Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2021 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Ofensas ao povo

O farsante da cloroquina mais uma vez ofendeu o povo brasileiro que respeita o isolamento social: “Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa”. Com orgulho, sou um desses idiotas. E vou continuar respeitando a minha vida, a da família e a do próximo, ficando em casa. Diferentemente de Jair Bolsonaro, que ignora a pandemia e não quer nem saber de salvar vidas.

PAULO PANOSSIAN PAULOPANOSSIAN@HOTMAIL.COM

SÃO CARLOS

*

Quem é idiota?

O presidente novamente ofende quem não pensa como ele ao se referir aos brasileiros que estão em casa, para evitar a contaminação por covid-19, como idiotas. Não é a primeira vez que ele nos ofende, nem será a última. Essa demonstração de despreparo para o cargo, de falta de equilíbrio emocional e de agir como moleque de rua não surpreende quem o conhecia dos tempos da Câmara e pesquisou seu histórico antes da eleição de 2018. É triste ver o pior presidente desde a Proclamação da República agir de forma destemperada, apequenando a Presidência, enquanto 440 mil famílias choram seus mortos por falta de vacina.

RAFAEL MOIA FILHO RMOIAF@UOL.COM.BR

BAURU

*

Ladeira abaixo

Se Jair Bolsonaro é “imorrível, imbroxável e incomível”, como declarou, não sabemos. Mas o que fica a cada dia mais claro é que é incompetente, apresenta nítidos sinais de psicopatia, além de praticar a mais velha, abominável e sórdida política. Um idiota para grande parte da população, haja vista o resultado das últimas pesquisas. Incapaz de lidar com os graves problemas nacionais, como a pandemia, puxa briga com países de que precisamos desesperadamente, pois sem vacinas a economia não se sustenta. E vidas não se salvam. Qualquer idiota vê. Por isso ele vem descendo a ladeira da popularidade.

JOÃO DI RENNA JOAO_DIRENNA@HOTMAIL.COM

QUISSAMÃ (RJ)

*

Bolsonarices

Não se trata de um neologismo. Está em via de ser anexada ao léxico, inspirada nas parvoíces quase diárias do “mito”.

LAIRTON COSTA LAIRTON.COSTA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Impenitente

Um presidente da República deve sempre zelar pelo bem-estar do povo. Esse não é, no entanto, o caso do sr. Jair Messias Bolsonaro, que não se interessa pelos problemas dos outros, só quer estar no centro das atenções e exige não ser contrariado, ainda que goste de contrariar as normas. Impulsivo, não consegue se controlar e faz uso de palavras inadequadas para uma pessoa pública. O presidente sabe que deve usar máscara e evitar aglomerações para não contrair e/ou transmitir a covid-19, mas faz questão de cumprimentar com beijos e abraços, sem máscara. Ele não se preocupa com os brasileiros que sofrem nos hospitais, nem com os que já perderam a vida, pois as vítimas não são de sua família. A OMS alertou para o avanço da covid-19 no mundo. Mas, só para contrariar suas recomendações, chamou a covid de “gripezinha” e desprezou o avanço da doença no País. Se o governo se tivesse empenhado desde o início da pandemia no controle do avanço da covid-19, não teríamos cerca de 440 mil mortos e 15 milhões de contaminados. O presidente sabe muito bem que errou, mas não quer reconhecer, pois seu temperamento não lhe permite manifestar publicamente os seus erros.

TOMOMASA YANO TYANOSAN@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Troninho

“Só Deus me tira da cadeira presidencial”, diz Bolsonaro. Ele que tenha muito cuidado, porque Deus é justo.

CLÁUDIO MOSCHELLA ARQUITETO@CLAUDIOMOSCHELLA.NET

SÃO PAULO

*

Economia

Candidatíssimo

Paulo Guedes que se cuide.

