Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2021 | 03h00

Orçamento

O Mirante das Gameleiras

Empreendendo sua brava resistência ao orçamento secreto (lembram-se dos “decretos secretos” do governo Garrastazu Médici?), o Estado comprova que a construção de um mirante turístico no município de Monte das Gameleiras, no Rio Grande do Norte, é medida de interesse pessoal do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. A atração turística fica a 300 metros de um terreno cujo valor foi avaliado em R$ 200 mil em 2018 e servirá para a construção de um conjunto de 100 casas em parceria do ministro com Francisco Soares de Lima Júnior, seu assessor. Direcionou-se R$ 1,4 milhão do orçamento secreto para a obra. Isso ainda durante a pandemia, num município a cerca de 100 quilômetros de distância de Natal, de 2 mil moradores, cuja renda mensal familiar é de apenas um salário mínimo. Outro ministro paradigmático da “nova política”...

AMADEU GARRIDO AMADEUGARRIDOADV@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Interesse público?

O dinheiro destinado à construção de um mirante próximo de um empreendimento de Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional, não poderia ser destinado à saúde e à educação em seu próprio Estado? Vê-se que as prioridades de políticos de nosso país não envolvem os interesses e cuidados da população. É lastimável!

ALVARO SALVI ALVAROSALVI@HOTMAIL.COM

SANTO ANDRÉ

*

Governo e democracia

Definitivamente, o presidente Jair Bolsonaro não tem se mostrado um bom democrata. Embora eleito pelo voto direto, ele governa para poucos. Do Orçamento federal saem bilhões de reais para bancar emendas parlamentares, Fundos Partidário e Eleitoral e o custeio de militares, enquanto para amparar os brasileiros mais necessitados recorre à majoração das alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), um imposto inflacionário e recessivo, que aumenta a carga tributária sobre a classe média.

MARCOS ABRÃO M.ABRAO@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Bolsonaro na ONU

‘A realidade do Brasil’

“Podem ter certeza: lá teremos verdades, realidade do que é o nosso Brasil.” As belas palavras são do presidente Jair Bolsonaro, que prometeu levá-las na mala para Nova York, onde hoje discursará na abertura da 76.ª Assembleia-Geral da ONU. O mito de barro lembrará a conversa mole do bordão “Brasil imunizado”, embora apenas perto de 35% dos brasileiros já estejam imunizados com as duas doses da vacina contra a covid-19 e enquanto quase 590 mil pessoas já morreram por causa da doença no País. Como garante que dirá a verdade na ONU, Bolsonaro poderia citar outros bordões que realmente fazem parte do cotidiano dos brasileiros: Brasil ultrajado, atrasado, humilhado, desfigurado, desgovernado, esfomeado, desrespeitado, desatinado, achincalhado, desmoralizado, desonrado, desarticulado, envergonhado e esborrachado aos olhos do mundo. Suas candentes palavras correrão o mundo, com traduções simultâneas em dezenas de idiomas. Prestígio é isso.

VICENTE LIMONGI NETTO LIMONGINETTO@HOTMAIL.COM

BRASÍLIA

*

Saúde

A CPI e os planos de saúde

Li o artigo do professor doutor Mário Scheffer (CPI lavou as mãos sobre planos de saúde, 17/9, A5) e concordo com ele que a CPI da Covid teria de se aprofundar no comportamento dos planos de saúde nesta pandemia. Não só neste momento, mas também quando estes planos se misturam com políticos e com o governo para se beneficiar de decisões que os protejam (aumentos de mensalidade com reajustes acima da inflação, alterações no Estatuto do Idoso, etc.). Com o Centrão no comando, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) presidida por um ex-chefe de gabinete do sr. Ricardo Barros e o sr Arthur Lira (PP-AL) instalando comissão especial na Câmara para mudar a lei dos planos de saúde, a quem recorrer?

