Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2021 | 03h00

Massacre no Jacarezinho

Guerrilha urbana

A operação policial no Rio de Janeiro que resultou em 25 mortes – entre elas, a de um policial – e ocupa as manchetes nacionais e internacionais é o resultado de décadas de impunidade, negligência, aproveitamento político e tolhimento das atividades policiais. Demonstra que o crime organizado floresceu e hoje domina importantes áreas do território e, pela reação, anteontem, já atua como guerrilha urbana. Infelizmente, a tendência é que outras mortes em larga escala venham a ser anunciadas em futuras ações e, pior, os mortos sempre serão os infelizes aliciados, já que os comandantes do crime não vivem no morro, são figuras da sociedade, muitas acima de qualquer suspeita. Cedo ou tarde, o Estado brasileiro terá de readquirir o controle do território, pois a população já não suporta a convivência com o crime e a coação que hoje a escraviza. Nos próximos dias o Supremo Tribunal Federal se pronunciará sobre um plano de redução da letalidade policial, proposto por um partido político. Deveriam os autores pôr na mesa também a redução da letalidade dos criminosos, que matam com requintes de crueldade e muitas vezes restam impunes porque nem são identificados. Precisamos de equilíbrio e compreensão de que a polícia é o último recurso empregado quando todos os demais falham. Não vamos ideologizar a segurança pública, pois as vítimas seremos todos nós.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES ASPOMILPM@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Triunfo da barbárie

Inaceitável a execução sumária de civis no Morro do Jacarezinho. A polícia devia proteger os cidadãos e atuar dentro da lei, não agir como os bandidos. Estamos vendo o triunfo da barbárie sobre a civilização no Brasil de Bolsonaro e sua gangue. Em vez de respeito à Constituição, às leis, aos direitos humanos, o que temos é selvageria e brutalidade de quem deveria defender a lei e a justiça. Se as pessoas executadas eram suspeitas da prática de crimes, que fossem investigadas e julgadas pelo Judiciário. O governador do Rio e todos os envolvidos no massacre de civis devem ser punidos de forma exemplar, para que isso não se repita. O Estado Democrático de Direito e a democracia estão sob forte ameaça no trágico Brasil atual.

RENATO KHAIR RENATOKHAIR@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Pandemia e desgoverno

Queiroga na CPI

Vergonhoso o depoimento do ministro da Saúde, um homem da ciência que serve a um destemperado, desqualificado, que, infelizmente, é nosso presidente. Não há mais homens públicos com interesse em desenvolver um trabalho em prol da sociedade? O que leva um médico a aceitar ser ministro da Saúde e trair sua classe? A subserviência é notória e o mostra como mais um capacho que, certamente, colaborará para o caos se instaurar no Brasil. Será coautor das mortes crescentes.

JORGE AUGUSTO MORAIS DA SILVA JOTAUGUSTOADV@ICLOUD.COM

SÃO PAULO

*

Imunização

Se os 460 milhões de doses de vacinas que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou estarem compradas tivessem sido adquiridas no segundo semestre de 2020, e já aplicadas, grande parte das mais de 415 mil mortes pela covid-19, no Brasil, teria sido evitada.

ADRILES ULHOA FILHO ADRILES@UAI.COM.BR

BELO HORIZONTE

*

Erro estratégico

Toda a discussão envolvendo os limites de questionamentos e respostas do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na sessão desta quinta-feira da CPI da pandemia se deve ao erro estratégico de ouvi-lo como testemunha, o que restringe a sua liberdade de manifestar opinião, de acordo com a legislação processual penal. Autoridades federais não indiciadas devem ser ouvidas sempre como tal, não como testemunhas, uma vez que têm o dever constitucional de prestar contas. Isso permitiria amplo debate e possibilitaria as respostas às perguntas desejadas pelo relator.

LEONARDO DAVID QUINTILIANO LEODAQUI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Confusão

Os membros governistas da CPI precisam aprender a diferença entre ser médico e ser cientista.

