Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2021 | 03h00

Corrupção

STF x Lava Jato

Por 7 votos a favor e 4 contra, o Supremo Tribunal Federal (STF) sepultou na mesma cova a Operação Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro. E na sepultura ao lado abriu a tampa, ressuscitando politicamente Lula da Silva. A verdade é que o STF não surpreendeu ninguém ao liquidar a Lava Jato, levando junto o ex-juiz Moro, e conceder a sobrevivência política do petista, sacramentando o infeliz ditado de que “o crime compensa”. E ainda mais: estabelecida a suspeição de Sergio Moro, os advogados de todos os grandes e famosos corruptos condenados na Operação Lava Jato agora podem requerer isonomia de tratamento relativamente aos processos de seus clientes. E até mesmo conseguir indenização para os “injustiçados” pilantras. Que absurdo! Que decepção! É isso que sinto como advogado nos meus 60 anos de profissão, sempre acreditando na Justiça.

LAURO MALHEIROS FILHO MALHEIROS@MALHEIROS.COM.BR

SÃO PAULO

*

Togas manchadas

Lamentável o STF declarar Moro parcial e anular as condenações de Lula. Tal decisão joga no mesmo saco três desembargadores do TRF-4 e seis ministros do STJ. E envergonha o Brasil. Nos meios jurídicos internacionais nosso conceito está indo pro fundo do poço. As togas não passam de fantasias.

IRIA DE SÁ DODDE IRIADODDE@HOTMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Sem direito de defesa

Umas das páginas mais deprimentes e assustadoras do STF foi virada com o voto de sete ministros pela suspeição do ex-juiz Sergio Moro no processo do escândalo de corrupção envolvendo o triplex no Guarujá, ação na qual Luiz da Silva foi considerado culpado em todas as outras instâncias. Assustadora pelo fato de essa suspeição ter origem em material pirateado. E o pior é que Moro não teve sequer direito de defesa. Que vergonha, srs. ministros!

JOSÉ ELIAS LAIER JOSEELIASLAIER@GMAIL.COM

SÃO CARLOS

*

Supremo alívio

O STF desmerece o brilhante juiz paranaense que encantou o Brasil e o mundo com seu sério trabalho, desbaratando uma quadrilha de alto escalão na hierarquia política e econômica, envolvida no maior esquema de corrupção da face da Terra, por pura inveja. Para decepção dos brasileiros honestos, só os corruptos tiveram amplo e exaustivo direito de defesa, com seus caros advogados. Foram apenados e tiveram as condenações confirmadas em várias instâncias. Mas o STF resolveu aliviar para eles, sob a alegação de foro indevido e parcialidade.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES HS-SOARES@UOL.COM.BR

VILA VELHA (ES)

*

Árvore envenenada

Terminada a votação no STF que teve o condão de anular as provas produzidas contra o meliante Lula da Silva, fica claro para todos que tal decisão só logrou dar cabo da Lava Jato, mas não teve como reerguer a moral do petista perante a sociedade, conforme deixou claro o ministro Marco Aurélio, secundado pelo presidente da Corte, Luiz Fux. Ficou evidente que a defesa do acusado teve ampla, geral e irrestrita oportunidade de provar sua inocência no curso do processo, mas não teve êxito nessa empreitada, porque houve corrupção efetiva na conduta do prócer petista. Sua defesa se limitou a recorrer a artifícios processuais para exonerá-lo da devida penalização. Também restou comprovado que os que se beneficiaram dos atos de corrupção e obtiveram acordos para devolução das quantias subtraídas ao Tesouro não o fizeram por amor à justiça, mas para livrar a própria pele. As “provas” contra Moro, obtidas por meios ilícitos, que serviram de base para a anulação da decisão recorrida são não só inaceitáveis, como determinaram a prisão dos hackers, seus autores. Os ministros que formaram a maioria deveriam refletir sobre sua infeliz decisão, que manchou de forma indelével a biografia dos que subscreveram o voto vencedor.

