Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal o Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2021 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Crise contratada

O editorial Chavismo caboclo (8/6, A3) descreve a evolução do processo de esfacelamento dos alicerces da nossa democracia, do desrespeito sistemático às instituições, com apoio dos beneficiários da situação, dos cooptados e dos inocentes úteis que dizem ou pensam servir ao País, enquanto a sociedade a tudo assiste bovinamente. Jair Bolsonaro tem uma estratégia clara de seu projeto de poder e não dá ponto sem nó. Tudo o que faz ou diz são manobras diversionistas ou pedras lançadas para usar adiante, como no caso das urnas eletrônicas. Todos entram no jogo dele, discutindo aspectos técnicos e o anacronismo da ideia, quando apenas constitui uma arma a ser usada em caso de derrota nas eleições, uma desculpa para não aceitar o resultado. Constitui grande erro estratégico considerá-lo apenas ignorante, não percebendo seu jogo. Hugo Chávez conquistou o poder na Venezuela sem dar um tiro, comendo o sistema pelas bordas. Quando perceberam, estavam todos dominados. E assim se procede no Brasil. Restam apenas duas alternativas: ou se aceita o resultado que vier, sem chorar o leite derramado, ou se reage enquanto é tempo. Uma reação das instituições parece improvável, seja pelo adesismo medíocre ou pelo burocratismo míope. Resta a sociedade civil contemplativa – conforme pesquisa, dois terços sem interesse no próprio destino –, sem lideranças que consigam formar uma frente propositiva para as eleições. Ou as universidades, outrora centros de reflexão e formação do pensamento, sendo massacradas sem reagir. Afinal, o que estamos esperando?

ALBERTO MAC DOWELL DE FIGUEIREDO

AMDFIGUEIREDO@TERRA.COM.BR

SÃO CARLOS

*

Nova Venezuela

Uma das falas de Bolsonaro sempre foi: “Vocês querem que o Brasil vire uma Venezuela?”. E não é que esse é o grande sonho e o motivo do golpe de Jair Chávez Bolsonaro?!

MARCOS BARBOSA MICABARBOSA@GMAIL.COM

CASA BRANCA

*

Emulação

Estranho que políticos tarimbados tenham demorado tanto a identificar o plano de Bolsonaro. Quando começaram as nomeações de militares para cargos civis, logo vi a semelhança com Hugo Chávez. Se voltarmos mais na História encontramos outro líder que agiu de forma semelhante, Adolf Hitler. Rodrigo Maia, na presidência da Câmara, ao reter mais de 60 pedidos de impeachment do presidente colaborou muito para a atual situação.

GILBERTO PACINI BENETAZZOS@BOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Decadência

Impressionante como Bolsonaro não governa. Todas as suas atitudes têm uma só finalidade: a reeleição em 2022. Como fazer para evitar que o Brasil se aproxime da situação de decadência da Venezuela? Não há forma de evitar que ele destrua o Brasil? O povo tem de sair às ruas para pedir o impeachment do presidente? A primeira amostra, dias atrás, foi promissora. Vamos continuar!

TOSHIO ICIZUCA TOSHIOICIZUCA@TERRA.COM.BR

PIRACICABA

*

Perversão do poder

Ignorar a sedução do poder é negar a natureza humana. E quando o poder aumenta rapidamente, abrindo novas portas e horizontes, a sedução se intensifica de tal forma que sua vítima passa a considerar esse novo poder como uma sua conquista inquestionável, para todo o sempre. É isso que explica o que vem acontecendo neste desgoverno, em que Bolsonaro vem demonstrando inusitada habilidade no uso de seu poder para conseguir apoios institucionais a seu projeto de poder. Ao que tudo indica, já conseguiu apoio das “alas comerciais” do Legislativo e de parte significativa de altas patentes das Forças Armadas – que julgávamos imunes aos atrativos do poder... Seguindo esse caminho, se Bolsonaro conseguir “pazuellar” também o Judiciário, a caminhada rumo à Grande Venezuela chegará ao glorioso final. Com um possível aperfeiçoamento: a preparação dos filhos para iniciar uma “dinastia democrática”.

