Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2021 | 03h00

Protesto em SP

MTST, B3 e a demagogia

A invasão da sede da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), na tarde de quinta-feira, teve um valor simbólico: o da demagogia e da ignorância. Em nota, uma das lideranças do movimento declarou: “É inadmissível que quase 100 milhões de brasileiros estejam em situação de fome e insegurança alimentar, enquanto os bilionários movimentam R$ 35 bilhões por dia só aqui, na Bolsa”. Para começar, os ativistas ignoram que o fundamento precípuo da existência da Bolsa é propiciar que empresas captem recursos por meio da abertura de capital para, entre outras coisas, expandir os negócios, gerar empregos e, consequentemente, diminuir a desigualdade social e a fome. Ignoram, também, que não é a Bolsa que causa fome, mas sim os desastres políticos dos sucessivos governos que espantam investidores, deixando o País no atoleiro junto com milhões de desempregados e desalentados. Como se não bastasse, a invasão ainda é péssima propaganda para o ex-presidente Lula – líder das pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais do ano que vem. Se a esquerda almeja realmente retornar ao poder, precisa começar a abandonar o discurso obsoleto, demagógico e enfadonho.

LUCIANO HARARY LHARARY@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Justiça

TRF-6

No país dos bacharéis e da Constituição de 1988, que garante fartura de emprego aos formados em escolas de Direito, o Senado aprovou a criação de mais um tribunal para atender o Estado de Minas Gerais, com 18 desembargadores e mais um nababesco palácio, como noticiou a edição de 23/9 do Estado (A4). A Justiça mais cara e ineficiente do planeta vai ficar ainda mais cara para o pobre contribuinte brasileiro. Que vergonha, senadores!

JOSÉ ELIAS LAIER JOSEELIASLAIER@GMAIL.COM

SÃO CARLOS

*

Ambiente

As árvores do Xingu

Abrindo o Estado de quinta-feira (23/9), vi na primeira página a foto da madeira empilhada e a chamada: Madeira nobre pode virar carvão. E, na página A16, a matéria Dona de Belo Monte quer usar árvores nobres do Xingu para produzir carvão. Ora, é triste, fico indignado. O Brasil, que tem tanta experiência na construção de usinas hidrelétricas pelo País afora, não aprendeu a planejar e construir usinas hidrelétricas? E o mundo com “fome” de madeira. Lembro-me da construção das Usinas de Jupiá e Ilha Solteira pela Companhia Energética de São Paulo (Cesp), no Rio Paraná, na década de 60/70, pois trabalhei de junho de 1967 a junho de 1970 como assistente social. Naquela época, a Cesp pôs à disposição equipes para resgatar animais por ocasião do enchimento do lago (na região não havia florestas). Pois bem, de março de 1973 a outubro de 1978, eu estava no município de Marabá (PA), inicialmente como diretor do câmpus avançado da Universidade de São Paulo (convênio com o Projeto Rondon) e, posteriormente, como coordenador da implantação da Nova Marabá, quando estava em construção a Usina Hidrelétrica de Tucuruí (toda a região era coberta de floresta, cortada pela Transamazônica). Discutia-se muito o que fazer da madeira. Noticiou-se que a Capemi negociara sua exportação para a França. Entretanto, nada foi feito – creio que a Capemi não tinha nenhuma experiência para essa tarefa. Conclusão: o lago de Tucuruí foi enchido e submergiu toda a floresta. Hoje, parece que escafandristas submergem nas águas para extrair a madeira. E a vegetação, em decomposição, exala um gás malcheiroso, como ocorre com outra hidrelétrica no Amazonas. Enquanto isso, o Brasil necessita de dinheiro e grileiros fazem a extração ilegal da madeira para vendê-la clandestinamente. E a hidrelétrica submergindo valiosa madeira ou transformando-a em carvão. O que está acontecendo neste Brasil?

REIMEI YOSHIOKA REIMEI.Y@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Governo Bolsonaro

‘E daí?’

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, foi contaminado com a covid-19 em Nova York. E daí?

