Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2021 | 03h00

O Brasil do capitão

A meta é o caos

A que nível de deterioração chegou o nosso país no governo Bolsonaro! Em todos os sentidos. Tudo se reduziu a caos. Basta observar a forma como tem lidado com a pandemia, a economia, as reformas, a política. Faz de tudo uma maçaroca: nos conceitos sobre liberdade e democracia, sobre direitos humanos e das minorias. Como nada parece ser claro na mente de Jair Bolsonaro, vive sob a égide da persecução. Em permanente confusão, tenta se esquivar do aprofundamento do que já se sabe das rachadinhas, de que é acusado o seu clã inteiro. Para tanto sente que precisa se reeleger. E para se reeleger faz o diabo. Há quem pense que suas loucuras têm método, mas o único objetivo é escapar a qualquer custo, até que tudo prescreva. Como na cabeça dele um presidente tudo pode, faz coisas que até Deus duvida. E chega tudo a ser tão surreal que deixa todos perplexos, imobilizados, sem saber o que fazer, como reagir, como pôr limites nessa loucura que está destruindo nosso país moral e eticamente, ampliando a miséria e as desigualdades sociais. A inversão é tanta que nesta pandemia, em que centenas de milhares morrem, ele quer flexibilizar o acesso às armas! Apesar de tudo isso, conta com um Congresso quase todo conivente, submisso, interesseiro. Não se ouve uma voz, de lucidez, tentando dar um basta a essa insensatez que a cada dia nos destrói mais e mais. Pobre e infeliz Brasil, aquele lindo país que se cria cordial, otimista e feliz em tempos idos, ainda que isso fosse apenas um manto acobertando o que Bolsonaro hoje está expondo a céu aberto.

ELIANA FRANÇA LEME EFLEME@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

CPI da covid

Não passa de uma tentativa de desviar a atenção e ganhar tempo a ideia de incluir Estados e municípios na CPI da covid. Já existem o Poder Legislativo e os Tribunais de Contas para fiscalizar e punir, quando for o caso, os dirigentes de órgãos públicos. O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, que fiscaliza também os municípios, exceto a capital, vem fazendo um trabalho minucioso e específico sobre a pandemia e acredito que os demais estejam fazendo o mesmo. Não creio que o Senado tenha pernas para analisar as contas de todos os Estados e municípios do Brasil, então, que enfoque exclusivamente o governo Bolsonaro.

FRANZ JOSEF HILDINGER FRZJSF@YAHOO.COM.BR

PRAIA GRANDE

*

Amplitude

Sou a favor de uma CPI da covid ampla, geral e irrestrita.

ANDRÉ COUTINHO ARCOUTI@UOL.COM.BR

CAMPINAS

*

Empurrando com a barriga

A pressão de Bolsonaro sobre o senador Kajuru para a CPI ser estendida a governadores e prefeitos é uma forma de postergar a apuração para a eternidade. Isso porque teriam de ser ouvidos milhares de pessoas ligadas à saúde nos 5.568 municípios e 26 Estados. A apuração de eventuais denúncias e deslizes de governadores deve ser feita pelas Assembleias Legislativas e, no caso de prefeitos, pelas Câmaras Municipais. Bolsonaro está com medo e quer é empurrar a CPI com a barriga.

MAURO DE CAMPOS ADORNO FILHO  MAURINHOADORNO@GMAIL.COM

MOGI-MIRIM

*

Impedimentos

Se for para iniciar impedimentos, é evidente que o mais urgente é o do presidente da República, que está levando o Brasil a centenas de milhares de mortes. O STF pode esperar, mas quando chegar a hora o indiscutível primeiro impedido deve ser o subordinado ao presidente, recentemente nomeado.

LUIZ RIBEIRO PINTO BRASILCAT@UOL.COM.BR

RIBEIRÃO PRETO

*

O País não pode esperar

A Câmara dos Deputados tem de ser protagonista, não adiar o que interessa ao Brasil. Precisa trabalhar, dar andamento às reformas administrativa e tributária. Não pode parar por causa da CPI da covid no Senado. O País está na UTI, a CPI não é o assunto mais importante. Vacinação, reformas e retomada da economia são as prioridades e as pautas que o Congresso Nacional deve pôr acima de todas as outras. A população precisa de saúde e emprego. O Congresso não pode fazer apenas uma coisa de cada vez. É muita gente sem fazer nada, esperando que só uma das Casas termine uma CPI, que sempre se sabe quando começa, mas não como e quando termina. A imprensa, o empresariado, as entidades de classe precisam atuar na cobrança do andamento das pautas mais relevantes, as reformas. Enquanto isso, o País sangra e o povo sofre, sem luz no fim do túnel. Chega de não dar prioridade ao Brasil e ao povo.

