Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2021 | 03h00

Amazônia

Crime ambiental

Com o registro da maior área desmatada na Amazônia nos últimos 15 anos (13.235 km²,), dado deliberadamente omitido pelo governo brasileiro na recente Conferência do Clima da ONU, iniciada três dias depois de essa informação ser conhecida, fica provada a conivência governamental com o comportamento ambiental criminoso naquela região. Isso precisa ter fim, para que o Brasil não tenha prejuízos financeiros imediatos em suas exportações nem seja acusado de colaborar com o aumento da gravidade dos efeitos das mudanças climáticas.

José de A. Nobre de Almeida josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Deslealdade

O desmatamento da Amazônia bateu recordes dos últimos 15 anos, mas o governo brasileiro escondeu tal fato até depois da COP-26. Pergunto: quem ousaria confiar os seus bens e a sua família aos cuidados do presidente Jair Bolsonaro? Eu, jamais, pois deslealdade e má-fé são as marcas próprias deste governo autocrata, que se baseia no personalismo nefasto e contaminante de uma pessoa desqualificada para ocupar qualquer cargo de confiança.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ESG

Do discurso à prática

A entrada das empresas nacionais no cenário das preocupações com o ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança) é extremamente necessária. Não obstante, tais discursos não serão mais do que retórica vazia enquanto não forem implementados. Enquanto prosseguirem discriminando as minorias em larga escala em seus processos de admissão e, em especial, no seu ambiente de trabalho, ignorando a sociedade civil em seu entorno e abusando do meio ambiente sem nem sequer titubear, estaremos longe de uma realidade consonante com suas declarações.

Renan Zorzatto renanzorzatto@gmail.com

Valinhos

*

O touro de ouro

A Bolsa e a cidade

Uma sugestão à Bolsa de Valores de São Paulo (B3): que tal se, antes de colocar um touro de ouro na Rua XV de Novembro, como fez nesta semana, participasse de um movimento para recuperar o espaço em que se encontra, o degradado centro histórico da cidade? Certamente, a sua intervenção urbana seria vista com outros olhos. O centro da cidade precisa de carinho e ação para começar a se recuperar, e a B3 bem poderia ter protagonismo nisso.

Francisco Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br

São Paulo

*

Endividamento

Pressão por novo Refis

Sobre a matéria Com endividamento recorde, cresce pressão por novo Refis (Estado, 19/11), cada vez que as autoridades anunciam um Refis, elas estão dizendo à população: “Não precisa pagar impostos em dia”. Já temos a PEC do Calote, agora teremos a Lei do Calote (Refis)? Realmente, é impossível o Brasil progredir com o Congresso que tem.

Renato Maia casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

ABL

Irrelevância

A eleição do médico Paulo Niemeyer para a Academia Brasileira de Letras (ABL), seguida das eleições de Gilberto Gil e Fernanda Montenegro, reflete a crescente irrelevância da ABL na construção de um ambiente literário inclusivo e baseado nas contribuições literárias de seus membros, ou seja, no mérito. Machado de Assis ficaria horrorizado com estes membros que pouco ou nada contribuíram para enriquecer o mundo literário nacional. Já a eleição do indígena Daniel Munduruku em muito honraria o passado e construiria um legado e uma ponte para as gerações presentes e futuras de brasileiros. Pelo visto, a ABL não acredita em diversidade, inclusividade e equidade, estas, sim, as marcas de humanismo e modernidade.

Raul Gouvea rauldg@unm.edu

São Paulo

*

Enem 2021

Marchinha

No Estado de ontem, vi no texto O novo Enem, de Marcelo Rubens Paiva, o lançamento de um convite a músicos populares para criarem uma música para o nosso carnaval eternizando o ditadorzinho de Brasília.

Italo Poli Junior italipoli10@gmail.com

Jaú

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Feriado somente em alguns poucos Estados, entre eles São Paulo e Rio de Janeiro, quando deveria ser em todo o Brasil miscigenado e multicolorido. Espero que o Dia da Consciência Negra seja sempre comemorado como um importante marco de inclusão e coexistência pacífica e harmoniosa entre as pessoas de todas as cores. Num país com a maioria da população negra ou parda,  tendo a Nossa Senhora Aparecida como sua padroeira, não deve nem pode haver lugar para nenhum tipo de preconceito. Muda, Brasil.

