Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2021 | 03h00

No Brasil de Bolsonaro

Palhaços?

O desgoverno de Jair Bolsonaro continua de vento em popa. A falta de competência é gritante. Vai desde o armazenamento de vacinas por uma semana, enquanto municípios e Estados suspendem a imunização da população, justamente por falta de vacinas, até o deputado que já passou por vários ministérios e não parece ter sido bom em nenhum. É tanta incompetência ou falta do que fazer do dirigente do País que ele acha tempo até para receber uma deputada (!) alemã que faz parte de um partido de extrema direita e está sendo investigada em seu país por suas posições extremistas. Note-se que ela é neta de um ministro de Hitler. A foto dessa reunião, que não estava na pauta do presidente, mostra o grau de felicidade dele. Gostaria de saber por que ele ria tanto. Qual o fato ou a notícia que o deixou tão feliz ao receber essa senhora? Será que ele acha que somos palhaços?

MARIA TEREZA CENTOLA MURRAY TEREZAMURRAY@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Massacre

Sugiro aos pintores um tema: um Guernica da tragédia brasileira provocada pela covid sob o comando do nosso capitão.

LEVINO MORETTO  LEVINOMORETTO@YAHOO.COM.BR

FLORIANÓPOLIS

*

Fundo eleitoral

Inacreditável a quantidade de lorotas semanais ditas pelo nosso presidente. Alardeou que sua tendência era vetar o fundão de R$ 5,7 bilhões. Chegou a dizer que se tratava de uma casca de banana. Aí certos deputados do Centrão ameaçaram: “Se vetar, vai ser retaliado”. E não vetou. Sugere R$ 4 bilhões, reajuste muito acima da inflação relativamente ao montante da última eleição. Enfim, ele fala de pé o que não confirma sentado.

JOSE PERIN GARCIA JPERIN@UOL.COM.BR

SANTO ANDRÉ

*

Nada muda

As eleições de 2022 já estão na boca do povo. O eleitor aguarda ansioso para dizer não àqueles que foram eleitos mentindo descaradamente na campanha de 2018. A velha política não foi banida, os conchavos espúrios continuam e o povo, como sempre, come o pão que o diabo amassou. Mas os enganadores vão pagar caro. Nada mudou. O Brasil tem hoje cerca de 15 milhões de desempregados, 9% da população passando fome, e os denominados representantes do povo fazem do Brasil “boi de piranha”. Veja-se a pouca-vergonha do fundo eleitoral aprovado pelo Congresso para 2022. Agora, depois da repercussão negativa, há quem faça cara de espanto e concorde que foi uma afronta aos brasileiros. Espanto e concordância de araque... Nós, eleitores, precisamos escolher – sei que é muito difícil, mas é possível – políticos diferentes desses que estão aí fazendo de conta que representam o povo. Está sobrando cinismo e faltando hombridade, com predomínio da mentira.

JEOVAH FERREIRA JEOVAHBF@YAHOO.COM.BR

TAQUARI (DF)

*

Orçamento secreto

O sr. Arthur Lira optou pela distribuição de recursos orçamentários a fundo perdido – os créditos orçamentários são empenhados e pagos, possibilitando que o uso financeiro chegue livre de comprovação ao deputado destinatário. São R$ 16 bilhões subtraídos do povo brasileiro a propiciarem o desvio e a corrupção. E o TCU, calado…

ANTONIO M. VASQUES GOMES  AMAVAGO@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

As faces da corrupção

A considerar que a corrupção é a utilização do poder no uso do dinheiro público em interesse próprio ou de familiares, revelam-se suas diversas faces. O pagamento de propina nas compras públicas é uma delas. Deputados assaltarem o Orçamento via emendas “cheque em branco” é outra. Aproveitando-se do fracassado governo Bolsonaro, membros do Legislativo assaltam os cofres públicos buscando eternizar repulsivas dinastias políticas, num velhaco carrossel que escolhe quem pode entrar na roubalheira do nosso futuro. Enquanto isso, milhares de vidas perdidas nessa assustadora pandemia, o aprofundamento da desigualdade, milhões de desempregados, e esses bandidos da democracia nos assaltando à mão desarmada, sem nenhum controle. Lula da Silva e Jair Bolsonaro contribuíram igualmente para esse dantesco quadro. São os carunchos da nossa democracia.

HONYLDO ROBERTO PEREIRA PINTO HONYLDO@GMAIL.COM

RIBEIRÃO PRETO

*

Picaretagem

O Congresso evoluiu muito desde que Lula afirmou: “Há uma maioria de uns 300 picaretas que defende apenas seus próprios interesses”. Agora eles são em número bem maior. Além de vários que já saíram e de muitos que querem entrar.

