Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2021 | 23h50


Massacre no Jacarezinho

Direitos humanos violados

O sistemático e contumaz extermínio de cidadãos no Rio de Janeiro nada mais é do que a resplandecência do enredo violento e opressor dos aparatos de força do Estado, exercido, majoritariamente, em comunidades carentes. A sangria produzida no Rio é apenas uma de tantas outras injustiças e violações dos direitos humanos praticadas contra grupos que residem em áreas específicas. Qualquer que fosse a qualificação ou o histórico criminal dos civis mortos na ação, nada, absolutamente nada, justifica o desproporcional, inefetivo e incoerente uso da força. Que, por bem, se abra uma frente investigativa ampla e imparcial. Sangue nunca foi ou será sinônimo de justiça, mas, sim, de brutalidade e ausência de inteligência operacional para enfrentar a criminalidade dentro dos limites da legalidade e dos direitos constitucionais basilares.

RENATO MENDES DO NASCIMENTO, advogado constitucionalista

RENATONASCIMENTO@UOL.COM.BR

SANTO ANDRÉ

*

O Brasil de Bolsonaro

Nosso presidente liberou a compra de armas, até de tipos e calibres absolutamente desnecessários para o uso de civis. Seu interesse na Polícia Federal e na Polícia Rodoviária Federal se limita à proteção de seus filhos, em vez de fazerem o trabalho de impedir que as drogas cheguem às nossas cidades, às comunidades do Rio de Janeiro. Agora que temos um governador do Estado do Rio que apoia o estilo do presidente, são assassinados 28 brasileiros civis numa ação absurda, justificada pela autoridade como operação “de inteligência”. Bolsonaro está destruindo a saúde, a educação, a cultura, o meio ambiente e, agora, a polícia entra nas comunidades e mata cidadãos que, sem processo judicial, são classificados como bandidos, destruindo a segurança pública.

ALDO BERTOLUCCI ALDOBERTOLUCCI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Desgoverno e pandemia

No caminho do golpe

Os aparentemente estúpidos pronunciamentos de Jair Bolsonaro ameaçando a democracia e reforçando seus criminosos erros no combate à pandemia, que logo ultrapassará 500 mil mortes, não são para a maioria dos brasileiros, que já nem prestam atenção ao seu costumeiro besteirol. Essas mensagens, que como bem ressaltou o editorial Autoincriminação (6/5, A3), são mais uma prova de sua responsabilidade na morte de brasileiros, são especialmente dirigidas ao grupo de apoiadores do “mito”, o “seu exército”, composto por admiradores da força acima de tudo, além de um grupo menor de simples interesseiros. Diante da provável derrota nas urnas em 2022, ou mesmo de um possível impedimento, Bolsonaro mostra-se decidido pelo caminho do golpe. Por bem ou por mal, nesse caminho ele tem de demonstrar que o “mito” não falha e, se achar necessário, lançará mão do “seu exército”, cuidadosamente armado e cultivado. Ele está arriscando tudo. Mas, para todos eles, o poder justifica qualquer coisa.

LUIZ RIBEIRO PINTO BRASILCAT@UOL.COM.BR

RIBEIRÃO PRETO

*

Eleições

Voto impresso, não

Concordo com a afirmação do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, de que promover o voto impresso criará o caos e a judicialização. Até o momento não houve nenhuma evidência de fraude no sistema eleitoral brasileiro, eletrônico. O que há, de fato, são teorias conspiratórias, nada mais.

WILLIAN MARTINS MARTINS.WILLIAN@GLOBO.COM

GUARAREMA

*

Chega de balela e ameaças

Quando a votação é finalizada, às 17 horas, é emitido o Boletim de Urna, relatório impresso com o resultado apurado. Esse boletim é afixado em local visível de cada uma das seções eleitorais, para dar publicidade aos votos dos eleitores registrados, urna por urna.

EDIVAN BATISTA CARVALHO EDIVANBATISTA@YAHOO.COM.BR

BRASÍLIA

*

Licitações

Falta de publicidade

Muito oportuna e procedente a crítica aos vetos presidenciais que restringiram a publicidade das licitações (Razão de Estado versus liberdade de informação, 7/5, A2). Cabe acrescentar que a alegação de que a publicidade será garantida pela inserção no Portal Nacional de Contratações Públicas tem dois problemas: esse portal ainda não existe e, quando vier a existir, será uma espécie de Diário Oficial eletrônico, que o povo não lê. Ou seja, cumpre apenas a formalidade da publicação, mas não atende ao fundamental, que é informar a população em geral das licitações e contratações que estão sendo feitas. Pode servir para as grandes contratações do governo federal, mas não confere efetiva publicidade aos gastos estaduais e, principalmente, vai esconder as contratações feitas pelos municípios. Para que se tenha uma publicidade real e efetiva, que chegue ao conhecimento dos pagadores de impostos, é essencial a publicação dos extratos de editais e de contratos na imprensa escrita, principalmente nos jornais locais dos municípios.

