Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2021 | 03h00

Congresso Nacional

Sem saída

Não bastassem os desmandos, mentiras, incompetência, falta de decoro e desequilíbrio de nosso “presidente”, temos de aturar também a falta de vergonha e seriedade do Congresso. Não satisfeitos com os R$ 5,7 bilhões dessa gatunagem chamada fundo eleitoral, suas “excelências” querem agora mais R$ 1,3 bilhão para a outra gatunagem intitulada Fundo Partidário. Não vejo saída para o País... Realmente, estamos numa republiqueta bananeira.

HELEO POHLMANN BRAGA HELEO.BRAGA@HOTMAIL.COM

RIBEIRÃO PRETO

*

Verba para campanha

Diante de valores tão expressivos, torna-se difícil evitar de imaginar quantas casas populares, quantas creches, quantos postos de saúde, sem falar na melhoria do transporte público e em outros tantos itens básicos cuja existência num país o diferencia e elege como Primeiro Mundo, poderiam há já muito tempo ser uma realidade. A maior riqueza de um país é o seu povo, que precisa de leis condizentes com a civilização, em vez de ser tratado como massa de manobra e fornecedor de votos para reeleger os mesmos de sempre, que não conseguem enxergar nada além de si próprios. Alguém já disse, no passado, que é necessário educar as crianças para não precisar punir os homens.

VERA BERTOLUCCI  VERAVAILATI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Coligações

A proibição de coligações foi votada em 2017 e agora, em 2021, é votada sua volta. Não seria mais produtivo – tanto para o Senado quanto para o STF – estabelecer um prazo para nova votação sobre temas já votados? Hoje é o cachorro correndo atrás do rabo.

VITAL ROMANELI PENHA VITALROMANELI@GMAIL.COM

JACAREÍ

*

Voto impresso

Compartilho a opinião do colunista Carlos Melo sobre a presença de deputados oportunistas e pusilânimes na Câmara. No meu entender, a Câmara tem 229 desses deputados a mais do que deveria ter, bem como um presidente que merece as mesmas qualificações.

SHIRLEY SCHREIER SCHREIER@IQ.USP.BR

SÃO PAULO

*

Chantagem

O pirado palaciano do Planalto alega que deputados que votaram contra o voto impresso foram chantageados! Ora, chantageados por quem? Pelos eleitores? E os 229 parlamentares que votaram a favor foram comprados por quem?

PAULO SERGIO ARISI PAULO.ARISI@GMAIL.COM

PORTO ALEGRE

*

Tudo ao contrário

Cooptados a peso de ouro, aliados do presidente deixaram bastante a desejar na votação da PEC do voto impresso. Senão, vejamos: Progressistas, 16 a favor, 13 contra e 11 ausências; PL, seguindo a mesma ordem, 11, 23 e 7; PP, 16, 13 e 12. Quer me parecer que o presidente deveria repensar quem são seus aliados e seus Calabares. Mas, por outro lado, um pouco de tranquilidade para ele, pois partidos ditos da oposição colaboraram: PSDB, 14 a favor (mais que o aliado PL!), 12 contra e 6 ausências; Novo, 5 a favor, 3 contra e nenhuma ausência. Dá para entender?

BRENO LERNER BLERNER@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Durou pouco

E o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, que achava que o tema do voto impresso não voltaria ao presidente Bolsonaro...? Surpreendido? Bolsonaro nunca foi confiável em suas promessas.

LUIZ FRID FRIDLUIZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Educação

Universidade para poucos

Além de ter-se expressado de forma ofensiva do ponto de vista social ao afirmar que a universidade “deveria ser para poucos”, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, não explicou exatamente as razões por que “tem muito engenheiro, advogado, dirigindo Uber” por não conseguir a colocação devida no mercado. Desde que linhas de crédito para curso superior foram abertas, sobretudo nas gestões petistas, um sem-número de faculdades e universidades surgiu atabalhoadamente, a maioria desprovida de mínima estrutura operacional ou corpo docente suficientemente capacitado para proporcionar formação superior adequada e competitiva. Sendo assim, é evidente que os mais bem formados conseguem as melhores colocações. O que o ministro deveria fazer é exigir ensino de qualidade desses cursos superiores e até extinguir os que não cumprem os requisitos mínimos. A afirmação do ministro é simplista e só perpetua a elitização e a desigualdade.

