Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2021 | 03h00

Pandemia

Opinião infeliz

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável pelo controle sanitário das nossas fronteiras, prudentemente, a exemplo de governos sérios, recomenda que o Brasil adote o passaporte da vacina contra a covid-19 para todos os viajantes vindos do exterior. Entretanto, o atual ministro da Justiça, Anderson Torres – com certeza para agradar ao seu chefe –, manifestou-se contrário à medida, sob o argumento de que a imunização não elimina a possibilidade de contágio da doença. Descobriu a pólvora Sua Excelência! É cediço que a vacina não dá imunidade absoluta contra a covid-19, mas consegue minimizar os efeitos graves e até letais do vírus, o que, convenhamos, já é uma grande coisa. Sabujice tem limites!

Junia Verna Ferreira de Souza

juniaverna@uol.com.br

São Paulo

*

Para não repetir 2021

Os prefeitos Brasil afora devem tomar, agora, uma decisão importante sobre as festas de fim de ano e sobre o carnaval de 2022. Graças à vacinação, a covid-19 está sob relativo controle no Brasil, mas a pandemia não acabou. Como a situação no Brasil sempre seguiu, com certo atraso, a da Europa, podemos vir a ter uma quarta onda da doença no começo do próximo ano. A situação ficou mais preocupante depois da recente descoberta, na África, da variante B.1.1.529 do vírus, bastante contagiante por ter “número extremamente alto” de mutações. É questão de tempo até que essa variante possa chegar a outros lugares, e no Brasil realizam-se muito poucos testes genéticos do vírus. Apesar da questão econômica, devemos cancelar as festividades populares, para evitar repetir o sufoco de 2021. Afinal, ninguém precisa ser hospitalizado, muito menos morrer, por não assistir a um show de fogos de artifício em Copacabana, por não dançar o frevo em Olinda ou por não sair em blocos de rua em São Paulo.

Omar El Seoud

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

O feriado e a emenda

Cancelar o carnaval de 2022 não resolve o problema de uma possível quarta onda de covid-19 no Brasil. É preciso cancelar o feriado e proibir a emenda também. O governo pode dizer que é para salvar vidas e, também, a economia. E todos concordariam.

Franz Josef Hildinger

frzjsf@yahoo.com.br

Praia Grande

*

Não baixem a guarda

Cumprimento o Estado pelos editoriais alertando sobre a necessidade de não baixarmos a guarda na superação da pandemia, mesmo com a vitória alcançada, por exemplo, na cidade de São Paulo, que tem 100% da população adulta completamente vacinada. O risco das aglomerações de carnaval pode pôr todo este esforço abaixo. Por isso, espero que o governador João Doria e os demais do País sejam prudentes e cancelem as festividades de fim de ano e o carnaval.

Silvia R. P. Almeida

silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

*

Página em branco

Brava gente brasileira que, apesar do governo negacionista e omisso, aderiu em massa às vacinas, ao uso de máscaras e, na medida do possível, ao distanciamento individual. Agora, está diante do desafio de se manter disciplinada nas comemorações de fim de ano. Ou imitará europeus e americanos apressados, em plena quarta onda da pandemia? Eis a questão. Natal, réveillon e carnaval: a festa será comemorada por nós com moderação e inteligência ou será a festança da virada do coronavírus? Uma página ainda em branco a ser escrita pela razão ou pelo sentimento. Bom senso a todos!

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

Prévias do PSDB

Explicações

Tenho profunda admiração pelo PSDB, que nasceu do MDB – tal qual Eva nasceu de uma costela de Adão –, com a debandada de políticos desta sigla provocada, basicamente, por resistência ao assalto de Orestes Quércia ao comando do partido. Hoje, porém, não entendo como o PSDB não consegue colocar no ar um simples software de votação para eleger pré-candidatos à Presidência da República. É surreal que um aplicativo, no qual 45 mil eleitores autorizados a votar devam fazer um cadastro e responder a uma única pergunta com 3 alternativas, seja tão difícil de ser colocado no ar. Espero que explicações venham à luz, a fim de que outros seguidores do PSDB não se decepcionem com tamanha incapacidade de administrar assunto tão simples como este.