ADILSON ABREU DALLARI ADILSONDALLARI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Economia popular

Poupança negativa

O governo da sra. Dilma Rousseff (PT) cometeu a façanha de detonar a caderneta de poupança, instrumento de captação de recursos dos mais pobres. Mas o governo atual não está impedido de consertar o que foi mal feito. Sugiro-lhe que reponha a caderneta no seu devido lugar. Ou ela esteve errada por dezenas e dezenas de anos?

EUCLIDES ROSSIGNOLI

CLIDESROSSI@GMAIL.COM

OURINHOS

Exemplo e alento

Seu Hélio

Nesta época de tantas notícias pesadas, tristes, foi um alento ler a reportagem (4/5) sobre o seu Hélio, que criou um parque em São Paulo com mais de 30 mil árvores plantadas por ele. E continua plantando! Parabéns a seu Hélio e também ao Estado por nos contar essa história.

OTAVIA MURARO

TITAMURARO@GMAIL.COM

CAMPINAS

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MÃE, AME-SE

Certo dia logo cedinho, pronta para minha caminhada matinal, que dura em média uma hora, minha filha mais velha grudou em minha perna e pediu que eu não fosse. Como era o dia do aniversário da irmã mais nova, ela insistiu que eu não poderia sair. A mais nova, a pequena aniversariante, já tinha se despedido com muitos beijos e abraços, porém a mais velha não se conformava com a minha saída justo naquele dia. “Não é justo, você ama mais você do que a gente”, minha filha gritou num choro profundo.

 Aquela frase acessou minhas memórias afetivas e transbordou. As palavras saídas da boca de minha filha puxaram as palavras guardadas  dentro de mim, atravessaram meu corpo e caíram estiradas no chão da sala. “VOCÊ AMA MAIS VOCÊ DO QUE SEUS FILHOS.” A frase gritou com precisão e foi lida pelos olhos da minha infância e minha adolescência. Eu também um dia senti exatamente isso, eu também um dia não me conformei com os pedidos negados de minha mãe.

 Nós filhos acreditamos (e até exigimos) que as mães estão no mundo para nos servir. No amor de mãe só cabem os filhos. Na fala de minha filha me lembrei de quantas vezes senti raiva e tristeza quando percebia que minha mãe se interessava mais por outras coisas do que por mim.

Numa sociedade que sufoca com os cuidados da casa e dos filhos a energia intelectual das mulheres, acomoda-se como natural abafar, encobrir, negligenciar desejos e potenciais criativos das mães. Abrir o espaço de autocuidado, de priorização é como nadar contra a maré, é atravessar um caminho de areia movediça que te puxa para baixo, é combater estruturas históricas e muito estabelecidas. E isso cansa, ainda mais para quem já está tão sugada e exaurida pelo cotidiano.

Entender a importância subjetiva e política de não se abandonar chega a ser um ato revolucionário. Daria a vida pelas minhas filhas se necessário? Muito provavelmente. Mas, se não for necessário, ocuparei meu espaço, minha existência. E não sou supermãe, não quero e não posso dar conta de tudo sozinha, porque “o tudo” é grande, é enorme, é muito maior do que os olhos patriarcais conseguem alcançar. Nós mães precisamos de muitas mãos para abrir os espaços (dentro e fora) que nos permitam experimentar a vida e os encontros profundos e intensos conosco, com o outro e com o mundo.

Devagarinho eu tenho buscado estes espaços ainda pequenos para mim, mas grandes para minha filha. Levei meses para conquistar o meu espaço de caminhar sozinha, e dele não vou abrir mão, e por isso respondi a minha filha: “É preciso que eu me respeite para que você me respeite, é preciso que eu me ame para que você me ame, é preciso que eu caminhe sozinha, para que você caminhe sozinha. Daqui uma hora estou de volta, fui”. E fui.

Neste segundo ano de pandemia, eu desejo espaço para as mães poderem ir aonde o corpo e a mente as levarem. Desejo espaço para criar, espaço para dançar, espaço para trancar a porta do banheiro, espaço para ler, espaço para caminhar, espaço para estarem sozinhas, espaço para ocupar o mundo, espaço para ocupar seu corpo, suas entranhas, espaço para ser o que quiserem ser. Um feliz dia para as mulheres que também são mães.

