Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2022 | 03h00

Governo Bolsonaro

Ano perigoso

Em seu artigo no Estadão (Mais um ano para Bolsonaro piorar, 9/1, A4) o jornalista Rolf Kuntz alerta para o que o presidente Bolsonaro vai aprontar em um ano, que podemos comparar ao fim de feira. O articulista aponta, com razão, para a marca mais notável desse arremedo de governo: a de conseguir piorar o que já é considerado insuperável. E não poderia escolher melhor ao citar o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que o diploma diz ser médico, e as suas ações gritam o oposto. Afinal, atrasar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos, durante uma pandemia, em qualquer país dotado de uma Justiça real daria prisão em flagrante do ministro e impeachment ao presidente. Gostaria de acrescentar que as quadrilhas que atuam na Amazônia, em todas as áreas de depredações, virão com tudo neste último ano de “boca livre”. Foi essa a política criminosa de Bolsonaro sobre o que a humanidade considera a nossa maior arma contra o aquecimento global, a Floresta Amazônica. Para piorar, outros biomas passaram a ser atacados, antes mais respeitados, como o Pantanal e o próprio Arquipélago de Fernando de Noronha, ameaçado com a liberação da pesca. Não tem mais cabimento as demais autoridades não interferirem para obrigar o presidente da Câmara dos Deputados a dar prosseguimento aos pedidos de impeachment de Bolsonaro. À frase “O Brasil não é um País sério”, podemos acrescentar “O País da avacalhação total”.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

Saúde

Esperança

Quanta satisfação e orgulho senti ao ler a carta do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres. Em meio a tanta desesperança, escárnio, ironias, falsidade, falta de empatia, compaixão, estatura moral e ética; essa carta é um sinal de que nem tudo está perdido. Trabalho com assuntos regulatórios e científicos para a indústria de alimentos e bebidas há 30 anos. Presenciei o nascimento da Anvisa e posso dizer que já nasceu grande pelas mãos do dr. Gonçalo Vecina Neto. Em todos esses anos, a agência só melhorou, sempre com quadros técnicos excelentes. Que em 2022 possamos ter mais pessoas da estatura de Barra Torres em nosso governo.

Márcia Terra marcia.terra@nutriinsight.com.br

São Paulo

*

Exemplo

A carta do presidente da Anvisa, em resposta às insinuações do presidente, merece ir para os livros de história, pois é um verdadeiro libelo contra a opressão, a obtusidade, o negacionismo e a inconsequência de um governo que ataca seu povo e não protege nem sequer suas crianças. Além de ser um grito de “basta” que está entalado na garganta de todos os brasileiros de bem.

Elisabeth Migliavacca

Barueri

*

O governo e a Ômicron

Hoje, infelizmente, estamos convivendo com mais um episódio inquietante da pandemia da covid-19, marcado por uma variante (Ômicron) bem mais contagiosa. Diante desse quadro preocupante, o que vemos em nosso país? Vemos o presidente e o ministro da Saúde colocando empecilhos à vacinação e à implantação de medidas necessárias à proteção da saúde da população; a falta de empenho para solucionar a pane da plataforma de dados do Ministério da Saúde; e ataques de Bolsonaro a autoridades competentes. Estamos num voo ainda perigoso e turbulento, sendo conduzidos por um piloto e copiloto incompetentes e mal-intencionados.

Roberto Mendonça Faria faria@ifsc.usp.br

São Carlos

*

Despreparo

Bolsonaro demonstra não estar preparado quando alguém responde à altura, como no caso do presidente da Anvisa, dizendo apenas que a carta foi “agressiva”.

José Milton Glezer jmglezer@uol.com.br

São Paulo

*

Judiciário

Altos salários

Reportagens como a TJ-MG paga mais de 10 vezes o teto a desembargadores (Estado, 11/1, A9) mostram a razão de a nossa Justiça custar mais de 10 vezes que a dos EUA, em termos do PIB. Esse é o mais gritante exemplo do patrimonialismo em nosso meio (apropriação dos cofres públicos, para atender aos interesses de corporação). A sociedade precisa ser informada sobre esses abusos, pois só a indignação geral pode mudar alguma coisa.

