Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2021 | 03h00

Orçamento

Transparência é tudo

O fato de o Supremo Tribunal Federal (STF) ter formado maioria e chancelado a decisão provisória da ministra Rosa Weber, de suspender o pagamento de emendas do “orçamento secreto”, é, sem dúvida, uma vitória da democracia e dos princípios basilares da República. O orçamento público não pode ter dono, não pode ser manejado de qualquer jeito e, principalmente, não pode ser usado como moeda de troca em votações. Além disso, transparência na execução orçamentária é a regra básica. A inconstitucionalidade é notória e, portanto, está dentro das competências do STF barrar este tipo de conduta. Não houve abuso de competência privativa de outro Poder. Houve, na prática, um freio ao velho toma lá da cá de Brasília.

Willian Martins martins.willian@yahoo.com.br

Guararema

*

PEC dos Precatórios

A Câmara dos Deputados aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios em segunda votação, no que seria uma resposta ao que pareceu ser intervenção indevida do STF naquela Casa legislativa: a decisão do Supremo de suspender o “orçamento secreto”.

Paulo T. J. Santos ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

Informação

A propósito da discussão sobre a PEC dos Precatórios, que agora segue para votação no Senado, seria o caso de dar publicidade, também, às características de tais dívidas. Caberia prestar informações ao público acerca da questão como um todo: a origem das dívidas, o perfil dos devedores, entre outras coisas, de modo que a sociedade civil possa avaliar com mais clareza o projeto em debate.

Patricia Porto da Silva portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

Pandemia

20 meses depois

O registro de zero mortes por covid-19 em São Paulo na segunda-feira, depois de 20 meses de pandemia e da vacinação, só confirma a responsabilidade de Jair Bolsonaro nas mais de 600 mil mortes, com seu negacionismo, na demora na compra de vacinas e na campanha por não se vacinar. Diga-se que até hoje o presidente diz não ter se vacinado.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

A eficácia dos imunizantes

A vacinação garantiu o índice zero de mortes por covid-19 em São Paulo. É um tapa na cara daqueles que negam a eficácia dos imunizantes, os defensores do obscurantismo que ainda insistem, por exemplo, em contrariar a exigência do passaporte de vacinação para ingresso em dependências públicas, instituída para garantia de quem quer continuar preservando sua saúde.

Lairton Costa lairton.costa@yahoo.com

São Paulo

*

Renovação de CNHs

Com o maior controle da pandemia de covid-19, foi publicado novo calendário para a revalidação da carteira nacional de habilitação (CNH) de motorista no Estado de São Paulo. A pandemia fechou os Detrans e paralisou a renovação dos documentos, que foi prorrogada. Agora, até outubro de 2022 serão atendidos, mensalmente, os motoristas cujo documento venceu entre março de 2020 e dezembro de 2021. Nunca é demais lembrar que, mesmo com mais de 156 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose (73,28% dos brasileiros) e 121,76 milhões (57,09%) com a imunização completa, o vírus continua circulando entre nós. Não devemos baixar a guarda para evitar nova onda pandêmica, como tem ocorrido em alguns países onde o povo foi obrigado a voltar à quarentena. A melhor opção em relação à covid-19 é não contraí-la. Prevenção é fundamental.

Dirceu Cardoso Gonçalves  aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

Combustíveis

Delivery

Jamais imaginei viver para ver tal disparate: delivery de combustíveis! Só as mentes privilegiadas da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) poderiam produzir tal absurdo. Os bandidos já não precisarão se dar ao trabalho de assaltar postos de combustível, pois poderão incluir no pacote incêndio o preço e o frete. Pedirão por aplicativo? Pagarão pelo PIX? Nunca um governo facilitou tanto a vida dos marginais. Material para pôr fogo em cada quarteirão do País não vai faltar. Exultai, bandidagem das facções e milícias!

Ricardo Hanna ricardopapi@bol.com.br

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

FLÁVIO BOLSONARO INOCENTADO

A matéria STJ atende Flávio e anula decisões de 1.ª instância sobre ‘rachadinhas (10/11, A11) ilustra bem a razão básica de o nosso Judiciário ser o mais caro do planeta, custando ao pobre contribuinte brasileiro em termos de PIB dez vezes mais que nos EUA, e ser tão ineficiente. Afinal, todo esforço investigativo e trabalho realizado pela 27.ª Vara Criminal do Rio de Janeiro foi, agora, simplesmente anulado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Que vergonha!

Jose Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

SEM VERGONHA

O STJ acatou o pedido de Flávio Bolsonaro e anulou a investigação. Cada vez mais tenho vergonha do STJ, do STF e de tudo o que representa a Justiça no Brasil. Alegaram que as provas são inválidas. Fácil é alegar, difícil é acreditar e provar. Se Flávio Bolsonaro é tão honesto, como diz, por que tanta celeuma? O que ele não tem é vergonha!

