Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

08 de novembro de 2021 | 03h00

Orçamento secreto

Pagamentos suspensos

Arre, finalmente! A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu um breque na manobra de pura safadeza que é o tal orçamento secreto, cujo dinheiro, distribuído em emendas a parlamentares, não se sabe como, onde nem quando será usado. Louve-se a criatividade da politicalha corrupta, que o que mais sabe fazer é criar meios de meter a mão gorda no erário. Tomara que este orçamento fantasma acabe por aí.

Laércio Zanini spettro@uol.com.br

Garça

*

Vergonha descoberta

A ministra Rosa Weber concedeu liminar suspendendo os empenhos e pagamentos que estavam sendo realizados pelo relator-geral, da Câmara dos Deputados, identificados pelo código RP-9, e que estão na base do chamado orçamento secreto. Além da suspensão, a ministra determinou que ocorra transparência na aplicação das verbas, com demonstração dos ofícios endereçados aos locais onde as verbas serão aplicadas por indicação dos deputados. Sem dúvida, é uma decisão digna de aplausos, porque determina a prevalência do ditame básico do orçamento da República: a publicidade ou a possibilidade de análises sem obstáculos e restrições. Sob o manto da ilegalidade, os deputados, além de conseguirem beneficiar seus redutos eleitorais em decorrência de apoios ao governo e em detrimento de outros, também obtiveram vantagens nas aquisições de tratores e máquinas outras. A vergonha nacional, enfim, foi posta a descoberto.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

Segredo

Faz todo sentido chamar de “orçamento secreto” do governo, porque, se os brasileiros descobrissem onde e como é gasto esse dinheiro público, a revolta seria inimaginável.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

‘PEC da Reeleição’

Quando a colunista de política Eliane Cantanhêde disse que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios é a PEC da Reeleição (Estado, 5/11, A12), ela está corretíssima. Basta ver a proposta de distribuição do dinheiro que a PEC pode gerar: mais da metade vai para ajudar Jair Bolsonaro a se reeleger em 2022. Somente o PT e pequenos partidos de esquerda perceberam a manobra dos bolsonaristas. Esta semana haverá o segundo turno da votação da proposta na Câmara dos Deputados, que pode ser a salvação do País, porque, pelo visto na primeira votação, a tal terceira via morreu precocemente.

Toshio Icizuca toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

Ciência

Renúncia coletiva

Após o presidente Jair Bolsonaro revogar a homenagem da Ordem Nacional do Mérito Científico a dois cientistas responsáveis por trabalhos que desagradaram ao governo, outros 21 profissionais que foram agraciados com a honraria decidiram renunciar à indicação em solidariedade aos colegas. Mas quando será que a ficha do presidente vai cair? Será que é tão difícil assim enxergar o ridículo a que sempre se presta, ou é seu objetivo realmente virar a grande chacota da história do Brasil?

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

5G no Brasil

EUA ou China

Muito tem sido falado sobre o leilão das faixas de 5G, mas sumiram as notícias sobre a disputa entre os EUA e a China pela venda dos equipamentos e sistemas necessários. Ficará por conta das concessionárias a escolha? Poderemos ter concessionárias usando sistema americano e outras, o chinês?

Luiz F. Monteiro de Barros lfmmbarros@gmail.com

São Paulo

*

Acidente aéreo

Os cabos da Cemig

A falar verdade, a queda do avião em Minas Gerais, na sexta-feira, em que morreram cinco pessoas, entre elas a cantora Marília Mendonça, é culpa aquiliana (falta ou dever fundado num princípio geral de Direito, lei, por exemplo, no caso), in omitendo e in vigilando (omissão e falta de vigilância) da Cemig, que não colocou as obrigatórias bolas laranja nos cabos de alta tensão. Responderá a companhia por sua culpa? Ou, como sói acontecer, terminará em “embargos de gaveta”?