LUIS BARRADAS LUEBARRADAS@GMAIL.COM

SALVADOR

*

Imposto de Renda

Promessa de campanha

É muita cara de pau da Receita Federal informar que vai manter o calendário de restituição do Imposto de Renda a fim de “suavizar os efeitos da pandemia” (Estado, 12/4). Suavizaria se fosse corrigida a tabela do Imposto de Renda, que está desatualizada há dez anos. Devolver o que nos foi tirado na mão grande é mais que obrigação desse governo mentiroso e incompetente. Do jeito que a coisa vai, logo o salário mínimo e o Bolsa Família serão taxados.

LUIZ ANTONIO AMARO DA SILVA  ZULLOAMARO@HOTMAIL.COM

GUARULHOS

*

Corrupção

Julgamento histórico

Sou a favor da Lava Jato, porque sou contra a corrupção. A elucidação do maior esquema da História do Brasil se deve ao trabalho realizado em Curitiba. Hoje o STF julgará se o combate à roubalheira de políticos e aos desvios na Petrobrás valeu ou não e se a luta vai continuar. Será a sentença que o Supremo deixará para sempre em sua história. Que Deus ilumine o plenário da Corte para que seja, de uma vez por todas, regada a planta da justiça. Será o fastígio dos seus julgamentos.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI MARIONEGRAO.BORGONOVI@GMAIL.COM

PETRÓPOLIS (RJ)

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

REPUBLIQUETA

A possibilidade de Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão, se ausentarem do País para supostamente resolver o impasse da questão orçamentária só pode ser piada. E de mau gosto. Além de inusitada, tal manobra representaria o cúmulo da dissintonia entre o Executivo e o Legislativo. Ora, se o governo não concorda com o Orçamento como está e vê risco de incorrer em crime de responsabilidade fiscal, basta discordar e vetá-lo à luz da legalidade e não lançar mão de subterfúgios ruidosos e rasteiros. É esse tipo de ideia que faz desse país uma republiqueta e não uma verdadeira república. 


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*

GUERRA NO PLANALTO

Entrincheirado em seu bunker, o presidente da República aciona sua tropa de choque para desarmar uma pauta-bomba. Dizendo-se vítima de fogo amigo, após um telefonema, Bolsonaro quer sua base aliada infiltrada com roupa de camuflagem de guerra para criar uma CPI paralela. O gabinete do ódio e as redes sociais fazem funcionar a máquina de fake news, numa guerra de propaganda contra a verdade. A tática de atacar simultaneamente contra dois flancos (Supremo Tribunal Federal e Senado Federal) é uma manobra diversionista em uma última e desesperada contraofensiva para impedir o cerco final contra o governo federal, que não vai se render ou capitular, mesmo diante do prazo final para sanção presidencial do Orçamento em 22 de abril.

 Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas


*


CENTRÃO SEM DIETA

Os notáveis membros do Centrão comem de tudo. Não suportam dietas. São veganos. Se for para ganhar vantagens, roem até os ossos. Lambem os beiços. Não têm escrúpulos. São diabos gulosos fantasiados de núcleo político. Não veem cara nem coração. Querem cargos e vantagens. Já conseguiram o  Ministério da Cidadania.  Apoiam quem estiver no poder. Juntam-se a ele esfomeados. Como mendigos atrás de um prato de comida. Bolsonaro já foi encurralado com a ganância do Centrão. Tem goelas profundas. Lira e Pacheco estão unidos no morde  e assopra com o Palácio do Planalto. Ensaboados fariseus. Estão se lixando para críticas. São leais enquanto ganham tudo que exigem do governo. Com eles a lua de mel tem prazo de validade. Bolsonaro jogou todas as fichas para eleger os presidentes do Senado e da Câmara. O objetivo é permanecer na chefia da Nação. Driblar o impeachment. Fragilizar a CPI da covid. Mesmo sem máscara e jogando contra as vacinas. Xingando os outros e debochando da ciência. Enquanto o Brasil é humilhado com mais de 350 mil mortes. 


