Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2021 | 03h00

Ferrovias

Prorrogação da MP

Se até hoje (29/10) o Senado não prorrogar a Medida Provisória (MP) 1.065/2021, que criou o regime de autorização simplificada para empresas construírem estradas de ferro, o País poderá perder 5.640 quilômetros de ferrovias, orçadas em R$ 83,7 bilhões (Estado, 27/10, B7). Editada pelo governo em agosto, a MP levou 21 empresas a apresentar projetos para a área. Para evitar a frustração desse empreendimento, o caminho é a prorrogação da matéria por mais 60 dias pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco. Há um ruído nesta história: parlamentares preferem regular o setor pelo Projeto de Lei 261/2018, do senador José Serra, que institui o novo marco legal das ferrovias. Mas o governo negocia alterações para tornar a MP possível. É preciso resolver o impasse e aproveitar a disposição da iniciativa privada para investir.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

Contas públicas

Mais R$ 16 bilhões

Impressiona que, mesmo depois de conhecidas a proposta obscena de aumento do Fundo Eleitoral, as emendas que compõem o chamado tratoraço e outras ações contra a sociedade, que os parlamentares deveriam representar e respeitar, agora sabemos que o Congresso quer destinar mais recursos do Orçamento a emendas sem transparência de deputados e senadores em 2022. O estouro do teto de gastos pode lhes render mais R$ 16 bilhões (Estado, 28/10, A10). Estes parlamentares agem com a desfaçatez de quem tem certeza da impunidade. Mesmo com investigações em curso, a corja quer promover mais um “trem da alegria” com nossos recursos.

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

Assalto ao Orçamento

Jair Bolsonaro, não satisfeito em destruir vidas, trazer a inflação de volta e insultar parceiros comerciais como a China, agora resolveu afundar a política fiscal rompendo o teto dos gastos, e com a cínica justificativa de dar assistência aos desfavorecidos. Julga que não somos capazes de entender seu interesse eleitoreiro. Na verdade, está mancomunado com a caterva do Centrão que assalta o Orçamento com emendas sem transparência e mais dinheiro para os partidos. Neste processo de falência moral presidencial e congressual, vale até mexer na Constituição: vide a PEC dos Precatórios. Resta-nos comprovado que votar a cada quatro anos não tem sido suficiente para exigirmos a soberania do interesse público, via do processo democrático.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

Precatórios

O nome correto da PEC 23/21 é PEC do Calote. Proponho que todo deputado/senador que votar favorável à proposta tenha o nome inscrito na Serasa.

Renato Maia casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

Inconstitucional

Um assalto à secular propriedade privada. Só assim pode ser vista a PEC 23/21, que incorre em tal violência para transferir o dinheiro das indenizações devidas a segmentos da população para pagar R$ 5 bilhões ao Fundo Eleitoral e emendas do relator de R$ 16 bilhões. Por meio de calote nos precatórios. Nossa Constituição, depois da liberdade, alça a propriedade à altitude constitucional, como ocorre nos países civilizados. Se aprovada essa malsinada PEC, com certeza nosso STF imprimirá mais uma derrota à coleção de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. As emendas constitucionais oriundas do poder derivado (Parlamento) podem ser afastadas pela Suprema Corte quando ofensivas às cláusulas fundamentais de nossa Lei Maior, presentes nos dispositivos originários.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

Cultura

Meia-entrada

Alesp aprova projeto que acaba com meia-entrada em São Paulo (Estado, 28/10). Concordo que a obrigatoriedade da meia-entrada gera uma distorção nos preços, pois os realizadores cobram mais caro para dar o benefício, o famoso “a metade do dobro”. Tem de acabar. Os preços são livres e cada evento deve ter a liberdade de escolher a melhor forma de atrair o público, por exemplo, oferecendo ou não descontos a quem vier com outro pagante de ingressos, ou descontos para determinado público ou horário. Liberdade comercial é a base da economia moderna.

Radoico Câmara Guimarães

radoico@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PÉSSIMO GOVERNO

Simplesmente uma completa insanidade este novo projeto de ajuda de custo para a população pobre, rompendo o teto de gastos e deixando um passivo colossal para os novos governos e para as futuras gerações. Projeto puramente eleitoreiro. Uma ajuda individual de R$ 400 nada acrescenta para ninguém, um recurso que é gasto em dois segundos, enquanto o aporte de R$ 83 bilhões poderia ser muito mais bem utilizado em um grande programa de obras de infraestrutura em diversas regiões metropolitanas, gerando renda e emprego. Quantas escolas públicas poderiam ser recuperadas por todo o País com estes recursos, como ainda obras de saneamento, despoluição de lagoas e rios e urbanização de favelas e melhoria do modal de transportes em várias cidades. O governo Bolsonaro é um governo absolutamente obtuso e estúpido, sem visão de coisa alguma, e com um ministro da Economia, Paulo Guedes, que nada entende de economia. Um governo em nada diferente da péssima e criminosa gestão petista. 