Jessica Marzo jemarzo@hotmail.com

São Paulo

*

MÃE

Mãe é o refúgio da alma. O encanto sorrindo. O amor infinito. A voz da maturidade. A presença iluminada. O caminho da sabedoria. O afago da luz divina. A ponderação cativante. A firmeza dos sentimentos. A proteção acolhedora. A bondade nos olhos. A sublime ternura. A   sábia conselheira. A amiga verdadeira. A sombra do aconchego. O rosário de virtudes. #amovocê.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

MAL INTERPRETADO       

Só porque disse que “o filho do porteiro foi para a universidade e a doméstica para a Disney”, que “o chinês inventou a coronavírus” e que “com R$ 5 bilhões iria aniquilar a covid-19”, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que, às vezes, tem sido mal interpretado. Na verdade, ele também é mal interpretado no comando da economia do País, entre outras intromissões fora da sua competência, mas sempre é apoiado pelo presidente da República, que diz “não entender nada de economia”. Isso é o que temos para hoje. Pobre Brasil!       

 

 Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*        

 

HERÓIS OU VILÕES


Augusto Aras e Arthur Lira podem se tornar heróis nacionais, para tanto basta que os dois parem de prevaricar e cumpram o dever constitucional que lhes cabe: afastar Bolsonaro da Presidência da República. Bolsonaro já confessou todos os crimes que cometeu e segue cometendo na gestão da Saúde na pandemia, tudo filmado e documentado. Aras e Lira podem se tornar cúmplices de Bolsonaro nos tantos processos que ele irá responder, no Brasil e nas cortes internacionais. O tempo está passando, logo mais não haverá mais saída para Aras e Lira, se eles continuarem a prevaricar seguirão o mesmo destino de Bolsonaro: a cadeia. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


*


ENLOUQUECEU

O presidente Jair Bolsonaro enlouqueceu de vez! É de estarrecer que um presidente da República, como Bolsonaro, em meio a essa queda abrupta da atividade econômica e aumento do desemprego, motivados por uma pandemia que já matou quase 420 mil brasileiros, tenha a insensatez de ofender a China.  Dizendo que esse país asiático, que é o nosso maior parceiro comercial, promoveu essa pandemia de covid-19, fazendo “guerra química” para favorecer seu maior crescimento econômico.  E com essa sua absurda fala atinge o Instituto Butantan e a vida dos brasileiros, porque os insumos para produção da vacina Coronavac vêm da China.  Até aqui, 8 entre 10 brasileiros dos já vacinados foram imunizados com a Coronavac. Mesmo porque, esse desumano e cruel Jair Bolsonaro não se preocupou em antecipar compra de vacinas, porque acha que a covid-19 é uma “gripezinha”... Urgentemente, Bolsonaro, precisa ser interditado!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*


GUERRA QUÍMICA E BIOLÓGIA, DENUNCIA O CAPITÃO


O presidente antitudo, denuncia a China por ter lançado uma guerra química ou biológica, sei lá, contra o mundo Ocidental. Usou o coronavírus e agora vende as vacinas. O capitão ainda não definiu se o Exército brasileiro vai atacar a China sozinho ou se vai esperar apoio do Paraguai e outras potências militares. Pazuello será responsável pela logística e Ernesto Araújo deverá comandar a Cavalaria Feudal na Primeira Cruzada. Esta Guerra Santa terá apoio das bancadas da Bala, da Bíblia e a Boiada Bolsonária. Vão experimentar nossos piores venenos!

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*


GOVERNO ESCALA A AGU PARA ORIENTAR PAZUELLO NA CPI


Mas Pazuello não está em quarentena? Quem vai se arriscar a estar com ele?


Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo


*


MOTOQUEIRO FANTASMA


Deveria ser o presidente da República negociando vacinas, gerando empregos, inaugurando obras e levando consigo um empresário bem-sucedido, mas estão mais para Patati Patatá (ou seria globo da morte?).

A ausência de capacete é proposital, visto que cabeça dura e embalada a vácuo não sofre estrago. 


Marco Dulgheroff Novais marcodnovais@hotmail.com

São Paulo


*


ESSE É O VICE

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, após a barbárie ocorrida na operação Jacarezinho, no Rio de Janeiro, disse “tudo bandido”. Ora, fica evidente que se trata de mais um que não tem o mínimo cacoete para exercer o cargo que ocupa. Aliás, ele não é o único. Afinal, o despreparo da dupla presidencial depõe contra os valorosos componentes das nossas Forças Armadas. Lamentável!   

