Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2021 | 03h00

Orçamento secreto

R$ 16 bilhões em 2022

Congresso ignora STF e decide manter orçamento secreto (Estado, 30/11). Mexer nos bolsos deles não; informar onde foram ou serão investidos esses bilhões, também não; respeitar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu estes pagamentos secretos a parlamentares, também não. Este é o lema no Congresso Nacional: nos nossos bolsos não se mexe e o que é nosso sempre será nosso.

Arcangelo Sforcin Filho

despachante2121@gmail.com

São Paulo

*

Uma imoralidade

Os recursos do orçamento secreto são, antes de tudo, dinheiro que saiu dos nossos bolsos, dos contribuintes. Assim, o Congresso tem a obrigação de revelar para onde foram, para que serviram e para quem foram entregues esses recursos, não interessa se nos exercícios de 2020, 2021 ou depois. Esta insistência em querer esconder o destino da verba aumenta ainda mais as suspeitas sobre a sua aplicação. Contamos com o poder do STF para abrir totalmente esta caixa-preta.

Guenji Yamazoe

guenji@yamazoe.com.br

São Paulo

*

Infiéis

O orçamento secreto pode ser encarado como uma infidelidade conjugal: quando elegemos nossos representantes, os parlamentares juram fidelidade, como num casamento. Quando se gasta escondido parte do orçamento familiar, este só pode estar sendo usado para a jogatina ou com as amantes. No caso específico, com certeza, trata-se de desvio de dinheiro público. Ou se dá transparência ou, preferencial e simplesmente, deve deixar de existir. A última me parece a melhor opção.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

Flibusteiros

Piratas e flibusteiros praticavam pilhagem às claras, roubavam tesouros e dividiam o butim, às claras. Modernamente, pilha-se o Tesouro Nacional à sorrelfa e esconde-se a divisão do butim. Os que criaram o conceito foram menos desonestos que seus seguidores.

Paulo M. B. de Araujo

Rio de Janeiro

*

A tomada do Orçamento

À desfaçatez do Centrão de vir reduzindo o arcabouço legal de combate à corrupção se soma, agora, a tomada do Orçamento. Impunidade garantida, não basta mais o assalto dos fundos partidário e eleitoral. Com as emendas do relator, parlamentares executam um orçamento bilionário e se negam a dar satisfações até diante de decisão do STF. Sergio Moro, independentemente de eventuais erros, pode ter conquistado muitos cabos eleitorais.

José Tadeu Gobbi

tadgobbi@uol.com.br

São Paulo

*

Políticos honestos

Aloísio de Toledo César pergunta se os brasileiros merecem acreditar em políticos que se vendem (Estado, 30/11, A4). Isso me lembrou a frase de Simon Cameron: “Um político honesto é aquele que, quando comprado, permanece comprado”. Portanto, a resposta ao articulista é simples: sim, desde que esses políticos sejam honestos. Quantos são?

Arnaldo Mandel

amandel@gmail.com

São Paulo

*

Capes

Renúncia coletiva

Mais um efeito do desmonte na área da educação no atual governo: pedido de renúncia coletiva de 52 pesquisadores da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes). São cientistas altamente capacitados que reclamam de não conseguirem trabalhar nos melhores padrões acadêmicos e denunciam uma “corrida desenfreada” para abertura de novos cursos de pós a distância. Parece que Jair Bolsonaro tem alergia a trabalhar com os mais bem preparados para servir à Nação.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

Com a sabujice do Congresso e o silêncio das Forças Armadas, Bolsonaro desidrata o sistema público de educação, ciência e tecnologia. Os ossos do almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva, criador do CNPq, e do educador Anísio Teixeira, idealizador da escola pública do Brasil, devem estar rangendo na sepultura.

Etelvino José H. Bechara

ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

Está em curso o maior projeto de desmonte educacional que este país já viu. Anos de estudo, pesquisa e trabalho duro perdidos. Quem viver terá um longo trabalho pela frente. Muito triste.

Maria Ísis Meirelles M. de Barros

misismb@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

*

ORÇAMENTO SECRETO

Não é difícil imaginar que 100% dos recursos das tais emendas do relator foram usados para enriquecer os parlamentares envolvidos no esquema, nenhum centavo foi usado em benefício da população. O parlamento está prestes a entrar em guerra com o Supremo Tribunal Federal (STF), para garantir que os nomes não apareçam, o que torna evidente a podridão do esquema todo. Não há solução de continuidade para o Brasil com esse lixo de Parlamento e um Sistema Judiciário que engole desaforos, sem fazer nada. O Brasil se tornou o paraíso do crime organizado político, a Disneylândia do desvio de dinheiro público.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