Ricardo Bruno

rickbruno@uol.com.br

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

BURLANDO A LEI

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou que não seria possível cumprir a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de apresentar os nomes dos parlamentares que indicaram verbas via emendas de relator-geral ao Orçamento. Lira justificou que a lei não previa esse tipo de transparência e, literalmente, disse que não podemos burlar a lei para responder a um questionamento que não é possível de ser feito. Ora, senhor Lira, então aquela velha regrinha constitucional que todo estudante para concurso público decora, para se lembrar dos princípios que norteiam a Administração Pública, de nada vale para os meandros secretos do Poder Legislativo, a tal da Limpe (legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)? Poxa, então o Poder Legislativo desdenha assim até da Constituição da República Federativa do Brasil? Ou é apenas o senhor que está tão imbuído deste espírito de corpo que até afastou o espírito das leis, ou seja, a sua hermenêutica, jurisprudência, doutrina e tudo assim junto e misturado, para que apenas poucos entendem o que realmente se passa por aqui, nessas bandas abaixo do Equador e em cima da nossa democracia?

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CONGRESSO X SUPREMO

Manter em sigilo nomes do orçamento secreto! Se isso não for corrupto,  com certeza estudei língua Portuguesa em uma escola diferente da deles.

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso 

zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

BLACK FRIDAY

A crise financeira da população é tão grave e aguda sob o sofrível e inoperante desgoverno Bolsonaro que, em lugar de eletrodomésticos, celulares, vestuário e outros desejos, tem gente comprando alimentos nesta Black Friday. A que ponto chegamos!Muda,Brasil. Basta de Bolsonaro e Paulo Guedes.

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

 MENOS GOVERNO

aproveitando a Black Friday, que tal um dia com redução de 50% das mensagens e aparições de Bolsonaro? A economia brasileira precisa de mais ações positivas e menos reações negativas.

Carlos Gaspar

carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

OMISSÃO DE DADOS PÚBLICOS

Embora a Lei de Acesso à Informação esteja comemorando dez anos de vigência, na realidade, não merece ser festejada, porque muitos dados governamentais se encontram ainda sob sigilo, como é o caso dos cartões corporativos. Por exemplo, o Estadão entrou com o pedido na Justiça, mas o feito foi estagnado no Tribunal Regional Federal da 3ª. Região, dado que não conseguiu, pelas vias suasórias, obter informações pormenorizadas sobre gastos de Jair Messias Bolsonaro com o cartão corporativo, ficando o periódico sem saber a especificação dos gastos de Bolsonaro, mesmo postulando na Justiça para essa finalidade. Eis que o questionamento do Estadão é de ordem pública e as informações postuladas estão garantidas por lei, não podendo ser alegadas prerrogativas contidas na Lei Geral de Proteção de Dados, visto que se trata de coisa pública, em que deve imperar a transparência e o direito de os contribuintes saberem onde se gasta o dinheiro do erário. Seria justificada a demora da decisão do Tribunal em quase ano e meio? Somente este ano os gastos de Bolsonaro com  o cartão corporativo somam R$ 15,26 milhões, montante que pode ser verificado no Portal de Transparência, mas sem a descrição contábil cabível e específica dos gastos. Foi a omissão que estimulou o Estadão a procurar a Justiça.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

FILIAÇÃO DE BOLSONARO

Jair Bolsonaro falando de sua filiação ao PL. Está tudo certo,  o Valdemar é homem de palavra. Nossa, será um acordo entre homens de palavra, nada pode sair errado. Eles não mentem,  são o que sempre foram. Algumas pessoas não tinham entendido. A sociedade brasileira paga caro pela falta de compreensão.

Sergio Barbosa

sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais 

*

AUXÍLIO BRASIL

Todos viram a lentidão do governo Bolsonaro na compra de vacinas, algo que não interessava ao nosso presidente. Hoje fui surpreendido com a propaganda do Auxílio Brasil, com interesse na reeleição. Ou seja, deixamos morrer algumas centenas de milhares de brasileiros que não interessavam, mas essa compra de votos dos miseráveis que passam fome, isso interessa, pouco importa não se saber ainda de onde sairá o dinheiro.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

APARELHAMENTO DO SUPREMO

Aparelhando o Supremo Tribunal Federal (STF) com “pazuellos”, além de destruir a instituição ( principal objetivo), fica muito mais prático e legal, apesar de imoral, do que enviar um cabo com um soldado para fechá-lo.