Apesar de ter vendido a biografia (?!) à vassalagem, já tem um candidatíssimo ao seu lugar, o esbirro Pedro Guimarães. Esse que demitiu a diretoria da Funcef por não ter obedecido à ordem, ditada pelo imperador Nero Jair, de votar contra Roberto Castello Branco, ex-Petrobrás, para o Conselho da Vale. Assim como fez com o guarda florestal demitido por tê-lo multado por pescar em época de defeso. Ele não gosta de quem o contrarie. Como no caso de alguns fardados, não há limites para a ignomínia de áulicos desejosos dos banquetes da corte.

ALBERTO MAC DOWELL DE FIGUEIREDO

AMDFIGUEIREDO@TERRA.COM.BR


SÃO CARLOS

*

Prestigiado

Deu na mídia que Paulo Guedes deve abandonar o governo Bolsonaro em 2022. Bom, isso se chegar até lá...

ROBERT HALLER ROBELISA1@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Reforma tributária

O cidadão brasileiro está aí só para servir a um Estado inchado – com funcionários públicos, assessores de toda ordem e “comissionados” cheios de privilégios –, pagando um volume descomunal de tributos sem sentido e sem retorno. Nenhuma reforma tributária terá sucesso se não reduzirmos radicalmente o tamanho do Estado e as despesas com a máquina pública, em todas as esferas do poder. Mas o que temos visto são “ensaios” de reforma tributária só pensando em como arrecadar mais, e não como reduzir custos. É preciso repor as coisas no devido lugar: é o Estado que deve servir ao cidadão!

EDUARDO ROTHSCHILD EDUARDO_ROTHSCHILD@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Pão-durismo

Estamos vivenciando uma falta enorme de dinheiro público. Infelizmente, até para áreas essenciais. Entretanto, não se ouve político algum abrindo mão de seus altos proventos públicos e suas vergonhosas mordomias para ajudar a amenizar esta situação. Pelo menos até agora não tomei conhecimento de nada a esse respeito.

M. DO CARMO ZAFFALON LEME CARDOSO ZAFFALON@UOL.COM.BR

BAURU

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘NEM LIBERAL NEM CONSERVADOR’

Muito pertinente o editorial Nem liberal nem Conservador ao apontar que Jair Bolsonaro nada tem de conservador, mas sim de reacionário. Só que o editorial foi até delicado ao não usar a palavra fascista. Pois não foram poucas as ocasiões em que tanto ele como seus filhos manifestaram conceitos autoritários e frases de efeito típicos dessa deplorável ideologia política. A frase “tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa”, dita pelo presidente em referência ao isolamento na pandemia, é mais uma destas cretinices. A idiotia fascista não tem pudores. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

O JOGO ACABOU E O BRASIL PERDEU

O jogo acabou e o Brasil perdeu de dez a zero. Os países que apostaram na ciência e seguiram as orientações da OMS já estão virando a página da pandemia. Os países que  compraram e aplicaram todas as vacinas disponíveis, usaram máscara e fizeram distanciamento social estão voltando à vida normal, os negócios abrindo com segurança, as pessoas imunizadas circulando sem máscaras. O Brasil apostou na ignorância, seguiu os conselhos das trevas, ignorou a ciência e a lógica. É inacreditável que a gestão da Saúde na pandemia tenha sido conduzida por dois leigos, Bolsonaro e Pazuello. Até hoje Bolsonaro continua insistindo na cloroquina, atacando aqueles que usam máscaras e mantêm o distanciamento social. Até hoje ele joga contra as vacinas que já se mostraram extremamente eficazes e seguras no combate à covid-19. O Brasil precisa revisar com urgência os protocolos que permitem a permanência de uma pessoa como Jair Bolsonaro na Presidência da República. Há uma concentração de poder absurda no cargo de presidente. Bolsonaro pode escolher o procurador-geral da República, o advogado-geral da União, os presidentes da Câmara e do Senado, o chefe da Polícia e o comando do Exército. Nada justifica tanto poder nas mãos de uma única pessoa. O resultado é o catastrófico agravamento da pandemia no País, que vai resultar em um milhão de brasileiros mortos até o fim do ano. Os brasileiros vão morrer de uma doença que já se tornou perfeitamente evitável, basta tomar uma vacina, aquela que o idiota não comprou.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*


