Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos leitores, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2021 | 03h00

Verbas públicas

Destino do Orçamento

Dinheiro para os políticos sempre tem e passa fácil nas votações, quando cada candidato deveria arcar com os seus próprios custos, pois ninguém é obrigado a se candidatar a nada. Foram destinados R$ 5,1 bilhões para o Fundo Eleitoral, R$ 16,5 bilhões para o orçamento secreto e, para os pobres, a merreca de R$ 400. É uma vergonha e uma “descaratice” como dizia o prefeito de Sucupira. Os políticos esquecem que foram eleitos para trabalhar para o bem do povo por uma sociedade mais justa.

Jaime E. Sanches

jaime@carboroil.com.br

São Paulo

*

Brasil perdulário

O Brasil é um país perdulário, não sabe empregar seus recursos. O Orçamento para 2022 prevê R$ 44 bilhões em investimentos. Também para 2022, serão destinados R$ 5,7 bilhões para o fundo eleitoral e R$ 979,4 milhões para o fundo partidário. Ou seja, 15% dos R$ 44 bilhões, que poderiam ser investidos para o bem coletivo, estão sendo jogados no lixo. É um absurdo tais verbas para a área política. Isso deveria ser extinto.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

Eleições

Refém da corrupção

Falta um ano para as eleições e o Brasil já perdeu, não há qualquer hipótese de solução com esses candidatos. Representando a esquerda teremos o bom e velho Lula. Fora da cadeia, o candidato petista vai retomar todos os esquemas de desvio de dinheiro público do mensalão, somados à herança maldita do orçamento secreto, que será mantido e ampliado. Representando a direita teremos o tenebroso Jair Bolsonaro, responsável pela morte evitável de centenas de milhares de cidadãos brasileiros, pela pior destruição ambiental da história e por levar a roubalheira generalizada para o centro do governo. Um país que não é capaz de se livrar do seu lixo político está fadado a continuar refém da corrupção e da incompetência, que estabeleceram residência fixa no Palácio do Planalto.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Exemplo no Chile

O candidato derrotado à presidência do Chile reconheceu sua derrota logo que se configurou a tendência dos números. Em seguida, telefonou ao adversário para dar os parabéns pela vitória e, depois, foi visitá-lo para desejar sucesso na sua missão. É um contraste chocante com as atitudes de nosso presidente, cujo comportamento deve ser bem diferente quando tiver de entregar seu mandato ao seu sucessor.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

Meio Ambiente

Mercúrio na Amazônia

Foi divulgada reportagem, em 19/12, sobre a contaminação da bacia Amazônica por mercúrio liberado na mineração do ouro, demonstrada, por exemplo, pelo nível deste metal em peixes e no cabelo dos ribeirinhos, como se fosse uma grande novidade. A partir de 1985, o professor Wolfgang Pfeiffer, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), publicou vários artigos sobre esta versão brasileira da tragédia da Baía de Minamata (Japão), com dados reveladores da contaminação do Rio Madeira e outros afluentes do Rio Amazonas por mercúrio. Segundo um dos artigos de Pfeiffer e colaboradores, 45% do mercúrio (30-150 T/ano) usado na extração do ouro era liberado nos rios e 55%, na atmosfera. Encontraram níveis assustadores de neurotoxina no ambiente, cerca de 1,0 mg/kg em peixes e 70 mg/kg no cabelo da população. Denunciamos este desastre em 1989, negligenciado até hoje, no 120.º Encontro de Presidentes de Sociedades de Química em Lund (Suécia).

Etelvino José H. Bechara

ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

Boas-festas

O Estado agradece e retribui os votos de Feliz Natal e próspero ano novo de Amadeu Roberto Garrido de Paula; Antonio Brandileone; Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração; Centro de Estudos e Pesquisas Brics; coronel Eduardo Biserra Rocha, diretor da Biblioteca do Exército; Fundação Konrad Adenauer; Grupo FSB; Ingrid e Alexandru Solomon; Instituto Aço Brasil; Pensa Centro de Conhecimento em Agronegócios; José Alcides Muller; José Carlos de Carvalho Carneiro; José Renato de Araújo; Luciano Harary; MediaLink; Paulo Arisi; Walber Gonçalves de Souza; Vicky Vogel; e Vicente Limongi Netto.