Paulo Roberto da Silva Alves pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

O POLVO DO CENTRÃO

O polvo do Centrão vai precisar de mais tentáculos para abraçar tantos poderes. Domina a Câmara e o Senado há muito tempo; controla o governo na Casa Civil e já abocanhou R$ 20 bilhões para emendas parlamentares; acabou com a punição aos parlamentares por desvio de conduta, liberando geral a corrupção; vai assumir o domínio sobre o Ministério Público; e está de olho nas duas vagas do Supremo, onde já tem cadeiras cativas para soltar corruptos do colarinho-branco. Acende velas a Deus e ao diabo, tem bala, boi e Bíblia, e se prepara para empalmar a Presidência da República, em 2022. Chega de intermediários!

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

AMIGOS

O barulho emitido pela CPI da Covid não deve afetar o governo Bolsonaro, já que o procurador-geral da República, Augusto Aras, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, estão compromissados com o presidente Bolsonaro. O dano deve ser apenas político e talvez algum nome de menor importância possa sofrer alguma punição.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

PROMISCUIDADE

A probabilidade de o procurador Augusto Aras dar seguimento às conclusões da CPI da Covid, principalmente as que envolvem Bolsonaro e seus filhos, é muito pequena. O alinhamento (palavra mais delicada impossível…) entre os dois é tamanho que o engavetamento é praticamente certo. O tal “plano B” – recorrer à Corte caso isso aconteça – é quase que um delírio diante dos imensos entraves jurídicos. É quase ingenuidade acreditar que indicações a cargos nevrálgicos, como procurador-geral da República e ministro do Supremo Tribunal Federal, por parte do presidente da República, sejam totalmente isentas de interesse político, pois o expediente da troca de favores, próprio da natureza humana, pode vir à tona a qualquer momento. Esse é um ponto fraco do conceito republicano de independência dos Poderes. Embora não seja só no Brasil que isso ocorre, por aqui essa brecha pode facilmente ser elevada à categoria de promiscuidade. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

AUGUSTO ARAS

Com o relatório final da CPI da Covid em mãos, que pede o indiciamento do presidente Bolsonaro por sua condenável e irresponsável atuação ante a pandemia, que ceifou mais de 600 mil vidas, cabe a Augusto Aras dizer ao País se é o procurador-geral da República ou de Bolsonaro. A ver.

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

O ABSOLUTISMO DO PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriga um rei ou um representante do Ministério Público? Quem pode punir o procurador-geral da República? Quem pode exigir que ele denuncie uma autoridade? O seu entendimento sobre a tipicidade de um delito é taxativo e intocável? De acordo com o que se tem observado ultimamente o procurador-geral nunca encontra motivos para denunciar autoridades. Vários subprocuradores já fizeram abaixo-assinado e protestaram, mas parece que em vão. Agora vamos ter o teste decisivo com a entrega do relatório da CPI da Covid, elaborado pelos senadores responsáveis. São vários delitos apresentados como praticados pelo presidente da República e várias outras autoridades. Vamos observar quantos indiciamentos constantes do relatório poderão produzir denúncias!

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

SÓ DEUS ME TIRA

Novamente o presidente Jair Bolsonaro disse que “Só Deus me tira da cadeira de presidente”. Na verdade ele se esquece de que Deus não é negacionista, é a favor da vacina, preocupa-se com a saúde das pessoas, não gosta de fake news que confundem as pessoas e o mais importante: “Ele é brasileiro”, como diz aquela senhorinha de Taubaté. Está bom ou quer mais Bolsonaro?

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MÁGICOS PETISTAS

O relatório da CPI da Covid foi aprovado indiciando 78 pessoas e 2 empresas, mas deixando de fora governadores que desviaram recursos para a aquisição de respiradores. Só o chamado Consórcio Nordeste, composto em sua maioria por governadores petistas e que envolveu também o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), conseguiu a proeza de entregar R$ 48 milhões para uma empresa fajuta e não receber nenhum respirador. O PT, comandado pelo mais “honesto” brasileiro é pródigo em fazer mágica com o dinheiro público e não teve ninguém indiciado na CPI da Covid. Isso é milagre ou magia?