Vicente Limongi Netto limongineto@hotmail.com

Brasília


*


ESTRATÉGIA

Em um jogo de xadrez não é possível atacar o rei no primeiro movimento, é preciso remover os obstáculos, as outras peças, até poder atacar diretamente o rei. Para derrubar o presidente Bolsonaro os políticos deveriam criar estratégias para atacar o deputado Arthur Lira, deveriam tornar a vida dele difícil, votar contra todas as suas propostas, revisar os processos que ele responde, até que Lira finalmente se veja encurralado, renuncie ou acolha um dos tantos pedidos de impeachment contra Bolsonaro. A mesma estratégia se aplica ao procurador-geral da República, que deveria ter todos os seus interesses contrariados, inclusive e principalmente a nomeação para o STF, até que finalmente Augusto Aras acolha e dê andamento a alguma das tantas denúncias contra Bolsonaro. A abertura de uma CPI para investigar os crimes cometidos por Bolsonaro na gestão da Saúde na pandemia é o primeiro passo, mas é preciso agilizar o jogo, atacar em todas as frentes, com 4 mil brasileiros morrendo por dia o País tem pressa, não se pode pensar em resolver nas urnas, no fim do ano que vem, Bolsonaro tem que cair agora, já!

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

OS MAIS FORTES


O Estado deve garantir a liberdade aos mais fortes para usarem suas capacidades para o progresso de todos. O capitalismo é a ideologia política e economia que mais permite o progresso dos mais fortes e, consequentemente, o de todos.

Os mais fortes devem ter o direito ao progresso, mas não podem ficar donos de tudo a ponto de destruírem os mais fracos. A igualdade deve ser feita tomando como parâmetro o nível dos ricos. Os ricos não devem ser discriminados pelos pobres, os ricos devem ser tomados como exemplo.

As riquezas produzidas pelos mais fortes devem ser compartilhadas com todos, o direito de propriedade é relativo. Não adianta existir a multiplicação dos pães, se não houver partilha.

A liberdade de iniciativa consentida aos mais fortes e iluminados é o motor que traz o desenvolvimento da ciência e o desenrolar da história.


Francisco Anéas franciscoaneas66@gmail.com


*

SE IGNORÂNCIA MATASSE...

Pressionando descaradamente, o presidente Jair Bolsonaro intimou o senador Jorge Kajuru para também incluir no pedido da CPI da Pandemia o impeachment de ministros, governadores e prefeitos do País. Ninguém esclareceu ao capitão que a abertura de uma CPI é singela e simples, já para o impeachment existem regras fixas e bem definidas. Mesmo assim, se pudesse colocar pedido de impeachment de alguém, o primeiro da fila seria Jair Messias Bolsonaro – que de Messias não tem nada. Na verdade, se ignorância matasse...

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CPI PARA COMBATER O VÍRUS

Senador Pacheco. O combate à pandemia é o assunto do momento. Considerando que sofreremos com ela até, pelo menos, meados do próximo ano, convém dirigir os esforços da CPI para definir as melhores condutas para combater a disseminação do vírus, salientando a essencialidade do uso de máscara, álcool em gel e afastamento social, enquanto a vacina não chega para todos. A CPI deve mostrar a importância dessas medidas, e outras mais, e obrigar o presidente da República a parar com a sabotagem que até hoje ele tem feito contra elas, além do desperdício de dinheiro público com remédios inócuos. O próprio ministro da Saúde já disse que “sugeriu” ao presidente a adoção dessas medidas, mas que não adiantou. Quem sabe a CPI consegue, sob ameaça de impeachment? Afinal, um efetivo combate à pandemia é essencial para todos nós.


Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia


*


GOLPE NA CPI


A CPI nasceu para investigar a atuação do presidente da República e do Ministério da Saúde na pandemia. Agora, insidiosamente, surgiu uma ideia “melhor”, investigar também 27 Estados e mais de 5.500 municípios. Evidentemente, dá para jogar uma quantidade enorme de elementos que serão empurrados com a barriga até serem enterrados em um lamaçal qualquer. Assim, nosso Messias poderá continuar a fazer o que gosta: andar de moto sem máscara e visitar padarias da periferia de Brasília, que é isso que atrai nosso grande líder...