LUCIANO HARARY LHARARY@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Mediocridade

Vergonhosa a fala do ministro da Educação, ou melhor, da deseducação. Tenho certeza que ele é a favor do ensino superior para os próprios filhos. Ensino técnico profissionalizante realmente tem muita importância no Brasil, para direcionar rapidamente os estudantes para o trabalho e a renda. Mas esse direcionamento não deve excluir a possibilidade de cursar o ensino superior. Tive uma aluna na graduação do curso de Sistemas de Informação que já atuava no mercado em posição de coordenação e havia feito curso técnico, mas para crescer na carreira na empresa era exigido diploma de nível superior. Simples e básico assim. Como pode um ministro da Educação desconhecer requisitos tão básicos para a ascensão profissional? O que será da profissão de professor neste país e do nosso futuro, como brasileiros, sem prioridade para a educação de qualidade, acomodando-nos na mediocridade? Admiro países como Israel, por exemplo, onde o motorista do ônibus de turismo faz faculdade. Sou a favor de universidade para todos e de mais cursos técnicos profissionalizantes.

SILVIA R. P. ALMEIDA SILVIA_ALMEIDA7@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

____________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘REPÚBLICA DE BANANA’

Muito triste, como brasileiro, assistir à imprensa internacional se referir ao Brasil como “república de banana”. Este foi o tratamento utilizado pelo site do diário britânico The Guardian, logo após o lamentável desfile militar de terça-feira, em Brasília, que a matéria chamou de “tanqueciata” do presidente Jair Bolsonaro. E fez, ainda, outros comentários pejorativos, como a curta duração do evento (10 minutos), quanto aos equipamentos militares que expeliam fumaça, quanto ao único tanque austríaco e ao fato de que foi assistido por apenas cerca de 100 apoiadores do presidente.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

*

A CAMBADA DE BOLSONARO

Triste ver um bando subserviente descendo a rampa do Planalto atrás de um desavergonhado presidente, para anunciar o caça voto. Paulo Guedes, deixado para trás feito um cachorro perdido, e Ciro Nogueira mandando no pedaço, mas feito de bobo por Bolsonaro também. O mundo se aquecendo por causa do célere desmatamento, a educação indo pelo ralo, a cultura abandonada e o povo brasileiro precisando de trabalho, de comida na mesa e de vacina no braço. Se este ser das trevas continuar no poder, onde vamos parar? Arthur Lira e militares agraciados nas suas vontades, aí estão, para deixar o veneno da familícia matar nosso presente e o nosso futuro.

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

FANTASMAS NO DESERTO

O Estado do dia 7 de julho de 2021 (A8) publicou que ministros do STF estão confiantes em que a democracia brasileira está solidificada, que não há perspectiva de golpe. Entretanto, o Estadão vem dando espaço a diversas personalidades que dizem que a democracia corre sério perigo no governo de Bolsonaro. Pergunto: quem está falando a verdade? Teoria da conspiração é uma coisa, agora, ver fantasma no deserto é outra. Parece-me que é isso que está acontecendo com estes arauto do caos político. Claro está que o presidente Bolsonaro, com suas bravatas, dá motivos e munição aos seus opositores para imaginar possível golpe na nossa democracia. Certamente, ele não contará com o apoio das Forças Armadas.

