Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2021 | 03h00

O Brasil na ONU

A realidade

O grupo de Bolsonaro fechou sua participação na 76.ª Assembleia-Geral da ONU mostrando o Brasil real: ministro da Saúde contaminado pela covid-19. Ridículo, se não fosse trágico. Trágica, mesmo, foi a morte de quase 600 mil brasileiros, além daqueles que ainda sofrem com as sequelas da doença. Essa é a realidade na área da Saúde – sem mencionar a questão da compra de vacinas...

SERGIO HOLL LARA JRMHOLL.IDT@TERRA.COM.BR

INDAIATUBA

*

Quarentena

Qual a função do ministro da Saúde na comitiva para propagar inverdades na ONU? No mínimo, seria para administrar os protocolos de saúde relacionados ao retorno ao Brasil. Curiosamente, foi comunicada a positividade do teste para covid-19 do ministro Marcelo Queiroga, que resolveu fazer quarentena em Nova York. Pergunto: 1) quem vai pagar por esta estadia extemporânea lá? 2) Este isolamento do sr. Queiroga tem alguma relação com sua reconvocação pela CPI da Covid pelo Senado? 3) Os demais membros da comitiva, inclusive o “chefe”, farão quarentena aqui, no Brasil, como estabelece o protocolo sanitário?

ROBERTO ANANIA DE PAULA ROBERANA@TERRA.COM.BR

JUNDIAÍ

*

Irresponsabilidade

Se o ministro da Saúde está com covid-19, todo o grupo dele, inclusive o presidente da República, deveria ficar em quarentena, e Bolsonaro não poderia ter ido à assembleia da ONU desafiar toda a comunidade médica mundial fazendo a defesa de remédios sem eficácia comprovada contra a doença (se não fosse presidente, seria condenado judicialmente?).

RAFAEL KERTZMAN RAFAELKERTZMAN@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Aloprados

Uma turma de aloprados foi a Nova York como representante de uma outrora grande nação. O presidente Bolsonaro usou o púlpito do evento para falar mentiras ou falsas verdades, numa realidade paralela, como se estivesse no cercadinho de Brasília, perante seus seguidores e adoradores, ou enviando mensagens numa live irresponsável. Feita a lambança, todos cientes de suas sandices e cretinices – vimos o dedo obsceno do ministro Marcelo Queiroga e o chanceler Carlos França fazendo arminha com os dedos –, quando arrumavam as malas para voltarem para casa, descobriram que um dos membros da delegação estava infectado pela covid-19. Logo ele, o ministro da Saúde do País. Agora, ele ficará de quarentena num quarto de hotel na cidade. O Brasil, que já foi visto pelo mundo como grande covidário, nesta rápida e trepidante passagem por Nova York será lembrado pelas atitudes de um bando de tresloucados irresponsáveis que foi espalhar o tão temido vírus mortal para o mundo, que dele tenta se livrar. E o pior: além de pagarmos caro pela lambança da turma, ainda teremos de pagar pela quarentena do irresponsável Queiroga, que está pagando com a saúde por querer agradar ao chefe. O ministro é o retrato do caos sanitário de Bolsonaro. Estes senhores não têm amor pelo país que representam nem respeito pelas quase 600 mil famílias enlutadas pela covid.

LUIZ THADEU NUNES E SILVA  LUIZ.THADEU@UOL.COM.BR

SÃO LUÍS

*

Para convertidos

Bolsonaro fez no plenário da ONU uma live ampliada para o seu cercadinho. Mentiu, distorceu fatos e atacou a imprensa. Os líderes mundiais ali presentes serviram só como figurantes para um discurso dirigido aos seus seguidores e fanáticos.

VÁLTER VICENTE SALES FILHO VALTERSAOPAULO@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Vergonha

Já tivemos orgulho de Rui Barbosa, nosso “Águia de Haia”; agora teremos vergonha do nosso “abutre de Nova York”.