TANIA TAVARES TANIATMA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Transporte público

Bondes em São Paulo

A respeito da situação do transporte público sobre rodas em São Paulo, abordada na publicação de sábado do Estado no suplemento Mês da Mobilidade, sem discordar de nada do que foi publicado, quero lembrar de um meio de transporte eliminado em São Paulo: o bonde. Lembro-me dos argumentos de que eles atrapalhavam os veículos sobre rodas, mais ágeis, além da alavanca que se desprendia dos fios de energia com frequência. Mas lembro-me da linha do bonde camarão que ia do Instituto Biológico, na região do Ibirapuera, até o Largo Treze, em Santo Amaro. Ele trafegava onde hoje é a Avenida Ibirapuera, em faixa exclusiva e sem vias transversais que o atrapalhassem na região do Brooklin Velho. Conheci o último diretor da Divisão de Bondes da Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC) e ele era contrário, por motivos técnicos, à desativação dos bondes. Quando saiu de férias, eles foram desativados. Eram, na realidade, o que denominam hoje de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Esse tipo de transporte deveria voltar a ser implementado em São Paulo, principalmente agora, com o desenvolvimento da energia fotovoltaica – inclusive aproveitando os corredores de ônibus já implantados, quando possível. Seria um excelente complemento do metrô e, além disso, não poluente. Os ônibus poderiam trafegar nos bairros, para transportar passageiros até as estações do metrô ou dos VLTs. Dependendo de um estudo econômico, as estações de embarque dos VLTs poderiam ser edificadas desapropriando as áreas necessárias para tanto. O que não tem mais cabimento é este martírio imposto aos paulistanos para se deslocarem de casa para o trabalho e vice-versa. A nova possibilidade de trabalhar em casa veio para aliviar a área de transportes, mas não o suficiente.

GILBERTO PACINI BENETAZZOS@BOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

BOLSONARO NA ONU

Bolsonaro viajou para Nova York para participar da Assembleia-Geral da ONU. Vai representar o seu “chiqueirinho”. Que ninguém lhe dê ouvidos!

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O NÃO VACINADO

O único integrante do Grupo dos 20 que participa da abertura dos trabalhos da ONU e alega não ter sido vacinado é o atual presidente do Brasil. É mais um ponto negativo para o nosso conceito em nível internacional. Um fato lamentável.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O DISCURSO DO PRESIDENTE

Tomara que o discurso de abertura que Bolsonaro fará na Assembleia-Geral da ONU tenha sido redigido por Michel Temer, pois caso contrário, vamos pagar mico novamente. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

'PÁTRIA AMADA' ENVERGONHADA

O presidente Jair Bolsonaro envergonha o Brasil até nos seus mínimos detalhes. Entrou pela porta dos fundos no hotel que está hospedado em Nova York, evitando manifestação negativa que o aguardava. Optou por comer pizza na rua, pois para ir ao restaurante precisaria estar vacinado e usando máscara. Todo esse malabarismo para participar da abertura da Assembleia da ONU, o que, aliás, nenhum participante faz questão. Pobre “Pátria Amada” que ele tanto desonra!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MARCELO QUEIROGA

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, atual presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, precisa ficar tão “pequeno” para aceitar tamanha subserviência ao presidente Bolsonaro? Uma mancha em sua biografia, com certeza...

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

SE É QUE...

Não se pode afirmar que toda essa política de Saúde adotada pelo presidente Bolsonaro e seus comandados, exposta na coluna da brilhante jornalista Eliane Cantanhêde, tinha a intenção inequívoca de matar, mas não se pode também ignorar que sabiam que poderia terminar no que terminou, em genocídio, e que não se preocupavam com isso. Realmente, é como bem indagou, ao final: “Quanto tempo se levará para reconstruir tudo isso?”. Mas, o melancólico e apavorante é o “Se é que...”.

Abel Pires​ Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

INGENUIDADE

O ex-presidente Michel Temer foi um grande ingênuo ao acreditar em Bolsonaro, ou quis simplesmente aparecer perante a mídia e o pobre povo também ingênuo. Bolsonaro continua fazendo o que quer e tudo para atrasar o País cada vez mais. Aonde ele quer chegar? Não acredito que um país enorme e importante como o Brasil não consiga botar fora um governante que não agrada à maioria dos eleitores. E os que poderiam dar andamento ao processo de impedimento não o fazem porque têm interesses particulares mais importantes. Isto é uma vergonha. Até quando vamos aguentar o País afundando cada vez mais?

Károly J. Gombert kjgombert@gmail.com

Vinhedo

*

EMPATIA PÚBLICA

A queda de braço entre o Executivo e o Parlamento e um Judiciário confuso, com tentáculos alimentadores de lamentável promiscuidade com políticos, o que o afasta da imparcialidade, compõe o pano de fundo da situação aflitiva e tensa em que vive o País. Sobre este triste quadro ainda paira uma pandemia que drena recursos que deveriam ser destinados a, por exemplo, diminuir os efeitos do angustiante índice de desemprego. Diante de cenário tão preocupante, o que menos nossos dirigentes, caso focassem mais no bem comum, deveriam desejar é a formação desse ambiente de rusga e de fogueira de vaidades, do qual quem vai sair, na verdade, chamuscada é a sociedade brasileira. Que tal uma dose um pouco maior de serenidade e empatia pública?

