Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 03h00

Justiça

Anulações em série

Um pelotão de corruptos está festejando a anulação, determinada pela Justiça, de suas condenações. O País, mal refeito do choque de perplexidade causado pela neutralização das várias penas impostas a Lula da Silva, decidida pelos ministros da Corte Suprema após conclusões sem substância dando conta de que quem o condenou não tinha competência para tal, constata, mais recentemente, que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) tornou sem efeito as correções destinadas a Antonio Palocci, João Vaccari Neto e Renato Duque, e que o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) eliminou as de Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, além de que, mais uma vez, o Supremo Tribunal Federal (STF) livrou ninguém mais, ninguém menos que Sérgio Cabral de uma de suas condenações, abrindo caminho para o desmonte das outras 20 que ainda cumpre. E a sociedade assiste impassível à destruição do esforço construído para livrar o Brasil de uma chaga, a corrupção, que, mal curada, pode voltar com mais força. Só resta clamar por socorro.

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com 

Rio de Janeiro

*

‘Liberou geral’

O artigo da economista e advogada Elena Landau (Estado, 10/12, B4) é um bom resumo do que se passa no dia a dia do processo decisório do Brasil. Lamentavelmente, é que somos todos os dias carimbados de otários. Revoltante.

José Luiz Abraços octopus1@uol.com.br 

São Paulo

*

Prisão em 2ª instância

Abençoada prescrição

Centrão age e adia PEC da prisão em 2ª instância (Estado, 9/12, A13). Congresso Nacional e Poderes Executivo e Judiciário brasileiros querem distância da prisão após condenação em segunda instância e “Lava Jato nunca mais!”. Uma pá de cal definitiva no combate à corrupção no país de todas as maracutaias. Processos envolvendo acusação de corrupção de políticos devem tramitar em todas as instâncias, até que seus caríssimos advogados, por meio de infindáveis recursos, conduzam os processos à abençoada prescrição. Amém.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com 

Porto Alegre

*

Eleições 2022

Bandeira anticorrupção

Está correto o candidato à Presidência da República que tem foco no combate à corrupção. Está mais do que provado que a miséria brasileira não é fruto da falta de dinheiro, e sim da corrupção e da malversação do dinheiro público. Portanto, no dia em que estes não forem mais um problema nacional, fatalmente teremos um país menos miserável.

Marco Antonio Martignoni mmartignoni@ig.com.br 

São Paulo

*

Moro candidato

Confesso que, daqui da minha humilde posição, nos poleiros de baixo do Brasil, não entendo o que se passa na cabeça do pessoal lá nos poleiros de cima. O que o dr. Sergio Moro, a meu ver uma pessoa inteligente e preparada, espera conseguir com sua protocandidatura à Presidência do Brasil? Lembro-me das candidaturas de outros mordidos pela mosca azul, Heloísa Helena, Marina Silva e Cristovam Buarque: todas naufragaram já no primeiro turno com votações inexpressivas, varridas pelos tsunamis polarizadores da época, apesar das inegáveis e nobres credenciais destes postulantes ao augusto cargo. Lanço, aqui, portanto, um apelo ao dr. Sergio Moro, para que se candidate à Câmara dos Deputados, onde a sua eleição já está assegurada, e por votação estrondosa. Lá, ele terá força e imunidade para que a sua voz seja ouvida. Além disso, a sua expressiva votação vai “puxar” um bom número de deputados do mesmo naipe, para se contraporem aos desvarios do vencedor da guerra de quadrilhas da Presidência em 2022. Aliás, um “vencedor” que receberá para governar um Brasil falido e nocauteado e que precisará entregar de vez o cofre da viúva para saciar a voracidade dos outros Dois Poderes da República e se manter no poleiro de cima.

Alfredo Franz Keppler Neto alfredo.keppler@yahoo.com.br 

Santos

*

O exemplo alemão

Social-democratas, verdes e liberais unidos para conduzir a Alemanha. E olhem que eles nem viveram uma hecatombe. Não poderíamos seguir o exemplo aqui, no Brasil, em 2022?