MAURO ZOLKO

SÃO PAULO

*

Universidades

A escolha dos reitores

Cabe apontar que não só o Poder Executivo deve ser responsabilizado pela tensão política nas universidades federais (A tensão política nas universidades, 22/9, A3). Desde 2011 tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei n.º 2.600, que visa a estabelecer normas para a escolha dos reitores das universidades federais e institutos federais de ensino. A este projeto de lei já foram apensados outros 14 (!), mas até o momento nenhum texto foi colocado em votação na Comissão de Educação. Os deputados precisam fazer a sua parte, estabelecendo em lei a eleição direta dos reitores pela comunidade acadêmica, mas também outro procedimento democrático fundamental: o segundo turno nas eleições. Entre as instituições federais de ensino superior, a Universidade Federal de São Paulo é uma das poucas que não adotam o segundo turno na consulta prévia para a escolha de reitores. O segundo turno, porém, deveria ser adotado como regra geral.

CHRISTINA WINDSOR ANDREWS CHRISTINAANDR@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Rodovia Dutra

Prioridades

Fiquei estupefato ao ler a matéria Após relicitação, Dutra quer virar estrada modelo (20/9, B4). Apesar de a privatização ter certamente melhorado a qualidade da rodovia, a Dutra tem inúmeras melhorias a serem feitas para torná-la uma rodovia digna de ser a principal do País. O governo federal deveria se inspirar nas rodovias paulistas, como a Bandeirantes e a Castelo Branco, para nortear a evolução da Dutra. Hoje a maioria do trajeto da Dutra é de ínfimas duas faixas de rodagem de cada lado. A Serra das Araras é vergonhosamente antiga, exigindo velocidades de 40 km/h em alguns trechos. A Dutra, como principal rodovia do País, deveria ter no mínimo quatro faixas de rodagem de cada lado em toda a sua extensão. Ao invés de ficar pensando em Wi-Fi e free-flow, vamos corrigir, primeiro e urgentemente, a infraestrutura que continua precária e de Terceiro Mundo.

LEONARDO FROLLINI LEO.FROLLINI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘VERGONHA’

O editorial do Estadão com o título Vergonha resumiu exatamente o que aconteceu terça-feira passada nas Nações Unidas. Não tenho nada contra Bolsonaro, como pessoa, muito menos com o que ele acredita ou não. É direito dele, mas como indivíduo; como presidente da República não. Na ONU, ele realmente nos envergonhou, e muito. Os membros do Poder Legislativo, em especial o presidente do Câmara dos Deputados, Arthur Lira, que vem retendo ilegalmente os pedidos de destituição do chefe do Executivo, não podem mais corroborar com tanta insensatez. É por isso que a Constituição prevê a existência dos Três Poderes. Seu procedimento na ONU e o próprio comportamento da comitiva, com destaque para o ministro da Saúde, indigno do cargo, não são um acontecimento banal e sem consequências. Para as demais nações, estava lá o nosso representante eleito por todos nós. Isso tem um preço e não será pouco, muito pelo contrário. Vai se refletir na falta de investimentos no País, no setor de Turismo e até no nosso comércio internacional. Muitos, com certeza, jamais investirão no Brasil depois de conhecer seus propósitos e suas ideias sobre o combate à pandemia, como o famigerado e ignorante “quitute governamental” contra a covid-19. Os eleitores erraram na escolha de Bolsonaro para presidente. Mas isso não pode ser irreversível, como Maia, antes, e Lira, agora, querem nos fazer crer. Está nos custando milhares de vidas; a floresta que garantia as chuvas nas regiões mais ao sul do País e até para os países vizinhos. Além, claro, dos demais biomas. Ademais, viramos os palhaços e os mentirosos do planeta. Eliene Cantanhêde disse uma vez, que “o Centrão não pega em alça de caixão”. Lira quer abrir uma exceção, quiçá em nome do Recurso Secreto.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DISCURSO VAZIO

Mesmo eu sendo brasileiro nato e vivendo há mais de 75 anos nesta terra, confesso que senti desejo de me mudar para o Brasil que o presidente Bolsonaro descreveu em seu discurso na Assembleia Geral da ONU. Na minha opinião, tudo o que nosso mandatário pregou em seu discurso é exatamente o contrário de tudo que Bolsonaro pensou e falou a respeito do nosso país.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

ASSIM COMO O PAPEL...

