Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 03h00

CPI da Covid

Escândalo

Com todo este escândalo em torno dos medicamentos ineficazes contra a covid-19, envolvendo a empresa Prevent Senior e a gestão do Ministério da Saúde do governo Bolsonaro, por que o Conselho Federal de Medicina (CFM) está omisso até agora?

LUIZ FRID FRIDLUIZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Tratamento precoce

Quem é o pai do tratamento precoce? Quem é o responsável por esta lambança? Qual o CRM do médico que soprou este tratamento comprovadamente ineficaz nos ouvidos do presidente da República? Jair Bolsonaro continua repetindo esta balela sobre tratamento precoce, até na Assembleia-Geral da ONU. Milhares de cidadãos brasileiros podem ter morrido por causa dessa crendice, e alguém terá de pagar por esses crimes continuados. Até quando?

MÁRIO BARILÁ FILHO MARIOBARILA@YAHOO.COM.BR

SÃO PAULO

*

Ciência

Estrago

O editorial O desmanche da ciência (21/9, A3) mostra um resumo do estrago feito nestes quase três anos em relação ao patrimônio científico e tecnológico brasileiro, construído ao longo de décadas. Continuemos em defesa da ciência, como disse o secretário-geral da ONU, ressaltando as vitórias com o desenvolvimento das vacinas contra a covid-19.

ADILSON ROBERTO GONÇALVES PRODOMOARG@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Remédios contra o câncer

Nos Ministérios do governo Bolsonaro, parece ocorrer uma metamorfose reversa: os ministros entram como borboletas e se transformam em lagartas, destruindo tudo o que encontram pela frente. O caso específico do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e a carência de recursos para a produção de radiofármacos ilustra bem essa destruição. O ministro e astronauta Marcos Pontes parece estar ainda orbitando a Terra ou, melhor dizendo, no mundo da Lua, com dificuldades para enxergar de perto os problemas da sua pasta. Aterrisse, ministro, ou mais de um milhão de brasileiros podem perder a vida nesta história.

PEDRO LUIZ BICUDO PLBICUDO@GMAIL.COM

PIRACICABA

*

República

Cada um no seu quadrado

Oportunas as observações do professor Ary Oswaldo Mattos Filho (‘País precisa rediscutir a divisão dos Poderes’, Estado, 22/9, B7), de que, em vez dos simples projetos que visam a reforçar o caixa da União – a alteração no Imposto de Renda, por exemplo –, o Brasil carece de uma verdadeira reforma tributária, definindo direitos e obrigações da União, de Estados e municípios. Nessa mesma linha, ouso dizer que a definição também é necessária para a fixação dos limites de atuação de Executivo, Legislativo e Judiciário, hoje comparada a um insano cabo de guerra. Mesmo com o intenso proselitismo democrático das últimas três décadas, desaguamos num regime imperfeito em que os Poderes se mostram autofágicos e cada dia são menos respeitados pela população, que não se sente neles representada. Décadas atrás, visando a combater a corrupção nos grotões do País, o governo central chamou para si o principal da arrecadação de impostos. Nem todo o discurso liberalizante pós-1985 foi suficiente para devolver uma boa fatia do bolo tributário a Estados e municípios. A União continua dona da parte do Leão, os Estados a chantageiam para se equilibrar e os municípios vivem de chapéu na mão. Oxalá, um dia, cheguemos ao nível de o governador e o prefeito poderem discutir com a população as alíquotas de impostos a arrecadar e a sua finalidade. Quando isso acontecer, teremos uma comunidade mais interessada nas coisas públicas e, gradativamente, baixarão as abstenções e os votos nulos e brancos que têm crescido de forma preocupante nas recentes eleições.

DIRCEU CARDOSO GONÇALVES ASPOMILPM@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Reforma eleitoral

Capenga e incompleta

Mais uma vez os senhores congressistas aprovam uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de reforma eleitoral capenga e incompleta, deixando de incluir, por exemplo, a impossibilidade de quem já foi reeleito presidente da República se candidatar novamente. É um disparate!

