Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2021 | 03h00

Pandemia

Nova onda

Preocupante, por dois motivos, o aumento do número de casos e mortes na Europa decorrentes de um possível novo surto de covid-19, já acompanhado de alerta amarelo emitido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Primeiramente, o fato propalado ao longo da pandemia dando conta de que boa parte dos países europeus efetivou cobertura vacinal que abrangeu grande porcentagem da população permite pôr em dúvida a real eficácia dos imunizantes, posto que ainda são reconhecidamente experimentais. O segundo aspecto engloba as possíveis repercussões domésticas da nova onda, em face da incerteza do que pode acontecer por aqui quando as primeiras marolas de propagação começarem a atingir as plagas brasileiras. Será que, de novo, as medidas necessárias serão postergadas até que as grandes festividades de fim e início de ano – réveillon e carnaval, as principais – sejam celebradas, como anseiam prefeitos e governadores? Tomara que o Brasil, hoje com uma das maiores coberturas vacinais do mundo, constitua a afirmação mais contundente de que a vacina é, realmente, o caminho.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

Procurando sarna

Parques liberados, estádios liberados, praias liberadas, e vêm aí Natal, réveillon e carnaval. Será que ninguém percebeu que a covid-19 não atura desaforo?

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

2ª dose

Para facilitar e agilizar a aplicação da 2ª dose das vacinas, hoje muito defasada, por que não são montadas estruturas de vacinação nas estações do Metrô?

Mário Lúcio Barbosa mariolucio.barbosa@yahoo.com.br

São Paulo

*

Eleição 2022

Caridade dissimulada

A esperança, a fé, a caridade, a promessa, a peste e até a morte, tudo se politiza no Brasil institucionalmente duvidoso, socialmente injusto, economicamente cruel na base humana que sustenta o Estado. Manchete recente do Estado dando conta de que auxílios financeiros a pobres se multiplicam no País, de olho na eleição do ano que vem, expõe o varal de iniquidades dissimuladas na caridade peculiar dos anos de eleição. Em 2022, nada será diferente, tudo continuará igual: desgraçadamente desigual para o eleitorado transformado em massa de pedintes. Está esquecido o desvio bilionário do dinheiro federal enviado para Estados combaterem a pandemia; o carnaval está liberado; nenhum político ou administrador público corrupto está no cárcere; e os mortos, expostos em cartazes publicitários, como se a vida não passasse de um número, um voto banal. A política é a mais cínica das artes cênicas do Brasil, República proclamada por um marechal monarquista amigo de dom Pedro II, imaginem.

José Maria Leal Paes tunantamina@gmail.com

Belém

*

Reflexo imediato

Cumprimento o ex-juiz federal Sergio Moro por sua coragem e audácia ao se filiar a um partido político. O reflexo dessa atitude foi imediato, em maior grau para aqueles que o temem como adversário, engajados em candidatos de questionável reputação, seja pela competência, seja pelo modo de tratar a política e o dinheiro público neste país. Emergem pesquisas, comentários políticos, discursos, etc., todos querendo menosprezar sua possível candidatura, mas, de fato, temendo o estrago que isso trará às suas condutas instaladas.

Gilberto de Lima Garófalo gilgarofalo@uol.com.br

Vinhedo

*

Consciência negra

Representação política

Sobre a reportagem de primeira página no Estado de 20/11, Apenas 3% das universidades têm equilíbrio na proporção de docentes negros, além de nos preocuparmos com a equidade racial nas universidades, precisamos ter uma mudança muito grande na composição das Casas Legislativas em nosso país, todas, desde a municipal até a federal. A representação política precisa espelhar nossa população.

Alberto Utida alberto.utida0926@gmail.com

São Paulo

*

Docentes negros

A propósito da manchete do Estado de 20/11, gostaria, também, de ter uma ideia da porcentagem de docentes negros em países como França, Alemanha, Suécia, etc.

Christiana Pires da costa chripc@uol.com.br

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

DISCRIMINAÇÃO RACIAL

Segundo dados do Observatório da Discriminação Racial do Futebol, já houve 51 casos registrados de injúria racial no futebol brasileiro em 2021. Desde 2014, das mais de 200 denúncias de racismo, apenas 40% dos episódios chegaram aos tribunais e somente 60% dos envolvidos foram punidos. Com efeito, é absolutamente abominável, condenável e inaceitável que manifestações de racismo e intolerância ainda ocorram dentro e fora dos estádios, sobretudo num país em que a maioria da população é negra ou parda e o maior jogador de futebol foi Pelé - "o Atleta do Século XX". Nos mais de 100 anos em que o esporte bretão é praticado mundo afora, até hoje nenhum branco chegou aos pés encantados do Rei. Basta de preconceito. Muda, Brasil.