Discursando na ONU, o presidente Bolsonaro mostrou que um discurso aceita qualquer coisa, inclusive detalhes que não precisa provar. Não cresceu um centímetro!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

CONFIRMAÇÃO

As declarações do Bolsonaro na ONU confirmaram algo que já sabíamos: mentiroso contumaz.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com 

São Paulo

*

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

O nosso presidente informou ao mundo que o Brasil possui a melhor legislação ambiental do mundo. Pode ser..., mas na prateleira.

José Carlos jcpicarra2019@gmail.com

São Paulo

*

PREFEITO ODORICO E O MITO

Nunca em nossa história política a realidade superou a ficção como agora aconteceu neste evento do discurso na ONU do atual presidente da República. Fala-se do personagem de humor prefeito Odorico, interpretado magistralmente pelo saudoso Paulo Gracindo, cujo vídeo corre agora na internet, “discursando” em inglês macarrônico, sendo comparado ao atual mandatário do País. O discurso oficial dessa autoridade em Nova York foi totalmente cheio de inverdades. Odorico foi mais bem avaliado que Bolsonaro. Gastaremos muito tempo para superar os impressionantes problemas que vivemos atualmente.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

O ÉDEN

Ao ouvir o Sr. Jair Messias Bolsonaro discursar na Assembleia-Geral da ONU, fiquei com muita inveja, admito, das pessoas que moram no país que ele diz que governa. Explico: toda vez que o ouço falar desse país, eu me transporto e imagino como deve ser maravilhoso viver num lugar onde governantes, políticos, autoridades só pensam em trabalhar em benefício da população, principalmente da mais pobre, sem nenhum outro interesse se não o bem servir. Lá não há corrupção, haja vista que a Polícia Federal só consegue prender inocentes. Na “gripezinha” da covid-19 só morreu quem quis, pois o tratamento precoce sempre esteve disponível e com sua eficácia devidamente comprovada, inclusive pelo próprio presidente, que acometido da doença se salvou graças ao tratamento inicial com cloroquina. A Amazônia está praticamente intocada desde o descobrimento em 1500 e os índios que nela vivem estão felizes e alegres não correndo nenhum risco de grileiros, mineradores ou madeireiros, pois lá a fiscalização é pra valer. Em apenas 12 minutos, ele mostrou ao mundo que sua população vive na maior felicidade e aos descrentes que, sim, o Paraíso existe!

Mario Miguel mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

BOLSONARO E A VACINA

Em vez de se referir ao “presidente não vacinado”, o Estadão deveria aderir à boa prática jornalística e mencionar o “presidente supostamente não vacinado”. Afinal, a única evidência que temos de que ele não foi vacinado é sua palavra, e todos sabemos o quanto a palavra de Bolsonaro vale.

Arnaldo Mandel amandel@gmail.com

*

DEDO BOLSONARISTA

Poucos dias após demonstrar vassalagem incondicional ao presidente Bolsonaro no episódio estapafúrdio da suspensão da vacinação de adolescentes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, agora manifesta grosseria ao mostrar o “dedo” em Nova York a manifestantes contrários ao presidente. Ou seja, em menos de uma semana o ministro deu exemplo de falta de personalidade, profissionalismo, educação e estadismo. Nenhuma surpresa: está apenas seguindo à risca o manual do bom bolsonarista. 

Luciano Harary lharary@gmail.com

São Paulo

*

DEDÃO NO PREGO

O papelão do capacho de jaleco correu o mundo. O ministro doutor mostrou-se por inteiro. Envergonhou o Brasil. Já não bastassem as sandices e mentiras do patrão dele na ONU. Deus castigou. O dedão do grosseiro infectou-se com a covid. O desaforado paraibano cumprirá quarentena em Nova York. Seguirá à risca a receita do mito de barro. Dieta à base de cloroquina com chá de capim e salada de alfafa. Na volta ao Brasil, engessará o dedão para depor na CPI da Covid.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CASTIGO

Queiroga mostrou o dedo médio para o povo, a covid mostrou o mesmo dedo para ele. O castigo vem a cavalo.