ANDRÉ TELLES ANDREFTELLES@YAHOO.COM.BR

RIO CLARO

*

Pelé

Número de gols

Como muitos brasileiros, desejo uma ótima recuperação ao rei Pelé, mas alerto que ele já está sendo esquecido em vida pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). Causou-me indignação a decisão controversa da federação ao deletar 520 gols de Pelé dos registros oficiais, o que corresponde a 40% do total de gols do ex-camisa 10. Muitos deles foram anotados em excursões do Santos pelo mundo, o que era tradicional naquela época e importante fonte de renda para os clubes brasileiros. Dentro deste conjunto de gols deletados pela Fifa estão 18 que Pelé fez em amistosos da seleção brasileira, todos – diga-se de passagem – reconhecidos pela CBF, mas que são ignorados pela Fifa. Pelé fez, portanto, um total de 95 gols pela seleção brasileira, e não 77, como está sendo divulgado pela Fifa. Vale lembrar que Pelé ganhou uma Copa do Mundo aos 17 anos, foi tricampeão mundial pelo Brasil, fez 1.283 gols, ganhou 7 bolas de ouro, venceu dois mundiais de clubes e ainda ganhou uma final de Libertadores contra o Boca Juniors em La Bombonera numa época em que o torneio era marcado pela violência e pelo antijogo. Acredito que a Fifa tenha plena condição de prestigiar a geração de Cristiano Ronaldo e Messi sem desrespeitar a história do nosso maior camisa 10. Ao apagar 520 gols de Pelé, a Fifa está passando uma borracha na linda história de conquistas do futebol pentacampeão.

BRUNO SANTA M. DELVAUX DE MATOS BRUNO.MATOS2010@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MITO E MITÔMANO

Diante do absurdo discurso de inverdades para bolsonarista ver que o presidente do Brasil fez na ONU, cabe dizer que mito diz verdades; quem mente é mitômano. Vergonha!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PINGUINS

A um país que já teve um “Águia de Haia”, que voou alto, como exemplo maior de servidor público, representante e orgulho de seu povo, só resta se lamentar profundamente com os atuais “Pinguins de Brasília”, aves que não conseguem sair do chão e apenas nos causam vergonha.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

ESCOLHAS

Se as pesquisas são confiáveis, fica claro que quase metade dos brasileiros, escolhendo o Lula, não se incomoda de sustentar um governo corrupto. Triste sina a nossa...

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

REVOLTA

Até quando vamos ter de aguentar este acéfalo (presidente) e seus perseguidores que novamente desrespeitam o Brasil, a medicina e seus trabalhadores íntegros?

Gastam nosso dinheiro e ainda aumentam IOF por não ter como pagar auxílio aos menos favorecidos

Até quando!

Vera Lígia Giovanetti DArienzo vera.ligia@me.com

*

COMO BOLSONARO ENTENDE PRIVATIZAÇÃO.

Jair Messias Bolsonaro entende que privatização é trazer a coisa pública para o seu âmbito, de seus familiares e de adeptos. Fez assim com o Orçamento da República, com a colocação de militares em seu governo, com vantagens a policiais militares e, ainda, seguiu, à risca, a máxima de aos amigos tudo e aos opositores as suas quatro linhas da Carta Magna. Passando-se um pente-fino sobre as propostas e promessas de sua campanha eleitoral, vê-se que o único tema realmente cumprido para seus eleitores foi a vasta amplitude para o uso de armas de fogo no País. As demais promessas estão ainda pairando no ar, tais como: combate à corrupção, fuga da política do toma lá dá cá e ataques ao Centrão e às suas formas de atuar. Bolsonaro, em suma, representando mal o País, trouxe-nos a humilhação e o ridículo perante as grandes nações do planeta. Só os seus adeptos é que podem achar o seu desgoverno satisfatório.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