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

*

STARTUPS BRASILEIRAS

O fato, recentemente divulgado, dando conta de que 31% das startups brasileiras não contam em seus quadros com colaboradores negros, e de que 67% delas não exibem ações  voltadas para o tema da diversidade é, ao que tudo parece indicar, uma consequência da pequena quantidade de negros que conseguem atingir os cursos universitários, principalmente os oferecidos pelas melhores instituições, normalmente gratuitos, com acesso seletivo dependente da boa e cara qualidade do ensino básico. É mais ou menos evidente que o estabelecimento e a capacidade de obter investimentos para as startups estão ligados ao grau de preparação e capacidade de inovação dos que se iniciam nas várias atividades características, e que tais atributos se ajustam com maior naturalidade a quem teve oportunidade de completar uma boa formação superior. Assim, aparentemente, não é a falta de atenção aos problemas de integração racial que está na raiz da pequena inclusão, mas, mais uma vez, a desigualdade social que vitima com mais agudeza os negros que compõem, em grande porcentagem, a população mais pobre do País. 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

COMBATE AO RACISMO

Não só em palavras e atos subsiste o racismo. Há imagens, também, que veiculam esse mal. Um comercial divulgado atualmente apresenta dois personagens preparando uma receita culinária. O ator negro faz o papel de um desastrado, que se atrapalha com os instrumentos e acaba provocando um fogaréu. Já o branco encarna um personagem com pleno controle da situação, que faz tudo certo e  termina ensinando  ao outro como fazer. Esse é apenas um dos exemplos das publicidades que, subliminarmente, concorrem para a persistência do preconceito racial, e deveriam, portanto, ser objeto de atenção dos movimentos de combate ao racismo.

Patricia Porto da Silva portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

RACISMO ENTRE DEPUTADOS

Os deputados federais José Medeiros (Podemos-MT) e Bia Kicis (PSL-DF) foram acusados pela Procuradoria Geral de República (PGR) de praticarem crime de racismo nas redes sociais. O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados deveria ser rigoroso e eliminar dos seus quadros todos aqueles com igual conduta.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

MISÉRIA

“Tem uma moeda aí, tio?” É o clamor sofrido das ruas. Vindo de crianças, adultos e adolescentes. Mãos estendidas. Caixinhas e latas de leite compõem o cenário frio, humilhante, melancólico. Vozes trêmulas. Pés descalços. A fome anunciada pelos olhos tristes. É o Natal chegando. Significa esperança de ganhar algum trocado para comer. Quem sabe, um natal menos amargo e dolorido. As caixinhas também são vistas em balcões de lojas, padarias, lavanderias, papelarias e bancas de jornais. Embora empregados, ninguém se acanha, o dinheiro é curto. Caixas e latas marcam a linha da fome e da miséria. Chegam juntas. A fome não tem hora para chegar.  Semáforos, estacionamentos, portas de bares, restaurantes e de lanchonetes fazem das caixinhas e latas o porto da esperança. As pessoas esperando a caridade de bondosos corações. 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

O PT E AS ELEIÇÕES

O ex-presidente Lula disse que a esquerda deve pensar no que deixou de fazer para evitar a eleição de Jair Bolsonaro e o avanço da direita ao redor do globo nos últimos anos. Que maravilha! Conforme todo manual dos políticos pegos com a boca na botija, Lula, em vez de dizer de tudo o que a esquerda no Brasil fez de errado e criminoso, diz apenas aquilo que a esquerda teoricamente deveria ter feito, mas não fez. Ora, senhor Lula, convenhamos, para reiniciar essa sua ladainha do dever ser, do zero, que tal se lembrar do filósofo Maquiavel que tão bem falou não do dever ser, mas do que realmente é, e lhe dar os créditos da sua (Lula) nova reedição dos fatos do passado, do presente e do futuro? Acredite! Assim, sua história pessoal e sua aparência política ficarão muito mais nobres e muito menos caricatas.

Marcelo Gomes Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

 *

MATEMÁTICA ELEITORAL

Que ninguém se engane, a probabilidade de o Partido dos Trabalhadores e sua gente obterem algum sucesso nas eleições de 2022  é igual a  de acertar os seis números na loteria, ou seja, uma em 50 milhões. O tempo dirá, ou melhor, confirmará!