Jéthero Cardoso jetherocardoso@gmail.com

*

A COVID DO QUEIROGA

Marcelo Queiroga, que prega abolir o uso de máscaras, mesmo vacinado com as duas doses, testou positivo para a covid-19. Agora, com “cara de cachorro que caiu do caminhão da mudança” – e se Jair Bolsonaro deixar – deverá rever sua precipitada decisão. Na verdade, não só o ministro, bem como toda a comitiva que esteve na assembleia da ONU para denegrir o nome do Brasil, deveriam ficar em “quarentena”, senão, “atrás das grades” como disse aquela senhorinha de Taubaté!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

O VALOR DO IMPEACHMENT

Qual o valor e o status de um impeachment do presidente da República, no Brasil? Bem, parece-nos que o valor é o de muitos bilhões do Orçamento federal destinados aos parlamentares que, republicanamente, visam a benefícios de suas bases eleitorais (ou seriam eleitoreiras?). Já o status do impeachment, parece, é o de ser a última das últimas possibilidades de manter a origem daqueles bilhões do dinheiro público sempre ao alcance das mãos dos que são os beneficiários oficiais e políticos da vez, dessa vez ocasional em que tantos se juntam para se dar bem neste país de contínuas misérias, de enganadoras ideologias e de infames morais, fantasiadas de pretensos ideais de grandeza.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A GRANDE FAKE NEWS

Eu e grande parte dos brasileiros não temos a menor dúvida da divulgação de fake news por parte do governo, leia-se gabinete paralelo. Porém a maior fake news dos últimos tempos e de uns 20 anos atrás e daqui para frente é a seguinte: Lula é honesto. 

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CPI X PREVENT SENIOR

Assistindo ao depoimento do diretor da Prevent Senior, e por ser um cliente dessa empresa e não ter nada a reclamar desde quando me associei a ela (4 anos), fico tentado a perguntar a quem interessa a campanha de linchamento da reputação dessa conceituada empresa? Fui segurado de outras empresas todas de primeira linha, e nunca, repito, nunca, tive um atendimento parecido com o que recebi até hoje dessa empresa. Será que existem outros interesses, inclusive de políticos ligados a outras operadoras de saúde, nessa campanha? Informo de antemão que, apesar de ter votado em Bolsonaro, atualmente sou frontalmente contrário às atitudes que este vem tomando, mas não posso concordar com a atitude, completamente parcial, que vem sendo tomada por muitos dos componentes dessa CPI em relação à Prevent Senior. Deixo aqui um repto: tenham a hombridade de fazer uma pesquisa com todos os segurados da Prevent Senior em relação ao grau de satisfação com que estes a avaliam.

Carlos Ayrton Biasetto carlos.biasetto@gmail.com

*

CPI DA COVID

Basta assistir a uma ou duas sessões da CPI para entender que a falta de idoneidade não está em um dos lados, e sim nos dois. Quem pode acreditar que esse inquérito presidido por velhas raposas venha resultar em efetivo benefício para a sociedade?! Trata-se de escancarada disputa de território eleitoral, onde quem se descontrola mais é premiado com a luz dos holofotes. Triste e desanimador assistir a tal desperdício de recursos em país tão necessitado de propostas factíveis, pautadas no interesse coletivo.

