Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2021 | 03h00

Desgoverno Bolsonaro

Mudança climática

O Painel Intergovernamental sobre o Clima, da ONU, mostra um futuro sombrio para o planeta. No caso do Brasil, o País caminha para sofrer severas secas no Norte/Nordeste e grandes tempestades no Centro/Sul. Enquanto isso, o governo federal negacionista, que incentiva queimadas, ainda vai desligar o computador que faz análises climáticas. Assim ficará sem dados meteorológicos e não terá de decidir nada diante da realidade do aumento dos eventos climáticos extremos.

LUIZ ROBERTO DA COSTA JR.

LRCOSTAJR@UOL.COM.BR

CAMPINAS

*

Escolas sem internet

A propósito do editorial Uma batalha contra a educação (9/8, A3), o presidente Jair Bolsonaro, em sua guerra contra a educação, passou dos limites. Ele está matando o presente de milhões de moços e moças e o futuro de todos nós, brasileiros.

RENATA PIMENTEL DE OLIVA

RENATAPOLIVA54@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Fora da lei

As “motociatas” do presidente estão se tornando cada vez mais frequentes. Já foram ao menos oito eventos, que configuram campanha eleitoral fora do período legal e fora do fundo destinado a esse fim. Quem está pagando por esses espetáculos dantescos? Principalmente os cidadãos dos Estados onde ocorrem. Em São Paulo já foram duas “motociatas” e os custos, em especial com segurança, chegaram a R$ 1,5 milhão, conforme informado pelo governo estadual. É muito triste ver dinheiro público custeando o que afronta a legislação, princípios e protocolos.

VÁLTER VICENTE SALES FILHO

VALTERSAOPAULO@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Bizarro

Até quando nós precisamos aturar a vontade dele? Ele é mimado, perverso e egocêntrico. Não quer admitir seus erros, porque isso seria, do seu ponto de vista, “fraquejar”. Quer ser sempre o centro das atenções, independentemente de estar certo ou errado. E ainda exige não ser contrariado em nada – justo ele, que adora contrariar normas e regras. Explosivo, muitas vezes não consegue se controlar e usa palavras inadequadas. Contrariando o seu caráter pessoal, aparente, reconhece a sua incapacidade política de solucionar até mesmo um problema básico. Em consequência, o Brasil já perdeu mais de meio milhão de vidas e continua ainda na deficiência de vacinas contra covid-19 para toda a população brasileira. Infelizmente, ainda falta mais um ano e quatro meses para o Brasil se livrar dele. Espero que em 2023 o Brasil tenha um novo presidente, mais qualificado e humano.

TOMOMASA YANO

TYANOSAN@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Governo do Centrão

E ainda há gente que defende esse governo corrupto! Numa verdadeira “dissonância cognitiva”, bolsonaristas seguem manipulados, doutrinados, pelos corruptos do Centrão. Foram enganados nas eleições de 2018 e continuam cegos. Não bastam milhares de mortes desnecessárias provocadas pelo descaso do governo, que preferiu “faturar” com a pandemia, cobrando propina para adquirir vacinas?

FLÁVIO RODRIGUES

RODRIGUESFLAVIO@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Nem o ‘ honesto’ nem o capitão

Votei no “besteirol” achando errado, mas não sabia que erraria tanto assim. Isso no segundo turno. Agora tenho a certeza de que, no caso, o dito popular vem a calhar: se correr o bicho pega, se parar o bicho come. Fora com esses trastes.

ITAMAR C. TREVISANI

ITAMARTREVISANI@GMAIL.COM

JABOTICABAL

*

Depois da Olimpíada

Vida que segue

Com suas ilusões perdidas, a vida continua após o encerramento dos Jogos Olímpicos. É difícil, mas não há alternativa. Resta-nos suportar, com abnegada comiseração pelo destino dos mais humildes, a sanha bolsonarista, a se prolongar até o fim do próximo ano. Esperamos que a lição tenha sido aprendida, para evitar a repetição de tantos males. O Brasil merece melhor destino. Cabe a todos lutarmos por isso, a exemplo do que fizeram nossos atletas contemplados com medalhas duramente conquistadas.

