Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2021 | 03h00

Desemprego

Sombrias perspectivas

Foi noticiado que as companhias Metrô e CPTM de São Paulo começam a fechar bilheterias e a adotar sistema automático de venda de passagens. Semana antes, tinha lido que os postos de revenda de gasolina poderiam passar a adotar sistema de autoatendimento. Processo semelhante ocorre em supermercados, onde vêm sendo implantados caixas automáticos. Em estacionamentos públicos, está consumada a substituição de bilheteiros por barreiras eletrônicas. E os cobradores de ônibus já foram trocados por um dublê de motorista e cobrador, com efeitos previsíveis para a segurança do passageiro. Conhecida a extensão do universo de trabalhadores atingidos pela automação no setor de serviços, pari passu à reduzida oferta de novas vagas de empregos, o efeito de tais demissões na economia do País deveria ser objeto de avaliação e medidas de planejamento – talvez até de impedimento –, se se pretende romper o círculo vicioso atual, de sombrias perspectivas. O desemprego, a redução dos salários, a diminuição da massa de rendimentos e a corrosão da renda familiar influem, por óbvio, nas condições da demanda no mercado interno. Estas, por sua vez, concorrem para a retração da indústria, cada vez menos capaz, então, de reabsorver a mão de obra desocupada, e assim sucessivamente. As considerações expostas derivam da leitura do editorial Mais um recuo da indústria (10/10, A3).

PATRICIA PORTO DA SILVA  PORTODASILVA@TERRA.COM.BR

RIO DE JANEIRO

*

Ciência e tecnologia

O exemplo da Embrapa

A criação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em 1972, para o desenvolvimento de tecnologia na agricultura e na pecuária, decorreu do entendimento de que estamos num país tropical e a tecnologia do Hemisfério Norte não é aplicável em nosso país. Esse investimento em ciência e tecnologia levou ao desenvolvimento incrível de nossa agricultura. Nos anos 1970, o governo militar comemorou que tínhamos atingido a produção agrícola de 50 milhões de toneladas. Este ano vamos produzir 288 milhões de toneladas. Agora, o que fazem os iluminados do governo Bolsonaro? Cortam 87% dos recursos destinados à ciência e tecnologia, jogando no lixo o futuro de nosso país.

ALDO BERTOLUCCI ALDOBERTOLUCCI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

‘Falta de consideração’

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, foi muito objetivo ao dizer que corte de verbas para o setor é “falta de consideração”. Efetivamente, não investir nestas áreas de tanta importância é contribuir para um retrocesso.

URIEL VILLAS BOAS URIELVILLASBOAS@YAHOO.COM.BR

SANTOS

*

Brasil

Três demônios

O cientista político e membro das Academias Paulista de Letras e Brasileira de Ciências Bolívar Lamounier retratou muito bem, em seu artigo Três demônios no meio do caminho (9/10, A2), o que impede o Brasil de retomar sua caminhada para o desenvolvimento e a paz de que tanto necessita para sair deste estado de obnubilação em que vive. Não será Lula nem um outro qualquer que derrotará Jair Bolsonaro em 2022. Quem o derrotará será o exacerbado custo de vida que a sociedade brasileira está pagando para tentar sobreviver. Enquanto nossas instituições são covardemente atacadas, em que pese cometerem alguns deslizes, enquanto o desemprego, a pobreza e a fome batem à porta do brasileiro, nossa “elite” política e empresarial ocupa seu tempo em conchavos para defender os seus interesses próprios. Como escreveu Bolívar Lamounier: “O Brasil atual não está meramente estagnado, está retrocedendo, resvalando para uma crise séria, antevéspera de um possível abismo”.

VALDIR FERRAZ DE OLIVEIRA  VALDIRFERRAZ@UOL.COM.BR

SANTANA DE PARNAÍBA

*

COP-26

Delegação brasileira

Ao negar ao vice-presidente Hamilton Mourão o pedido para chefiar a delegação do Brasil na Conferência do Clima das Nações Unidas, a COP-26, em novembro em Glasgow, fica a pergunta: além de seus filhos (homens, é claro), o presidente Jair Bolsonaro gosta e respeita mais alguém?

