Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2022 | 03h00

Congresso

Parlamentarismo manco

Ao entregar a gestão do Orçamento à Casa Civil, Jair Bolsonaro renunciou de vez ao governo, entregando-o a Artur Lira e seus asseclas. Estivéssemos nós num Parlamentarismo, não haveria problema, pois, se o primeiro-ministro perde a confiança do povo, é substituído e até poderia haver eleições gerais. Do jeito que está, no entanto, o Centrão fará o que quiser e ninguém poderá reclamar. Desgoverno é isso.

Radoico Câmara Guimarães

radoico@gmail.com

São Paulo

*

Novo cargo de Guedes

Coitado do ministro Paulo Guedes! Parece que o Posto Ipiranga foi secando a tal ponto que só sobrou um restinho suficiente para que consiga chegar até o último dia do ano. Se não der, continuará firme fingindo que ainda serve para alguma coisa. Fim melancólico para quem foi vendido como um superposto capaz de abastecer tudo e todos, mas acabou se revelando mero poço em vias de secar completa e definitivamente.

Eliana França Leme

efleme@gmail.com

Campinas

*

Eleições

A volta do PT

Li com regalo a rima de cordel que corre lá pelas feiras do Nordeste: “Uma pra mim, outra pra mim. Uma pra tu, outra pra mim. Outra pra mim, outra pra tu”. Cujo verso bem demonstra como são repartidas as coisas públicas. É inevitável não associar a rima à imagem de Lula, por lhe calhar bem a fórmula da trapaça. Se quando presidente e lhe pendia a espada de Dâmocles sobre a cabeça roubou milhões, o que não vai roubar agora, quando se desencapou do pavor da prisão? Certamente meterá os pés pelas mãos, num chorrilho de ataques ao dinheiro do povo, mesmo porque nada de braçadas no mar da corrupção, ainda mais com o suporte fraternal do Supremo Tribunal Federal, sempre de plantão para absolvê-lo. Eis de volta o imbatível medalha de ouro na modalidade corrupção.

Antonio B. Camargo

bonival@camargoecamargo.adv.br

São Paulo

*

Futuro sombrio

Tragédia anunciada seria o termo que melhor definiria o sombrio, para não dizer sinistro, futuro do Brasil na hipótese da volta do PT e sua gangue ao Palácio do Planalto e adjacências.

Maria Elisa Amaral

melisalf3175@gmail.com

São Paulo

*

Educação

Passaporte da vacina

Estou perplexa com a posição da Federação Nacional das Escolas Particulares em relação a não obrigatoriedade do aluno de apresentar o atestado da vacina! A Federação deve achar feio pedir ao aluno de uma escola particular que apresente o comprovante de vacinação. Em época de fakes news estimulada pelo presidente da República, a Federação acha que todo aluno e pais de alunos têm consciência social para afirmar que tomou ou não vacina? Os dirigentes da Federação desconhecem o que é cidadania e respeito ao próximo! Certamente não têm qualificação para dirigir uma entidade dessa ao emitir pareceres e ter postura tão absurdos!

Regina Cutin

rcutin@gmail.com

 São Paulo

*

Saúde para todos

As escolas devem exigir o passaporte vacinal. Não é razoável impor à minha filha que vá ao colégio e se arrisque de se infectar e adoecer, traga o vírus para casa e contamine os avós octogenários. Quem quiser viver em sociedade deve aprender a pensar além do próprio umbigo.

Marcelo Kawatoko

marcelo.kawatoko@outlook.com

São Paulo

*

Patrimônio

Destruição em MG

Preservação, o que é isto no Brasil? Leio que os imóveis tombados em 2012 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Morro da Forca, no centro histórico de Ouro Preto, Minas Gerais, foram destruídos. Depois da catástrofe, o Ministério Público Federal (MPF) abriu procedimento para apurar as causas. É para rir ou chorar? Passados 10 anos e o Iphan não cobrou nada dos governantes de Minas Gerais? O mesmo aconteceu com o Museu Nacional na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, em que o MPF só apareceu depois do fato ocorrido. Então é assim, ninguém cobra e, quando a tragédia acontece, vão apurar o que aconteceu, sem cobranças do Iphan e punições aos prefeitos e governadores responsáveis.