PAULO TILELLI DE ALMEIDA PTILELLI@GMAIL.COM

BEBEDOURO

*

Disparates

Qual seria o correto: CPI da pandemia ou pandemia da CPI? É muita asneira num só local.

CARLOS AVINO CARLOSAVINO.JAKS@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Dia das Mães

Meu profundo sentimento pelas mães que perderam seus filhos para a covid-19 e choram nesse dia. E também aos filhos que sofreram a perda insubstituível de sua mãe. O vírus não é o único responsável por esse luto, alguém tem de ser responsabilizado por tantas mortes!

TANIA TAVARES TANIATMA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Tristeza e indiferença

Este Dia das Mães será o mais triste da História da humanidade. Mas ainda há quem não se emocione com a perda de cerca de 420 mil filhos do Brasil.

CARLOS GASPAR  CARLOS-GASPAR@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Trânsito

Mais segurança, menos mortes

Em vários países modernos já existe legislação estabelecendo que cada veículo motorizado deve ter um dispositivo para ligar as luzes automaticamente quando o motor é ligado. Assim se conseguiu drástica redução do número de acidentes e de mortes no trânsito. Por isso entendo, e recomendo, que cada veículo vendido no Brasil passe a dispor desse dispositivo. E as bicicletas devem ter um dínamo para gerar eletricidade para o farol dianteiro e para a luz vermelha de trás; os pedais devem ter refletores amarelos. Assim vamos ter mais segurança e menos mortes no trânsito.

MICHAEL PEUSER MPEUSER@HOTMAIL.COM

SANTOS

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘O BRASIL COM FOME’

É verdadeiramente chocante e devastadora a leitura do editorial do Estadão O Brasil com fome (7/5, A3), relatando que, segundo a Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, no fim de 2020, nada menos que 55,2% dos domicílios brasileiros, abrigando 116,8 milhões de pessoas, sofriam algum grau de insegurança alimentar. Desses, 19,1 milhões (9% da população) passavam fome. Na pesquisa da Universidade Livre de Berlim o quadro é ainda mais tétrico, com 59% dos domicílios em insegurança alimentar e 15% em situação grave. É absolutamente imperioso que esse quadro dantesco seja melhorado de pronto no País tido como “celeiro do mundo”, um dos maiores produtores de alimentos do planeta. Em meio à devastadora e tenebrosa pandemia de covid-19, a fome grassa e dói em mais da metade dos lares nacionais, envergonhando o País perante o mundo. Basta de barrigas vazias! Comida na mesa já.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A AUTOINCRIMINAÇÃO DO PRESIDENTE

Em relação ao editorial do Estadão (6/5), sob o título Autoincriminação, cumpre acrescentar a incompetência escancarada do presidente da República para desempenhar condignamente o mais alto cargo do País. Estamos vivendo uma espécie de pesadelo coletivo, com uma versão da Inquisição da Idade Média, em pleno século 21, incluindo a teoria do terraplanismo, além de suas fobias. Em consequência, esses elementos indicaram ministros que não tinham nada a ver com as atribuições das pastas, para as quais foram nomeados. Dentro dessa estranha realidade, para um país que já foi a 8ª Economia do planeta, fomos atingidos por uma pandemia, inédita para as atuais gerações. Também tivemos ministros competentes, que foram afastados de seus Ministérios por causa da interferência absurda do próprio chefe do Executivo, como pudemos comprovar nas declarações dos ex-titulares da Saúde na CPI do Senado Federal. O presidente acredita piamente que a melhor defesa é o ataque e, nessa insana teoria, deu mais uma importante contribuição à covid, ao declarar há dias, pasmem: ″É um vírus novo, ninguém sabe se nasceu em laboratório″.  Em seguida insinuou que o seu berço estaria na China. Resolveu também atrapalhar a vacinação, insinuando mentiras a respeito da China, que está sendo um grande parceiro nosso. Inclusive, para superar o atraso da vacinação, provocada exclusivamente por ele, Bolsonaro, por pura questão ideológica. Em defesa da cloroquina também declarou: “Canalha é aquele que critica o tratamento precoce e não apresenta alternativa. Esse é um canalha”. Ora, em que escola de medicina teria estudado o chefe do Executivo para pensar na preexistência de um fármaco pronto, esperando pelo aparecimento de um vírus novo? Como nos ensinaram médicos e cientistas entrevistados nos canais de televisão, um vírus só é combatido por uma vacina específica. Se ele é um novo vírus, os cientistas têm que correr para descobrir a específica para ele. A verdade escancarada cada vez mais, inclusive para os incrédulos que acreditaram até agora em Bolsonaro, é que a sua ignorância na ciência, na medicina em particular, está levando o Brasil para um buraco profundo e milhares de brasileiros para covas prematuras.  