Oswaldo Baptista Pereira Filho

oswaldocps@terra.com.br

Campinas

*

LENTIDÃO DA JUSTIÇA

Após 11 anos, o STJ julga ação contra desembargadores Que vergonha!! O STJ demora 11 anos para julgar juízes, desembargadores e advogados no primeiro processo de corrupção a ser julgado. Nas mãos dos  ministros,  também está a decisão de afastar, ou não, os investigados de seus cargos públicos. O caso demandava urgência: a denúncia completou 11 anos, e cinco dos investigados já morreram! Mas também não foi julgado nesse dia.No começo da  sessão, o subprocurador-geral da República, Carlos Frederico Santos, surpreendeu os ministros alegando que não podia votar, pois estava impedido, uma vez que suas filhas defendem os acusados. Ele teria recebido o processo na noite anterior porque a subprocuradora-geral, Lindôra Araújo, estava em uma viagem a Lisboa para participar de um fórum coordenado pelo ministro Gilmar Mendes, ao lado de outros ministros do Judiciário, além de políticos como Arthur Lira e  Rodrigues Pacheco. E assim vai nosso País.....

Cleo Aidar

cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

*

PARECE PIADA

Em uma aula de como é bom ter um offshore, o ministro da Economia, Paulo Guedes, com sorriso de lado a lado, falou sobre as vantagens de não pagar imposto e fugir do Fisco americano. Afinal, com sua filha Paula Drumond Guedes  como presidente-procuradora dessa empresa em paraíso fiscal e, com a violenta alta do dólar, ocasionada pela péssima conduta da economia no País, só dando risada mesmo. Na verdade, dizem no mercado financeiro que o ministro possui uma fortuna estimada em US$ 150 milhões. Está bom ou quer mais?

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

LULA E MACRON

De Gaulle no seu tempo de presidente da França, disse que o Brasil não era um país sério. Motivos para falar isto tinha de sobra. A França, por meio do de seu atual presidente Emmanuel Macron, recebeu Lula como se fosse um chefe de Estado, e assim obtivemos o direito de dizer que a França não é um país sério.  Macron se revelou um anão moral da mesma estatura de Lula. 

Paulo Henrique Coimbra De Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FARINHA DO MESMO SACO

Li o artigo de Fernando Gabeira (O declínio da democracia brasileira, 26/11) e confesso que fiquei surpreso. A cara de pau do pessoal da esquerda é inacreditável.Então para o tal Instituto Internacional para Democracia e Assistência Eleitoral a democracia no país começou a afundar em 2018. Segundo o Gabeira, já vinha ocorrendo desde 2016.Interessante, o maior bandido que este planeta produziu, começou seu reinado em 2003. Será que tanto o Instituto quanto Gabeira veem no Lula, um democrata?! A meu ver Lula, Maduro, Chaves, Correa, Kirschners, os vários ditadores na África, Europa oriental, enfim....Tudo farinha de um mesmo ou parecido saco.

Claudio Hebling

hebling@yahoo.com.br>

São Paulo

*

DESTRUIÇÃO DA AMAZÔNIA

Garimpeiros, grileiros, madeireiros e, incluindo o governo, ninguém por aqui respeita a Amazônia. Nessa toada destrutiva, a providência virá do resto do mundo. Não demora e vão internacionalizar a região.

A. Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

AÇÃO DESCABIDA

É inaceitável a pretensão da Marinha do Brasil de voltar a fazer exercícios de tiro no arquipélago de Alcatrazes, que é uma Unidade de Conservação Federal de Proteção Integral. Alguém precisa explicar para a gloriosa Marinha brasileira que a arte da guerra evoluiu, tiro de canhão é coisa do passado, hoje as batalhas são travadas com mísseis de longo alcance, guiados por satélite, infinitamente melhores que os velhos canhões, calibrar a pontaria de um canhão hoje em dia é uma idiotice completamente desnecessária, algo como dar corda no relógio. Alcatrazes é o maior sítio reprodutivo de aves marinhas da costa brasileira, com uma população que gira em torno de 10 mil aves. Além disso, por conta de sua diversidade de flora e fauna, com mais de 20 espécies endêmicas, o arquipélago é conhecido como "Galápagos do Brasil". Nada justifica a pretensão da Marinha de voltar a destruir Alcatrazes. 

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.