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com


*


QUEM NÃO DEVE...


O ocupante de cargo público, seja no Executivo, Legislativo ou Judiciário não pode recriminar qualquer processo que vise a investigar seus procedimentos. E as reações agressivas do atual presidente da República em relação à CPI aprovada pelo Senado são reprováveis.. Quem não deve não teme.


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

EXPLOSIVO PRESIDENTE


Jair Bolsonaro nem sequer é digno de ser representante político em um sistema democrático, quiçá de ocupar a Presidência da República. Isso já o sabiam pelo menos 58 milhões de brasileiros que escolheram Fernando Haddad, anularam ou votaram em branco no pleito de 2018. O editorial Da perplexidade ao desprezo (13/4, A3) mostra mais um dos crimes de responsabilidade do néscio que ocupa o Palácio do Planalto ao explicitamente tentar coagir outro Poder em seu benefício. Porém, nada acontecerá, haja vista a mais de centena de pedidos de cassação que dormem no Parlamento. Completando a constatação ao final do editorial, além de não aceitar normas como mau militar, Bolsonaro está procurando novas formas de detonar a bomba que planejou armar para explodir o quartel e o sistema de abastecimento de água de Guandu. Nisso parece estar no caminho certo. 

  

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Campinas-SP


*



INEPTOCRACIA


Tem havido uma sucessão de ineptocratas à testa do governo federal desde a eleição de Lula da Silva, passando por Dilma Rousseff e culminando com Jair Bolsonaro, expoente clássico da espécie. Oriundo do baixo clero parlamentar, tendo frequentado a Câmara Federal por quase 30 anos sem jamais ter colaborado com alguma proposta coerente, dele se recordam apenas as afrontas a seus pares, difíceis de relevar.

Em nada essa característica negativa se alterou quando assumiu o cargo atual, haja vista a forma desrespeitosa como se dirigiu ao ministro Luis Roberto Barroso, do STF, que lhe desagradou pela determinação da instalação da CPI da Pandemia. Demonstrando uma diatribe incorrigível, seu temperamento afrontoso mereceria uma reprimenda mais severa, de sorte a convencê-lo a respeitar seus concidadãos, colocando-o em seu devido lugar. 

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

UM ESCÂNDALO

É perturbador o fato de um jornalista, Oswaldo Eustáquio, estar preso há três meses e meio e a imprensa ficar quieta!  Ele está preso por crime de opinião, acusado de violar a Lei de Segurança Nacional. Está preso por ordem do ministro Alexandre de Moraes. O jornalista J.R. Guzzo tem razão! É um escândalo! 

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com


*

CADÊ NOSSA VACINA?

Os brasileiros estão curiosos para saber onde estão os milhões de vacinas que Jair Bolsonaro promete todos os dias? Pelo que se sabe, 95% das pessoas vacinadas no País receberam o imunizante da Coronavac do Instituto Butantan de São Paulo. Engole essa presidente Cloroquina ou vai continuar dizendo que não reconhece a “vachina”? Como dizia aquela senhorinha da Taubaté: “Isso é feio, menino”!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A PANDEMIA AVANÇA NO BRASIL

No final de 2020, o Brasil totalizava 192 mil mortes pela covid-19. Cem dias depois, já registramos 355 mil falecimentos, com menos de 24 milhões de brasileiros imunizados com a primeira dose. Os Estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro acumulam, juntos, 150 mil mortes. Os Estados Unidos bateram o recorde de 4,6 milhões de pessoas vacinadas em 24 horas. O Planalto agora prioriza a CPI da Pandemia, juntando aliados e tentando incluir os governadores e os prefeitos nas investigações. O amedrontado presidente Jair Bolsonaro continua circulando sem máscara, pregando alternativas milagrosas de tratamentos precoces e desprezando a real necessidade do auxílio emergencial.  

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte      

*

CAIXÃO DE VENTO

Inacreditável o quanto anda a corrupção nesta terra de Pindorama. Em tempos de desvios advindos da pandemia, reportagem de emissora aberta apontou um coirmão da criminosa vacina de vento. Em razão do overbooking nos cemitérios de algumas cidades, coveiros estão a reservar/ocupar catacumbas com caixões de vento. “A cada enxadada uma minhoca”, diz a sabedoria popular. A quem interessa essa empreitada? A que custo? Brasil, você não merece esses filhos bastardos! Que tristeza...


Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro


*


PRISÃO PERPÉTUA


Diante de mais um chocante, brutal e hediondo crime de homicídio, com requintes de sadismo e crueldade contra uma inocente e indefesa criança de apenas 4 anos, por parte do vereador e padrasto, vulgo Dr. Jairinho, cabe relembrar alguns dos casos mais notórios praticados ao longo dos últimos anos no País: Marcos Matsunaga, Dorothy Stang,Tim Lopes, Sandra Gomide, Liliana Friedenbach, Gil Rugai, Daniella Perez e Isabella Nardoni, entre dezenas de milhares de outros anônimos. Diante da repetição dos assassinatos, causa espécie que ainda não se tenha cogitado a adoção de pena de prisão perpétua para os criminosos. É hora de repensar o Código Penal, de maneira a punir severa e exemplarmente a prática de crimes hediondos, de modo senão a evitá-los, ao menos mitigar sua execução. Que os culpados apodreçam atrás das grades, antes de irem para o inferno. Muda Brasil!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*


COM PREJUÍZO DE R$ 1,7 BI, METRÔ DE SP CORTA TRENS


Barbaridade. É como enviar o usuário para a câmara de gás.


Francisco Barretto fdvbaretto@gmail.com

*

CESARE E LULA

Observando Barroso defender Cesare, dá para entender Lula estar leve, livre e solto!


Francisco José Sidoti  fransidoti@gmail.com

São Paulo


*

O SUPREMO TRIBUNAL SOB MIRA

Hoje, quarta-feira, o Brasil terá suas atenções voltadas para o julgamento de Sérgio Moro no STF. Acreditem que tal julgamento virá pelo fato de ter condenado os maiores facínoras do erário público. Não é crível que, na Suprema Corte de um país civilizado, se chegasse a tal desfaçatez! O arremate de tamanha injustiça nota-se pela inversão dos polos: o Estado-juiz que condena corruptos torna-se, a um só tempo, réu, ao fato de haver condenado os amigos da Corte. Certamente, a condenação do ex-juiz mergulhará no preço da promiscuidade indiferente do “dá cá toma lá”. Tal condenação, caso haja, não só desacredita como torna, quem o fizer, indigno daquele sublime posto. Juiz que condena inocente, pelo simples fato de ter cumprido com suas obrigações judicantes, inutiliza o bem; degrada os princípios; emudece oradores; azeda a justiça pelo calistismo de decisões infelizes, deixa-nos náufragos da segurança jurídica. Afirmam os analistas que uma Nação se mede pela qualidade de seus cidadãos. Concatenada nesta mesma ideia temos que, na mesma proporção, mede-se a excelência de um tribunal pelas figuras ali estantes. O Supremo também está sobe mira, e sob julgamento do povo. Certamente, se condenado for Sérgio Moro, o Supremo também o será. Com a diferença de que, para a condenação do Supremo não haverá apelação!

Antonio Bonival Camargo bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

 ABANDONO DO RIO DE JANEIRO


Enquanto São Paulo na gestão Covas tem dezenas de projetos de melhoria urbana, inclusive reforma de centenas de quilômetros de calçadas e de piso de várias avenidas, entre vários projetos, o Rio de Janeiro, com suas praças sujas, calçamento de péssima qualidade e vias urbanas esburacadas na Tijuca, Barra da Tijuca e zona sul, não possui qualquer projeto de revitalização urbana. A cidade dentre as capitais brasileiras é uma das mais relaxadas. Pagamos um IPTU absurdo e escorchante para nada ser feito na cidade há décadas. Porto Alegre revitalizou toda a orla do Guaíba; o balneário Camboriú vai revitalizar toda a sua orla, dentre outras obras. O Rio de Janeiro, com tudo pichado e caindo aos pedaços em todo o lugar, com túneis sujos e abandonados e sem fiscalização de coisa alguma, não faz uma melhoria urbana em canto algum. A própria Barra da Tijuca – área nobre da cidade – está abandonada, suja e esquecida há vários anos. Uma vergonha!


Paulo Roberto da Silva Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro


*






 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.