Fernando de Oliveira Geribello fernandogeribello@gmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PORTUGAL E BRASIL SÃO OS MAIS VACINADOS

Novo paradigma de inteligência prática no mundo é o que as populações de Portugal, na Europa, e do Brasil, nas Américas, estão demonstrando ao planeta, em relação ao porcentual de vacinados dos dois países, no momento em que uma “quarta onda” de infectados pelo coronavírus se espalha por países da Europa. Muitos desses países ainda têm grande número de pessoas não vacinadas, por motivos de individualismo, motivos ideológicos de extrema direita ou de extrema esquerda burras, motivos religiosos de extremo atraso mental ou por burrice e teimosia inata, como do clã presidencial do Brasil, um país em que a população é mais inteligente que seus dirigentes. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*


ELEIÇÕES

Estou surpresa com a reação de alguns brasileiros que repudiam as candidaturas de Dallagnol e Moro. O que essas pessoas querem? Que entreguemos o País nas mãos de oportunistas? Não é preferível saber que elegemos pessoas que entendem de legislação, a eleger ignorantes que são manipuláveis e se deixam levar pelas velhas raposas de sempre? Basta ver o que Davi Alcolumbre vem fazendo, como presidente da CCJ. Esse Congresso que aí está é o mais caro do mundo e o que menos produz. Vamos acordar minha gente. O Brasil precisa de gente para consertá-lo e não jogá-lo ainda mais para o buraco. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

AS VERDADES DE BOLSONARO

A Polícia Federal (PF) interrogou o presidente Jair Bolsonaro sobre a acusação de interferência política na corporação. No depoimento, Bolsonaro negou interferência na PF e afirmou que trocou seu comando por questão de diálogo, e disse que o ex-ministro Sérgio Moro teria concordado com a nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da instituição, desde que ocorresse após sua indicação (de Moro) para ministro do Supremo Tribunal Federal. Porém, quem conhece os caracteres de Bolsonaro e de Moro sabe, perfeitamente, que nesta história, pessimamente mal contada, há um inocente e um verdadeiro canalha. Alguém apostaria as suas fichas em quem é quem? Pois eu aposto todas as minhas e, por tal, meu voto, em 2022, já está decidido.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ATÉ QUANDO?

Até quando o Brasil vai tolerar a compra e a venda de votos no Parlamento? Isso é crime e deveria ser tratado como tal, cadeia para quem compra e cadeia para quem vende votos no Congresso, simples assim.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

DRAMA DOS PRECATÓRIOS

Meu pai ingressou na inglesa SPR (São Paulo Railway) em 1942, transformada em Estrada de Ferro Santos-Jundiaí e posteriormente encampada pelo governo federal , atualmente denominada RFFSA. Pessoa oriunda do sertão, de baixa escolaridade, meu pai sempre trabalhou em funções de baixa remuneração e que exigiam força bruta. Somente quando estava prestes a se aposentar, fazendo cursos profissionalizantes e com ajuda de seus dois filhos conseguiu chegar a um cargo de chefia. Logo em seguida, sofreu um acidente no local de trabalho, em consequência do trabalho, mas que não foi considerado “acidente de trabalho”. Como já era titular de várias ações judiciais pendentes, das quais jamais havia recebido “um tostão” e já tinha dificuldades para andar, optou pela aposentadoria e sobreviveu graças à ajuda de seus filhos e a alegria de vê-los com diplomas universitários. Já no fim da vida, tendo amputado uma perna em consequência do mencionado acidente, recebeu uma desprezível indenização dos tempos que ainda era trabalhador, que em nada mudou sua vida. Tempos depois, quando meu único irmão já havia falecido e minha cunhada fazia o possível para sobreviver, como professora municipal e estadual, com três filhos menores. Quando já havíamos perdido as esperanças e meu pai já havia falecido, recebemos uma indenização, que havia sido ajuizada 38 anos antes. Eu e meus três sobrinhos (herdeiros por representação ) recebemos a indenização em valores ínfimos (eita precatórios!!!), em 20 parcelas trimestrais, cada uma corrigida pelo índice mais desfavorável aos beneficiários, vigente durante o malfadado regime militar. Aproveito para agradecer ao ex-presidente Fernando Collor de Mello por ter gasto muito dinheiro tentando recuperar 20% do confisco na compra de um veículo, sem nunca ter recebido tal valor. Esse é o motivo pelo qual fico com a saúde abalada quando ouço a palavra “precatórios”, pois lembra-me pilantragem e enganação, ou seja , nada que se possa estranhar no presente governo.