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

SUPOSIÇÕES MAQUIAVÉLICAS DO JAIR

Suponha que já recebeu 50 milhões de doses de vacinas correspondentes a 25 milhões de imunizações de um governador a quem odeia. Suponha que conseguiu comprar da Pfizer 280 milhões de doses para 140 milhões de imunizações. Portanto, tem garantido 165 milhões de doses de imunizantes, que correspondem a 78% da população. Suponha que se falar mal dos sensíveis chineses, esses deixarão de fornecer insumos para o odiado governador, prejudicando sua produção de vacinas. Finalmente, suponha ser um destituído de qualquer coisa, um inconsequente que faz qualquer coisa contra seus “inimigos” adversários. Portanto, mais uma que o Jair ganha.

Alberto Mac Dowell de Figueiredo amdfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*


VACINAS JÁ!

Os laboratórios farmacêuticos fizeram um grande trabalho desenvolvendo vacinas seguras e eficazes em tempo recorde contra o novo vírus da covid-19, o mundo deve muito aos cientistas desses laboratórios. O problema é que as vacinas estão sendo tratadas como um produto qualquer, os laboratórios estão produzindo as vacinas em ritmo confortável para eles, falta a esses laboratórios enxergarem a urgência com que o mundo inteiro precisa dessas vacinas. Os laboratórios deveriam fazer um esforço muito maior do que estão fazendo para aumentar a produção das vacinas. Cada dia sem vacinas são milhares de mortos no mundo inteiro, não é possível continuar programando entregas para o fim do ano, para o ano que vem, o mundo inteiro precisa de bilhões de doses de vacinas hoje, agora, já! Um grande aumento voluntário na produção de vacinas pelos laboratórios poderia evitar o processo de suspensão de patentes, poderia evitar a produção de vacinas fora dos padrões de qualidade, por laboratórios pouco gabaritados.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SENADORES COGITAM CONDUÇÃO COERCITIVA PARA PAZUELLO IR À CPI

Esse ex-ministro esta se borrando todo!


 Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo


*


MARCELO QUEIROGA


Em seu depoimento à CPI da Covid, restou claro que o ministro da Saúde, o médico Marcelo Queiroga, considerou mais importante sua fidelidade ao presidente Bolsonaro do que seu juramento a Hipócrates, pois não?


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

POSICIONAMENTO DO ATUAL MINISTRO DA SAÚDE.

 A CPI da Covid-19 contou com a presença de um médico e ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que faz de tudo para continuar ministro. Suas respostas aos questionamentos feitos pela mesa diretora foram daquelas que fogem do ponto central, evitando raspar no nome do seu chefe, Bolsonaro. Verificou-se que, entre a técnica e o desejo de permanecer ministro e não contrariar Bolsonaro, demonstrou preferir ser ministro, usando a técnica somente para sedimentar suas evasivas. O seu depoimento foi ótimo para Bolsonaro, mas péssimo para a reputação do médico e ministro, se é que ele ainda se importa com ela. Por fim, a CPI merece os nossos cumprimentos pelos trabalhos que está a realizar.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uo.com.br

Rio Claro


*


E AGORA, JAIR?    