ELY WEINSTEIN ELYW@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Vassalagem

Sempre ele


A alma mais honesta do sistema solar se esqueceu de mencionar que Cuba também tem excesso de democracia (O devaneio castrista de Lula, 27/7, A3).

GUTO PACHECO JAM.PACHECO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Memória histórica

Os bandeirantes

Os bandeirantes escravizaram, mataram? Sim. Eram colonizadores e trouxeram a cultura europeia do século 16, seus métodos e valores. A História não para. Os valores culturais, os princípios sociais, as normas e regras mudam, mudaram e continuarão a mudar. Felizmente. Destruir provas, queimar documentos, vandalizar obras, nada disso apaga a História. O Taleban destruiu os Budas centenários. Os nazistas achavam que jogando livros na fogueira apagariam o conhecimento e garantiriam à humanidade uma única visão de mundo: a deles. Alguns incendiaram a estátua do Borba Gato. Não se combate a intolerância com intolerância. Não se controla a violência usando violência. Não vamos extinguir a criminalidade sendo criminosos. Não avançaremos na civilidade com a ignorância.


FERNANDO PIRRÓ  FPIRRO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

__________________________________________________


Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


ORGIA BILIONÁRIA

Mais uma mentira de Jair Bolsonaro: depois que o Congresso, envergonhando a Nação, aprovou um fundo eleitoral indecente de R$ 5,7 bilhões para 2022, o presidente disse que vetaria esse valor e sugeriu que os R$ 2 bilhões gastos na eleição de 2020 fossem corrigidos pela inflação. Mas, como lhe falta fio de bigode, ou seja, de nada vale o que fala e promete, agora Bolsonaro diz aceitar que o fundo eleitoral para a orgia dos políticos em 2022 seja de R$ 4 bilhões, ou 100% a mais do que em 2020. Enquanto esta farra sem freios com recursos públicos, com anuência de Bolsonaro, não estanca, no Brasil quase 20 milhões de brasileiros não têm o que comer.  

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ACORDO

Parece que pode ter havido o seguinte diálogo do presidente Bolsonaro com o presidente do Congresso: “R$ 2 bilhões para o fundo eleitoral seriam suficientes, pede R$ 6 bilhões que aprovo R$ 4 bilhões. Fica bom para todo mundo”. Triste Brasil!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

LOBOS

Como, num país de tantas e variadas carências, elevar um “Fundão Eleitoral” de cerca de R$ 2 bilhões para R$ 4 bilhões, dobrando o valor do butim, ainda mais com um governo que se elegeu prometendo combater os gastos políticos e as corrupções “chapa-branca”? Simples assim: o Congresso aprova um fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões, o governo bate no peito e concorda apenas com R$ 4 bilhões e o Congresso engole em seco a sua decepção, mas acata os R$ 4 bilhões, embora muito contrariado. Mas como fica o povo deste país? Ora, com a mesma cara de sempre, cara de tacho, de palhaço, de bobo, de enganado. Depois, quando entorna o caldo e coisas inéditas acontecem, bradam pela estabilidade democrática, pelo respeito às leis e ao Estado de Direito. Tudo bem. Estão certos, mesmo. Agora, por favor, que tenham a mínima vergonha na cara e assumam a sua atitude de déspotas esclarecidos pós-modernos, estes que forjam os seus poderes hobbesianos à custa de leis hipócritas e população subjugada. Simples assim: assumam sua pele de lobo e os seus conteúdos lupinos também.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PARTIDOS DE NEGÓCIO

Os maus políticos brasileiros têm um forte estímulo na facilidade de criar e manter um partido. São 35 hoje. É claro que esse exagero não é fruto do amor à Pátria. São, muitos deles, partidos para negócio, para venda ou aluguel. No entanto, todo mundo – políticos e não políticos – faz de conta que não vê o triste fenômeno. Ninguém quer uma reforma que acabe com esta pouca vergonha?