Patricia Porto da Silva portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

TRISTE REALIDADE

A justiça do Rio de janeiro acaba de determinar à Prefeitura que recarregue em prazo exíguo os cartões de alimentação das crianças da rede de municipal de educação, em vigor desde a eclosão da pandemia. Tal benefício fora suspenso após o fim do recesso escolar em julho, quando a merenda regulamentar passou a ser oferecida nos estabelecimentos e os alunos poderiam inclusive lá almoçar mesmo que estivessem submetidos ao ensino remoto. Tal decisão visava, é óbvio, a evitar uma duplicação de recursos. No entanto, os pais declararam abertamente que os recursos advindos do benefício eram muitas vezes dirigidos a despesas correntes como aluguel, por exemplo, e pleitearam pela manutenção do referido cartão, o que resultou na ordem judicial. O fato desnuda mais uma vez a triste realidade, provavelmente reproduzida Brasil afora, dando conta de que a principal motivação para muitas famílias da existência da escola é a garantia, além da subsistência diária das crianças, da viabilização de fonte de recursos adicionais necessários para enfrentar o dia a dia.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

ANITA NOVINSKY E OS CRISTÃOS-NOVOS

Cumprimentos ao sociólogo e editor Antonio Silvio Lefevre pelo artigo Anita Novinsky,a historiadora que revelou as origens judaicas do Brasil (21/9,A2),uma merecida e respeitosa homenagem à pesquisadora da USP há pouco falecida. O artigo traz a importante informação colhida nos inúmeros livros de Anita a respeito da formação da identidade nacional pelos sobrenomes da grande maioria dos descendentes de portugueses brasileiros, que desconheciam serem cristãos-novos, entre os quais a família Mesquita, do Estadão nosso de cada dia, o Padre Anchieta, a matriarca da família imperial e real Orleans e Bragança, os Monteiro Lobatos, entre tantos outros Arruda,Salles,Silva,Cardoso,Doria,Leão,Carvalho,Pinheiro,Dourado,todos sob novos sobrenomes geralmente alusivos a plantas, pedras e animais. A obra de Novinsky joga uma nova luz sobre a história do Brasil e dos judeus lusitanos covardemente perseguidos pela cruel e sanguinária Inquisição da Igreja Católica, em Portugal, a partir de 1497, que, diante da escolha entre a fé e o fogo do Tribunal do Santo Ofício, se viram obrigados à forçada conversão religiosa para sobreviver. Viva Anita Novinsky! 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

ERROS DE RECONHECIMENTO POR FOTO

O Supremo Tribunal Federal, que se dedica com muito empenho a soltar presos ricos e políticos poderosos e anular processos de corruptos, poderia olhar para as injustiças que ocorrem nas condenações de pobres e negros, principalmente, acusados por crimes que não cometeram, por erros no reconhecimento por fotos, praticado por delegacias de polícia de todo o Brasil.

Paulo Sergio Arisi Paulo.arisi@gmail.com

Porto alegre

*

IPO: SOFRE QUEM QUER

Nessa última quarta-feira, o Estadão destacou o baixo desempenho de ações recentemente lançadas na bolsa, o famoso IPO, no seu Caderno de Economia (B11). Ora, há décadas é sabido que o preço de ações lançadas em bolsa, na média, tem performance inferior àquela do mercado por pelo menos dois anos. Não é por outra razão que os bancos não privilegiam a venda de ações em IPO para as pessoas físicas, que tendem a ter pouca paciência e pouca visão de longo prazo nos seus investimentos em bolsa. Um IPO com a participação de poucas pessoas físicas é um sucesso. Poucos investidores venderão seus papéis, e o preço tende a ter uma performance mais adequada. Mas, quando as pessoas físicas dominam o IPO, o resultado é o que Estadão verificou. Como coloquei acima, toda essa mecânica é conhecida. Perde dinheiro em IPO quem quer.

Oscar Thompson oscarthompson@hotmail.com

Santana de Paranaíba

*

ABEL FERREIRA

O audacioso expansionismo marítimo promovido por Portugal, que levou ao desbravamento de novas terras além-mar, jamais teria acontecido se, séculos atrás, o retranqueiro Abel Ferreira, técnico português do Palmeiras, fosse o capitão-mor dos navegadores lusitanos, pois suas naus não se afastariam muito da praia.

O que se viu no empate do seu time contra o Galo mineiro foi um panegírico ao acovardamento, que transformou a plasticidade e a beleza futebolísticas em enfado e feiura.

Abel é um iconoclasta perigosamente à solta na vibrante galeria de arte do futebol.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*






 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.