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo


*


MASSACRE EM JACAREZINHO


Mais uma chacina recorde numa comunidade carioca, independentemente das razões que levaram as autoridades à favela do Jacarezinho. O despreparo com que os policiais entraram na região, inclusive sem proteção adequada de fardamento de proteção, que levou à morte de um militar, atingido com um tiro na cabeça quando saía de um veículo blindado, o que mostra a falta de planejamento da operação. A repercussão, inclusive mundial, mostra como precisamos rever o descaso que temos há décadas, dessa forma indigente como tratamos os milhões de desvalidos da sorte que moram nesses ambientes insalubres e esquecidos pelas autoridades governamentais, que acabam gerando toda a sorte de causas de criminalidades, agora potencializados pelas quadrilhas de traficantes e milicianos. Urge que nossas lideranças governamentais busquem soluções urgentes a essas exclusões sociais, sob pena de termos um agravamento dessas violências, que podem chegar aos setores elitizados da nossa sociedade.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*


Quais os perigos do bolsonarismo? Vide o que se deu no Jacarezinho.


Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*


CHACINA


A respeito da condenável e truculenta chacina na favela do Jacarezinho, na terra de ninguém que virou o Rio de Janeiro, cabe dizer que o mote das forças policiais deveria sempre ser “bandido bom é bandido preso” e não morto. Basta de violência de ambos os lados!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*


POLÍCIA X TRAFICANTES


Impressionante como quando se tem uma carnificina desse tamanho como aconteceu no Jacarezinho fala-se de quem mata e quem morre, e nenhuma referência aos  usuários de droga. Estes precisam de assistência e estímulo para recuperação, campanhas institucionais e possibilidade de tratamento. A polícia necessita mais orientação, treinamento  e condições para enfrentar  os poderosos narcotraficantes com seus armamentos mais eficazes que os da própria polícia. Finalmente o Estado perde cada vez mais o lugar para as milícias que se apropriam das comunidades, fazendo da vida delas um verdadeiro inferno, sem dignidade, sem trabalho, sem assistência e sem futuro.

Por que as Forças  Armadas, em vez de ficar acobertando um presidente delirante que deveria ser interditado por mais de 400 mil e não 28 mortes, não atuam fortemente nesses casos que necessitam de assistência e rumo para uma vida mais humana e digna.


Cecília Centurion cecicliacenturion.g@gmail.com

São Paulo


*


CRIME, CPI E PREVENÇÃO


Em que mundo vivem os delegados da Polícia Federal brasileira que se mostram espantados com o “tamanho da desfaçatez” do PCC? (A18- 8/5). Ainda não se deram conta da sofisticada gama de ações adotadas pelas facções criminosas? Cá entre nós: criar bancos e empresas fictícias para a lavagem de ativos ilícitos; desviar dinheiro público com a cumplicidade das autoridades; corromper funcionários das fronteiras; usar doleiros e laranjas no meio de campo são arroz com feijão nos filmes da TV, do cinema, das séries em plataformas de streaming sobre o tráfico de drogas e de pessoas.  Desse jeito, a inteligência criminosa vai mesmo estar sempre um passo à frente da inteligência policial, que se limita a correr atrás do prejuízo. A Operação CPI da Covid é mais um claro exemplo,  sempre atrasada, pois   “prevenção” é palavra desprezada pelos governantes deste país, tanto no trato com a criminalidade quanto no trato com a covid-19. E assim vamos morrendo por tiros ou pelo vírus. Mas afinal, como dizem certas autoridades, “somos todos mortais”, não é? Tão reclamando do quê? 


Sandra Maria Gonçalves sandgon46@gmail.com

São Paulo


*

SOBRE PLANOS ECONÔMICOS


O leitor do Fórum dos Leitores do Estadão de sexta-feira passada (07 de maio de 2021)  sr. Eduardo Domingues lembrou muitíssimo bem que faz 30 anos que as ações dos Planos Econômicos das eras dos nefastos Sarney e Collor estão “morgando” nas gavetas do pessoal do STF, mesmo já tendo sentenças favoráveis em primeira e segunda instâncias!

O problema é o seguinte: os “senhores banqueiros” são ávidos por lucros cada vez maiores para poderem usufruir de suas já abastadas vidinhas vazias e fúteis!

