Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2021 | 03h00

Desgoverno e pandemia

Medo de quê?

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, aquele que passeou em shopping de Manaus sem medo da covid-19, não foi depor na CPI da pandemia, no Senado, alegando risco de contágio. Agora entrou, via Advocacia-Geral da União, com pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal para permanecer em silêncio. Tem medo de quê? Esse senhor não honra a farda que veste. É uma vergonha tanto para a Nação como para o Exército Brasileiro!

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS SEPASSOS@YAHOO.COM.BR

PORTO FELIZ

*

Fuga desonrosa

“Verás que um filho teu não foge à luta”... Vergonha um general de três estrelas não querer depor à CPI, que quer somente saber a verdade. Que general é esse que tem medo de falar a verdade? Não acredito que essa conduta seja aceitável pelo nosso Exército.

WILSON SCARPELLI WISCAR@TERRA.COM.BR

COTIA

*

Pusilanimidade

Coragem de assumir um cargo no governo e pôr em risco a vida dos brasileiros com sua incompetência Pazuello teve de sobra. Agora está apavorado para enfrentar uma comissão e responder por isso? Covardia!

ELISA MARIA ANDRADE ELISA@PORTUGUESEMFORMA.COM

SÃO PAULO

*

Desonra

Atos de bravura, honradez e heroísmo são recorrentes nas conversas dos militares. Mas o ex-ministro Pazuello joga tudo isso por terra ao mover montanhas para evitar comparecer à CPI, tal qual menininha assustada se esconde atrás da saia da mãe. Quem não deve não teme.

LAURO BECKER BYBECKER@GMAIL.COM

INDAIATUBA

*

Quem deve teme

Quanto mais tentam impedir o depoimento de Pazuello, mais escancarada fica a sua culpa! Quem pensam iludir?

SILVIA TAKESHITA DE TOLEDO SILVIATTOLEDO@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Boicote à imunização

Em sua participação na CPI do Senado, o representante da Pfizer disse que o governo Bolsonaro ignorou a oferta de 70 milhões de doses de vacina, o que, efetivamente, mostra a declarada desatenção no sentido de diminuir os riscos de contaminação da covid, que já causou mais de 430 mil óbitos de brasileiros. Diante disso, como fica a situação do ocupante do cargo maior da República?

URIEL VILLAS BOAS URIELVILLASBOAS@YAHOO.COM.BR

SANTOS

*

Afastamento precoce

O afastamento precoce é o remédio natural e até ameno que a CPI tem nas mãos para combater a crueldade e as atitudes de desprezo pela vida, a insensibilidade ao sofrimento e a indiferença à morte.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA NOO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Educação

Desmonte

Não bastassem os quase 500 mil mortos pela péssima atuação do governo na pandemia, é notório o desmonte da educação, haja vista a inépcia dos ex-ministros e do atual, que nada fez para evitar o corte de nada menos que R$ 1 bilhão do Orçamento deste ano para as universidades federais. O que é péssimo para os alunos que se esforçaram para superar etapas, sobretudo os de baixa renda, cada vez mais deixados de lado num país que dá prioridade à mentira e à mentalidade retrógrada, contra a informação real, a ética e a evolução profissional dos cidadãos deste país.

MARIA LUCIA RUHNKE JORGE MLUCIA.RJORGE@GMAIL.COM

PIRACICABA

*

Meio ambiente

Licenciamento ambiental

Se continuarem a aprovar leis do tipo “desmata quem quer” (mas preserva quem tem juízo), logo, logo, inverteremos a previsão de Pero Vaz de Caminha.

O seu “em plantando tudo dá” vai virar “nem adianta plantar, que não dá”.