LAIRTON COSTA LAIRTON.COSTA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Desgoverno Bolsonaro

Do varejo ao atacado

As graves denúncias envolvendo a compra da vacina Covaxin mostram que a corrupção de varejo do desgoverno Bolsonaro assume novo patamar atacadista. Pela reação destemperada de Onyx Lorenzoni, o fato é real e atingiu um ponto muito sensível da Presidência da República e seu entorno. Serão tais provas e convicções suficientes para, finalmente, se abrirem processos para investigar os culpados pelas omissões e más ações na pandemia?

ADILSON ROBERTO GONÇALVES PRODOMOARG@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Medo no Planalto

A investigação sobre a compra de vacinas indianas não derrubará a República, mas decerto mostrará mais uma faceta do governo Bolsonaro. O próprio governo dá a medida de sua responsabilidade ao pôr a tropa de choque, capitaneada pelo ministro Onyx Lorenzoni, na sua defesa – intimidando testemunhas, ameaçando-as de processos e até dizendo que a justiça de Deus está atenta. A que ponto chega o medo de ver o governo desmoronar.

JORGE AUGUSTO MORAIS DA SILVA JOTAUGUSTOADV@ICLOUD.COM

RIBEIRÃO PRETO

*

Cai o menino da porteira

Caiu Ricardo Salles, o ministro do Meio Ambiente que destruiu toda a gestão ambiental brasileira. Salles não plantou uma árvore, não protegeu uma única nascente de rio, atacou de forma virulenta os ambientalistas e as ONGs do ramo. Não existe uma única ação de Salles que possa ser remotamente ligada ao ambientalismo. Os criminosos da floresta perdem um grande comparsa, seu despachante aduaneiro. A natureza agradece, o Pantanal também, a Amazônia sorri aliviada e os povos da floresta cantam felizes.

MÁRIO BARILÁ FILHO MARIOBARILA@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Ministro do Mau Ambiente

Pelo menos um boi já passou.

GUTO PACHECO JAM.PACHECO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SEM PROVAS, NÃO FALE

 “Incumbe o ônus da prova àquele a quem cumpre demonstrar os pressupostos do preceito jurídico aplicável” (Alfredo Buzaid). Falou muito, mas agora chegou a hora de Bolsonaro apresentar ao TSE as provas de que houve anormalidade grave ou fraude nas últimas eleições presidenciais. Deve comprovar, pois, que venceria no primeiro turno, caso não tivessem ocorrido as tais fraudes. O ministro Luís Felipe Salomão, Corregedor do Tribunal, deu prazo de 15 dias para a apresentação das provas que fundamentam suas observações sobre a eleição, assim como as que fez em Anápolis em culto religioso. O Brasil inteiro está muito curioso de saber quais as ilegalidades ou ocorrências anormais que aconteceram nas últimas eleições presidenciais. Falar e não provar é o mesmo que mentir!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

APOIO A QUÊ

Pesquisa recente aponta uma aprovação ao governo Bolsonaro por parte de 23% dos entrevistados. Tal pesquisa deveria também ter perguntado e ter apontado em quais campos de atuação este governo é aprovado, se, por exemplo, no item motociata ou no item xingamentos a jornalistas, ou ainda se é aprovado em suas defesas ambiental e de minorias, ou se por distribuição de benesses a aliados políticos, ou se pelo não uso pessoal de máscaras, e assim em diante. E então poderíamos todos saber de algo que desconhecemos, ou seja, o porquê de ainda haver tantos apoiadores a quem faz dos conflitos e das divisões o seu mote de governo e de vida.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A MESMA ALMA...

Lula tinha razão, para o Supremo Tribunal Federal ele é mesmo a alma mais honesta do Brasil. Azar do resto do País que acredita o contrário.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

DE NOVO

O Brasil perdeu por sete de novo. Não foi dos alemães, mas dos corruptos e seus apaniguados.

Oscar Thompson oscarthompso@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

É O FIM DA PICADA

O plenário do STF validou por 7 votos a 4 a decisão da segunda turma que declarou o ex-juiz Sergio Moro parcial no caso do triplex do Guarujá. Anteriormente, dez juízes, em diferentes instâncias, já haviam condenado Lula da Silva neste caso.  As delações premiadas e as fotografias que comprovam a presença de Lula da Silva acompanhado de familiares no triplex do Guarujá não serviram de provas. Se Sérgio Moro foi parcial, o que dizer, por exemplo, dos votos sempre favoráveis  de Ricardo Lewandowsky e de Gilmar Mendes sobre o petista mais “honesto” do Brasil? Cabe a quem julgar a parcialidade de certos ministros da Suprema Corte?