A REALIDADE SE IMPÕE

A realidade dos fatos segue desabando na cabeça dos negacionistas: a criminosa manipulação dos atestados de óbito não vai ocultar o fato das pessoas que fizeram o tal tratamento precoce contra a covid-19 terem morrido de covid-19, pois o tal tratamento precoce simplesmente não funciona. A realidade dos fatos vai desabar na cabeça do governo Bolsonaro novamente quando o País estiver sem água, seco, sem energia hidrelétrica, paralisado. O consumo de água do agronegócio é insustentável, não existe água suficiente para irrigar tanta lavoura, não adianta continuar mentindo, a verdade irá se impor. O Brasil precisa de um novo governo que acredite na ciência, saiba ler, escrever e fazer contas, o agronegócio tem que limitar o consumo de água, o País precisa acordar para o fato que está cometendo suicídio ambiental com tantas queimadas e desmatamentos, esse caminho vai arruinar o Brasil. O País precisa mudar rapidamente de direção.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

OS DITADORES DO CONGRESSO NACIONAL

Desde a aposentadoria do ministro Marco Aurélio, em 12 de julho, o Supremo Tribunal Federal (STF) vem funcionando com dez membros. E ainda não há expectativa de posse do novo titular porque o senador Davi Alcolumbre, presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), protela a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o posto. O retardo, além de causar desconforto ao candidato e ao governo, traz dificuldades ao funcionamento da Suprema Corte, cuja composição é ímpar por razões técnicas e ao funcionar com número par de ministros tem problemas na formação das votações e desempate. Além do questionamento direto na própria CCJ, há uma ação no próprio STF, em que os senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru pedem que a Corte determine a realização da sabatina. Está nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski. Estarrece o fato de um único e inexpressivo homem estar atrapalhando a vida dos Poderes da República ao descumprir sua obrigação. Poderá, por isso, ainda ser processado por prevaricação. Cabe aos presidentes do Congresso e de suas comissões, despachar o expediente, mas nunca engavetar matérias ali protocoladas. Além do atual problema na CCJ, há a questão dos pedidos de impeachment presidencial e de ministros do STF, que os presidentes da Câmara e Senado engavetam em vez de pautar para o plenário, que é soberano, decidir. Se, desde os tempos de Fernando Collor, quando começaram a pipocar pedidos de impeachment presidencial, o presidente da Câmara os tivesse colocado sob apreciação do plenário e não dentro de sua gaveta, o Legislativo teria mais bem cumprido o seu papel, sido mais respeitado e o recurso de afastamento não seria o instrumento de mero desgaste do adversário em que se transformou. A Lei nº 1.079, de 1950, conhecida como Lei do Impeachment, fixa prazos e ritos, mas tem sido desrespeitada pelos ditadores do Congresso. E o pior é que os demais parlamentares – diretos prejudicados – não reagem.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

A ORIGEM

Os problemas na área da saúde começam no Palácio do Planalto, em Brasília. As determinações do presidente não levam em consideração as normas indicadas por organismos internacionais em relação aos procedimentos para combater a pandemia. Uma situação inaceitável.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

PALAVRAS AO VENTO

A CPI da Covid transformou-se num verdadeiro tribunal da inquisição. Testemunhas e investigados, em geral, têm seus depoimentos fustigados pela tropa de choque comandada pelo trio Aziz, Randolfe e Renan, os quais se esquecem da presunção de inocência e que ninguém por livre e sã consciência vai produzir provas contra si mesmo. É mais uma CPI que não vai resultar em nada.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

ALOPRADO

O aloprado ministro da saúde, Marcelo Queiroga, foi à Assembleia da ONU, mesmo não tendo nada para fazer lá. Convocado pela terceira vez como investigado na CPI da Covid, dizem as más línguas que pediu para a Prevent Senior testá-lo, e obteve o resultado positivo para covid. Na verdade, Queiroga criou esse “golpe de mestre”, permanecendo de quarenta em Nova York, à custa dos brasileiros. Assim, diverte-se e não comparece à CPI. Eita jogada de mestre do aloprado!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