Ernani da Silva ernanis982@gmail.com

Três Lagoas (MS)

*

ORDEM E PROGRESSO

A terça-feira 10 de agosto de 2021 foi um dia vergonhoso para o Brasil. Tanques de guerra e caminhões desfilando em frente ao Palácio do Planalto, soltando fumaça e demonstrando os arcaicos equipamentos das Forças Armadas brasileiras. As Casas parlamentares votando o retorno da cédula eleitoral e revogando a Lei de Segurança Nacional. Parece incrível, mas gostamos de mostrar para o mundo que não somos um país civilizado. Os investidores internacionais devem refletir cem vezes antes de colocarem seus recursos no Brasil, um país totalmente instável. Temos 564 mil mortes por covid-19 e vacinamos apenas 22% da população com as duas doses. A burrice das nossas autoridades está escancarada, sem máscara e tomando cloroquina frequentemente. Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário nada fazem em prol da castigada população menos favorecida. Os três pilares da inexperiente democracia estão desabando, guerreando diariamente. Declínio e confusão são as palavras-chave que nos arrastam há décadas.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

GENERAL DE CABEÇA BAIXA

Em entrevista na TV, um general importantíssimo ligado ao governo estava se pronunciando a respeito da demonstração de força de terça-feira, com desfile de blindados, etc. A mim pareceu que estava envergonhado, de cabeça baixa, talvez imprópria para um militar. Pela atitude, esclarecia que a intenção nunca seria intimidar o Parlamento e o povo. Mas fica a dúvida, pelo menos para mim.

Itamar C. Trevisani itamartrevisani@gmail.com

Jaboticabal

*

NÃO PASSARÃO E EU PASSARINHO!

O presidente Bolsonaro precisaria dar-se conta de que um mero e circunstancial desfile de tanques não é demonstração de força. Ao contrário, é de fraqueza. Quem tem força não exibe armas; demonstra, isso sim, caráter impoluto de um grande líder. Quem precisa de armas para assustar adversários passa só uma coisa: medo da força do adversário. Não! Não é pecado ter medo da força do adversário. Isso é normal! Terrível é quando o medo faz alguém utilizar-se de recursos baixos para ameaçar com força quem se teme. Sabem o menino mimado, que não gosta de perder e, então, chama um grandalhão para vir brigar em seu lugar? Pois é... algo assim que Bolsonaro parece estar fazendo. Soube-se também que o desfile de terça-feira foi um fiasco. Tanques velhos e desgastados dos anos 70 passavam pela Esplanada – um deles expelindo fumaça de combustível a diesel. Que vexame! Afinal, essa imagem de um armamento retrô das Forças Armadas, dos tempos dos anos de chumbo, foi o que saiu na mídia internacional. E que lamentável ver o presidente do Brasil, cujo sonho é ser ditador, no alto de tão icônico palácio modernista, o Palácio do Planalto, obra do famoso e consagrado arquiteto Oscar Niemeyer, recebendo altas autoridades militares da Marinha brasileira fora de contexto usual, apenas para usá-los como ameaça à nossa democracia, reconquistada a duras penas! Vergonha! Vergonha! Vergonha! Em que século estes senhores vivem? Depois dessa, o presidente Bolsonaro deveria pegar o chapéu e ir embora para sempre. Não precisamos de caudilhos; esse tempo já passou! Mas uma coisa pode-se dizer: Sua Excelentíssima não passará! E eu passarinho, como disse o poeta gaúcho. Voarei em direção aos céus da liberdade como todos aqueles que amam a democracia e amam a nossa pátria amada, Brasil! Tenha a certeza!

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas

*

COMBOIO DA FUMAÇA

“Marcha soldado cabeça de papel...” O patético desfile militar do comboio da fumaça por Brasília, na terça-feira, é a demonstração cabal de que o presidente Bolsonaro é um homem valente e corajoso, que nada teme. Nem mesmo cair no ridículo. Pobre Brasil...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

BRASIL SUCUPIRA

Com o patético desfile do comboio da fumaça pela Esplanada dos Ministérios, o presidente Odorico Bolsonaro transformou Brasília numa Sucupira bananeira, expondo o País ao ridículo. Seria cômico, se não fosse trágico. Pobre Brasil...