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TERRITÓRIO NACIONAL ABANDONADO

Não só em áreas turísticas, mas também nas barragens, como se vê no Estado de 11/1, e em todos os locais do território brasileiro em que ocorrem acidentes naturais não há vistorias e fiscalização. O Ministério do Turismo é para inglês ver e brasileiro se acomodar. A compactação de terrenos, como medida preventiva, é imprescindível e providência segundo a natureza. Já depredações, queimadas, derrubadas de florestas e outras agressões contrárias à natureza são comuns neste país deixado à vontade de Deus, que agiria por meio de iniciativas, não tomadas, dos homens de bem e do diabo, em que, aí sim,  as iniciativas são tomadas por animais racionais predadores.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ÁGUAS DE JANEIRO

Todo início de ano se repetem as tragédias provocadas pelas chuvas diluvianas País afora, com as enchentes dos rios, o rompimento de barragens, o deslizamento de terra, a queda de paredões de rocha, as inundações, trazendo à luz cenas trágicas e dantescas de cidades isoladas submersas, mortos, feridos e desabrigados. São as águas de janeiro abrindo o verão. Até quando?

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PUXÃO DE ORELHAS

O papa Francisco se manifestou ao corpo diplomático credenciado no Vaticano. Defendeu a vacinação contra a covid e alertou, com veemência, sobre as desinformações postadas “por alguns” – leia-se fake news. Já o “Messias Bolsonaro”, que não é santo, acusou o golpe papal e se irritou. Fica a pergunta: será que Bolsonaro vai também enfrentar e difamar o papa Francisco e dizer que há algo de estranho por trás de suas palavras, pelo puxão de orelhas que recebeu? Afinal é da sua índole, não é mesmo? Quem viver verá!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

VERDADE E MENTIRA

A invasão de hackers no Ministério da Saúde terá sido verdade? Ou foi proposital para esconder o verdadeiro número de infectados e mortes pela covid -19 e variantes com a finalidade de poupar o governo? 

Lourdes Migliavacca

lourdesmigliavacca@yahoo.com.br

São Paulo    

*

BOLSONARO E BARRA TORRES

Bolsonaro não pode demitir Barra Torres porque ele foi eleito diretor-presidente da Anvisa e está em pleno exercício de seu mandato, exceto se cometeu falta grave. Então, que se abra inquérito, via AGU, para apurar o cometimento ilegal do almirante. Ou então que tome Bolsonaro a resposta à imputação de ser Barra Torres tarado por vacina como não tipificadora de falta capaz de justificar uma demissão. Falar sem necessidade ou falar sem propósito construtivo são ações que levam ao resultado que está a suportar. As pessoas inteligentes aprendem com os exemplos. 

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

PRÁTICA COMUM

O presidente Bolsonaro não pode demitir o presidente da Anvisa, Barra Torres, mas pode ofendê-lo a ponto de ele pedir demissão. É o modus operandi do presidente.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

É A MANIPULAÇÃO, ESTÚPIDO

Não se trata apenas de negacionismo, mas há muita manipulação nessa pandemia. O paciente e leigo no assunto que lê e assiste ao noticiário massivo na grande mídia, na Globo, por exemplo, não sabe o que fazer. Afinal, que doença ou gripe é essa que a vacina não tranquiliza, cria terror e se espalha? Quem perde e quem ganha com essa manipulação? Pequenas e médias empresas fecham endividadas. Grandes empreendedores (bancos, investimentos, tecnologia, saúde, etc.) crescem, fazem fusões, aquisições, ou seja, concentram capital. Moral da história: durante a guerra fria o capitalismo usou o comunismo, o terrorismo para amedrontar e ampliar sua dominação e concentração de renda. A pandemia merece cuidados, afinal é sua saúde em jogo, mas também muita análise e reflexão. O capital não possui pátria, escrúpulo e sentimento.

