Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2021 | 03h00

Meio ambiente

A floresta e a pobreza

No meio de discursos dramáticos – “o planeta está a um minuto da meia-noite” – do primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson; de avanços inesperados; do anúncio de acordo “ambicioso” para reforçar a cooperação bilateral China-EUA no enfrentamento do aquecimento global; e de manifestações diárias barulhentas em Glasgow; nosso ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, saiu-se com a seguinte pérola: “Onde há muita floresta, há muita pobreza”. A conclusão óbvia é de que derrubar e queimar a floresta não são atos criminosos contra o meio ambiente, mas elementos de uma política sistemática e planejada de combate à pobreza. Em questão de declarações toscas, o aluno superou seu mestre, Ricardo Salles.

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

Destruição

A frase patética do ministro do Meio Ambiente fechou de maneira melancólica a vergonhosa participação do Brasil na Conferência do Clima. A realidade dos fatos é bem diferente do raciocínio tosco do ministro: o Brasil é o país que mais derruba florestas no mundo e a miséria por aqui só aumenta. O crescimento insustentável do agronegócio brasileiro não trouxe benefício algum para o País. Mesmo batendo todos os recordes de desmatamento, de queimadas e erradicação de florestas, o Brasil só viu crescer a miséria. E, mesmo sendo o maior produtor mundial de alimentos, só vê crescer o número de pessoas passando fome. Poucos são capazes de tanta destruição com apenas uma frase.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Lixo fashion

É vergonhoso, sob todos os aspectos, o descarte de roupas de grife no Deserto do Atacama, no Chile. Em tempos de barulho promovido pela COP-26, evidencia-se mais um capítulo da hipocrisia dos países desenvolvidos na farsa ambiental. Muito conveniente aos EUA e à Europa simplesmente despejar seus dejetos fashion em países subdesenvolvidos, e é vergonhoso estes aceitarem a esmola em forma de poluição ambiental em seu território. Greta Thunberg tem razão, é um blá-blá-blá de nações ditas civilizadas ludibriando o mundo com a falácia das boas intenções.

Ana Silvia F. P. P. Machado anasilviappm@gmail.com

São Paulo

*

Eleições 2022

Sergio Moro

A Operação Lava Jato revelou um esquema de corrupção bilionário na Petrobras. Alguns executivos da petroleira, das empreiteiras e políticos foram investigados e presos. O ex-juiz Sergio Moro, que fazia parte da força-tarefa da operação, ficou conhecido pelo combate à corrupção no Brasil. Moro se filiou ao Podemos na semana passada e deve disputar as eleições presidenciais com Bolsonaro, Lula, Doria, Ciro e outros personagens da política. Será curioso ter um ex-juiz participando ativamente da política ao lado daqueles que ele julgou e prendeu. Como ministro da Justiça, Moro já percebeu como as coisas funcionam no Palácio do Planalto e como o Congresso negocia com o primeiro escalão do poder. Manobras difíceis o aguardam.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

Lição

“Moro não sabe o que é ser presidente”, disse Bolsonaro. O presidente não percebe que ele ensinou magistralmente a todos os brasileiros algo talvez muito mais importante: o que um presidente não deve ser.

Valdemar W. Setzer setzerv@gmail.com

São Paulo

*

O fator Moro

Lula deve estar radiante com a entrada de Moro no Podemos, afinal, ao assumir o rótulo de direita na disputa pelo Planalto, o ex-juiz pode certamente roubar votos de Jair Bolsonaro. Como diz o velho ditado, “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”.

João Manuel Maio clinicamaio@terra.com.br

São José dos Campos

*

Pedras viciadas

Ouvi Ciro Gomes tecendo várias críticas ao ex-juiz Sergio Moro após sua filiação ao Podemos. Na verdade, não só ele, mas muitos outros que almejam entrar no jogo político. Interessante notar que, quando Tiririca se candidatou, ninguém exigiu dele passaporte de político nem sequer fez objeções à sua candidatura. Fica clara a preocupação que Moro provoca. Sinal de que a entrada dele no páreo vai mexer com as pedras viciadas.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

FIM DA CORRUPÇÃO

Entre as propostas de Sergio Moro está acabar com a corrupção. Nesse assunto ele já provou ser eficaz e competente. A Lava Jato passou o Brasil a limpo. Isso é inegável. Moro deixou bem claro seu recado e o propósito de estender o leque para além da corrupção. Também pretende erradicar a pobreza que se alastra de norte a sul do País, defendendo a bandeira da Justiça Social. Suas propostas são louváveis, mas terá de enfrentar uma acirrada disputa nas próximas eleições.

