Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo;

Fórum dos leitores, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2021 | 03h00

Economia

Recessão técnica

Manchete do Estado de ontem: PIB cai pelo 2º trimestre seguido e coloca o Brasil em recessão técnica (3/12, B1). Com o presente estagnado em recessão técnica e o futuro incerto e imprevisível, sob o sofrível comando do polêmico e alienado ministro Paulo Poliana Guedes, a economia do Brasil segue de vento em proa, e o pibinho ó... Pobre Brasil.

J. S. Decol decoljs@gmail.com 

São Paulo

*

Do paraíso ao inferno

Paulo Guedes, no discurso de posse em janeiro de 2019: “O Brasil deixará de ser paraíso dos rentistas e inferno para empreendedores”. Atualmente, o Brasil é o paraíso dos rentistas e o inferno dos empreendedores.

Franz Josef Hildingerfrzjsf@yahoo.com.br 

Praia Grande

*

Educação

A conta da pandemia

Sobre a matéria Número de crianças fora da escola aumenta 171% (Estado, 2/12, A19), os efeitos da pandemia na educação brasileira apresentam uma conta pesada para a sociedade e o sistema público de ensino. Na reabertura das escolas e no planejamento para 2022, os gestores da educação têm o desafio de enfrentar esses problemas com determinação. É necessário que os municípios e o Estado tenham um balanço da queda das matrículas, identifiquem os alunos, contatem suas famílias e busquem garantir a matrícula e condições de retorno às escolas. Nessa direção, encaminhei ofícios às Secretarias de Educação de São Paulo, de São Carlos e do Estado formalizando uma sugestão: a criação de agentes comunitários de Educação, com atribuições de aproximar as famílias do ambiente escolar e desenvolver ações práticas para auxiliá-las no acompanhamento e no apoio ao aprendizado dos alunos. Ações integradas entre as esferas de governo, afinal, devem ser iniciadas de imediato, porque, se nada for feito, o processo educacional no País vai sofrer um atraso não só de dois anos, mas de algumas décadas. Da mesma forma, o MEC não pode continuar ausente da formulação de um plano de atuação sério para a educação no País, com apoio técnico e financeiro aos municípios e com uma estratégia nacional que cumpra efetivamente o que estabelece a Lei de Diretrizes e Bases. Não há tempo a perder e o Brasil não pode esperar. Omitir-se neste momento – sobretudo quanto ao imperativo de universalizar o acesso à educação básica – é comprometer toda uma geração de crianças e jovens, retardando a justiça social, da qual a educação é o mais eficiente instrumento.

Azuaite Martins de França, professor, 3º vice-presidente do Centro do Professorado Paulista assessoriajp@cpp.org.br 

São Carlos

*

STF

Bordão

O mais novo integrante do Supremo Tribunal Federal (STF), André Mendonça, lançou mão de um bordão: “Na vida, a Bíblia, no Supremo, a Constituição”. Façamos votos de que não se trate apenas de espetaculosa zeugma e que o “terrivelmente evangélico” não seja terrivelmente submisso. Boa sorte, excelência!

Alexandru Solomon Alex_sol@terra.com.br 

São Paulo

*

‘Uma boa história’

Herança generosa

Em meio às más notícias que os jornais, lamentavelmente, são obrigados a trazer diariamente, viu-se nesta semana uma rara exceção. O Estadão deu destaque ao legado deixado pelo advogado Orlando Di Giacomo Filho em favor de duas instituições de Saúde em São Paulo, após sua morte. Quem o conheceu já era sabedor da sua especial generosidade. Que o gesto do dr. Orlando sirva de inspiração e exemplo àqueles que cuidam, ou deveriam cuidar, da saúde pública. Cumprimento o Estado pela divulgação da história, o dr. Orlando e o advogado Altamiro Boscoli, que fielmente fez cumprir a vontade dele.