J.A.Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

O ÁPICE DO DESRESPEITO PARA COM UMA SOCIEDADE

A fala de Jair Bolsonaro em uma Live que tem áudio e vídeo gravados para a posteridade, afirmando que a vacina contra a covid poderia permitir que a pessoa contraísse aids provoca asco e revolta na sociedade, em especial em todos que perderam um ente querido ou um amigo nessa pandemia que já levou mais de 606 mil vidas.

Segundo consta, foi seu querido filho vereador “Federal” Carlos Bolsonaro quem induziu o papai a falar tremenda asneira criminosa em live. O mesmo filhinho que é suspeito de ser o líder do “Gabinete do ódio” anexo à sala do papai e de ser o grande mentor dos disparos massivos de mensagens de fake news.

O País cheio de problemas pela falta de trabalho do governo, inflação em ascensão, desemprego, colapso da saúde, sem perspectivas de retomada da economia, e temos um presidente e seu filho brincando com coisa séria, provocando pessoas e desrespeitando uma sociedade. Isso não é coisa de gente republicana, mas sim de milicianos.

Rafael Moia Filho rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

‘UM TETO SEGURO E POSSÍVEL’

Muito bom o artigo de José Serra Um teto seguro e possível (28/10, A4) , apenas parece que se esqueceu de “combinar com os russos”, pois o PSDB, até o momento, tem votado favoravelmente para aprovação da PEC 23/21 , denominada PEC dos Precatórios. Espero que ainda haja tempo para mudanças de rumo, pois o PSDB tem um histórico na defesa da Constituição e da democracia.

 Azor de Toledo Barros Filho azortb@gmail.com

São Paulo

*

PETROBRAS E VALE

Em meados de 2016, as ações da Vale e da Petrobras eram negociadas na Bovespa, ambas por cerca de R$ 10,00, e se alternavam com maior e menor valor. Hoje, a Vale, apesar dos desastres em Mariana e Brumadinho, com vítimas fatais e bilionárias indenizações, é negociada em torno de R$ 75,00, enquanto a Petrobras, em consequência do Petrolão (maior corrupção da face da Terra), por de cerca de R$ 28,00. Ambas foram seriamente afetadas. A diferença de valor na Bolsa talvez seja a administração: uma é pública e a outra é privada.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

A VOLTA DA INFLAÇÃO

A volta da inflação alta entre nós obriga o Banco Central a aumentar os juros para 7,75%, a maior taxa desde 2002. Quais os resultados que tal medida provocará em nossa economia interna poucos se aventuram a imaginar, principalmente em 2022, ano eleitoral. Espero que consigamos ter um pleito que eleja novas e competentes lideranças, para que possamos dar soluções eficientes e o mais rápido possível às agruras que a esmagadora maioria da população brasileira está sofrendo há muitos anos. Oremos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

PALESTRA DE QUEIROGA

Muita pretensão do ministro da Saúde se deslocar até Portugal para conferir aula magna na Faculdade de Medicina de Lisboa, de um tema escolhido por ele sobre o enfretamento da covid-19 pelo Brasil. Deu no que deu. Foram apenas 45 minutos pelo canal do YouTube, já que a instituição não liberou para o público, sem nenhuma pergunta após sua exposição. Mais um ponto negativo para o seu desastrado currículo como ministro.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

SIAMESES VICE-VERSA

Bolsonaro e Lulla estão umbilicalmente ligados pelas candidaturas. A irresponsabilidade de um é desculpa perfeita para o descalabro do futuro governo do outro. E vice-versa.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

O PODER DA REELEIÇÃO

Mesmos depois de tantos crimes apontados pela CPI da Covid e as incríveis trapalhadas que se sucedem sem parar, após sua posse há quase três anos, é importante lembrar que, mesmo depenado, ainda existe muito dinheiro nos cofres públicos e quem detém as chaves é o presidente Bolsonaro, disso os parlamentares sanguessugas sabem muito bem. Em uma reeleição, o presidente tem tantas armas nas mãos que precisa fazer um enorme esforço para perdê-la. Em 2014 Dilma fez esse esforço, mas não conseguiu.

Abel Pires​ Rodrigues. abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

O CORTE NO NÓ GÓRDIO

Fica cada dia mais transparente qual foi de fato o motivo do Supremo Tribunal Federal ter liberado Lula da Silva, habilitando-o a disputar as próximas eleições contra Jair Bolsonaro. 

Ao darem o corte no nó górdio, optaram pelo ladrão contumaz como menos nocivo que o destrambelhado, intransigente e imprevisível Bolsonaro.

Para desfazer parcialmente este imbróglio e garantir a eleição de um candidato da terceira via, capaz de recolocar o País na trilha certa, a solução agora é a cassação de Bolsonaro, algo que Lula não deseja, pois, do jeito que está, sua vitória será uma barbada.