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NOVOS TEMPOS

Estamos entrando em novos tempos. A participação de Sérgio Moro na política cria um panorama de esperança para os brasileiros. Se o Brasil quiser entrar em uma era de progresso real e continuado, terá de passar por uma transformação substancial em sua cultura política. E isso só será possível com a entrada de novos personagens. Moro representa a oportunidade de se criar uma verdadeira nova política, uma política cidadã, voltada para atender aos reais interesses da sociedade como um todo. Não será fácil. Vamos esperar por uma reação forte por parte dos representantes do establishment, que mantêm o Brasil atrelado ao atraso. As raposas da velha política, os caciques representantes das oligarquias, os grandes escritórios de advocacia que enriquecem defendendo malfeitores, enfim, todos os que se beneficiam dos privilégios e ganham com a corrupção estarão tentando manter o atual ambiente tóxico de injustiça social e ineficiência geral. Os brasileiros conscientes precisam ficar alertas para não serem iludidos pelas muitas notícias “fake” que vão passar a circular.

Manoel Loyola e Silva mloyolaesilva@gmail.com

Curitiba

*

PENSAR DIFERENTE

O pontapé inicial do ex-juiz Sérgio Moro em sua pré-campanha como candidato à Presidência da República não poderia ser mais auspicioso. Enquanto seus detratores, provenientes mormente da esquerda ainda ressabiada com a condenação e a prisão de Lula esperneiam, ele anuncia nada menos do que o experiente e respeitado economista, o ex-presidente do Banco Central,  Affonso Celso Pastore, como seu conselheiro. A mensagem é muito clara: o projeto de Moro para o País terá, segundo as palavras de Pastore, foco no combate à pobreza, crescimento com distribuição de renda e responsabilidade fiscal, ou seja, será eminentemente técnico e aberto ao debate,  passando bem longe da malignidade dos dogmas e das ideologias. Não há mais espaço, após seguidas gestões populistas perniciosas, para continuar torcendo para este ou aquele candidato, como se a campanha para a Presidência fosse um jogo de futebol. É preciso ouvir com atenção e debater ideias. É preciso começar a pensar diferente. 

Luciano Harary

São Paulo 

*

TERCEIRA VIA

Com o barulho que a candidatura de Sérgio Moro está provocando entre os adversários,  está mais do que claro que é a melhor candidatura à terceira via.

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES 

Moro será o adversário que alguns dos  concorrentes à  Presidência da República   não  gostariam de enfrentar.  O ex-juiz está com a faca e o queijo na mão.  Poderá discorrer com muito conhecimento  e segurança sobre a corrupção no Brasil.  Acredito até que alguns dos pleiteantes  fugirão dos debates ou, caso topem,  pedirão para encarar as câmeras com os rostos encobertos por toucas ninja.  Desmascare essa gente, Moro! Seja forte  nos embates. O senhor poderá ser nosso presidente. Por que não  Moro e Mourão?

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Brasília

*

ESPERANÇA EM MORO

"Como o sr. avalia a atuação dele como juiz, que levou à prisão do ex-presidente Lula, tirando o adversário do presidente Bolsonaro na eleição de 2018?" Resposta do economista Affonso Celso Pastore: "Eu vi o Supremo condenando o Lula e vi o Supremo livrando o Lula sem o absolver. Eu levanto a questão: como os juízes todos de Instâncias maiores e menores agiram no caso de Lula? O juiz Moro não decidiu sozinho. O Supremo também deu respaldo e depois tirou o respaldo" (Estadão, 18/11). Será que o juiz Moro errou ao proferir sentenças condenatórias amplamente amparadas em provas produzidas pelo Ministério Público Federal e fundamentadas na Legislação vigente? Todas as sentenças foram ratificadas pelos três desembargadores da 8.a Turma do TRF-4. Todos os pedidos da defesa do Lula foram negados no Supremo Tribunal Federal (STF), pois contra provas não há argumentos. Lula foi preso após o STF aprovar a prisão depois da condenação em Segunda Instância, uma vitória do povo brasileiro que foi às ruas pedir o fim da roubalheira. Mas, em novembro de 2019, já no governo Bolsonaro, onde ele e seus filhos possuem diversas pendências judiciais, talvez em um acordo tácito entre Bolsonaro e a Justiça, os ministros do STF se sentiram livres (deixaram de se "acovardar") para voltar atrás e soltar Lula, sem o absolver, mas com a certeza de que tais processos estão bem guardados em alguma gaveta, esperando a prescrição. Eu confio no juiz Moro e não confio nos atuais ministros do STF. Eu voto em Moro para presidente da República em 2022. 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

 VERDADE E MENTIRA

Verdade e mentira estão lado a lado.  Vimos na mídia  fotos de Bolsonaro com caciques do Centrão, tais como Ciro  Nogueira , Valdemar Mensalão e outros tão podres quanto. A verdade está personificada nos outros. Nunca negaram seus desvios e respondem a inquéritos em diversas instâncias. Bolsonaro, por sua vez, representa bem a mentira - não rouba (até acredito ) nem deixa roubar (piada de mal gosto, até porque seus parceiros nas fotografias são especialistas e réus confessos). Quanta hipocrisia e patifaria.

Paulo Henrique Coimbra De Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PRECISA DO ENEM?