SÓ PARA APARECER NA MÍDIA

Jair Bolsonaro só foi eleito pelos brasileiros para aniquilar a tigrada petista, mas acabou achando que seria pelo seu magnífico retrospecto por serviços prestados ao País e em prol da democracia. Só que não. Agora, percebendo que não tem cacoete para exercer a função e para não ficar marginalizado, optou por confrontar a tudo e a todos. Diariamente, rosna e ataca o povo que o elegeu chamando as pessoas de maricas chororôs e idiotas que só ficam em casa, entre outras inúmeras barbaridades. Na verdade, se não fosse com essas mesquinhas agressões, certamente, jamais teria qualquer destaque na mídia, afinal, nada fez ao Brasil – excluindo o sucesso estrondoso da lei que autorizou o aumento de pontos na CNH. Pobre Bolsonaro, que veio do submundo do Centrão e nem mesmo vai conseguir seu lugar de volta. E não foi por falta de aviso!           

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo    

 

*

DESCULPA ABJETA


A demora de Bolsonaro em apresentar condolências pela morte de Bruno Covas – e só o fez porque Guga Chacra chamou a atenção para o fato em seu Twitter –  foi justificada por Carluxo, o filho 02, aquele do gabinete do ódio, com uma desculpa abjeta: a de que o pai ainda não houvera se manifestado porque Bruno teria sido irônico quando houve o episódio da facada. Quem o teve como prefeito por vários anos, mesmo durante a campanha eleitoral, sabe que não era de sua natureza fazer tal coisa. Muito pelo contrário! Mas, quem já tem observado o temperamento do presidente, conhece sua dificuldade em solidarizar-se. Só no fim da tarde, quando o prefeito era levado em carro aberto para sua derradeira morada, é que veio por fim uma manifestação, certamente nem de sua lavra. Que Carluxo prove sua acusação, que teve por objetivo  a pequenez de manchar a biografia desse grande homem que nos deixou tão precocemente, mas cujo caráter, coragem e humanidade têm o poder de deixá-los de tamanho diminuto. 

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas

*

BRUNO COVAS – EXEMPLO DE CIVILIDADE NA POLÍTICA


Com o falecimento precoce do Prefeito de São Paulo, o Brasil perde um político que se caracterizou sempre pela civilidade e respeito aos que dele divergiam.

Independente de posições partidárias e ideológicas ou de maior ou menor competência na gestão, o PNBE espera que o exemplo de civilidade deixado por Bruno Covas, além de sua simpatia, coragem, maturidade, austeridade e garra, sirva para motivar o comportamento de outros políticos.

Numa época em que as agressões, as palavras chulas e as fakes news vêm sendo a tônica de muitos governantes, deputados, senadores e mesmo membros da Justiça, além de cidadãos comuns, é hora de retomarmos as tradições de cordialidade e de respeito aos que de nós divergem.


Cleinaldo Simões assessoria@cleinaldosimões.com.br

São Paulo

*

SEM AR

A estupidez do deputado gaúcho Giovani Cherini (PL-RS), vice-líder do governo na Câmara, é tamanha que chegou a afirmar, na Comissão e Constituição e Justiça (CCJ), que o uso de máscara contra o coronavírus, agravou o câncer que vitimou o prefeito Bruno Covas. Segundo ele, as células precisam respirar, e respirar é ciência. A CPI da Covid está perturbando os aliados do presidente.


Jorge de Jesus Longato financeito@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim


*


‘IRRELEGÍVEL’


O lamentável presidente Bolsonaro, vítima crônica de incontinência verborrágica, continua vomitando bolsonarices dia sim e outro também. Acaba de dizer “já falei que sou imorrível,i mbrochável e incomível”.Que as urnas de 2022 digam que também será irrelegível. Basta de Bolsonaro. Muda, Brasil!