Tania Tavares

taniatma@hotmail.com

 São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

ADEUS A THIAGO DE MELLO

“Faz escuro, mas eu canto”,  exemplo de vida e de luta de Thiago de Mello enche de orgulho corações e almas combatentes.  

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

‘CAPITALISMO DA AUSÊNCIA’

Como sempre, os artigos de Eugênio Bucci nos fazem pensar. Algumas vezes, com espanto. Assim são as reflexões originais, que agregam conhecimento ou fazem-no avançar. No seu último artigo O capitalismo da ausência (Estado, A5, 13/1), entre outros temas interessantes e provocativos, ele fala do “modo de produção capitalista atual” que (para o desespero dos defensores da ortodoxia marxista, lembro eu) consegue extrair valores (a um custo social jamais visto) estratosféricos de corpos em estado semivegetativo. E menciona os US$ 9,3 trilhões de valor de mercado atingidos belas “big techs”. Acho que faltou ao arguto articulista (ex-presidente do CA XI de Agosto, meu colega) mencionar que a voracidade em busca de “mais valor” ainda tem pela frente a vastidão do mercado dos usuários quando estão dormindo. Quem dorme, por enquanto, não consome fisicamente. Tem uma memória de consumidor que ao despertar sai por aí consumindo. A tarefa revolucionária desse sistema será nos transformar em consumidores instantâneos durante um bom sono. Esse modo de produção, pelo visto, pode ter longa vida pela frente.

José Manoel de Aguiar Barros

jmab@terra.com.br

São José do Rio Preto

*

PAULO GUEDES, O 1/2 MINISTRO

Paulo Guedes começou como superposto Ipiranga, depois ficou só com a lojinha de conveniência. Agora é maquininha de pagar boletos do Centrão. Como proclamou o editorial do Estadão (A3, 14/1) Guedes de novo rebaixado, até a chave do cofre agora é do Centrão. Paulo Guedes está em offshore.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

GASOLINA ADULTERADA

Paulo Guedes é péssimo Ministro da Fazenda. Faz, por vaidade, qualquer coisa que o acéfalo lhe pede. Nivela-se, sem nenhuma diferença, à dupla Dilma Rousseff e Guido Mantega.  Estudou em Chicago, mas não aprendeu nada. E, como remédio, já expirou a validade. Pior impossível. O mercado financeiro nem iria sentir sua falta. Este posto Ipiranga vende gasolina adulterada.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

IGNORAR FALAS NEGACIONISTAS      

A única coisa que resta ao já sofrido povo brasileiro é ignorar totalmente as falas do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Saúde, Marcelo “Quedroga” e ouvir somente a ciência e seus anjos de guarda. Afinal, se depender da dupla negacionista e infanticida, as pessoas de bem estarão totalmente abandonadas. Na verdade, a maneira de escapar disso tudo é tratar a dupla como “café com leite” e desprezá-la. Fica a dica!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CAPITÃ CLOROQUINA

Sabe aquela frase “só acontece no Brasil”, às vezes, não tem como não usá-la. A médica que recebeu o apelido de “capitã cloroquina”,

contrariamente ao que a ciência dizia, indicava o medicamento, e agora entrou com ação no STF por violência psicológica. Ela, no entanto, ao prescrever um tratamento sabidamente ineficiente para uma doença, cometeu um quase homicídio.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

A VACINAÇÃO DAS CRIANÇAS E A POUCA ORIENTAÇÃO

São Paulo começará na segunda-feira, dia 17, a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos contra a covid-19.  Vacinar as crianças é uma postura nova. No ano passado, dizia-se que, por serem menos susceptíveis ao vírus, não precisavam de imunização. A prática, no entanto, mostrou que crianças e jovens também morrem pelo coronavírus. Temos visto pais com sérias dúvidas quanto a vacinar seus filhos, pois temem efeitos colaterais posteriores, que possam englobar até o desenvolvimento orgânico. Os governos estaduais e municipais, que aplicam as vacinas diretamente na população, precisam produzir mais informações que tranquilizem a população, mesmo que para isso necessitem realizar campanhas nos jornais, rádios, TVs e internet. O povo não pode ficar desinformado e à mercê de opiniões de pessoas que não têm credenciais para falar sobre o assunto. Devem, inclusive, usar a competência e o conhecimento científico do pessoal dos centros de pesquisas para dizer ao povo por que deve se vacinar e que providências tomar caso restem efeitos colaterais. Outra coisa: os centros de pesquisa públicos devem ser aplicados no monitoramento da vida pós-vacina e a indústria farmacêutica, que lucra produzindo o imunizante, chamada a participar.    