Euclides Rossignoli clidesrossi@gmail.com

Ourinhos

*

CADA ENXADADA UMA MINHOCA

Para quem acompanha a política nacional e internacional, soou estranha a candidatura de Bolsonaro em 2018, um deputado de direita, há décadas na Câmara federal, sempre ligado ao baixo clero e ao Centrão. Com a vice-presidência destinada ao general de quatro estrelas Hamilton Mourão, ficou claro, também, o apoio de um grupo de militares. Considerando o seu histórico radical no Legislativo, foi uma candidatura preocupante desde o início, assim como duvidoso o seu discurso de combater o toma lá, dá cá no Parlamento. Tão logo tomou posse, ficou clara a sua semelhança com o governo de Hugo Chávez na Venezuela, bem assim o seu apreço pelas manifestações de radicais de direita, em Brasília, pedindo o AI-5 com Bolsonaro no poder. Agora, além de todas as barbaridades ocorridas por sua desastrada atuação à frente do governo, estamos descobrindo, ainda mais, que a velha gatunagem no erário continua mais solta ainda. A cada investigação mais séria da imprensa e, agora, da CPI do Senado, descobre-se mais um assalto ao erário, que é alimentado por todos nós, por meio dos impostos, alguns realmente escorchantes. O cinismo chegou a tal ponto que já ficou comprovada a tentativa de gatunagem na compra de vacinas pelo Ministério da Saúde, e quiçá de outros que deram certo e ainda estão sob investigação. Tudo em plena pandemia, enquanto o presidente se recusava a comprar vacinas oferecidas por laboratórios idôneos. Os partidos estão nadando de braçadas, triplicando o fundo eleitoral, além de utilizar ilegalmente o generoso fundo partidário, desviando parcelas significativas para as suas fundações, que não têm o controle do governo. Gananciosos, inventaram o que poderíamos chamar de Oscar da pilantragem, que é o orçamento secreto. Ou seja, a cada enxadada se descobre uma minhoca.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MENTIRA

Para quem, como promessa de campanha, prometeu 15 ministérios e acabar com o toma lá dá cá, mentiu.

Oswaldo Baptista Pereira Filho oswaldocps@terra.com.br

Campinas

*

‘O PREÇO E A SAÚDE DA DEMOCRACIA BRASILEIRA’

Tenho de concordar com o ex-terrorista de extrema-esquerda Fernando Gabeira (Estado, 23/7, A2): o presidente Bolsonaro deu à raposa (Ciro Nogueira) a guarda do galinheiro (cofre da União). Triste Brasil.

Ernani da Silva ernanis982@gmail.com

Três Lagoas (MS)

*

BOLSONARO ESQUERDISTA?

Nosso presidente, culto e atualizado, nos informou no ano passado que o nazismo era um regime de esquerda. Agora, a mídia nos informa que Bolsonaro recebeu com entusiasmo a neta de um dos ministros de Hitler. Será que ele está se tornando esquerdista para bloquear a candidatura de Lula?

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

ISOLADO, SÓ RESTOU ISTO

Isolado, só restou a Bolsonaro receber Beatrix von Storch, neta do aliado de Adolf Hitler, condenado por crimes de guerra. Esse tipo de gente só é recebido por párias que também pretendem desestabilizar a democracia. Ora, Beatrix, que já é monitorado pelo governo alemão, causou um grande mal-estar diplomático com o Brasil. Na verdade, para Bolsonaro (sem partido) se filiar ao partido Alternativa para a Alemanha (AfD) de Beatrix só falta deixar o estilo Hitler de bigode-de-brocha, porque o cabelo ele já tem!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

BANANAS

O Brasil não é uma República de bananas, mesmo com este banana no poder.

Vicky Vogel vogelvick7@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CREDIBILIDADE

O general e ministro Walter Braga Netto fez ameaças claras acerca das eleições próximas: se não houver voto impresso ou auditável, não teremos eleições. Segue o modus operandi do seu chefe, que sonha diariamente com um golpe e o retorno da ditadura militar, o que alguns militares das Forças Armadas também sonham. Porém, o ministro veio logo depois desmentir o que tinha dito e a ameaça que fez, mas, entre o general e as repórteres deste jornal, fico sempre do lado das jornalistas, não tenho dúvida da lisura e da independência profissional das profissionais. Ademais, elas querem informar, e não dar um golpe, como o general.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

REAÇÃO

Ex-presidentes pensaram em reação contra Braga Netto, mas recuaram. Uma pena terem recuado. Braga Netto merecia uma crítica. 