VERA XAVIER VERASALXAVIER@GMAIL.COM

VOTUPORANGA

*

Em São Paulo

Censos e PIUs

A Prefeitura lançou em 2020 um enorme Projeto de Intervenção Urbana (PIU) do Setor Central, afetando milhões de paulistanos, com base no Censo de 2010. E há um Censo dos Cortiços no centro da cidade que já deveria estar pronto, mas seu andamento foi suspenso pela Prefeitura por filigranas jurídicas. Ainda assim, em novembro a Prefeitura enviou à Câmara Municipal o PL 712/20, referente ao PIU do Setor Central, antes de sua necessária aprovação pelo prefeito Bruno Covas e da última audiência pública devolutiva, por precipitação equivocada e nunca corrigida. Tal projeto de lei está em andamento na Câmara, mas requer ser adiado para permitir ao menos a participação popular presencial legal em sua aprovação, com segurança, o que demanda a vacinação de toda a população paulistana e a autorização para grandes reuniões. Com a palavra os vereadores conscientes.

SUELY MANDELBAUM, urbanista  SUELY.M@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Obras na Freguesia do Ó

A Prefeitura está trocando o piso ecológico da Praça Flávio Rangel por cimento e plantando árvores embaixo da fiação elétrica. E está retirando os olhos de gato da Avenida Miguel Conejo, que foram instalados pela administração passada. O Largo do Cliper ficou em reforma por mais de seis meses, retiraram o piso ecológico, que ajuda na drenagem da água da chuva, e puseram cimentadão grosseiro. Também retiraram toda a vegetação e deixaram estacionado um contêiner – sabe-se lá pra quê. A administração anterior retirou o cimentadão da outra gestão e colocou piso ecológico, esta vem e retira e ecológico e põe o cimentadão. A administração anterior refez todas as calçadas, até as boas, dos grandes bancos. É revoltante ver tanta maquiagem, tanto dinheiro indo pelo ralo, e as escolas abandonadas. Onde estão os srs. vereadores, em casa? Há alguém para fiscalizar alguma coisa nesta cidade?

JORGINA FERREIRA ADMA.GINA@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘CENÁRIO SOMBRIO’

Irretocável o editorial! (Estadão, A3, 14/5)

Albino Bonomi acbonomi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

TRAGÉDIA À VISTA

Impecável o editorial Cenário Sombrio (Estadão, A3, 14/5). A final Bolsonaro X Lula nas próximas eleições presidenciais seria verdadeira tragédia homérica. Infelizmente, o brasileiro médio padece de um defeito cultural gravíssimo: reage emocionalmente ao momento e esquece facilmente o passado. Repudia Bolsonaro e apoia Lula, mas esquece que quem conduziu Bolsonaro à Presidência da República foi o repúdio ao PT e seu projeto imoral de eternização no poder – não pelo bem do Brasil –, para continuar subtraindo  os cofres públicos. Os demais candidatos listados na pesquisa DataFolha estão presentes apenas nominalmente. Para evitar a tragédia é imperativo que um candidato de centro se materialize, de fato, imediatamente. 


Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo


*


FUNÇÕES DA ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

O ex-ministro Pazzuelo está preocupado com sua participação na CPI e decidiu entrar com pedido de habeas corpus (HC) no STF. É direito de qualquer cidadão brasileiro. Porém, chama a atenção o fato de que o pedido de HC foi feito pela Advocacia-Geral da União (AGU). Será que os imóveis comprados pelos filhos de nosso imperador foram também assessorados pela AGU que é paga com o nosso dinheiro? Logo me ocorreu uma pergunta: o governo federal não se interessou em salvar vidas nesta pandemia, mas destina recursos para proteger nosso presidente que se omitiu?

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

HC DO PAZUELLO


Duque de Caxias, Patrono do Exército, na guerra contra o Paraguai, em momento difícil na batalha de Itororó, bradou para sua tropa: “Sigam-me os que forem brasileiros”. Todos o seguiram, vencendo a batalha.

O Cabo Cloroquina, expulso do Exército, na guerra contra a vacina, grunhiu para sua tropa: “Sigam-me os covardes”. Muitos o seguiram.

Agora, vendo a batalha perdida, se escondem nas mentiras e nos habeas corpus!


Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com

São Paulo


*


É CRIME?

O gerente-geral da Pfizer na América Latina em depoimento à CPI da Covid no Senado declarou que a empresa  fez cinco ofertas de vacina ao governo brasileiro em 2020. E não teve uma resposta. Ou seja, temos hoje um elevado número de óbitos que poderiam ter sido evitados. Isto pode ser considerado como crime?