Francisco Eduardo Britto britto@znnalinha.com.br 

São Paulo

*

________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

*

CÚPULA PELA DEMOCRACIA

Com mais este novo discurso na Cúpula pela Democracia, convocada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro  disse que o Brasil tem como valor inerente a proteção aos direitos humanos. Aqui, neste ponto, ainda bem que se referiu ao País, ao Estado, e não a seu governo, pois então este ponto seria caracterizado como fake news. Mas, quando afirmou que seu governo defende as liberdades de expressão, e focou especificamente na liberdade de opinião na internet, aqui, Bolsonaro mentiu descaradamente. Ou seja, deem um microfone e uma plateia a Bolsonaro para esperar dele qualquer coisa, mas não a verdade, a sinceridade, nem sequer a vergonha na cara de não se mostrar um covarde ao não assumir suas próprias falas e seus próprios atos.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

FAZENDO HISTÓRIA

O Brasil está fazendo história ao revelar ao mundo um exemplo paradigmático de Caquistocracia plena e total, em todas as instâncias de um desgoverno ímpar entre Nações em decadência política. Junção da palavra grega "kakistos" (superlativo de "mau") e "kratos" (poder), significa "os piores no poder". Uma definição sob medida para o que está acontecendo no governo brasileiro, em que as pessoas mais contrárias à determinada atividade assumem  o ministério correspondente para destrui-lo com mais competência. O ódio e a raiva à educação, à saúde, ao meio-ambiente, às relações com outras nações, o desprezo pela liberdade determina todas as indicações aos respectivos ministérios. A caquistocracia totalitária como ideologia síntese de um governo de perversos destruidores de Estados e nações democráticas.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

RESPONSABILIDADE

Entre loas e críticas, todos, absolutamente todos, gostem ou não,  se esquecem

que um povo é sempre responsável pelos atos do seu governo.

 

Ademir Fernandes

standyball@hortmail.com

São Paulo

 

ESPERANÇA

O artigo da Eliane Cantanhêde no Estadão ( Rio de Janeiro * NOVA VARIANTE DA COVID Agora que estávamos esperançosos de passar o Natal reunidos com os membros da família, surge uma nova variante do coronavírus, Ômicron, na África do Sul. O que fazermos, então? Fecharmos as nossas fronteiras para impedir a entrada do perigoso vírus? Tomamos uma dose de reforço das vacinas de que já dispomos? Ou procuramos uma outra solução muito mais prática, tal como a edição de uma medida provisória? Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com São Paulo * CONDENAÇÃO NA 2ª INST NCIA Sou a favor da prisão, após a condenação em Segunda Instância, mas que seja em todas as Varas: criminal, de família, cível, trabalhista, eleitoral, militar e outras que também existam. Mas a discussão parece ser apenas na criminal? Por quê? Azor de Toledo Barros Filho azortb@gmail.com São Paulo * DESMONTE DO PAÍS Existem propagandas comerciais, cujos criadores estavam inspirados na ocasião, a ponto de se tornarem sinônimos de excelência. Aconteceu anos atrás com a marca de um refrigerador e, mais recentemente, com o posto Ipiranga de combustível. O presidente Bolsonaro resolveu apelidar o ministro da Economia, com a alcunha do referido posto. Azar do estabelecimento comercial, o autêntico, pois, conforme as matérias publicadas pelo Estadão, o referido ministro conseguiu feitos extraordinários, com o perdão do trocadilho, a ponto de o posto de gasolina não poder usar mais a sua propaganda, sob perigo de falência. O absurdo aumento da taxa Selic, pelo Banco Central, com certeza necessário, que sepultou o que o Plano Real criou, e as entrevistas dos economistas Ilan Goldfajn e Eduardo Gianetti da Fonseca resumem os estragos, um desmonte das instituições fiscais. Assim como a quase totalidade dos órgãos federais, como apontam as reportagens da imprensa. Só na edição de 8/12 ficamos sabendo que o presidente, em uma queda de braço com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), decidiu que quem não estiver vacinado, ao chegar ao Brasil, terá de cumprir quarentena de apenas cinco dias! E o ministro da Saúde, sendo médico, concordou com isso. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reduziu o assentamento de colonos, que estão há 22 anos no Pará, para permitir a mineração de ouro no Rio Xingu. Logo no rio já detonado pela hidrelétrica Belo Monte. A Amazônia, devido ao aquecimento global, trará mais lucros para o País do que a mineradora canadense. Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br São Paulo * EXTINÇÃO DO IPVA O Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) deveria ser extinto, assim como foi extinta a antiga Taxa Rodoviária Única (TRU), após a qual criaram o IPVA, um imposto que mais parece um castigo: comprou um veículo automotor, pronto, já têm de pagar o castigo. O IPVA é tão injusto que essa arrecadação não tem um destino pré estabelecido, entra nos caixas do Estado e dos Municípios como um todo, sem destinação específica e, assim, acaba beneficiando a população no geral, até quem não possui nenhum veículo automotor. Paga-se somente pela propriedade, como diz o nome: Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor. Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com São Paulo">Moro, conveniente no primeiro turno, pode ser mortal para Lula no segundo, 10/12, A12) traz uma luz de esperança aos brasileiros quanto à eleição presidencial de 2022. A previsão de que Lula ou Bolsonaro venham a ocupar novamente a Presidência pode não se confirmar, segundo a jornalista. O crescimento do nome Moro nas pesquisas está assustando os dois pretendentes, para a alegria de muitos eleitores descontentes até  o momento. Que a luz que começou a iluminar transforme-se em luz de esperança para os eleitores cansados de  aturar presidentes incompetentes.