LUIZ RIBEIRO PINTO BRASILCAT@UOL.COM.BR

RIBEIRÃO PRETO

*

Militares sem brios

A frase mais repetida na Canção do Exército redunda em avocar o brilho dessa Força: “Rebrilha a glória, fulge a vitória”. Porém o que estamos vendo é um Exército opaco, mostrando que não há brios nos supostos defensores da Pátria ao não punirem o crime do general Pazuello, como não o fez quanto aos crimes do tenente Jair Bolsonaro. É uma vergonha.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES PRODOMOARG@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Segredo para quê?

Nunca na história política do nosso país vivemos momentos tão complexos como agora, e em meio a uma pandemia. Mas essa de o Exército impor sigilo de um século no processo do general Pazuello chega a ser até cômica. Como se todos já não soubessem o que fez a Força se comportar como o fez...

JOSÉ DE ANCHIETA NOBRE DE ALMEIDA JOSEDALMEIDA@GLOBO.COM

RIO DE JANEIRO

*

Lacaio

Com a confirmação da existência do “gabinete paralelo” da Saúde de Bolsonaro, fica claro que o general Eduardo Pazuello nunca teve a função de ministro da Saúde. Sempre foi um ordenança do presidente.

LUIZ FRID FRIDLUIZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Os negacionistas

Outro nome para reacionários. Há os fanáticos, incultos e preconceituosos. E há os trambiqueiros, que lucram com nosso atraso social. Ciência e democracia, para eles, são coisa do PT. Aliás, muitos foram da “quadrilha” lulopetista. O tal bolsonarismo é apenas a união desses dois tipos retrógrados. Por isso ainda defendem o marginal miliciano. Não importa que ele, de maneira planejada por mais de um ano, seja o causador do luto de quase 500 mil famílias.

JOÃO BOSCO EGAS CARLUCHO BOSCOCARLUCHO@GMAIL.COM

GARIBALDI (RS)

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

APARELHANDO O ESTADO

A “tigrada” petista aparelhou o Estado enquanto governo e fez história. Ora, Jair Bolsonaro, aproveitando o que a “tigrada” lhe ensinou, também está aparelhando o Estado. Na verdade, “loteou” todos os cargos de primeiro e segundo escalão aos militares, colocou o Alto Comando do Exército de genuflexão no caso do seu gordinho Pazuello, entre outras aberrações já reconhecidas internacionalmente. Esse é o estadista que o Brasil elegeu. Quanta tristeza para o País!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ORDEM DO DEMÉRITO


O presidente Jair Bolsonaro prometeu uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), em 2023, ao procurador-geral da República, Augusto Aras. Se isso não for tornar o senhor Aras um suspeito na ocupação do seu cargo e no exercício de sua função pública, então que todos os suspeitos deste Brasil sejam condecorados com a medalha da Ordem do Demérito e sejam ovacionados em praças públicas com muitos ovos podres lançados aos altos méritos deste governo.


Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro


*


JANAINA PASCHOAL


Ao declarar, sem corar, que votará em Bolsonaro em 2022 se não surgir uma terceira via, a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP),recordista absoluta de votos na última eleição e futura candidata ao Senado, perdeu meu voto e certamente o de outros milhões de eleitores decepcionados com o negacionista, autoritário e antirrepublicano desgoverno do “capitão cloroquino”.


J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo


*

TERCEIRA VIA


 Está na hora de acordar e encontrar a terceira via para a eleição de 2022. Quando chegar o fim do ano, provavelmente, teremos boa parte da população vacinada, a economia melhorando, os empregos voltando e as pessoas  esquecendo o porquê de demorarmos tanto a voltar um pouco ao ritmo normal. Quem vai querer tirar partido desta melhora é o presidente negacionista, que lutou o tempo todo contra as vacinas e riu de todos os maricas que usavam máscara. Se é por falta de sugestões, temos Tasso Jereissati, Simone Tebet, Eduardo Leite, Alckmin, Doria ,que já têm experiência, e até outros não radicais de outros partidos.


    

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo


*

IMPEACHMENT

Podemos sim falar sobre impeachment neste momento. No entanto, é imprescindível discutirmos a responsabilidade que temos diante das urnas a cada eleição. Os problemas do Brasil não serão resolvidos com afastamentos. Pensar que impeachments resolverão nossa incúria na escolha de nossos representantes é pura irresponsabilidade.