Carlos Gonçalves de Faria marshalfaria@gmail.com

São Paulo

*

BOLSONARO NO FIO DA NAVALHA

Com as decisões oportunas da ministra Rosa Weber, de suspender a distribuição aos parlamentares das verbas do orçamento secreto (ao todo R$ 18 bi) e de dar um prazo de 24 horas para o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), explicar (o inexplicável) como fez a votação da PEC dos Precatórios, já aprovada em 1º turno, certamente, a governabilidade de Bolsonaro vai ficar no fio da navalha. Mesmo porque, para não sofrer a possibilidade de seu impeachment, transferiu seu governo para as mãos do Centrão. Sem as verbas bilionárias secretas e a provável não aprovação em 2º turno da PEC dos Precatórios, um calote aos credores com a desculpa que serviria para o programa Auxílio Brasil, de R$ 400,00 mensais aos beneficiários, deputados e senadores estão para reajustar o fundo partidário de R$ 2 bilhões para mais de R$ 5 bilhões, e mais verbas para orçamento secreto. Ora, sem essa mamata federal, o Centrão, certamente, vai abandonar o Planalto. E o equilíbrio fiscal agradece! Porque essa história estúpida de furar o “teto dos gastos” poderá chegar a um fim melancólico para o Planalto e o Congresso.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MAIS UMA CRISE ENTRE OS PODERES          

Corretamente, a ministra do Supremo Tribunal Federal Rosa Weber suspendeu o pagamento de verbas ilegais à politicagem, conhecido como orçamento secreto. Por sua vez o Legislativo, que já estava gastando por conta, deve se rebelar e abrir mais uma crise entre os Poderes pela intromissão do Judiciário naquela Casa. Na verdade, o Legislativo acha que pode tudo, só que não. Violação na transparência do uso dos recursos, não deixa de ser um “caso de polícia”. Mais um vergonhoso tiro que saiu pela culatra para a coleção do chefe do Centrão, negacionista e genocida Jair Bolsonaro, que já está acostumado com tanta vergonha!       

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*


ORÇAMENTO SECRETO

A suspensão do orçamento secreto pela ministra Rosa Weber é um acerto,

e mostra a Bolsonaro que a sua sanha por coisas secretas e escondidas

não será suportada pela lei.      

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

BENEFICIÁRIOS DO ORÇAMENTO SECRETO

Só faltou o Estadão publicar os nomes e os valores recebidos pelos “parlamentares” que se beneficiaram com a venda de seu apoio a Bolsonaro, no caso da excrescência do chamado orçamento secreto. Eles certamente continuarão a se corromper de todas as formas até por falta de ética e desprezo a quem os elegeu.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

FORAM LONGE DEMAIS

O governo Bolsonaro veio por sua natureza tóxica acordar em nós a urgente necessidade de mudanças na nossa habitual tolerância, e mesmo negligência, em relação aos valores éticos e morais que têm caracterizado grande parte da classe política brasileira. Foi horrível tomar conhecimento de parlamentares deixarem-se comprar com tanta facilidade, a céu aberto, por verbas que os dispensam até de demonstrar aos seus representados em que vão gastá-las, isso por ser parte de um orçamento secreto. Secreto por que se é dinheiro do povo que, portanto, não lhes pertence? O fato de essa excrescência vir por iniciativa deste governo não é de estranhar, dado que para se reeleger topam até quebrar o Brasil e usar dinheiro de dívidas, mas isso ser compartilhado com 312 deputados federais é de dar engulhos. Se Bolsonaro e Guedes não se constrangem em usar os pobres para conseguirem seu intento, por favor, tomem vergonha, senhores deputados. Parem de compactuar com a imoralidade e descaso pelas consequências de tanta insensatez! O Brasil precisa de políticos com espírito cívico, ético e, sobretudo, patriótico para que possamos todos viver num país mais justo, mais digno que nos proporcione esperança e orgulho real e genuíno de sermos brasileiros. Chega de bandalheira. Já passaram do limite e foram longe demais. Agora basta!