Assim sendo, alguns deles fazem lobby com as autoridades econômicas que se encontram de plantão a cada governo que entra no Planalto e ficam a buzinar em seus ouvidos para que nunca venham a liberar este dinheiro que nos pertence de fato e por direito, pois nos foi tungado de maneira ilegal por meio destes ilegais Planos Econômicos editados por esses ex-presidentes lunáticos e incompetentes, que nunca deveriam ter ocupado este cargo, aliás, como nosso atual mandatário!

O problema é que este atual quadro de ministros do STF não atua em prol da população menos assistida e mais vulnerável como fazem propaganda, mas sim em prol daqueles que possuem advogados, como é o caso de Lula da Silva e outros tantos!

Muitos destes poupadores já inclusive faleceram sem poder ter o direito de usufruir deste dinheiro que lhes foi furtado por estas instituições bancárias que, mesmo no meio de uma grave crise pandêmica, continuam a ter lucros exorbitantes e estratosféricos, graças a juros altíssimos cobrados em cartões de crédito, cheques especiais, empréstimos bancários, etc.!

Na realidade são os tais agiotas de colarinho branco que contam com o beneplácito dos governos e de ministros do STF durante décadas a fio.

É por este motivo e pelo que estamos passando neste momento com este desgoverno negacionista, com um presidente que se acha dono do Brasil e quer editar decretos para impor suas vontades como se fosse um imperador e ditador à  Hitler, que o Brasil jamais sairá desta condição de país terceiro mundista, infelizmente!

Boris Becker  borisbecker@uol.com.br

Praia Grande - S.P.


*



LEI, JUSTIÇA E CORRUPÇÃO


Um a um foram sendo isentados da inerente responsabilidade e livres, leves e soltos já flanam pimpões por aí. Agora só falta o Cabral. É o “jeitinho” brasileiro de mostrar ao mundo que uma terra sem leis e sem juízes é uma terra sem crimes.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ESPECIALISTAS

Entre as várias novidades surgidas na esteira da presente pandemia, uma das que mais chamam a atenção é o aparecimento repentino de uma quantidade exagerada de “especialistas”. Chega-se a acreditar que as pessoas que, na verdade, são merecedoras de tal título  podem estar encobertas pelo dilúvio de criadores de informações sem fundamento, porém carregadas de sensacionalismo e apelo midiático.  Muitas vezes veem no assédio da imprensa do dia a dia uma excelente oportunidade de registrar seus minutos de notoriedade, inebriando, dessa forma, o telespectador ou leitor mais apressado com doses cavalares e de má qualidade de novidades que só contribuem para o estado de desnorteamento já latente na população, pelo ineditismo da situação sanitária, com suas infinitas variantes e várias vacinas com distribuições e anúncios de eficácia politizados. 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

INCONSEQUÊNCIA GOVERNAMENTAL

Inconcebível o procedimento do presidente Jair Bolsonaro ao atacar gratuitamente a China, atualmente nosso principal parceiro comercial e único fornecedor dos insumos da vacina anticoronavírus, ora produzida no nosso país pelo Instituto Butantan.

Aonde o governo quer chegar? Há dias, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sem saber que estava sendo gravado, segundo ele, em reunião do Conselho de Saúde Suplementar, também acusou o governo chinês de ter sido inventor do coronavírus.

Enquanto isso, grandes redes de supermercados e produtores de alimentos europeus ameaçam boicotar produtos agrícolas do Brasil. A propósito, em carta aberta ao Congresso Nacional, os referidos grupos, compostos de 38 signatários, prometem suspender todas as importações de produtos brasileiros, em sinal de protesto pelo desmatamento desmesurado da região amazônica, que em 2019 e 2020 atingiu novo recorde: 10.700 km² e 9.800 km², respectivamente.

Pelos disparates a que vimos assistindo por parte dos entes governamentais, somos levados à conclusão de que estamos sendo governados por pessoas inconsequentes e despreparadas para a função de governantes, o que é inusitado e lamentável.

 Gary Bom-Ali garibonali@globo.com

*

MAU E COVARDE



Indivíduos perversos ou psicopatas como, por exemplo, os autores das recentes tragédias no Rio (RJ) e Saudades (SC), são capazes das piores maldades sem mostrar qualquer arrependimento. São destituídos de sentimentos de afeto como o amor pela vida. Acredito que a ciência genética, na sua evolução, saberá um dia identificar, antecipadamente, monstros desalmados e dar-lhes o devido tratamento, livrando a humanidade do peso de sofrimentos terríveis.



Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro


*



  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.