LAIRTON COSTA

LAIRTON.COSTA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Política de Estado

No quadro de medalhas da Olimpíada de Tóquio, considerando os países do G-7, ficamos em G7+1, deixando no chinelo o grupo da OCDE, tão perseguido e não alcançado pelos sucessivos governos. E quem mostrou isso não foram nem doutores da escola liberal de Chicago, nem ex-capitão do Exército & família; foram, sim, a Rebeca Andrade, da favela da Maré, e outros medalhistas de ouro, prata e bronze. Isso levando em conta que o esporte não é contemplado com uma política de Estado. A nós falta apenas uma classe dirigente à altura do País. Por culpa da maioria silenciosa. Chega de votar só anti-PT, antietc... Em 2022 finalmente vamos votar em algo construtivo?

GUENJI YAMAZOE

GUENJI@YAMAZOE.COM.BR

SÃO PAULO

*

Bolsa Atleta

Nesta Olimpíada de Tóquio vimos o melhor desempenho do Brasil em Jogos Olímpicos. Quem já ouviu falar em Bolsa Atleta? Pois é, 94,4% dos nossos medalhados a receberam, marca jamais alcançada.

CARLOS E. BARROS RODRIGUES

CEB.RODRIGUES@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Em São Paulo

Ocupações irregulares

A questão da invasão de áreas de proteção ambiental tem sempre o envolvimento de políticos espertalhões, como mostra a reportagem Em 10 anos, dobra o número de moradores em ocupações irregulares em Ilhabela (9/8, A10). Com a desculpa de resolver a dificuldade de moradia dos mais necessitados, eles aproveitam para enriquecer dilapidando o patrimônio ambiental público. Até quando essa farra deletéria vai continuar?

JOSÉ ELIAS LAIER

JOSEELIASLAIER@GMAIL.COM

SÃO CARLOS

____________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


FRÁGEIS MÚSCULOS

Jair Bolsonaro resolveu mostrar seus músculos na Operação Formosa – com tanques e veículos de combate, aeronaves, entre outros. Na verdade, a intenção do estadista desta vez é mostrar força perante o Congresso Nacional, que vai votar hoje a PEC do famigerado voto impresso. Afinal, o retrógado tem como objetivo trocar a urna eletrônica pelo voto impresso – talvez trocar o celular pelo conhecido orelhão, o WhatsApp pelo fax, e assim por diante. Ora, seus frágeis músculos falam por si sós. Quanta asneira, enquanto há mais de 563 mil óbitos pela covid-19. Só com camisa de força se consegue parar este cara, como disse Tasso Jereissati.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

JÁ NÃO ERA SEM TEMPO

Golpe bem aplicado foi dado pelo ministro Luís Roberto Barroso contra Bolsonaro, cansado que estava das ofensas pessoais a ele dirigidas pelo perturbado presidente e das ameaças à democracia e à Constituição ao afirmar que não haverá eleições sem a aprovação de voto impresso nas urnas eletrônicas já em 2022 – e, caso haja, e não for ele o escolhido, não reconhecerá o resultado. O presidente da República ultrapassou o limite do razoável e teve como reação a abertura de um inquérito pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aprovado por unanimidade pelos ministros daquela Corte, e também por todos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que poderá torná-lo inelegível nas próximas eleições. Mesmo sendo o desequilibrado que se revela a cada dia mais ensandecido, Bolsonaro sabe que mexeu num vespeiro que não tem volta. Vai ter de se ver com a Justiça. E o procurador-geral da República, Augusto Aras, continuará a fazer cara de paisagem diante do ocorrido? Ou vai orientar seu cliente, pois não passa de um advogado do diabo, a se mover nas teias da aranha onde caiu? Os próximos capítulos deste imbróglio prometem ser bastante interessantes. É aguardar para ver.

