Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2021 | 23h50

Desgoverno Bolsonaro

Políticas medíocres

Enquanto os EUA pretendem encaminhar mais de US$ 2,2 trilhões para a infraestrutura e mais US$ 1,4 trilhão para a educação, com financiamento de dois anos de universidade para todo mundo, imigrantes incluídos, com isso buscando alavancar uma megaeconomia em escala colossal, o Brasil continua com sua eterna mentalidade medíocre de apenas dar esmolas à pobreza. Uma pobreza que só aumenta, com cada vez mais gente fora do mercado de trabalho e da escola. O País não tem recursos sequer para realizar o censo previsto para este ano, imaginem para uma renda básica. O Brasil, com o pior ensino fundamental do mundo e que só se preocupa em achatar renda e dar migalhas às dezenas de milhões de pessoas desprovidas de tudo, jamais chegará a lugar algum com esse tipo de visão. Políticas que apenas perpetuam a pobreza, sem jamais tirar as pessoas da pobreza, nada resolvem. Enquanto tivermos um mercado de trabalho precarizado, de baixa renda, e o País não fornecer ensino fundamental de qualidade, nada vamos resolver em termos econômicos ou sociais. Com certeza se avizinha um fosso estrutural entre o Brasil e os EUA ainda maior e mais profundo.

PAULO ROBERTO DA SILVA ALVES PAULOROBERTO.S.ALVES@HOTMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Tal marido, tal mulher

O brasileiro consciente não pode ignorar a notícia do Estado de que o programa Pátria Voluntária, conduzido pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, distribuiu pouco mais de 27 mil cestas básicas (insuficientes para uma favela de São Paulo...) e 38,5 mil quilos de alimentos. Comparativamente, a ONG criada pelo saudoso Betinho, a Ação da Cidadania, entregou 14 milhões de quilos de comida, o equivalente a 1,4 milhão de cestas básicas, desde o início da crise sanitária. Além disso, o programa federal da sra. Michelle recebeu mais de R$ 9 milhões só para propaganda. A meu ver, basta esse dado para definir o voto em 2022.

AMADEU ROBERTO GARRIDO DE PAULA

AMADEUGARRIDOADV@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Tristeza

Fico entristecido ao ver no dia a dia a via-crúcis em que estamos encalacrados. Não repetirei as questões da pandemia, da economia, do desemprego. O elenco bolsonarista é de pasmar! Em cargos de primeira linha, dois foram rifados em curto prazo, sendo o primeiro declaradamente nazista. O segundo havia pedido o fechamento do STF e foi agraciado com alto cargo no exterior. O pior chanceler da nossa História, recentemente demitido, aguarda nomeação para a primeira vaga importante que surgir. O ainda pior ministro do Meio Ambiente, já conhecido no mundo como o “cara de passar a boiada”, que já tinha um passado marcado por transações duvidosas, está sendo “fritado” por pressão de instituições nacionais e estrangeiras. E o general ex-ministro da Saúde? Aguarda-o uma CPI... O pior é ainda termos de aguentar a excrescência-mor por mais ano e meio. O Brasil não tem sossego. Como se não bastassem os anos Dilma. Não à toa, em vários quesitos o Brasil deixa muito a desejar quando comparado a outras nações em desenvolvimento.

FRANCISCO P. P. CANTO FRANCISCO@MCQUIMICA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Autodestruição

Não votei em Jair Bolsonaro, não consegui. Tinha ânsia só de ouvir sua voz estridente. De início senti acanhamento em assumir, pois também era anti-PT. Senti-me covarde, anulei e arrisquei. Apesar disso, ainda achava que Bolsonaro se havia cercado de gente competente, então, ora bolas, vamos dar uma chance ao homem (também dei essa chance ao Lula). Mas ele conseguiu se destruir sozinho, deu vários tiros no próprio pé, seguindo a cartilha petista até na defesa dos filhos, pactuando com o Centrão, etc., a lista é enorme. Acho que se fosse tão “macho” como apregoa, Bolsonaro teria a coragem de renunciar. Quantas pessoas mais vão precisar morrer por sua incompetência e insensibilidade? Orgulho de não ter votado nele.