J. A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

JUSTIÇA FROUXA NO PAÍS DA BANDIDAGEM

A justiça que não funciona torna o Brasil o paraíso dos criminosos.

Corruptos perdoados e assassinos soltos, pelas frestas do cipoal de leis e normas jurídicas, facilitam e encorajam o crime no país da total impunidade. A polícia prende e a justiça solta. Aqui todos os crimes compensam. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

BOLSONARO, O CARRASCO DOS BRASILEIROS

Está cada vez mais claro que há algo muito errado com a gestão da pandemia no Brasil, o País está completamente fora da média mundial: temos 2,7% da população mundial e 12,9% dos mortos. Todas as orientações da OMS foram sumariamente ignoradas pelo presidente Bolsonaro, que é quem de fato manda no Ministério da Saúde desde a nomeação do leigo Eduardo Pazuello. Não há mais dúvidas de que a corrupção na hora de comprar as vacinas selou o destino de centenas de milhares de cidadãos brasileiros. Não havia espaço para levar propina negociando diretamente com os principais laboratórios farmacêuticos do mundo, foi preciso encontrar um laboratório na Índia que topasse a mutreta. O atraso de meses na vacinação, somado à lentidão e paralisação da imunização, mais a absoluta falta de empenho em promover o isolamento social e o uso de máscaras levaram o País à trágica condição de pior gestão da pandemia do planeta. É melhor já ir se acostumando: Jair Bolsonaro, o gabinete paralelo e a cúpula do Ministério da Saúde serão todos presos. O Estado brasileiro deverá se desculpar solenemente pelas atrocidades cometidas em nome da corrupção, o País deverá indenizar as famílias das vítimas dessa verdadeira chacina promovida pela milícia de Jair Bolsonaro. A bancada da corrupção, liderada por Arthur Lira, precisa se curvar às evidências, contabilizar os lucros e salvar a própria pele, abrindo o processo de impeachment de Jair Bolsonaro, o carrasco dos brasileiros.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VACINA

Bolsonaro negou a pandemia, não comprou vacinas para mitigar a força da covid na população, morreram mais de 500 mil pessoas. Agora, no entanto, compra a vacina Covaxin, superfaturada. Por um destino irônico, pode ser a vacina que vai nos livrar da nossa pior pandemia: Bolsonaro.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

O VEXAME DA COVAXIN

A pergunta que não quer calar é por qual motivo o governo brasileiro tentou comprar, a toque de caixa, a vacina Covaxin, que custa 4 vezes mais que a da Oxford-AstraZenena, e cujo uso não foi aprovado por qualquer agência reguladora, a Anvisa inclusive, ou pela Organização Mundial da Saúde? A demora inexplicável na aquisição das vacinas Coronavac e da Pfizer mostra que não se trata de excesso de zelo pela saúde da população. Sobra, então, seguir o caminho do dinheiro, pois a propaganda de governo “limpo” era somente para eleger o capitão. A Comissão Parlamentar de Inquérito tem muitas trilhas para seguir nessa história deplorável!

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

OSMAR TERRA

A fala do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) na CPI da Covid no Senado Federal comprova que ele é um dos mentores do negacionismo adotado pelo governo federal, com o objetivo de gerar dúvidas e “minar” as evidências científicas no combate à pandemia. É uma estratégia originada nos EUA, nos anos 1950, quando a indústria do tabaco passou a utilizar-se do marketing para reagir às evidências científicas que ligavam o fumo ao câncer.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

ERRO DE ESTRATÉGIA

Creio que, se o pronunciamento do deputado Onyx Lorenzoni em defesa do governo fosse feito  pelo pastor Silas Malafaia, com certeza teria ficado melhor, até porque quando se fala em texto bíblico,o pastor Silas  Malafaia se inflama mais..

