Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2021 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Corrupção com vacinas

Escabroso esse crime de corrupção em plena pandemia, que já matou mais de 520 mil brasileiros, com cobrança de propina na compra de vacinas de eficácia, no mínimo, duvidosa que nunca chegariam, pois tudo não passava de grossa picaretagem. Nossa sorte é que havia um funcionário público concursado no meio do caminho. Some-se o caso das rachadinhas, que ressurge com áudio de ex-cunhada pondo o presidente da República em xeque. O enredo é tão grotesco quanto seu protagonista, que diz “não saber de nada”, lança boatos sobre ministros do STF e banca criança mimada para ter voto impresso em 2022, ao custo módico de R$ 2 bilhões, num país onde falta de tudo, menos evidências de que a única fraude eleitoral comprovada é o próprio presidente. Um inepto que se passou por “mito”, digno de pornochanchada. Seus apoiadores endinheirados, cafonas e incultos o aplaudem com fervor nazi-fascista. Afinal, boa parte da dita “elite” baba pela democracia dos EUA, mas por aqui prega ditadura, tortura, censura e nada de cultura; sonha com Miami, onde respeita as leis de trânsito e age com civilidade, já quando volta... Um homem como esse empobrece o Brasil moral e economicamente. É inadiável sua retirada do Palácio do Planalto. Para ontem! O País tem um lunático sádico no comando. A catástrofe só piora. Qual será a gota d’água que nos libertará desse pesadelo? Quando deputados e senadores vão cair na real?

SANDRO FERREIRA SANDROFERREIRA94@HOTMAIL.COM

PONTA GROSSA (PR)

*

Bodes expiatórios

O aspirante ao STF Augusto Aras deve ter tranquilizado o presidente, pois com os dois processos iniciados pela PGR, com certeza ficará brevemente demonstrado quem foram os “verdadeiros” culpados (Pazuello, intermediários, subalternos...) pelos erros e até corrupção nas compras de vacinas pelo Ministério da Saúde...

LUIZ RIBEIRO PINTO BRASILCAT@UOL.COM.BR

RIBEIRÃO PRETO

*

Covaxin x Coronavac

Em meio ao dantesco cenário de mais de meio milhão (!) de mortos pela covid, cabe, por oportuno, um registro. De um lado, temos a Coronavac, importante e responsável iniciativa de 2020 do governo João Doria (PSDB), que vem vacinando em larga escala a população brasileira. De outro, a Covaxin, atrasada e superfaturada iniciativa deste ano do desgoverno Bolsonaro, é o novo bilionário imbróglio do noticiário. Enquanto a “vachina” do Butantan-Sinovac imuniza a Nação, a “vachíndia” do governo federal só serviu para tentar roubar o erário.

J. S. DECOL DECOLJS@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Rachadinha

A rachadinha própria é mais uma do “seu” Jair. Mas que fique sossegado, enquanto houver Centrão bem remunerado a casa não cai. Ficam admirados com os crimes presidenciais só os incautos que nele votaram.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES  PRODOMOARG@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Subiu no telhado

Nada mais perverso que enganar inocentes e bem-intencionados só para vencer eleições. É o estelionato de ideias e intenções. Sorrisos e juras de combate ferrenho à corrupção foram a pele de cordeiro que Bolsonaro vestiu, mas agora ei-lo como realmente é: depravado lobo feroz. Dia a dia vem se desvendando sua verdadeira identidade corrupta e de seu decrépito governo. Entalados nesse despenhadeiro de falta de homens de caráter, onde vamos parar? Uma coisa é certa, a reeleição de Bolsonaro subiu no telhado.

ANTONIO B. CAMARGO BONIVAL@CAMARGOECAMARGO.ADV.BR

SÃO PAULO

*

‘Sem Data Venia’

O livro do ministro Luís Roberto Barroso com o título acima mostra, segundo o autor, que “o atraso resiste” quando tentamos livrar-nos dele. Estamos num momento crucial de nossa História, entre um líder populista que criou a corrupção por atacado e outro que, por falta de inteligência, só atuou no varejo, mas está destruindo a educação, a cultura, o meio ambiente e é responsável, sim, por milhares de mortes por covid. Se não encontrarmos uma boa terceira via, o atraso resistirá.