Jane Araújo janeandrade48@gmail.com

Brasília

*

ESTUPIDEZ

Eu era mais contido e retinha minhas verberações contra o manifestamente estúpido, mesmo aquele não intencional, aquele que não tem má-fé ou segundas intenções, era ignorância mesmo. Estou, porém, me tornando um velho rabugento, tolerante zero com certos e reiterados desatinos. Já perdi a paciência com tantos que pertinazmente me perguntam “você é a favor ou contra o voto impresso?”. Ora, senhores, o apedeuta que me faz essa pergunta é um néscio ou cretino. Nunca foi colocado em questão o voto pela urna eletrônica. Não é escolha “ou voto impresso ou voto eletrônico”, mas a opção é hoje espalhada pela mídia como fogo morro acima. Grassa a asnice sem precedentes. Não há alternativa a ser posta, há uma proposta de que este voto eletrônico possa ser seguido de uma comprovação impressa para verificação a quem se interessar que voto dado foi o voto conferido. Uma espécie de recibo disponível. Se o cidadão é a favor ou contra essa comprovação, é problema dele. Se vai ou não onerar o Estado; se não tem mais tempo para ser implantado na próxima eleição; se não é necessária essa comprovação, vá lá, argumente-se. Mas não sofisme. Ninguém nunca propôs acabar com voto na urna eletrônica. Para mim tanto faz, mesmo porque, se nos postos de gasolina há casos em que a maquininha emite um ticket num valor e vai outro para o cartão, neste mundo de sabidos na informática nada me garante que eu veja o nome de A no comprovante e tenha ido o nome de B para a memória da maquininha. Mal, porém, não faz, mas não me tranquiliza totalmente. Nunca vai haver nenhuma gerigonça feita pelo homem à prova absoluta de fraude.

Francisco José de Sousa Viana fcviana1947@gmail.com

São Luís

*

ESTRATÉGIA

Se o voto fosse impresso, Bolsonaro defenderia a urna eletrônica, como já o fez. Sua estratégia é manter a política sempre em conflito para achar necessária sua intervenção autoritária e destruir o regime democrático. Devemos ficar atentos.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

OUTUBRO VERMELHO

Nota emitida pelos Clubes Naval, Militar e da Aeronáutica a favor do sistema de urnas eletrônicas com voto impresso auditável, dando prazo até outubro ao TSE para definir essa questão, defendida pelos bolsonaristas, é uma indicação de golpe? A provável vitória do criminoso inocentado pelo STF acendeu o alerta entre os militares. O verde e amarelo que parece querer mudar, em 2022, para o vermelho pode se tornar verde-oliva.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

‘DEMOCRACIA VAI MAL E A CULPA É DO STF’

O Brasil em desconstrução total, por um presidente da República mitômano e golpista e um Congresso de oportunistas à venda, por R$ 5,7 bilhões, e a culpa de tudo o que vai mal em nossa democracia é do STF, na opinião reacionária e bolsonarista de J. R. Guzzo, autor de patética coluna no Estado de 8/8 (O governo do STF). Um jornalista antidemocrático e saudosista da ditadura militar. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

MOBILIZAÇÃO

Num governo pragmático tendo como base o é dando que se recebe, fica muito difícil a efetivação de mudanças significativas. Mas é em momentos de impasse como este que mudanças são implementadas para a evolução do sistema. Sabemos de antemão que ninguém quer perder seu quinhão. Precisamos de uma mola propulsora para viabilizar projetos de mudança. Exatamente o que a sociedade civil tem feito: mobilização. Mobilização nas ruas, mobilização pela palavra nas mídias. Nosso impasse hoje é termos de futuramente optar entre dois sistemas de comando do País igualmente nefastos, cujos legados nos levaram à estagnação de décadas. Condenar o País e seus cidadãos a um mesmismo já testado como improdutivo será aceitar a involução do País. Será retroagir. Existirão alternativas pacíficas de solução para o nós x eles ou eles x nós. Temos de nos portar como sociedade madura suficiente para baixar a bola e encontrar uma saída que nos leve ao crescimento, única vacina para diminuirmos o número pandêmico de desempregados e garantir um futuro aos vindouros. Também sabemos os resultados para aqueles que vivenciaram o confronto civil à espanhola: à Franco, ou uma revolução cultural tipo comunista à Mao. É urgente, portanto, que nos unamos neste projeto de construção de uma terceira via, que seja amparado por uma reforma política também adequada para sua gestão.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

‘AINDA A TERCEIRA VIA’

A propósito do artigo de Sergio Fausto (Estado, 8/8, A2) e de outros artigos e editoriais ultimamente publicados abordando a chamada “terceira via”, tem-se destacado a atitude truculenta e golpista do atual presidente e, direta ou indiretamente, os “erros” do PT, de todos conhecidos. O que me causa estranheza é o esquecimento, ou a desimportância, de um aspecto fundamental em defesa da democracia, que é o absoluto desrespeito à liberdade de imprensa, exercido e praticado pelos dois extremos. Da parte do atual presidente todos conhecem, sabem, ouvem e veem seus ataques diários a jornalistas e aos órgãos de imprensa, mas olvidam-se que o PT, bem como seus integrantes e seguidores, defendem o “controle social da mídia” (assim como a direita defende Goebbels e seus métodos) pois que admiradores dos Pravdas e dos Granmas e de seus regimes. Atentem para essa omissão!