 

________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

*

O AMANHÃ VIROU ONTEM

Não há futuro para um país que só sabe repetir o passado. A próxima eleição será ruidosa, os dois principais candidatos deveriam estar na cadeia e não representam um futuro promissor. Lula e Bolsonaro representam um passado desastroso e mais nada. Se eleito, o candidato petista irá trazer de volta toda a sua turma, a companheira Dilma deverá ser ministra ou presidirá a Petrobras ou a Eletrobrás. A reeleição de Bolsonaro seria catastrófica com tudo que há contra ele. O sistema político partidário brasileiro é um lixo e desse lixo irá emergir o próximo péssimo presidente da República. A reeleição foi um erro e só causa danos ao País. Significa apenas uma interminável repetição de um passado desastroso.

Mário Barilá Filho

jmariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

LULA E ALCKMIN

Esta aproximação de Alckmin e Lula mostra que na política tudo pode acontecer, inclusive coisa nenhuma.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES 2022

Quais esperanças Lula e  Alckmin representam?  

Eugênio José Alati,

eugenioalati13@gmail.com   

Campinas

*

 

‘A PRESSA É INIMIGA DA PERFEIÇÃO’

Sem ter o que dizer, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, com cara de paisagem falou à repórter que ''a pressa é inimiga da perfeição''. Na verdade, Queiroga vai cada vez mais se distanciando da ciência para abraçar a política. Ora, tanto é verdade que nem se lembra de que a demora resulta em mais mortes pela Covid. Aliás, Queiroga está tão apegado ao negacionista Jair Bolsonaro, que se despediu com um sonoro ``óquei''. Afinal, o ministro já esqueceu que milhares de brasileiros foram a óbito pela demora na compra de imunizantes. Eita, dificuldade para lembrar o lamaçal em que o governo federal se meteu!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

BOLSONARO E A VACINA

Ante tanta aversão contra vacina e levando em conta que os filhos e a esposa já foram vacinados,  há momentos em que me pergunto se Bolsonaro fala mesmo a verdade quando se diz "não vacinado" ou se quer se aproveitar da indignação dos repórteres para não sair da mídia. 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso

zaffalon@uol.com.br 

Bauru 

*

NEGACIONISMO 

Nosso presidente tem certeza de que é o único que está certo. Ele ainda não sabe que uma das razões de as pessoas estarem vivas hoje é justamente por causa do desenvolvimento de um grande número de vacinas. 

Euclides Rossignoli

clidesrossi@gmail.com

Ourinhos

*

COM O PODER NAS MÃOS

Parabéns ao sr. J.R. Guzzo pelo artigo É permitido roubar (19/12). Nele, o senhor  explica para os brasileiros a realidade dos fatos, sem distorções e ideologismo, mostrando o que acontece nas esferas do Poder Público com poderes desmesurados.

Jaime E. Sanches

jaime@carboroil.com.br

São Paulo

*

SOLIDARIEDADE DO BRASILEIRO

Impressionante a capacidade da população brasileira de doar milhões de toneladas de alimentos a instituições que repassam a milhares de moradores de comunidades Brasil afora. Essa realidade de doação de nossa gente é que permite que este País gigantesco não tenha uma hecatombe de violência, face a miserabilidade que atinge um setor significativo da nossa imensa população.

José De Anchieta Nobre De Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DESIGUALDADES

O site inglês Money UK realizou pesquisa para classificar, mediante aplicação de metodologia própria, referida a publicações especializadas, as cidades mais luxuosas do mundo. Os resultados foram apresentados em duas listas das 20 primeiras colocadas. A primeira relação se baseou no número de hotéis cinco estrelas e no de lojas das dez marcas mais famosas do mundo (tipo Cartier e Louis Vuitton, por exemplo) e a segunda levou em consideração o número daqueles mesmos estabelecimentos, mas por quilômetro quadrado. As duas tabelas, como esperado, diferiram nas respectivas ordens de colocação. Algumas cidades que figuram numa das relações não figuram na outra. Sem surpresas, porém, Paris lidera ambas, mas a nossa São Paulo se situa entre as 20 (17.º lugar ) na primeira, mas, pelo tamanho e enorme desigualdade social, não aparece na segunda. Os que tiveram oportunidade de tomar conhecimento pela imprensa do avanço da miséria e da fome na maior metrópole brasileira, com um número cada vez maior de famílias acampadas ao longo da sua principal avenida, foram certamente tomados por estonteante perplexidade, diante do escancaramento de universos tão distintos. 

Paulo Roberto Gotaç

vpgotac@gmail.com.

Rio de Janeiro

*

DESCASO COM OS PASSAGEIROS

Como se viu nas cenas de passageiros frustrados nos aeroportos País afora, a novata Aviação Ita, tal qual o sonho de voar de Ícaro, é igual à Viação Itapemirim, ambas do mesmo grupo em recuperação judicial. Só transportam passageiros por terra. Para decolar, é preciso muito mais do que aviões. Vergonha!

J.S. Decol

ecoljs@gmail.com

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.