ALDO BERTOLUCCI ALDOBERTOLUCCI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Desvio de foco

O presidente Bolsonaro voltou a prestar um desserviço à democracia ao questionar a segurança das urnas eletrônicas e a lisura do processo eleitoral. Como presidente de seção voluntário, testemunhei um processo seguro, rápido e transparente. Considero válida a opinião de especialistas em segurança digital de que o sistema eleitoral deve ser auditado por órgãos ou empresas não vinculados ao TSE, assim sanando todas as dúvidas e certificando o processo. O presidente adota atitude infantil e ranzinza ao ignorar as numerosas denúncias de corrupção e tentar polemizar com discursos conspiratórios contra o sistema eletrônico brasileiro de votação, sobre o qual nunca se comprovou fraude alguma, ao contrário das mazelas e trapaças do voto manual, que ele defende.

DANIEL MARQUES DANIELMARQUESVGP@GMAIL.COM

VIRGINÓPOLIS (MG)

*

Supercomputador

O Brasil enfrenta a maior crise hídrica em 91 anos. O supercomputador Tupã – que faz previsões meteorológicas e cujos dados ajudam a tomar decisões que impactam a segurança alimentar, energética e hídrica – será desligado em agosto por causa das restrições orçamentárias do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O governo federal agiu de maneira semelhante em relação às queimadas na Amazônia, não querendo que fossem divulgadas as imagens de satélite, e quanto ao desemprego e à crise social, adiando o Censo demográfico decenal, programado originalmente para 2020. Também tentou controlar as informações de mortes da pandemia de covid-19, mas não há como esconder as quase 530 mil cruzes nos cemitérios do País.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR. LRCOSTAJR@UOL.COM.BR

CAMPINAS

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A FISCAL E AS VACINAS

A servidora pública Regina Célia prestou depoimento na CPI da covid. Regina é fiscal de contratos de aquisições de vacinas, entre outros insumos. Regina fiscalizou o contrato de compra da vacina Covaxin, para o fornecimento de 20 milhões de doses. Segundo Regina, o papel do fiscal de contrato no Ministério da Saúde é ser responsável pela contratação e acompanhamento da execução do contrato. A funcionária do quarto escalão autorizou a redução da quantidade de doses no primeiro envio, sem a autorização de alguém do primeiro, segundo ou terceiro escalões. Qual é o motivo pelo qual os três primeiros escalões do Ministério da Saúde não se responsabilizam por contratos tão importantes para salvar vidas dos brasileiros?

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

SOB AS BARBAS DE PAZZUELO

Quer dizer então que, sob as barbas do general ministro da Saúde, os de baixa patente fizeram a festa na compra de vacinas? Criminosos, todos, que devem ser punidos.

Eliana Pace pacecon@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL PERDEU A DIGNIDADE

Nada justifica que um bando de leigos oportunistas tenha tido a oportunidade de negociar as preciosas vacinas contra a covid-19 em nome do Brasil. Os principais laboratórios negociaram diretamente com os governos, muitas vezes com o próprio presidente da República, dada a importância e urgência das vacinas. Jair Bolsonaro tinha mais o que fazer do que se preocupar com a compra de vacinas, e o leigo e incompetente intendente de ordens que ele colocou no Ministério da Saúde também estava muito ocupado para atender os fornecedores de vacinas. A negociação de vacinas no Brasil ficou a cargo de um bando de picaretas corruptos e incompetentes interessados apenas em faturar uma bela propina, na base de um dólar por cada dose. Os laboratórios que não davam espaço para cobrança de propina, como a Pfizer, foram solenemente ignorados. Esta palhaçada criminosa com as vacinas atrasou irremediavelmente a imunização no Brasil e isso causou a morte evitável de centenas de milhares de cidadãos brasileiros. Prender Jair Bolsonaro e este bando de picaretas corruptos e incompetentes não irá trazer de volta aqueles que perderam a vida por falta das preciosas vacinas, mas é uma etapa fundamental para o Brasil enfrentar com alguma dignidade a pior tragédia de sua história.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

CERCO

Alexandre de Moraes abre investigação contra bolsonaristas por organização criminosa. Está se fechando o cerco!

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

OS CHEQUES PARA A PRIMEIRA-DAMA

Em manchete, lemos: Supremo Tribunal Federal (STF) forma maioria para arquivar pedido de investigação de cheques a Michelle Bolsonaro. Assim, em verdade, temos: o Supremo Tribunal Federal forma maioria para transformar os interesses nacionais em minoria, insignificante, ridícula e despicienda. Ou seja, o STF, exclusivamente por causa das nomeações políticas de seus doutos integrantes, é mais uma instituição do nosso sistema de poderes republicanos que age contrariamente aos interesses do povo e da Nação.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PIXULECO

A acusação da prática de rachadinha feita por uma ex-cunhada, contra o presidente Bolsonaro, remonta ao tempo em que este era deputado federal pelo Rio de Janeiro e, portanto, não tem poder para incriminá-lo judicialmente. Nem é necessário, diante da verdadeira folha corrida de crimes que o presidente acumula, em pouco mais de meio mandato. Mas é didático, pois mostra como o esquema passou de pai para filhos, como uma herança que tinha como preferência favorecer parentes e amigos, desde que concordassem em ficar com um pixuleco e devolver o restante.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

CORRUPÇÃO

O importante é desmistificar está falsa ideia de que não há corrupção no governo Bolsonaro, pois na família já não há como negar.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

HONESTIDADE?