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

SUCACIATA

Eu sempre achei que a Esquadrilha da Fumaça era da Aeronáutica, e não da Marinha! O “seu Exército”, do jeito que demonstrou, não vai conseguir te segurar no cargo, presidente Bolsonaro.

Carlos Alberto Roxo roxo.sete@gmail.com

São Paulo

*

SUCATAS EM BRASÍLIA

Emblemáticos do momento anacrônico que vive a instituição presidencial do Brasil, um tanque de guerra queimando óleo e largando fumaça preta, no patético desfile militar para constranger o Congresso no dia da votação da PEC do voto impresso, e o presidente sucata militar no Palácio do Crepúsculo governamental retratam o momento retrô em que estamos metidos neste país surreal. Com a derrota na Câmara do voto impresso, qual será o próximo pretexto inventado pelo presidente candidato a ditador para melar a eleição do ano que vem?

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

TUMULTO NO MEIO DE CAMPO

A PEC do voto impresso foi derrotada na Câmara dos Deputados. Doravante, só nos resta aguardar qual serão as boas novas que o presidente Bolsonaro vai criar para tumultuar o meio de campo.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A FAVOR DO VENTO

A votação da PEC do voto impresso veio mostrar que o PP e o PL traíram Bolsonaro dentro de casa, ausentando-se ou votando contra, para continuar negociando seus interesses. Os chefões desses partidos, Valdemar Costa Neto e Ciro Nogueira, não à toa, são milionários e navegam só a favor do vento. Mostrou, também, que a oposição é pífia, com seus 218 votos contrários. E segue o baile.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

VOTO ELETRÔNICO

É para dar risada: na Câmara dos Deputados, os deputados votaram eletronicamente pelo fim do voto eletrônico para a próxima eleição nacional.

Tomomasa Yano tyanosan@gmail.com

São Paulo

*

VOTO FACULTATIVO

No final, ganhou o voto não auditável. Afinal, num país em que os políticos são tão honestos e tratam as questões de Estado com tanta lisura, como no Brasil, auditoria para quê? Podemos dormir tranquilos que a vontade das urnas será quem vai mandar por aqui. Minha sugestão é tornar o voto facultativo. Seria melhor nem ter de votar.

Jorge Alberto Nurkin  jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

DESTRUIÇÃO DOS PARQUES NACIONAIS

Um projeto de lei pretende reduzir a área do Parque Nacional da Chapada do Veadeiros a 10% do que é hoje. A ignorância da bancada ruralista escravocrata não vai descansar enquanto não destruir o Brasil. O Pantanal está seco, Curitiba está fazendo racionamento de água há mais de um ano, mas os ignorantes, corruptos e incompetentes do governo Bolsonaro não vão descansar enquanto houver uma árvore em pé no País. O Brasil está se destruindo para alimentar os porcos da China comunista com a soja barata, e logo mais não haverá mais água para irrigar as lavouras, não haverá mais água para o consumo humano, não haverá mais água para as usinas hidrelétricas, mas os ignorantes vão desmatar os parques nacionais para plantar mais soja. Destruir os parques nacionais é um ato de ignorância inominável, mesmo para um país de ignorantes como o Brasil. O mundo civilizado deveria parar de comprar qualquer produto do agronegócio brasileiro até que este lixo de governo seja derrubado.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

Está ficando claro que nós estamos caminhando cada vez mais na destruição do meio ambiente. A frase “estamos vivendo como se não houvesse amanhã” está cada vez mais real. Uma tristeza para nossos filhos e netos.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

DE ILHABELA A ILHAFEIA

Matéria no Estadão de 9/8 mostrou, na página inicial do caderno Metrópole, em foto aérea, o prejuízo gerado por ocupações irregulares em locais desta parte de floresta do litoral norte de São Paulo que deve ser preservada, porque, o caminhar na velocidade com que isso ocorre, dentro de 20 anos pouco sobrará, e a conhecida Ilhabela se transformará em Ilhafeia, e aí será tarde demais. Cabe às autoridades municipais e ao governo federal, por meio da Marinha, responsável pelo litoral do local, tomar atitudes firmes para acabar com essas ocupações e obrigar o desmanche do que está feito, bem como o custo do replantio de espécies locais.