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

LAVOISIER

Como bem disse o sábio francês, na natureza nada se cria, tudo se transforma. E, no Brasil do vírus, muito mais ainda. Tanto que ônix, que sempre foi uma pedra, tá quase virando vidraça...

 Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ZÉ, O PROFESSOR EFICIENTE

O professor Zé Dirceu ensinou que “este governo não rouba e nem deixa roubar”. O que eu não imaginava era o tamanho da sala de aula. Nossa, eram muitos alunos, todos dedicados a mentir e não corar. Aprenderam, também, como usar corretamente o óleo de peroba.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

RICARDO SALLES...

Senhor ex-ministro do meio ambiente favor responder: “E a boiada, não passou”?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

O ministro acabou sendo atropelado pela boiada!!

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

*

A boiada não passou. Quem passou para fora do desgoverno antiambientalista de Bolsonaro foi o famigerado ex-ministro do degradado Meio Ambiente Ricardo Salles. Já vai tarde! Seja bem ido!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

As denúncias de irregularidades em questões ambientais motivaram a queda do Ministro dessa área. É mais uma falta de respeito de um ocupante de um cargo da maior importância. O meio ambiente precisa ser preservado, com ampla fiscalização e projetos que levem em conta o futuro da Região  Amazônica.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

São Paulo

*

A saída de Ricardo Salles, o predador, foi para desanuviar o ambiente, não só o dele, mas desse governo nefasto, que não tem nenhum compromisso ou respeito pela natureza. Desde o início, Bolsonaro não queria nenhuma pasta para o Meio Ambiente, mas, depois de muita pressão, manteve o Ministério, no qual colocou um operador da política abjeta deste governo. Responsável pelo desmonte do Ministério do Meio Ambiente, não se furtou a agir de forma truculenta contra as instituições, lutou contra os avanços a duras penas conquistados ao longo de diferentes governos. Ele se atritou com os cientistas, a comunidade acadêmica e não teve pudor em se aliar aos madeireiros. Pensou que com o apoio do tresloucado Bolsonaro tinha carta branca para suas sandices. 

Salles foi o pior ministro do Meio Ambiente para o povo brasileiro, mas foi o melhor ministro para Bolsonaro, que não tem compromisso ou responsabilidade com coisas certas. 

O Brasil, esse gigante da natureza, virou chacota internacional com o antiministro Ricardo Salles, representante da vanguarda do atraso. 

Espero que Salles não seja apenas um boi de piranha, mas que todos paguem por suas irresponsabilidades.

Luiz Thadeu Nunes e Silva luiz.thadeu@uol.com.br

São Luís

*

Fosse o agora ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles isento de culpa em relação à suspeita de enriquecimento ilícito em negócios envolvendo extração ilegal de madeira, não teria por que se recusar a fornecer a senha de desbloqueio de seu celular, apreendido pela Polícia Federal. Não devem ser poucas as obscenidades contidas no aparelho…

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Antes tarde do que nunca

Lá se foi Ricardo Salles

Que ao nosso meio ambiente

Causou grandes males

 Garimpeiros, madeireiros

Pecuaristas e agricultores

Ah! quanta destruição da biodiversidade

Ah! quanto fogo e ronco de motores

 Vá Ricardo Salles

Sua saída merece uma festa

Você fez vista grossa

Você foi nocivo à nossa imensa floresta

 Flautim,  sete cores

Choquinha estriada e  cardeal

Ah! hoje os pássaros estão  cantando

Por terem se livrado de um grande mal!


Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

PRIVATIZAÇÃO DA ELETROBRÁS

O governo e o Congresso dizem que a privatização da Eletrobrás vai render aos cofres públicos algo em torno de R$100 bilhões. O governo detém através da União e do BNDES algo em torno de 75% do controle acionário. Pretende reduzir tal participação para no máximo 46%. Isto significa vender 815 milhões de ações ordinárias, o que, aos preços atuais representaria, no máximo, R$ 39 bilhões. E a diferença? Pergunta que não me deixa dormir. Quem vai comprar? Sinceramente, hoje só vejo a China com reais possibilidades de fazer tal aporte. Terá coragem  de investir com a quantidade de jabutis que os fisiológicos congressistas colocaram no projeto? Estes dados foram retirados do mercado financeiro.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*










 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.