estão fazendo com o governador do maior Estado da União, onde se reúnem diante da casa dele aos gritos de Bolsonaro e o ameaçam!! Isso chama-se democracia??

Temo uma guerra civil! Temo pela minha família. Temo pelos meus filhos! Temo pelo meu amado Brasil!

Sérgio Orlando sergiorlando@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

O GOLPE FALHOU

Ninguém entendia o porquê da oposição total aos métodos da ciência e medicina contra a covid-19 adotada por Bolsonaro, que fez com que o Brasil se tornasse campeão mundial de morte na atual pandemia. O autor da estranha estratégia que premeditou o golpe foi descoberto, por acaso, porque o combinado não deu certo. Ainda bem!

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

SEM LIDERANÇA

Os últimos acontecimentos mostram que o presidente Bolsonaro não tem liderança para colocar as Forças Armadas em aventura. O momento exige  os cuidados devidos para evitar conflitos entre os Poderes. E a troca de ministros da forma como está sendo feita vai melhorar a administração? Não dá para afirmar que isto vai acontecer.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O REI ESTÁ NU

Jair Messias Bolsonaro, cidadão que foi expulso do Exército, embora o público pense o contrário, demonstrou, na presente crise, as duas faces de seus desejos: primeiramente, ser o ditador do Brasil e, em segundo lugar, arrebanhar as Forças Armadas para conseguir o seu intento. Mas diante de tanta clareza, no entanto, ficou também a certeza de que os militares são democratas e seguem mesmo a nossa Carta Magna, demonstrando que não perseguirão o caminho de golpe de estado tendo à frente o presidente Bolsonaro. Assim, os militares ganham mais prestígio perante os brasileiros e Bolsonaro, por certo, continuará a sua queda constante de popularidade até que chegue  2022, quando disputará a tão desejada reeleição. Entretanto, com toda a certeza, haverá um bom nome de Direita que será apoiado e indicado pelos militares, se não for um deles. Aguardemos.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

A HISTÓRIA DE MÁSCARAS

Infelizmente  esse primeiro de abril continua sendo  o dia da verdade.....

Marcos Catap    marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM AVISA AMIGO É

Em décadas de leitura do Estadão, nunca me causou tanta perplexidade, tristeza e preocupações as manchetes nada promissoras do jornal de 31/3/21. A demissão conjunta dos três comandantes das Forças Armadas, com a razão estapafúrdia de necessário alinhamento às tresloucadas  aspirações  presidenciais, me parece algo gravíssimo e claramente me leva a crer na tentativa de aparelhamento delas.

Moro, sendo quem é, de forma pronta, coerente e honesta aos seus princípios, alertou a nação quanto às intervenções presidenciais no comando da Polícia Federal, mas foi e está sendo desmoralizado por aqueles que não apenas ignoraram os seus avisos, como de forma refratária se opõem à independência das instituições, pois essas seriam garantias de que abusos e absurdos fossem coibidos.

Junte-se a isso o triste e inadmissível número de mortos, vítimas do coronavírus.

Nada se encaixa nas promessas de campanha; fomos vergonhosamente e mais uma vez enganados.

Como tão bem colocado por José Nêumanne (Uma ‘justiça’ de mentira nesta república da trapaça, A2 31/3), as eleições no Brasil não são pautadas pelos projetos e qualificações dos candidatos, mas leva o pleito aquele que souber mentir melhor.

Pobre Brasil: justiça de mentira, república da trapaça, cidadãos doentes e aparelhamento de instituições.

Ana Silvia Fernandes Peixoto Pinheiro Machado anasilviappm@gmail.com

São Paulo

*

REALIDADE E UTOPIA

Sérgio Moro é a luz do bem a nos iluminar. Conseguiu a difícil tarefa ao desbaratar a quadrilha organizada que tungou a Petrobrás, contaminou os serviços públicos e o País, seguindo célere para nos venezuelarmos. Moro despontou e cresceu em Curitiba, dando-nos a esperança de novos tempos, o início para o Brasil que sonhamos. Assumiu a aventura de um cargo temporário, objetivando incrementar ainda mais a sua brasilidade, deixou a invejável função vitalícia para, no Ministério, ampliar o seu nacionalismo. Não deu certo e saiu odiado pelos petistas, bolsonaristas e, por causa de sua brilhante atuação como juiz, invejado, ofuscando o STF, daí a vigorosa e injusta animosidade da Corte Suprema para denegri-lo, desmoralizá-lo. Despertamos do nosso sonho e foi desfeito o sério combate à corrupção e à impunidade. Precisamos sonhar. Que Moro seja a nossa fênix para que o Brasil se erga do berço esplêndido e a corrupção seja, de fato, penalizada sem as atuais penas simbólicas.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

*

APOSENTADORIA DE MARCO AURÉLIO

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse que se aposentará em julho próximo. Sedentos, alguns integrantes do desgoverno Bolsonaro já formam uma imensa fila para que sejam nomeados ao cargo. É o caso o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) João Otávio de Noronha – que tem livrado a famiglia Bolsonaro de várias enrascadas. Outro que está na fila é o procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras – que não autoriza nenhuma ação contra Bolsonaro & Cia –, passando, obviamente, por André Mendonça, agora de volta ao Ministério da Justiça. Ora, a fila é extensa e a vaga é só uma. Vamos aguardar quem será o “fura fila”, que vai convencer o presidente que ele é quem mais defende os seus interesses e os seus imbróglios. Quem viver verá!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ARTIGO DE JOSÉ NÊUMANNE

Poucos sabem como José Nêumanne (Uma ‘justiça’ de mentira nesta república da trapaça, A2 31/3) descrever de forma tão clara e objetiva como se articula a politicagem nacional. É fato que o STF, que encabeça o “acordão”, está estimulando o sociopata do Poder Executivo federal em suas falcatruas. Por que o Ministro Gilmar Mendes visita o presidente da República, numa manhã de domingo e fora da agenda?

Salvação de Lula e todos, incluído Flávio Bolsonaro?

Ana Lucia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

José Nêumanne faz arrasadora avaliação do cenário político judiciário brasileiro. Disseca numa autópsia minuciosa as patologias a que hoje o País esta submetido. Corajoso, porque não usa de subterfúgios.  E na lata. É o que esperamos do jornalismo: uma síntese do real e não uma repercussão anódina. Parabéns! Só faltou falar da economia, cujos resultados pífios também traduzem a incompetência da má administração deste país. A conjunção negativa  é suficiente para recomendar uma reordenação no formato que hoje se aplica ao País. É urgente que se faça. Temos milhões de desempregados e famintos  esperando por solução.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

VACINA FALSA OU DESVIADA?

Sinceramente, eu desejo que o grupo  de empresários e políticos mineiros vacinados na garagem da empresa Saritur tenham sido “imunizados” por soro fisiológico e não por vacinas desviadas de doses não aplicadas devidamente nos idosos. Que vidas de idosos não tenham sido colocadas em risco para garantir vidas de pessoas “espertas”. Que tal esperteza  se transforme em mico. Que a lei de Gerson não impere sobre a legislação brasileira. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

VACINAÇÃO EM CAMPINAS

Todas as cidades estão vacinando, menos Campinas, que está com o agendamento fechado há mais de 7 dias, por falta de vacinas! Onde estão as vacinas de Campinas, alguém poderá responder??

Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas


*






 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.