Antonio Negrão de Sá

negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

O VELHO SISTEMA

Atrás de todo esse empurra-empurra político, dorme uma verdade lancinante: ninguém pode (e quer) mudar o Brasil. Eleições, centro, direita e esquerda são apenas partes sensíveis do sistema. Mudar significa romper, e as correntes que unem os Três Poderes neste eterno permanecer são irresistíveis, atemporais, inexoráveis e intransponíveis. Sim, dói, mas é melhor ir se acostumando...

Ricardo C. Siqueira

ricardocsiqueira@lwmail.com.br

Niterói (RJ)

*

DESAJUSTADO

Quando o indivíduo tem o acúmulo de transtorno de personalidade, como o antissocial, o paranoide e o narcisista, é óbvio que isso leva a atitudes das mais esdrúxulas e inconvenientes, como estamos assistindo já faz alguns anos, a exemplo de: mentiras, desrespeito, dissimulação, negação, diz que não disse o que disse, fala que não fez o que fez, e o pior é que joga pessoas contra pessoas.

É assim que estamos sendo desgovernados por um Messias.

Sérgio Barbosa

Sergiobarbosa19@gmail.com

Batatais

*

BRASILEIROS NÃO ACREDITAM EM PALAVRAS, SÓ EM IMAGENS

Os brasileiros só se convencem de um fato, informação ou alerta após verem com seus olhos imagens do acontecimento. Não adianta escrever, é preciso desenhar. Sempre foi assim ao longo de toda nossa história. Exemplo recente é a eleição do pior deputado federal para presidente da República. Até suas declarações absurdas só são levadas a sério quando seu efeito vira fatos confirmados por imagens, como sua campanha antivacinas e as consequentes mortes mostradas na televisão. Um paraíso para desinformação e notícias mentirosas, as fake news, no moderno idioma brasileiro.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

BOLSONARO: NÃO À REELEIÇÃO

Bolsonaro nem por um decreto dos anjos será reeleito. Seu governo simplesmente foi terrível, se não o pior governo que já existiu neste país. Sem projeto de nada para o País, Bolsonaro revelou-se indivíduo tosco e ignorante. Destituído da mínima inteligência emocional, criou atritos com tudo e com todos. Pregou liberação de armas sem apresentar um projeto que modificasse este terrível Código Penal ou mesmo a Lei de Execução Penal. As leis no Brasil premiam o banditismo e a criminalidade. Na educação nada de nada, nada de valorizar os professores, reforma de escolas públicas, recuperação das universidades federais. Nada! A terrível infraestrutura urbana das nossas cidades não mereceu uma linha deste governo que jamais se preocupou com a baixíssima produtividade do País, com o baixíssimo nível de empregos e de renda da sofrida população. Sobre o meio ambiente e tecnologia, então, nada a comentar! Vai entregar de bandeja o País de novo para o PT, por conta da sua completa incompetência e inoperância. Bolsonaro não serviria sequer como síndico de prédio. Um despreparado, um boçal ignorante que já vai tarde! Qualquer pessoa razoavelmente instruída sabe das precariedades e das necessidades do País, Bolsonaro passa longe da realidade do país. Um obtuso total!

Paulo Alves

pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

PROMISCUIDADE

Não existe uma fórmula política tão decepcionante quanto à de Lula com o Alckmin. É promíscua.

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

DEZ VEZES O TETO SALARIAL

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais pagou aos desembargadores mais de dez vezes o teto em 2021. É o pior e mais ineficaz Judiciário do mundo democrático, mostrando suas garras. Mas esperem, logo algum desembargador vai dizer que precisa comprar ternos em Miami.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

VIVA A JUVENTUDE!

Parabéns Carlos Alberto Di Franco mais uma vez pela bandeira sinalizando um mundo mais real e próximo de nossos dias (Juventude, ativo transformador, Estado, 10/1)!

Uma pergunta: seria possível apontar algumas fontes para comprovar os fatos e mostrá-los aos incrédulos?

Feliz 2022!

Asterio Vaz Safatle

asteriosafatle@icloud.com

*







 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.