Antonio B. Camargo

bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

DIFÍCIL BATALHA

Ninguém acreditou na vitória do ex-juiz Sergio Moro no enfrentamento   de políticos corruptos e poderosos na Operação Lava Jato. Agora, se for confirmada sua candidatura à Presidência da República em 2022, ele terá, novamente, poderosos inimigos nos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Terá força para esta nova grande batalha? Continuo torcendo

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

O MAL COMO BANALIDADE

A respeito do artigo de Antonio Cláudio Mariz de Oliveira (Retorno do Mal como banalidade, Estadão,13,11), fico aqui pensando o que nós, mortais, sem influência política, sem autoridade legal, sem responsabilidade atribuída e mesmo sem possibilidade como simples cidadão poderíamos fazer para impedir que a banalidade do mal de nosso presidente se propale, como afirma o autor. Por ora, e provavelmente para todo o próximo ano, constatamos que nada será feito por ninguém. A não ser aguardar e pressentir uma deterioração ainda maior, graças à opinião de alguns donos do poder em nossa Pátria que não  apenas toleram e convivem muito bem com a impunidade, mas a incentivam.

Ademir Valezi

valezi@uol.com.br

São Paulo

*

PERVERSIDADE DOS RESSENTIDOS

O título do artigo de Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, inspirado na expressão da  escritora Hannah Arendt, "a banalidade do mal", como uma prática nos atos do nazista Adolf Eichmann, traz aos nossos dias  uma ideologia que o mundo pensava ter desaparecido. Ideologia  da perversidade dos ressentidos, incapazes do convívio pacífico   com os outros seres humanos. O mal como filosofia está na raiz  dos atos de totalitários que ainda se elegem, em nossos dias, em  países como os Estados Unidos, de Donald Trump, e o Brasil do clã  presidencial, em plena desconstrução do Estado Democrático de Direito da Nação brasileira. A ignorância, o egoísmo e a indiferença para com os outros ainda dão suporte eleitoral a um fascismo  residual desta banalidade do mal e do ódio.

PAULO SERGIO ARISI

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

MARACUTAIA

O papa Francisco agradeceu aos jornalistas por ajudarem a revelar os escândalos na Igreja. Já imaginaram se aqui no Brasil tivéssemos um mandatário que também agradecesse à imprensa por ajudar a desvendar as maracutaias no governo? 

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

BRASIL, ETERNO TERCEIRO MUNDO?

A  cada dia que passa, sentimos o país afundar mais e mais nesse gigantesco buraco que nos engole e não sabemos quando será possível dele sair.  O País é escravo de um Congresso (ou cambalacho, como o povo apelidou) em cujos integrantes não podemos confiar. Assim, parecemos condenados  a viver em um terceiro mundo miserável, mesmo tendo tamanha riqueza territorial. O Brasil precisaria começar de novo. 

Laércio  Zannini

spettro@uol.com.br

São Paulo

*

DESGOVERNO

Bolsonaro tinha tanta certeza do golpe, com o "seu exército", da volta da ditadura militar, que nem sequer pensou que seu intento não lograria êxito, logo, ele teria de governar. O resultado está aí: um desgoverno, inflação voltando a dois dígitos, gasolina na hora da morte, desemprego, etc.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

São Paulo

*

BRIGA DE EGOS

Um vídeo que circula na internet mostra  a dupla de vereadoras Janaina Lima e Cris Monteiro, ambas do partido NOVO, começando uma discussão na Câmara Municipal (10/11) diante de todos. De repente as senhoras resolvem esclarecer o entrevero e começam uma briga que acaba entre portas fechadas. Depois se soube que o desentendimento ocorreu pelo tempo de fala no microfone, ou seja, briga de egos. Pois é, não falaram ao microfone, mas fizeram pior, protagonizaram uma cena pavorosa que estamos acostumados a ver nos programas policiais. Ambas foram suspensas pelo partido e desfiliadas. Até aí, nada demais, muitos partidos recebem gente pior.  Milton Leite vai tomar providências? Vamos ver a briga acabar em pizza. A reforma foi aprovada e as duas que poderiam interferir na medida autoritária do prefeito preferiram brigar para disputar o microfone. Perderam a oportunidade de mostrar que estão do lado do povo, e não  dos seus interesses.  

