Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2021 | 03h00

Economia

Carestia, calote...

No momento em que o Brasil atravessa uma de suas piores crises econômicas, o presidente da República e seu ministro da Economia desafiam nossa compreensão dos fatos ao não reconhecerem um milímetro de sua responsabilidade pela catástrofe gestada durante a campanha eleitoral e executada desde 1º/1/2019. Os estoques reguladores de grãos, por exemplo, foram exterminados numa canetada de Paulo Guedes logo de início, em nome de seu sacrossanto liberalismo, o que certamente contribuiu para a carestia, que dói no bolso de todos, mas muito mais no dos pobres. Guedes nunca falou coisa com coisa, mas o tal mercado e grande parte da imprensa compraram de barato a genialidade do “posto Ipiranga”, que a cada dia se revela uma retumbante fraude. Até os alicerces do Plano Real está fazendo ruir! Não abriu um mercado sequer em três anos, mas criou caso com dois dos nossos maiores parceiros, China e Argentina. Tal como Dilma Rousseff e sua “nova matriz econômica”, Guedes pretende reinventar a roda, mas o máximo que consegue é criar uma nota de R$ 200 (inflacionária) e dar calote em precatórios (Dilma caiu por menos), em nome do populismo mais indecoroso. Afinal, estoura o cofre pelo voto dos pobres e miseráveis.

SANDRO FERREIRA SANDROFERREIRA94@HOTMAIL.COM

PONTA GROSSA (PR)

*

O dragão da inflação

No desgoverno atual, gasolina, gás, luz, carne e comida em geral viraram artigos de luxo. Só a classe A pode pagar.

ELISABETH MIGLIAVACCA

BARUERI

*

Santo guerreiro

O ministro Paulo Guedes prometeu “atacar tecnicamente” a inflação, promovendo um choque de oferta e de produtividade, podendo reduzir na marra e de forma linear até 20% das tarifas de importação. Não dá para acreditar, já que, passados mil dias à frente da pasta da Economia, esperou a inflação chegar aonde chegou sem ter tomado nenhuma medida efetiva contra ela. É ver para crer.

JORGE DE JESUS LONGATO FINANCEIRO@CESTADECOMPRAS.COM.BR

MOGI-MIRIM

*

Escola da Barra

Paulo Guedes rendeu-se à escola de economia da Barra da Tijuca. Diz agora que nos próximos dez anos vai realizar o que prometeu e não cumpriu nos últimos mil dias no governo, como privatizar o Banco do Brasil e a Petrobras e realizar as reformas que nos colocarão na OCDE, com louvor. Liberal ma non troppo, preocupa-se em louvar seu guru do Vivendas da Barra e fazer análises conjunturais e econômicas que fariam Milton Friedman questionar o programa da Escola de Chicago.

JOSÉ TADEU GOBBI TADGOBBI@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Voando baixo

O ministro Paulo Guedes afirmou que a economia no Brasil está “voando”. Como perguntar não é ofensa, questiono: voando para onde? Com 60 milhões de inadimplentes, 14 milhões de desempregados e inúmeros brasileiros passando fome, fica difícil adivinhar para que rumo a nossa economia voa.

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI MMPASSONI@GMAIL.COM

JANDAIA DO SUL (PR)

*

Congresso Nacional

Vergonha na cara

Conta-se que pelas ruas da antiga Atenas um senhor idoso, de cabelo e barba brancos caindo-lhe pelos ombros e pelo peito, com uma lanterna na mão, andava à procura de um homem honesto. Gastaram-se suas sandálias na procura e ele não achou ninguém. Deixemos Atenas e voemos para Brasília, onde o povo, à maneira do velho filósofo grego Diógenes, com mil lanternas nas mãos, anda à cata de um político com vergonha na cara. Isso porque, há tempos, mil vezes mais severa do que a seca hídrica é a falta de vergonha na cara entre as nossas autoridades. A vergonha na cara, matéria-prima da felicidade de uma nação, combustível para o progresso de um povo, anda em falta, na raspa do tacho. Vergonha na cara é a expressão popular cunhada para a ética no relacionamento social. As provas dessa carência se despejam a granel. A mais recente está no fato de o Senado ter aprovado, por 47 votos a 24, projeto que afrouxa a Lei da Improbidade Administrativa. Isso significa relaxar a punição, facilitar que entre pelos desvãos afrouxados da lei toda sorte de gatunagem, no assalto sistemático ao erário. Ou, por acaso, isso não é uma claríssima falta de vergonha na cara?