Carlos Eduardo Barbosa Ferreira Eduardo.barbosa.cso@gmail.com

São Carlos


*

MOURÃO SE ALIA A BOLSONARO

Se Jair Bolsonaro, se lixa para essa pandemia e, mais uma vez, a despreza quando negocia a realização da Copa América no País, também ganha um aliado na sua tentativa de influenciar a CBF para que demita o técnico Tite. Neste jogo sujo de deplorável intromissão, também atua o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que, além de favorável a esse evento esportivo, sugere a demissão de Tite e indica que poderia até ser  técnico do Cuiabá Esporte Clube. Essa é a cara de um governo desajustado, falido em ideias, ações e respeito as nossas instituições. É bom que se diga que o vice Mourão, cúmplice deste desgoverno, está em dívida com o País.   Porque, como presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal (Cnal), só decepciona, já que o desmatamento na Floresta Amazônica vem batendo recordes há vários meses. Tite, embora não tenha ganhado ainda um título mundial dirigindo a nossa Seleção, com seu digno trabalho fez da Seleção Brasileira a 3ª mais prestigiada no ranking da Fifa!  Bem diferente desta medíocre gestão Bolsonaro e do vice Mourão, que, transformaram o nosso País em motivo de chacota pelo mundo.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos


*


MOURÃO


Avise ao vice que o Brasil  também precisa de políticos,  ou melhor Políticos,  com P maiúsculo.

José Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

*


CELULAR DE BOIADAS E TORAS


O ministro destruidor do Meio Ambiente levou 19 dias para descarregar a boiada de desregulamentos da proteção do meio ambiente e os carregamentos de toras de madeiras de lei, criminosamente derrubadas da Floresta Amazônica, para só então entregar seu celular, recheado de sórdidos crimes ambientais, à Polícia Federal, que vai recuperar a memória da consciência pesada do maior desflorador da natureza brasileira, que já pisou no Ministério e pisoteou o meio ambiente do Brasil. Só uma CPI do Meio Ambiente poderá trazer ao conhecimento público toda a destruição causada por Ricardo Sales ao Ministério que deve zelar pela preservação da natureza nacional. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PROVAS INCONTESTES

Já está mais do que esclarecida com a farta documentação exibida  que implica o presidente Bolsonaro na teimosa posição antivacina e qualquer proteção contra a covid-19. Agora, chega a incomodar o ambiente político na CPI. Não somos tão desprovidos de inteligência!


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo


*

TCU e PANDEMIA


Os ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) manifestam severas críticas à manipulação de informações sobre a pandemia divulgadas pelo presidente Bolsonaro. Um procedimento que pode ser classificado como muito grave. E confirma que efetivamente a questão não está  entre  as metas do  governo .


Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos


*


A RESPONSABILIDADE É DE TODOS


Resta-nos o lamento pelas cenas a que assistimos pela TV neste último feriado de Corpus Christi e postagens também circularam nas redes sociais com imagens de aglomerações em locais fechados, em bares, ruas e restaurantes lotados na região serrana de São Paulo, como também nas praias da Baixada Santista. Pessoas com sede de sair, se divertirem, beber e viver uma vida normal ignoraram a pandemia que está voltando: hospitais públicos e privados por todo o Estado lotados e quase 500 mil mortos por coronavírus. Fugiram para a cidade que era o point do inverno paulista e dos endinheirados: Campos do Jordão. Esta mesma cidade sediava todos os anos um dos eventos culturais mais badalados do Estado, o Festival de Inverno. A pergunta que fica é: onde estava a fiscalização sanitária da cidade que nada fez para punir infratores, em sua maioria não fazendo uso da máscara? E não eram só bares, restaurantes e comércios que ficaram lotados, mas milhares disputavam um lugar na praça central de Capivari, onde aconteciam as apresentações culturais. Orquestras, companhias de dança e outros eventos que agitavam a cidade e garantiam receita para o município e o sustento de muitas famílias. Porém é certeza que nos próximos 15 dias a conta virá com mais pessoas infectadas pelo coronavírus, internações e mortes. Essa tal flexibilização permitiu a reabertura de comércios, a volta ao trabalho presencial e até mesmo a realização no País da Copa América, algo não previsto, porém após mais de um ano de pandemia o setor cultural não voltou. Ou até  voltou, mas com limitações que mal permitem a sua sobrevivência. Os trabalhadores da cultura prestaram sempre papel fundamental para manter a sanidade do País, ou o que resta dela!!!