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas

*

POLÍTICOS

É inacreditável a falta de constrangimento de nossos políticos. Vendem seus votos para ações que só beneficiam a eles e o governo em detrimento da população brasileira com a maior transparência. Com certeza não valem os votos que recebem.


Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*


LIÇÃO DE DECÊNCIA – MEDALHAS RECUSADAS

Depois de o instável Jair Cloroquina Bolsonaro nomear 23 renomados cientistas brasileiros para receberem a Ordem Nacional do Mérito Científico, cassou o nome de dois por descobrir que foram críticos da forma pela qual o seu desgoverno gerenciou a pandemia de covid-19 no Brasil. Numa atitude inédita, os restantes 21 renunciaram coletivamente à referida honraria, emitindo uma dura crítica às atitudes vingativas do capitão. Em junho passado, o nosso astronauta Marcos Pontes foi agraciado pela medalha do Mérito Oswaldo Cruz. Foi chamado depois de incompetente e de baixíssimo QI pelo colega Paulo Guedes, que, para completar, tirou sem consultá-lo, R$ 600 milhões da modesta verba de ciência/pesquisa/inovação do CNPq. O astronauta não renunciou em protesto!

Omar El Seoud, elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

NÃO ESTÃO PERDENDO NADA

A revogação da homenagem da Ordem Nacional do Mérito Científico ao médico sanitarista Marcus Vinícius Guimarães de Lacerda e à dra. Adele Benzaken foi um insulto não somente a eles, mas à comunidade científica brasileira séria, por quem Jair Bolsonaro nunca teve respeito de fato. Para o presidente, que não entende nada de ciência e deveria ser processado por exercício ilegal da medicina, cientista bom é só aquele que pensa como ele. Verdade seja dita: receber uma homenagem deste governo, a essa altura, é motivo de constrangimento. Meus colegas não estão perdendo nada. 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

SANDICES DE ESTUPRADOR

O mito de araque estrebuchou porque o Tribunal Superior eleitoral (TSE) cassou o mandato do deputado Fernando Francischini, por espalhar notícias falsas. Do alto de sua infinita e irretocável boçalidade, Bolsonaro chamou de “estupro” a decisão do TSE (Estadão – 5/11). Bolsonaro fala de cátedra. Estupra e deslustra o cargo diariamente. Mesquinho, revogou títulos de grão-cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico, concedidos a dois pesquisadores. Repudiando e protestando contra o gesto torpe do presidente, diversos cientistas devolveram a comenda que haviam recebido. Bolsonaro tem vasto histórico de estupros na chefia da nação. Estuprou a ciência, debochando da importância da vacina no combate ao vírus da covid-19; estupra jornalistas com grosserias, ameaças e patadas; estupra o bom senso, tirando fotos com criança armada com fuzil; estupra a verdade, fazendo discurso mentiroso na ONU; e estupra a vacina, insinuando que ela causa aids. Bolsonaro também estupra a dignidade da boa e qualificada política, tornando-se refém do guloso e nada republicano Centrão. Resta a certeza de que os brasileiros vão enxotar Bolsonaro do cargo nas urnas de 2022.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 

Brasília

*

ABERRAÇÃO

É uma aberração, o Brasil cheio de problemas, não extinguir os fundos eleitoral e partidário que consomem bilhões de reais. Considerando que a classe política tem recursos para se manter e bancar a campanha eleitoral. É jogar dinheiro fora que poderia ser utilizado em benefício coletivo.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

TRAGÉDIA NA MÚSICA 

Cala-se a fala popular, cantada com voz potente, de uma jovem chamada Marília Mendonça. A sofrência agora é só tristeza. Estrela da música brasileira, cantou como poucos as dores do amor. Leva com ela toda a saudade de um país que se apaixonou pela rainha da sofrência. Com sucessos como Infiel Ausência, Marília Mendonça fez das plataformas digitais palco de interação com os fãs. Patroa do nosso coração, Marília era uma fonte de alegria para milhões de fãs. A cantora de voz grave e potente emocionou o Brasil até o último dia de vida. 