VICKY VOGEL VOGELVICK7@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Brasil real

Jair Bolsonaro não conseguiu fazer seus fanáticos morrerem por ele na baderna golpista de 7 de setembro; a parte corrupta das polícias militares, por medo da perda do emprego, não se rebelou; e, por fim, o presidente frustrou os obtusos e os reacionários, que já o perdoaram, depois do seu passeio vexatório a Nova York, que custou milhões de reais, pagos por nós. Enquanto isso, no Brasil real, fora do cercadinho do Alvorada e das redes sociais, seguem se agravando a inflação, a fome e a situação de milhões de brasileiros sem emprego e já nos aproximamos de 600 mil mortos pela covid-19.

JOÃO BOSCO EGAS CARLUCHO BOSCOCARLUCHO@GMAIL.COM

GARIBALDI (RS)

*

O canto do carcará

Nestes tempos bicudos e trevosos que o País vive, sob o desgoverno Bolsonaro, merece cumprimentos o artigo Patativa, tico-tico ou carcará?, do advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira (24/9, A2), que compara de forma criativa aves da fauna brasileira a alguns de nossos presidentes. Com efeito, não poderia ter sido mais oportuno e feliz ao concluir dizendo que o canto natural do presidente Bolsonaro não é o da pomba da paz, mas o do carcará da destruição, com seu canto sinistro, sombrio e de péssimo agouro. É como cantava Maria Bethânia em 1965: “Carcará, pega, mata e come”. Pobre Brasil.

J. S. DECOL  DECOLJS@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

‘Patativa, tico-tico ou carcará?’

Cumprimento o brilhante advogado Antonio Cláudio Mariz de Oliveira pelo esplêndido – e triste – artigo publicado ontem no Estado.

EDUARDO SPINOLA E CASTRO SPINOLA.ADV@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

NEM PARA ISSO SERVE

Infelizmente, Jair Bolsonaro – o atleta – está muito atrás do condenado Lula da Silva nas pesquisas eleitorais. Falou e falou, prometeu e prometeu, mas não conseguiu acabar com a “tigrada” petista, tudo por sua única culpa e do seu irresponsável desgoverno. Medíocre, arrogante, mal informado e mentiroso – agora conhecido como seis dedos – não conseguiu cumprir com sua promessa. Afinal, quieto e calado o demiurgo de Garanhuns aguarda o “mito” se derreter. Bolsonaro, o fiasco brasileiro, nem para isso serve!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

PREVENT SENIOR

Conforme noticiado, a Prevent Senior, uma das maiores operadoras de planos de saúde do País, com faturamento líquido de nada menos que R$ 4,3 bilhões (!) em 2020, está envolvida no assombroso caso de falsificação de atestados de óbitos de alguns pacientes internados em sua rede hospitalar, por ter omitido o código internacional CID B34.2,que identifica morte por covid-19, entre os quais o da mãe do bolsonarista Luciano Hang, Regina, e do médico Anthony Wong, defensor do tratamento precoce. Diante do assombroso, condenável e inadmissível crime de lesa-medicina, cabe a célebre pergunta: alguém compraria um carro usado da Prevent Senior? Francamente!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NOVA IMAGEM

Brasil bagaceiro e miliciano é como ficamos registrados na memória mundial, nestes dois anos e nove meses do Brasil do Bolsonaristão. De país em desenvolvimento regressamos à condição de republiqueta de Terceiro Mundo, atrasada e em marcha à ré, rumo à desconstrução de sua estrutura democrática.

Da “Ordem e Progresso” positivista, para a “Desordem e Atraso”

negacionista. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

EUA E BOLSONARO

Os Estados Unidos não permitem a entrada no país de pessoas que não foram vacinadas e após cumprir quarentena. O presidente Bolsonaro, que não foi vacinado nem cumpriu quarentena, foi até lá sem restrições! A lei não é para todos? E por que o presidente da nação ainda não foi vacinado? E nesta loucura da pandemia, na comitiva presidencial até a ONU, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que já foi vacinado, foi testado positivo para Covid 19. Vai entender. Enfim, pelo jeito, até o coronavírus quer distância do Bolsonaro.