Robert Haller

São Paulo

*

ATOS CRIMINOSOS

O debate envolvendo monumentos erigidos em homenagem a vários personagens da nossa história é justo e procedente. O que é absolutamente injustificado é vandalizar monumentos, como o que aconteceu com o de Borba Gato, em São Paulo, no fim de semana, como se o justiçamento destas obras de arte fosse um recurso natural a ser usado ao bel prazer pelos descontentes. Desnecessário dizer que tamanha incivilidade é tão criminosa quanto os supostos crimes que essas personalidades homenageadas teriam cometido.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

BORBA GATO

Dois pequenos reparos na edição do dia 27/7, Espaço Aberto: 1) acerca da data de nascimento e de morte de Borba Gato (nascimento, 1649; e morte, 1718), quando no artigo foi informado 1628 (nascimento) e 1718 (morte); 2) a escravidão existe desde a Grécia antiga até os dias atuais (sob as mais diversas formas). Assim, penso que da mesma maneira que Borba Gato foi reconhecido pela história pelos seus feitos, um estudo antropológico poderia facilmente comprovar seus feitos ou se ele realmente foi matador de índios, escravos e pretos; e 3) não devemos nos esquecer da história, porém nos dias atuais não custa nada cultuar os bons exemplos. De maus exemplos estamos repletos.

Marco Antonio Frabetti frabettiadvogado@gmail.com

Santo André

*

VANDALISMO X BANDEIRANTES

A prosperarem as manifestações de vandalismo contra figuras destacadas de bandeirantes que desbravaram o Brasil séculos atrás, num revisionismo histórico iniciado contra escravocratas na Grã-Bretanha, seguido pelos EUA, os próximos alvos poderão ser outras estátuas, além da de Borba Gato (SP), o Monumento às Bandeiras, no Parque do Ibirapuera, o Grupo Bandeirantes de Comunicação, o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo, a Rodovia dos Bandeirantes, entre outros...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

SEM-TETO EM SP

O prefeito da cidade de São Paulo, Ricardo Nunes, começa bem o seu governo buscando uma solução para os sem-teto que ocupam desordenadamente vários pontos do Centro da capital. Há, também, os edifícios vazios que necessitam de reformas e não têm utilização – na maioria estão invadidos de forma problemática. Será um desafio, uma nova experiência que certamente dará bons resultados, como a convocação de um voluntariado integrado por pessoas que nunca trabalharam em prol do próximo (um lembrete: “não convidar políticos”). O brasileiro leva na sua alma a marca de “cidadão de bem”, basta despertá-lo para uma missão.

Jose Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

*

OLIMPÍADA 2020

Fiquei acordado até tarde da noite para ver a skatista brasileira Rayssa Leal, a Fadinha, de 13 anos, ganhar a medalha de prata em Tóquio. Torci para que ela conseguisse a medalha de ouro, mas gostei que a vitória foi da japonesinha Nishiya, de 11 anos. Só não gostei da notícia que correu no meio de muitos zun-zun-zuns de que ela teria abandonado os estudos para se dedicar ao skate. Espero que seja fake news.

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

COVID-19 NO JAPÃO

O Japão registra 120 mortes/milhão da população, por covid-19. O Brasil cataloga 2.555 mortes/milhão em razão do mesmo vírus. Durante a cerimônia de abertura da Olimpíada de 2020, os japoneses estavam usando máscaras, inclusive as autoridades japonesas. Os japoneses levam a sério a saúde de sua população. Os brasileiros, por sua vez, estão fazendo chacota durante a pandemia, a começar pelo presidente da República, que participa de aglomerações sem máscara. As consequências são nocivas, pois já estamos totalizando 547.134 mortes desde o início da pandemia. Felizmente esta Olimpíada está ocorrendo a 17 mil quilômetros de distância do nosso país.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

A LEI AO CONHECIMENTO DE TODOS

Ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei, este é o princípio da legalidade, célula dominante de nosso organismo constitucional, presente em seu coração – inciso II do artigo 5.º, que relaciona os direitos e garantias fundamentais dos brasileiros. Por outro preceito jurídico, ignorancia legis neminem excusat, ninguém pode descumprir seus deveres alegando ignorar a lei. No mundo do latim era possível observar essa norma, mas não se pode dizer o mesmo ante o cipoal de regras que regem a vida dos brasileiros. Por isso, foi muito oportuno o editorial de O Estado denominado Na falta de consciência cívica, a lei, calcado no infeliz exemplo de despedida por justa causa de uma empregada que se recusou a ser vacinada. Todos precisam saber que a imunização é obrigatória, salvo comprovada motivação clínica, nos termos do art. 3.º da Lei 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Temos lei, portanto o melhor é acatar seu mandamento.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ROBERTO ROMANO

Estado perdeu um grande articulista, o professor Roberto Romano, que faleceu em decorrência da covid-19. Nós, leitores, perdemos sua voz lúcida, contundente e crítica, dos tempos obscuros em que vivemos. Fará falta. Sentimentos aos seus familiares e amigos.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.