Maria Elisa Amaral melisalf3175@gmail.com

São  Paulo

*

DECLARAÇÕES DE LULA

Lula da Silva retorna triunfante da Europa, após ser recebido na Alemanha, França e Espanha  com honras de Estado e, como é de seu feitio, dando declarações estapafúrdias. Reafirmou seu desejo de  criar um órgão regulador da mídia e das redes sociais, além de enaltecer um Estado forte. Apesar das declarações antidemocráticas e contrárias à economia de mercado, continua liderando a corrida presidencial, fazendo jus a um velho chavão, "cada povo tem o governo que merece".

José Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

APOIO SECRETO!

O apoio que as pesquisas atribuem a Lula deve ser secreto!

Eugênio José Alati  eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

PRÉVIAS DO PSDB

Foi assim que reagiu o ex-bom moço, Aécio Neves, quando indagado se permaneceria no PSDB em caso de vitória de Doria nas prévias. Claro que não sairia. Sair e ir para onde? Quem o aceitaria? Pensando bem, talvez o PT!  

Oscar Thompson

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

MORO E SUAS PROPOSTAS      

Admiráveis os feitos do PSDB no País ao longo dos anos, sempre atento aos pilares econômico e social, mas observei que, na carta do governador publicada neste jornal, nada foi mencionado sobre a necessidade de combatermos a corrupção e priorizarmos as reformas, como a Administrativa e Tributária (e também Judiciária e Política), tão importantes para que o País se torne atraente a investidores e seja considerado de fato um país de bem-estar social, pois as reformas reduzem o peso dos impostos e favorecem o empreendedorismo, o emprego e a renda aos cidadãos, promovendo maior eficiência e qualidade aos serviços públicos. Os agentes da corrupção generalizada são verdadeiros “sanguessugas”, deixando-nos sempre às margens de uma vida mais digna e com enorme desigualdade social. Nesse sentido, acredito que o Sérgio Moro poderia fazer melhor por nós, cidadãos, e ao País como um todo, pois, com segurança jurídica, o Brasil poderá atrair investidores, restabelecendo a confiança, levando-nos à prosperidade!

Silvia Almeida silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

*

SÉRGIO MORO NO PÁREO

Um homem de vida limpa e um ex-magistrado destemido e competente, quando candidato à Presidência da República se torna um grandioso obstáculo a todos os candidatos que já se apresentaram e, especialmente, a Lula da Silva e Bolsonaro. A este Moro respondeu com o seu pedido de demissão como ministro da Justiça para poder manter suas convicções e posição retilínea sob o ângulo da ética e da moralidade. A Lula da Silva, com tranquilidade, remeterá os brasileiros às abundantes provas nos autos que julgou e cujos julgamentos foram referendados por dois Tribunais Superiores (TRF-4 e STJ). Quanto ao Supremo Tribunal Federal (STF), como não puderam desfazer a veracidade e autenticidade das provas, engendraram a figura da suspeição de Moro, mas após mais de cinco anos dos trâmites processuais. O povo brasileiro, na ocasião de votar, ficará com a decência de Moro contra as ações do STF, fazendo a Justiça que não fizeram a ele. O tempo não é o senhor supremo da razão?

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro.

*

A HECATOMBE BOLSONARO

O editorial do Estadão sobre a Amazônia (Terra arrasada, 20/11), analisa corretamente as consequências do seu desmatamento, que, evidentemente, vem se acelerando, graças a um presidente irresponsável e inepto, que aparentava acreditar no inacreditável, deixando as quadrilhas organizadas saquearem o nosso patrimônio na Amazônia. Porém, nem essa hipótese ridícula se sustenta mais, pois, ao esconder os dados do Prodes sobre o desmatamento nos últimos 12 meses, mostrou que sabia estar errado. As hipóteses restantes certamente não são republicanas. Isso posto, visto que o editorial descreveu a situação com clareza, resta lembrar, mais uma vez, que o presidente da Câmara dos Deputados e líder do Centrão, está sentado em cima de inúmeros pedidos de impeachment de Bolsonaro ilegalmente e já deveria ter sido cobrado pelos demais parlamentares, não fossem os interesses escusos dos deputados do citado grupo. Ora, diante desse quadro dantesco, cabe repetir que o País não vai aguentar mais um ano de rapinagem. Ou os parlamentares cumprem com o seu dever de defenestrar essa verdadeira hecatombe que é o governo Bolsonaro, ou com certeza responderão por isso na Justiça. Ele está destruindo não só o nosso presente, como o nosso futuro também. Até outubro último, a Amazônia sofreu um desmatamento de 32.819 km² em seu governo. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

NOVA ABL

Com a inclusão de Fernanda Montenegro, Gilberto Gil e, mais recentemente, de um médico, a ABL vai mudar seu nome para Associação Brasileira da Lorota.

Ely Weinstein elyw@terra.com.br

 São Paulo

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.