Eduardo Ricca eduardo@vikanis.com.br 

São Paulo

*

Campeonato Brasileiro

Atlético-MG

Fênix, na mitologia grega, ou Bennu, na mitologia egípcia, é uma ave com força descomunal que se renova através da autocombustão e do ressurgimento das suas próprias cinzas. Pois essa ave, em Terra Brasilis, ressurgiu como um alvissareiro galo, mascote do Atlético-MG, bicampeão brasileiro de futebol de forma épica e incontestável.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com 

Belo Horizonte

*

 

________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

*

ESPERANÇA NAS ELEIÇÕES

O poeta Dante Alighieri, quando descreve a saída do inferno, tem uma frase memorável: "E uscimmo a rivedere le stelle" (E saímos para rever as estrelas). Creio que este é o sonho que nós, brasileiros, devemos sonhar, as alternativas que temos agora não parecem indicar um desenvolvimento estratégico que acolha nossos filhos e netos. Mágicos não serão bem-vindos, temos de eleger gente honesta e competente para poder chegar no tão sonhado país do futuro.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

VIDA DE JACARÉ

Que pena que o presidente mentiu quando disse que "quem tomou a Coronavac" poderia virar jacaré. Do jeito que o Brasil está e o que nos apresenta para o futuro, melhor mesmo seria a vida de jacaré.

Affonso Maria Lima Morel

affonso.m.morel@hotmail.com

São Paulo.

*

DESFAÇATEZ

Discursos de políticos, como o de André Mendonça em sabatina no Congresso, são de total desfaçatez. Sempre rezam a mesma cartilha quando reafirmam, todos, que não se pode criminalizar a política. Ou seja, uma política em que a grande maioria dos políticos é formada por criminosos é dita criminalizada por aqueles que buscam as benesses dos cargos públicos que lhes darão, ao deleite, as tetas sagradas do leite suado e sangrado do povo trabalhador e pagador de impostos. É repugnante e hipócrita discursar contra a corrupção, em meio a políticos em pleno gozo da imunidade, privilégios e processos engavetados. Flávio Bolsonaro foi inocentado e Sérgio Moro serve de alvo das pedradas. Este é o país que temos: pusilânime, antidemocrático, criminoso, absurdo, loteado pelos partidos políticos cleptocratas e verdadeira ama-de-leite, amamentando com lágrimas, suores e sangues os grandes representantes nacionais do circo chamado Brasil, deste teatro onde são representadas a democracia e a república, mas de modo hipócrita, vergonhoso e patético.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro 

*

TRISTE RESULTADO

A palavra Supremo tanto pode se referir a Deus como ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mas, a Deus o que é de Deus e a César o que é de César. Ministro da Justiça do  governo Bolsonaro e ministro da Igreja Presbiteriana, André  Mendonça é indicado a ministro do STF por sua condição de terrivelmente evangélico. Em sabatina no Senado, o ministro do governo antidemocrático, totalitário de carteirinha e inimigo declarado do STF, se apresenta como um arauto da democracia, defensor das liberdades e do estado democrático de direito, em  total oposição ao que pratica o governo do qual é um de seus mais fiéis pilares e principal defensor. Duas faces de um mesmo ministro de misteriosos desígnios, mas de claras práticas antidemocráticas e terrivelmente autoritárias de direita.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