MARIA DO C. ZAFFALON LEME CARDOSO ZAFFALON@UOL.COM.BR

BAURU

*

Insuportável

O presidente Bolsonaro não suporta a situação de o vice Hamilton Mourão ter sido eleito como ele. Já o teria demitido faz tempo.

LUIZ FRID FRIDLUIZ@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Rio de Janeiro

90 anos do Cristo

Nesta terça-feira, 12 de outubro, o Cristo Redentor, um dos cartões-postais mais famosos do mundo, completa 90 anos. O maior símbolo do Rio de Janeiro e uma das sete maravilhas do universo moderno.

JOSÉ RIBAMAR PINHEIRO FILHO PINHEIRINHOSB@GMAIL.COM

BRASÍLIA

*

Tristeza

Graças a sucessivos desgovernos corruptos, inaptos e mancomunados com malfeitores de toda ordem, a cidade do Rio de Janeiro, de importante capital do Império e da República, foi transformada em capital do crime organizado. Mesmo sob as bênçãos do aniversariante de 90 anos, o Cristo Redentor, a “cidade maravilhosa”, desenhada pelas mãos de Deus, virou terra onde impera a lei das drogas, das milícias e das armas. Uma tristeza. Até quando?

VICKY VOGEL VOGELVICK7@GMAIL.COM

RIO DE JANEIRO

*

Pobreza menstrual

Como custear?

A respeito do editorial Misantropia bolsonarista (11/10, A3), o presidente deveria propor um projeto de lei onerando a compra de armas – mais necessárias do que comprar feijão – para custear absorventes, este produto mais do que necessário, por motivos óbvios.

JACQUES G. LERNER JGLERNER@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O RAIAR DO SOL PÓS-PANDEMIA

Hospitais públicos de diferentes regiões informam ter “zerado” a internação por covid-19 e o retorno à rotina pré-pandemia. Voltam às cirurgias eletivas, suspensas por conta do mal epidêmico. Aplicação da terceira dose de vacina, expectativa da suspensão do uso obrigatório da máscara e outras medidas também ocorrem. Parece o cenário de uma bonita manhã de sol, testemunha de que a tempestade já passou, embora ainda convivamos com seus danos, especialmente as 600 mil vidas brasileiras perdidas. Outro ponto positivo é o registro de apenas 167 mortes por covid-19 nas 24 horas encerradas na noite de domingo. Apesar de morte nunca ser boa notícia, temos de considerar que esse número num dia é uma vitória num país onde já lamentamos mais de 4.200 óbitos nesse mesmo intervalo. Nesta semana temos um teste. O feriado de hoje tem festas religiosas e das crianças. Quem participa deve tomar todos os cuidados para evitar problemas, já que o coronavírus está acabando, mas ainda se faz presente. Também devem se apressar os que tomaram a primeira dose e fugiram da segunda. São 18 milhões em todo o País, dos quais 4 milhões só no Estado de São Paulo. Evitar a vacina só pode prejudicar a pessoa. Portanto, o ideal é se imunizar. Vamos fazer da melhor forma. E, finalmente, pedimos aos políticos que se portam como verdadeiras aves de rapina que parem de tentar obter vantagens eleitorais a partir do sofrimento do povo atacado pela covid-19. Pensem que, se esse mesmo povo acordar (o que não é difícil), os que tiram proveito da situação, em vez de votos, poderão ganhar a justa e merecida rejeição.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

CPI DA COVID-19

Assisti a quase todas as sessões da CPI da Covid-19. Mas a ultima sessão do dia 7.10.2021 foi lamentável. Faltavam, entre outros, objetividade, clareza, exatidão e, infelizmente, credibilidade.

Os dois depoentes foram bem instruídos em todos os sentidos pelas suas advogadas. Infelizmente alguns dos respectivos senadores caíram inteiramente na armadilha de contradições emocionais deles.

Aliás, porque a filha do depoente Tadeu, a médica acusada da Prevent Senior e o médico particular não foram chamados? Estranho! Esse depoimento foi muito esquisito e pouco louvável.