LARANJAS DA VERBA SECRETA  

Afronta à Nação!  Não é possível que o Congresso, num verdadeiro  desrespeito à decisão do STF, aprova projeto que descaradamente mantém repasses do orçamento secreto. E, literalmente, institucionalizaram a figura de laranjas, nas bilionárias verbas distribuídas entre 2020 e 2021. Já que, em ato repugnante, não vão revelar os nomes de deputados e senadores que receberam esses recursos.  Mas supostamente de quem solicitou, como um governador ou prefeito, etc. E, em 2022, esses congressistas, para suas orgias em seus redutos eleitorais, terão uma verba em torno de R$ 16 bilhões, sem haver regra sobre quais áreas serão beneficiadas com essas excrescentes verbas do relator. Porém, o que se espera é que o STF não se curve. Porque, em recente decisão no plenário, ficou claro que o Congresso deve informar o nome dos deputados e senadores, assim como o valor recebido, entre outros dados. E como está suspensa a distribuição dessas verbas por decisão do STF, o futuro desses repasses quem vai decidir é a ministra Rosa Weber! Espero que jogue por terra a aprovação desse vergonhoso projeto, que fere a transparência no uso dos recursos públicos.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DESRESPEITO AO CIDADÃO

O senador que é o relator do orçamento secreto deu uma entrevista para a Globonews  tentando justificar o injustificável.  Disse que é impossível saber para quem foi e qual foi o político que encaminhou o dinheiro.  Não são centavos! O desrespeito com o imposto suadíssimo de cada brasileiro chegou ao máximo! Não somos tão bobos! Já aguentamos demais um governo que se auto intitula não corrupto.  

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso 

zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

IMORALIDADE

A insolência do orçamento secreto, que desde a divulgação das reportagens do Estado, deixou de ser secreto, ultrapassou seus próprios limites. O Congresso ignorou o parecer do STF, de que repasses de verbas devem ser transparentes por imperativo constitucional, e aprovou a medida que mantém tais repasses validando a transparência só daqui para frente, já que “não há registro”, segundo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, do que aconteceu no passado (!). Risível. E se o Supremo se recusar a destravar a verba bilionária, a turma da “ditadura do STF” seguramente vai protestar. O orçamento secreto dá  lugar a cenas de imoralidade explícita. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DESCUMPRINDO A LEI

No momento em que a campanha eleitoral de 2022 precocemente se inicia, acho importante que o eleitor comece a avaliar os pretensos candidatos. O simples fato de que o presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco, decidiu descumprir uma ordem judicial do STF de dar publicidade à indicação, aos valores e à destinação das execráveis emendas do relator (conforme exigência de transparência e publicidade contida na nossa Constituição), já demonstra que o citado não reúne condições morais de postular ao cargo máximo da Nação (e olha que se trata de um político que veio da área jurídica, é de pasmar!). Já com relação ao presidente da Câmara, senhor Arthur Lira, não se poderia esperar outra atitude; atenção eleitores de Alagoas, sua responsabilidade é enorme!

José Roberto dos Santos Vieira

jrdsvieira@gmail.com

São Paulo

*

SITUAÇÃO SÓ PIORA

O pior presidente do Brasil de todos os tempos, Bolsonaro, não faz o mínimo, mas o máximo e o que puder para colocar  em uma situação ainda pior, seja internamente como externamente.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

São Paulo

*

REFIS X PRECATÓRIOS

O Congresso brasileiro é o protetor dos caloteiros. Primeiro aprovaram a PEC do calote (precatório), agora querem aprovar a lei do calote (refis). No Brasil idiota é quem paga imposto em dia!

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

ELEIÇÕES 2022                         

Não quero acreditar que o Partido dos Trabalhadores (PT) irá  novamente governar o Brasil.  Arrepio-me quando ouço analistas políticos afirmarem que isso poderá acontecer. Será  o cúmulo do absurdo   o eleitorado brasileiro repetir a dose. Caso aconteça esse  desastre, poderemos  gritar o nome do culpado para os quatro cantos do mundo ouvir.  Como vai ser triste ver o nosso País infestado de bandeiras vermelhas. Ah, tomara que isso não aconteça. Nós, eleitores, teremos a chance de encostar os nocivos e escolher aqueles que visam ao bem da população brasileira. Encaremos com seriedade as eleições de 2022.  Optemos pelos melhores. Tenhamos muito cuidado. Chega de entregar o poder aos piores.

Jeovah Ferreira

jeovahbf@yahoo.com.br>

Taquari (DF)

*

STF E MORO

Estou curiosa para saber como e quando  o ex-juiz Sérgio Moro vai tratar da questão da ditadura do poder judicial, exercida às claras pelo STF,  interferindo sem pejo nos demais poderes da república  e esgarçando nossa Constituição. O que ele dirá sobre isso? O povo quer saber!