Laércio Zannini spettro@uol.com.br

São Paulo

*

REFORMA TRIBUTÁRIA

Participei de um evento que discutia os substitutivos da reforma tributária e fiquei preocupado. Na terça-feira à noite saiu o quinto substitutivo, com 90 páginas, com a proposta de que fosse votado ontem. Chamado de picadinho tributário por um dos participantes, foi lembrado que um dos principais problemas da Receita Federal era a distribuição disfarçada de lucros. Com a não incidência de imposto nos dividendos – no pressuposto de que o lucro já foi tributado na empresa –, desapareceu o problema. Agora vai aparecer de novo? Com a criação do lucro presumido simplificando e dando segurança jurídica às empresas, aumentou a arrecadação do imposto. Vão mudar aumentando a complicação com que vantagem? Outro dos participantes afirmou que “o Brasil nunca desperdiça uma oportunidade de errar”. Será que vão aproveitar de novo?

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

CASSAÇÃO DE MANDATO

Acusada de ser a mandante do assassinato do marido, a deputada estadual Flordelis (PSD RJ) foi cassada por 437 votos, depois de 26 meses do acontecido. A agora ex- deputada saiu atirando, como era de esperar. Disse que teve a sua imagem destruída e foi massacrado pela Câmara. Segundo o relator, Alexandre Leite, a deputada usou o mandato para coagir testemunhas e ocultar provas. Como última tentativa, a deputada enviou cartas aos seus pares pedindo uma chance. Não cabe aos deputados julgar o crime, e sim o uso indevido do mandato, conforme ressaltou o relator. Bom saber que durante a cassação da deputada o PT e o PSOL estavam articulando para que a deputada tivesse apenas seu mandato suspenso. Vamos ficar de olho, pois essa manobra ajudaria muitos dos partidos citados a serem beneficiados por delitos atuais e futuros.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

VALORES

Os sete deputados que votaram contra a cassação de Flordelis devem ter valores éticos e morais no máximo tão altos quanto os dela. O que dizer dos eleitores que votaram neles? 

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

A RENÚNCIA DO GOVERNADOR DE NY

A investigação do escritório da procuradora-geral do Estado de Nova York, nos EUA, apontou que o governador Andrew Cuomo teve conduta imprópria e ele foi acusado de assédio sexual por 11 mulheres. O presidente Joe Biden manifestou-se publicamente a favor de sua renúncia. A posse da vice-governadora no cargo de governadora vai ocorrer, após uma transição política de 14 dias, quando o democrata deixará o poder. Quando há respeito às instituições da democracia, as crises políticas são resolvidas rapidamente para a volta da normalidade.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

DIGNIDADE PÚBLICA

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, logo após denúncia de assédio sexual contra 11 mulheres, feita por um procurador-geral, fez o que, infelizmente, políticos brasileiros não fazem: renunciou ao cargo. Que bom seria para nossa nação se Jair Bolsonaro também tivesse um mínimo de dignidade pública e decidisse renunciar ao seu cargo. Porque, literalmente, sem governar há 32 meses, ele só tem afrontado o País e, com viés de aguda esquizofrenia, desrespeitou a ciência e se lixou para a pandemia e para as mais de 560 mil mortes pela covid-19.

Paulo Panossian paulpanossian@hotmail.com

São Carlos

*

TARCÍSIO MEIRA E PAULO JOSÉ

A perda de dois atores famosos e de muito prestígio junto dos mais diferentes segmentos sociais motiva manifestações emocionadas. Efetivamente, Tarcísio Meira e Paulo José são merecedores de todos os elogios.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.