Marianne Papmahl mariannepap@hotmail.com

*

VILA BELMIRO VETA BOLSONARO

Merece cumprimentos a louvável e corretíssima atitude da direção do (meu time de coração) Santos F.C. de ter impedido a entrada do presidente Bolsonaro nas dependências de seu estádio ,na Baixada Santista, na vitória do Peixe por 1 a 0 contra o Grêmio, no último domingo,10/10,por não estar vacinado contra a covid-19. Com mais de 600 mil (!) óbitos País afora e mais de 21 milhões (!) de infectados, as normas de segurança devem ser respeitadas com rigor máximo, sobretudo num estádio de futebol com milhares de torcedores nas arquibancadas. No País do jeitinho e do “sabe com quem está falando?”, em que alguns são mais iguais do que outros perante as leis, a mensagem do alvinegro praiano não poderia ter sido mais clara. Não pode haver exceção, nem mesmo ao dirigente máximo da nação, que deve servir de bom exemplo à população. A gloriosa Vila Belmiro, sede do estrelado bicampeão mundial e do reino de sua majestade, o Rei Pelé, não é a casa da mãe joana. Da próxima vez que o palmeirense presidente da República quiser assistir a um jogo do Peixe na Vila, é só trazer a carteira de vacinação devidamente preenchida. Caso contrário, será novamente “mal-vindo”. Vacina já,Bolsonaro!

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PASSAPORTE DA VACINA

Jair Bolsonaro reclamou que não pôde assistir ao jogo do Santos porque não tinha o passaporte da vacina, documento exigido em São Paulo e no Rio de Janeiro. E foi mais longe dizendo que ele, como “atleta”, tem mais anticorpos de quem já foi vacinado. Ignorâncias à parte, bem que poderiam exigir o bendito passaporte da vacina para entrar no Palácio do Planalto. Seria uma limpeza total!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

O governo bate recorde de mentira e corrupção. Seus interesses acima de tudo. Por isso tanta desfaçatez! Para entreter a todos enquanto tripudia no poder.

Alice Arruda Câmara de Paula alicearruda@gmail.com

São Paulo

*

O PARAÍSO É AQUI!

O Brasil deveria ter seu próprio paraíso fiscal. O País deveria oferecer as mesmas condições oferecidas nas Ilhas Virgens Britânicas para os investidores internacionais depositarem seu dinheiro e investirem no País. Para os investidores brasileiros, o Brasil poderia oferecer vantagens tributárias imbatíveis para quem realizasse todas as suas transações financeiras em território nacional. Com o seu próprio paraíso fiscal o Brasil atenderia a todas as necessidades do agronegócio, que iria passar a depositar e investir centenas de bilhões de dólares aqui, tudo dentro da lei. Atrair e reter o investimento do dinheiro do agronegócio é fundamental para estabilizar a economia, trazer o dólar para um patamar muito mais baixo, controlar a inflação e fazer o País crescer como nunca. A alternativa é continuar assistindo a todo o dinheiro do agronegócio ser depositado em outros países sem trazer qualquer benefício para o Brasil.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

IMPOSTOS

Na reforma do Imposto de Renda teremos 15% de taxação nos dividendos, com os quais muitos aposentados complementavam seus salários. Que tal agora os deputados votarem um imposto nas aplicações em paraísos fiscais, onde as aplicações do ministro Paulo Guedes são todas isentas!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com 

São Paulo

*

NOBEL INJUSTO

Injustiça o prêmio Nobel de economia ser dado aos americanos!

Nosso ministro da Economia conseguiu o impossível, prometeu reformas e desenvolvimento e não entregou nadinha, vetou kit absorvente, mas não o kit Covid. 

Agora bloqueou recursos para Ciência e Tecnologia provocando a debandada de cabeças pensantes. 

Como tem dinheiro em paraíso fiscal, percebeu que quanto mais ele e o seu patrão Bolsonaro fazem bobagens, mais o dólar sobe e ele fica mais rico.

É uma sumidade!

Caminhando firme para acabar com o Plano Real!

Merece o Nobel da insensatez, inutilidade e indiferença com o futuro do Brasil. 

Cecília Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

DESCASO

Impressionante o descaso com as políticas públicas no Brasil. Até mesmo no agronegócio, que representou 26,6% do nosso PIB de 2020, o grau de proteção (relação entre subsídios aos produtores e o valor bruto da produção) foi de apenas 1,1% no mesmo ano, enquanto a média da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne as maiores economias do mundo, foi de 13,3%. Estamos colocando em risco este importantíssimo setor.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

O QUE FAZER?