Euclides Celso Berardo celsoberardo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

QUE CONVERSA É ESSA?

Ao ler a reportagem do Estado no domingo, por um instante pensei estar tendo um pesadelo: no que o meu país tinha se transformado, numa espécie de circo? O presidente da República foi realizar uma passeata motorizada em Santa Catarina, em autêntica campanha eleitoral para sua reeleição. Discursando com mentiras, acusou outros Poderes a ponto de ofender a mãe do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mais uma vez, ameaçou que não haverá eleições em 2022 sem as suas condições, ridículas, que luta para impor. Já fazendo comício antecipado, insinua que tem o apoio das Forças Armadas para uma tomada de poder. Teoricamente, poderia ser uma possibilidade, em vista das últimas notícias. Mas não acredito que os seus hipotéticos líderes cometeriam o erro de escolhê-lo como ditador. Falta-lhe qualidade intelectual e científica para tanto. É bom repetir que o mundo está atento ao que vem acontecendo no Brasil, por causa da Floresta Amazônica, que passou a ser imprescindível para diminuir o aquecimento global. Os cientistas vêm alertando os governos há anos sobre o aquecimento global. Agora, que os termômetros dispararam no verão do Hemisfério Norte, com temperaturas de 54°C ou 44°C, dependendo da região, o fenômeno se mostrou real. Paralelamente, o Partido Progressista – para os paulistas, aquele do Maluf –, que apoia Bolsonaro, tem agora na Câmara dos Deputados o seu presidente, Arthur Lira, e o líder do governo, Ricardo Barros, além do ministro da Casa Civil, o senador Ciro Nogueira. Não por acaso, Lira decidiu levar para o plenário a votação da PEC do voto impresso, um escárnio à nossa inteligência. Para fechar, com o máximo do absurdo, o líder do governo, deputado Ricardo Barros, teve a ousadia de declarar que “o presidente Bolsonaro é o presidente Bolsonaro. Precisamos nos acostumar com isso”. Como é que é? Já é esculacho demais.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MOTOCIATAS

Antes, eu tinha medo de motoboy no trânsito; agora, tenho medo de motociclista que participa de motociatas.

José Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com.br

São Paulo

*

IGNORAR BOLSONARO

Seguindo o raciocínio de Umberto Eco, de que as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis, seria importante fazer o mesmo com Bolsonaro. Ele é um sujeito covarde, imbecil, idiotizado, crianção, babaca, etc. Independentemente de bem ou mal, ele adora quando a imprensa fala dele, e principalmente quando fica discutindo o que ele disse e por horas, dias, meses, anos, como o caso do professor Villa. Bolsonaro não vai dar golpe, não tem quem possa fazer por ele também, seu gado é tão imbecil quanto ele, e aqueles que ele acha que o apoiam são conservadores que não querem arriscar o que têm apostando num pangaré retardado mental. O certo seria fechar o pacote e cassá-lo junto com seus filhos, pois o Bananinha não mora em São Paulo, Flávio tem as rachadinhas nas costas e o bobalhão do Carluxo está enrolado até o pescoço com as fake news. E segue a vida, até porque as empresas estão funcionando e o Sr. Mercado já viu que da cartola de Bolsonaro não sai coelho.

Franz Josef Hildinger frzjsf@yahoo.com.br

Praia Grande

*

A CRUZ E A ESPADA

O Brasil está diante de escolhas muito difíceis: nunca é fácil o processo de impeachment de um presidente da República, mas a alternativa é pior ainda, não é possível continuar com Jair Bolsonaro. O presidente da República é diretamente responsável pela morte evitável de centenas de milhares de cidadãos brasileiros; Bolsonaro fez a pior gestão da pandemia do planeta: de cada 5 mortes, 4 poderiam ter sido evitadas, se não fosse pelas sandices criminosas cometidas por Bolsonaro na gestão da Saúde na pandemia. Não foi só incompetência, existem incontestáveis evidências de corrupção no atraso na compra das vacinas no governo Bolsonaro. Como se não bastasse a criminosa gestão da pandemia, o Brasil assiste à Amazônia queimando como nunca, o Pantanal seco, o País sem água, sem energia hidrelétrica, e tudo o que o governo Bolsonaro faz é estimular ainda mais o desmatamento. O Brasil precisa se agigantar e enfrentar esta crise de cabeça erguida, com maturidade e tranquilidade institucional. Não é mais possível esperar o resultado das urnas, visto que até as eleições estão ameaçadas pelo nefasto presidente Bolsonaro.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