Turíbio Liberatto turíbioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul


*

OBJETIVOS

Quais serão os motivos pelos quais os integrantes da CPI da Covid resolveram reconvocar várias personalidades envolvidas com o combate no Brasil a uma pandemia que ainda devasta extensas regiões do mundo? Será que não entenderam muito bem o teor das respostas apresentadas pelos referidos já interrogados, alguns deles prestigiados especialistas nas suas áreas? A hipótese mais plausível para a nova intimação (ou intimidação?), no entanto, é a de que os inquisidores esperam, sob a pressão ameaçadora de se repetir o quase insuportável show de grosserias, ignorância e má educação que marcaram o desenvolvimento da  primeira bateria, que os investigados, finalmente vencidos pelo cansaço, passem a fornecer as respostas que os encarregados da condução dos trabalhos na comissão considerem como dotadas do formato que almejam para atingir seus objetivos suspeitos, distantes daqueles realmente úteis para enfrentar o vírus, mediante propostas de medidas reconhecidamente eficazes. 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

POLÍTICA E VACINAÇÃO

Assistindo à CPI da Covid, qualquer eleitor deverá refletir muito antes de depositar seu voto na urna, que, espero, ainda seja eletrônica. Será de cautela indispensável verificar se o candidato a Senador respeita a vida dele antes de mais nada. Não podemos ter outra CPI por esse motivo, principalmente quando em processo de vacinação lento e desencontrado como nesta pandemia.

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

HAVERÁ COPA AMÉRICA

 Tudo parece indicar que os boleiros da Seleção Brasileira decidiram disputar a “copinha américa”. Durante vários dias deixaram no ar a impressão, com recados subliminares via Casemiro, capitão do time, de que seriam contrários a  esse torneio por solidariedade aos familiares do quase meio milhão de mortos causados pela pandemia, junto com o aumento do grau de risco de contaminação pelo fluxo de turistas torcedores dos  países disputantes. A bem da verdade, é que não estavam nem aí para essa causa,  mas apenas estavam solidários ao técnico Tite, ameaçado de demissão pelo presidente Caboclo da CBF. Mas, como Caboclo foi suspenso do cargo, parece que “decidiram”  jogar esse torneio composto de seleções sul-americanas, que  hoje são apenas sombras daqueles timaços de outrora. Espero que esses boleiros tomem vergonha na cara e, quando pensarem em alguma decisão como esta,  calem-se em vez de ficar jogando ameaças no ar apenas para fazer pressão.


Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça


*

HONRA OU SUBSERVIÊNCIA

Grupos ligados ao presidente Jair Bolsonaro têm pedido, por meio das redes sociais, a saída de Tite, tido como de “esquerda”(?), e sua substituição por Jorge Jesus ou Renato Gaúcho, cujas opiniões negacionistas não são segredo para ninguém. Esse episódio faz lembrar as vésperas da Copa de 1970, quando o então presidente, general Emílio Médici, ordenou a demissão do técnico João Saldanha (por ser comunista) e a contratação do atacante Dadá Maravilha, por quem nutria especial simpatia. Era o auge da ditadura que mandava e desmandava em todas as instituições. Ao ver o vice-presidente Hamilton Mourão manifestar irritação com o técnico Tite por este colocar em dúvida a decisão vertical e unilateral de realizar a Copa América no Brasil sem discussão prévia e afirmar que era “do tempo que jogador de futebol, quando era convocado para seleção brasileira, era considerado uma honra", tenho dúvidas se ele se deu conta de que decisões ditatoriais já não cabem mais entre nós e se não está confundindo honra com subserviência. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

HÁ EXPLICAÇÃO?

 

Por favor, peço que alguém me dê uma explicação convincente. O porquê da relutância da Copa América no Brasil em 2021? A mídia brasileira, internacional e até a Organização Mundial de Saúde (OMS) resmungaram, temem pela disseminação do coronavírus, enquanto silenciaram com brasileiros nas inúmeras competições nacionais e internacionais. Veja o que acontece no futebol no Brasil em 2021, número de clubes participantes: 54 no Sul-Americano; 26 na Libertadores; 20 no Brasileirão masculino “A”; 20 no B”; 20 no “C”; 16 no Brasileirão feminino “A1”; 30 no Brasileirão feminino “A2”; 20 no Brasileirão feminino sub-20; 20 no Brasileirão feminino sub-17; 80 na Copa do Brasil masculino 1ª fase; 68  na Copa do Brasil masculino série “D”; 29 na Copa do Brasil feminino 1ª fase; 32 na Copa do Brasil masculino sub-20 1ª fase; 4 na Copa do Brasil feminino sub-20 1ª fase; campeonatos regionais em todos os Estados. Peço desculpas se cometi erro ou deixei de nomear algo importante, mas é patente o grande número de competições, enquanto, sem público, na Copa América são apenas 10 seleções (Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Uruguai, Brasil, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela), de curta duração (de 13 de junho a 10 de julho). Fala sério!!! Tem explicação a celeuma? É justo o estardalhaço?