Os petistas não sabem o que fazer com o Lula.

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

São Paulo

*

NOBEL DA PAZ      

Que os brasileiros abram os olhos e sejam sensatos. O Prêmio Nobel da Paz em 2021 foi dividido entre os jornalistas Maria Ressa (Filipinas) e Dmitri Muratov (Rússia). O foco de ambos foi salvaguardar a liberdade de imprensa e de expressão de seus conterrâneos – amplamente elogiados pela mídia brasileira. No Brasil, com eleições presidenciais em 2022, o principal candidato, líder disparado nas pesquisas eleitorais divulgadas e provável eleito no primeiro turno, tem como principal objetivo de governo amordaçar a imprensa e tolher a liberdade de expressão dos brasileiros. Temos muito a evoluir, inclusive saber votar, valorizar o País, a democracia. Infelizmente, nosso Brasil continental do futebol e da corrupção jamais conquistou um Prêmio Nobel.          

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

IMPROBIDADE

A votação do projeto de Lei (PL) 2.505/21, que revisa a Lei de Improbidade Administrativa, sem dúvida vai diminuir a agitada atividade do Ministério Público contra os administradores públicos, gastando muita energia e com resultado pífio, pois não têm sido vistos atrás das grades os políticos poderosos que dilapidaram o patrimônio público, ao contrário, o que se vê é um festival de arquivamento! O editorial Critérios para a improbidade (A3, 11/10) aborda com realismo essa questão, porém a inépcia, a imperícia e a negligência dos agentes públicos não podem ficar impunes!

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

ALEGORIA BRASILIENSE

Como situar dentro da vida moderna o que se sucede em Brasília? Há tempos a capital federal foi denominada “ilha da fantasia”, à semelhança de uma antiga série de TV bem-sucedida.

A julgar pelos políticos e altos dignitários que lá residem, nada indica que as coisas hoje sejam diferentes. A coqueluche do momento é descobrir recursos suficientes para aumentar os rendimentos do Bolsa Família, de sorte a melhorar os índices de aprovação de Bolsonaro em relação a Lula.

A rigor, em vez de suprimir os recursos para as bolsas da ciência e suprimir o auxílio sanitário para as mulheres pobres incomodadas, o ideal seria contar com a colaboração dos rebentos presidenciais e suas progenitoras beneficiadas com rachadinhas, devolvendo aos cofres públicos o dinheiro assim amealhado. Também contar com o ministro da Fazenda abrindo mão dos fundos depositados em paraíso fiscal; os ocupantes do Ministério da Saúde agraciados com a distribuição do kit Covid-19 e comissões nos leilões da pasta, e o próprio presidente e empresários que o apoiam, carreando ao Tesouro os recursos despendidos com a disseminação de “fake News” pela internet.

Infelizmente isso seria uma fábula sem guarida na “ilha da fantasia”. 

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

DESPREZO PELA CIÊNCIA

A alocação de R$ 600 milhões do orçamento da Ciência e Tecnologia para outros ministérios, sem dúvida, vem demonstrar verdadeiro desprezo à ciência e à tecnologia especialmente em momento em que o Brasil precisa formar jovens e aperfeiçoar adultos nos meandros científicos, porque só se pode avançar nas conquistas científicas havendo suporte financeiro para os pesquisadores. Muitas outras verbas ministeriais poderiam ser retiradas em favor deste segmento, porque não fariam falta, exceto para as políticas dos parlamentares adstritos ao poder de plantão. Espera-se que haja reconsideração por parte do Ministério da Economia e do próprio presidente da República.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

METADE DOS GOVERNADORES PROJETA REAJUSTES EM 2022

Mesmo com mais da metade dos governadores já tendo se definido por conceder reajuste aos seus servidores, o de São Paulo, que comemora significativo aumento do PIB em 2021 (7,6%), ainda assim, manda “aguardar a arrecadação do próximo ano” (Ao menos 14 governadores preveem reajustes a servidores em 2022, Estadão, A4, 10/10). Não pense o sr. João Doria que nós, servidores públicos, sem qualquer reajuste há oito anos, vamos ficar inertes e de braços cruzados. Vamos à luta!