Toshio Icizuca

toshioicizuca@terra.com.br

Piracicaba

*

SÉRGIO MORO E SIMONE TEBET

Não seria uma chapa bastante convincente: Sérgio Moro (Podemos) e Simone Tebet (MDB)?  Decência, dignidade, trabalho e coragem juntos não seriam os atributos que o Brasil procura? O Lula da Silva, ressuscitado e transformado em ficha limpa, teria currículo moral e intelectual para o enfrentamento?

José Carlos de Carvalho Carneiro.

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

AÇÕES EXTREMAS

Diante do resultado das últimas pesquisas de intenção de votos para as eleições do próximo ano, que apontam Lula como vencedor já no primeiro turno, o que tem causado desespero nas hostes bolsonaristas, cabe um alerta ao ex-presidente para deixar as barbas de molho. Sob o comando da famiglia Bolsonaro e tendo por inspiração o atentado sofrido pelo presidente em exercício às vésperas do pleito de 2018, as violentas ultra-radicais milícias de extrema direita poderão pensar em algo semelhante. Antes de Lula sair em público para a campanha, é bom estar prevenido.

Vicky Vogel

vogelvick7@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TERCEIRA VIA

Muito bom o editorial do Estadão (Almas gêmeas, 9/12). Infelizmente, Lula e  Bolsonaro fazem parte da mesma roupagem populista, embora um seja o avesso do outro, a verdade é que “um não existe sem o outro”, sendo quase um “cartel no jogo de poder“ do Estado. Somente uma terceira via competente, unida e ética poderá desbancar esse “jogo de poder” nocivo ao País. Que os candidatos da terceira via se unam, apoiando aquele que seja o mais provável de desbancar essa polarização, e que deixem seus “egos” de lado para priorizar o bem do País. A minha sugestão, para a terceira via ter mais chance de vencer é que esses candidatos se unam em apoio ao candidato que tiver a maior intenção de votos nas pesquisas, e que isso aconteça antes do primeiro turno.

Silvia Almeida

silvia_almeida7@hotmail.com

São Paulo

*

LULA CANDIDATO

Quanto mais tempo o Lula tentar se lançar candidato, mais sairá desgastado!

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

NOVOS TEMPOS COM MORO

Não obstante a expressiva aceitação preliminar do seu nome como candidato ao cargo de presidente da República nas eleições de 2022,  o ex-juiz Sérgio Moro vem sendo alvo não só de sórdida campanha difamatória, como de cobranças intempestivas. Não satisfeitos, seus algozes  estão a exigir plano de governo e propostas concretas para solução - praticamente mágicas -, diante dos graves problemas do País. Curioso, para não dizer maledicentes, que esse pessoal, certamente preocupado com sua performance,  se negue a cobrar dos demais candidatos, incluindo os que o precederam nessa caminhada, propostas para corrigir o destino de um País sem rumo. Esse homem corajosamente expôs as vísceras um sistema de corrupção incrustado não só em estatais, mas no coração do Estado brasileiro, desnudando por completo as nossas mazelas para o mundo. Apesar dos reveses  e equívocos,  Moro demonstra ainda ter força e disposição para continuar a colaborar, fazendo o que considera certo, visando a descortinar novos tempos para a nação brasileira.