ANTONIO B. CAMARGO BONIVAL@CAMARGOECAMARGO.ADV.BR

SÃO PAULO

*

Deitar e rolar

Que maravilha, o Senado aprovando lei que dificulta a punição de políticos que lesem a administração pública! Políticos, atenção: deitem e rolem, porque nada lhes vai acontecer. Somente no Brasil se vê tamanha sem-vergonhice...

ARIOVALDO J. GERAISSATE ARI.BEBIDAS@TERRA.COM.BR

SÃO PAULO

*

Os intocáveis

Afrouxar a Lei de Improbidade, além de aprovar mais leis em seu próprio favor, já é uma dinâmica do Congresso Nacional que mostra o atraso do Brasil. Isso não muda, mesmo diante da catástrofe que o País vive. O presidente Bolsonaro foi eleito com a promessa de acabar com o “toma lá dá cá” na política. Não cumpriu a palavra e fez pior, colocou na presidência da Câmara um deputado com larga experiência em se dar bem à custa do erário, apoiado pela desfaçatez de caciques do baixo clero, como Ciro Nogueira, Ricardo Barros, etc., do chamado Centrão, que mais parece um centro de traição aos eleitores e desrespeito à Constituição. Daí, quando a população responde mal às pesquisas sobre o que pensa do Congresso Nacional ou quando manifestantes nas ruas pedem o seu fechamento, até se compreende o porquê dessa posição tão negativa e perigosa para a nossa democracia. É difícil de conviver com tanto antipatriotismo e falta de vergonha. Está insuportável assistir a tanto cinismo e má-fé.

JANE ARAÚJO JANEANDRADE48@GMAIL.COM

BRASÍLIA

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PACTO COM O DIABO

Em 9 de dezembro de 1946, fim da 2ª Guerra Mundial, o Tribunal Militar Internacional, em Nuremberg, julgou no 1º dos 12 processos ali dispostos, 20 médicos considerados criminosos pelos brutais experimentos realizados em seres humanos nos campos de concentração nazistas. O veredicto em 19 de agosto de 1947 levou sete acusados à forca e os demais à prisão. Além destes, Mengele foi condenado à morte à revelia.

Posto ao que se tratava, foi também elaborado na própria Corte um documento conhecido como Código de Nuremberg. Trata-se de um conjunto de princípios éticos que regem a pesquisa com seres humanos. Presta-se até hoje a impostar diretrizes, sobre a forma de pesquisa pela ciência médica antes da efetiva prática em clínicas e hospitais. Os Códigos de Ética Médica no mundo todo contemplam as dez diretrizes ali dispostas buscando a normatização da conduta médica mediante a experimentação científica, em especial a envolvendo seres humanos. No Brasil e com o evento da pandemia, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e Regional de São Paulo se omitiram da obrigação de fiscalizar, e em pior medida o CFM distorceu aquilo que se convenciona liberdade com libertinagem de médicos em prescrever o que bem entender sem amparo da Ciência. Deu no que deu. Tal qual julgado em Nuremberg, estamos diante de um morticínio fundamentado em interesses escusos. E somente agora as autoridades, como o Ministério Público de São Paulo, se dispõem a montar uma “força-tarefa”. Não há dúvida alguma de que a investigação e punição devem se estender além dos algozes, mas também, e na mesma medida, a todos que se omitiram. Não há como uma nação, tal qual a Alemã à época, aceitar esse pacto macabro sem que os responsáveis e omissos sejam levados a julgamento pelas mortes e demais crimes a que deram causa.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

OMAR AZIZ

É impressionante a imodéstia de Omar Aziz, presidente da CPI da Covid. A qualquer momento do interrogatório, o senador se apossa do microfone para tecer elogios a si mesmo e discorrer sobre suas autoproclamadas qualidades morais, colocando-se como exemplo a ser seguido. Sua Excelência é de fazer inveja a figuras do romance picaresco Memórias de um Sargento de Milícias.