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*

CPI do Covil


Sugiro ao presidente do Senado mudar o nome da CPI da Covid para CPI do covil. Fica mais coerente com o perfil de seus participantes. Lendo o Dicionário Aurélio  qualquer um percebe o porquê. As ofensas e mentiras ali proferidas estão de acordo com seus comportamentos e integram a desqualificação de seus participantes. Mentir, então, é parte fundamental. Seus eleitores que o digam.


Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro


*

HERÓIS E VILÕES NA CPI


A tropa de Bolsonaro na CPI não poderia ser melhor na sua ineficiência e antipatia. Vemos o reflexo no resultado da pesquisa do Dafolha. Imagine que Renan virou mocinho e simpático, com torcida para que vença no final. O governo está nu, o linguajar daquele que representa o povo brasileiro é de dar vergonha a qualquer mãe. Bolsonaro faz sua trilha para o precipício a cada dia e com o tratoraço instituiu o toma lá dá cá em nível governamental.

Quantos mortos precisamos ter para que ele seja interditado?

 

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo


*


CULPADOS


O senador Flávio Bolsonaro apareceu na comissão da CPI da Pandemia, agressivo, pedindo que os parlamentares abandonassem a “ridícula” discussão sobre culpados sobre a omissão na aplicação dos imunizantes e se preocupassem com a vacina no braço do brasileiro. Que tal se ele pedisse isso a seu pai, presidente da República, que tudo faz para fortalecer o vírus e sua disseminação?


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*



AINDA HÁ TEMPO

Com as pesquisas mostrando que o condenado Lula da Silva tem chances de, lamentavelmente, voltar ao Palácio do Planalto, é melhor deixar claro ao presidente Jair Bolsonaro que nem tudo está perdido. Basta cumprir com suas promessas de campanha, vacinar os brasileiros imediatamente, apoiar o uso de máscara e não promover aglomerações. Tão fácil assim. Fica a dica!  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com

São Paulo


*


SEPARAR CORRUPTOS E HONESTOS 

O governador de Brasília, Ibaneis Rocha (MDB-DF), é denunciado de ter destinado R$ 7 milhões do chamado orçamento secreto para cidades do Piauí, onde possui fazendas de gado (Estadão 14/05 – A6). Em princípio é uma alta irregularidade, pois ele é governador do Distrito Federal e não deveria arregimentar verbas para outras unidades da Federação. Pior se os recursos remanejados fossem originalmente destinados ao DF e péssimo se, de alguma forma, serviram para beneficiar as propriedades do governador. Há um rosário de suposições que clamam por esclarecimento. Se comprovadas as irregularidades, puna-se o governador; se infundadas, terá elementos para processar e exigir reparação dos caluniadores. Nada do que se denuncia contra políticos – independente do partido ou ideologia – deve ficar debaixo do tapete, pois isso é que potencializa a má imagem da classe. Parlamentares e os centros do saber legal e jurídico fariam muito bem ao País se desenvolvessem uma legislação mais severa para apurar e punir a corrupção e os desmandos político-administrativos, tomando por base o que fazem os países mais desenvolvidos, independentemente da ideologia. Corrupção e inconformidades não têm matiz ideológico.    


Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo



*


GABINETE PARALELO


O dito “gabinete paralelo” de aconselhamento à Presidência sobre a covid-19 reunia o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ),o assessor para Assuntos Internacionais Filipe Martins e o ex-secretário de Comunicação Social Fábio Wajngarten. Diante de nomes de tamanha envergadura e quilate, cabe apenas dizer que cada presidente tem os conselheiros que merece, pois não? Pobre Brasil...


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*


MATURIDADE


Admirável o avanço  da ciência: daqui a pouco a expectativa de vida do brasileiro chegará aos 80 anos. Só que o governo terá de construir mais praças com mesinhas para jogar dominó, pistas de  bocha e aumentar o espaço para filas do INSS. Isto porque as pessoas com mais de 50 anos são consideradas portadoras de “invalidez por idade”. Basta ler os anúncios de empregos, que quase sempre exigem idade entre 25 e 35 anos, domínio do inglês e experiência comprovada. Agora, para ser presidente basta falar mais ou menos o português, atacar adversários e provocar aglomerações com seguidores alucinados.