CRISE CLIMÁTICA

Ontem foi divulgado um relatório produzido por cientistas confirmando os problemas do clima e da crise que a humanidade irá enfrentar no futuro e que já se manifestou agora em vários locais do mundo. Mencionam os problemas da fotossíntese da Amazônia, o degelo da Antártica e a inversão dos ventos alísios no Pacífico. Eu gosto muito do presidente Bolsonaro e fico aliviado de saber que, com sua profunda ignorância, não vai entender nada, pensando que estão falando de fotos da floresta, de cerveja – ele prefere a Brahma –, e ele gosta de vento. Assim, ele fica tranquilo e pode continuar a passear de motocicleta, pois ele tem muito tempo livre, já que está tudo tranquilo.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

RENDA MÍNIMA

Pode o governo federal tentar dar o nome que quiser ao seu plano de ajuda aos mais necessitados, mesmo com interesse apenas eleitoral, mas ninguém se esquece de sua inspiração no Renda Mínima idealizado pelo senador por São Paulo pelo PT, Eduardo Suplicy, e sua visão social.

João Paulo Garcia jotapege39@gmail.com

São Paulo

*

‘ORA PRO NOBIS, PRECATÓRIOS’

Excelente o artigo de Paulo Rabello, PhD pela Universidade de Chicago, demolindo a proposta de calote nos precatórios articulada pelo falso liberal Paulo Guedes.

Eduardo Spinola e Castro spinola.adv@gmail.com

São Paulo

*

GÁS

Li recentemente que o preço do botijão de gás na região Norte chegou a R$ 100. Parece que o preço chegou ao valor pela dificuldade da logística. Moro na cidade de São Paulo e, na semana passada, comprei um botijão de gás. Quanto paguei? R$ 107,99. Quem vai matar de fome os brasileiros não será a pandemia, nem o desemprego, etc., mas o governo Bolsonaro. Maurício Lima mapeli@uol.com.br

São Paulo

*

VACINAÇÃO CONTRA COVID-19

O correto para fins de computação sobre a população vacinada não é sobre maior de 18 anos nem sobre a população geral, e sim sobre a população por enquanto a ser vacinada. Ou seja, atualmente, 12 anos a mais.

Márcio Roberto Lopes da Silva marcioped.itu@gmail.com

São Paulo

*

OLIMPÍADA 2020

Nos Jogos de Tóquio 2020, o Time Brasil se superou, com 7 ouros, 6 pratas e 8 bronzes, ranqueado num excelente 12.º lugar entre os 206 países participantes. Apesar da condenável falta de incentivo governamental e privado, os 54 atletas de 35 modalidades que conquistaram as 21 medalhas fizeram bonito, deixando para trás nada menos que 194 nações, entre as quais Cuba, Hungria, Coreia do Sul e Espanha, tendo somente 11 à sua frente. Altius, Citius, Fortius: mais alto, mais rápido, mais forte, mais medalhas, mais Brasil. Bravo!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

MEDALHA DE LATA

Uma vergonha mais uma vez o futebol olímpico se negando a usar o uniforme oficial do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) na cerimônia de medalha. Não ficam na Vila Olímpica e, portanto, são uma afronta ao time olímpico do Brasil. Se eu fosse o COB, suspendia o futebol da próxima eliminatória olímpica e nunca mais teria qualquer relação com a CBF.

Manuel Pires Monteiro manuel.pires1954@hotmail.com

São Paulo

*

FRASES RACISTAS

Muitas pessoas empregam frases racistas sem perceber. Um comentarista esportivo de uma emissora de televisão, um ex-esportista famoso (não jornalista), ao designar esportistas japonesas, disse: “japonesinhas baixinhas de olhos puxados”. Talvez ele não percebeu que designar os japoneses de olhos puxados é uma frase racista que deve ser evitada, mormente em público. No momento atual, esse tipo de gafe de cunho racista não é mais admissível, principalmente por comentaristas de televisão.

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.