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br                                         

São Paulo

*

‘N’ EFEITOS

Quando um laboratório fabrica uma vacina sobre a qual não assume responsabilidades, quais poderão ser seus efeitos?

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

BOLSONARO X STF

Não sou eleitor de Bolsonaro, mas tenho que concordar: o STF quer a volta de Lula, e não são só dois juízes!

Cancelar todos os processos/condenações do corrupto Lula foi a maior aberração cometida pelo Poder Judiciário no século 21.

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

CARTA DE RETRATAÇÃO

O presidente Jair Bolsonaro deveria pensar melhor antes de ameaçar e dar indiretas à Anvisa, cuja presidência, na pessoa do sr. Barra Torres, se indignou, com toda a razão, e pede uma retratação formal. Bolsonaro poderia pedir, de novo, para que o ex-presidente Temer o faça, porém, a cada carta dessas, sua popularidade decresce significativamente.

A sua carta de retratação ao povo brasileiro não precisa ser editada, sr. presidente da República, ela será dada, com toda a certeza, em 2 de outubro próximo.

José Claudio Bertoncello.

Jcberton10@hotmail.com

São Paulo

*

CLASSE EXECUTIVA

Faltam apenas 10 meses para que as urnas despachem o sofrível presidente Bolsonaro para a lata de lixo da História em voo de classe executiva. Basta!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PROMESSA EM VÃO DE BOLSONARO

O presidente da Confederação das Santas Casas, Mirocles Véras, em seu artigo no Estadão (12/01) Santas Casas cobram promessa de Bolsonaro, dá um angustiado recado ao Planalto, cadê os R$ 2 bilhões de ajuda?!  Desde maio esses hospitais filantrópicos aguardam esses recursos prometidos! Para tentar resolver o problema, o Senado aprovou um projeto de lei, mas na Câmara está engavetado, porque o Planalto, não está nem aí para essa quase insolvência das Santas Casas! Assim como despreza a ciência e salvar vidas nesta pandemia de covid-19, que já matou mais de 620 mil brasileiros, esse desumano presidente prefere andar de jet ski, etc. Enquanto isso esses hospitais acumulam uma dívida monstruosa com os bancos de R$ 7 bilhões. Porém, nesta pandemia não faltou atendimento digno aos pacientes, mesmo recebendo por dia de internação de UTI defasados R$ 1.600,00, quando o custo é de R$ 3.401,00. Neste sentido, Mirocles Véras diz: “Não queremos dinheiro público, queremos ser remunerados de forma justa pelo serviço prestado, para poder continuar a servir os brasileiros”.    

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ECOLOGIA

Enquanto os dirigentes tratam a natureza como se não houvesse amanhã, ela está sinalizando que eles podem ter razão, talvez não haja.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

IMPASSE SOBRE A UCRÂNIA

As delegações da Otan e da Rússia não chegaram a nenhum acordo sobre a Ucrânia nas negociações em Genebra. Há uma escalada de tensão com os Estados Unidos por causa do projeto que os democratas apresentaram no Senado com severas sanções contra setores-chave da economia russa. Em entrevista para a imprensa russa, um diplomata russo de alto escalão afirmou que o país avalia enviar destacamentos militares para Cuba e Venezuela. Enquanto isso, aqui no Brasil, Jair Bolsonaro deu boas-vindas ao vírus Ômicron. O que dirá o presidente se chegarem tropas russas perto da fronteira do País?

 Luiz Roberto da Costa Jr.

lrcostajur@uol.com.br

Campinas

*










 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.