Patricia Porto da Silva portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

CPI & WALT DISNEY

A papagaiada provou que a versão bolsonarista do Zé Carioca, de tão ruim, é capaz de matar.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CPI DA PREVENT SENIOR

Com a CPI da Pandemia, no Senado, sendo finalizada, e, certamente, com dezenas de indiciados envolvidos, incluindo o chefe deste escândalo de crimes praticados, Jair Bolsonaro, já que uma verdadeira quadrilha foi formada no Ministério da Saúde. A Câmara Municipal de São Paulo, também instala uma CPI para investigar os horrores praticados nesta pandemia pela Prevent Senior. Alinhada a Bolsonaro, medicava seus pacientes, sem autorização deles, com o ineficaz e não recomendado kit-covid. Há fraudes comprovadas nos prontuários dos pacientes, e vários morreram. É mais um evento para desmascarar a perversidade do Planalto e de seus asseclas aliados que cometeram crime contra humanidade.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O BRASIL PRECISA DE UM CORRETIVO

A CPI da Covid-19 logo vai concluir seu trabalho. O Brasil e o mundo inteiro já sabem que o presidente Bolsonaro é diretamente responsável pelo brutal agravamento da pandemia no País; atrasou de propósito a compra das vacinas; promoveu aglomerações sem máscara; e continua fazendo propaganda de remédios comprovadamente ineficazes. A Procuradoria-Geral da República (PGR) vai receber o relatório da CPI e jogá-lo no lixo, ou pedir novos esclarecimentos, sem prazos para concluir. Novos pedidos de impeachment serão apresentados com base no relatório da CPI e serão todos jogados no lixo, engavetados junto com os outros. O STF será instado a agir, fará alguma pressão na PGR, que dirá que está investigando, blá-blá-blá. O Brasil precisa tomar um corretivo da comunidade internacional, não só pela catastrófica gestão nazista da pandemia feita pelo presidente Bolsonaro, mas também pela destruição sumária do meio ambiente que ele continua promovendo. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

OS TRÊS PODERES

A desarmonia entre os Três Poderes é altamente prejudicial ao Brasil. Tal desarmonia fez acordar os parceiros do ex-presidente Lula, as tropas que tanto perturbaram no passado (o MTST de Boulos, que promete mais invasões após mostrar a sua cara na Bovespa, e o MST, o exército de Stédile, ainda adormecido, é um fantasma para o agronegócio). Além de o ex-presidente e ex-presidiário “mais honesto do Brasil, quiçá do mundo”, liderar as pesquisas, ele já declarou seu objetivo presidencial de amordaçar a mídia e venezuelar o Brasil. É preciso priorizar o Brasil, esquecer o orgulho, vaidades, pretensões pessoais e partidárias. Unidos somos fortes, desunidos não somos ninguém e não vamos a lugar algum.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

ASSESSORIA DE BOLSONARO

Bolsonaro, a bem da verdade, não tem muitas virtudes. Em 28 anos de Congresso só se notabilizou em defender militares e zoar com gays. Militares que até o expulsaram das Forças Armadas. Parece-me, tão somente , que é mal assessorado. Penso que seus auxiliares dormem em banheiros recostados em privadas. Daí sair tanta besteira renovada diariamente. É uma pena, porque seu discurso como candidato me convenceu. Porém, se continuar com esses “assessores” com certeza perderá meu voto.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

MILÉSIMO DIA DO GOVERNO BOLSONARO

Quando o sr. Jair Messias Bolsonaro vai começar a trabalhar como um verdadeiro presidente do Brasil? O Planalto “comemorou” mil dias de governo Bolsonaro, mas para o povo ele ainda está nos primeiros dias. Ele só “bagunçou” em todos os cantos do Brasil desde que ocupou a Presidência e não assumiu a responsabilidade sobre nada, como uma criança. Um exemplo disso é o enfrentamento da pandemia. Desde o início a menosprezou e continua menosprezando até hoje, dizendo que é “só uma gripezinha”, e não reconhece a gravidade nem sente nada sobre a morte dos brasileiros por covid-19, pois não é problema dele nem de sua família. Gostaria de perguntar, com sinceridade, quais são as realizações concretas da gestão do presidente Bolsonaro.