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ORÇAMENTO SECRETO

É para comemorar!  O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) forma a maioria e derruba o Orçamento Secreto, em que verbas de mais de R$18 bilhões poderiam ser usadas (parte já foi) sem a necessidade de os senadores e deputados prestarem qualquer satisfação aos contribuintes. Em meio a tantas esbórnias do Planalto e dos congressistas, esta é uma ótima notícia!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos 

*

ABL

Conforme noticiado,a respeitada e icônica Academia Brasileira de Letras (ABL), depois de eleger a atriz Fernanda Montenegro, a "primeira dama" do teatro para ocupar uma de suas vagas, também reconheceu o enorme talento e a veia poética do cantor e compositor Gilberto Gil com uma cadeira na tradicionalíssima Casa de Machado de Assis. Com efeito, não há dúvida alguma sobre o merecimento do autor de mais de 470 canções (!), a maioria delas de grande sucesso. Porém, a essa altura, é necessário dizer que Chico Buarque de Holanda já deveria ter seu nome incluído naquela nobre casa imortal não apenas pela singularidade e rara inspiração das letras de suas inúmeras e inesquecíveis canções, como também por sua exitosa incursão no mundo da literatura. Meu voto é dele.

J.S. Decol 

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NEGACIONISMO NA CULTURA

Causou-me asco ler a carta do leitor publicada na edição de 13/11 criticando a eleição da atriz Fernanda Montenegro e do cantor Gilberto Gil para a Academia Brasileira de Letras. Pura ignorância. Negar a importância de ambos para a cultura brasileira é corroborar com a vertente do negacionismo praticado pelo atual governo. Aceita que dói menos.

José Luiz Couto

Itapeva 

*

MEIO AMBIENTE

A presença do Brasil na COP-26 ou em qualquer reunião da ONU, da OMS, do G-20 deveria ser proibida até nosso País ter um presidente que governasse sem mentiras. Desde a posse, Jair Bolsonaro mente em excesso, colocando em risco a credibilidade do nosso País. O presidente faz afirmações que podem e são desmentidas com fotos, áudios, imagens e relatórios facilmente. O problema de Bolsonaro é mentir sobre tudo, em especial quando se vê acuado diante das notícias que podem provocar queda da sua popularidade, comprometer sua reeleição ou desmascará-lo. Suas mentiras não conseguem encobrir a devastação da floresta Amazônica.

Rafael Moia Filho

rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

DESMATAMENTO 

O desmatamento no Brasil segue batendo recordes. Acabar com as florestas brasileiras é a política oficial do governo do presidente, desde a sua posse. Jair Bolsonaro tentou extinguir o Ministério do Meio Ambiente, mas não conseguiu, contentou-se em colocar um ruralista condenado por crime ambiental no comando da pasta. O atual ministro prega a extinção das florestas brasileiras, na cabeça dele isso ajudaria a acabar com a miséria. Está mais do que na hora da comunidade internacional impor severas sanções econômicas ao Brasil, para tentar deter o avanço da destruição ambiental imposta por  Bolsonaro.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

MUDANÇA NECESSÁRIA

Solução: três anos sem exportação e comercialização de madeiras da Amazônia. Está na hora de usar outros materiais em construção e mobiliário.

Eurico Cabral  de Oliveira

oliveiraeurico499@gmail.com

São Paulo

*

VACINAÇÃO 

Futebol, teatro, cinema, shopping, carteirinha de vacinação obrigatória. Já para transportes coletivos, feiras livres, fila de idosos e carnaval ela é dispensável. Ou esse vírus é muito sabido ou somos todos idiotas.

Ricardo C. Siqueira

ricardocsiqueira@lwmail.com.br

Niterói (RJ)  

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.