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

A VOLTA DO MAIS HONESTO

Um dos melhores editoriais do Estado esse de ontem, que descreve com precisão esses dois populistas que mais parecem capos. Em relação a Lula, cabe ressaltar que somente a menção de seu nome é suficiente para repelir investidores externos, como aconteceu na transição de FHC para o seu governo. Na verdade, a herança bendita do tucano, A carta ao povo brasileiro e a manutenção da política macroeconômica com Pallocci é que mantiveram o forte crescimento brasileiro, juntamente com a valorização das commodities. Defende a China, uma ditadura, como exemplo de país exitoso com a economia, mas fecha os olhos para os meios que os governantes chineses empregaram para conseguir seus objetivos, que foi principalmente, desrespeitando os direitos humanos, sobretudo no mercado de trabalho. Mas após Palocci veio a degradação da nossa economia, cujo ápice foi com Dilma Rousseff, graças ao sr. Guido Mantega, com o aumento dos gastos públicos, apelidado de “Nova matriz econômica”, que de nova não tinha nada. E a roubalheira? Mas, se o mercado era mais tolerante com Bolsonaro, este, por sua vez, mostrou-nos a que veio: demolir nossas instituições, a ciência, a cultura, o humanismo, além de disseminar mentiras. Estamos fadados à mediocridade…

José Eduardo Zambon Elias zambonelias@hotmail.com

Marília

*

TABATA AMARAL X JOSÉ DE ABREU

É inadmissível o que o ator José de Abreu escreveu no Twitter sobre a deputada Tabata Amaral sobre a opinião dela em entrevista ao jornal O Globo. A deputada afirmou que estava na hora de construir uma alternativa que evitasse a polarização entre Lula e Bolsonaro. Coisa que, penso, seja desejo da maioria dos brasileiros. Então, José de Abreu, notório petista e um dos mais violentos e extremistas defensores de Lula, chamou-a de canalha e disse que se a encontrasse na rua a socaria até ser preso. Não sei o que as autoridades competentes estão aguardando para enquadrarem devidamente esse nefasto cidadão! Não sei o que a Rede Globo espera para mandar esse elemento desprezível para a rua! Desejo, francamente, que Tabata Amaral não se intimide e tome as necessárias providências contra esse ser ignóbil que merece apenas a repulsa dos brasileiros que defendem a liberdade de pensamento. 

Leão Machado Neto lneto@uol.com.br

São Paulo

*

DESINDUSTRIALIZAÇÃO

Segundo o Instituto de Estudos Para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), nos últimos 15 anos, a indústria brasileira despencou da 9ª para a 14ª posição, entre as maiores do mundo, enquanto sua participação na manufatura global caiu quase pela metade, de 2,2% para 1,3%. Como se sabe, o contínuo e crescente processo de redução do parque industrial nacional se deve basicamente à produtividade baixa, ao alto custo dos acessórios, ao imposto elevado e ao sistema tributário complexo. Como se vê, a desindustrialização do País vai de vento em proa. Até quando?

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PETROBRAS E VALE

Em julho de 2016, as ações da VALE3 e PETR4 estavam com valores próximos a R$ 10,00 e se alternando no maior valor. Na pretensão da troca de PETR4 por VALE3 a venda em 11 de julho de PETR4 por R$ 10,30 não dava para comprar a mesma quantidade de ações da VALE3, pois esta subiu para R$ 13,91 e nunca seu valor ficou inferior à da PETR4. Hoje na Bovespa há uma grande diferença. Mesmo com as tragédias de Mariana e Brumadinho que afetaram a mineradora, as ações da Petrobras são negociadas por menos de 30% do valor das ações da Vale e boa parte dessa diferença é consequência da maior corrupção na face da terra tendo como vítima a Petrobras. Por causa da Operação Lava Jato houve recuperação de uma pequena parte da tunga (R$ 8,5 bilhões), e quase todos os malfeitores estão soltos. Pode isso? Será que o adágio “o crime não compensa” perdeu a validade no Brasil?