MARIA LUCIA CARVALHO BRECH LUBRECH@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Eleições 2022

Terceira via

Auspicioso o fato de o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) admitir eventual participação nas prévias do partido, como candidato da terceira via em 2022. Ele se tem mostrado combativo e sensato diante dos mais intrincados problemas do País, e o Ceará tem protagonismo interessante, sobretudo na educação. Sua experiência profissional e sua vivência poderão traduzir-se em diferenciais contra a polarização Lula x Bolsonaro.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE MLUCIA.RJORGE@GMAIL.COM

PIRACICABA

*

Pandemia

Só pode ser piada

Criar uma CPI e colocar Omar Aziz e Renan Calheiros como presidente e relator é querer chegar a lugar nenhum. Fichas-sujas desde sempre vão querer negociar no meio de caminho, se chegarem a tanto. E ainda vem o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, obrigando o governo a realizar o censo. Deveria obrigar os parlamentares a reduzirem suas emendas – no popular, “propinas” – para sobrar dinheiro para o censo. Este é o Brasil surreal e sem jeito.

PAULO HENRIQUE C. DE OLIVEIRA PH.COIMBRAOLIVEIRA@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Delirante

Marcelo Queiroga diz que vacinação é mérito de Bolsonaro. Mais um ministro sofrendo das faculdades mentais?!

ROBERT HALLER ROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Corrupção

No Rio de Janeiro

O presidente do Tribunal Especial Misto que julgou o processo de impeachment do governador afastado Wilson Witzel disse que “o Rio acabou com um câncer”. Sério? Corrupção é como capim: quando cresce muito e é aparado, volta a crescer. Acabar com um tumor secular?!

PANAYOTIS POULIS PPOULIS46@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DIA DO TRABALHO

Ontem, 1º de maio, Dia do Trabalho,14,4 milhões (!) de brasileiros, mais que toda a população da cidade de São Paulo, passaram o feriado desempregados. Além de não terem ocupação e renda, não têm nenhuma perspectiva otimista e promissora de colocação profissional à sua frente num futuro próximo. Pobre Brasil.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O QUE COMEMORAR NESTE 1º DE MAIO?

O Dia do Trabalhador é uma data histórica muito importante para a classe trabalhadora mundial, em homenagem aos mártires de Chicago (1º de maio de 1886) e aos que de lá pra cá continuaram a luta pela redução das jornadas de trabalho, por mais direitos e melhores condições de vida e trabalho. 

Temos poucos motivos para comemorar este 1º de Maio de 2021, principalmente em razão da cruel pandemia do coronavírus, que no Brasil matou mais de 400 mil pessoas, e da grave crise que assola o País.

Nossa categoria, a dos padeiros, confeiteiros e balconistas, é a que oferece aos trabalhadores que vão para o trabalho e à população em geral a primeira refeição do dia. A ela dedico, como sempre e com muito orgulho, minha homenagem. 

Mas também aos profissionais da Saúde que, com muita coragem e determinação, estão colocando todo o conhecimento no combate à covid-19 em defesa da vida.

Chiquinho Pereira susanabuzelijornalismo@gmail.com

*

O TERRÍVEL GABINETE DO ÓDIO        

O terrível “gabinete do ódio”, capitaneado pelo filhote Carlos Bolsonaro, está em plena atividade, especialmente agora que foi instalada a CPI da Covid. As pressões e as ameaças aumentaram vertiginosamente a senadores e àqueles que não obedecem às esculhambações do presidente Jair Bolsonaro. Afinal, com os constantes revezes contra a sua conduta, só resta a Bolsonaro mobilizar e se apoiar nas milícias digitais. Na verdade, se o Supremo Tribunal Federal, por meio do ministro Alexandre de Moraes, der continuidade às investigações – que resultaram em várias prisões – é possível que o famigerado “gabinete do ódio” se retraia e deixe que o País resolva os problemas que não criou. Simples assim!