Károly J. Gombert kgombert@gmail.com

Vinhedo

*

JUSTICA & INSTÂNCIAS RECURSAIS

O STJ faz com Flávio Bolsonaro o que o STF fez com Lulla.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DIRETO AO PONTO

País em que tudo pode não pode nada.

Ricardo C. Siqueira ricardocsiqueira@lwmail.com.br

Niterói (RJ)

*

MARACUTAIA

Não se trata de equívoco, mas sim de uma maracutaia vergonhosa para isentar Flávio Bolsonaro de culpa.

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

SANTO FLÁVIO

O mundo político vibrou; os católicos iluminaram os céus com preces e velas gigantes; os franciscanos lavaram a alma, acabaram com o estoque de detergentes nos mercados; os sinos das igrejas repicaram; o Palácio do Planalto ajoelhou-se e chorou. No Rio de Janeiro, Fabrício Queiroz soltou foguetes, distribuiu santinhos com o rosto do amado afilhado e bebeu todas. As comoventes manifestações de memorável felicidade têm justificável motivo: os impolutos ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) inocentaram o senador Flávio Bolsonaro das denúncias de rachadinha dos tempos em que o filho 01 foi deputado estadual no Rio de Janeiro. Os isentos e sábios magistrados decidiram que as provas robustas apresentadas pelo Ministério Público eram conversas fiadas, fruto da imaginação e inveja do outrora incansável comerciante de chocolates. Não pairam mais dúvidas. O parlamentar passará a ser conhecido como Santo Flávio. O STJ já enviou para o Vaticano a papelada para a canonização do senador. Não mandaram, por puro esquecimento, o relatório da CPI da Covid em que o senador é indiciado. Breve, o prendado 01 será conhecido por Dom Flávio. Eufórico com a honestidade e pureza do colega, comprovadas pelo STJ, o presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco, mandou construir um Flávio Móvel, idêntico ao papamóvel do Santo Pontífice. À prova de ovos e tomates. O pai orgulhoso do filho imaculado mandou trocar o slogan “Pátria amada, Brasil” para “Pátria amada do Santo Flávio”. Sucesso garantido nas eleições de 2022. Lula confidenciou para graduados petistas que pretende conversar com Flávio. Não custa nada. Não tira o pedaço. O que importa é a grandeza do Brasil. Afinal, é melhor dois santos de pau-oco nas mãos do que Moro na espreita.

Vicente Limongi limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

MORO PARA 2022

A menos de um ano das eleições de 2022, diante da grave ameaça da volta do ficha suja Lula ou da reeleição do boca suja Bolsonaro, a apresentação da candidatura do respeitado ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro pelo Podemos é uma lufada de vento fresco, uma luz na escuridão do túnel em que o País entrou. Bem-vindo, seja!

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

ESPERANÇA NA POLÍTICA

Sergio Moro filia-se ao Podemos e, certamente, será candidato à Presidência da República. Conseguirá cooptar e atrair quase a totalidade dos eleitores de Bolsonaro que acreditou no combate à corrupção, nas atuações neoliberais, nas privatizações e nos procedimentos diversos do Centrão, mas encontrou apenas decepção. Hoje, Bolsonaro é o Centrão. Como consequência, o discurso de Sergio Moro deve ter toda credibilidade, porque foi o arauto contra a corrupção. Mas construir um Brasil justo para todos é o seu lema maior, além de outras atuações econômicas. Temos, assim, um excelente candidato da terceira via, com moral e antecedentes capazes de alterar a atual política retrógrada, não ética, prejudicial ao País e desnorteada de Bolsonaro.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br>

Rio Claro

*

Os bolsonaristas tentaram denegrir a imagem  do ex-ministro Sergio Moro,  chamando-o de "traíra" por ter saído do governo, atitude cheia de razão, pois Bolsonaro aparelhou a Polícia Federal. Após seu discurso ao se filiar ao Podemos, ficou claro que Bolsonaro e seu grupo vão precisar de muito mais para tentar derrubá-lo.

Luiz Frid

São Paulo

*

ESQUERDA PERDIDA

Enquanto o Moro está no jardim da infância da política, é um joguete entre a direita e a esquerda, um bobo da corte; a esquerda é burra, espera que alguém acredite nela!

Eugênio José Alati eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

APOIO AO PT

Pelo andar na carruagem, o presidente Jair Bolsonaro pretende se filiar ao partido do corrupto Valdemar Costa Neto, onde já existem vários deputados interessados em apoiar o PT. Chega-se à conclusão que, em poucos dias, se tudo virar realidade, Jair Bolsonaro fará chapa com a “tigrada” ou até mesmo dar seu apoio incondicional ao condenado Lula da Silva. Quem viver, verá!