Fiquei 28 anos na Câmara Federal e nunca participei de falcatrua e muito menos de rachadinhas. A véinha de Taubaté acredita. Então tá. E eu pensando que Lula era o mais honesto. Ingênuo eu. O Posto Ipiranga pode até dizer: tanta honestidade é burrice. Tchau, Delúbio.

Sérgio Barbosa  sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

ALTERNATIVAS

Muito oportuno o editorial O futuro não está perdido, porém integrar o execrável Ciro Gomes como projeto de solução é perigoso. O cara é o mais radical extremista, xiita militante, que este país já viu. De boas intenções o inferno está cheio, mas ouvir esse energúmeno é demais. É mais falso que nota de 3 reais, e radicalizaria, se conseguisse se eleger, para impor uma ditadura do proletariado nordestino no País. É um sujeito ressentido. Xô, Ciro, vamos procurar honestamente uma alternativa que não seja este idiota pior que o que temos aí.

Ronaldo Rossi ronaldo.rossi1@terra.com.br

São Paulo

*

NÃO PODEMOS ESPERAR 2023

Sem discordar, na essência, do editorial do Estadão sobre a escolha e posse do próximo presidente, creio que não temos tempo para tanto. O que Bolsonaro já realizou de ruim até agora foi suficiente para ele superar seus antecessores em termos de incapacidade para o cargo, ignorância em qualquer ciência, crueldade ante o sofrimento alheio e despreocupação quanto ao futuro da Nação e do seu povo. Em meio a uma pandemia, que já ceifou até agora 520 mil vidas, o presidente deixou à vontade uma corrupção ligada às aquisições de insumos e equipamentos para a Saúde, à custa das mortes de um número incalculável de vítimas. Essa realidade vil a CPI do Senado já deu mostras da sua existência. Só falta agora aprofundar as investigações, para destituir o presidente o mais rápido possível. Ele e alguns de seus asseclas foram longe demais, em plena pandemia, a ponto de não só infringirem a nossa legislação, como cometerem crimes contra a humanidade. Os parlamentares do Centrão que ainda não estão enrascados nas falcatruas deveriam desembarcar deste bonde desgovernado enquanto ainda podem. Cabe acrescentar que, ao bater todos os recordes de devastação da Amazônia, além de outros biomas brasileiros, prejudicaram o programa internacional ligado ao Acordo de Paris, contra o aquecimento global. Deveriam, então, ainda, ser julgados pelo Tribunal Internacional de Haia, competente para os casos de crimes contra a humanidade. Os nossos médicos infectologistas e de áreas afins já se manifestaram dizendo que poderemos chegar ao fim deste ano à dantesca soma de 1milhão de mortos, e até agora não erraram em seus prognósticos. Em noticiário de sábado (3/7), também nos alertaram sobre o aumento da incidência da dengue e da chikungunya no Estado de São Paulo, com um extraordinário número de óbitos. O presidente tem de ser destituído tão rápido quanto possível e começar a pagar pelos seus erros.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

CAMINHO ABERTO

Um conchavo entre o STF barrando a candidatura de Lula da Silva e a Câmara dos Deputados abrindo processo de impeachment contra Bolsonaro seria uma bênção para o Brasil. Como a Suprema Corte e a Câmara perderam a credibilidade entre o eleitorado, um acordo entre ambos, mesmo por linhas tortas, os reabilitaria e abriria caminho para um candidato inovador. Chega de PT e da famiglia Bolsonaro.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