Júlio Roberto Ayres Brisola        jrobrisola@uol.com.br

São Paulo    

*

HOLOFOTES DA CPI

Luzes, câmera, ação: o senador Renan Calheiros voltou a ter um papel de destaque, mocinho e preocupado com a opinião dos brasileiros,  como se nunca tivesse sido bandido em papéis arquivados ou esquecidos nos armários da justiça amiga.

Carlos Gaspar carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

APANÁGIO DA CHARLATANICE

Em tempos de pandemia, quando a peste está disseminada universalmente, surge o terreno fértil para a ação dos charlatães,  pregadores de curas miraculosas que se alastram nas sociedades mais pobres, como é o caso da nossa.

Assim, se não houver um freio legal duro e implacável para enfrentá-la, a charlatanice contribuirá para o incremento acelerado das vítimas, já computadas em mais de 400 mil.

À CPI instalada, ciente de que a propagação está se multiplicando de forma geométrica, à razão de 100 mil mensais, compete acelerar seu trabalho de sorte a expurgar de nosso meio os impostores oficiais responsáveis pelo quadro tétrico ora vislumbrado. 

Impõe-se tal conduta à semelhança do que foi feito em outros países, sob  pena de continuarmos a lamentar indefinidamente nosso extermínio. 

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

O TRANSFERIDOR DE RESPONSABILIDADES.

Jair Messias Bolsonaro, presidente da República, além de outros, merece o título de “o grande transferidor de responsabilidades”, porque nunca perde a oportunidade de usar um laranja para imputar seus atos criticáveis. Assim aconteceu com Sérgio Moro, com Eduardo Pazuello, com Araújo, Mandetta, governadores e prefeitos, além de muitos outros. E, exceto raríssimas exceções, o agente passivo da transferência aceita a incumbência  e o tema fica enterrado. Entretanto, a CPI da Covid-19 irá desenterrar muitas de suas responsabilidades transferidas, como será o caso dos governadores, prefeitos, ficando uma interrogação sobre Pazuello, que assumiu o Ministério da Saúde com 14mil mortos pela covid-19 e deixou-o com mais de 300 mil. Assumirá sozinho as graves responsabilidades? Finalmente, quem ri da CPI estará se precipitando ou não?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

SOBRE CPIS

Eu nunca vi CPI resultar em alguma coisa que preste. Em muitos governos dos últimos 20 anos, várias CPIs foram instaladas e nada aconteceu. Trata-se de um desgaste para quem está na berlinda e, principalmente, para o povo, que fica incomodado com essas notícias inúteis. As anteriores foram um verdadeiro palanque eleitoral extemporâneo e  parece que a atual segue pelo mesmo caminho. Que pena! Quanta energia desperdiçada! São tantas ações que poderiam ser tomadas para ajudar o povo desvalido e os políticos não se emendam: continuam com esta algaravia própria da escorralha vadia e que vive à custa da desinformação e do dinheiro público. Enquanto isso a covid continua a se espalhar.

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

DEZ MIL A MAIS POR DIA DE ATRASO

Quantas vidas se perdem por dia de atraso da vacinação? Consideremos dois fatores. Primeiro, a taxa de mortalidade dos infectados, que hoje supera 3,0%. Considerando um porcentual menor, de 2,5%, vão a óbito 25 pessoas de cada 1.000 infectadas, ou 100 pessoas a cada 4.000 infectadas. Segundo, o ritmo da vacinação, estimado em atingir o número de mais de 400.000 pessoas por dia. Com essa intensidade, diariamente a vacinação livrará pelo menos 10.000 pessoas de irem a óbito (2,5% de 400.000). É esse o número que temos que considerar: O atraso do início da vacinação representa um aumento diário de mais de 10.000 ao número total de óbitos ao final da pandemia. Não está sendo considerado o aumento do número de óbitos causado pela vacinação em velocidade inferior à possível.    