A falta de vergonha atingiu o topo com o seu discurso na abertura da Assembleia-Geral da ONU, sem o mínimo senso de ridículo. Embora essa seja, para os brasileiros, apenas mais uma de suas atitudes diárias, das quais todos já estamos cansados de ver, para os estrangeiros era uma novidade assistir a essa comédia ridícula por parte de um governante de outro país.

Infelizmente, o homem foi eleito legitimamente como o presidente do Brasil, mas, após mil dias de governo, a sua falta de capacidade política-administrativa está levando o País ao caos. Mesmo o País estando neste estado, o método político “toma lá dá cá” assegura sua posição no cargo.

Tomomasa Yano tyanosan@gmail.com

Campinas

*

DESCASO E NEGACIONISMO

Eufórico, Jair Bolsonaro comemora mais um resultado do seu negacionismo. Afinal são singelos medicamentos que, guardados a sete chaves, em Guarulhos – São Paulo, não foram distribuídos aos mais vulneráveis. O estoque de centenas de itens perdeu a validade entre 2017 e 2021, só que 96% foram perdidos durante o próprio governo bolsonarista, causando prejuízos na ordem de R$ 80 milhões. Para Bolsonaro isso não é questão de somenos importância, já para os excluídos que ficaram sem os kits de testes de covid-19 é uma afronta. Bolsonaro pode comemorar mais essa façanha com seu grande “vaquinha de presépio” Marcelo Queiroga. É o que temos para hoje!  

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

 (DES)CONFIANÇA

Pesquisa do Datafolha de setembro revelou que somente 16% dos respondentes “confiam muito” no Poder Executivo;15%, no Judiciário;4%, no Legislativo; e 3%, nos partidos políticos. Como diz o dito popular, “confiança é como taça de cristal ou casca de ovo; uma vez quebrada, não se recupera novamente”. Pobre Brasil.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

IMPROBIDADE

O Congresso Nacional entendeu que a Lei de Improbidade Administrativa significa lei da impunidade. Talvez por isso foi votada com tanta rapidez. E fomos nós que colocamos lá essa gente!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

EDUARDO SUPLICY

Toda honra e toda glória ao precursor do “renda mínima”, programa de subsistência aos menos favorecidos, que o atual e inepto governo não consegue implantar.

João Paulo Garcia jotapege39@gmail.com

São Paulo

*

VINGANÇA DA NATUREZA PELA TEMPESTADE DE POEIRA EM RIBEIRÃO PRETO

Climatologistas e meteorologistas correram para explicar o evento extremo da natureza como essa nuvem de poeira que invadiu cidades no interior de São Paulo e de Minas Gerais. Segundo ele, a estiagem prolongada é que provocou esse fenômeno, levando medo e pânico por onde passou.

O que faltou, sim, foi buscarem as explicações com os agrônomos e engenheiros florestais. Mas nós damos nosso depoimento: foi sim a Natureza que age mais uma vez em legítima defesa contra os humanos insensatos, que não respeitam o solo; a terra não consegue respirar, pela impermeabilização do concreto na selva de pedra e o asfalto nas ruas e avenidas. Nesse caso de Ribeirão Preto, foi em função do plantio de cana-de-açúcar, soja e milho. Mal finalizada uma colheita, de imediato colocam milhares de toneladas de adubos e agrotóxicos no solo para nova cultura, impedindo a respiração da terra. Agora ela age em legitima defesa, e a pior delas poderá ser a que esta por vir, que é a escassez da água, tanto para a geração de energia, como para os humanos, que não terão onde buscar o líquido que nos garante a vida.