AUXÍLIO BRASIL

Auxílio Brasil será a nova denominação do Bolsa Família. O nome não importa. O que importa é que, para seu recebimento durante um ano, o beneficiado obrigatoriamente seja inscrito num curso profissionalizante adequado a cada região e aptidão dos alunos para que, após o período do Auxílio Brasil, esteja apto a sobreviver com dignidade, com o ganho do seu próprio trabalho. É uma forma inteligente de ajuda, boa para os dois lados: governo com redução de gastos com o Auxílio Brasil e o beneficiado por sobreviver do seu trabalho com orgulho e honestidade.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

JOSÉ SERRA

Brilhante o artigo assinado pelo senador Serra (Governar é preciso, A2, 23/9).

Salta aos olhos de qualquer observador, por mais desatento que seja, a total anomia por que passamos pela irresponsabilidade do governo de plantão.

As críticas, todas elas muito justas, deixaram de fora porém uma análise sobre a total inoperância e desarticulação dos forças de oposição do nosso país.

Criticar um governo com tamanha dose de incompetência parece ser bem mais fácil do que a elaboração de uma autocrítica profunda sobre a incompetência de nossas oposições.

Gostaria muito de ler opinião do nosso senador sobre este assunto.

Alexandre Martini Neto amartini906@gmail.com

Rio Claro

*

MAIOR DESMATE NA MATA ATLÂNTICA?

 O espectador que viu o último noticiário da noite de quarta-feira ficou pasmo com o teor da matéria que em princípio até pareceu uma falsa informação ou fake como virou moda. A matéria revelava comunicação oficial do Ministério da Economia para o Ministério do Meio Ambiente, com propostas de mudanças em regras de licenciamento para aumentar a área de desmatamento da Mata Atlântica, com a justificativa de melhorar a produtividade e competitividade do Brasil ! Não bastasse o que já foi desmatado e a importância da preservação do que resta para benefício do meio ambiente, o ministério de Paulo Guedes, sem saber o que fazer para melhorar a situação econômica do País, simplesmente sugere, quando da demora nas análises do Ibama para uma licença ambiental para desmate, que isso possa ser feito sem consentimento obrigatório do órgão. Não houvesse a TV mostrado documento oficial do Ministério cobrando mais agilidade nas propostas referidas, seria impossível acreditar em tamanho abuso por parte de órgão oficial governamental, subordinado a um presidente que discursou dia 21 na ONU e cheio de pompa declarou que o Brasil cuida muito bem do meio ambiente.

 Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

CARBONO SAFADO

Aprendemos nas nossas aulas de química que o sonho de toda molécula de carbono é virar gás carbônico. Para atender a esse sonho, a mãe natureza oferece caminhos distintos para o carbono, inclusive através do gás metano. Ocorre que o gás carbônico e o gás metano são gases de efeito estufa, sendo o último o mais danoso. O que não se fala nos círculos ambientalistas raiz é que a madeira libera uma enorme quantidade de gás metano no seu processo de decomposição. A conclusão científica é que entre queimar madeira e deixá-la simplesmente apodrecer, é melhor a queima, principalmente se essa queima gerar valor econômico. Assim, confesso um certo espanto com a reportagem crítica que o Estadão trouxe nessa última quinta-feira nos informando que madeira oriunda da formação de usinas hidrelétricas na Amazônia está sendo direcionada para a sua queima. Claro que o ideal seria utilizar essa madeira nas indústrias moveleiras e de construção civil. Mas a própria reportagem aponta que não há viabilidade econômica nisso. Assim, na impossibilidade de usos nobres, que seja usada para a geração de energia! Ciência, senhores, por favor. 

Oscar Thompson oscarthompso@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

O MUNICÍPIO DE SÃO PAULO HOJE

Eu, como cidadão comum, entendo que o atual prefeito Ricardo Nunes pegou a cidade de São Paulo na bacia das almas.