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Nova Odessa

*

PRESIDENTE ISOLADO

O ideal seria que ficasse isolado até o fim de 2022, seria muito bom para todo o Brasil.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

OBJETIVO DA CPI

A CPI da Covid pode ser encerrada. A sua continuação é um blá-blá-blá desnecessário. Já cumpriu o seu objetivo: desestabilizar e denegrir o presidente para que não se reeleja. Desde o início o relatório estava pronto: o presidente é culpado por todas as vítimas, fatais ou não. Não há interesse em apurar a verdade, onde tudo aconteceu, apurar as prováveis irregularidades com os vultosos recursos disponibilizados para o combate ao coronavírus aos governadores e prefeitos. Soltinho da silva, Lula, o cidadão mais honesto do Brasil, quiçá do mundo, está feliz da vida, agradecido pelo belo trabalho da CPI da Covid.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

MAMÃE ENSINOU

Assistindo ao quiproquó na CPI me lembrei de um ensinamento da minha mãe: “Os iguais se reconhecem”. Isso serve para senadores pró e contra e principalmente para os seguidores desse ser inominável que é o presidente da república

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

CORTESIA ZERO

O senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid-19, coleciona processos no STF. Ele foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro, recebimento de propina, alteração de medida provisória, organização criminosa, entre outros. O senador Jorginho, que também tem foro privilegiado, acumula vários processos judiciais. Quinta-feira passada Renan e Jorginho Mello trocaram insultos numa sessão da CPI. O Congresso Nacional é semelhante a um palco de circo, repleto de palhaçadas. Seria cômico, se não fosse uma verdadeira tragédia. Os responsáveis pela elaboração das leis e pela fiscalização dos atos do Poder Executivo deveriam ser, no mínimo, honestos. Na realidade, tiram proveito dos privilégios de ser parlamentares para agregarem o maior número de recursos possíveis, em suas contas particulares. Cortesia e ética caminham juntas somente em situações favoráveis aos congressistas, raramente em assuntos de interesse do povo brasileiro.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

VOSSAS EXCELÊNCIAS

Num boteco de quinta categoria, numa mesa de bilhar com feltro esgarçado, os jogadores, já bêbados, inconformados com o resultado, se elogiam: “Ladrão, picareta, vagabundo” .

Só que esses não se tratam por Vossa Excelência. 

Guto Pacheco jam.pacheco@uol.com.br

São Paulo

*

OS IGUAIS

A troca de insultos protagonizada entre os senadores Renan Calheiros e Jorginho Mello é mais um capítulo da série: “As excelências se conhecem”

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

FATO INÉDITO

Pela primeira vez, graças ao bate-boca entre os senadores Renan Calheiros e Jorginho Mello na CPI da Covid, acusando-se mutuamente de vagabundo, ladrão e picareta, posso dizer que concordo plenamente com ambos.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*

TERCEIRA VIA

Dória e Eduardo Leite são ótimos candidatos, mas a rejeição no Nordeste impede que tenham chance de vitória. Tasso dividiria com Lula os votos na região e teria, no resto do País, a mesma aceitação que os dois políticos adrede citados. Jereissati tem um passado inatacável e comprovada competência.

Eduardo Alberto Sickert Peixoto de Melo vovonumero1@hotmail.com

Marília

*

SIMONE TEBET E EDUARDO LEITE

Terceira Via = Simone Tebet (presidente/MDB) + Eduardo Leite (vice-presidente/PSDB). Sensíveis, sensatos, cultos, predispostos a construírem um Brasil para todos os Brasileiros! Que venham Tebet e Leite, para o bem do Brasil!!!

Armando Bergo Neto bergoneto@gmail.com

*

DINHEIRO DO POVO

Como é fácil para esses políticos, pseudoadministradores, cobrirem os seus rombos. Por que o prefeito paulistano não corta as benesses e os penduricalhos no orçamento? Até quando o bolso do povo aguentará esses gastos totalmente inúteis e desnecessários? Cheeeega!!!!!