Enquanto os governantes não agem para impedir os incêndios e queimadas criminosos nos biomas Cerrado, Pantanal e Floresta Amazônica, a biodiversidade paga com a vida, mas a vingança agora será assim como essa da tempestade de poeira.

Com tristeza pela nossa biodiversidade e as gerações futuras.

José Pedro Naisser jpnaisser@gmail.com

Curitiba

*

EDUCAÇÃO X HIPOCRISIA

Segundo matéria publicada no Estadão, quase 100 mil alunos ainda não voltaram às aulas presenciais. Será que tais alunos estão trancados em casa, sem acesso a supermercados, praias e baladas? Ou não voltaram às aulas presenciais por que professores continuam sem ir às escolas “com medo do vírus”? Mas tais professores estão indo aos supermercados, salões de beleza, praia, restaurantes, igrejas, etc.? Haja hipocrisia, mas convenhamos, quem nasceu para vira-lata jamais será um pastor alemão. E vamos continuar batendo palminhas e fazendo arminhas para nossa republiqueta de bananas. Sinceramente, não sei o que é mais danoso para o Brasil: os políticos ou os professores.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

BRASILEIRO NÃO TEM JEITO

Recebi com antecedência o aviso que seria feita uma reunião com um técnico a respeito de cuidados contra o fogo no prédio onde moro. Cheguei à reunião na hora marcada e encontrei somente a síndica e três funcionários do prédio. Temos 18 unidades, mas ninguém mais apareceu. É incrível – e deprimente – ver a falta de sentido comunitário e de participação de nossa população. Aliás, estamos cansados de ver pessoas que não participam no momento oportuno, mas são pródigas em falar mal do que é feito pelos poucos que se interessam. Pensando bem, nosso povo merece os Bolsonaros da vida.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

UMA NAÇÃO IMBECILIZADA

Cem milhões de americanos se recusam a ser vacinados, preferindo morrer como gafanhotos, mas todos eles têm um arsenal de armas em casa e votaram no maior sonegador de imposto e caloteiro do país para presidente dos Estados Unidos. Nesta nação sem noção, o assunto dominante nos noticiários é o fim da tutela do pai sobre a cantora Britney Spears, de 39 anos, dois filhos e milhões de dólares. A única coisa importante na mente dos americanos é “in dolar we trust”. Nossa triste referência de civilização da futilidade. 

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

AS VÍTIMAS DA INFLAÇÃO AMERICANA

A inflação reduz o poder de compra da moeda e causa aumentos nos preços de bens e serviços ao longo do tempo. Quando se imprime muito dinheiro sem qualquer lastro no aumento da produção, seria surpreendente se a moeda não passasse a valer menos. Basta esperar um certo tempo até os preços aumentarem. O povo que não entende muito de economia sempre pensa que acabará sendo beneficiado pelos populistas no poder, recebendo uma parcela do banquete financiado com os trilhões de dólares recém-impressos. Mas não sabe que será ele mesmo quem vai pagar toda a conta. Governantes, legisladores e oficiais dos bancos centrais, estes sim, sempre souberam o impacto que a impressão de papel-moeda teria no custo de vida da população americana e no dos demais países que também utilizam o dólar como referência para suas operações. E que, mais dia, menos dia, o tanque de gasolina e o leite, entre outros, ficariam mais caros. De fato, a inflação do dólar não vai descansar até reduzir o padrão de vida da população em geral. De 2% ao ano, já virou de 5% ao ano e continua subindo. A única solução possível, o aumento de juros para levar todos a poupar, será uma emenda pior do que o soneto por diversos motivos que serão abordados quando isso ocorrer. Como disse Reagan: “A inflação é tão violenta quanto um assaltante, tão assustadora quanto um ladrão armado e tão mortal quanto um assassino”. Só que faltou dizer que o intervalo de tempo entre a ação de imprimir dinheiro e a reação do aumento dos preços faz com que o criminoso passe despercebido, como se a inflação tivesse surgido do nada, ou seja: é um assassino que atira na multidão a partir de um ótimo esconderijo em Washington.

 Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*






 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.