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES DE 2022

Como serão as eleições de 2022? O futuro é intrigante e nos leva a pensar. De fato, o objetivo maior do pensamento é permitir que a lógica e a imaginação explorem o que está por vir. Apesar de o universo, como sempre, continuar superando e surpreendendo a mente humana. Mas qual seria o resultado se, ao invés de ficarmos tentando compreender como somos, deixássemos que nossas atuais máquinas se ocupassem em fazer isso? Vejamos: programas de inteligência artificial estão cada vez mais eficientes ao sugerir a próxima palavra que iremos digitar em uma sequência de texto. Não é à toa que esta tecnologia, chamada de linguagem preditiva, já se encontra implementada em diversos mecanismos de busca e aplicativos de texto. Curiosamente, as rotinas que servem de base para estas previsões são também as mesmas utilizadas por estas máquinas para entender e responder às nossas perguntas ou para resumir e classificar os documentos em linguagem humana. A explicação para isso é que emulam o nosso raciocínio e a nossa compreensão. Ocorre que estudos de neurociência do MIT sugerem que esta semelhança é genuína e que biologicamente os centros de processamento de linguagem no cérebro utilizam mecanismos semelhantes aos que desenvolvemos em nossos computadores para essa função. “É incrível que os modelos se encaixem tão bem, e isso sugere muito indiretamente que talvez o que o sistema de linguagem humana está fazendo (ao pensar) é prever o que vai acontecer a seguir” – disseram os cientistas do MIT. Ora, eis aí a tão reconhecida, boa e velha mania do Homo sapiens de ficar pensando sobre o seu futuro. E nossas mentes merecem que o futuro não seja apenas uma reedição do que já não funcionou nada bem no passado. 

‎Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*


REFORMA DO JUDICIÁRIO

Temos criticado o Executivo e o Legislativo, mas o Judiciário está nos devendo muito. O seu custo é muito superior ao de países desenvolvidos. Cerca de 40% dos presidiários, a maioria deles pretos e pobres, ainda não foram julgados. Os prazos enormes dos processos são conhecidos por todos. Nos anos 1980 comprei um terreno em um loteamento aprovado pela prefeitura e registrado no registro de imóveis e, algum tempo depois, o Ministério Público pediu em juízo que a área se tornasse reserva vegetal, o juiz concordou e há mais de 20 anos está tudo bloqueado sem solução. Com um Judiciário caro e que não atende às necessidades da população não é possível termos um país justo, temos que conseguir reformá-lo.

Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com

*

O QUE ESPERAR?

Não é surpreendente que uma boa porcentagem da sociedade brasileira culpe a mulher pelo estupro, sob o argumento de que o realce por ela exibido para chamar a atenção sobre os encantos femininos é que é responsável pela erupção de posse sexual forçada, exteriorizada por psicopata propenso a satisfazer seu impulso patológico. Trata-se, evidentemente, de uma visão altamente preconceituosa que deve ser por todos os meios condenada e repelida. No entanto, o que esperar de um país detentor de uma das maiores taxas de homicídios no mundo, no qual, frequentemente, vítimas da violência cotidiana nas grandes metrópoles são agredidas e até assassinadas por portarem meros objetos de desejo como celulares e tênis de marca? Naturalmente, as mulheres atacadas sentem-se desprotegidas e frustradas por uma justiça que muitas vezes cuida mais dos interesses dos bandidos, libertando-os e recolocando-os nas ruas por serem considerados desfavorecidos pelo sistema, ou absolve estupradores sob a justificativa de que não puderam resistir à ousadia provocativa de um traje feminino.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CADERNETA DE SAÚDE

Recentemente passei por diversos postos de saúde e hospitais

procurando uma caderneta de saúde de recém-nascido, que sempre foi

fornecida gratuitamente pelo Ministério da Saúde, mas fui informado que

não a fornecem mais e agora só a encontramos para comprar de terceiros na internet. Entrei no sítio do Ministério da Saúde para baixá-la e

imprimir, mas não a disponibilizam. Ter um filho no Brasil

tem um custo extremamente alto e o governo demonstra total desprezo

pelos futuros cidadãos ao negar o primeiro e único livreto com as

informações básicas sobre saúde e vacinas. Negar esse livreto básico é

uma afronta à Constituição e ao Estatuto da Criança e do Adolescente,

sobretudo àqueles que não possuem condições financeiras de acompanhar a saúde e o desenvolvimento de seu filho. Até quando o gigante permanecerá adormecido em berço esplendido?

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.