MARCO AURÉLIO MELLO

Após 31 anos de serviço no Supremo Tribunal Federal (STF), nomeado por seu primo, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, aposentou-se por limite de idade o ministro Marco Aurélio Mello. Talvez nas democracias mais desenvolvidas, tal transição para a inatividade se processe de maneira quase imperceptível, com poucas manchetes, já que se trata de encerramento de atividade sublinhada pela discrição. Seria de esperar por aqui, também, que, além desta última qualidade, fosse o cargo orientado pela consciência de fazer parte de um grupo supostamente silencioso que teria por missão estrita a defesa da Constituição. Lastimavelmente, porém, em algumas ocasiões, com participação sua, direta ou indireta, a Carta Magna foi ostensivamente negligenciada ou até descumprida. É impossível declarar se o hoje aposentado deixa saudades ou desperta suspiros de alívio pela saída. Afinal, foi autor de decisões polêmicas, a maioria ligada à concessão de habeas corpus e liberdade de criminosos notáveis, emitiu vários posicionamentos políticos inapropriados para a função e até já instou um colega, em sessão do plenário, a resolver uma questão “na rua”, além de ter rotulado vários outros com adjetivos não muito suaves.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

COVID – TERCEIRA ONDA?

A variante delta está presente em 98 países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Proveniente da Índia, a nova cepa é um risco para o Brasil durante estes três meses de inverno. O atraso na imunização e o espalhamento de uma nova variante podem confluir numa terceira onda da covid-19, em virtude do relaxamento das medidas de distanciamento social e da falta do uso de máscaras em locais públicos, pois a taxa de transmissão comunitária permanece alta no País.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

VARIANTE DELTA PARA VACINADOS

Pesquisa realizada em Israel no mês passado constatou que a vacina contra o coronavírus é apenas 64% eficaz contra a infecção com sintomas da variante delta. Apesar disso, a prevenção da morbidade grave permaneceu em 93%. Muito preocupante, mas não desesperador. Pelo menos para a realidade deles.

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

OS DEPENDENTES DE MILITARES

Fiquei estarrecido ao ler no Estadão de sábado (3/7) que o custo dos dependentes dos militares apenas no ano de 2020 foi a “bagatela” de R$ 19 bilhões, e boa parte deste montante foi paga às filhas dos militares falecidos, que continuam recebendo esta benesse inexplicável, quando até a velhinha de Taubaté sabe que elas não se casam oficialmente para não perderem a mamata. Quanto às outras, pergunto: por acaso são inválidas, o que elas têm de melhor que nossas filhas de cidadãos comuns, elas não conseguem trabalhar? Essa é mais uma jabuticaba brasileira com que nossas instâncias superiores deveriam acabar de uma vez por todas.

Luiz Roberto Savoldelli savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

A GRADE BOIADA DOS ‘MILICOS’...

Filhas solteiras. Pois é. Apenas a título de curiosidade, em 1989 eu soube que certa pessoa vivia maritalmente com uma filha de militar e não se casavam para não perder a pensão por morte do seu honorável pai-pai. Família formada, marido “amizade colorida” e por aí foram. Pelo bosque da vida encantada. Deve ser porque eles têm amor à pátria acima de tudo e Deu$ acima de todos. E pensar que há países que desmobilizam militares e passam a contratar cidadãos com vínculo empregatício para trabalhar eu seu lugar. Cá, no Brasil, as pessoas adoram uma sinecura, não é mesmo? Capitanias hereditárias em pleno século 21. E agora com o sociopata e sua pátria acima de tudo e Deus acima de todos, ninguém segura esse Brasil, pois vai mesmo para o buraco sem fundo. E a plateia só olhando... Que beleza de país. Praias mega-hiper-thunder-buster maravilhosas. Mulheres maravilhosas. Futebol maravilhoso. Educação maravilhosa. Ética maravilhosa. Filhos 01, 02 e 03 maravilhosos no úrtimo. Políticos maravilhosos. Escolas de samba maravilhosas. Jeitinho maravilhoso. Futuro tenebroso. E, de quebra, Forças Armadas maravilhosamente aproveitando a deixa; que Duque de Caxias que nada; o grande negócio é deitar e rolar; afinal, este povo todo é como soldados de papel. Viva nós, viva tudo, viva o Chico barrigudo!

Nelson Sampaio Jr. n.sampaio@hotmail.com

Curitiba

*

REFORMA TRIBUTÁRIA E PLANOS DE SAÚDE

Levei um susto quando li que os sócios de empresas que mantêm plano de saúde no qual são beneficiários serão tributados como se esses planos fossem distribuições de dividendos. Parece que o legislador esqueceu que as pessoas físicas não podem, por lei, contratar planos de saúde individuais ou familiares e são obrigadas a fazê-lo por empresas que, muitas vezes, são criadas com esse fim específico. O resumo da ópera é: além de suportar aumentos dos planos de saúde muito acima da inflação, que levaram alguns milhões de brasileiros a desistir deles porque já não conseguiam mais pagar, agora o poder público aumenta esse ônus tributando esses valores como dividendos? Lembro-me de Jô Soares, que tinha um quadro em que dizia “eu não sou palhaço, mas estão me fazendo de palhaço”.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