As testemunhas que ainda serão ouvidas pela CPI da Covid estão deixando Jair Bolsonaro sem dormir. Ora, causa muita apreensão o “sincericídio” do ministro da Economia, Paulo Guedes, que pode – e deve – falar toda a verdade. Quanto ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, percebendo que será o “boi de piranha”, está sendo aconselhado a ir testemunhar devidamente fardado e com todas as medalhas recebidas no Exército. Já em relação ao atual ministro Marcelo Queiroga, ficou evidente que “vendeu a sua alma de médico para se manter no governo”. Afinal, “quem tem ... tem medo”, não é mesmo José, digo Jair Bolsonaro?  

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo    

 

*

CLARO COMO A LUZ DO SOL


A CPI da pandemia já deixou claro que o verdadeiro ministro da Saúde do Brasil se chama Jair Messias Bolsonaro e acumula o cargo com a Presidência da República. Mandetta, Teich, Pazuello e Queiroga não mandam em nada e não têm poder algum, todas as decisões foram e continuam sendo tomadas por Bolsonaro. O presidente Bolsonaro é o responsável pelo Brasil ter se desviado do caminho indicado pela OMS: vacina, máscara e distanciamento social. Bolsonaro não comprou e desacreditou as vacinas, acha “um saco” usar a máscara e entrou na justiça contra o distanciamento social. O leigo Jair Bolsonaro receitou e continua receitando remédios para piolho para combater a pandemia, apesar de esses remédios terem sido sumariamente descartados em todo o mundo e serem comprovadamente ineficazes no combate à covid-19. Com quase meio milhão de brasileiros mortos pela pior gestão da pandemia do planeta, há motivos de sobra para Bolsonaro sair do Palácio do Planalto diretamente para a cadeia. Resta saber o que as instituições brasileiras estão esperando para pararem de prevaricar e cumprirem seu dever constitucional de afastar Bolsonaro da Presidência da República.     

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*


DR. FANTÁSTICO NO BRASIL DAS TREVAS


Quem manda no Ministério da Saúde do Brasil é o "Doutor Fantástico", também conhecido como Capitão Cloroquina, no "Gabinete das Trevas", do Palácio da Mentira. Esta é a constatação esclarecedora a que se chega, lendo a lúcida coluna de Eliane Cantanhêde Gabinete das Trevas, no Estadão (7/5/21). A CPI da Covid, no Senado Federal, onde desfilam os ministros da Saúde deste desgoverno doentio, não deixa dúvidas de por que o Brasil está tão mal da saúde.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

EM TROCA DO QUÊ?       

Um dos momentos mais constrangedores do depoimento do ministro Marcelo Queiroga à CPI da Covid foi a descarada tergiversação ao ser indagado se acreditava no benefício da cloroquina. Sua reação disse tudo: embora ele saiba muito bem que a droga não funciona para a doença, sua não resposta demonstra clara subserviência à opinião do presidente da República, que, aliás, deveria ser processado por exercício ilegal da medicina. A exemplo do personagem mitológico “Dr. Fausto”, que vendeu a alma ao diabo (Mefistófeles) em troca de conhecimento, Queiroga vende a alma a Bolsonaro. Só não está claro em troca do quê. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

SUBMISSÃO À RESPOSTA DAS URNAS

Todos os brasileiros estão assistindo ao circo que é essa CPI. Se essa comissão quer mesmo apurar roubos nessa pandemia, foque nos governadores e prefeitos. O governador Witzel sofreu impeachment, o governador de Santa Catarina está na fila. Não é hora de parar com essa politização e investigar o que foi feito com o dinheiro do povo? Todos que estão nessa CPI almejam votos numa próxima eleição. O povo está de olho. Como acreditar num grupo que deixou a raposa tomar conta do galinheiro? A submissão quando atende a interesses espúrios costuma ficar muito cara, como sempre ao cidadão, mas terá resposta nas urnas. É uma questão de tempo.


Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo


*


MEDICINA E FARMACOS


A Medicina é a ciência que estuda a saúde, seu objetivo é de prevenir, combater doenças, manter a qualidade de vida e promover o bem-estar individual e coletivo. Com 310 Faculdades de Medicina no Brasil, somos o primeiro do mundo em número de vagas, e é obvio que se trata de um negócio rentável. Atingimos 500 mil médicos em 2020, marca estratosférica, focados em quantidade, sem cuidado com qualidade do profissional formado. Apenas 1,7% dos cursos de medicina no País conquistaram a nota máxima em avaliação do MEC. Conforme dados do Conceito Preliminar de Curso, em notas que variaram de 1 a 5, a maioria dos avaliados em 2019 alcançou nota 4 (56%) e 42% obtiveram nota 2 ou 3, e os cursos com notas inferiores a 3 deveriam ser automaticamente incluídos em cronograma de monitoramento do Inep, podendo até mesmo sofrer descredenciamento. Na qualificação profissional para o exercício da Medicina, o exame realizado pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo em 2005 é evidência da péssima qualidade da formação médica no Brasil. 46,7% dos 4.821 alunos que realizaram o exame foram reprovados.

            O Conselho Federal de Medicina (CFM) tem por atribuição a fiscalização da atuação dos médicos, podendo cassar o registro do profissional que cometer infração ao Código de Ética Médica. Em seu papel político, deve atuar com o poder público para garantir as condições de saúde da população. É esperado que o CFM se dedique a assegurar uma Medicina de qualidade calcada em conhecimentos científicos, para não sermos assistidos por profissionais despreparados seduzidos pela indústria de fármacos.

            Com relação aos fármacos, para cumprir seu papel político, o CFM precisa liderar um levantamento, como efetuado na França em 2014, conduzido por médicos, que avaliaram 5 mil medicamentos disponíveis em mais de 15 mil formas diferentes, constatando que penas 150 a 200 foram necessários para tratar 95% de doenças que incidem sobre os franceses.

            Seria relevante para a população que, em vez de proteger médicos que prescrevem medicamentos inefetivos para a covid-19, como a cloroquina, exigir que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e o Ministério da Saúde façam a triagem de todos os medicamentos para classificar os essenciais à boa saúde. Os dados conhecidos sobre a periculosidade ou a inutilidade de tratamentos não têm sido tomados em consideração, e medicamentos que se destinam a uma larga prescrição são do interesse dos laboratórios e distribuídos em grande escala.

            Não se posicionar contra medicamentos propostos por um curandeiro é omissão, acobertamento, e depõe contra o papel político do CFM.


Nelson Frederico Seiffert  nfseiffert@outlook.com.br

Florianópolis

*

OPERAÇÃO JACAREZINHO

Parabéns à Polícia Civil do Rio de Janeiro pela operação efetuada na comunidade Jacarezinho. É desalentador ver certa parte da imprensa criticar a ação dos policiais, porque o resultado culminou na morte de 24 criminosos, traficantes e aliciadores de menores. O saldo positivo também está na quantidade de armas e drogas apreendidas. 


Paulo Cardoso Jr. paulo.cardoso.junior@hotmail.com

São Paulo


*

CHACINA INFERNAL


A inqualificável foto publicada na primeira página de O Estado, revelando o que ocorreu em Jacarezinho, servirá para ilustrar as dissertações do futuro, quando os historiadores  se debruçarem sobre o tópico “Estado Inimigo”. Os autores da chacina em posição de brutalidade e, principalmente, mulheres encurraladas no lado oposto.  E saber que esses trogloditas são sustentados por nossos impostos. Se o armamento pesado que descreveram não tivesse sido plantado pelas “forças da ordem”, não teria havido um único policial morto – a lamentar-se como os demais – porque a morte não é essa trivialidade admitida pelo Brasil em pleno século 21. Obviamente que não se limitaram a cumprir ordem da Suprema Corte, referência inserida no plano de destruição de nossa Democracia.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo


*


MASSACRE NO RIO DE JANEIRO


Gravada em 1991, a música W/Brasil, de Jorge Ben Jor, voltou a ter atualidade depois de três décadas por causa do famoso refrão: Jacarezinho. Avião. Cuidado com o Disco Voador. Significando que o tráfico de drogas na favela deveria tomar cuidado com a chegada dos blindados da polícia. A diferença é que mudou o presidente da República e não dá mais para chamar o síndico Tim Maia para colocar ordem no País.