Mara Montezuma Assaf

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PROTEÇÃO CONTRA MAUS POLÍTICOS

Vacinados contra políticos populistas, ignorantes e incompetentes, eleitores brasileiros devem se proteger   agora contra novas variantes de candidatos mais contagiosos.   Uma dose de reforço pode nos proteger dessas novas cepas de políticos oportunistas, ainda não sequenciados, contra os   quais ainda não estamos protegidos. São oriundos de outras   áreas onde causaram graves perdas. Contra os terríveis vírus Trump e Bolsonaro de cepas que atacam pela direta ou do vírus de esquerda, como os conhecidos Lula e Ciro, já nos vacinamos.   As novas cepas ômicron de vírus tipo Doria ou Moro requerem  novas vacinas. O vírus Centrão é hiperendêmico no Brasil e ainda não há vacinas para combatê-lo. Políticos bacterianos, fungos ou protozoários requerem tratamentos diferentes. Parasitas  requerem tratamentos específicos. Paulo Sergio Arisi 

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

SISTEMA ELEITORAL

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou que os testes públicos de segurança do sistema de votação foram, de acordo com o Estadão, "um sucesso". Afinal, "só" 17% dos ataques foram bem-sucedidos. Mas como classificar um único ataque como "não grave" e, mesmo assim, dizer que os testes foram um sucesso? Os eufemismos para convencer os leitores desatentos que o sistema é 100% seguro só colocam sob maior desconfiança todos os outros cidadãos. Precisamos não só de maior transparência, como também que os agentes públicos parem de achar que só lidam com idiotas. 

Oscar Thompson

oscarthompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

*

REPRESSÃO NÃO É SOLUÇÃO

O episódio envolvendo as dragas de garimpagem flagradas no rio Madeira, atualmente ilegais, demonstram se tratar de uma atividade integrada na realidade amazonense, incluindo famílias inteiras no processo exploratório. Considerando que atualmente temos um zero à esquerda no poder, seria o caso dos pretensos candidatos ao Palácio do Planalto proporem a regulamentação da atividade, por exemplo, por meio da criação de distritos exploratórios, demarcados geograficamente e envolvendo áreas de mata e rios. Nesses distritos, o acesso e a exploração do ouro seria autorizada e fiscalizada pelo Poder Público, que se fará presente com a permanência de seus servidores civis e militares, inclusive com a coleta de impostos da produção mineral, além de propiciar uma vida digna e legalizada a todos que vivem dessa atividade. Uma nova visão do problema se faz premente. Resta comprovado que só a repressão não é solução.

Honyldo Roberto Pereira Pinto 

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

DESPEDIDA EMOCIONANTE

Foi emocionante a despedida da nossa querida atleta Formiga. Chamou atenção, no entanto, o vazio das arquibancadas, a sugerir que autoridades locais não teriam se dado conta da importância do fato. E não teriam tido o esperado empenho em incentivar a população a comparecer, até em retribuição à escolha da cidade de Manaus como sede de tão significativo evento. Com a vibração do público, o espetáculo teria sido mais condizente com a importância da Formiga no futebol feminino, reconhecendo sua brilhante atuação em 26 anos de trabalho na seleção brasileira. 

Patricia Porto da Silva

portodasilva@terra.com.br>

São Paulo

*

OPORTUNISMO 

As ausências dos dirigentes Rodolfo Landim e Marcos Braz no jantar dos atletas do Flamengo e familiares, após a derrota para o Palmeiras, mostram bem um perfil oportunista dos dois pretensos cartolas. Se o Flamengo tivesse conquistado a Libertadores, ambos estariam posando para fotos, na expectativa de faturamento eleitoreiro. Entre algumas contratações envolvendo repetidas viagens do vice de futebol à Europa para importação nem sempre convincente de jogadores e dispensa de jovens promissores já testados com êxito, a tendência de uma temporada sem título nacional e internacional se confirmou. Enquanto isso, o vice, antes desconhecido, já se elegeu vereador e o presidente já insinua suas preferências e pretensões político-eleitoreiras, à sombra das glórias da nação rubro-negra.

Antonio Francisco da Silva

anfrasilva@terra.com.br>

Rio de Janeiro

*

INVESTIMENTO NECESSÁRIO

Acabou de sair um estudo, segundo o qual cada preso no Brasil custa R$1.800 por mês. Ora, com uma inteligência mediana dá para entender que investir em educação e oportunidades de trabalho o investimento será muito mais eficiente e teremos, com certeza, menos presidiários, despesas muito menores e um País mais igualitário.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.