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DUPLA PERFEITA

Para as eleições para presidente da República em 2022, que tal a chapa Jair Messias Bolsonaro e Valdemar Costa  Neto? Na minha opinião, seria a solução para o nosso Brasil afundar de vez.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

ORÇAMENTO SECRETO

Arthur Lira é réu no Supremo Tribunal Federal (STF), tem feito uma gestão inteiramente dedicada à causa da corrupção e do desvio de dinheiro público, sofreu um revés imposto pela ministra Rosa Weber e referendado pela maioria do STF. O tal orçamento paralelo e as emendas secretas são absolutamente inconstitucionais, indecentes e indefensáveis, mesmo para o padrão de roubalheira generalizada que impera na política brasileira. Derrotado, Arthur Lira ameaça retaliar o STF. Seria oportuno se o STF fizesse um esforço heroico para, uma vez na vida, proferir uma sentença transitada em julgado no caso em que o valentão Arthur Lira é réu. Lira pode dormir tranquilo, é bem mais fácil o mar virar sertão do que o STF concluir um julgamento.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

DESFAÇATEZ

Gilmar Mendes não emenda. Peço perdão pelo trocadilho infame, mas é exatamente isso o que quero dizer. Esse ministro de atitudes que muitas vezes insultam o senso comum do que é tomar decisões corretas no cargo que ocupa, mais uma vez “escorrega na casca da banana”, utilizando um “meio termo”, segundo a colunista Eliane Cantanhêde, “liberando recursos, mas exigindo transparência”, no caso do uso do orçamento secreto, vulgo “tratoraço”. Felizmente, até agora, foi o único a propor essa “bandalheira”. Mais uma vez, peço perdão pelo termo forte, mas não encontro outro melhor para tratar tamanha desfaçatez.

Jane Araújo janeandrade48@gmail.com

Brasília

*

‘O ESTADO É MEU CLÃ!’

"Hoje tenho 10% de mim dentro do STF". Com essa declaração, Bolsonaro admitiu que o ministro Nunes Marques é seu filho,   carregando seu DNA ao Supremo e fechando o círculo familiar  nos Três Poderes da República, já que tem filhos no Senado e na    Câmara Federal. "O Estado é meu clã!"

PAULO SERGIO ARISIpaulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

ESTÃO QUEBRANDO O BRASIL

Não cabe ao Poder Judiciário decidir qual política orçamentária é mais adequada ao País. O problema não é esta questão. É a anterior. Cabe o vale tudo do Executivo e Legislativo? Estão quebrando o Brasil.

Alice Arruda Câmara de Paula alicearruda@gmail.com

São Paulo

*

FIM DO DESGOVERNO

As coisas honestas merecem propaganda, as desonestas necessitam de segredo. Fez bem o STF em obrigar tornar públicas as verbas do orçamento secreto. O presidente Bolsonaro, para não ser impedido de governar o Brasil, vinha comprando os deputados com dinheiro do orçamento secreto - operação muito parecida com a do mensalão de Lula. A compra de votos no Congresso Nacional por parte do presidente da República consistia em colocar no Orçamento da União, fundo público de dinheiro com origem nos impostos, valores para atender aos pedidos dos deputados. O orçamento é chamado secreto porque não existe transparência no destino do dinheiro, que pode acabar no bolso dos deputados. A imposição de transparência no destino do dinheiro público imposta pelo Supremo Tribunal Federal. Dificulta a compra de votos por parte do presidente Bolsonaro. E complica a vida dos deputados prostituídos, pois serão obrigados a mostrar para onde foi o dinheiro. O fim do orçamento secreto e do esquema de compra de votos pelo presidente da República pode levar ao fim o corrupto desgoverno Bolsonaro.

Francisco Anéas franciscoaneas66@gmail.com

São Paulo

*

RADICALIZAÇÃO POLÍTICA NO CHILE

O impeachment de Sebastián Piñera não vai ser aprovado pelo Senado no Chile. Faltando apenas quatro meses para o término do mandato, o intuito é apenas desgastar o presidente e inviabilizar o candidato do seu partido no primeiro turno da eleição presidencial. A radicalização política e a polarização ideológica indicam um segundo turno entre dois candidatos em polos opostos do espectro político: Gabriel Boric (com apoio do Partido Comunista) versus José Antonio Kast (defensor da ditadura de Augusto Pinochet). O país voltará rachar, como ocorreu no período de 1970-1973, durante o mandato de Salvador Allende.

Luiz Roberto da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

BODES EXPIATÓRIOS

O efeito estufa atingiu até o futebol profissional. Torcedores do Grêmio quebram a cabine do VAR, em protesto contra a má fase da equipe. Na Vila Belmiro, um garoto de 9 anos de idade e torcedor do time do Pelé, é ameaçado de agressão por ter ganhado a camisa do goleiro reserva do Palmeiras. Na França, atleta da equipe feminina do PSG arma emboscada para colega com o intuito de alijá-la da equipe e ocupar seu lugar. Até o futebol atual deixa saudades de outrora. O mundo não é mais o mesmo.

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.