DESDÉM DO SENADO

Mais uma vez o Senado tratou com desdém sua prerrogativa de escrutinar indicados ao STF e aprovou aquele que é o nome mais desqualificado na história recente. André Mendonça provou, repetidamente, com palavras e atos, ter convicções não compatíveis com o Estado Democrático de Direito: extremista religioso e servil ao presidente, não titubeou ao utilizar a autoritária Lei de Segurança Nacional para perseguir adversários políticos do suserano e defender interesses pessoais deste. Comportou-se como um inquisidor do Santo Ofício no julgamento sobre a abertura dos templos religiosos durante a pandemia, tratando-nos, brasileiros, como se fôssemos todos cristãos, descartando a laicidade do Estado e citando a Bíblia como argumento jurídico. Reconheceu explicitamente sua "submissão"[SIC] a bispos da Assembleia de Deus e, antes que esfriassem as palavras melífluas e ensaiadas dadas na sabatina, já as desmentiu nas declarações sectárias dadas logo em seguida. Infelizmente, o fato é consumado e teremos de suportá-lo durante longos 26 anos; resta-nos torcer e rezar para que não seja um taleban da cruz, que deixe de lado sua subserviência e seu fundamentalismo, que se reinvente e que mostre ser digno do cargo, não meros outros 10% de Bolsonaro dentro do Supremo.

Flavio Calichman

ibracal@uol.com.br

São Paulo

*

SABATINA DE ANDRÉ MENDONÇA

Neil Armstrong se revirou na tumba; a Lua, se pudesse, virava de costas. “Um

passo para o homem, um salto para os evangélicos”. E um  "tropicão" da Justiça.

A. Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

32 VOTOS CONTRÁRIOS

O ministro André Mendonça teve 32 votos contrários à sua indicação para o STF. Até então, pensávamos que cabia ao senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, a exclusiva (ir)responsabilidade (?) pelo sobrestamento dos autos nos escaninhos daquela Comissão por mais de 4 meses! Que jogo era aquele? Ficou provado que Davi estava aliado a muitos Golias (pouco mais de 1/3 dos senadores), conspirando contra o ministro e contra o Brasil. A que custo? A Bíblia daquela Casa é outra. Trinta moedas são fichinhas! 

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SALTO ALTO

No país de Bolsonaro, os  evangélicos  ganharam  salto alto, garantido pelo novo protetor dos interesses de Jair Bolsonaro. É a demonstração pública de mais uma maneira de usar o poder da Presidência da República para proteger a família Bolsonaro dos rigores da lei. É mesmo por isso que Bolsonaro  não faz outra coisa que não seja tentar a reeleição, que lhe garantiria  mais quatro anos para completar sua defesa e, quem sabe, perpetuar-se no poder. 

Luiz Ribeiro Pinto

brasilcat@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

DECEPÇÃO COM O RESULTADO

Puxa vida, o Senado ter aprovado André Mendonça para o STF foi a cereja do bolo das decepções que vem causando em todos que ainda tínhamos esperança de ver esse homem, subserviente a Bolsonaro e que provou ser um perigo para a democracia em vários momentos no passado recente, fora da Corte Suprema. O Congresso Nacional só nos dá tristeza. Que gente é essa?

Jane Araújo

janeandrade48@gmail.com

Brasília

*

VITÓRIA DE BOLSONARO

Novamente a razão superou a emoção. André Mendonça foi aprovado para o STF. Méritos para o presidente Bolsonaro.

Arcangelo Sforcin Filho

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

SÉRGIO MORO

Parece que os Três Poderes da República são contra a candidatura de Sérgio Moro. Claro que dá para imaginar o motivo,  é o único candidato que não precisa dissimular seu discurso. 

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

DELAÇÃO PREMIADA

No Brasil da impunidade, a delação premiada não é suficiente para que o meliante seja condenado. Só falta para, de fato, comprovar o crime, exigir que haja recibo do malfeitor com firma reconhecida em cartório. Mesmo assim, se puder contratar o top advocatício, o processo será postergado e dificilmente o contraventor será detido e, se for, será por pouco tempo. Exemplo vivo: no caso da Petrobras, todos os culpados estão soltos.