Do rapper Emicida, passando por Caetano Veloso, Gal Costa e a dupla Simone e Simaria, todos destacaram a importância da cantora para a música brasileira. 

José Ribamar Pinheiro Filho pinheirinhosb@gmail.com 

Brasília

*

LUTO

Do trágico acidente aéreo, em Minas Gerais, que tirou precocemente de cena a jovem e talentosa cantora-compositora Marília Mendonça – a artista brasileira mais ouvida em um ranking do YouTube e a 13ª em todo o mundo, vencedora de um Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Sertaneja por Todos os Cantos, e seguida por quase 40 milhões (!) de fãs nas redes sociais, cabe reproduzir as palavras do padre cantor Fábio de Melo: “Não é só uma voz que se cala; é uma filha que se foi, é uma mãe que não volta. Quantos morrem naquele que morre? Com você, Marília, morreu uma multidão”. De luto, a música brasileira faz em sua homenagem um minuto de respeitoso silêncio e imensa sofrência pela inesperada e dolorida partida. Viva Marília! 

J. S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A INSATISFAÇÃO DA EXISTÊNCIA

O sentido da vida. Há algum? Talvez pensar a vida em termos de nossa finitude seja algo à primeira vista aterrorizante em que pese ser nosso destino findar a vida. Talvez o nosso ser tenha mesmo que ver com este destino. Se, por um lado, é a razão que nos ilumina, por outro, é ela mesma que nos faz tomar consciência da finitude de nossa existência neste mundo. A simbologia da morte que carrega em sua transitoriedade perante este mundo reside precisamente na capacidade de nos pôr face a face com tal assombro.

No entanto, uma vida com propósito parece se pôr como resposta à indagação posta logo no início deste texto. Ao passo que a vida se finda, a possibilidade de uma vida com propósito apta a ser vivida e saboreada surge como esperança ao fim. Há a possibilidade de realização perante este plano. Nada mais, nada menos, apenas o propósito. Sem ele, tudo parece fugaz e amorfo. Neste sentido, o sentido é o propósito.

João Marcelo Brito da Silva joao.marcelo.b.silva@gmail.com

*

A IMORTAL

Fernanda Montenegro já era imortal, atriz imortal, voz, ética,

caráter, talento imensurável. Ser eleita pela Academia Brasileira de

Letras (ABL) apenas reafirmou sua imortalidade.

Marcos barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

ABL

Não tenho absolutamente nada contra a atriz Fernanda Montenegro, considero-a uma excelente profissional. Não compreendo por que ela foi eleita para a ABL. Com o que ela contribuiu para merecer isso?

A “arte” que ela exerce é semelhante à de esportistas como Pelé, Oscar Schmidt, Robert Scheidt, pintores, escultores, arquitetos, etc.

É a banalização da Academia Brasileira de Letras e da cultura brasileira.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

São Paulo

*


MUDANÇA DE PARADIGMA NAS ARTES

Eleita para a ABL, Fernanda Montenegro diz: “Artistas hoje vêm sendo estrangulados pela política”. Não faz muito tempo, havia um seleto grupo de artistas que, por bom período, foi fartamente amamentado pela política. Fernanda também disse: “A nossa sociedade vê a mulher na menopausa como apenas um instrumento em finitude”.

Ora, estamos vivendo um período de mudança de paradigma. Cabe sim ao governo criar condições para o florescimento das artes, mas é preciso repensar o modelo desta parceria.

Jorge A. Nurkin jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.