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

FLOR DO LÁCIO – FALAS PRESIDENCIAIS


No “cercadinho” do Alvorada, a autoproclamação de “imorrível, imbrochável e incomível”. Faltou intuição pra dizer “ingnorante”.


Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo


*


CPI DA PANDEMIA TEM NOSSO TOTAL APOIO


Nosso total apoio á essencial CPI da Pandemia. Não pode terminar em pizza, em inaceitável impunidade. Ao contrário. A CPI tem de seguir firme e forte e punir de forma exemplar todos os responsáveis pelo genocídio que vai causar a morte gratuita de mais de meio milhão de brasileiros. Bolsonaro e seus capangas merecem punição máxima. São traidores da pátria. Seu lugar é no lixo da história. Contamos que a CPI esteja à altura do momento e de sua responsabilidade histórica para com o País e o povo brasileiro. Lugar de genocidas é na cadeia, por longos anos.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo


*


TRÁGICA PROJEÇÃO DE MORTES


A trágica projeção de cientistas, não comentada pelo Ministério da Saúde,  de que poderemos ter uma terceira onda de covid entre nós, é assustadora. Por tal previsão, poderemos alcançar em agosto próximo cerca de 751 mil mortes por tal patologia, sem contar com suspeitas de subnotificações que apresentamos. Urge que nossas legítimas lideranças não negacionistas pressionem as autoridades para que tomem medidas preventivas urgentes, no sentido de evitar esse agravamento, sob pena de termos uma hecatombe de falecimentos, independentemente de classe social.


José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro


*

SOU UM DOS MUITOS IDIOTAS QUE MANTÊM O DISTANCIAMENTO


Como afirmo acima, sou um dos muitos idiotas que mantêm o distanciamento, mas como idiota que sou estive a pensar, e por conta disso lembrei-me da notícia do Estadão (9/2/2021) “Os trabalhadores que se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19 sem apresentar razões médicas documentadas poderão ser demitidos por justa causa, de acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT)”. Sendo assim e pelo fato de termos essa “ferramenta” da demissão por “justa causa”, deriva a pergunta: por que não demitir por justa causa nosso “funcionário” que é muito bem pago, e cujo cargo deverá deixar vago para o nosso próximo funcionário.

Temos uma boa ferramenta para “mandar embora” o presidente por justa causa, por negar-se a tomar a vacina contra  a covid.

Manoel. L. Padreca mlpadreca@gmail.com 

Salto


*


SOU IDIOTA...


...mas sou feliz. Mais idiota é quem me diz. Quando pequenininha era assim que a gente respondia a que quem nos xingava.


Maria Luiza Marx malumarx@uol.com.br

São Paulo


*


SOMOS IDIOTAS


Agora ele, Jair Bolsonaro,  me ofendeu: “Tem alguns idiotas que ficam em casa” (o idiota em exercício).

As forças democráticas deveriam fazer uma ação conjunta contra esse inominável, que está na contramão do combate à pandemia, e anda lado a lado com o vírus. Questão de sobrevivência. Os “idiotas” querem apenas continuar vivos.


Elisabeth Migliavacca

São Paulo


*


NÃO SOMOS IDIOTAS


Conto 76 anos de idade. Mantenho boa saúde e não tenho registro de comorbidade. Resido em um sítio, onde me mantenho em isolamento social, na companhia de minha mulher, também septuagenária. Quando necessário e indispensável, vamos à cidade usando máscara e observando o afastamento recomendado. Exijo que meus contatos também utilizem máscara. Mesmo assim, não nos reconhecemos como idiotas, mesmo porque, nunca votamos em Lula e, tampouco, em Bolsonaro. Repudio qualquer tratamento ultrajante – decorrente dos cuidados que tomamos para preservar a imunidade individual e coletiva – que atinja a nossa dignidade. Dependendo de nós, não passarão!