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

 

 *


COPA AMÉRICA


É fácil defender a esquerda ganhando 1 milhão por mês e trabalhando só a cada 3 meses.

Até eu com 73 anos vou disputar a Copa América para não perder a boquinha.


Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo


*


COTAS E POLITICAMENTE CORRETO

Eu trabalho no meio jurídico e estou cansado de assistir a palestras dos ditos especialistas deste meio falando sempre de políticas afirmativas. As chamadas cotas para negros, para homossexuais, índios, do racismo endêmico do País, da exploração dos pobres, etc. O discurso do chamado politicamente correto é cansativo e distorce fatos da realidade brasileira. A maioria da população negra brasileira realmente é muito pobre e sem instrução, aliás, a maioria absoluta da população brasileira é negra, mulata e pobre, daí ser de negros e mulatos a maioria dos presidiários . Isto decorre de um fator numérico e racial da maioria da população. E ao mesmo tempo mais de 60 milhões de brancos são pobres neste país, nestes ninguém fala! No Brasil, antes destes discursos tolos e ideológicos, seria melhor tratar de ter um educação básica de qualidade que desse condições básicas de trabalho para a população de forma universal, mediante foco em ensino técnico e profissional. Muito melhor o País ter universidades federais de excelência e uma melhora substancial no sofrível ensino privado. Muito melhor o país investir na melhoria da qualidade do trabalho, dando condições às pessoas. Investir sim no talento, e não na mediocridade; investir no aumento da produtividade do País, via aumento de formação humana, de negócios, aumento de concorrência e de dinamização do mercado interno. Enquanto o Brasil ficar eternamente dando ouvidos para esta gente que acha ser correto ficarmos eternamente praticando o mero assistencialismo da pobreza e da ignorância, jamais chegaremos a lugar algum. Nações ricas e poderosas exigem trabalho e muito trabalho da sua população. Encontram nestas sociedades – como China, Estados Unidos e Rússia – o seu espaço os mais competentes e trabalhadores. Aqui premiamos os preguiçosos e os medíocres. No Brasil cultivamos a mediocridade como política de Estado, a chamada política do coitado. Cultivamos a preguiça e a indolência de uma população que pouco produz e pouco trabalha. Nossa Constituição só fala em direitos, obrigações inexistem! O Brasil trabalha muito pouco e produz muito pouco. Um País com 35 milhões de carteiras de trabalho em uma população de 206 milhões de habitantes é algo grotesco! Definitivamente este não é o caminho!


Paulo Roberto da Silva Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro


*

                 


ALUGUEL: AUMENTOS INESCRUPULOSOS


Assistindo a algumas reportagens sobre esses inescrupulosos aumentos contratuais locatícios e demais tipos, penso é um absurdo o poder público não se manifestar contra estes contratos “leoninos”. Por que, de uma vez por todas, não se utiliza o índice de inflação anual, medido e auditado pelo IBGE, para os reajustes?

Onde já se viu uma pessoa normal ter a ver com o aumento dos minérios, etc. É um absurdo.

Vamos tentar acabar com isso, assim como acabar com os membros dos Legislativos municipais que aumentam em muito os seus vencimentos, a exemplo do que aconteceu com a Câmara de Vereadores e o prefeito de São Paulo.

Ricardo Cardoso rfcrepes@yahoo.com.br

Bauru


*


MURAL DA FÉ

O "Mural da Fé " de Eduardo Kobra, o Michelangelo do século 21, melhor pintor do mundo na atualidade, é um sopro de esperança e fé, retratado no olhar de crianças de cinco confissões religiosas do mundo, em exposição pública no bairro de Pinheiros, em São Paulo. Deveria estar em local mais tranquilo, para ser mais bem admirado. Uma obra para honrar qualquer museu mundial. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.