Luiz Roberto Da Costa Jr. ltcostajr@uol.com.br

Campinas


*


CCJ BARRA PROJETO


A notícia de que o projeto que cria a figura do crime de responsabilidade para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em discussão na Câmara, recebeu parecer de inconstitucionalidade por parte da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) mostra que os legisladores estão mesmo preocupados com o jogo do poder. Em verdade o que deveria nortear essa questão seria o exame da leitura distorcida da Constituição por parte do STF, que tem ocorrido com alguma frequência ultimamente, como no caso do último impeachment de presidente, uso de material pirateado e julgamento de parcialidade sem direito de defesa.


José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos


*

SARNEY-LULA, A DUPLA DO ATRASO


Quanto mais buscamos eliminar tristes figuras políticas que só trouxeram infelicidade ao País,  como Lula e Sarney, mais a imprensa, que parece carecer de assunto, basta qualquer um dos dois dar as caras, os transforma em notícia, como agora, noticiando o encontro dessa dupla mal acabada de políticos. Nem lembrávamos mais do Sarney e eis que ele volta sem mais nem porque ao noticiário, mesmo admitindo que ele ainda seja o coronel político que orienta os políticos do norte-nordeste, o que ajuda nosso atraso secular. Quanto ao Lula, você vê num canto de jornal que ele nem teve tempo nesta semana para outras atividades, porque  esteve ocupado em reuniões com embaixadores! Deus meu, que países estão interessados nessa coisa? Realmente, o Brasil é um país sui generis! Enquanto vivermos dependendo pessoas assim, jamais seremos Primeiro Mundo. Melhor não ler mais jornais porque irrita nosso cérebro!

  

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo


*


PERFIL IDEAL


Eu estudei em um colégio público denominado Colégio Estadual Culto à Ciência, em Campinas (SP). Como posso negar a ciência? Meu pai era pesquisador científico.  O respeito à ciência está entranhado em minha alma, mas apesar de tudo aceito a falta de conhecimento do presidente, sua rudeza, seu empenho em querer defender a família e a pátria. Não acredito que ele seja do mal. Ele é apenas um cidadão comum, apedeuta como o povo: ele não acredita em micro-organismos como bactérias e vírus. Lamento. Eu preferiria um presidente culto, com português castiço e essencialmente honesto, mas infelizmente este personagem é uma visão delirante que ocorre no deserto com sentimento de sede e frio. Que eu me lembre, o último cidadão com este perfil era o médico, ex-telegrafista, Juscelino Kubitschek de Oliveira. Otimista por natureza, ele trouxe a indústria, o desenvolvimento da infraestrutura, descobriu o interior do Brasil, a alegria do crescimento econômico e a bossa-nova. A cultura foi aos céus. Tenho saudades!! 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

ABSOLUTAMENTE SOB CONTROLE

O grande evento deste fim de semana promete ser a expectativa de entrada descontrolada na atmosfera de um enorme foguete chinês, que deve ocorrer até o dia 10 de maio. Na última vez que os chineses lançaram um foguete do mesmo tipo ocorreu um problema semelhante e os destroços danificaram vários edifícios na Costa do Marfim. Não é brincadeira, são 21 toneladas a uma velocidade de mais de 17 mil milhas por hora. Uma parte dos destroços deve queimar, mas o restante deve atingir o solo. Mais de 70% do planeta é água. O que preocupa um pouco é que cerca de 30% de sua trajetória é sobre terras, muitas delas habitadas. Nova York, Madri, várias cidades chinesas, Nova Zelândia, Chile e Argentina estão entre as possíveis alternativas de destino. Mas erra quem pensa que sua trajetória é absolutamente errática e que não há controle algum sobre ela. Não, sua trajetória é precisa e está plenamente sob controle, só que nós em nossa ignorância não sabemos como prevê-la. Mas controlada por quem? Ora, por várias leis, principalmente pela Lei da Gravidade.


Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo


*



  

   





 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.