Noel Gonçalves Cerqueira e Orminda de Souza Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)


*

FURA FILAS

O Brasil tem em seu inconsciente coletivo a vantagem, a fraude, a esperteza maléfica. A corrida em médicos que dão atestados para

comorbidades e furar a fila da vacina é o retrato do País construído pela classe política desde 1500.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*


COMO TIRAR BOLSONARO


Se as investigações contra Arthur Lira andarem e o STF não atrapalhar, conseguiremos interditar Bolsonaro

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo


*

O POSICIONAMENTO DE BOLSONARO

 Bolsonaro reivindica para si não só a condição de conservador, como também a de ser progressista, mas as qualificações não perduram quando se olha para o que pregou em campanha e o que fez em governo, como, por exemplo, as privatizações, o liberalismo na economia e o combate à corrupção, além das críticas a membros do Poder Legislativo que faziam o que Centrão faz. Ainda não demonstrou sua postura liberal, da mesma forma que não se vê a sua veia privatista atuar, mas vemos a sua união com o Centrão, refletindo comportamentos nada tradicionais ou conservadores. Sem dúvida, podemos concluir que Bolsonaro, além de não ser conservador e tradicionalista, também não é progressista nem modernista, mas simplesmente egoísta e dirigido por suas pretensões de supremacia e de infinita liderança. Bolsonaro primeiramente, e depois o resto !

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro


*


TRAMELA

Quando duas das principais autoridades de um país declaram sem cerimônia que os chineses fazem “guerra química com o coronavírus” e que “a China criou o vírus mas desenvolveu vacinas piores que os americanos”, à priori, parece inacreditável.

Nós, brasileiros, e o mundo inteiro tomamos conhecimento desses levianos pronunciamentos proferidos recentemente pelo presidente da República e pelo ministro da Economia, Jair Bolsonaro e Paulo Guedes, respectivamente. Como esperado, o embaixador da China, Yang Wanming, imediatamente reagiu a essas declarações via Twitter. Já se trocaram vários ministros e “tudo caminha como dantes no quartel de Abrantes”. Enquanto isso, o perigo aumenta com o risco de uma terceira onda no inverno, que se aproxima.

Para evitar futuros e desnecessários transtornos diplomáticos, só há um remédio: prender uma tramela no pescoço dos governantes logo após eleitos. Ao invés de hostilizarmos os chineses, deveríamos buscar mais aproximação com essa grande potência mundial,  nosso principal e maior parceiro comercial, sem nos esquecer de que entre nações inexiste amizade, e sim, interesses.

Gary Bon-Ali garybonali@globo.com

*

ESQUERDOPATA?

 Virou moda entre os seguidores do presidente Jair Bolsonaro chamar de “esquerdopata” todos aqueles que  se manifestam contra o seu governo. Falou de alguma coisa que não vai bem, eles consideram que o emissor da opinião  é portador de “doença mental grave”. É a definição que eles dão para “esquerdopatia”.  A Constituição Federal garante o direito do cidadão de manifestar seu pensamento e não reza que,   se alguém demonstrar insatisfação com um governante, deverá  engolir o desejo de expor a sua contrariedade. É bom que esses seguidores saibam que  milhões de brasileiros que confiaram o voto ao  presidente  veem a necessidade de mudança,  para que  nas próximas eleições  não sejam vitoriosos  corruptos que tanto mal fizeram ao nosso país.  Ainda há tempo para fazer correções.  “O preço da ignorância paga-se toda a vida.” Não sei a autoria desta frase, só sei que ela é uma verdade cristalina.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

FICHA LIMPA?       

Fosse o Brasil um país sério, o nome do Senhor Luiz Inácio Lula da Silva  não deveria nem mesmo  ser mencionado, muito menos aparecer na mídia como  candidato a presidente da República. Melhor nem entrar no mérito de sua acidentada, para não dizer controversa e discutível,  trajetória enquanto cidadão e político. Falar mais o quê?

José Marques seuqrama993@gmail.com

São Paulo

*




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.