Se o Enem já tem a cara do governo Bolsonaro, então, de fato, o exame não mede o conhecimento dos participantes! Logo "A gente não precisa disso”, como declarou o capitão, após mais uma das suas motociatas, desta vez nas Arábias.

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

A CARA DO GOVERNO

Arrogância, incompetência, ativismo político, homofobia, desorganização, descrédito, irresponsabilidade e qualquer outro adjetivo negativo que se possa somar a esses. Não precisava nem o presidente Bolsonaro ter dito. É evidente que o Enem tem a cara do seu governo.

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

‘SEM NOÇÃO E SEM LIMITE’

Eliane Cantanhêde definiu o atual e absurdo    desgoverno instalado em Brasília: "É tudo tão inacreditável, que a gente não sabe se é piada de mau gosto ou só cara de  pau". Sob o título Sem noção e sem limite (15/11), a brilhante colunista  do Estadão lista as últimas estultices presidenciais e de seus   ministros. Essa cambada de chanchada de quinta categoria não é digna nem de uma reedição do "Festival de besteiras que assola o País", como o genial Sérgio Porto definia a ridícula farsa política no Brasil,     porque o atual clã instalado no poder e sua turma estão abaixo  de qualquer crítica humorística. É só um trágico flagelo sem paralelo em nossa história. 

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

São Paulo

*

AUXÍLIO BRASIL

As imensas filas que aumentaram exponencialmente em frente das agências da Caixa Econômica Federal em busca do Bolsa Família - que mudou de nome para Auxilio Brasil- são emblemáticas da trágica realidade de miséria de grande parte da nossa população. As imagens dessas aglomerações Brasil afora desmentem quem tenta ignorar a dita tragédia socioeconômica. Urge que as lideranças que serão eleitas nos pleitos eleitorais do próximo ano procurem solucionar tais fragilidades, no sentido de evitar uma explosiva hecatombe em nossa imensa população, que terá efeitos negativos a todos, independentemente  da classe econômica a que pertencemos.

José de Anchieta Nobre de Almeida josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CONTRAPARTIDA

Não sou contra a ajuda do governo aos mais necessitados. Porém, deveria ter necessariamente uma contrapartida.  Assim, aqueles que recebem ajuda deveriam trabalhar ao menos 6 horas por dia. Fazendo a limpeza das ruas, ajudando na segurança e vigilância, faxina em hospitais, limpeza das praias entre outras atividades. E essas atividades deveriam ser supervisionadas pelas prefeituras, podendo ser um programa permanente. Os governos poderiam economizar muito dinheiro, em vez de pagar salários absurdos aos comissionados, que, comprovadamente, não fazem nada. E ainda caracterizar dignidade, e não esmola.

Iria De Sá Dodde iriadodde@hotmail.com

São Paulo

*

TRATAMENTO DESIGUAL

As nossas leis são muito generosas para alguns ou são propositalmente ignoradas quando deveriam ser iguais para todos.

Humberto Schuwartz Soares soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

CALOTE

Segundo o presidente, ao defender a PEC dos Precatórios, por si só uma ilegalidade, saiu-se com a seguinte frase: "O que é a PEC dos Precatórios? São dívidas que remontam há 30, 40 anos, e que, de repente, o STF falou que nós temos de pagar de uma vez só”. Mais uma vez cabe a pergunta ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira: O que mais Bolsonaro precisa fazer para que a S. Excia. cumpra com sua obrigação regimental e encaminhe os diversos pedidos de impeachment de um presidente irresponsável e incompetente? A situação, já grotesca, piorou, agora ele já afirma que poderá sobrar, do calote, verba para o reajuste dos servidores.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

BELARUS MIGRANTES E IMIGRANTES

Muito doloroso constatar a cada dia o avanço de uma política de ódio e ganância direcionada tão somente às conquistas e à obtenção de valores materiais, mas ainda mais chocante e dolorosa é a constatação de que até um país católico há milênios e que deu ao  mundo e à Igreja Católica um papa, que marcou sua presença pela compaixão, generosidade e luta pelos desvalidos, agora por motivos fúteis negue ajuda a quem mais precisa: crianças inocentes.

Vera  Bertolucci veravailati@uol.com.br

São Paulo

*

BOM EXEMPLO 

Nada mais reconfortante para um cidadão do  que, ao procurar uma repartição pública para resolver um assunto qualquer concernente a órgão público, ser bem atendido, não só prontamente, mas com respeito, educação, interesse, com olho no olho, e sair dali sabendo quais são os próximos passos a serem dados para resolver o problema que ali o levou. Minha homenagem e gratidão ao Renato, do Detran de Nazaré Paulista, pelo exemplo como funcionário público digno e exemplar. Que sua conduta paire sobre todos os que professam o ensino aos filhos dos cidadãos desta pátria amada.      

Carlos Leonel         

Imenesleonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.