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

AGRONEGÓCIO QUEIMANDO O SUL DA AMAZÔNIA

O Agronegócio comete suicídio ao queimar grandes áreas da Floresta Amazônica, fonte de água que irriga toda a agricultura brasileira, alimenta os grandes rios, onde funcionam as maiores hidrelétricas do Brasil e fornecem água para toda a população brasileira. Não dá para entender tanta irresponsabilidade, incentivada por um desgoverno criminoso. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PISO DOS PROFESSORES

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) diz que o piso salarial dos professores brasileiros é o mais baixo entre 40 países. Se não bastasse isso, o que eles diriam se soubessem que os aposentados de São Paulo estão tendo descontos (ilegais) nas suas aposentadorias? Enquanto isto os deputados estaduais de São Paulo não aprovam já o PDL22!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

PAULO FREIRE

Antes de atacar Paulo Freire leia pelo menos dois livros dele,

sentencia Leandro Karnal. Fica explicado por que os bolsonaristas atacaram este gênio brasileiro: não leem jamais.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

BOLSONARO E PAULO FREIRE

É mais uma vergonha que Bolsonaro nos faz passar em nível mundial. Chamar Paulo Freire de comunista é próprio de quem não tem nenhum nível de educação e conhecimento. A Universidade de Columbia, nos EUA, vai fazer uma ampla homenagem a ele. Aqui, deveria ser feriado nacional para honrar esta ilustre figura, mas o nosso pseudopresidente, que não o conhece e nunca ouviu falar, fala mal e nem sabe o que fala. Até quando Brasil.

José Claudio Canato jccaneto@yahoo.com.br

Porto Ferreira

*

LUÍS ‘ROCKFELLER’ GUSTAVO

Um minuto de silêncio em respeito ao falecimento do ator Luís Gustavo, intérprete, entre outros papéis marcantes, do inesquecível personagem Beto Rockfeller, na novela homônima, de 1968, de autoria de Braúlio Cardoso e direção de Lima Duarte e Walter Avancini, da extinta TV Tupi, que revolucionou a dramaturgia televisiva no País. Viva “Tatá”!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O PULMÃO FLUTUANTE DO PLANETA

Num déjà vu do Jurassic Park, a introdução de sequências de DNA de paquidermes extintos em elefantes asiáticos promete gerar criaturas intermediárias entre as espécies. Só que não basta isso para que, como pretendem alguns empresários, se restaurem os ecossistemas desaparecidos e se revertam os efeitos das mudanças climáticas. Bastaria analisar que foi por causa das mudanças ocorridas nos ecossistemas e no bioma que determinadas espécies entraram em extinção. E não o oposto. A inversão da relação de causalidade (a troca de papéis entre causa e efeito) é um dos erros mais comuns e menos fáceis de detectar no exercício da lógica. É o que ocorre com países que imaginam estar contribuindo para combater mudanças climáticas deixando de explorar suas reservas de combustível, mas mantendo o número de carros com motor a combustão. É o consumo dos carros que alimenta a poluição, e não a exploração das reservas. Mas voltando aos experimentos biológicos para obter mudanças climáticas: há algo muito mais elementar e de resultado absolutamente garantido. São as baleias. Elas podem capturar uma grande quantidade de toneladas de dióxido de carbono, CO2, por meio de uma série de mecanismos biológicos que ativam pela forma como nadam. Esta função é amplamente conhecida e tem até um valor estimado em trilhões de dólares. Conclusão a respeito foi apresentada em um relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) publicado há dias. Poucas pessoas sabem disso, mas nosso país é um dos melhores e principais destinos para observação de baleias. Principalmente entre os meses de julho e novembro, duas espécies de baleias, a jubarte e a franca, vêm para cá. E fazem um show de talento e formosura nos mares verdes do Brasil. Que tal se fizéssemos um megaprojeto em prol destas espécies? Não é impossível que nossos mares ainda se tornem o pulmão do planeta.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

ANGELA MERKEL

Belo trabalho da chanceler alemã Angela Merkel. Legado de eficiência e espírito prático na política europeia e mundial. Educada e paciente, um grande exemplo.

Marcos Gomes Figueira mgfigueira2@hotmail.com

Brasília

*

DANIEL ALVES SE DESLIGA SÃO PAULO

Daniel Alves vai embora do São Paulo, contratado que foi para ser algo especial, mas custou caro demais e propiciou benefícios de menos. Agora vai embora e embolsar mais um “pouco” de grana, e, segundo ele declarou, já tem seis ofertas de clubes para contrato, sendo quatro brasileiros e dois estrangeiros. Se eu fosse Daniel Alves, aceitaria proposta do exterior, visto seu futebol ser grande demais para um futebol pequeno como está o brasileiro atual.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*











 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.