Uma cidade onde você vai do luxo ao lixo em cinco minutos.

Quando você anda pelo centro novo ou velho a sensação é de um grande albergue a céu aberto, cheiro nauseante.

Uma cidade que consegue mudar mecanicamente o curso de um rio, o Pinheiros, para evitar tragédias como a do Ceagesp, mas que sofre com uma crise hídrica em pleno século 21, sabendo que o Brasil é detentor de 12% da água doce do mundo.

Mas a vida segue vou ficando por aqui e rogo a Deus sucesso ao prefeito.

João Camargo inteligencianomundo@hotmail.com

São Paulo

*

QUEM ESTÁ QUEBRANDO O BRASIL

Assim como juízes, promotores do Ministério Público do Rio querem adicional em salários... E o problema das contas públicas são os servidores do Poder Executivo que são exatamente aqueles de que a população mais precisa. O que representa o salário do médico, da professora, do atendente, da engenheira, comparado ao de um juiz? De um promotor? De um deputado? De um senador? E quando estão de má-fé com os servidores públicos, utilizam uma exceção para criar uma ilusão à população de que é a regra.

Franz Josef Hildinger frzjsf@yahoo.com.br

Praia Grande

*

CRÍTICAS À CRIAÇÃO DE NOVO TRIBUNAL

O Senado Federal aprovou mais um Tribunal no Brasil, 6ª Região/ MG. Para que tantos Tribunais se demoram tanto para dar soluções aos problemas jurídicos? Deveriam é extinguir esses tribunais que nada produzem para o País.

Trata-se de mais um trem da alegria dos “penduricalhos” oficiais da União.

Como sempre, os custos serão encaminhados à viúva, no caso o Brasil. Sr. Jair, faça alguma coisa para o Brasil: vete esse projeto.

Jonas de Matos jonas@jonasdematos.com.br

São Paulo

*

14.º EMERGENCIAL

Os aposentados do Brasil aguardam, ansiosamente, a sinalização do governo para a aprovação do 14º salário emergencial, que vai socorrer milhões de pessoas que sofreram durante a pandemia, auxiliando familiares desempregados e o substancial aumento do custo de vida. Apelo ao senhor presidente Bolsonaro para que veja com carinho esta questão, senão teremos seriíssimas dificuldades em arcar com o mínimo necessário para a sobrevivência destes cidadãos, cujos benefícios são insuficientes para custear suas despesas básicas.

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

*

COPA DO MUNDO DA CONFEITARIA PERDIDA

Em Lyon, na França, há a Copa do Mundo da Confeitaria, cujos participantes passam por 50 seleções nacionais e 5 continentais para se classificar entre os 20 finalistas. Uma equipe de brasileiros superou tudo isso, comprovou as duas doses de vacinação, mas surgiu algum problema burocrático e foram impedidos de entrar na França. Pergunto se devemos agradecer ao nosso presidente pela “ajuda” que deu a todos os brasileiros depois do vexame na ONU?

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

MORADORES DE RUA

Como não consegue resolver o antigo problema social do morador de rua que não quer sair da rua, o Estado, como saída, escudando-se na Constituição, estendeu absurdamente seu direito de ir e vir livremente nas vias públicas, permitindo assim que possa ocupar as calçadas e permanecer nelas por tempo indeterminado, como se estivesse morando em casa. Quem sofre as consequências é o cidadão que paga seus impostos, obrigado a conviver, diuturnamente, com a vagabundagem viciada e suportar seu mau comportamento (tráfico e consumo de droga, sujeira, furto, briga, algazarra, assédio, etc.). Pela minha experiência, PM e Guarda Municipal não resolvem nada. Recentemente, na rua onde moro, no Rio de Janeiro, um desses meliantes foi autor de um incêndio de grandes proporções, destruindo a frente de duas lojas comerciais. Liberdade assim põe em risco a sociedade inteira.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.