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br

Cotia

*

IDIOTAS MASCARADOS

Depois de adquirir algumas máscaras do tipo KN95 produzidas na China e vendidas aqui em São Paulo, resolvi fazer uma pesquisa em inglês sobre esse modelo comercializado no exterior. Quase saí correndo atrás do safado que me vendeu um pacote com 5 (cinco) por R$ 20,00. Conclusão: se não quisermos continuar a morrer afogados pelo mar de burrice e má-fé que nos cerca, está na hora da Anvisa centralizar as compras de máscaras no Brasil e na China a fim de garantir a qualidade do produto. Pois lá, como aqui, os espertalhões se entendem, apesar da distância e dos idiomas que nos separam, pondo em risco nossas vidas.

Eduardo José Daros   daros@transporte.org.br

São Paulo

*

LEGADO DE BOLSONARO

Será que já passou pela cabeça do presidente Bolsonaro qual vai ser o  legado de seu governo ao povo brasileiro, já que falta pouco mais de um ano para terminar? Para mim é só o crescimento das agências funerárias.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

UM NÚMERO ENORME, NÉ !’

Só é um número enorme porque contou com vossa decisiva colaboração, senhor capitão presidente desta enferma nação! Em editorial, o Estadão (1.º.5.21), analisa as ações e omissões deste maléfico desgoverno. Em 36 dias passamos de 300 mil para 400 mil mortos. Só estamos atrás dos 575 mil mortos dos Estados Unidos, que alcançaram esse número absurdo graças a Donald Trump, guru endeusado por Bolsonaro e seu cavaleiro medieval Ernesto Araújo. Editoriais históricos precisam fazer parte do currículo escolar de futuras gerações, para que nunca mais sejam eleitos demagogos políticos populistas e necrófilos como Trump e Bolsonaro. Que assim seja!

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto alegre

*

CARA DE PAU

A cúpula da CPI da Pandemia (presidente, vice e relator) vem  declarando às escâncaras que os trabalhos serão técnicos, afastadas as injunções e manobras políticas (risos). Ressurgindo das cinzas como a mitológica fênix, o probo (?) e imaculado (?) Renan Calheiros vai até conversar com os militares. Por quê? Nem Judas seria capaz. Presidente Omar Aziz, essa fétida mentira tem nome: eleições 2022. Muita cara de pau, hein! Vacinas são inexpressivos detalhes, dane-se a moralidade, dirão os seus prontuários.

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A MENTIRA

Depois de 50 anos de militância política, descobri que 90% do que se fala na política é mentira. É tudo ideologia, e a ideologia está longe da verdade e da realidade. É difícil distinguir a mentira da verdade.

A política é um mundo de falsidade e mentira. A grande maioria dos políticos está na política para conseguir o poder em benefício próprio, melhorar de vida, não passam de pessoas individualistas e interesseiras.

Na minha visão o importante é o bem-estar real da coletividade, independentemente de qualquer ideologia. Mas a grande maioria dos políticos fica defendendo ideologias e visa na realidade aos seus próprios interesses individuais, como dinheiro, tráfico de influência, benefícios e outras vantagens obtidas com o cargo político.

No mundo das ideologias tudo é possível, até vender grandes mentiras e usar e enganar a militância que age de boa-fé. Um exército de militantes idealistas é enganado constantemente por políticos profissionais que só visam aos interesses próprios.

Na política se mente descaradamente, promete-se sabendo que não vai entregar, omite-se a verdade e a realidade. Tudo pelo poder, em benefício próprio e à custas do coletivo.

Na política o que mais se faz para dominar e controlar o povo é dividi-la em ideologias de direita e de esquerda. A primeira coisa que os políticos fazem é te rotular se você é de direita ou de esquerda. É a velha estratégia do dividir para reinar, de Maquiavel.

Militantes idealistas e honestos gastam toda a própria vida e todo o dinheiro buscando se elegerem para um cargo público e não conseguem. A política é um mundo de gente desonesta e individualista, um mundo difícil de entrar; os demônios não gostam de dividir o poder.

Depois de muitas desilusões com políticos eleitos eu não tenho mais em quem votar.