Milton Bulach mbulach@gmail.com

Campinas

*

VACINA, VACINA, VACINA

A volta do aumento de mortes por Covid-19 nos EUA, em razão da resistência à vacinação em grupos da sociedade americana, é emblemática. Aqui entre nós precisamos combater os negacionistas que negam a eficácia das vacinas, para que nós também não tenhamos este mesmo problema que estão novamente enfrentando os ianques. Vacinarmos cada vez mais e o mais rapidamente possível é o melhor caminho para não agravarmos as nossas já imensas dificuldades em outros setores de atividades, que tanto estão nos afetando.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

 ASSESSORES E ACESSÓRIOS

Os políticos brasileiros, especialmente os que pululam no Parlamento e nas Assembleias estaduais, contam com a ajuda dos chamados assessores, selecionados para satisfazer clientelismos, normalmente contratados sem o devido concurso para habitar os gabinetes. Na sua maioria, são apaniguados cujo procedimento de rachar com os poderosos chefões as respectivas remunerações era, até pouco tempo atrás, mais ou menos generalizado, mas hoje é alvo de questionamentos críticos por parte da sociedade, embora ainda vigore alhures com plenitude. Constituem partículas do saturado e viciado ambiente de poder orbitando em torno dos titulares. Estes, por sua vez, com polpudos salários, acrescidos de generosos penduricalhos e privilégios específicos, como planos de saúde dignos de aristocracia, constituem a classe mais bem paga do País. Operam nessa nossa frágil democracia, usada como argumento alegórico para passarem a falsa impressão de que priorizam o interesse público, mas, na verdade, visam somente a manter em funcionamento uma máquina azeitada para perpetuá-los nas cadeiras e nutrir um corporativismo indecente. Por outro lado, acessórios são os eleitores que periodicamente são tocados às urnas na ilusão de que novos e mais higiênicos paradigmas irão surgir.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CELSO MING

Parabéns ao sr. Celso Ming pelas reflexões de ontem sobre clima/economia.

Acompanho suas crônicas há mais de meio século. Continuas excelente e singular comunicador. Consegues de forma profunda transformar o “complexo” em “simples”, e acessível à compreensão de todos nós, o povo.

Muito obrigado.

Cesar Eduardo Jacob cesared30@gmail.com

*

O FUTURO DO BRASIL

O agronegócio precisa fechar a torneira, mais de 80% da água consumida no País vai para a agricultura e a pecuária. De nada adianta mandar a população tomar banho rápido se o agronegócio continuar irrigando milhões de hectares de lavoura. O Brasil precisa reformular completamente seu agronegócio, chega de desmatamentos e queimadas, o País precisa adotar técnicas mais modernas, usar muito menos água e agrotóxicos, abandonar o plantio de monoculturas pouco lucrativas como a soja, confinar o gado, parar de desmatar a Amazônia e o Pantanal para fazer pasto. O que o governo Bolsonaro está fazendo é ignorância em estado bruto. O Brasil pode ser uma grande potência com um agronegócio moderno e produtivo, natureza preservada, pode ser uma potência no turismo de natureza, com atrativos como o Pantanal, a Amazônia, o Cerrado e um litoral magnífico, com infraestrutura adequada para receber milhões de turistas do mundo todo por ano. O próximo governo terá um longo caminho para recuperar o Brasil da desastrosa gestão de Jair Bolsonaro e leva-lo finalmente para o caminho do desenvolvimento sustentável.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

OBESIDADE 14 X PERDA DE PESSO 3

Segundo cientistas da Universidade de Virgínia na PLOS Genetics: 14 genes causam a obesidade e 3 a previnem. Entender quais são e posteriormente como funcionam são os passos principais para que surjam tratamentos adequados. Metade dos adultos americanos sofre com o problema. E mais de um terço em quase todo o mundo. Israel está até criando um plano nacional para prevenir e combater a obesidade. E minha esposa adotou um plano familiar draconiano neste sentido. Por enquanto, continuamos perdendo a batalha. Mas, pelo menos, agora já sabemos o placar: 14 a 3.

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

EMPRÉSTIMO DO INSS

Estão ligando nas casas dos aposentados, em nome do banco PAN, no meu caso, dizendo que fizeram empréstimo (média de 1 ano) depositando em conta valor não solicitado. Esta semana ligaram no meu celular dizendo que realizaram o depósito na minha conta, informando o valor, quantidade e valor de parcelas. Respondi que não havia solicitado o empréstimo e vocês nem imaginam a dificuldade para formalizar o cancelamento. Aliás, recebi umas oito ligações fazendo a mesma proposta. Hoje ligamos para saber como conseguiram meus dados, responderam que foram obtidos no INSS. 

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@globo.com 

São Paulo

*





 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.