Humberto Schuwartz Soares

soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

PROJETO SOCIAL 

A propósito da discussão que ocorre entre o Congresso e o governo federal sobre quem financiaria a distribuição de absorventes para “estudantes de baixa renda e população vulnerável” (1º/12, A2), gostaria de propor a ampliação das reflexões das autoridades federais e a participação das autoridades governamentais do Estado de São Paulo, para atingirmos um horizonte mais amplo nesse debate. E o objetivo principal seria a realização do direito das meninas, adolescentes e jovens e mulheres adultas à sua proteção higiênica, durante o ciclo menstrual. Fui autor de uma pesquisa, que foi publicada pela ONG Cebrij, no ano de 2007, com Maria do Carmo Caccia-Bava, professora doutora do Departamento de Medicina Social da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto. Entrevistamos dezenas de mulheres adultas e jovens de famílias residentes nos bairros mais vulneráveis das cidades de Araraquara e Ribeirão Preto, com apoio, à época, de agentes comunitários de saúde ao nosso projeto, que também era de extensão. Integrantes de nosso grupo estabeleceram contato com empresas produtoras de absorventes e com outras que financiariam a compra de pequenas máquinas para sua fabricação, que poderiam ser instaladas próximas aos centros comunitários daqueles bairros, num espaço correspondente a um cômodo de uma casa popular. Optamos pela instalação das máquinas nos bairros, que seriam operadas por mulheres adultas, onde atuávamos e teríamos assistência técnica das empresas fabricantes dessas unidades produtivas. O Projeto recebeu o nome UPA – sigla de Unidade de Produção Absorventes. E os gestores públicos dessas unidades seriam servidores municipais das secretarias de Saúde e Promoção Social, cujas médicas, enfermeiras e assistentes sociais interagem todos os dias com agentes comunitárias de saúde e moradoras dos bairros definidos. O grupo universitário ficaria responsável pela organização da capacitação das operadoras do maquinário, com apoio do Senai local, e organização do depósito para armazenar centenas de absorventes. O maquinário seria doado pelas empresas fabricantes, com a contrapartida de serem mencionadas nas matérias jornalística e em comunicações científicas voltadas à divulgação do projeto. O projeto deixou de avançar, naquele ano, pela dificuldade de apoio e maior compreensão dos poderes Legislativo e Executivo locais, que desejavam indicar bairros para sua implantação, distantes daqueles em que já atuávamos, com estudantes universitários já envolvidos há mais de ano em seus projetos comunitários; que, por seu lado, foi resultado de mais de ano de diálogo e conquista da confiança das suas moradoras. Mas tudo pode recomeçar, iniciando pelo diálogo entre envolvidos.

Augusto Caccia-Bava Júnior

augusto.bava@unesp.br

Araraquara

*

TRAGÉDIA NA BOATE KISS

É muito triste verificar que o martírio de 242 jovens no incêndio da Boate Kiss em Santa Maria, RS, em janeiro de 2013, ainda não acabou, como registra a matéria "Julgamento de 4 réus do caso Boate Kiss começa no RS" (2/12, A20). Quem, na verdade, decretou a morte desses jovens foi o alvará do Corpo de Bombeiros. Não havia rota de fuga na boate, como é sabido. Agora, como a responsabilidade do Corpo de Bombeiros não está mais em julgamento, resta examinar a responsabilidade de um produtor musical, um músico e dois sócios da boate, os quais obtiveram o alvará de funcionamento expedido pelo Corpo de Bombeiros. E à sociedade resta esperar que essa lição de irresponsabilidades venha servir para alguma coisa. 

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

TECNOLOGIA 5G

Com o surgimento do 5G, a velocidade de conexão móvel deve aumentar em até cem vezes, em relação à atual 4G, o que será uma revolução sem precedentes nas comunicações virtuais. Quais serão os efeitos em nosso cotidiano,  não podemos ainda ter condições de perceber, mais certamente será uma revolução em nossas vidas, posto que, tudo será impactado com essa nova tecnologia, exigindo de todos nós, independente de qual geração pertençamos, uma imediata adaptação a essa nova realidade que passaremos a viver, já agora no próximo que se aproxima. 

José De Anchieta Nobre De Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.