Jarim Lopes Rosoeira IPA.SAOPAULO@IPA-BRASIL.ORG.BR

São Paulo

*

ATITUDE DO PAPA

Um dia depois de uma grande investigação revelar que o clero francês abusou de mais de 200 mil crianças ao longo de 70 anos, o papa Francisco disse que estava triste e envergonhado. Jean-Marc Sauvé, chefe da comissão que compilou o relatório, por sua vez declarou que a Igreja demonstrou indiferença em relação aos abusos durante anos, preferindo proteger-se em vez das vítimas, muitas delas com idades entre 10 e 13 anos. Gostaria de cumprimentar o papa por sua atitude. Solidariedade para com as vítimas, condenação dos abusos, precauções com os abusadores, profundo arrependimento pelo papel dos que representaram a instituição em todos estes eventos na França e o compromisso de fazer tudo o que estiver ao alcance para evitar isso constituem um passo inegavelmente muito importante na direção certa. E quais os próximos passos? Ora, não foi só na França que isso ocorreu. Que tal se no Brasil a Igreja capitaneasse iniciativas semelhantes? Poderia começar agora, em honra ao Dia da Criança. Quero deixar bem claro que a Igreja Católica não é o grande foco do que estou sugerindo. No Brasil, em 2018, por exemplo, tivemos 32 mil vítimas de abuso infantil informadas por meio de ocorrências. Os números não param de bater recordes ano após ano. Criou-se até notificação ao Ministério da Saúde sobre o tema. Sem mencionar a exploração sexual infantil, que ocorre em paralelo e que, em muitos locais, essas coisas passaram a ser práticas aceitas socialmente. Se o papa aceitou passar a maior vergonha para tentar eliminar o problema, os brasileiros deveriam parar de encontrar desculpas para varrer toda esta sujeira para debaixo do tapete. Temos de localizar especialmente os praticantes seriais de abusos. Especialmente por que o relatório mostrou que poucos elementos são capazes de causar um estrago incomensurável. 

Jorge Alberto Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

CONSULTA REVOLUCIONÁRIA

Nunca na história do cristianismo ou de outras religiões os fiéis foram consultados sobre as decisões que deveriam ser tomadas. Essa decisão revolucionária agora do papa Francisco tem tudo a ver com a realidade do mundo atual, onde o agnosticismo avança fortemente, bem como as comunicações eletrônicas virtuais instantâneas exigem que lideranças de todos os seguimentos da sociedade global fiquem antenadas com seus subordinados, para não perderem a ligação com seus seguidores.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ALEGRIAS E TRISTEZAS

Sou assinante de Estadão há 40 anos. Antes lia outro jornal, quando morava em São Paulo. Portanto, faz muito tempo que leio jornais, e leio porque gosto. Entretanto, há dias em que, depois de ler notícias boas, leio muitas reportagens que me deixam envergonhado de ser brasileiro. Olha que sou patriota e comecei a escrever no Fórum dos Leitores como leitor e colaborador, porque quero melhorar o País! Valeu a pena fazer isso? Lógico que valeu! Mas quando leio, como ontem, duas notícias, uma sobre a queda de qualidade de vida no Brasil durante a pandemia de covid-19 e outra sobre o problema da falta às escolas pelas alunas pobres em razão do período menstrual e o atual presidente dizer que não pode fazer nada, porque está preocupado com a verba de reeleição, fico em dúvida. Por outro lado, a notícia sobre a “Casa Das Rosas”, umas das poucas mansões preservadas na Avenida Paulista, me deixou contente, e posso dizer que valeu a pena ler a matéria.

Toshio Icizuca todhioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

SUZANE VON RICHTHOFEN

Suzane von Richthofen, que está frequentando a faculdade de biomedicina em Taubaté, passou a cumprir isolamento na penitenciária de Tremembé, para não ter contato com outros presos. Mas será que em suas aulas ela vai conseguir notas boas em avaliações sobre a sua capacidade real de identificar os valores éticos e morais acerca da biomedicina e de suas práticas e de suas perspectivas? Porque, afinal, esperamos que ela seja um excelente exemplo de recuperação social, pois o seu exemplo de homicida que sempre tem mais uma chance é péssimo para as finalidades sociais da cominação penal que cumpre, que é o de desmotivar quem pensa também em matar pai e mãe e, ao final, após alguns dissabores, ir estudar biomedicina.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*









 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.