Cláudio Moschella   arquiteto@claudiomoschella.net   

São Paulo


*

ALGUÉM SE IMPORTA?

O presidente Bolsonaro é o responsável pela paralisação da vacinação. Suas declarações sobre a China causaram a suspensão do envio dos insumos para a produção da vacina no Instituto Butantan. Seria pedir demais que Bolsonaro se retratasse perante o governo chinês para que o Brasil possa receber novamente os insumos e produzir as vacinas? Milhares de cidadãos brasileiros vão morrer por falta de vacinas. Alguém se importa? Alguém vai tomar alguma providência ou apenas seguiremos enterrando os mortos?

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

IGNORÂNCIA

O Sr. Fabio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação do Planalto, quando indagado na CPI sobre a palavra “pixulé” dita pelo ex-ministro Pazuello, afirmou que não sabia o seu significado. Guardadas as devidas proporções, seria o mesmo que Fernandinho Beira-mar afirmar que não sabe o que um “baseado”.

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

ORÇAMENTO SECRETO

Com a divulgação do escândalo do orçamento secreto (ou tratoraço),  deu para entender por que o ministro da Economia, Paulo Guedes, chamava de “ministro fura teto” o seu colega do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, chegando a acusá-lo de inovar na formar de gastar. Guedes alertava, ainda, que a conduta de Marinho poderia levar o presidente da República a ser acusado de crime de responsabilidade.


Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim


*


NOSSO FUTURO

A atual guerra política não permite ainda fazer-se uma correta projeção de quem estará de fato concorrendo aos pleitos eleitorais em 2022 em todo o País. A grande crise, agora agravada pela pandemia de covid-19, exigiria que tivéssemos no próximo ano novas candidaturas éticas.Infelizmente, parece que isto está difícil de acontecer, em razão dos tradicionais “caciques políticos”, aparentemente continuarão a comandar o jogo eleitoral entre nós. Aguardemos a ampulheta temporal agir, para verificarmos o que acontecerá de fato no ano próximo. Que os deuses nos protejam, para que possamos ter mudanças nessa trajetória negacionista, que tanto tem prejudicado a Nação e sua imensa e sofrida população.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

SUPREMO DESASTRE


O País sofre um desgoverno genocida e ainda é premiado com um Supremo Tribunal que acaba com o único combate efetivo à corrupção, ressuscita um condenado em duas instâncias, cujo passado criminoso conduziu ao atual governo, e ainda provoca uma “correção fiscal retroativa” desastrosa ao erário já depauperado! O País aguenta? Reforma tributária “fatiada” é não reformar! E agora vem o Lula!! E a elite assistindo!!  

 Roberto Hollnagel   rollnagel@terra.com.br

São Paulo

*

DIA 21 – O DIA D


A delação do ex-governador do RJ Sergio Cabral, que envolve também  o ministro do STF Dias Toffoli, vai ser analisada pelo plenário do Supremo no dia 21 de maio. Será mais uma sessão do STF que acabará em pizza, ou melhor, com caviar ,lagosta e uísque 12 anos?


José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré


*


O BRASIL NÃO É PARA PRINCIPIANTES


Aristóteles já vaticinara: o homem é um animal político. E, assim como em todo universo humano, uns são mais que outros. O ex-juiz Sergio Moro foi suspeito ao julgar o ex-presidente Lula; já o ministro do STF Gilmar Mendes não o foi para julgar e conceder liberdade a seu compadre Jacob Barata Filho; o procurador Deltan Dallagnol foi suspeito ao apresentar um power point acusando o ex-presidente Lula, mas o procurador-geral da República, Augusto Aras, não o é ao apresentar à Suprema Corte parecer que não incrimina a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, no recebimento de inúmeros e inexplicáveis cheques recebidos de Fabrício Queiroz e de sua mulher. Realmente, o Brasil não é para principiantes, como muito bem já se disse, porém não precisava ser assim, tão propício apenas para velhas raposas, velhos amigos e velhos esquemas criminosos.


Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.