Noel Gonçalves Cerqueira

noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

*

CORRUPÇÃO CORRENDO SOLTA

Mais um pedido de impeachment contra o desastroso presidente Bolsonaro certamente será jogado no lixo junto com os outros cento e tantos pedidos apresentados contra o pior presidente da história. Bolsonaro aprimorou os esquemas de roubo de dinheiro público praticados pelos parlamentares, hoje não é mais preciso suar a camisa carregando malas de dinheiro sujo no meio da rua. Graças a Bolsonaro, a bancada da corrupção tem acesso direto aos cofres públicos pelo orçamento secreto. As emendas do relator garantem dinheiro na hora, nem é preciso perder tempo com projetos e fraudes, basta pedir e o dinheiro está na mão. Ninguém sabe quem pediu, ninguém sabe quem deu, Bolsonaro realizou o sonho da corrupção extrema, o Brasil existe para dar dinheiro para a bancada da corrupção, nada mais importa e nada nunca mais irá mudar, o País está entregue aos milicianos bolsonaristas e à bancada da corrupção.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

LULA CANDIDATO

Enfim, o (des)condenado Lulla da Silva anunciou o que as grandes e pequenas torcidas de futebol já sabiam desde a infância. Será candidato à presidência da República em 2022! "Só tem uma razão para eu voltar: fazer mais do que eu fiz nos meus dois mandatos", declarou o filho de Garanhuns (PE). Ó, Deus! Não há limites para o pior. Nada vai sobrar de nosso latifúndio.

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com>

Rio de Janeiro

*

NOVA VARIANTE DA COVID

Agora que estávamos esperançosos de passar o Natal reunidos com os membros da família, surge uma nova variante do coronavírus, Ômicron, na África do Sul. O que fazermos, então? Fecharmos as nossas fronteiras para impedir a entrada do perigoso vírus? Tomamos uma dose de reforço das vacinas de que já dispomos? Ou procuramos uma outra solução muito mais prática, tal como a edição de uma medida provisória?

Nivaldo Ribeiro Santos

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

CONDENAÇÃO NA 2ª INST NCIA

Sou a favor da prisão, após a condenação em Segunda Instância, mas que seja em todas as Varas: criminal, de família, cível, trabalhista, eleitoral, militar e outras que também existam. Mas a discussão parece ser apenas na criminal? Por quê?

 Azor de Toledo Barros Filho

azortb@gmail.com

São Paulo

*

DESMONTE DO PAÍS

Existem propagandas comerciais, cujos criadores estavam inspirados na ocasião, a ponto de se tornarem sinônimos de excelência. Aconteceu anos atrás com a marca de um refrigerador e, mais recentemente, com o posto Ipiranga de combustível. O presidente Bolsonaro resolveu apelidar o ministro da Economia, com a alcunha do referido posto. Azar do estabelecimento comercial, o autêntico, pois, conforme as matérias publicadas pelo Estadão, o referido ministro conseguiu feitos extraordinários, com o perdão do trocadilho, a ponto de o posto de gasolina não poder usar mais a sua propaganda, sob perigo de falência. O absurdo aumento da taxa Selic, pelo Banco Central, com certeza necessário, que sepultou o que o Plano Real criou, e as entrevistas dos economistas Ilan Goldfajn e Eduardo Gianetti da Fonseca resumem os estragos, um desmonte das instituições fiscais. Assim como a quase totalidade dos órgãos federais, como apontam as reportagens da imprensa. Só na edição de 8/12 ficamos sabendo que o presidente, em uma queda de braço com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), decidiu que quem não estiver vacinado, ao chegar ao Brasil, terá de cumprir quarentena de apenas cinco dias! E o ministro da Saúde, sendo médico, concordou com isso. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reduziu o assentamento de colonos, que estão há 22 anos no Pará, para permitir a mineração de ouro no Rio Xingu. Logo no rio já detonado pela hidrelétrica Belo Monte. A Amazônia, devido ao aquecimento global, trará mais lucros para o País do que a mineradora canadense.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

EXTINÇÃO DO IPVA

O Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA) deveria ser extinto, assim como foi extinta a antiga Taxa Rodoviária Única (TRU), após a qual criaram o IPVA, um imposto que mais  parece um castigo: comprou um veículo automotor, pronto, já têm de pagar o castigo. O IPVA é tão injusto que essa arrecadação não tem um destino pré estabelecido, entra nos caixas do Estado e dos Municípios como um todo, sem destinação específica e, assim, acaba beneficiando a população no geral, até quem não possui nenhum veículo automotor. Paga-se somente pela propriedade, como diz o nome: Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor.  

Arcangelo Sforcin Filho

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.