O BOLO DAS MUITAS CEREJAS

Falar do ratinho que resultou do demorado parto da reforma tributária mistura obrigatoriamente decepção com inconformismo. No país do come-cotas, o bolo proposto para a aprovação do Parlamento está ornado de várias cerejas. A taxação dos dividendos é uma medida razoável, pois essa é a prática adotada em inúmeras economias. Pode causar estranheza o fato de a alíquota proposta para os dividendos (20%) ser superior à praticada na maioria das aplicações de renda fixa. Em outras palavras, a proposta visa a enjaular o espírito animal do empresariado, encorajando o espírito vegetal dos rentistas. A moda do come-cotas deve ter inspirado a sugestão de permitir a reavaliação dos imóveis, cobrando módicos 5%. Ocorre que, na ausência da correção monetária, está se taxando antecipadamente uma expressão monetária diferente, sem ter havido uma real valorização. O diagnóstico disso é uma pedalada. É uma demonstração do desejo de antecipar uma receita – discutível – para gerar recursos imediatos. Por sorte, há apenas uma janela para exercer a opção que poderá interessar somente àqueles que pretendem vender rapidamente um imóvel adquirido há muito tempo. Nesse caso, frustra-se o espírito arrecadatório da equipeconômica, termo introduzido por Elio Gaspari. Nenhuma alusão à taxação da diferença entre lucros auferidos na venda de ações por parte de investidores nacionais de perfil “colecionador”. Manter em carteira determinada ação por, digamos, 10-20 anos durante os quais a inflação ultrapassou 100% significa pagar Imposto de Renda sobre valorizações ilusórias, o chamado lucro gráfico. Eliminar os JCP inflará o lucro tributável de empresas capitalizadas. Não importa, como se dizia no passado, o importante é exportar. Por enquanto, a famigerada CPMF – ou o nome que venha a receber – ficou fora do radar. Ao menos essa cereja permanece desempenhando o papel de uma espada de Dâmocles tributária. Foi a retirada do bode da sala, podendo retornar a qualquer momento, e aí não será uma cereja, e sim uma autêntica melancia. Corrigir distorções introduzindo outras é uma medida a merecer aplausos escassos, misturados com vaias. Procede o receio de que os jabutis que serão incluídos pelos nossos esfomeados parlamenteares introduzam mais desvirtuamentos ditados por interesses paroquiais. Nisso eles nem são assintomáticos. No passado, Georges Clemenceau declarou ser a guerra um assunto demasiado grave para ser confiado a militares. Fica o receio de que essa reforma seja um assunto sério demais para ser confiado a um excelso grupo que tem por objetivo resolver problemas de caixa.

Alexandru Solomon alex_sol@terra.com.br

São Paulo

*

TAXAR DIVIDENDO É BITRIBUTAÇÃO

O mercado bursátil é consequente de empresas que admitiram novos sócios. Tais sócios são chamados de acionistas que adquiriram ações numa quantidade proporcional ao seu aporte de capital. Por lei, periodicamente após deduzidas todas as despesas e impostos (inclusive o de renda), 25% do lucro das empresas na Bolsa de Valores são distribuídos aos acionistas sob a forma de dividendos. Só há dividendo se houver lucro. A incidência de Imposto de Renda sobre dividendo é bitributação, visto que por meio da empresa o acionista já pagou Imposto de Renda sobre o lucro apurado.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

LOTERIAS ONLINE DA CAIXA

Dia 1º de julho o referido site apresentou instabilidades em diversos momentos. Com dificuldade, fiz as minhas apostas, porque o simulador falhava a todo tempo. Mas o pior de tudo ocorreu pouco após o meio-dia, quando consegui efetivar um lote de 207 apostas de 6 dezenas e... a Caixa simplesmente não emitiu o “Detalhamento de Compra”, principal documento de recibo, que detalha em tempo real quais as apostas correspondem a qual pagamento realizado através do PagSeguro. Depois da queda, o coice: fui dormir às 3h da manhã sem conseguir nenhum contato com os dois telefones de suporte apresentados no site (o antigo e o novo), que não passaram de meros reprodutores de gravações. Até as 9h30 do dia 2 de julho ainda não era possível visualizar no formulário drop-down da guia de “Compras” o mês de julho de 2021.

Américo Martins Mendes Neto americobox@yahoo.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.