Francisco Anéas franciscoaneas66@gmail.com

*

BOLSONARO E A CPI

Infelizmente o presidente agiu de forma totalmente equivocada em relação a essa pandemia, propagando ideias que não foram embasadas na ciência, causou aglomeração e divulgou um remédio que dizia ser ótimo para curar essa doença, e não foi isso que se viu. Agiu como um curandeiro. Plantou vento e vai colher tempestade com essa CPI.  Quem procura acha e no fim de tudo, com essas atitudes, é capaz de cavar o próprio túmulo com um processo de impeachment,  não sendo os ventos nada favoráveis para Bolsonaro. Tomara que não!

Reinner Carlos de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

SEM PERDÃO E SEM ESQUECIMENTO

Até o fim do mês o País terá enterrado meio milhão de cidadãos, até o fim do ano serão milhões de mortos. A pandemia não teria sido tão ruim para o Brasil se o País tivesse feito o básico: vacina, máscara e distanciamento social, bastava ter seguido as orientações das autoridades de saúde. O presidente Bolsonaro se mostrou desde o começo da pandemia muito mais preocupado com a sua reeleição, apostou no populismo tosco, claro que ninguém quer ficar em casa, usar máscara, foi muito fácil para Bolsonaro atacar essas medidas impopulares. Bolsonaro até hoje não acredita nas vacinas, não comprou, não deixou que comprassem, se dependesse de Bolsonaro o País inteiro estaria tomando remédios para piolho e morrendo, sem oxigênio, sem anestesia. O mundo já condenou Bolsonaro pelos seus erros criminosos na pandemia, falta as instituições brasileiras se darem conta que dessa vez será diferente, não será possível varrer os milhões de mortos para debaixo do tapete, não haverá perdão, não haverá esquecimento.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

LATINO-AMERICANOS

Seríamos, latino-americanos, tão celebrados liricamente, os verdugos da humanidade, dada a inépcia de seus Estados, a partir do brasileiro,  para combater o vírus? Como se sentiriam Violeta Parra e Pablo Neruda?

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

PAÍS AGONIZANTE

O Brasil não suporta mais um impeachment. É uma carga pesada demais.

Entretanto, a CPI servirá para mostrar a Bolsonaro que existe, além de seus filhos, um país agonizante e em luto. Falta a ele entender essa realidade e passar a pensar no povo, assumir seus enormes erros e não pensar somente em acusar outros pelos seus enganos. Já passa da hora!

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

RIO DE JANEIRO

A política corrompe até os mais preparados. Vejamos o exemplo do Rio de Janeiro, onde o governador acaba de ser impedido de governar numa sucessão perversa da repetição dos fatos anos a fio. E no caso específico mais grave ainda, por se tratar de um ex-juiz federal que

poderia servir de modelo, mas preferiu cair na melodia de quanto mais fácil melhor, desperdiçando dinheiro público e colocando em risco a população do Estado.

Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

A RESPOSTA DA ALERJ

Há tempos a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro vem empurrando com a barriga mal feitos de seus  pares. Witzel foi cassado, mas o Rio de Janeiro está devendo mais respostas ao eleitor carioca. Na fila estão  o dr. Jairinho e a Flordelis.  São  crimes diferentes, mas não menos importantes. De toda a forma matam vidas. Aguardemos os próximos passos. Quem quer ser respeitado tem de respeitar o cidadão que o coloca no poder.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MERCADO IMOBILIÁRIO EM TRANSIÇÃO

“A localização é o fator mais importante ao escolher um imóvel.” Este princípio ainda é válido, mas cada vez menos. Banco remoto, estudo remoto, trabalho remoto, sites comerciais remotos, logística para centrais remotas de abastecimento cobrindo regiões bem maiores do que as lojas, desintermediação na cadeia de fornecimento, etc., estão mudando a nossa realidade a passos largos. E certamente isto vai revolucionar o mercado imobiliário, não menos do que está fazendo com a vida de todos nós. 

Jorge A. Nurkin Jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.